SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 12
Baixar para ler offline
QUÍMICA AMBIENTAL 
Efeito Estufa 
Chuva Ácida 
Camada de Ozônio
QUÍMICA AMBIENTAL 
Efeito Estufa 
A cobertura de nuvens da Terra reflete cerca de um 
quarto da radiação proveniente do Sol, devolvendo-a 
ao espaço, de maneira que esta radiação não 
participa do aquecimento do nosso planeta. Parte da 
radiação recebida é refletida por moléculas de gás da 
atmosfera e parte por materiais da superfície da Terra. 
Superfícies líquidas, rochas, solo, vegetais e 
especialmente neve e gelo refletem a energia solar. As 
nuvens, a atmosfera e os materiais da superfície 
terrestre refletem, em conjunto, praticamente 34% da 
radiação solar. Os 47% restantes da insolação são 
absorvidos ao nível da superfície da Terra. Assim, a 
maior parte da insolação que não é refletida e perdida 
para o espaço é usada no aquecimento das áreas 
sólidas e líquidas da Terra. 
Já que a Terra está em equilíbrio radiante, toda a 
energia absorvida é devolvida ao espaço na mesma 
proporção. Se assim não fosse, a Terra não poderia 
manter uma temperatura aproximadamente constante. 
Professor Fabiano Ramos Costa
QUÍMICA AMBIENTAL 
Efeito Estufa 
O comprimento de onda das radiações 
depende da temperatura do corpo que emite 
energia. O Sol apresenta um brilho branco 
incandescente e a sua energia localizada na 
parte visível do espectro, é denominada 
radiação de ondas curtas. A Terra e a 
atmosfera se aquecem absorvendo radiações 
de ondas curtas, porém a energia que recebem 
não é suficiente para ficarem muito quentes. 
Em conseqüência disso, irradiam energia em 
temperaturas muito inferior à do Sol e essa 
radiação é emitida em ondas longas, na faixa 
infravermelha do espectro. A radiação da Terra 
e sua atmosfera é sentida muito mais como 
calor do que vista como luz. Você já deve ter 
sentido o calor irradiado pelo calçamento, pelo 
solo e por outras superfícies, nas épocas 
quentes do ano.
QUÍMICA AMBIENTAL 
Efeito Estufa 
A radiação solar que chega ao solo é absorvida e, 
em seguida, re-emitida na forma de radiação 
infravermelha. Essa radiação perderia-se no 
espaço se não fosse pela presença dos gases de 
estufa: vapor d'água, dióxido de carbono, metano, 
óxido nitroso e ozônio. Alguns dos gases de estufa 
absorvem e reemitem de volta a radiação 
infravermelha (o calor) para superfície da Terra. 
O efeito estufa refere-se ao processo físico pelo 
qual a presença desses gases atmosféricos faz 
com que a Terra mantenha uma temperatura de 
equilíbrio maior do que teria caso estes gases 
estivessem ausentes. Se não fosse pelo efeito 
estufa, a vida como a conhecemos nunca teria 
surgido na Terra; teria sido demasiadamente frio. 
Estima-se entre -32 ºC a -23 ºC a temperatura do 
planeta se estes gases não existissem.
QUÍMICA AMBIENTAL 
Efeito Estufa 
O ritmo acelerado de industrialização e 
poluição aumentou enormemente a 
quantidade dos gases responsáveis pelo 
efeito estufa e afetou o equilíbrio 
ecológico. Se a quantidade desses gases 
aumentar muito, a radiação infravermelha 
retida pela atmosfera será maior, 
aumentando a temperatura do planeta. 
É um aquecimento de grandes 
proporções que tememos. Ele poderá 
provocar o degelo das calotas polares, 
elevando o nível dos mares e inundando 
regiões mais baixas. Mais secas podem 
ocorrer e mais desertos podem ser 
criados.
QUÍMICA AMBIENTAL 
Efeito Estufa 
É difícil prever a escala e os efeitos do 
aquecimento global provocado pelo efeito 
estufa, e há debates e estudos científicos 
ainda em andamento. Alguns cientistas 
afirmam que nos próximos 50 anos 
poderá haver um aumento de 
aproximadamente 2ºC na temperatura 
média do planeta.
QUÍMICA AMBIENTAL 
Chuva Ácida 
A precipitação ácida, ou chuva ácida, é talvez a 
mais incisiva forma de destruição ambiental. 
Ela causa estragos imensos em lagos, florestas 
e na vida selvagem, assim como em estruturas 
construídas pelo homem. A chuva ácida torna 
os lagos ácidos, matando as populações de 
peixes e outras vidas aquáticas. Ela desfaz a 
base da cadeia alimentar fazendo com que as 
populações de pássaros decresçam - o 
suprimento de comida dos pássaros é 
destruído quando a chuva ácida mata os 
insetos, plantas e outras vidas selvagens 
aquáticas. Ela também infiltra metais tóxicos 
pesados no solo, lagos, riachos e 
fornecimentos públicos de água e estraga 
estátuas e prédios públicos. A chuva ácida 
pode até ser responsável por alguns problemas 
de saúde.
QUÍMICA AMBIENTAL 
Chuva Ácida 
O dióxido de enxofre e os óxidos nítricos são 
poluentes do ar. Quando eles se misturam com a 
umidade na atmosfera para formar os ácidos, a chuva 
ácida acontece. Ventos fortes transportam o ácido, e a 
chuva ácida cai, tanto na forma de precipitação como 
na forma de partículas secas. A chuva ácida pode cair 
até 3.750 quilômetros de distância da fonte original da 
poluição. As chaminés e os automóveis do centro 
industrial do meio-oeste causam chuva ácida que 
prejudica o leste dos Estados Unidos e o noroeste do 
Canadá. Grande parte da chuva ácida que cai na 
Escandinávia vem de origens européias do oeste, do 
Reino Unido em particular. 
As áreas que recebem a chuva ácida não são 
igualmente afetadas por ela. A capacidade de uma 
região de neutralizar os ácidos, determina o tamanho 
do prejuízo em potencial. O solo alcalino neutraliza o 
ácido. Portanto, as áreas com solos altamente 
alcalinos - como o meio-oeste - são menos 
prejudicadas do que aquelas áreas onde o solo é 
neutro ou ácido, como o leste da América do Norte.
QUÍMICA AMBIENTAL 
Chuva Ácida 
Algumas medidas provisórias foram 
testadas para resolver o problema. Um 
exemplo é a adição de cal nos lagos 
poluídos para tentar neutralizar o ácido 
contido neles. Porém, tais medidas não 
funcionaram. A solução real é cortar 
drasticamente os poluentes que causam a 
chuva ácida. Isto significa interromper o 
uso de combustíveis fósseis como o 
carvão, especialmente o carvão com alto 
teor de enxofre e reduzir drasticamente as 
emissões dos automóveis.
QUÍMICA AMBIENTAL 
Camada de Ozônio 
O ozônio (O3) é produzido pela ação da luz 
ultravioleta proveniente do Sol sobre o oxigênio 
(O2) do ar. A camada de ozônio é uma porção da 
estratosfera situada a cerca de 22 km do nível do 
solo. Esta camada protege a Terra dos efeitos 
nocivos da radiação solar ultravioleta, que provoca 
câncer de pele, cataratas, prejudica as plantas e 
mata o plâncton dos oceanos. 
O ozônio esta constantemente sendo produzido e 
destruído dentro desta camada: o ozônio é 
formado quando a radiação ultravioleta do Sol 
interage com as moléculas de oxigênio (O2). A luz 
ultravioleta divide o oxigênio em dois átomos 
separados (O). Estes átomos livres recombinam 
com as moléculas de oxigênio para formar o 
ozônio ( O + O2 = O3 ). A molécula resultante 
absorve novamente a radiação ultravioleta e 
reinicia o processo. Dessa forma a radiação 
ultravioleta não chega na superfície da Terra.
QUÍMICA AMBIENTAL 
Camada de Ozônio 
Foi demonstrado que estas reações são 
afetadas pela presença de certos gases, 
principalmente dos clorofluorcarbonos 
(CFCs). Estes gases vêm dos sprays 
aerosóis, resfriadores para geladeira, ar 
condicionado e industrias químicas que 
produzem espuma plástica. Os CFCs 
produzem "buracos" na camada de 
ozônio.
QUÍMICA AMBIENTAL 
Camada de Ozônio 
A conscientização internacional sobre o 
surgimento de um "buraco" na camada de 
ozônio sobre a Antártida, na década de 
80, levou a um movimento pela proibição 
de produtos baseados nos CFCs.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Aula 6º ano - Introdução às ciências, método científico, ciências e senso comum
Aula 6º ano - Introdução às ciências, método científico, ciências e senso comumAula 6º ano - Introdução às ciências, método científico, ciências e senso comum
Aula 6º ano - Introdução às ciências, método científico, ciências e senso comum
 
Ecologia 3º ano
Ecologia 3º anoEcologia 3º ano
Ecologia 3º ano
 
Termoquímica
TermoquímicaTermoquímica
Termoquímica
 
ppt Química orgânica
ppt Química orgânicappt Química orgânica
ppt Química orgânica
 
Aula termoquímica
Aula termoquímicaAula termoquímica
Aula termoquímica
 
Aula 03 - Estrutura dos átomos e moléculas
Aula 03 - Estrutura dos átomos e moléculasAula 03 - Estrutura dos átomos e moléculas
Aula 03 - Estrutura dos átomos e moléculas
 
Transformações químicas da matéria
Transformações químicas da matériaTransformações químicas da matéria
Transformações químicas da matéria
 
Aula 8 sais e oxidos
Aula 8   sais e oxidosAula 8   sais e oxidos
Aula 8 sais e oxidos
 
Reações químicas
Reações químicasReações químicas
Reações químicas
 
Aula 1 Elementos SubstâNcias E Misturas2
Aula 1   Elementos SubstâNcias E Misturas2Aula 1   Elementos SubstâNcias E Misturas2
Aula 1 Elementos SubstâNcias E Misturas2
 
Aula sobre tabela periódica
Aula sobre tabela periódicaAula sobre tabela periódica
Aula sobre tabela periódica
 
01. substâncias e misturas
01. substâncias e misturas01. substâncias e misturas
01. substâncias e misturas
 
Polímeros
PolímerosPolímeros
Polímeros
 
Transformações químicas
Transformações químicasTransformações químicas
Transformações químicas
 
Slides ácidos e bases
Slides ácidos e basesSlides ácidos e bases
Slides ácidos e bases
 
Ondas 9° ano cec
Ondas 9° ano cecOndas 9° ano cec
Ondas 9° ano cec
 
Composição do ar
Composição do arComposição do ar
Composição do ar
 
Modelos atomicos 9ano
Modelos atomicos 9anoModelos atomicos 9ano
Modelos atomicos 9ano
 
Chuva ácida
Chuva ácidaChuva ácida
Chuva ácida
 
Eletroquimica
EletroquimicaEletroquimica
Eletroquimica
 

Destaque (20)

Quimica ambiental
Quimica ambientalQuimica ambiental
Quimica ambiental
 
Química Ambiental
Química AmbientalQuímica Ambiental
Química Ambiental
 
120662700 quimica-ambiental
120662700 quimica-ambiental120662700 quimica-ambiental
120662700 quimica-ambiental
 
Texto tecnicas de remediação
Texto tecnicas de remediaçãoTexto tecnicas de remediação
Texto tecnicas de remediação
 
Cartilha areas contaminadas
Cartilha areas contaminadasCartilha areas contaminadas
Cartilha areas contaminadas
 
Sistema Endócrino
Sistema EndócrinoSistema Endócrino
Sistema Endócrino
 
Recuperação de lagos
Recuperação de lagosRecuperação de lagos
Recuperação de lagos
 
Eutrofização e Maré Vermelha
Eutrofização e Maré VermelhaEutrofização e Maré Vermelha
Eutrofização e Maré Vermelha
 
Defesa de Estágio
Defesa de EstágioDefesa de Estágio
Defesa de Estágio
 
Moscas das-frutas
Moscas das-frutasMoscas das-frutas
Moscas das-frutas
 
Trabalho de biologia
Trabalho de biologiaTrabalho de biologia
Trabalho de biologia
 
Quimica Ambiental I
Quimica Ambiental IQuimica Ambiental I
Quimica Ambiental I
 
Força Eletromagnética
Força EletromagnéticaForça Eletromagnética
Força Eletromagnética
 
Poluição de água eutrofização
Poluição de água   eutrofizaçãoPoluição de água   eutrofização
Poluição de água eutrofização
 
Ciêcias- A Erosão , tipos de erosão
Ciêcias- A Erosão , tipos de erosãoCiêcias- A Erosão , tipos de erosão
Ciêcias- A Erosão , tipos de erosão
 
Vacinação aftosa e brucelose
Vacinação aftosa e bruceloseVacinação aftosa e brucelose
Vacinação aftosa e brucelose
 
Controle e Prevenção dos Processos de Poluição Ambiental
Controle e Prevenção dos Processos de Poluição AmbientalControle e Prevenção dos Processos de Poluição Ambiental
Controle e Prevenção dos Processos de Poluição Ambiental
 
Eutrofização
EutrofizaçãoEutrofização
Eutrofização
 
Erosões
ErosõesErosões
Erosões
 
Solo e erosão 2011
Solo e erosão 2011Solo e erosão 2011
Solo e erosão 2011
 

Semelhante a Química Ambiental: Efeito Estufa, Chuva Ácida e Camada de Ozônio

Revisão bimestral de geografia 2º bim 1º ano
Revisão bimestral de geografia 2º bim 1º anoRevisão bimestral de geografia 2º bim 1º ano
Revisão bimestral de geografia 2º bim 1º anoeunamahcado
 
EducaçãO Ambiental Efeito Estufa
EducaçãO Ambiental   Efeito EstufaEducaçãO Ambiental   Efeito Estufa
EducaçãO Ambiental Efeito EstufaTic Upe
 
Trabalho ciências. adriana, catarina, josé
Trabalho ciências. adriana, catarina, josé Trabalho ciências. adriana, catarina, josé
Trabalho ciências. adriana, catarina, josé Adriana Monteiro
 
PRIVEST - Cap. 05 - Atmosfera, tempo e clima - 3º EM
PRIVEST - Cap. 05 - Atmosfera, tempo e clima - 3º EMPRIVEST - Cap. 05 - Atmosfera, tempo e clima - 3º EM
PRIVEST - Cap. 05 - Atmosfera, tempo e clima - 3º EMprofrodrigoribeiro
 
Problemas atmosféricos
Problemas atmosféricosProblemas atmosféricos
Problemas atmosféricosEliena Leal
 
Condições da Terra que permitem a existência de vida
Condições da Terra que permitem a existência de vidaCondições da Terra que permitem a existência de vida
Condições da Terra que permitem a existência de vidaTânia Reis
 
A Atmosfera Terrestre
A Atmosfera TerrestreA Atmosfera Terrestre
A Atmosfera Terrestredulcemarr
 
Livro projeto telaris capitulo 12 ciencias 6º ano
Livro projeto telaris capitulo 12 ciencias 6º anoLivro projeto telaris capitulo 12 ciencias 6º ano
Livro projeto telaris capitulo 12 ciencias 6º anoRenan Silva
 
Alterações na atmosfera e suas implicações
Alterações na atmosfera e suas implicaçõesAlterações na atmosfera e suas implicações
Alterações na atmosfera e suas implicaçõesguest3eaec9
 
Destruição da camada de ozono
Destruição da camada de ozonoDestruição da camada de ozono
Destruição da camada de ozonoRita Pereira
 
A Atmosfera Terrestre
A Atmosfera TerrestreA Atmosfera Terrestre
A Atmosfera TerrestreRuben Almeida
 

Semelhante a Química Ambiental: Efeito Estufa, Chuva Ácida e Camada de Ozônio (20)

Revisão bimestral de geografia 2º bim 1º ano
Revisão bimestral de geografia 2º bim 1º anoRevisão bimestral de geografia 2º bim 1º ano
Revisão bimestral de geografia 2º bim 1º ano
 
Pedro
PedroPedro
Pedro
 
Chuvas ácidas
Chuvas ácidas Chuvas ácidas
Chuvas ácidas
 
EducaçãO Ambiental Efeito Estufa
EducaçãO Ambiental   Efeito EstufaEducaçãO Ambiental   Efeito Estufa
EducaçãO Ambiental Efeito Estufa
 
Problemas Ambientais
Problemas AmbientaisProblemas Ambientais
Problemas Ambientais
 
Trabalho ciências. adriana, catarina, josé
Trabalho ciências. adriana, catarina, josé Trabalho ciências. adriana, catarina, josé
Trabalho ciências. adriana, catarina, josé
 
PRIVEST - Cap. 05 - Atmosfera, tempo e clima - 3º EM
PRIVEST - Cap. 05 - Atmosfera, tempo e clima - 3º EMPRIVEST - Cap. 05 - Atmosfera, tempo e clima - 3º EM
PRIVEST - Cap. 05 - Atmosfera, tempo e clima - 3º EM
 
Problemas atmosféricos
Problemas atmosféricosProblemas atmosféricos
Problemas atmosféricos
 
Efeito estufa
Efeito estufaEfeito estufa
Efeito estufa
 
Atmosfera terrestre
Atmosfera terrestreAtmosfera terrestre
Atmosfera terrestre
 
Condições da Terra que permitem a existência de vida
Condições da Terra que permitem a existência de vidaCondições da Terra que permitem a existência de vida
Condições da Terra que permitem a existência de vida
 
Resumo geografia
Resumo geografiaResumo geografia
Resumo geografia
 
A Atmosfera Terrestre
A Atmosfera TerrestreA Atmosfera Terrestre
A Atmosfera Terrestre
 
Livro projeto telaris capitulo 12 ciencias 6º ano
Livro projeto telaris capitulo 12 ciencias 6º anoLivro projeto telaris capitulo 12 ciencias 6º ano
Livro projeto telaris capitulo 12 ciencias 6º ano
 
Alterações na atmosfera e suas implicações
Alterações na atmosfera e suas implicaçõesAlterações na atmosfera e suas implicações
Alterações na atmosfera e suas implicações
 
Poluição atmosférica
Poluição atmosféricaPoluição atmosférica
Poluição atmosférica
 
Destruição da camada de ozono
Destruição da camada de ozonoDestruição da camada de ozono
Destruição da camada de ozono
 
Efeito estufa
Efeito estufaEfeito estufa
Efeito estufa
 
Ar aula 1
Ar aula 1Ar aula 1
Ar aula 1
 
A Atmosfera Terrestre
A Atmosfera TerrestreA Atmosfera Terrestre
A Atmosfera Terrestre
 

Mais de Killer Max

Canola, uma cultura promissora
Canola, uma cultura promissoraCanola, uma cultura promissora
Canola, uma cultura promissoraKiller Max
 
Introdução à técnicas experimentais
Introdução à técnicas experimentaisIntrodução à técnicas experimentais
Introdução à técnicas experimentaisKiller Max
 
Manejo reprodutivo de bovinos
Manejo reprodutivo de bovinosManejo reprodutivo de bovinos
Manejo reprodutivo de bovinosKiller Max
 
A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)Killer Max
 
Irrigação de pastagem: atualidade e recomendações para uso e manejo
Irrigação de pastagem: atualidade e recomendações para uso e manejoIrrigação de pastagem: atualidade e recomendações para uso e manejo
Irrigação de pastagem: atualidade e recomendações para uso e manejoKiller Max
 
Léxico Comum e Léxico Específico dentro da Olericultura
Léxico Comum e Léxico Específico dentro da OlericulturaLéxico Comum e Léxico Específico dentro da Olericultura
Léxico Comum e Léxico Específico dentro da OlericulturaKiller Max
 
Fruticultura Do Tocantins
Fruticultura Do TocantinsFruticultura Do Tocantins
Fruticultura Do TocantinsKiller Max
 
Projeto de Irrigação no Tocantins
Projeto de Irrigação no TocantinsProjeto de Irrigação no Tocantins
Projeto de Irrigação no TocantinsKiller Max
 
Cultura do arroz
Cultura do arrozCultura do arroz
Cultura do arrozKiller Max
 
Raças de gado de leite
Raças de gado de leiteRaças de gado de leite
Raças de gado de leiteKiller Max
 
Guia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinosGuia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinosKiller Max
 
Manejo sanitário para caprinos e ovinos
Manejo sanitário para caprinos e ovinosManejo sanitário para caprinos e ovinos
Manejo sanitário para caprinos e ovinosKiller Max
 
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinosManejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinosKiller Max
 
Diferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinosDiferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinosKiller Max
 
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinosSistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinosKiller Max
 
Raças Equinas
Raças EquinasRaças Equinas
Raças EquinasKiller Max
 
Manejo Reprodutivo de Equinos
Manejo Reprodutivo de EquinosManejo Reprodutivo de Equinos
Manejo Reprodutivo de EquinosKiller Max
 
Cultura do Amendoim
Cultura do AmendoimCultura do Amendoim
Cultura do AmendoimKiller Max
 

Mais de Killer Max (20)

Canola, uma cultura promissora
Canola, uma cultura promissoraCanola, uma cultura promissora
Canola, uma cultura promissora
 
Introdução à técnicas experimentais
Introdução à técnicas experimentaisIntrodução à técnicas experimentais
Introdução à técnicas experimentais
 
Manejo reprodutivo de bovinos
Manejo reprodutivo de bovinosManejo reprodutivo de bovinos
Manejo reprodutivo de bovinos
 
A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)A cultura do mamão (carica papaya L.)
A cultura do mamão (carica papaya L.)
 
Irrigação de pastagem: atualidade e recomendações para uso e manejo
Irrigação de pastagem: atualidade e recomendações para uso e manejoIrrigação de pastagem: atualidade e recomendações para uso e manejo
Irrigação de pastagem: atualidade e recomendações para uso e manejo
 
Léxico Comum e Léxico Específico dentro da Olericultura
Léxico Comum e Léxico Específico dentro da OlericulturaLéxico Comum e Léxico Específico dentro da Olericultura
Léxico Comum e Léxico Específico dentro da Olericultura
 
Fruticultura Do Tocantins
Fruticultura Do TocantinsFruticultura Do Tocantins
Fruticultura Do Tocantins
 
Projeto de Irrigação no Tocantins
Projeto de Irrigação no TocantinsProjeto de Irrigação no Tocantins
Projeto de Irrigação no Tocantins
 
Cultura do arroz
Cultura do arrozCultura do arroz
Cultura do arroz
 
Raças de gado de leite
Raças de gado de leiteRaças de gado de leite
Raças de gado de leite
 
Guia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinosGuia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinos
 
Manejo sanitário para caprinos e ovinos
Manejo sanitário para caprinos e ovinosManejo sanitário para caprinos e ovinos
Manejo sanitário para caprinos e ovinos
 
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinosManejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
 
Diferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinosDiferenças entre ovinos e caprinos
Diferenças entre ovinos e caprinos
 
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinosSistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
 
Democracia
DemocraciaDemocracia
Democracia
 
Raças Equinas
Raças EquinasRaças Equinas
Raças Equinas
 
Manejo Reprodutivo de Equinos
Manejo Reprodutivo de EquinosManejo Reprodutivo de Equinos
Manejo Reprodutivo de Equinos
 
Cultura do Amendoim
Cultura do AmendoimCultura do Amendoim
Cultura do Amendoim
 
Genética
GenéticaGenética
Genética
 

Último

O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETODouglasVasconcelosMa
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 

Último (20)

“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETOProjeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
Projeto leitura HTPC abril - FORMAÇÃP SOBRE O PROJETO
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 

Química Ambiental: Efeito Estufa, Chuva Ácida e Camada de Ozônio

  • 1. QUÍMICA AMBIENTAL Efeito Estufa Chuva Ácida Camada de Ozônio
  • 2. QUÍMICA AMBIENTAL Efeito Estufa A cobertura de nuvens da Terra reflete cerca de um quarto da radiação proveniente do Sol, devolvendo-a ao espaço, de maneira que esta radiação não participa do aquecimento do nosso planeta. Parte da radiação recebida é refletida por moléculas de gás da atmosfera e parte por materiais da superfície da Terra. Superfícies líquidas, rochas, solo, vegetais e especialmente neve e gelo refletem a energia solar. As nuvens, a atmosfera e os materiais da superfície terrestre refletem, em conjunto, praticamente 34% da radiação solar. Os 47% restantes da insolação são absorvidos ao nível da superfície da Terra. Assim, a maior parte da insolação que não é refletida e perdida para o espaço é usada no aquecimento das áreas sólidas e líquidas da Terra. Já que a Terra está em equilíbrio radiante, toda a energia absorvida é devolvida ao espaço na mesma proporção. Se assim não fosse, a Terra não poderia manter uma temperatura aproximadamente constante. Professor Fabiano Ramos Costa
  • 3. QUÍMICA AMBIENTAL Efeito Estufa O comprimento de onda das radiações depende da temperatura do corpo que emite energia. O Sol apresenta um brilho branco incandescente e a sua energia localizada na parte visível do espectro, é denominada radiação de ondas curtas. A Terra e a atmosfera se aquecem absorvendo radiações de ondas curtas, porém a energia que recebem não é suficiente para ficarem muito quentes. Em conseqüência disso, irradiam energia em temperaturas muito inferior à do Sol e essa radiação é emitida em ondas longas, na faixa infravermelha do espectro. A radiação da Terra e sua atmosfera é sentida muito mais como calor do que vista como luz. Você já deve ter sentido o calor irradiado pelo calçamento, pelo solo e por outras superfícies, nas épocas quentes do ano.
  • 4. QUÍMICA AMBIENTAL Efeito Estufa A radiação solar que chega ao solo é absorvida e, em seguida, re-emitida na forma de radiação infravermelha. Essa radiação perderia-se no espaço se não fosse pela presença dos gases de estufa: vapor d'água, dióxido de carbono, metano, óxido nitroso e ozônio. Alguns dos gases de estufa absorvem e reemitem de volta a radiação infravermelha (o calor) para superfície da Terra. O efeito estufa refere-se ao processo físico pelo qual a presença desses gases atmosféricos faz com que a Terra mantenha uma temperatura de equilíbrio maior do que teria caso estes gases estivessem ausentes. Se não fosse pelo efeito estufa, a vida como a conhecemos nunca teria surgido na Terra; teria sido demasiadamente frio. Estima-se entre -32 ºC a -23 ºC a temperatura do planeta se estes gases não existissem.
  • 5. QUÍMICA AMBIENTAL Efeito Estufa O ritmo acelerado de industrialização e poluição aumentou enormemente a quantidade dos gases responsáveis pelo efeito estufa e afetou o equilíbrio ecológico. Se a quantidade desses gases aumentar muito, a radiação infravermelha retida pela atmosfera será maior, aumentando a temperatura do planeta. É um aquecimento de grandes proporções que tememos. Ele poderá provocar o degelo das calotas polares, elevando o nível dos mares e inundando regiões mais baixas. Mais secas podem ocorrer e mais desertos podem ser criados.
  • 6. QUÍMICA AMBIENTAL Efeito Estufa É difícil prever a escala e os efeitos do aquecimento global provocado pelo efeito estufa, e há debates e estudos científicos ainda em andamento. Alguns cientistas afirmam que nos próximos 50 anos poderá haver um aumento de aproximadamente 2ºC na temperatura média do planeta.
  • 7. QUÍMICA AMBIENTAL Chuva Ácida A precipitação ácida, ou chuva ácida, é talvez a mais incisiva forma de destruição ambiental. Ela causa estragos imensos em lagos, florestas e na vida selvagem, assim como em estruturas construídas pelo homem. A chuva ácida torna os lagos ácidos, matando as populações de peixes e outras vidas aquáticas. Ela desfaz a base da cadeia alimentar fazendo com que as populações de pássaros decresçam - o suprimento de comida dos pássaros é destruído quando a chuva ácida mata os insetos, plantas e outras vidas selvagens aquáticas. Ela também infiltra metais tóxicos pesados no solo, lagos, riachos e fornecimentos públicos de água e estraga estátuas e prédios públicos. A chuva ácida pode até ser responsável por alguns problemas de saúde.
  • 8. QUÍMICA AMBIENTAL Chuva Ácida O dióxido de enxofre e os óxidos nítricos são poluentes do ar. Quando eles se misturam com a umidade na atmosfera para formar os ácidos, a chuva ácida acontece. Ventos fortes transportam o ácido, e a chuva ácida cai, tanto na forma de precipitação como na forma de partículas secas. A chuva ácida pode cair até 3.750 quilômetros de distância da fonte original da poluição. As chaminés e os automóveis do centro industrial do meio-oeste causam chuva ácida que prejudica o leste dos Estados Unidos e o noroeste do Canadá. Grande parte da chuva ácida que cai na Escandinávia vem de origens européias do oeste, do Reino Unido em particular. As áreas que recebem a chuva ácida não são igualmente afetadas por ela. A capacidade de uma região de neutralizar os ácidos, determina o tamanho do prejuízo em potencial. O solo alcalino neutraliza o ácido. Portanto, as áreas com solos altamente alcalinos - como o meio-oeste - são menos prejudicadas do que aquelas áreas onde o solo é neutro ou ácido, como o leste da América do Norte.
  • 9. QUÍMICA AMBIENTAL Chuva Ácida Algumas medidas provisórias foram testadas para resolver o problema. Um exemplo é a adição de cal nos lagos poluídos para tentar neutralizar o ácido contido neles. Porém, tais medidas não funcionaram. A solução real é cortar drasticamente os poluentes que causam a chuva ácida. Isto significa interromper o uso de combustíveis fósseis como o carvão, especialmente o carvão com alto teor de enxofre e reduzir drasticamente as emissões dos automóveis.
  • 10. QUÍMICA AMBIENTAL Camada de Ozônio O ozônio (O3) é produzido pela ação da luz ultravioleta proveniente do Sol sobre o oxigênio (O2) do ar. A camada de ozônio é uma porção da estratosfera situada a cerca de 22 km do nível do solo. Esta camada protege a Terra dos efeitos nocivos da radiação solar ultravioleta, que provoca câncer de pele, cataratas, prejudica as plantas e mata o plâncton dos oceanos. O ozônio esta constantemente sendo produzido e destruído dentro desta camada: o ozônio é formado quando a radiação ultravioleta do Sol interage com as moléculas de oxigênio (O2). A luz ultravioleta divide o oxigênio em dois átomos separados (O). Estes átomos livres recombinam com as moléculas de oxigênio para formar o ozônio ( O + O2 = O3 ). A molécula resultante absorve novamente a radiação ultravioleta e reinicia o processo. Dessa forma a radiação ultravioleta não chega na superfície da Terra.
  • 11. QUÍMICA AMBIENTAL Camada de Ozônio Foi demonstrado que estas reações são afetadas pela presença de certos gases, principalmente dos clorofluorcarbonos (CFCs). Estes gases vêm dos sprays aerosóis, resfriadores para geladeira, ar condicionado e industrias químicas que produzem espuma plástica. Os CFCs produzem "buracos" na camada de ozônio.
  • 12. QUÍMICA AMBIENTAL Camada de Ozônio A conscientização internacional sobre o surgimento de um "buraco" na camada de ozônio sobre a Antártida, na década de 80, levou a um movimento pela proibição de produtos baseados nos CFCs.