Os movimentos sociais como fonte de transformação na educação

1.467 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.467
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
25
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Os movimentos sociais como fonte de transformação na educação

  1. 1. III Encontro de Pesquisa Discente do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Nove de Julho Tema: Perspectivas atuais da Pesquisa em Educação Título do Trabalho: Os movimentos sociais como fonte de transformação na educação: possibilidades e realizações Autor: Maria Inês Paulista Instituição: Universidade Nove de Julho E-mail: inespaulista@hotmail.com
  2. 2. Os movimentos sociais como fonte de transformação na educação: possibilidades e realizações Resumo O presente artigo visa investigar a contribuição dos movimentos sociais como fonte de transformação na educação, apontando suas possibilidades e realizações. Para tanto, recorremos à trajetória histórica, notadamente a partir da década de 60 do século XX, como os principais referenciais para análise, uma vez que figura-se como marco divisório de participação da população nos movimentos sociais. Até aquela época os movimentos sociais se caracterizavam pela luta de grupos isolados, de interesses específicos, e neste momento histórico, o interesse e engajamento da classe estudantil foi decisivo, na busca de direitos e arregimentando a participação de professores, artistas e dos operários. As décadas subseqüentes, também contribuíram de maneira peculiar na formação, educação e conquista de direitos, resgatando seu papel no contexto da problemática social brasileira, e como se deu a evolução histórica dos movimentos sociais. Abordamos também qual o conceito de educação a que se refere, não restrito ao ensino formal, escolar ou institucional, mas como a educação pode ser promovida por meio da participação nos movimentos sociais. Palavras-chave: movimentos sociais, educação, participação, história
  3. 3. Introdução Os movimentos sociais tematizam problemas e contradições que parecem não ser passíveis de solução, ou em princípio de uma solução satisfatória, mediante as formas tradicionais de organização social. Movimentos sociais são representados por um coletivo de pessoas, demandando algum bem material ou simbólico. (Gohn, 2003), expressando-se tanto como motor de transformação social, como partícipes do processo de mudanças e de sua efetivação. As mudanças enfrentadas nas últimas duas décadas do século XX dão uma dimensão dos desafios que os movimentos sociais são levados a traduzir. Desafios que não nos são estranhos. Mas, se não sabemos as respostas para as mudanças que estão ocorrendo, tanto no plano prático quanto no teórico, é relevante o debruçar sobre as teorias que procuraram dar conta das mudanças ocorridas nos dois últimos séculos. Tal procedimento parece prudente, na medida em que o conhecimento humano é cumulativo, embora nem sempre procuremos aprender com a história. Numerosos autores se propuseram a estudar os movimentos sociais em seu desenvolvimento histórico, na composição social, em sua dinâmica interna, em sua relação com o poder, na sua capacidade de imprimir novas configurações com as relações sociais, e nas possibilidades de transformar e reconstruir uma sociabilidade diferenciada. Com amparo no professor Raymond Boudon (1995, p. 284-291), que cita vários autores tais como: McCarthy e Zald (1977, p.1217-1218), dizem: “Um movimento social é um conjunto de opiniões e de crenças comuns a uma população que manifesta preferências pela mudança de alguns elementos da estrutura social e/ou da distribuição de recompensas numa sociedade”; Herbert Blumer (1946, p. 199), entende os movimentos sociais como sendo “empreendimentos coletivos destinados a estabelecer uma nova ordem de vida”; Charles Tilly (1984, p. 306), nos ensina que: “um movimento social é uma série ininterrupta de interações entre os detentores do poder e indivíduos que pretendem com êxito falar a favor de um conjunto de pessoas a quem falta representação formal, ao longo da qual essas pessoas (que representam o movimento) formulam publicamente reivindicações de mudanças na distribuição ou no exercício do poder e
  4. 4. fundamentam tais reivindicações através de manifestações públicas de apoio” – mas que, entretanto, posteriormente questiona e refuta suas definições, podemos dizer, portanto, que os movimentos sociais conceitualmente não são bem esclarecidos. Na concepção de Boudon (1995, p. 291), movimento social é um empreendimento coletivo de protesto e de contestação que visa impor mudanças, de importância variável, na estrutura social e/ou política através do recurso freqüente, mas não necessariamente exclusivo, a meios não-institucionalizados. Dentre os aspectos relevantes a observar nos movimentos sociais, os participantes são fundamentais. Os integrantes desses movimentos não são, necessariamente, os excluídos socialmente, diferentemente do que muitos pensam o que, aliás, é perceptível na sociedade brasileira. Pasquino (2000, p. 791) anota que, conforme apontam Wilson (1973) e Melucci (1976), “os agentes que iniciam o Movimento social não são os marginalizados. Quando muito, estes poderão constituir, em determinadas circunstancias e dentro de certas condições, uma base importante para a expansão e consolidação do movimento. Mas a liderança é constituída por indivíduos não periféricos, mas centrais”. Ainda na mesma linha de pensamento, Pasquino (idem) cita Melucci (1977, p. 109), que transcreve: “os primeiros a se rebelar não são os grupos mais oprimidos e desagregados, mas os que experimentam uma contradição intolerável entre a identidade coletiva existente e as novas relações sociais impostas pela mudança”. Entretanto é preciso observar que, apesar de se encontrarem no seio dos movimentos sociais uma série de pessoas oriundas de profissões sociais, muitas vezes eles não tem uma interconexão crítica ou de apoio recíproco das respectivas preocupações do que acontece ou vai acontecer. Esta cooperação parece não se efetivar. Claro está que ao lado da exigência de diretos, também é necessário assumir uma responsabilidade social, e as reformas conquistadas devem ser transportadas para dentro da sociedade. O movimento social, em seu sentido mais amplo, se constitui em torno de uma identidade ou identificação, na definição de um projeto ou programa, no seu processo de construção e
  5. 5. continuidade, na definição de adversários ou opositores, resultando em múltiplas articulações de seus sujeitos individuais ou coletivos. Ele é fruto de determinados contextos históricos e sociais e possui dinâmica e conflitos, são práticas sociais contraditórias. Histórico Os movimentos sociais tiveram origem há muito tempo, embora não se tenha uma data precisa, eles surgiram desde os primórdios da civilização. Muitos acabaram por desencadear mudanças extremamente significativas no mundo e também no Brasil1, desde sua colonização. Assim, podemos assinalar que os movimentos sociais no seu início, reivindicavam as questões operárias, lutas nas questões da escravidão, da posse de terras, da carestia entre outras. Devemos destacar também que as lutas sociais dos séculos XIX e primeira metade do século XX, demonstraram que os princípios proclamados nas declarações e conquistas de alguns movimentos, permaneceram como promessas não cumpridas. Conforme aponta Santos (1997), as duas mais importantes promessas da modernidade ainda a cumprir são, por um lado, a resolução dos problemas da distribuição, ou seja, das desigualdades que deixam largos estratos da população aquém da possibilidade de uma vida decente ou sequer da sobrevivência; por outro lado a democratização política do sistema político democrático. A partir da década de 60 do século XX, porém, vamos ter um fortalecimento e desdobramento dos movimentos sociais existentes, em vários segmentos como: movimento estudantil, feminista, dos negros, homossexual, etc, que reivindicavam os mais diferentes propósitos. Vale salientar que, este sentido é dado por Boudon (1995, p. 286), uma pertinente observação, a saber: “um movimento social não está necessariamente voltado para a inovação; muito pelo contrário, pode acontecer que alguns desses movimentos sejam orientados no sentido de um restabelecimento”. 1 Ver História dos Movimentos e lutas sociais de Maria da Glória Gohn
  6. 6. Um dos movimentos expressivos da década de 60 do século XX foi sem dúvida, o movimento estudantil, acontecido em vários países do mundo e que no Brasil adquiriu grande importância, pois representava não somente os estudantes, mas toda a sociedade brasileira, que naquele momento sofria as conseqüências do processo repressivo da ditadura militar e do arrocho salarial que se implantava no país, especialmente às classes populares. Como salienta Gohn (2003), o movimento estudantil ganhou importância por ser, naquele momento, um espaço físico e político-social privilegiado de lutas. Na conjuntura nacional e internacional, os estudantes emergiam como novo ator histórico das lutas sociais em aliança com o operário e o camponês. Pela primeira vez no país, a categoria dos estudantes se rebelou, anteriormente, na década de 30, houve a Movimento dos Pioneiros da Educação, mas este foi gerado por educadores e não contou com a participação dos estudantes Na luta dos estudantes desta década, além de participação política e social por eles requerida, fazia parte também suas reivindicações no que dizia respeito ao cotidiano da vida escolar. Pleiteavam a criação e ampliação de bibliotecas, a criação e modernização de laboratórios e equipamentos nas universidades, mais investimentos para o ensino público, a transformação dos currículos considerados abstratos, a criação de mais instituições para resolver o problema dos excedentes, pois o sistema de ensino não comportava o número de estudantes, no sentido de criar novas escolas e dar oportunidade para mais estudantes. Este movimento foi muito atuante, arrastava grande massa popular em suas passeatas e acampamentos, misturavam-se, estudantes e suas lideranças, trabalhadores, movimento das comunidades ligadas à Igreja, e com o recrudescimento das posições políticas impostas pelos mecanismos da ditadura, este movimento rachou, levando muitos para a luta armada. Esta posição de luta, e enfrentamento do sistema político do final desta década, acarretou movimentos de guerrilhas e de repressão, levando à prisão, morte e cassação dos direitos políticos de muitos brasileiros. Como aponta Gohn (2003)
  7. 7. Neste período o Movimento Estudantil passou a representar não apenas os estudantes,mas todo o povo brasileiro que estava sofrendo as conseqüências do processo recessivo de 1964-1966 e os primeiros efeitos do arrocho salarial que se estava implantando no país entre as classes populares. A Universidade, em particular a pública, representou um espaço de organização popular. O Movimento estudantil ganhou importância por ser, naquele momento, um espaço, físico e político-social privilegiado de lutas. (Gohn, 2003, p.106) Neste panorama histórico, a década de 1970 e 1980, vão se configurar como produtores de bandeiras de lutas sociais de lutas pelos direitos políticos perdidos e privilegiando o difícil combate em defesa da vida e da integridade física dos adversários do regime militar. Um dos movimentos populares mais representativos da década de 70 foi o movimento do custo de vida, organizados em diversas capitais do país, organizando a participação popular, desmantelada por meio da repressão política. Este movimento surgiu ligado às ações da Igreja Católica, em sua ala da Teologia da Libertação que por sua vez teve seu início no movimento das Comunidades Eclesiais de Base em 1968. Definia o cristão como aquele que luta contra as injustiças sociais, migrando das zonas rurais para a manifestação na zona urbana. Mas há que se registrar uma mudança significativa nas lutas das classes populares. Ela apesar de sua participação nestas lutas revela outros interesses, como o de se engajar nas causas democráticas com vistas a participar na sociedade de consumo. O regime militar começou a perder sua legitimidade junto à sociedade devido à crise econômica e a sociedade se reorganizou na elaboração de vários projetos de mudança social, propostas, frentes de luta e resistência, acreditando na retomada da democracia e na força do povo. Os movimentos sindicalistas se firmaram e as centrais sindicais apresentaram espírito corporativista apoiando outros movimentos como o dos negros, das mulheres, dos homossexuais e outras minorias, pela obtenção da sobrevivência nos meios urbanos. , advindo do campo da produção No dizer de Gohn (2003),
  8. 8. Não podemos nos esquecer de que a renovação no cenário da participação social da sociedade civil nos anos 70 e80 não ocorreu apenas no campo popular. Se este campo surgiu e se expandiu, contrapondo-se à exclusividade de que era dada ao sujeito trabalhador, advindo do campo da produção, como o sujeito por excelência com potencial para realizar mudanças históricas, movimentos sociais não populares, advindos de outras camadas sociais como das mulheres, dos ambientalistas, já tinham iniciado uma trilha de lutas independente como agentes de construção de identidades e força social organizada. (Gohn, 2005, p. 73) A década de 80 foi impulsionada pelos anseios de redemocratização do país, pelo poder de participação popular, pelo desejo de construir uma nova sociedade a partir de interesses imediatos dos indivíduos e dos grupos. Inaugurou-se um novo tempo para a questão da cidadania, o momento político nacional favoreceu a eclosão de novos questionamentos e lutas em favor dos direitos. Foi muito rica do ponto de vista das experiências político-sociais, e culturais, mas considerada a década perdida em termos econômicos. Não podemos deixar de mencionar a luta das Diretas-já, a criação de entidades organizativas amplas do movimento popular e a promulgação da Nova Constituição. De acordo com Gohn, (2003), a iniciativa popular, o plebiscito foram mecanismos de participação popular conquistados pelos cidadãos brasileiros, por meio dos movimentos e das pressões populares. Num país de tradição autoritária, eles significavam verdadeiros atos heróicos. Esta década foi fundamental para a compreensão da construção da cidadania dos pobres, em novos parâmetros. Embora com o estatuto de cidadãos de segunda categoria, os pobres saíram do submundo e vieram à luz como cidadãos dotados de direitos. A defesa dos direitos sociais caracterizava-se em lutas por moradia, transporte, alimentação, saúde e educação e algum tempo depois foram acrescida pela luta das questões ambientalistas. A década de 90 apresentou mudanças significativas nos movimentos sociais e redefiniram o âmbito de atuação. Houve um obscurecimento dos movimentos sociais, um enfraquecimento enquanto atores sociopolíticos, mas não seu desaparecimento. A militância política, a mobilização a participação cotidiana em atividades organizadas, de credibilidade nas políticas
  9. 9. públicas, de confiabilidade e legitimidade junto à população entram em crise e surgem novos movimentos centrados mais em questões éticas e de revalorização da vida humana. Certamente os problemas advindos das décadas anteriores não estavam resolvidos, mas o foco mudou devido observando assim a violência, a corrupção, os escândalos da vida política enfocadas agora no plano moral. O descrédito em torno das ações da política e dos políticos fez com que a sociedade civil acreditasse cada vez mais em sua capacidade de atuação independente (Gohn,2003), e a fazer suas próprias políticas na busca de qualidade de vida, a não-violência, a ecologia, a paz, a não-miséria e outras questões sociais que também passaram a ser objeto de ações coletivas. As reivindicações apresentam uma bifurcação. De um lado, as reivindicações que antes eram propostas em termos coletivos agora passam ao plano individual e neste sentido os movimentos sociais organizam-se principalmente entorno de comida como a Ação da Cidadania Contra a Fome, ou de grupos específicos como Movimentos dos Aposentados e dos Meninos e Meninas de Rua, o aspecto fundante é o chamamento individual através de campanhas. O outro aspecto importante é o plano moral, com lutas cívicas em que articulações difusas em termos de classes sociais apareceram e trouxe à tona movimentos de reparação como o Movimento Negro Unificado, que apesar do pouco apoio que recebeu teve o mérito de chamar a atenção da sociedade para a situação dos negros e seus descendentes na atualidade. Estas transformações foram acompanhadas de uma despolitização dos problemas sociais na década de 90 do século XX, e uma re-individualização que encontra expressão refinada nos projetos de política e de sujeitos neoliberais. Como aponta Gohn (2005) trata-se de um processo de desvirtuamento no qual o cidadão transforma-se em cliente, consumidor de bens e serviços e não mais detentor de direitos, direitos esses que deveriam ser alcançados pelo acesso aos serviços públicos estatais. Exemplo de tais serviços, tratados pela lógica mercadológica, são a educação e a saúde. Os clientes são tratados como objetos da ação e não como sujeitos. A enorme diversificação de pautas, marcante na segunda metade do século XX, parece passar agora por um novo momento de convergência. A globalização e, sobretudo, o caráter neoliberal dela,
  10. 10. tem obrigado os movimentos sociais que trabalham com os mais diversos temas a se aproximarem e convergirem suas lutas. A similaridade de processos sociais em princípios distintos está na idéia do avanço da governança privada, fruto de processos de privatização e redução da função reguladora do Estado. Diante dela, a relação de trabalho do operário é precarizada, o camponês perde sua terra diante da expansão do agronegócio, a preservação ambiental cede espaço para a necessidade de crescimento econômico e os pobres das cidades são desalojados pela especulação imobiliária. Os direitos ambientais tornam-se cada vez mais presentes na medida em a humanidade passou a reconhecer, nas questões ecológicas, risco para a sua própria sobrevivência, não só pelo esgotamento das fontes não- renováveis de energia fóssil, mas pelo geométrico crescimento dos índices de degradação do ar e da água. A crise ecológica e os processos da globalização alteraram o foco das reivindicações antes voltadas para determinados direitos e passando a enfrentar novos dilemas em âmbito regional e global. Esta mudança provocou dificuldades de implantação nas questões das garantias da cidadania e da qualidade de vida da maioria da população. A reorganização aconteceu no fortalecimento de outros atores como as ONGs e outras entidades do Terceiro Setor. Os movimentos populares passaram a ter outros aliados gerando uma nova dinâmica e com a necessidade de novas articulações e composições. A maioria dos movimentos, rurais e urbanos, passou a atuar em redes e a construir agendas anuais de congressos, fóruns e manifestações públicas. Entretanto a conseqüência deste direcionamento foi a dificuldade das lideranças se articularem com a população necessitada de participar das reuniões e outras atividades dos movimentos e a perda dos objetivos reivindicatórios, agora transmutados em propositivos. A proposta não é lutar por direitos como moradia, saúde, educação, mas atuar em projetos direcionados a trabalhar com crianças, jovens, mulheres, mudando o eixo de atuação e a consciência crítica deu lugar à participação nos programas e projetos sociais. Como aponta Gohn (2005), o militante foi se transformando para ativista organizador das clientelas usuárias dos serviços sociais.
  11. 11. Com o trabalho de mediação das ONGs algumas ações tomaram corpo e trabalham junto à população no sentido do reconhecimento da diversidade dos sujeitos sociais e do respectivo pluralismo das ideias, a promoção de mecanismos de participação no interior das organizações e nos comitês da esfera pública, dando voz a esta população. Procuram formas de inclusão e criam novas formas de gestão dos fundos públicos em parceria com a sociedade organizada. Preparar os sujeitos para se tornarem atores de novas formas de gestão requer a participação em diversos espaços: mobilizações de base local na esfera pública; empoderamento através dos fóruns e redes da sociedade civil; participação nos conselhos setoriais de parceria entre sociedade civil e Estado; e, nos últimos anos, a busca de uma representação ativa nas conferências nacionais e globais de iniciativa governamental em parcerias com a sociedade civil organizada. As redes, assim como qualquer relação social, estão sempre impregnadas pelo poder, pelo conflito, bem como pelas possibilidades de solidariedade, de reciprocidade e de compartilhamento. Portanto, o que interessa é saber como se dá o equilíbrio entre essas tendências antagônicas do social e como possibilitam ou não a autonomia dos sujeitos sociais, especialmente os mais excluídos e que, freqüentemente, são as denominadas “populações-alvo” desses mediadores. O ativismo de hoje tende a protagonizar um conjunto de ações orientadas aos mais excluídos, mais discriminados, mais carentes e mais dominados. A nova militância passa por essa nova forma de ser sujeito/ator. Há um outro tipo de ativismo, que se alicerça nos valores da democracia, da solidariedade e da cooperação e que vem crescendo significativamente nos últimos anos. Por exemplo, o Movimento de Economia Solidária, que tem suas expressões empíricas nos empreendimentos populares solidários, no Fórum Brasileiro de Economia Solidária (FBES) e na Rede de Entidades Brasileiras de Economia Solidária (REBES), mostrou sua força organizativa no Fórum Social Mundial de 2005, pelo número de oficinas, experimentos e tendas organizados. Assim, através dessas articulações em rede de movimento observa-se o debate de temas transversais, relacionados a várias faces da exclusão social, e a demanda de novos direitos. Parcerias entre a sociedade civil e o Estado requerem múltiplas formas de atuação e necessitam
  12. 12. de compromisso ético nas propostas que tenham por base a construção de uma sociedade mais justa em que os direitos de todos se expressem na participação democrática de todos. A educação Necessário se faz a referência do termo educação, para explicitar que este é abrangente e comporta vários processos. Primeiramente ela foi ensinada e aprendida de maneira informal, até chegar às formas sofisticadas e institucionalizadas que conhecemos hoje. Assim, a noção de educação ultrapassa a idéia de ensino regular, formação acadêmica, do ensino escolar. A escola não é o único lugar onde a educação acontece. A educação acontece em qualquer lugar e tempo, desde que a criança nasce ela está sendo educada para viver e conviver com outros humanos, outros animais e com a natureza, ela não é imposta, mas é essencial para a construção dos seres históricos. Ela acontece quando transmitimos os ensinamentos e valores recebidos dos nossos pais e do lugar onde residimos. Assim, a criança é educada para centrar-se em sua formação e reconhecer o meio social em que vive. Ela é promovida de várias formas, englobando processos de ensinar e aprender, de ajuste, de adaptação, de transmissão de normas de comportamento, de regras, de formação moral, de saber, de criar, de pensar, imaginar, inovar, observar, de promover influências e inter-relações pessoais e afetivas e principalmente de transformação. Ela é diferente em cada cultura e não possui uma verdade imutável, ela é uma realidade que se transforma ao longo do tempo, guardando consigo um pouco de tudo o que vai transformando, isto é, ela agrega novos elementos, se renova sem perder sua essência, seus conhecimentos básicos. A educação constrói e é construída. Assim, podemos afirmar que a educação ocorre em toda parte, ela começa com a observação e aparece sempre que surgem formas sociais de condução de ensinar e aprender. A educação, aqui tem um conceito amplo e que não fica restrita na abordagem escolar, formal e oficial, desenvolvida nas escolas, ministradas por instituições públicas ou privadas. Outras formas de educação são a não-formal e a informal.
  13. 13. A conotação de educação que se pretende abordar é o ensino-aprendizagem que se realiza ao longo da vida e de diferentes modos; seja pela leitura, interpretação e assimilação dos fatos, seja por meio dos eventos e acontecimentos e reivindicações que os indivíduos fazem de forma isolada ou em grupos, destacando a participação deles nos diversos movimentos sociais. Desta forma a educação atrela-se ao conceito de cultura, concebida como processos e maneiras da atuação do homem na história. Ela ao mesmo tempo influencia e é influenciada, ora provocando mudanças, ora sedimentando valores e tradições, transmitidas de geração a geração. De acordo com Brandão (1995), educação é um dos principais meios de realização de mudança social ou, pelo menos um dos recursos de adaptação da pessoa em um mundo em mudança, podendo na atualidade ser vista como um investimento, mas ela ainda continua a provocar desigualdades, tanto no plano regional como global. Neste contexto, os direitos individuais e sociais encontram barreiras em sua efetivação e as classes menos privilegiadas aprendem a recriar a educação de diversas formas e retransmiti-las aos mais jovens, constituindo uma rede de transmissão de saberes que se tornam resistência à invasão de outros saberes. A esperança na educação se fundamenta em acreditar que o ato humano de educar existe tanto no trabalho pedagógico, quanto no ato político que se trava por um tipo de escola, por outro tipo de mundo, em que a educação pode ser ao mesmo tempo, movimento e ordem, sistema e contestação. A própria história vem demonstrando que o professor tem um papel político a desempenhar, pois tendo consciência crítica da escola e de suas atribuições, estabelece relações entre a escola e a sociedade, posicionando-se como sujeito crítico e esclarecedor, pois é membro da sociedade civil. Assim, a realidade se transforma porque o processo de interações inovadoras requer novas condições sociais, nova distribuição de poder e novos espaços para ir situando novos aspectos de uma cultura, que emerge no ambiente escolar. E, todo esse processo de mudança conduz a discussões e conflitos polêmicos dentro de uma realidade plural, cujo desenlace, ainda que imprevisível, será obviamente a modificação da
  14. 14. sociedade. É no engajamento aos movimentos sociais que os professores, na luta pela escola pública, reconstroem a sua prática pedagógica na busca do desenvolvimento integral, como sua individualidade. Significa dizer que realçamos principalmente a importância do engajamento político do educador nos movimentos sociais, com implicações em sua prática pedagógica, como componente fundamental de elevação da consciência crítico-reflexivo do docente. A título de complementação das reflexões apresentadas neste trabalho, mencionamos como os movimentos sociais oferecem uma rica fonte de transformação na educação, registramos o exemplo do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra, que avançou em suas reivindicações. Eles lutam pela terra e pelas condições de apoio econômico para viverem nela, desenvolvendo uma de infra estrutura nos campos da saúde, comercialização de seus produtos, uma pedagogia própria na área da educação de crianças, jovens e adultos e também na formação de professores. Neste sentido, procura-se compreender as implicações do engajamento de todo educador em sua prática docente, a partir da interação que esse sujeito mantém com os movimentos sociais, irrompendo os limites da sala de aula e projetam-se para o campo da política social e educacional, de concepção de sociedade dentro das potencialidades ontológicas do trabalho. O objetivo é o de aproximar as lutas dos docentes às demais camadas exploradas para a constituição de movimentos sociais que tenham um projeto de sociedade que se confronte com as formas de dominações econômicas, políticas e sociais atuais. No panorama dos movimentos sociais deste novo milênio, observamos grande mobilização em torno das questões relativas à educação em suas diversas formas: os movimentos no setor da educação formal, no ensino universitário, na área da educação não-formal, os movimentos educacionais étnico-raciais, movimentos culturais através da música e tantos outros promotores de uma educação abrangente e inclusiva.
  15. 15. Conclusão Constata-se o reconhecimento social dos movimentos sociais visto que temas centrais passaram a não ser apenas tratados isoladamente, mas o próprio tratamento das questões sociais foram crescentemente delegadas a organizações dos movimentos ou das organizações não governamentais. Estes processos, conjugados com um interesse decrescente no que se refere às questões sociais, contribuiu para o fortalecimento dos movimentos sociais. Os movimentos sociais, sejam novos ou tradicionais, encontram-se contextualizados em meio às transformações ocorridas na política, econômica e social, na expansão dos mercados, marcados pela profunda crise estrutural da economia mundial e do país, pelas mudanças nos modelos de organização da produção do trabalho e da dinâmica social, agravada com globalização. Normalmente, a globalização é associada ao progresso técnico, a necessidade de expandir os mercados das nações com a abertura de seus produtos a outros países, marcando o crescimento da ideologia do liberalismo. Por isso tende a ser encarada como necessária e benéfica para todos os povos civilizados. Os países subdesenvolvidos ou em desenvolvimento deveriam por esse motivo adaptar-se sem restrições à dinâmica e aos propósitos da proposta global. A globalização é o produto mais acabado da economia de mercado do final do século XX. Mas, deixou marcas indeléveis na vida de grande parcela da população, como exclusão, adoção de medidas compensatórias que não promovem a transformação da dura realidade das diferenças sociais. A sociedade civil organizada do novo milênio tende a ser uma sociedade de redes organizacionais, de redes inter-organizacionais e de redes de movimentos e de formação de parcerias entre as esferas públicas privadas e estatais, criando novos espaços de gestão com o crescimento da participação cidadã. Essa é a nova utopia do ativismo: mudanças com engajamento com as causas sociais dos excluídos e discriminados e com defesa da democracia na diversidade. Neste novo milenio estamos presenciando novos tipos de associativismo no cenário brasileiro, no qual os movimentos sociais voltam a ter visibilidade, e pressionam os processos de transformação social, incorporando outras dimensões do pensar e do agir social. Aproveitam as
  16. 16. possibilidades das redes associativas ainda que de forma pontual por trabalharem com projetos focalizados e reorganizando-se para defender os interesses dos usuários dos serviços sociais e buscando um modelo real da participação com igualdade social. Referências - BOBBIO, Norberto, MATTEUCCI, Nicola e PASQUINO, Gianfranco. Movimentos Sociais. IN: Dicionário de Política. Brasília: Editora UnB, 2000: vol. 2; BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O que é educação. São Paulo: Brasiliense, 1995. Coleção Primeiros Passos. - BOUDON, Raymond. Movimentos Sociais. IN: Tratado de Sociologia. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1995; CATANI, Afrânio Mendes. O que é capitalismo. São Paulo: Brasiliense, 2004. CHAUÍ, Marilena. O que é ideologia. São Paulo: Brasiliense, 1990. COGGIOLA, Osvaldo. O capital contra a história: gênese e estrutura da crise contemporânea. São Paulo: Xamã, Pulsar, 2002. FALEIROS, Vicente de Paula. O que é política social. São Paulo: Braziliense, 1986. ______. A questão da assistência social. Revista Serviço Social & Sociedade, São Paulo, ano 10, n° 30, p. 109-126, abr. 1989. - GOHN, Maria da Glória. Movimentos sociais e luta pela moradia. São Paulo: Edições Loyola, 1991. ____________. História dos movimentos e lutas sociais: a construção da cidadania dos brasileiros. São Paulo: Edições Loyola, 2003. _____________. O protagonismo da sociedade civil: movimentos sociais, ONGs e redes solidárias. São Paulo: Editora Cortez, 2005. _____________ Teoria dos Movimentos sociais: paradigmas clássicos e contemporâneos. São Paulo, ed. Loyola, 1997 NETTO, José Paulo. Capitalismo Monopolista e Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1992.
  17. 17. ______. Ditadura e Serviço Social: uma análise do Serviço Social no Brasil pós-64. São Paulo: Cortez, 1988. Transformações societárias e Serviço Social: notas para uma análise prospectiva do Serviço Social no Brasil. Revista Serviço Social & Sociedade, São Paulo, ano 17, nº 50, p. 87132, abr. 1996. ______. ______. A construção do projeto ético-político do Serviço Social frente à crise contemporânea. In: Crise contemporânea, questão social e Serviço Social. Capacitação em Serviço Social e política social. Brasília: CFESS/ABEPSS/CEAD/Unb, 1999. PINTO, Rosa Maria Ferreiro. Política Educacional e Serviço Social. São Paulo: Cortez, 1986. RIBEIRO, Renato J. A Sociedade Contra o Social. São Paulo, Companhia das Letras, 2000; SANTOS, Boaventura de S. A globalização e as ciências sociais. São Paulo: Cortez, 2002. SANTOS, Milton. Técnica, Espaço, tempo (Globalização e meio técnico-científico informacional). São Paulo: Hucitec, 1996 YASBECK, M. C. Estudos da Evolução Histórica da Escola de Serviço Social no período 19361945. São Paulo, 1997. (Dissertação de Mestrado em Serviço Social, PUC-SP) ______. Classes Subalternas e Assistência Social. São Paulo: Cortez, 1993.

×