Marshall Sahlins
 Bacharel e mestre pela Universidade de Michigan, onde estudou
com Leslie White;
 PhD na Columbia University em 1954, co...
 Cultura e Razão Prática (1976, no original)
 História e Cultura (1960, Evolution and Culture)
 Ilhas de História (1985...
 Oposições Criticadas:
 Estrutura X história (como se a persistência não fosse
histórica; Há tipos de estruturas com his...
 1) Teoria da relação entre estrutura e evento – teoria da História:
- Relação entre acontecimento e estrutura, síntese s...
 2) Crítica às Distinções Ocidentais em que se Pensa a Cultura (história X
cultura; estabilidade X mudança)
 Toda mudanç...
 O simbólico é pragmático (interesse: ordem cultural enquanto construída
na sociedade e enquanto vivenciada pelas pessoas...
 1) Explique o título do capítulo e o relacione com o argumento
de Sahlins;
 2) Quais as diferenciações sexuais e sociai...
Ilhas de História, sahlins
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Ilhas de História, sahlins

636 visualizações

Publicada em

Ilhas de História, sahlins

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
636
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
46
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ilhas de História, sahlins

  1. 1. Marshall Sahlins
  2. 2.  Bacharel e mestre pela Universidade de Michigan, onde estudou com Leslie White;  PhD na Columbia University em 1954, colega de Karl Polany e Julian Steward;  Anos 1960: ensinou em Universidade de Michigan;  Final dos anos 1960: ficou 2 anos em Paris;  A partir de 1978: Universidade de Chicago  FASES:  1) Neo-Evolucionista (cada cultura é moldada por particularidades geográficas e temporais, tecnologias, mas todas tendem a se tornar eficientes e complexas)  2) Culturalista: 1) relação entre estrutura e história (no mundo ou na ação, categorias culturais adquirem novas significações); 2) Relações entre cultura e história (a cultura é histórica e a história é cultural)
  3. 3.  Cultura e Razão Prática (1976, no original)  História e Cultura (1960, Evolution and Culture)  Ilhas de História (1985)  Metáforas Históricas e Realidades Míticas (1981, original)  Esperando Foucault, Ainda (1999 original)  Cultura na Prática (2000)  Outros: Social Stratification in Polynesia (1958), Maola: culture and nature on a Fijian Island (1962), Stone Age of Economics (1974), Tribesmen (1968).
  4. 4.  Oposições Criticadas:  Estrutura X história (como se a persistência não fosse histórica; Há tipos de estruturas com historicidades diversas: performativas e prescritivas);  Estabilidade e mudança (a cultura é síntese entre estabilidade e mudança);  Estado e processo (ex: parentesco no Havaí, pode ser criado quanto vir do berço)  Cultura e história (síntese na ação criativa dos sujeitos)
  5. 5.  1) Teoria da relação entre estrutura e evento – teoria da História: - Relação entre acontecimento e estrutura, síntese situacional dos dois na “estrutura da conjuntura”. “praxis”: sociologia situacional do significado; - Evento: não é o simples acontecimento, mas transforma-se no que lhe é dado de interpreação. - No mundo da ação, categorias culturais adquirem novos valores funcionais. - Os significados culturais, sobrecarregados pelo mundo, são transformados - Se as relações entre categorias muda, a estrutura é transformada (p. 174) – redefinição pragmática das categorias alterando as relações entre as mesmas (p. 179)  Como as estruturas se realizam no interior de uma ordem cultural? - Estruturas Performativas (assimilam-se as circunstâncias contingentes, o sist. Simbólico é altamente empírico e sibmete categorias a riscos práticos) ou - Estruturas Prescritivas (assimilam as circunstâncias a elas mesmas, há uma projeção da ordem existente)  Diferentes historicidades, são diferentemente abertas para a história. Acontecimento históricos têm assinaturas culturais diferentes
  6. 6.  2) Crítica às Distinções Ocidentais em que se Pensa a Cultura (história X cultura; estabilidade X mudança)  Toda mudança prática tb é reprodução cultural (p. 180);  Toda reprodução da cultura é alteração (na ação, as categorias assimilam novo conteúdo empírico): - O olho que vê é o olho da tradição (não há a “imaculada percepção” (p. 183): as categorias pelas quais a experiência é constituída não surgem diretamente do mundo, mas de suas relações diferenciais no interior de um sistema simbólico - O uso de conceitos convencionais em contextos empíricos submete os significados culturais a reavaliações práticas (p. 181): - Dupla contingência (do mundo prático – relações entre categorias em contexto) + sujeitos (pensantes, com projetos pessoais; refere-se ao valor do signo para quem o utiliza; utilizações interessadas são potencialmente inventivas) - Exemplo: reavaliações de tabu havaiano; Geertz: modernidade e o rei de Bali
  7. 7.  O simbólico é pragmático (interesse: ordem cultural enquanto construída na sociedade e enquanto vivenciada pelas pessoas) O SIGNIFICADO DE QUALQUER CATEGORIA SÓ EXISTE EM SEUS USOS PRÁTICOS Risco das Categorias em Ação: Riscos objetivos (contexto do signo e relação com outros signos no mundo) + Riscos Subjetivos (pessoas transformam-se em senhores dos conceitos, uso motivado dos signos) Reavaliação Funcional das Categorias: Processo onde significados e categorias adquirem novas significações. Estrutura da Conjuntura: síntese situacional da estrutura e evento; realização prática das categorias
  8. 8.  1) Explique o título do capítulo e o relacione com o argumento de Sahlins;  2) Quais as diferenciações sexuais e sociais presentes na sociedade havaiana à época da chegada de Cook?  3) Comente de que forma “o curso da história foi orquestrado pela lógica da cultura”, a partir da interpretação de Sahlins sobre:  A) os tabus alimentares  B) o papel do amor e a manifestação de erotismo no Havaí.  4) Explique a “economia política do amor” presente no Havaí descrito por Sahlins e demonstre sua relação com a argumentação do autor de que a sociedade havaiana pode ser aproximada a um tipo predominantemente “performativo” de estrutura ou modelo de produção simbólica.

×