SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 4
Baixar para ler offline
Ação de formação acreditada 
“Sala de aula: (Pre)conceitos e práticas“ 
8 e 9 de Setembro de 2014 
Avaliação dos formandos - Trabalho escrito individual 
Nome do 
formando:_______________________________________________________________________ 
___ 
Tema/Conferência a que subordina o 
trabalho:_____________________________________________________ 
________________________________________________________________________________ 
__________ 
O presente relatório tem como finalidade fazer uma análise reflexiva sobre 
aacção frequentada e, em simultâneo, avaliar o seu contributo a nível 
profissional epessoal. Pretendemos também, fazer a auto-avaliação face aos 
objectivos da acção efazer algumas propostas relativas à mesma. Não é nossa 
pretensão fazer uma análise exaustiva a estes parâmetros, masapenas uma 
abordagem contributiva para a sua avaliação. 
Um aspecto que pode contribuir para esta reflexão, é sem dúvida a crescente 
importância das TIC nas interacções professor aluno. Além de serem facilitadoras 
das aprendizagens, por tornarem os conteúdos mais simples, permitem também aos 
intervenientes mais possibilidades de trabalho de grupo e que eles comuniquem e 
se 
entendam entre si com maior rapidez, independentemente do sítio em que se 
encontrem 
e da hora a que o façam. 
Reconhecendo a importância da motivação escolar dos alunos e a introdução das 
tecnologias da 
Informação e Comunicação nas escolas, quer-se avaliar se há mais motivação nos 
alunos em 
que o professor utiliza mais as Tecnologias de Informação e Comunicação na sala 
de aula ou 
pelo contrário a motivação será maior se o professor não as utilizar. 
Quer-se também perceber se a introdução das TIC na sala de aula melhora ou 
(estreita) a 
relação professor aluno. 
Por ser professora, a obrigação é transmitir conhecimento. Ter a função da 
pessoa de quem 
ensina, é a de que a sua mensagem seja aprendida, e a de quem aprende que esta 
seja 
memorizada. Não existe, no entanto, uma relação linear entre estas duas funções, 
vamos 
chamá-las de função emissor e função recetor, que se possa à partida considerar 
una. A 
mensagem que é ensinada pode diferir daquela que é aprendida. Neste contexto, as 
TIC 
vieram trazer a esta relação emissor/recetor, consideremos professor/aluno, uma 
ferramenta 
que não pode ser ignorada em educação, tendo sido referida enquanto potenciadora 
do processo de ensino/aprendizagem, por pedagogos como Paulo Freire, que 
defendia no
entanto, a sua utilização mediante uma séria preparação prévia (Freire, 1992). 
Para Freire, o 
recurso à tecnologia pressupõe a compreensão do seu poder político, uma vez que 
a utilização 
de um software educativo, ou mesmo de uma página Web, parte, diríamos sempre, de 
uma 
determinada conceção do mundo, do Homem e claro do processo de 
ensino/aprendizagem 
(Freire, 1977). 
As Novas Tecnologias: vantagens e desvantagens 
Não se pode esperar que o computador faça tudo sozinho. Ele fornece-nos 
informações e recursos, cabendo ao professor planear a aplicação dos mesmos na 
sala de aula. A pressão constante em relação ao uso da informática torna-se cada 
vez mais evidente em todas as áreas e isso não é diferente na educação. A todo 
momento os professores sentem que quem não for capaz de usar a informática como 
instrumento de ensino-aprendizagem está fora do contexto do mercado de trabalho 
actual. É peremptório mudar este estado de coisas. 
A evolução das tecnologias de informação e da comunicação impõe uma redefinição 
do espaço de trabalho. Hoje é mais rápido enviar um e-mail do que uma carta por 
correio. Cada vez menos será o trabalhador a deslocar-se ao trabalho, e cada vez 
mais será o trabalho que virá até ao trabalhador. Trabalhar a partir de casa 
parece ser cada vez mais a hipótese acertada numa altura em que a flexibilidade 
se tornou num dos assuntos na ordem do dia. O mundo assiste hoje à integração e 
à implementação de novos meios que permitem uma maior rapidez e eficácia na 
troca de informação. 
O acesso a redes dentro e fora das empresas, a videoconferência em rede local, a 
utilização partilhada de documentos em tempo real e a redistribuição de chamadas 
telefónicas são alguns exemplos destas novas tecnologias. 
As novas tecnologias de comunicação trouxeram enormes vantagens aos mais 
diversos sectores da sociedade. Podemos verificar o quanto ajudou no processo de 
recuperação da informação através das bases bibliográficas em CD-ROM e on-line, 
como também na obtenção do próprio conteúdo desejado. Os periódicos electrónicos 
retratam uma parcela desse avanço tecnológico, apresentando vantagens e 
desvantagens tanto na sua forma “física“ como nas bases que os disponibilizam. O 
objectivo desta apresentação é relatar as nossas experiências e considerações 
sobre essa nova modalidade de publicação. 
Hoje existem diversos “sites“ na Internet que disponibilizam periódicos 
electrónicos. Neste cenário, encontramos uma grande variedade de interfaces, 
que, por vezes, comprometem os resultados das pesquisas, uma vez que as 
dificuldades encontradas pelos usuários para realizar uma pesquisa bibliográfica 
são elementos desenregelantes e geradores de buscas ineficientes ou mesmo 
incorrectas. É compreensível que vários factores concorram para que haja tamanha 
diversidade e mesmo mudança de interface nos sites de busca bibliográfica, pois 
nessa era globalizada em que estamos inseridos, tudo parece mudar muito 
rapidamente. A própria Internet aparece como factor desencadeante principal de 
tantas mudanças, onde se percebe quase que uma “anarquia controlada“. Os sites 
acompanham as tendências tanto de design como de objectivos específicos. 
É preciso que os profissionais da informação estejam atentos às constantes 
mudanças que se operam neste campo em constante actualização. 
Quais as vantagens e desvantagens do uso das tecnologias nas actividades de sala 
de aula? 
O uso das TIC em educação potencia ou inibe a aprendizagem? 
Velhas questões com o aparecimento das tic, do computador, da internet, com a 
sociedade da informação, do conhecimento, práticas de ensino a distância, 
criação de sites pelas escolas, turmas, ... um misto de conceitos associado à 
temática do "aprender com tecnologias", que se tornam moda, evoluem, entram em 
desuso, são substituídos...
Numa "actividade" que desenvolvi nos útimos tempos ao nível profissional 
deparei-me com a seguinte afirmação de uma "boa" aluna do ensino secundário, que 
pretende ingressar na Licenciatura em Medicina: 
"O uso de sites educativos deve constituir uma actividade extra às aulas, 
ficando ao critério do aluno a opção de consultar e utilizar, pois não devem 
mudar o método de ensino nas aulas em função do uso do computador e da Internet. 
Acaba por ser um pouco perda de tempo fazer isso nas aulas, porque os programas 
já são tão extensos, há tanta coisa para dar que acaba por se perder um bocado 
de tempo a ir a esses sites". 
Defende-se cada vez mais o uso das tecnologias em educação, argumentando que as 
mesmas potenciam a aprendizagem, facilitam determinadas actividades, a 
compreensão de conteúdos, a concretização de objectivos, estimulam os alunos, 
fomentam a autonomia e criatividade, .... 
No entanto, há argumentos que sublinham que se as tecnologias forem usadas para 
fazer igual àquilo que se faz sem elas, sem uma planificação, avaliação, 
reflexão-acção adequadas, o seu uso poderá tornar-se uma desvantagem, inibir a 
aprendizagem. Se um professor não usufruir das potencialidades das tecnologias 
de acordo com os objectivos educativos de uma actividade, de uma aula, de acordo 
com o contexto de utilização, os destinatários, e o conteúdo que pretende 
ensinar, ou seja, se não articular as potencialidades das tecnologias, 
adequando-as à situação pedagógica... a aprendizagem não será promovida. 
Não utilizem as tecnologias nas actividades escolares só porque estão na moda. 
Só por se dizer que são importantes, que estimulam os alunos. Não se sintam 
conservadores por não usarem. 
É fundamental utilizar de modo significativo e pertinente, quando é importante 
para nós, quando nos traz vantagens, motiva, quando nos sentimos preparados para 
usar...
Data ____/09/2014 O 
formando(a)_______________________________________________ 
<#PAGE * MERGEFORMAT#2#>

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Convite Projeto Formação Professores
Convite Projeto Formação ProfessoresConvite Projeto Formação Professores
Convite Projeto Formação ProfessoresImprensa-semec
 
Reflexao critica formacao_fa_avaliacao_web_artur_ramisio
Reflexao critica formacao_fa_avaliacao_web_artur_ramisioReflexao critica formacao_fa_avaliacao_web_artur_ramisio
Reflexao critica formacao_fa_avaliacao_web_artur_ramisioarturramisio
 
Avaliação no ciclo
Avaliação no cicloAvaliação no ciclo
Avaliação no cicloMagda Marques
 
Reflexão final e pessoal
Reflexão final e pessoalReflexão final e pessoal
Reflexão final e pessoalAnaigreja
 
Pauta Formação dos Coordenadores Texto
 Pauta Formação dos Coordenadores Texto Pauta Formação dos Coordenadores Texto
Pauta Formação dos Coordenadores Textovalentecilene
 
Caderno de estágio ed inf 2014 - anhanguera
Caderno de estágio ed inf 2014 - anhangueraCaderno de estágio ed inf 2014 - anhanguera
Caderno de estágio ed inf 2014 - anhangueramkbariotto
 
Fichas Registo Observacao Coordenador (Documento de Trabalho)
Fichas Registo Observacao Coordenador (Documento de Trabalho)Fichas Registo Observacao Coordenador (Documento de Trabalho)
Fichas Registo Observacao Coordenador (Documento de Trabalho)Maria André
 
Relatório formação-plataforma moodle-1
Relatório formação-plataforma moodle-1Relatório formação-plataforma moodle-1
Relatório formação-plataforma moodle-1fatimaneves28
 
Esboco do projeto de intervencao educacional nova versão
Esboco do projeto de intervencao educacional  nova versãoEsboco do projeto de intervencao educacional  nova versão
Esboco do projeto de intervencao educacional nova versãoClaudemirarocha
 
Relatór reflexcrític.vaniacanteiro
Relatór reflexcrític.vaniacanteiro Relatór reflexcrític.vaniacanteiro
Relatór reflexcrític.vaniacanteiro Vânia Canteiro
 
TABELA DE MOTIVOS DE BAIXA FREQUÊNCIA - PROJETO PRESENÇA
TABELA DE MOTIVOS DE BAIXA FREQUÊNCIA - PROJETO PRESENÇATABELA DE MOTIVOS DE BAIXA FREQUÊNCIA - PROJETO PRESENÇA
TABELA DE MOTIVOS DE BAIXA FREQUÊNCIA - PROJETO PRESENÇAAnderson Ramos
 
Plano de ação da coordenação
Plano de ação da coordenaçãoPlano de ação da coordenação
Plano de ação da coordenaçãofirminizia
 
Plano de aula e de ensino ( 1 aula)
Plano de aula e de ensino ( 1 aula)Plano de aula e de ensino ( 1 aula)
Plano de aula e de ensino ( 1 aula)leisiv
 
AVALIAÇÃO DO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
AVALIAÇÃO DO CICLO DE ALFABETIZAÇÃOAVALIAÇÃO DO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
AVALIAÇÃO DO CICLO DE ALFABETIZAÇÃOEdlauva Santos
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA LÍNGUA PORTUGUESA
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA LÍNGUA PORTUGUESAAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA LÍNGUA PORTUGUESA
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA LÍNGUA PORTUGUESAPatricia Rezende
 

Mais procurados (20)

Convite Projeto Formação Professores
Convite Projeto Formação ProfessoresConvite Projeto Formação Professores
Convite Projeto Formação Professores
 
Reflexao critica formacao_fa_avaliacao_web_artur_ramisio
Reflexao critica formacao_fa_avaliacao_web_artur_ramisioReflexao critica formacao_fa_avaliacao_web_artur_ramisio
Reflexao critica formacao_fa_avaliacao_web_artur_ramisio
 
Avaliação no ciclo
Avaliação no cicloAvaliação no ciclo
Avaliação no ciclo
 
Reflexão final e pessoal
Reflexão final e pessoalReflexão final e pessoal
Reflexão final e pessoal
 
Pauta Formação dos Coordenadores Texto
 Pauta Formação dos Coordenadores Texto Pauta Formação dos Coordenadores Texto
Pauta Formação dos Coordenadores Texto
 
Leitura no eja
Leitura no ejaLeitura no eja
Leitura no eja
 
Caderno de estágio ed inf 2014 - anhanguera
Caderno de estágio ed inf 2014 - anhangueraCaderno de estágio ed inf 2014 - anhanguera
Caderno de estágio ed inf 2014 - anhanguera
 
Generos tipologia textual descritores e distratores
Generos tipologia textual descritores e distratoresGeneros tipologia textual descritores e distratores
Generos tipologia textual descritores e distratores
 
Fichas Registo Observacao Coordenador (Documento de Trabalho)
Fichas Registo Observacao Coordenador (Documento de Trabalho)Fichas Registo Observacao Coordenador (Documento de Trabalho)
Fichas Registo Observacao Coordenador (Documento de Trabalho)
 
Relatório formação-plataforma moodle-1
Relatório formação-plataforma moodle-1Relatório formação-plataforma moodle-1
Relatório formação-plataforma moodle-1
 
Esboco do projeto de intervencao educacional nova versão
Esboco do projeto de intervencao educacional  nova versãoEsboco do projeto de intervencao educacional  nova versão
Esboco do projeto de intervencao educacional nova versão
 
Relatór reflexcrític.vaniacanteiro
Relatór reflexcrític.vaniacanteiro Relatór reflexcrític.vaniacanteiro
Relatór reflexcrític.vaniacanteiro
 
SAEB_Prova brasil
SAEB_Prova brasilSAEB_Prova brasil
SAEB_Prova brasil
 
TABELA DE MOTIVOS DE BAIXA FREQUÊNCIA - PROJETO PRESENÇA
TABELA DE MOTIVOS DE BAIXA FREQUÊNCIA - PROJETO PRESENÇATABELA DE MOTIVOS DE BAIXA FREQUÊNCIA - PROJETO PRESENÇA
TABELA DE MOTIVOS DE BAIXA FREQUÊNCIA - PROJETO PRESENÇA
 
Plano de ação da coordenação
Plano de ação da coordenaçãoPlano de ação da coordenação
Plano de ação da coordenação
 
Plano de aula e de ensino ( 1 aula)
Plano de aula e de ensino ( 1 aula)Plano de aula e de ensino ( 1 aula)
Plano de aula e de ensino ( 1 aula)
 
AVALIAÇÃO DO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
AVALIAÇÃO DO CICLO DE ALFABETIZAÇÃOAVALIAÇÃO DO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
AVALIAÇÃO DO CICLO DE ALFABETIZAÇÃO
 
Observacao sala aula
Observacao sala aulaObservacao sala aula
Observacao sala aula
 
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA LÍNGUA PORTUGUESA
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA LÍNGUA PORTUGUESAAVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA LÍNGUA PORTUGUESA
AVALIAÇÃO DIAGNÓSTICA LÍNGUA PORTUGUESA
 
Plano de Turma 2014 2015
Plano de Turma 2014 2015Plano de Turma 2014 2015
Plano de Turma 2014 2015
 

Semelhante a Formação TIC Educação

O uso da tecnologia na escola. grupo estudo cecierj 2015
O uso da tecnologia na escola. grupo estudo cecierj 2015O uso da tecnologia na escola. grupo estudo cecierj 2015
O uso da tecnologia na escola. grupo estudo cecierj 2015UFRGS
 
Portifólio professoras do maya
Portifólio professoras do mayaPortifólio professoras do maya
Portifólio professoras do mayaeliageraldo
 
Portifólio professoras do maya
Portifólio professoras do mayaPortifólio professoras do maya
Portifólio professoras do mayaelianegeraldo
 
LaboratóRio De InformáTica Educacional Resumo
LaboratóRio De InformáTica Educacional   ResumoLaboratóRio De InformáTica Educacional   Resumo
LaboratóRio De InformáTica Educacional Resumonorbertoschwantes
 
A metodologia blended-learning como mais uma alternativa na formação contínua...
A metodologia blended-learning como mais uma alternativa na formação contínua...A metodologia blended-learning como mais uma alternativa na formação contínua...
A metodologia blended-learning como mais uma alternativa na formação contínua...Fernanda Ledesma
 
Tecnologias trazem o mundo para a escola entrevista-beth almeida
Tecnologias trazem o mundo para a escola entrevista-beth almeidaTecnologias trazem o mundo para a escola entrevista-beth almeida
Tecnologias trazem o mundo para a escola entrevista-beth almeidaFrancismar Lopes
 
DEVICES COMO FERRAMENTAS DE APRENDIZAGEM
DEVICES COMO FERRAMENTAS DE APRENDIZAGEMDEVICES COMO FERRAMENTAS DE APRENDIZAGEM
DEVICES COMO FERRAMENTAS DE APRENDIZAGEMRenata Vasconcellos
 
Ana paula rodrigues kuhls lemos
Ana paula rodrigues kuhls lemos Ana paula rodrigues kuhls lemos
Ana paula rodrigues kuhls lemos equipetics
 
Questões pedagógicas e formação de pessoal - possibilidades em torno do Proje...
Questões pedagógicas e formação de pessoal - possibilidades em torno do Proje...Questões pedagógicas e formação de pessoal - possibilidades em torno do Proje...
Questões pedagógicas e formação de pessoal - possibilidades em torno do Proje...Simão Pedro Marinho
 
Comunicação mediada pela tecnologia
Comunicação mediada pela tecnologiaComunicação mediada pela tecnologia
Comunicação mediada pela tecnologiaVanessa Bartoski
 

Semelhante a Formação TIC Educação (20)

Segundaversao tcc silvia_figueiredo_2
Segundaversao tcc silvia_figueiredo_2Segundaversao tcc silvia_figueiredo_2
Segundaversao tcc silvia_figueiredo_2
 
Seminario
SeminarioSeminario
Seminario
 
Seminario
SeminarioSeminario
Seminario
 
Seminario[1]
Seminario[1]Seminario[1]
Seminario[1]
 
Informatica na Educaçao
Informatica na EducaçaoInformatica na Educaçao
Informatica na Educaçao
 
O uso da tecnologia na escola. grupo estudo cecierj 2015
O uso da tecnologia na escola. grupo estudo cecierj 2015O uso da tecnologia na escola. grupo estudo cecierj 2015
O uso da tecnologia na escola. grupo estudo cecierj 2015
 
A Importância da Capacitação dos Funcionários da Área Educativa e os Seus Papéis
A Importância da Capacitação dos Funcionários da Área Educativa e os Seus PapéisA Importância da Capacitação dos Funcionários da Área Educativa e os Seus Papéis
A Importância da Capacitação dos Funcionários da Área Educativa e os Seus Papéis
 
Portifólio professoras do maya
Portifólio professoras do mayaPortifólio professoras do maya
Portifólio professoras do maya
 
Portifólio professoras do maya
Portifólio professoras do mayaPortifólio professoras do maya
Portifólio professoras do maya
 
LaboratóRio De InformáTica Educacional Resumo
LaboratóRio De InformáTica Educacional   ResumoLaboratóRio De InformáTica Educacional   Resumo
LaboratóRio De InformáTica Educacional Resumo
 
A metodologia blended-learning como mais uma alternativa na formação contínua...
A metodologia blended-learning como mais uma alternativa na formação contínua...A metodologia blended-learning como mais uma alternativa na formação contínua...
A metodologia blended-learning como mais uma alternativa na formação contínua...
 
Tecnologias trazem o mundo para a escola entrevista-beth almeida
Tecnologias trazem o mundo para a escola entrevista-beth almeidaTecnologias trazem o mundo para a escola entrevista-beth almeida
Tecnologias trazem o mundo para a escola entrevista-beth almeida
 
Lptic
LpticLptic
Lptic
 
DEVICES COMO FERRAMENTAS DE APRENDIZAGEM
DEVICES COMO FERRAMENTAS DE APRENDIZAGEMDEVICES COMO FERRAMENTAS DE APRENDIZAGEM
DEVICES COMO FERRAMENTAS DE APRENDIZAGEM
 
Inclusão digital
Inclusão digitalInclusão digital
Inclusão digital
 
Susana alentejano prova tac
Susana alentejano prova tacSusana alentejano prova tac
Susana alentejano prova tac
 
Ana paula rodrigues kuhls lemos
Ana paula rodrigues kuhls lemos Ana paula rodrigues kuhls lemos
Ana paula rodrigues kuhls lemos
 
Questões pedagógicas e formação de pessoal - possibilidades em torno do Proje...
Questões pedagógicas e formação de pessoal - possibilidades em torno do Proje...Questões pedagógicas e formação de pessoal - possibilidades em torno do Proje...
Questões pedagógicas e formação de pessoal - possibilidades em torno do Proje...
 
Comunicação mediada pela tecnologia
Comunicação mediada pela tecnologiaComunicação mediada pela tecnologia
Comunicação mediada pela tecnologia
 
Portfolio 2
Portfolio 2Portfolio 2
Portfolio 2
 

Mais de MINEDU

Jan julh
Jan julhJan julh
Jan julhMINEDU
 
Vulcões
VulcõesVulcões
VulcõesMINEDU
 
Teste 2 deriva continental e tectónica de placas
Teste 2   deriva continental e tectónica de placasTeste 2   deriva continental e tectónica de placas
Teste 2 deriva continental e tectónica de placasMINEDU
 
Identificação das rochas magmáticas
Identificação das rochas magmáticasIdentificação das rochas magmáticas
Identificação das rochas magmáticasMINEDU
 
Fósseis
FósseisFósseis
FósseisMINEDU
 
Nº 5 deriva continental
Nº 5 deriva continentalNº 5 deriva continental
Nº 5 deriva continentalMINEDU
 
Génese r mag e met. ciclo das rochas
Génese r mag e met. ciclo das rochasGénese r mag e met. ciclo das rochas
Génese r mag e met. ciclo das rochasMINEDU
 
Nº 3 rochas sedimentares
Nº 3 rochas sedimentaresNº 3 rochas sedimentares
Nº 3 rochas sedimentaresMINEDU
 
Os fósseis
Os fósseisOs fósseis
Os fósseisMINEDU
 
Sismologia
SismologiaSismologia
SismologiaMINEDU
 
Nº 2 rochas e minerais
Nº 2   rochas e mineraisNº 2   rochas e minerais
Nº 2 rochas e mineraisMINEDU
 
Uma agulha que_flutua
Uma agulha que_flutuaUma agulha que_flutua
Uma agulha que_flutuaMINEDU
 
Escrita magica
Escrita magicaEscrita magica
Escrita magicaMINEDU
 
Vt7 teste 3 (1)
Vt7 teste 3 (1)Vt7 teste 3 (1)
Vt7 teste 3 (1)MINEDU
 
Vulcanismo e sismologia 7º ano
Vulcanismo e sismologia   7º anoVulcanismo e sismologia   7º ano
Vulcanismo e sismologia 7º anoMINEDU
 
1.1 interacções seres vivos factores abióticos
1.1   interacções seres vivos factores abióticos1.1   interacções seres vivos factores abióticos
1.1 interacções seres vivos factores abióticosMINEDU
 
2 ficha av cn7 16 17 (1)
2 ficha av cn7 16 17 (1)2 ficha av cn7 16 17 (1)
2 ficha av cn7 16 17 (1)MINEDU
 
Exercícios sobre células
Exercícios sobre célulasExercícios sobre células
Exercícios sobre célulasMINEDU
 
Direito ao intervalo
Direito ao intervaloDireito ao intervalo
Direito ao intervaloMINEDU
 

Mais de MINEDU (20)

Meu
MeuMeu
Meu
 
Jan julh
Jan julhJan julh
Jan julh
 
Vulcões
VulcõesVulcões
Vulcões
 
Teste 2 deriva continental e tectónica de placas
Teste 2   deriva continental e tectónica de placasTeste 2   deriva continental e tectónica de placas
Teste 2 deriva continental e tectónica de placas
 
Identificação das rochas magmáticas
Identificação das rochas magmáticasIdentificação das rochas magmáticas
Identificação das rochas magmáticas
 
Fósseis
FósseisFósseis
Fósseis
 
Nº 5 deriva continental
Nº 5 deriva continentalNº 5 deriva continental
Nº 5 deriva continental
 
Génese r mag e met. ciclo das rochas
Génese r mag e met. ciclo das rochasGénese r mag e met. ciclo das rochas
Génese r mag e met. ciclo das rochas
 
Nº 3 rochas sedimentares
Nº 3 rochas sedimentaresNº 3 rochas sedimentares
Nº 3 rochas sedimentares
 
Os fósseis
Os fósseisOs fósseis
Os fósseis
 
Sismologia
SismologiaSismologia
Sismologia
 
Nº 2 rochas e minerais
Nº 2   rochas e mineraisNº 2   rochas e minerais
Nº 2 rochas e minerais
 
Uma agulha que_flutua
Uma agulha que_flutuaUma agulha que_flutua
Uma agulha que_flutua
 
Escrita magica
Escrita magicaEscrita magica
Escrita magica
 
Vt7 teste 3 (1)
Vt7 teste 3 (1)Vt7 teste 3 (1)
Vt7 teste 3 (1)
 
Vulcanismo e sismologia 7º ano
Vulcanismo e sismologia   7º anoVulcanismo e sismologia   7º ano
Vulcanismo e sismologia 7º ano
 
1.1 interacções seres vivos factores abióticos
1.1   interacções seres vivos factores abióticos1.1   interacções seres vivos factores abióticos
1.1 interacções seres vivos factores abióticos
 
2 ficha av cn7 16 17 (1)
2 ficha av cn7 16 17 (1)2 ficha av cn7 16 17 (1)
2 ficha av cn7 16 17 (1)
 
Exercícios sobre células
Exercícios sobre célulasExercícios sobre células
Exercícios sobre células
 
Direito ao intervalo
Direito ao intervaloDireito ao intervalo
Direito ao intervalo
 

Formação TIC Educação

  • 1. Ação de formação acreditada “Sala de aula: (Pre)conceitos e práticas“ 8 e 9 de Setembro de 2014 Avaliação dos formandos - Trabalho escrito individual Nome do formando:_______________________________________________________________________ ___ Tema/Conferência a que subordina o trabalho:_____________________________________________________ ________________________________________________________________________________ __________ O presente relatório tem como finalidade fazer uma análise reflexiva sobre aacção frequentada e, em simultâneo, avaliar o seu contributo a nível profissional epessoal. Pretendemos também, fazer a auto-avaliação face aos objectivos da acção efazer algumas propostas relativas à mesma. Não é nossa pretensão fazer uma análise exaustiva a estes parâmetros, masapenas uma abordagem contributiva para a sua avaliação. Um aspecto que pode contribuir para esta reflexão, é sem dúvida a crescente importância das TIC nas interacções professor aluno. Além de serem facilitadoras das aprendizagens, por tornarem os conteúdos mais simples, permitem também aos intervenientes mais possibilidades de trabalho de grupo e que eles comuniquem e se entendam entre si com maior rapidez, independentemente do sítio em que se encontrem e da hora a que o façam. Reconhecendo a importância da motivação escolar dos alunos e a introdução das tecnologias da Informação e Comunicação nas escolas, quer-se avaliar se há mais motivação nos alunos em que o professor utiliza mais as Tecnologias de Informação e Comunicação na sala de aula ou pelo contrário a motivação será maior se o professor não as utilizar. Quer-se também perceber se a introdução das TIC na sala de aula melhora ou (estreita) a relação professor aluno. Por ser professora, a obrigação é transmitir conhecimento. Ter a função da pessoa de quem ensina, é a de que a sua mensagem seja aprendida, e a de quem aprende que esta seja memorizada. Não existe, no entanto, uma relação linear entre estas duas funções, vamos chamá-las de função emissor e função recetor, que se possa à partida considerar una. A mensagem que é ensinada pode diferir daquela que é aprendida. Neste contexto, as TIC vieram trazer a esta relação emissor/recetor, consideremos professor/aluno, uma ferramenta que não pode ser ignorada em educação, tendo sido referida enquanto potenciadora do processo de ensino/aprendizagem, por pedagogos como Paulo Freire, que defendia no
  • 2. entanto, a sua utilização mediante uma séria preparação prévia (Freire, 1992). Para Freire, o recurso à tecnologia pressupõe a compreensão do seu poder político, uma vez que a utilização de um software educativo, ou mesmo de uma página Web, parte, diríamos sempre, de uma determinada conceção do mundo, do Homem e claro do processo de ensino/aprendizagem (Freire, 1977). As Novas Tecnologias: vantagens e desvantagens Não se pode esperar que o computador faça tudo sozinho. Ele fornece-nos informações e recursos, cabendo ao professor planear a aplicação dos mesmos na sala de aula. A pressão constante em relação ao uso da informática torna-se cada vez mais evidente em todas as áreas e isso não é diferente na educação. A todo momento os professores sentem que quem não for capaz de usar a informática como instrumento de ensino-aprendizagem está fora do contexto do mercado de trabalho actual. É peremptório mudar este estado de coisas. A evolução das tecnologias de informação e da comunicação impõe uma redefinição do espaço de trabalho. Hoje é mais rápido enviar um e-mail do que uma carta por correio. Cada vez menos será o trabalhador a deslocar-se ao trabalho, e cada vez mais será o trabalho que virá até ao trabalhador. Trabalhar a partir de casa parece ser cada vez mais a hipótese acertada numa altura em que a flexibilidade se tornou num dos assuntos na ordem do dia. O mundo assiste hoje à integração e à implementação de novos meios que permitem uma maior rapidez e eficácia na troca de informação. O acesso a redes dentro e fora das empresas, a videoconferência em rede local, a utilização partilhada de documentos em tempo real e a redistribuição de chamadas telefónicas são alguns exemplos destas novas tecnologias. As novas tecnologias de comunicação trouxeram enormes vantagens aos mais diversos sectores da sociedade. Podemos verificar o quanto ajudou no processo de recuperação da informação através das bases bibliográficas em CD-ROM e on-line, como também na obtenção do próprio conteúdo desejado. Os periódicos electrónicos retratam uma parcela desse avanço tecnológico, apresentando vantagens e desvantagens tanto na sua forma “física“ como nas bases que os disponibilizam. O objectivo desta apresentação é relatar as nossas experiências e considerações sobre essa nova modalidade de publicação. Hoje existem diversos “sites“ na Internet que disponibilizam periódicos electrónicos. Neste cenário, encontramos uma grande variedade de interfaces, que, por vezes, comprometem os resultados das pesquisas, uma vez que as dificuldades encontradas pelos usuários para realizar uma pesquisa bibliográfica são elementos desenregelantes e geradores de buscas ineficientes ou mesmo incorrectas. É compreensível que vários factores concorram para que haja tamanha diversidade e mesmo mudança de interface nos sites de busca bibliográfica, pois nessa era globalizada em que estamos inseridos, tudo parece mudar muito rapidamente. A própria Internet aparece como factor desencadeante principal de tantas mudanças, onde se percebe quase que uma “anarquia controlada“. Os sites acompanham as tendências tanto de design como de objectivos específicos. É preciso que os profissionais da informação estejam atentos às constantes mudanças que se operam neste campo em constante actualização. Quais as vantagens e desvantagens do uso das tecnologias nas actividades de sala de aula? O uso das TIC em educação potencia ou inibe a aprendizagem? Velhas questões com o aparecimento das tic, do computador, da internet, com a sociedade da informação, do conhecimento, práticas de ensino a distância, criação de sites pelas escolas, turmas, ... um misto de conceitos associado à temática do "aprender com tecnologias", que se tornam moda, evoluem, entram em desuso, são substituídos...
  • 3. Numa "actividade" que desenvolvi nos útimos tempos ao nível profissional deparei-me com a seguinte afirmação de uma "boa" aluna do ensino secundário, que pretende ingressar na Licenciatura em Medicina: "O uso de sites educativos deve constituir uma actividade extra às aulas, ficando ao critério do aluno a opção de consultar e utilizar, pois não devem mudar o método de ensino nas aulas em função do uso do computador e da Internet. Acaba por ser um pouco perda de tempo fazer isso nas aulas, porque os programas já são tão extensos, há tanta coisa para dar que acaba por se perder um bocado de tempo a ir a esses sites". Defende-se cada vez mais o uso das tecnologias em educação, argumentando que as mesmas potenciam a aprendizagem, facilitam determinadas actividades, a compreensão de conteúdos, a concretização de objectivos, estimulam os alunos, fomentam a autonomia e criatividade, .... No entanto, há argumentos que sublinham que se as tecnologias forem usadas para fazer igual àquilo que se faz sem elas, sem uma planificação, avaliação, reflexão-acção adequadas, o seu uso poderá tornar-se uma desvantagem, inibir a aprendizagem. Se um professor não usufruir das potencialidades das tecnologias de acordo com os objectivos educativos de uma actividade, de uma aula, de acordo com o contexto de utilização, os destinatários, e o conteúdo que pretende ensinar, ou seja, se não articular as potencialidades das tecnologias, adequando-as à situação pedagógica... a aprendizagem não será promovida. Não utilizem as tecnologias nas actividades escolares só porque estão na moda. Só por se dizer que são importantes, que estimulam os alunos. Não se sintam conservadores por não usarem. É fundamental utilizar de modo significativo e pertinente, quando é importante para nós, quando nos traz vantagens, motiva, quando nos sentimos preparados para usar...
  • 4. Data ____/09/2014 O formando(a)_______________________________________________ <#PAGE * MERGEFORMAT#2#>