Umbanda e loucura

418 visualizações

Publicada em

seminário referente ao livro de Gilberto Velho - Desvio e Divergencia.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
418
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
25
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Umbanda e loucura

  1. 1. “Umbanda e Loucura” Simoni Lahud Guedes • Bacharelado (1971) e Licenciatura (1973) em Ciências Sociais pela Universidade Federal Fluminense (UFF) • Mestrado e Doutorado (1992) em Antropologia Social pelo Museu Nacional, Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) • Professora e pesquisadora na área de Antropologia, com ênfase em Cultura de Trabalhadores
  2. 2. Loucura como categoria social • A loucura pode ser manipulada socialmente • Foucault reconstrói a percepção que apresenta cada sistema cultural, das relações entre razão e não-razão • Foucault (1968): “O reconhecimento que permite dizer: ‘Este é um louco’ não é um ato simples nem imediato... Cada cultura tem seu limiar [de sensibilidade] particular e ele evolui com a configuração desta cultura”
  3. 3. Psiquiatrafrancês PhilippePinel(1745-1826) avaliando “loucos”, acorrentados, noAsilo(hoje,hospital)deSalpêtrièreemParis,em1795
  4. 4. O que é a Umbanda? • “ ...uma religião a pique de fazer-se; ainda não cristalizada, organizada, multiplicando-se numa infinidade de subseitas, cada uma com seu ritual e mitologia próprios.” (Roger Bastide, 1971) • “Se o Espiritismo é crença a procura de uma instituição, Umbanda é aspiração religiosa em busca de uma forma” (Ferreira de Camargo, 1961) • Culto afro- brasileiro e ligado ao Espiritismo: Kardec é leitura obrigatória (informantes) • Informante A: Umbanda (de mbanda: sacerdote) ≠ Quimbanda (de ki- mbanda: invocadores de espíritos). Quimbanda como baixo espiritismo e Umbanda como médio espiritismo • Informante B: Não há separação entre Umbanda e Quimbanda • A ausência de uma entidade unificadora e a relativa liberdade que os chefes de terreiro possuem sobre a definição dos temas rituais ou doutrinários contribui, por exemplo, para a divergência dos dois informantes.
  5. 5. OqueéaUmbanda? • “a Umbanda é subdividida em 7 ‘linhas’ e cada uma delas é comandada por um Orixá ou Santo Católico ... / cada ‘linha’ se desdobra em legiões, falanges, etc. ... (Ferreira de Camargo, 1961)
  6. 6. O queé aUmbanda? A Umbanda é uma religião heterodoxa, com uma junção de elementos africanos (“orixás” e culto aos antepassados), indígenas (culto aos antepassados e elementos da natureza), católicos (europeus que trouxeram o cristianismo e seus santos) e do Espiritismo (fundamentos de mediunidade, reencarnação, lei do carma, progresso espiritual)
  7. 7. Conceitos básicos encontrados na maioria das casas: • A existência de uma fonte criadora universal, um Deus supremo, pode receber os nomes Zambi, Olorum ou Oxalá. Algumas das entidades, quando incorporadas, podem nomeá-lo de outra forma, como por exemplo Tupã (para os caboclos) • O compromisso com "a manifestação do espírito para a caridade". O que significa que a ajuda ao próximo não deve ser retribuída em dinheiro ou valor de qualquer espécie • Ritual variando pela origem / Vestes, em geral, brancas • Altar, gongá ou peji com imagens católicas, preto-velhos, caboclos, baianos, marinheiros e boiadeiros. • Magia branca / Não sacrifício de animais • Batizado, consagração e casamento • O culto aos orixás como manifestações divinas • A manifestação dos guias para exercer o trabalho espiritual incorporados em seus médiuns ou "aparelhos", também chamados de "cavalos” • O mediunismo como forma de contato entre o mundo físico e o espiritual, manifestado de diferentes formas / Crença na imortalidade da alma / Crença na reencarnação e nas leis cármicas O queéa Umbanda?
  8. 8. A Umbanda e as acusações de loucura • Nina Rodrigues em seu livro “As Collectidades Anormaes” (1939) aponta a Umbanda como um dos casos de loucura coletiva, onde o contágio se dá por imitação. Como causa, ele aponta a falta de pureza das crenças religiosas, justificada pelo mestiçamento das raças. Concluiu que o Brasil resultou da junção do monoteísmo europeu, do fetichismo africano e da astrolatria aborígene. Assim, a confusão e conflito de idéias provindas de culturas diferentes é a principal causadora dessa doença. • Arthur Ramos, discípulo de Nina Rodrigues, em “Loucura e Crime” (1937) diz: “ A mentalidade pré-lógica domina em todas estas práticas de curanderismo naquelles que soffrem a influência das religiões primitivas do negro e do índio.”
  9. 9. • Ainda, para Nina Rodrigues a normalidade está situada na “pura” tradição ocidental e cristã dos colonizadores • “Médico da AL – PE combate a macumba Ao certificar-se no hospital psiquiátrico estadual - na Tamarineira, subúrbio de Recife - de que 70% dos internados lá diariamente são pacientes em transe por delírios influenciados por pais-de-santo, o deputado e médico Dr. Manuel Gilberto Cavalcanti denunciou a situação ao plenário de AL pernambucana, e agora sustenta campanha contra os terreiros de macumba.” (Publicado no Rio de Janeiro – Jornal médico Pulso – 10 de novembro de 1972) A Umbanda e as acusações de loucura
  10. 10. UMBANDA = LOUCURA Ambas estão fundadas na poluição de idéias e por isso se equacionam, de onde a luta que se trava contra a loucura e a Umbanda, pode ser resumida na oposição básica: racional/ irracional
  11. 11. Umbanda e loucura para os informantes Informante A: “ Nos casos de loucura que encontramos por aí – pessoas com alteração de fala, na locomoção, que gritam, esbravejam à toa, que apresentam mudanças de comportamento – cerca de 90% não são doença, somente 10% são realmente doença. A maior parte das manifestações de ordem nervosa correm por conta de EXU e dos EGUNS... São influências espirituais” Informante B: “Há casos de loucura com origem física com os quais a Umbanda nada tem que ver. A maioria, entretanto, são problemas espirituais – o encosto de um espírito na vítima. A mediunidade não desenvolvida ou paralisada provoca perturbações mentais”
  12. 12. Conclusão da autora “Tanto na teoria que acusa a Umbanda de loucura quanto na teoria que esta apresenta, estamos tratando de poluição. A lógica é a mesma. Só que a Umbanda desloca a poluição para as relações entre os indivíduos... Por isto a Umbanda não trata com ‘LOUCURA’, problema situado numa mente individual, mas com ‘PERTURBAÇÃO’, que envolve uma relação. É por isso que a sua teoria está repleta de referências a comunicação: ’O Exu é um mensageiro’; ‘a comunicação entre os espíritos se dá por aproximação e afastamento’... Todos clamam pela ordem: no indivíduo (isto é, na cultura individualizada) ou nas relações.”

×