SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 2
A HISTÓRIA DO VIOLÃO
A origem do Violão não é muito clara, pois existem, segundo musicólogos, várias
hipóteses para o seu aparecimento. As duas mais aceitas atualmente, e que Emílio Pujol
cita na sua conferência em Paris no dia 9 de Novembro de 1928 entitulada " La guitarra
y su História " são:
A primeira hipótese é de que o Violão seria derivado da chamada " Khetara grega ", que
com o domínio do Império Romano, passou a se chamar " Cítara Romana ", era também
denominada de " Fidícula ". Teria chegado à península Ibérica por volta do século I d.C.
com os romanos; este instrumento se assemelhava à " Lira " e, posteriormente foram
acontecendo as seguintes transformações: os seus braços dispostos da forma da lira
foram se unindo, formando uma caixa de ressonância, a qual foi acrescentado um braço
de três cravelhas e três cordas, e a esse braço foram feitas divisões transversais (trastes)
para que se pudesse obter de uma mesma corda a ser tocado na posição horizontal, com
o que ficam estabelecidas as principais características do Violão.
A segunda hipótese é de que o Violão seria derivado do antigo " Alaúde Árabe " que foi
levado para a península Ibérica através das invasões muçulmanas, sob o comando de
Tariz. Os mouros islamizados do Maghreb penetraram na Espanha cerca de ( 711 ) e
conseguiram vencer o rei visigodo Rodrigo, na batalha de Guadalete. A conquista da
península se deu em cerca de ( 711-718 ), sendo formado um emirado subordinado ao
califado de Bagdá. O Alaúde Árabe que penetrou na península na época das invasões,
foi um instrumento que se adaptou perfeitamente às atividades culturais da época e, em
pouco tempo, fazia parte das atividades da côrte.
Acreditava-se que desde o século VIII tanto o instrumento de origem grega como o
Alaúde Árabe viveram mutuamente na Espanha. Isso pode-se comprovar pelas
descrições feitas no século XIII, por Afonso, o sábio, rei de Castela e Leão ( 1221-1284
), que era um trovador e escreveu célebres cantigas através das ilustrações descritas nas
cantigas de Santa Maria, que se pode pela primeira vez comprovar que no século XIII
existiram dois instrumentos distintos convivendo juntos.
O primeiro era chamado de " Guitarra Moura " e era derivado do Alaúde Árabe. Este
instrumento possuía três pares de cordas e era tocado com um plectro ( espécie de
palheta ); possuía um som ruidoso. O outro era chamado de " Guitarra Latina ",
derivado da Khetara Grega. Ele tinha o formato de oito com incrustações laterais, o
fundo era plano e possuía quatro pares de cordas. Era tocado com os dedos e seu som
era suave, sendo que o primeiro estava nas mãos de um instrumentista árabe e o
segundo, de um instrumentista romano. Isso mostra claramente as origens bem distintas
dos instrumentos, uma árabe e a outra grega; que coexistiram nessa época na Espanha.
Observa-se, portanto, como a origem e a evolução do Violão estiveram intimamente
ligadas à Espanha e a sua história.
A origem do nome " Violão "
Em outros países de língua não portuguesa o nome do Violão é guitarra, como pode se
ver em inglês ( Guitar ), francês ( Guitare ), alemão ( Gitarre ), italiano ( Chitarra ),
espanhol ( Guitarra ). Aqui no Brasil especificamente quando se fala em guitarra quer se
denominar o instrumento elétrico chamado Guitarra Elétrica. Isso ocorre porque os
portugueses possuem um instrumento que se assemelha muito ao Violão e que seria
atualmente equivalente à nossa " Viola Caipira ". A Viola portuguesa possui as mesmas
formas e características do Violão, sendo apenas pouco menor, portanto, quando os
portugueses se depararam com a guitarra ( Espanhol ), que era igual a sua viola sendo
apenas maior, colocaram o nome do instrumento no aumentativo, ou seja, Viola para
Violão.
Bibliografia - A Evolução do Violão na História da Múscica / autor : Eduardo Fleury
Nogueira / 1991 / São Paulo.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a História do violão

Ivanvilela aviola
Ivanvilela aviolaIvanvilela aviola
Ivanvilela aviolaSaulo Gomes
 
Rinascita formação e história dos instrumentos
Rinascita formação e história dos instrumentosRinascita formação e história dos instrumentos
Rinascita formação e história dos instrumentosRinascitapmc
 
Metodologia de ensino de educac`ao musical messias cossa
Metodologia de ensino de educac`ao musical messias cossaMetodologia de ensino de educac`ao musical messias cossa
Metodologia de ensino de educac`ao musical messias cossaJosé Amoroso
 
Os nossos antepassados eram deuses claude lepine
Os nossos antepassados eram deuses   claude lepineOs nossos antepassados eram deuses   claude lepine
Os nossos antepassados eram deuses claude lepineMonitoria Contabil S/C
 
Historia E Surgimento Dos Instrumentos Musicais
Historia E Surgimento Dos Instrumentos MusicaisHistoria E Surgimento Dos Instrumentos Musicais
Historia E Surgimento Dos Instrumentos MusicaisHOME
 
musica no tempo de d. joão V
musica no tempo de d. joão Vmusica no tempo de d. joão V
musica no tempo de d. joão VAndreia Dias
 
Evoluçao da língua portuguesa
Evoluçao da língua portuguesaEvoluçao da língua portuguesa
Evoluçao da língua portuguesaMARIA SOUSA
 
A língua da gente
A língua da genteA língua da gente
A língua da genteguest8f716e
 
história da valsa, origem da valsa, tipos de dança, valsa no brasil.
história da valsa, origem da valsa, tipos de dança, valsa no brasil.história da valsa, origem da valsa, tipos de dança, valsa no brasil.
história da valsa, origem da valsa, tipos de dança, valsa no brasil.Evandir Araujo
 
C:\Documents And Settings\Byte Shop\Mis Documentos\Ruth\Aire Digital\O Carnaval
C:\Documents And Settings\Byte Shop\Mis Documentos\Ruth\Aire Digital\O CarnavalC:\Documents And Settings\Byte Shop\Mis Documentos\Ruth\Aire Digital\O Carnaval
C:\Documents And Settings\Byte Shop\Mis Documentos\Ruth\Aire Digital\O Carnavalpaulista52
 

Semelhante a História do violão (20)

Ivanvilela aviola
Ivanvilela aviolaIvanvilela aviola
Ivanvilela aviola
 
Rinascita formação e história dos instrumentos
Rinascita formação e história dos instrumentosRinascita formação e história dos instrumentos
Rinascita formação e história dos instrumentos
 
Metodologia de ensino de educac`ao musical messias cossa
Metodologia de ensino de educac`ao musical messias cossaMetodologia de ensino de educac`ao musical messias cossa
Metodologia de ensino de educac`ao musical messias cossa
 
Os nossos antepassados eram deuses claude lepine
Os nossos antepassados eram deuses   claude lepineOs nossos antepassados eram deuses   claude lepine
Os nossos antepassados eram deuses claude lepine
 
Historia E Surgimento Dos Instrumentos Musicais
Historia E Surgimento Dos Instrumentos MusicaisHistoria E Surgimento Dos Instrumentos Musicais
Historia E Surgimento Dos Instrumentos Musicais
 
Flamenco 110527101142-phpapp01
Flamenco 110527101142-phpapp01Flamenco 110527101142-phpapp01
Flamenco 110527101142-phpapp01
 
Chorinho2
Chorinho2Chorinho2
Chorinho2
 
musica no tempo de d. joão V
musica no tempo de d. joão Vmusica no tempo de d. joão V
musica no tempo de d. joão V
 
A história da flauta doce
A história da flauta doceA história da flauta doce
A história da flauta doce
 
Evoluçao da língua portuguesa
Evoluçao da língua portuguesaEvoluçao da língua portuguesa
Evoluçao da língua portuguesa
 
A língua da gente
A língua da genteA língua da gente
A língua da gente
 
história da valsa, origem da valsa, tipos de dança, valsa no brasil.
história da valsa, origem da valsa, tipos de dança, valsa no brasil.história da valsa, origem da valsa, tipos de dança, valsa no brasil.
história da valsa, origem da valsa, tipos de dança, valsa no brasil.
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Chorinho t1006
Chorinho t1006Chorinho t1006
Chorinho t1006
 
C:\Documents And Settings\Byte Shop\Mis Documentos\Ruth\Aire Digital\O Carnaval
C:\Documents And Settings\Byte Shop\Mis Documentos\Ruth\Aire Digital\O CarnavalC:\Documents And Settings\Byte Shop\Mis Documentos\Ruth\Aire Digital\O Carnaval
C:\Documents And Settings\Byte Shop\Mis Documentos\Ruth\Aire Digital\O Carnaval
 
O carnaval
O carnavalO carnaval
O carnaval
 
O carnaval
O carnavalO carnaval
O carnaval
 
O carnaval
O carnavalO carnaval
O carnaval
 
Os contos de cantuária
Os contos de cantuáriaOs contos de cantuária
Os contos de cantuária
 
[Danca][26 05][2a]gabarito
[Danca][26 05][2a]gabarito[Danca][26 05][2a]gabarito
[Danca][26 05][2a]gabarito
 

História do violão

  • 1. A HISTÓRIA DO VIOLÃO A origem do Violão não é muito clara, pois existem, segundo musicólogos, várias hipóteses para o seu aparecimento. As duas mais aceitas atualmente, e que Emílio Pujol cita na sua conferência em Paris no dia 9 de Novembro de 1928 entitulada " La guitarra y su História " são: A primeira hipótese é de que o Violão seria derivado da chamada " Khetara grega ", que com o domínio do Império Romano, passou a se chamar " Cítara Romana ", era também denominada de " Fidícula ". Teria chegado à península Ibérica por volta do século I d.C. com os romanos; este instrumento se assemelhava à " Lira " e, posteriormente foram acontecendo as seguintes transformações: os seus braços dispostos da forma da lira foram se unindo, formando uma caixa de ressonância, a qual foi acrescentado um braço de três cravelhas e três cordas, e a esse braço foram feitas divisões transversais (trastes) para que se pudesse obter de uma mesma corda a ser tocado na posição horizontal, com o que ficam estabelecidas as principais características do Violão. A segunda hipótese é de que o Violão seria derivado do antigo " Alaúde Árabe " que foi levado para a península Ibérica através das invasões muçulmanas, sob o comando de Tariz. Os mouros islamizados do Maghreb penetraram na Espanha cerca de ( 711 ) e conseguiram vencer o rei visigodo Rodrigo, na batalha de Guadalete. A conquista da península se deu em cerca de ( 711-718 ), sendo formado um emirado subordinado ao califado de Bagdá. O Alaúde Árabe que penetrou na península na época das invasões, foi um instrumento que se adaptou perfeitamente às atividades culturais da época e, em pouco tempo, fazia parte das atividades da côrte. Acreditava-se que desde o século VIII tanto o instrumento de origem grega como o Alaúde Árabe viveram mutuamente na Espanha. Isso pode-se comprovar pelas descrições feitas no século XIII, por Afonso, o sábio, rei de Castela e Leão ( 1221-1284 ), que era um trovador e escreveu célebres cantigas através das ilustrações descritas nas cantigas de Santa Maria, que se pode pela primeira vez comprovar que no século XIII existiram dois instrumentos distintos convivendo juntos. O primeiro era chamado de " Guitarra Moura " e era derivado do Alaúde Árabe. Este instrumento possuía três pares de cordas e era tocado com um plectro ( espécie de palheta ); possuía um som ruidoso. O outro era chamado de " Guitarra Latina ", derivado da Khetara Grega. Ele tinha o formato de oito com incrustações laterais, o fundo era plano e possuía quatro pares de cordas. Era tocado com os dedos e seu som era suave, sendo que o primeiro estava nas mãos de um instrumentista árabe e o segundo, de um instrumentista romano. Isso mostra claramente as origens bem distintas dos instrumentos, uma árabe e a outra grega; que coexistiram nessa época na Espanha. Observa-se, portanto, como a origem e a evolução do Violão estiveram intimamente ligadas à Espanha e a sua história. A origem do nome " Violão " Em outros países de língua não portuguesa o nome do Violão é guitarra, como pode se ver em inglês ( Guitar ), francês ( Guitare ), alemão ( Gitarre ), italiano ( Chitarra ), espanhol ( Guitarra ). Aqui no Brasil especificamente quando se fala em guitarra quer se
  • 2. denominar o instrumento elétrico chamado Guitarra Elétrica. Isso ocorre porque os portugueses possuem um instrumento que se assemelha muito ao Violão e que seria atualmente equivalente à nossa " Viola Caipira ". A Viola portuguesa possui as mesmas formas e características do Violão, sendo apenas pouco menor, portanto, quando os portugueses se depararam com a guitarra ( Espanhol ), que era igual a sua viola sendo apenas maior, colocaram o nome do instrumento no aumentativo, ou seja, Viola para Violão. Bibliografia - A Evolução do Violão na História da Múscica / autor : Eduardo Fleury Nogueira / 1991 / São Paulo.