Cap 12 As Origens da Ciência Moderna

4.476 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.476
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
417
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
95
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cap 12 As Origens da Ciência Moderna

  1. 1. AS ORIGENS DA CIÊNCIA MODERNA Capítulo 12 Profº José Ferreira Júnior
  2. 2. A CONTRIBUIÇÃO RENASCENTISTA • O RENASCIMENTO: • Momento marcante da história do pensamento ocidental; • Caracteriza-se pela importância que o homem passa a atribuir a si mesmo dentro do contexto da natureza; • Valoriza a condição humana e a capacidade de conhecer e intervir no todo; • A produção intelectual desse período se torna audaciosa e crítica em relação à visão tradicional; • É a razão, fortalecida, que constrói seus próprios caminhos em busca do entendimento das coisas.
  3. 3. A CONTRIBUIÇÃO RENASCENTISTA • Os vínculos entre filosofia natural e teologia também ficaram mais tênues, embora as principais conquistas científicas desse período tenham sido realizadas por clérigos, mesmo que não da alta hierarquia, como Nicolau de Cusa e Copérnico. • Podemos dizer que o surgimento de uma atitude científica está intimamente ligado ao universo renascentista e ao novo olhar que nesse período se desenvolveu.
  4. 4. A CONTRIBUIÇÃO RENASCENTISTA • O que o homem europeu sentiu quando percebeu que a Terra não era do jeito que ele imaginava? • Euforia, incerteza, dúvida, confusão, ceticismo, desespero? • Segundo Laura de Melo (historiadora brasileira): “a descoberta América talvez tenha sido o feito mais espantoso da história dos homens”. • O olhar para os céus também se modifica com a formulação do primeiro tratado de teoria astronômica heliocêntrica pelo astrônomo e matemático polonês Nicolau Copérnico.
  5. 5. A CONTRIBUIÇÃO RENASCENTISTA • A comoção causada pela teoria heliocêntrica no seio eclesiástico e sobre os fiéis foi grande, pois jamais uma autoridade espiritual contestara que a Terra era o centro do Universo. • O heliocentrismo contradizia a própria Bíblia, que afirma que Deus criou a Terra imóvel e firme. • Embora muitos pensadores tenham tentado resolver essa contribuição afirmando que as verdades teológicas são diferentes das verdades filosóficas, houve uma crise de autoridade: a filosofia escolástica reafirmava a cosmologia grega.
  6. 6. A CONTRIBUIÇÃO RENASCENTISTA • O cosmo concebido por Aristóteles, finito e ordenado segundo uma hierarquia de valores e perfeição, pode ser assim resumido: • A Terra está fixa no centro. • A sua volta os astros executam um movimento circular e uniforme, determinado por 55 esferas celestes que têm um centro em comum, a Terra. • O Universo termina na esfera mais externa, a das estrelas fixs. • Um primeiro motor movimenta essa esfera externa, que, por sua vez, move todas as outras, em contato entre si.
  7. 7. A CONTRIBUIÇÃO RENASCENTISTA • No interior do mundo sublunar (abaixo da Lua) tudo estaria sujeito à mudança e à deterioração. • A Terra, pesada e opaca, situa-se no centro do mundo sublunar. • Todas as esferas e corpos externos ao mundo sublunar são imutáveis, incorruptíveis e luminosos. • Por volta do século II a.C. o astrônomo grego Hiparco, procurando explicar o movimento retrógrado dos planetas, estabelecera o modelo geocêntrico clássico, que foi depois aperfeiçoado por outro astrônomo e geógrafo grego, Ptolomeu.
  8. 8. Modelo Geocêntrico de Aristóteles
  9. 9. Modelo Geocêntrico de Aristóteles
  10. 10. Modelo Heliocêntrico de Copérnico
  11. 11. A CONTRIBUIÇÃO RENASCENTISTA • No século XIII, com a redescoberta dos textos de Aristóteles e do modelo de Ptolomeu, a física e a metafísica aristotélica passaram a constituir o foco principal de conhecimentos admitidos como verdadeiros pela Igreja, e o modelo ptolomaico, adaptado à filosofia escolástica, foi feito como a representação verdadeira do Universo. • O Renascimento foi o momento propício para que o acúmulo de observações e de cálculos matemáticos confirmasse que o modelo geocêntrico já não servia para explicar todos os fenômenos.
  12. 12. A CONTRIBUIÇÃO RENASCENTISTA • Após considerar as diversas órbitas celestes, Nicolau de Cusa concluiu que não havia nenhum centro fixo ou imóvel: “Onde quer que se situe o observador, ele acreditará estar no centro de tudo”. • Concebeu então um Universo nem finito, nem infinito, mas indefinido, sem centro nem circunferência. • Nicolau de Cusa não propôs, portanto, que a Terra girava em torno do Sol, mas contribuiu para abalar as certezas a esse respeito.
  13. 13. CIÊNCIA, MISTICISMO E MAGIA • O retorno à Antinguidade realizado pelos pensadores renascentistas fez ressurgir diversas filosofias esquecidas durante a época medieval, como o pensamento pré-socrático, o pitagorismo, o estoicismo, o materialismo e neoplatonismo. • Todas essas correntes continham elementos considerados heréticos pelas autoridades eclesiásticas.
  14. 14. CIÊNCIA, MISTICISMO E MAGIA • Os pensadores do Renascimento fundiam elementos de diversas origens, um sincretismo do qual fizeram parte tanto concepções da Antiguidade e do início da era moderna como do período medieval. • Essas ideias se desenvolveram em vários campos do conhecimento: astronomia e astrologia, química e alquimia, medicina e magia, matemática e numerologia.
  15. 15. CIÊNCIA, MISTICISMO E MAGIA • Vários historiadores contemporâneos da ciência costumam relacionar a nova visão do homem com os estudos e práticas realizados pelas correntes místicas e mágicas que se proliferaram no Renascimento. • É preciso superar a ignorância em relação a essas crenças místicas e o preconceito que delas decorre, para admitir que serviram como uma espécie de “alavanca emocional” para diversas formulações científicas.
  16. 16. CIÊNCIA, MISTICISMO E MAGIA • O NEOPLATONISMO • Foi um sistema filosófico surgido em Alexandria no século III que pretendeu renovar o sistema platônico acrescentando-lhe elementos místicos por meio da ênfase do pitagorismo presente em algumas obras de Platão. • Trabalhava com o significado e o poder dos números. • Teria contribuído para elevar a matemática ao lugar de destaque que ela ocuparia na fundação da ciência moderna.
  17. 17. CIÊNCIA, MISTICISMO E MAGIA • Nicolau de Cusa escreveu que “os elementos foram [...] constituídos por Deus segundo uma ordem admirável; ele criou todas as coisas com número, peso e medida”. • Nicolau Copérnico afirmava que o Universo é inteiramente composto de números e que seu tratado heliocêntrico poderia ser compreendido apenas pelos matemáticos.
  18. 18. CIÊNCIA, MISTICISMO E MAGIA • HERMETISMOS • Doutrina baseada no Corpus hermeticum, texto egípcio, sobre magia que teria sido escrito por Hermes Trismegisto, muitos anos antes. • Redescoberto pelos renascentistas, Hermes foi traduzido pelo italiano Marsilio Ficino, tradutor de Platão, clérigo e médico, função esta que exercia aliada à magia, com encantamentos musicais, uso de talismã e simpatias.
  19. 19. CIÊNCIA, MISTICISMO E MAGIA • Oskar Adler diz que o termo “ciência oculta” relaciona-se ao fato de que a fonte cognoscitiva de que provém tal saber se encontra no mistério da “interioridade” do próprio ser humano. • A inquisição acendeu muitas fogueiras contra os pensadores magos renascentistas, mas o intenso debate entre o pensamento mágico e o cristão lançou bases importantes para a ciência nascente.
  20. 20. CIÊNCIA, MISTICISMO E MAGIA • A possibilidade de operar sobre a natureza implica entendê-la, reproduzi-la e controla-la.
  21. 21. GIORDANO BRUNO Não se requer do filósofo natural que busque todas as causas e princípios, mas só as físicas, e destas as principais e próprias.
  22. 22. GIORDANO BRUNO • Nasceu em Nola, na Itália, em 1548. • Ordenou-se padre pela ordem dos dominicanos, mas foi acusado de heresia por suas ideias rebeldes. • Viajou por vários países europeus durante muitos anos, fugindo de seus perseguidores, e voltou para a Itália em 1591. • No ano seguinte, foi denunciado à Inquisição por um aluno seu. • Permaneceu encarcerado durante sete anos, ao fim dos quais recebeu a sentença de morte.
  23. 23. GIORDANO BRUNO • No dia 17 de fevereiro de 1600, foi queimado vivo, condenado pelo Santo Ofício, tornando-se para muitos o principal mártir da ciência moderna por sua defesa ferrenha de Copérnico e do heliocentrismo. • Sua filosofia caracterizou-se fundamentalmente por seu antiaristotelismo e sua cosmologia animista e panteísta.
  24. 24. GIORDANO BRUNO • Para ele o mundo não poderia ser como Aristóteles afirmava, finito, hierarquizado, estático, tendo como única fonte de movimento o primeiro motor, um Deus transcendente. • De acordo com a cosmologia de Bruno, o mundo seria infinito e ilimitado, a Terra não ficaria no centro do Universo e não apenas existiriam vários mundos como também eles seriam habitados. • Ele concebia o Universo de maneira semelhante a Heráclito de Éfeso: em constante movimento.
  25. 25. GIORDANO BRUNO • Nada seria imóvel. • Esse movimento não seria decorrente do entrechoque dos corpos, e sim da própria natureza das coisas. • Para Bruno, cada coisa no Universo conteria em si mesma um princípio anímico (do latim anima, “sopro vital”), como o dos seres vivos, que faria com que ela se movesse, se transformasse.
  26. 26. GIORDANO BRUNO • Não haveria divisão entre alma e matéria, nem duas substâncias, a material e a espiritual: tudo teria uma única essência material provida de animação espiritual. • A esse animismo da filosofia bruniana aliase um panteísmo (do grego pan, “tudo”, e théos, “deus”): não havia apenas um princípio anímico, mas a própria divindade estaria presente em tudo.
  27. 27. GIORDANO BRUNO • Ele defendeu um Deus imanente. • Deus não teria criado o mundo separado de si; Ele faria parte, na verdade, do próprio mundo.
  28. 28. FRANCIS BACON • Nasceu em Londres. • Pertencia a uma família de nobres. • Desde menino, foi educado para ingressar na carreira política e projetarse nos cargos públicos. • É considerado um dos fundadores do método indutivo de investigação científica. • Atribui-se a ele a criação do lema “saber é poder”.
  29. 29. Teoria dos ídolos • A ciência deveria valorizar a pesquisa experimental, tendo em vista proporcionar resultados objetivos para o homem. • Mas era necessário que os cientistas se libertassem daquilo que denominava ÍDOLOS, i. é.,falsas noções, preconceitos e maus hábitos mentais.
  30. 30. O método experimental contra os ídolos • Em sua obra Novum Organum, destaca 4 gêneros de ídolos que bloqueiam a mente humana e prejudicam a ciência: • Ídolos da Tribo • Ídolos da Caverna • Ídolos do Mercado ou do Foro • Ídolos do Teatro.
  31. 31. O método experimental contra os ídolos • Ídolos da Tribo • As falsas noções provenientes das próprias limitações da natureza da espécie humana. • Ídolos da Caverna • As falsas noções do ser humano como indivíduo.
  32. 32. O método experimental contra os ídolos • Ídolos do Mercado ou do Foro • As falsas noções provenientes da linguagem e da comunicação. • Ídolos do Teatro • As falsas noções provenientes das concepções filosóficas, científicas e culturais vigentes.
  33. 33. Método indutivo de investigação Para combater os erros provocados pelos ídolos, propôs o método indutivo de investigação, baseado na observação rigorosa dos fenômenos naturais, que cumpriria as seguintes etapas: •Observação; •Organização racional; •Explicações gerais (hipóteses); •Experimentações.
  34. 34. Método indutivo de investigação A teoria da indução de Bacon, ao propor uma ampliação do conhecimento, é um marco na história da filosofia e da ciência, tendo orientado muitos pensadores e cientistas dos séculos seguintes.
  35. 35. REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA • COTRIM, Gilberto. Fundamentos da Filosofia: história e grandes temas. 16 ed. reform. e ampl. São Paulo: Saraiva, 2006. • CHALITA, Gabriel. Vivendo a Filosofia. 4. ed. São Paulo: Ática, 2011.

×