Planejamento Estratégico 2010 Livre

4.040 visualizações

Publicada em

Metodologia de Elaboração e Gestão Estratégica em uso pelo consultor Wanderson Rodrigues.

0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.040
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide








































































  • Planejamento Estratégico 2010 Livre

    1. 1. Planejamento Estratégico 2010 Wanderson Rodrigues da Silva - wrs@mprado.com.br
    2. 2. Currículo Resumido: Wanderson Rodrigues da Silva Formação Acadêmica: Analista de Sistemas – ATM – Rio de Janeiro - RJ Engenheiro de Computação - UFU - Uberlândia - MG Pós-graduado em Gestão Empresarial – UFU – Uberlândia - MG Atuou durante 16 anos no Grupo ARCOM atuando nas áreas de tecnologia, sistemas de informação, transportes, logística, internet e publicidade. Responsável pela implantação de sistemas na área logística, movimentação de produtos, roteirização, gestão de pedidos, estratégia, dentre outros. Larga experiência na condução de projetos organizacionais binacionais (Brasil x EUA). Coordenou o lançamento de diversos negócios na internet. Professor de Logística das Cadeias Agroindustriais em cursos de Pós graduação em renomadas instituições de ensino no país. Diversos projetos conduzidos em grandes empresas do segmento agrícola no Brasil. Consultor sênior e sócio diretor da Mprado Consultoria Empresarial e Assoc. Ltda. Concentra seus estudos atualmente nas áreas de Governança Corporativa em Empresas Familiares e Estratégia.
    3. 3. Agenda  Validação da Missão, Valores  Visão 2015  Desdobramento da Visão  Discussão de cenários  Análise de posicionamento estratégico  Validação das metas anuais  Análise de SWOT  Validação dos Temas Estratégicos  Eleição das iniciativas estratégicas  Balanceamento das iniciativas  Eleição dos responsáveis pelas iniciativas
    4. 4. A Empresa “A EMPRESA SE LOCALIZA NUM MUNDO SOCIAL, EXISTINDO PARA PROPORCIONAR FELICIDADE TANTO À SOCIEDADE COMO ÀS PESSOAS COM QUEM SE RELACIONA. É ISSO QUE DEFINE O VALOR EXISTENCIAL DA EMPRESA E CONSTITUE O OBJETIVO FUNDAMENTAL. PORTANTO, RESTA DEFINIR OS MEIOS PARA ATINGÍ-LO.” KAORU ISHIKAWA
    5. 5. O que é estratégia para a empresa? Estratégico não é a mesma coisa como de longo prazo“. Dizer isso é um clichê, um preconceito perigoso! Estratégia é nem de curto nem de longo prazo! Estratégia tem a ver com aquilo que uma organização é e o que ela quer se tornar, e então visa alinhar todos os comportamentos e táticas utilizadas – o “como-chegar-lá” – o o desejado estado final ou objetivo. Estratégia então é uma referencia e uma moldura, dentro da qual todas as decisões referente à natureza e orientação do negócio são tomadas.
    6. 6. Armadilhas do Planejamento Estratégico “Nas empresas onde se fala de planejamento estratégico, normalmente não existe nenhuma das duas coisas.” Alan Weiss “Planejamento flexível – o reflexo de uma esperança em vão, mais do que uma realidade prática” Henry Mintzberg Um sistema de planejamento “permite o executivo dormir ‘mais em paz’, mesmo que ele não funcione de verdade” Geert Hofstede “Criar alinhamento rígido na direção errada (baseado em planos) deixa uma empresa vulnerável aos imprevistos do mercado; departamentos formais de planejamento podem apenas facilitar jogos políticos.” Henry Mintzberg
    7. 7. Formulação da Estratégia tradicional VISÃO DE FUTURO PIOS PRINCÍ POL ÍTIC RES E AS VALO ESTRATÉGIA “O caminho escolhido para atingir a Visão de Futuro” MISSÃO Razão de existência
    8. 8. Formulação da Estratégia com BsC HISTÓRICO VISÃO DE FUTURO I OS I NCÍP ES E PR POL VALOR ESTRATÉGIA ÍTIC AS “O caminho escolhido para atingir a Visão de Futuro” INFORMAÇÃO OBJETIVOS E METAS ÇA R AN LI D E MISSÃO
    9. 9. formal com processo % de empresas D 0 20 40 60 80 ef in iç ão Cl ar a da Es 43 G t ra er en té 77 ci gi am a e en In to di c da ad s or 46 In es Al in ic ia 76 ha tiv m as en Es to t /C ra om té gi ca 28 un i ca s çã 73 o da Av Es al ia t ra çõ té es gi 33 a Pe rió 75 di estratégia ca At s ua l iz aç 43 ão Pe 75 rió di ca Pesquisa sobre gestão da Fonte: BSC Research, 2006 Alto Desempenho Baixo Desempenho
    10. 10. • Sistema de Gestão de Circuito Fechado 1 - Desenvolver a Estratégia • Missão, V alores e Visão • Análise e Formulação 6 – Monitorar e Aprender 2 - Planejar a estratégia • Avaliações da estratégia • Mapa estratégico • Avaliações operacionais • Metricas/Metas • Iniciativas Balanced Scorecard BsC 5 – Testar e Adaptar 3 – Alinhar a organização • Análise de rentabilidade • Unidades de negócio e filiais • Estratégias emergentes • Funcionários 4 – Planejar as operações • Melhoria de processos • Planejamento de Vendas • Orçamento
    11. 11. Organização orientada para a estratégia Planejamento Alinhamento Execução
    12. 12. Processo de Construção do Plano Estratégico Definição Análises Definição Definição Detalha- SWOT Teste das dos de das das mento das Análise Iniciativas Responsá ambiente Temáticas Iniciativas Iniciativas veis
    13. 13. Conceito de “Stakeholder” Acionistas Fornecedores Clientes Colaboradores Comunidade Por que agradar meus “stakeholders”?
    14. 14. Gerenciando o Futuro: a Conquista da Visão Estratégica QUEM SOMOS ? QUAL É NOSSA SITUAÇÃO ATUAL ? ONDE QUEREMOS CHEGAR ? POR ONDE E COMO VAMOS CAMINHAR ?
    15. 15. A QUESTÃO DA MISSÃO "Definir a Missão de uma empresa é difícil, doloroso e arriscado. Mas é só assim que se consegue estabelecer políticas, desenvolver estratégias, concentrar recursos e começar a trabalhar. É só assim que uma empresa pode ser administrada, visando a um desempenho ótimo.” (P.Drucker)
    16. 16. MISSÃO – Estratégia e filosofia do negócio Declaração concisa, com foco interno, da razão de ser da organização , do propósito básico para o qual se direcionam suas atividades e dos valores que orientam as atividades dos colaboradores. A Missão também deve descrever como a organização espera competir no mercado e fornecer valor aos clientes.
    17. 17. A nossa missão está plenamente adequada a minha empresa “de hoje”?
    18. 18. QUAL É O NOSSO NEGÓCIO ? 1 2 3 4 5 6 7 8
    19. 19. QUAL É O NOSSO NEGÓCIO ? As respostas dependem de responder a outras perguntas? 1 Quem é o nosso cliente? 2 Quem será o nosso cliente? 3 Quem deveria ser o nosso cliente? 4 Que abrangência precisa ter o nosso negócio? 5 Onde está nosso cliente? 6 Onde estará nosso cliente? 7 O que compra o nosso cliente? 8 O que comprará o nosso cliente?
    20. 20. Quem é o nosso cliente hoje? Quem será o nosso cliente no futuro?
    21. 21. A QUESTÃO DA VISÃO “Imaginar uma empresa visionária é fácil. A dificuldade está em fazer com que ela as estratégias não fazem Sem uma visão adequada realmente o seja.” sentido. É fundamental para ligar os objetivos de curto, médio e longo prazo da empresa, contextualizando as ações estratégicas com as operacionais. Uma visão compartilhada ajuda a motivar e unir um quadro de colaboradores desintegrado.
    22. 22. Qual é a nossa visão ?
    23. 23. Análises do Ambiente Macroeconômico Concorrentes Clientes Tecnologia Competências Estratégia
    24. 24. Domínio Competitivo Como competir? Resposta: posicionamento estratégico genérico. Em que Com o que Onde Com quem lugar competir? competir? Mercados, segmentos, competir? competir? Negócios, categoria, Bairros, regiões, Concorrentes atuais e nichos, clientes produto / serviço. cidades, países, blocos potenciais. estratégicos. econômicos.
    25. 25. Estratégias de definição de Negócios Negócios Atuais Negócios Potenciais Perseguir o potencial do Entrar em Negócios Core Business Potenciais Mercados Atuais • Crescer Organicamente • Investir para construir em novos • Crescer mediante aquisições negócios • Crescer mediante associação • Investir para associar-se a novos negócios • Investir para adquirir negócios Entrar em negócios e Entrar em mercados Mercados Potenciais mercados potenciais potenciais • Desenvolver negócios e mercados • Desenvolver Mercados • Greenfield • Greenfield • Adquirir • Associar-se • Adquirir • Associar-se
    26. 26. Quais as possíveis estratégias que devemos adotar para alcançar a nossa visão ?
    27. 27. Análise da Situação Ambiente Externo Empresa PONTOS PONTOS AMEAÇAS OPORTUNIDADES FORTES FRACOS TENDÊNCIAS IMPACTO
    28. 28. Análise do Ambiente Macroeconomia Política / Legislação OPORTUNIDADES Fornecedor Concorrência Tecnologia AMEAÇAS Clientes . . .
    29. 29. Análise de SWOT PONTOS FORTES PONTOS FRACOS AMEAÇAS OPORTUNIDADES
    30. 30. Análise do Ambiente Interno (empresa) Estrutura SWOT ANÁLISE Processos PONTOS PONTOS Gestão FORTES FRACOS Pessoas Aspectos Financeiros OPORTUNIDADES AMEAÇAS Atendimento a Clientes . . .
    31. 31. Ambiente Interno – SWOT Análise Pontos Pontos Oportunidades Ameaças Fortes Fracos Estrutura Processos Gestão Pessoas Finanças Atendimento ...
    32. 32. Análise da Situação Impacto para a Empresa Dimensão Tendência Oportunidade Ameaça Econômica Política/ Legislação Fornecedor Concorrência Tecnologia Clientes ...
    33. 33. Processo de Construção do Plano Estratégico   Missão 1 2 Análise da 3 Diretrizes e 4 Implementa 5 Controle Corporativa Situação Iniciativas ção
    34. 34. Estrutura do Plano Estratégico ATIVIDADES DIRETRIZES INICIATIVAS RELEVANTES O QUE ?  Representam uma área crítica de atenção ou melhoria  Geralmente envolvem aspectos multifuncionais  Ex.: “ Comercialização de Grãos”
    35. 35. Estrutura do Plano Estratégico ATIVIDADES DIRETRIZES INICIATIVAS RELEVANTES O QUE ? COMO ?  Representam uma área crítica  Representam um conjunto ações de atenção ou melhoria que devem ser desenvolvidas para  Geralmente envolvem alcançar os objetivos da diretriz aspectos multifuncionais  Ex.: “a - Instalar silo;  Ex.: “ Comercialização de b- Criar estrutura para Grãos” originação e comercialização de grãos”
    36. 36. Estrutura do Plano Estratégico ATIVIDADES DIRETRIZES INICIATIVAS RELEVANTES O QUE ? COMO ? PRINCIPAIS TAREFAS QUEM ? QUANDO ?  Representam uma área crítica  Representam um conjunto ações  Responsáveis de atenção ou melhoria que devem ser desenvolvidas para  Prazo  Geralmente envolvem alcançar os objetivos da diretriz  Indicadores aspectos multifuncionais  Ex.: “a - Instalar silo;  Ex.: “ Comercialização de b- Criar estrutura para  Ex.: “Silo instalado até Grãos” originação e comercialização de  Fev/2010” grãos”
    37. 37. Definição das Diretrizes e Iniciativas 1- Definir as diretrizes de crescimento/sustentação com base na análise da situação 2- Definição das principais INICIATIVAS para cada DIRETRIZ 3-Testes de alinhamento das INICIATIVAS  Alinhamento com as diretrizes  Alinhamento com fornecedor 4- Validação das INICIATIVAS
    38. 38. Definição das Iniciativas Impacto para a Empresa Dimensão Tendência Oportunidade Ameaça Econômica Política/ Legislação Fornecedor DIRETRIZES DE Concorrência CRESCIMENTO E Tecnologia SUSTENTAÇÃO DA EMPRESA Clientes ...
    39. 39. Definição das Iniciativas TENDÊNCIAS IMPACTO Diretrizes de Crescimento Diretriz 1 Diretriz 2 Diretriz 3 Diretriz 4 Diretriz “n” Iniciativa 1.1 Iniciativa 2.1 Iniciativa 3.1  Iniciativa 4.1  ... Iniciativa 1.2 Iniciativa 2.2 Iniciativa 3.2  Iniciativa 4.2  ... Iniciativa 1.3  Iniciativa 3.3  Iniciativa 4.3  ... ... ...  Iniciativa 3.4
    40. 40. Teste de Alinhamento das Iniciativas Alinhamento com as DIRETRIZES DIRETRIZ 1 DIRETRIZ 2 DIRETRIZ 3 DIRETRIZ “n” ID Iniciativa 1.1 X X Iniciativa 1.2 X Iniciativa 1.3 X X X Iniciativa 2.1 X Iniciativa 2.2 X X Iniciativa 3.1 X X Iniciativa 3.2 X X Iniciativa 3.3 Iniciativa 3.4 X Iniciativa “n” X X
    41. 41. Teste de Alinhamento das Iniciativas Alinhamento com as DIRETRIZES DIRETRIZ 1 DIRETRIZ 2 DIRETRIZ 3 DIRETRIZ “n” ID Iniciativa 1.1 X X Iniciativa 1.2 X Iniciativa 1.3 X X X Iniciativa 2.1 X Iniciativa 2.2 X X Iniciativa 3.1 X X Iniciativa 3.2 X X Iniciativa 3.3 Iniciativa não atende nenhuma diretriz Iniciativa 3.4 X Iniciativa “n” X X
    42. 42. Teste de Alinhamento das Iniciativas Alinhamento com as DIRETRIZES DIRETRIZ 1 DIRETRIZ 2 DIRETRIZ 3 DIRETRIZ “n” ID Iniciativa 1.1 X X Iniciativa 1.2 X Diretriz Sem Iniciativa Iniciativa 1.3 X X X Iniciativa 2.1 X Iniciativa 2.2 X X Iniciativa 3.1 X X Iniciativa 3.2 X X Iniciativa 3.3 Iniciativa não atende nenhuma diretriz Iniciativa 3.4 X Iniciativa “n” X X
    43. 43. Teste de Alinhamento das Iniciativas Alinhamento com as DIRETRIZES DIRETRIZ 1 DIRETRIZ 2 DIRETRIZ 3 DIRETRIZ “n” ID Iniciativa 1.1 X X Iniciativa 1.2 X Diretriz Sem Iniciativa Iniciativa 1.3 X X X Iniciativa 2.1 X Iniciativa 2.2 X X Iniciativa 3.1 X X Iniciativa 3.2 X X Iniciativa 3.3 Iniciativa não atende nenhuma diretriz Iniciativa 3.4 X Iniciativa “n” X X Atende somente 1 diretriz  valor = 1 Atende 2-3 diretrizes  valor = 2 Atende mais de 3 diretrizes  valor = 3
    44. 44. Teste de Alinhamento das Iniciativas Alinhamento com as DIRETRIZES DIRETRIZ 1 DIRETRIZ 2 DIRETRIZ 3 DIRETRIZ “n” ID Iniciativa 1.1 X X 2 Iniciativa 1.2 X 1 Diretriz Sem Iniciativa Iniciativa 1.3 X X X 3 Iniciativa 2.1 X 1 Iniciativa 2.2 X X 2 Iniciativa 3.1 X X 2 Iniciativa 3.2 X X 2 Iniciativa 3.3 Iniciativa não atende nenhuma diretriz - Iniciativa 3.4 X 1 Iniciativa “n” X X 2 Atende somente 1 diretriz  valor = 1 Atende 2-3 diretrizes  valor = 2 Atende mais de 3 diretrizes  valor = 3
    45. 45. Teste de Alinhamento das Iniciativas  Alinhamento com FORNECEDORES FORNECEDOR 1 FORNECEDOR 2 FORNECEDOR 3 ID Iniciativa 1.1 X X Iniciativa 1.2 X Iniciativa 1.3 X X Iniciativa 2.1 X Iniciativa 2.2 X Iniciativa 3.1 X X Iniciativa 3.2 X Iniciativa 3.3 Iniciativa 3.4 X Iniciativa “n” X X
    46. 46. Teste de Alinhamento das Iniciativas  Alinhamento com FORNECEDORES FORNECEDOR 1 FORNECEDOR 2 FORNECEDOR 3 ID Iniciativa 1.1 X X Iniciativa 1.2 X Iniciativa 1.3 X X Iniciativa 2.1 X Iniciativa 2.2 X Iniciativa 3.1 X X Iniciativa 3.2 X Iniciativa 3.3 Iniciativa 3.4 X Iniciativa “n” X X Não alinhada com fornecedor principal valor = 1 Alinhada com fornecedor principal valor = 2 Alinhada com fornecedor principal e com outros valor = 3
    47. 47. Teste de Alinhamento das Iniciativas  Alinhamento com FORNECEDORES FORNECEDOR 1 FORNECEDOR 2 FORNECEDOR 3 ID Iniciativa 1.1 X X 3 Iniciativa 1.2 X 2 Iniciativa 1.3 X X 3 Iniciativa 2.1 X 1 Iniciativa 2.2 X 1 Iniciativa 3.1 X X 3 Iniciativa 3.2 X 2 Iniciativa 3.3 1 Iniciativa 3.4 X 1 Iniciativa “n” X X 1 Não alinhada com fornecedor principal valor = 1 Alinhada com fornecedor principal valor = 2 Alinhada com fornecedor principal e com outros valor = 3
    48. 48. Validação das Iniciativas VALOR DA INICIATIVA = ID x IF x CO x R ID = valor do alinhamento com diretrizes CO = Capacidade organizacional IF = valor do alinhamento com fornecedores R = Recurso necessário ID IF CO Recurso VALOR Iniciativa 1.1 Iniciativa 1.2 Iniciativa 1.3 Iniciativa 2.1 Iniciativa 2.2 Iniciativa 3.1 Iniciativa 3.2 Iniciativa 3.3 Iniciativa 3.4 Iniciativa “n”
    49. 49. Validação das Iniciativas VALOR DA INICIATIVA = ID x IF x CO x R ID = valor do alinhamento com diretrizes CO = Capacidade organizacional IF = valor do alinhamento com fornecedores R = Recurso necessário ID IF CO Recurso VALOR Iniciativa 1.1 2 Iniciativa 1.2 1 Iniciativa 1.3 3 Iniciativa 2.1 1 Iniciativa 2.2 2 Iniciativa 3.1 2 Iniciativa 3.2 2 Iniciativa 3.3 - Iniciativa 3.4 1 Iniciativa “n” 2
    50. 50. Validação das Iniciativas VALOR DA INICIATIVA = ID x IF x CO x R ID = valor do alinhamento com diretrizes CO = Capacidade organizacional IF = valor do alinhamento com fornecedores R = Recurso necessário ID IF CO Recurso VALOR Iniciativa 1.1 2 3 Iniciativa 1.2 1 2 Iniciativa 1.3 3 3 Iniciativa 2.1 1 1 Iniciativa 2.2 2 1 Iniciativa 3.1 2 3 Iniciativa 3.2 2 2 Iniciativa 3.3 - 1 Iniciativa 3.4 1 1 Iniciativa “n” 2 1
    51. 51. Resumo das Iniciativas Validadas DIRETRIZES INICIATIVAS Iniciativa 1.1 DIRETRIZ 1 Iniciativa 1.2 Iniciativa 1.3 Iniciativa 2.1 DIRETRIZ 2 Iniciativa 2.2 Iniciativa 3.1 Iniciativa 3.2 DIRETRIZ 3 Iniciativa 3.3 Iniciativa 3.4 ... ...
    52. 52. Processo de Construção do Plano Estratégico   1 Missão 2 Análise da 3 Diretrizes e 4 Implementa 5 Controle Corporativa Situação Iniciativas ção
    53. 53. Implementação 1- Definição dos papéis (responsabilidades) 2- Detalhamento das Iniciativas 3- Definição das métricas e indicadores de desempenho 4- Comunicação / “Cascateamento”
    54. 54. Definição dos Papéis (responsabilidades)  Líderes das DIRETRIZES Diretores / alta gerência Indica os responsáveis pelas INICIATIVAS Estabelece prazos para as diretrizes Valida as métricas e indicadores de desempenho Valida orçamento Acompanhamento periódico  Responsáveis pelas INICIATIVAS ✓Gerentes, colaboradores ✓Responsável pelo detalhamento das iniciativas (Atividades Relevantes) ✓Define prazos para cada atividade ✓Define equipe de apoio ✓Define métricas e indicadores de desempenho ✓Informa “o status” periodicamente
    55. 55. Detalhamento das Iniciativas  Detalhamento das Iniciativas Deve ser realizado pelo responsável pela iniciativa  Definição das Atividades Relevantes de cada iniciativa  Definição dos prazos necessários para cada atividade  Definição dos Indicadores de performance e metas  Nomeação da equipe de trabalho
    56. 56. Ferramenta prática de registro e acompanhamento PLANO ESTRATÉGICO Diretriz: Líder: Responsável: Iniciativa: Prazo Final: Atividades Relevantes Início Término Indicador de Desempenho Meta Equipe
    57. 57. Comunicando o Plano Estratégico  Todos os colaboradores devem conhecer o plano estratégico  COMPROMISSO  Reunião com Líderes/Responsáveis  Canais de comunicação  Reuniões  Boletins  Intranet  Apresentações  Cartazes  Vídeo Toda comunicação deve responder à pergunta: “QUAL É O MEU PAPEL?”
    58. 58. Processo de Construção do Plano Estratégico 1 Missão     Corporativ 2 Análise da 3 Diretrizes e 4 Implementa 5 Controle Situação Iniciativas ção a
    59. 59. Controle 1- “Status” periódico 2- Reuniões de Acompanhamento 3- Revisão Anual
    60. 60. Ferramenta prática de registro e acompanhamento PLANO ESTRATÉGICO Diretriz: Líder: Responsável: Iniciativa: Prazo Final: Atividades Relevantes Início Término Status Indicador de Desempenho Meta Resultado Equipe Data: Explicação do Status:
    61. 61. Reuniões de Acompanhamento  Específicas ou Parte das Reuniões de Diretoria  Convidar responsável pela iniciativa para apresentação e discussão  Desafiar “status”  Identificar riscos  Suportar necessidades/dificuldades
    62. 62. Revisão Anual do Plano Estratégico 1 2 3 4 5 Missão Análise da Diretrizes e Implementa Corporativ Controle Situação Iniciativas ção a Retirar concluídas Refazer Revisar as que ainda estão em andamento  Identificar novas diretrizes/iniciativas
    63. 63. Processo Alinhamento/ Comunicação Vincular Balanço de Teste de Comunicação Alinhar objetivos e Curto-Longo Alinhamento aos programas de incentivos à Prazo das Iniciativas Colaboradores treinamento estratégia
    64. 64. Execução e Acompanhamento do Plano Estratégico Detalhamento Atividades Definição dos Indicadores de Acompanhame das Iniciativas Relevantes Prazos Desempenho nto Periódico
    65. 65. Execução e Acompanhamento do Plano Estratégico Detalhamento Atividades Definição dos Indicadores de Acompanhame das Iniciativas Relevantes Prazos Desempenho nto Periódico   
    66. 66. Execução e Acompanhamento do Plano Estratégico Detalhamento Atividades Definição dos Indicadores de Acompanhame das Iniciativas Relevantes Prazos Desempenho nto Periódico    Acompanhamento Mensal  Revisão Anual
    67. 67. Ferramenta prática de registro e acompanhamento
    68. 68. É realmente importante para nós? 1. Por que fazer Plano Estratégico? 2. O Plano pode mudar? 3. A Estratégica pode mudar?
    69. 69. Por que KPIs (Indicadores chave de desempenho)? Sistema unificado de informação aos gestores –que providencia controles compreensíveis em todos os níveis da organização Imagem móvel do desempenho – que nos mostra resultados históricos, informação projetada e qualquer tipo de “gap” frente às metas Separar sinais importantes de ruído Controles externos “frente à realidade”, através da comparação de desempenho com pares Permitir às equipes agir com autonomia e auto-regular o seu desempenho Permitir aos altos executivos gerenciar por exceção, não por comando ou micro-gerenciamento
    70. 70. • Sistema de Gestão de Circuito Fechado 1 - Desenvolver a Estratégia • Missão, V alores e Visão • Análise e Formulação 6 – Monitorar e Aprender 2 - Planejar a estratégia • Avaliações da estratégia • Mapa estratégico • Avaliações operacionais • Metricas/Metas • Iniciativas Balanced Scorecard BsC 5 – Testar e Adaptar 3 – Alinhar a organização • Análise de rentabilidade • Unidades de negócio e filiais • Estratégias emergentes • Funcionários 4 – Planejar as operações • Melhoria de processos • Planejamento de Vendas • Orçamento
    71. 71. Conclusão
    72. 72. Conclusão “Quem não mede, não conhece.” Lorde Kelvin 2 Sistema de Ex r Medição eja e an cu Pl ta “Qualquer um é capaz de r fazer coisas complicadas. As “Se não sabes para onde vais, 1 3 coisas simples requerem qualquer caminho te servirá.” verdadeiros gênios.” O Corão Formulação Implementação Albert Einstein das Estratégias das Estratégias lar A tro pr en 4 n Co de r Análise do Desempenho “Somente atingirão a excelência as organizações que descobrirem a capacidade de aprender.” Peter Senge
    73. 73. Bibliografia Recomendada CAMPOS, José Antônio. Cenário Balanceado: painel de indicadores para a gestão estratégica dos negócios. São Paulo, Aquariana, 1998. KAPLAN, Robert S. & NORTON, David P., A Estratégia em Ação: Balanced Scorecard –. Rio de Janeiro, Campus, 1997. MARINHO, S. V. Utilização do Conceito da Gestão Estratégica de Custos dentro do Balanced Scorecard. Florianópolis: UFSC, 1999. Dissertação. (Mestrado em Engenharia de Produção) PPGEP/UFSC. MÂSIH, R.T. O levantamento das necessidades de treinamento em ambientes gerenciados pelo Balanced Scorecard. Florianópolis: UFSC, 1999. Dissertação. (Mestrado em Engenharia de Produção) PPGEP/UFSC. TAVARES, Mauro Calixta, Gestão Estratégica, São Paulo, Atlas, 2006 KAPLAN, Robert S. & NORTON, David P., A Execução
    74. 74. a i ar um er o , é cr ode s futur não p re ver o o que o nã oép futur m s ucess rará em u o do rospe ." gred ue p visto "O se ção q pre H amme r a or ganiz Michael Wanderson Rodrigues Silva wrs@mprado.com.br

    ×