SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 19
ESCOLA SENAI SUÍÇO-BRASILEIRA PAULO E. TOLLE 
Kaoru Ishikawa 
(1915 — 1989) 
Genichi Taguchi 
(1924 — 2012)
DISCIPLINA 
PLANEJAMENTO E 
CONTROLE DA QUALIDADE 
PCQ4- (GPQ) 
Docente 
Reginaldo D. S. Zormegnan 
DATA 
02 de Setembro de 2014
INTEGRANTES 
INTEGRANTES 
Renato da Silva 
Rodrigo Barsoti 
Ronaldo Pereira 
Thiago Marques 
William Mazotti 
Willian Dos Santos 
TURMA 
4MG 
DATA 
02 de Setembro de 2014
KAORU ISHIKAWA 
KAORU ISHIKAWA 
Kaoru Ishikawa (1915-1989), nascido em Tokyo, o mais velho dos oito 
filhos de Ichiro Ishikawa. 
Educado em uma família com extensa tradição Industrial, graduou-se em 
Química na Universidade de Tokyo em 1939. 
De 1939 a 1941 trabalhou no exército como técnico naval, então foi 
trabalhar na “Nissan Liquid Fuel Company” até 1947. 
Em 1949, Ishikawa entrou para a União Japonesa de Cientistas e 
Engenheiros (JUSE), um grupo de pesquisa de controle de qualidade.
KAORU ISHIKAWA 
RECICLAGEM 
Ishikawa aprendeu os princípios do controle estatístico da qualidade 
desenvolvido por americanos. 
Kaoru traduziu, integrou e expandiu os conceitos de gerenciamento do Dr. 
William Edwards Deming e do Dr. Joseph Moses Juran para o sistema 
japonês. 
Talvez a contribuição a mais importante de Ishikawa foi seu papel chave no 
desenvolvimento de uma estratégia especificamente japonesa da qualidade.
KAORU ISHIKAWA 
PARTICIPAÇÃO 
A característica japonesa é a ampla participação na qualidade, não somente 
de cima para baixo dentro da organização, mas igualmente começa e termina 
no ciclo de vida de produto. 
No final dos anos 50 e no início dos anos 60, Ishikawa desenvolveu cursos do 
controle da qualidade para executivos e gerentes. 
Igualmente ajudou o lançamento da Conferência Anual do Controle da 
Qualidade para gerência, diretores em 1963.
KAORU ISHIKAWA 
DIAGRAMA 
Em conjunto com a JUSE, em 1962, Ishikawa introduziu o conceito de Círculo 
de Qualidade. 
Em 1982, viria o Diagrama de Causa-e-Efeito, também conhecido como 
Diagrama de Ishikawa. 
A melhor contribuição do Diagrama de Ishikawa: forneceu uma ferramenta 
poderosa que facilmente pudesse ser usada por não-especialistas para 
analisar e resolver problemas.
KAORU ISHIKAWA 
Ishikawa mostrou a importância das sete ferramentas da 
qualidade: 
• Diagrama de Pareto 
• Diagrama de causa e efeito 
• Histograma 
• Folhas de verificação 
• Gráficos de dispersão 
• Fluxograma 
• Cartas de Controle
KAORU ISHIKAWA 
Acreditou na importância da sustentação e da liderança. Outra área da 
melhoria de qualidade que Ishikawa enfatiza é qualidade duradora de um 
produto - não apenas durante a produção. 
Embora acreditasse fortemente em criar padrões, sentiu que os padrões eram 
como programas de melhoria contínuos da qualidade: devem constantemente 
ser avaliados e renovados. 
Os padrões não são a fonte final de tomada de decisão e sim a satisfação do 
cliente. Queria que os gerentes encontrassem as necessidades do 
consumidor, e a partir dessas, tomar decisões.
GENICHI TAGUCHI 
GENICHI TAGUCHI 
Genichi Taguchi foi um engenheiro e estatístico. Da década de 1950 em 
diante, desenvolveu uma metodologia que utilizava a aplicação de métodos 
estatísticos objetivando melhorar a qualidade dos produtos manufaturados. 
Esses métodos geraram controvérsias entre alguns estudiosos mais 
convencionais, porém a inovação de Taguchi trouxe conceitos e extensões 
que representam o escopo deste conhecimento. 
Em termos gerais há quatro conceitos de qualidade atribuídos a Taguchi
GENICHI TAGUCHI 
• A qualidade deve ser incorporada no produto desde o início e não através 
das inspeções. Os melhoramentos devem ocorrer na fase de desenho de 
um produto ou processo e continuar durante a fase de produção. A falta de 
qualidade não pode ser melhorada através da tradicional inspeção. 
• Atinge-se melhor a qualidade minimizando os desvios em relação as 
metas. O produto deve ser desenhado de forma robusta e imune aos 
fatores ambientais não controláveis. Devem ser especificados os valores 
para os parâmetros críticos e assegurado que a produção satisfaz essas 
metas com o mínimo desvio.
GENICHI TAGUCHI 
• A qualidade não deve ser baseada no desempenho ou características do 
produto. Isso faz variar o seu preço e/ou mercado, mas não a qualidade. O 
desempenho e as características do produto podem estar relacionados com 
a qualidade, mas não são a base da qualidade. Pelo contrário o 
desempenho é uma medida das capacidades do produto. 
• Os custos da qualidade devem ser medidos em função dos desvios do 
desempenho do produto. Isto inclui custos do retrabalho, inspeção, 
garantias, devoluções e substituições.
GENICHI TAGUCHI 
Taguchi fundou a Quality Research Group e, desde 1963, o grupo reuniu-se 
mensalmente para discutir os pedidos da indústria. A Aoyama Gakuin 
University, no Japão convidou Taguchi para ensinar em 1965 e ele 
permaneceu por 17 anos e ajudou a desenvolver o departamento de 
engenharia da universidade. 
Até o início de 1980, Taguchi ficou trabalhando nos Estados Unidos, sendo 
convidado a apresentar seminários para executivos da Ford em 1982. Em 
1983, ele foi diretor-executivo da Ford Supplier Institute, Inc., que mais tarde 
mudou seu nome para o American Supplier Institute.
GENICHI TAGUCHI 
Enfim, ganhou quatro vezes o Prêmio Deming, do Japão. Ele recebeu o 
primeiro destes prêmios de excelência pela sua contribuição para o 
desenvolvimento da estatística aplicada à qualidade. 
Mas, tornou-se especialista mundial no processo de desenvolvimento e design 
de novos produtos (foi o criador do movimento Robust Design). 
Ele começou a ser conhecido no início dos anos 50, quando trabalhou na 
Nippon Telegraph and Telephone. Em 1982, os seus ensinamentos chegaram 
aos Estados Unidos e muitas foram as empresas que usaram as suas ideias 
com sucesso.
DEFINIÇÕES 
No mundo todo generalizou-se denominar por T.Q.C – Total Quality Control 
todos estes estilos de administração que tenham uma preocupação global com 
a qualidade, incluindo fornecedores da empresa, a empresa, usuários dos 
produtos e toda a sociedade.
DEFINIÇÕES 
Após o sistema de controle de qualidade criado e abandonado pelos 
americanos ser reciclado pelos japoneses, eles aderiram ao sistema 
melhorado de Controle de Qualidade Total. 
Dr. William Edwards Deming e Dr. Joseph Moses Juran foram de grande 
importância na introdução do Controle de Qualidade no Japão.
DÚVIDAS
OBRIGADO PELA 
ATENÇÃO
Fontes: 
BIBLIOGRAFIA 
Kaoru Ishikawa | Qualidade Brasil 
Qualidade Brasil - O seu portal brasileiro de Gestão 
Introduction to Quality Engineering (American Supplier Institute, 1986); System 
of Experimental Design (American Supplier Institute, 1987); e Introduction to 
Off-line Quality Control Systems (Central Quality Control Association, 1980).

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Gsi conceitos básicos
Gsi  conceitos básicosGsi  conceitos básicos
Gsi conceitos básicos
Ana Clara San
 
Gurus da qualidade edwards deming
Gurus da qualidade edwards demingGurus da qualidade edwards deming
Gurus da qualidade edwards deming
Adair Caldeira
 
Aula qualidade cert_day1
Aula qualidade cert_day1Aula qualidade cert_day1
Aula qualidade cert_day1
Danilo Macarini
 
Trabalho de Administração aplicada ao navio (adm 71) gestão de qualidade final
Trabalho de Administração aplicada ao navio (adm 71)   gestão de qualidade finalTrabalho de Administração aplicada ao navio (adm 71)   gestão de qualidade final
Trabalho de Administração aplicada ao navio (adm 71) gestão de qualidade final
Lucas Damasceno
 

Mais procurados (20)

Gsi conceitos básicos
Gsi  conceitos básicosGsi  conceitos básicos
Gsi conceitos básicos
 
Aula 2 - Gestão da Qualidade
Aula 2 - Gestão da QualidadeAula 2 - Gestão da Qualidade
Aula 2 - Gestão da Qualidade
 
Gurus da qualidade edwards deming
Gurus da qualidade edwards demingGurus da qualidade edwards deming
Gurus da qualidade edwards deming
 
Aula qualidade cert_day1
Aula qualidade cert_day1Aula qualidade cert_day1
Aula qualidade cert_day1
 
Trabalho de Administração aplicada ao navio (adm 71) gestão de qualidade final
Trabalho de Administração aplicada ao navio (adm 71)   gestão de qualidade finalTrabalho de Administração aplicada ao navio (adm 71)   gestão de qualidade final
Trabalho de Administração aplicada ao navio (adm 71) gestão de qualidade final
 
Fundamento em Gestão da Qualidade
Fundamento em Gestão da QualidadeFundamento em Gestão da Qualidade
Fundamento em Gestão da Qualidade
 
Aula de fundamentos da qualidade 1 e 2
Aula de fundamentos da qualidade   1 e 2Aula de fundamentos da qualidade   1 e 2
Aula de fundamentos da qualidade 1 e 2
 
Gurus da qualidade
Gurus da qualidadeGurus da qualidade
Gurus da qualidade
 
Gurus da Gestão da Qualidade
Gurus da Gestão da QualidadeGurus da Gestão da Qualidade
Gurus da Gestão da Qualidade
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
Gestao da qualidade em logistica
Gestao da qualidade em logisticaGestao da qualidade em logistica
Gestao da qualidade em logistica
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
TQM
TQMTQM
TQM
 
Gestão da Qualidade nas Organizações
Gestão da Qualidade nas OrganizaçõesGestão da Qualidade nas Organizações
Gestão da Qualidade nas Organizações
 
A Administração da Qualidade e a filosofia da Qualidade Total
A Administração da Qualidade e a filosofia da Qualidade TotalA Administração da Qualidade e a filosofia da Qualidade Total
A Administração da Qualidade e a filosofia da Qualidade Total
 
Aula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da QualidadeAula 1 - Gestão da Qualidade
Aula 1 - Gestão da Qualidade
 
Gestão da Qualidade 02 Capítulo 01
Gestão da Qualidade 02 Capítulo 01Gestão da Qualidade 02 Capítulo 01
Gestão da Qualidade 02 Capítulo 01
 
Gestao da qualidade definicoes
Gestao da qualidade definicoesGestao da qualidade definicoes
Gestao da qualidade definicoes
 
Gestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade TotalGestão da Qualidade Total
Gestão da Qualidade Total
 
Artigo - A Gestão da Qualidade e suas Ferramentas
Artigo - A Gestão da Qualidade e suas FerramentasArtigo - A Gestão da Qualidade e suas Ferramentas
Artigo - A Gestão da Qualidade e suas Ferramentas
 

Destaque

Apresentação feigenbaum
Apresentação feigenbaumApresentação feigenbaum
Apresentação feigenbaum
Felipe Pereira
 
Qualimetria e gestão de qualidade em TI por André Balparda
Qualimetria e gestão de qualidade em TI por André BalpardaQualimetria e gestão de qualidade em TI por André Balparda
Qualimetria e gestão de qualidade em TI por André Balparda
Joao Galdino Mello de Souza
 

Destaque (20)

Kaoru Ishikawa
Kaoru IshikawaKaoru Ishikawa
Kaoru Ishikawa
 
Ferramentas da qualidade
Ferramentas da qualidadeFerramentas da qualidade
Ferramentas da qualidade
 
Gurus da qualidade
Gurus da qualidadeGurus da qualidade
Gurus da qualidade
 
Método taguchi
Método taguchiMétodo taguchi
Método taguchi
 
O que é qualidade
O que é qualidadeO que é qualidade
O que é qualidade
 
Gestão pela Qualidade Total
Gestão pela Qualidade TotalGestão pela Qualidade Total
Gestão pela Qualidade Total
 
Kaoru Ishikawa
Kaoru IshikawaKaoru Ishikawa
Kaoru Ishikawa
 
Apresentação feigenbaum
Apresentação feigenbaumApresentação feigenbaum
Apresentação feigenbaum
 
Eras da Qualidade
Eras da QualidadeEras da Qualidade
Eras da Qualidade
 
Taguchi
TaguchiTaguchi
Taguchi
 
Qualidade Total
Qualidade TotalQualidade Total
Qualidade Total
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
Slides qualidade
Slides qualidadeSlides qualidade
Slides qualidade
 
Conceitos e Princípios de Gestão da Qualidade
Conceitos e Princípios de Gestão da QualidadeConceitos e Princípios de Gestão da Qualidade
Conceitos e Princípios de Gestão da Qualidade
 
Gestão de qualidade (slides)
Gestão de qualidade (slides)Gestão de qualidade (slides)
Gestão de qualidade (slides)
 
Gestão da qualidade
Gestão da qualidadeGestão da qualidade
Gestão da qualidade
 
Taguchi Ing En Calidad
Taguchi Ing En CalidadTaguchi Ing En Calidad
Taguchi Ing En Calidad
 
Qualimetria e gestão de qualidade em TI por André Balparda
Qualimetria e gestão de qualidade em TI por André BalpardaQualimetria e gestão de qualidade em TI por André Balparda
Qualimetria e gestão de qualidade em TI por André Balparda
 
Programa de qualidade 5 s para latina textil
Programa de qualidade 5 s para latina textilPrograma de qualidade 5 s para latina textil
Programa de qualidade 5 s para latina textil
 
Como Implantar o Sistema Básico da Qualidade - QSB
Como Implantar o Sistema Básico da Qualidade - QSBComo Implantar o Sistema Básico da Qualidade - QSB
Como Implantar o Sistema Básico da Qualidade - QSB
 

Semelhante a Controle de qualidade total SENAI - SP

Qualidade e excelência organizacional
Qualidade e excelência organizacionalQualidade e excelência organizacional
Qualidade e excelência organizacional
daianadelima
 
Ficha de trabalho nº10 spv- contole da qualidade
Ficha de trabalho nº10 spv- contole da qualidadeFicha de trabalho nº10 spv- contole da qualidade
Ficha de trabalho nº10 spv- contole da qualidade
Leonor Alves
 

Semelhante a Controle de qualidade total SENAI - SP (20)

04. sistema de gestã£o da qualidade
04.   sistema de gestã£o da qualidade04.   sistema de gestã£o da qualidade
04. sistema de gestã£o da qualidade
 
Apresentação qualidade
Apresentação   qualidadeApresentação   qualidade
Apresentação qualidade
 
Tq ferramentas da_qualidade_semana1
Tq ferramentas da_qualidade_semana1Tq ferramentas da_qualidade_semana1
Tq ferramentas da_qualidade_semana1
 
SLIDES GESTAO DA QUALIDADE - ADM (4).pptx
SLIDES GESTAO DA QUALIDADE - ADM (4).pptxSLIDES GESTAO DA QUALIDADE - ADM (4).pptx
SLIDES GESTAO DA QUALIDADE - ADM (4).pptx
 
Ferramentas da qualidade_-_apostila_senai_sp
Ferramentas da qualidade_-_apostila_senai_spFerramentas da qualidade_-_apostila_senai_sp
Ferramentas da qualidade_-_apostila_senai_sp
 
Ucb quali definições
Ucb quali definiçõesUcb quali definições
Ucb quali definições
 
Armand Vallin Feigenbaum
Armand Vallin FeigenbaumArmand Vallin Feigenbaum
Armand Vallin Feigenbaum
 
Qualidade
QualidadeQualidade
Qualidade
 
Evolução da qualidade
Evolução da qualidadeEvolução da qualidade
Evolução da qualidade
 
Conceitos básicos sobre qualidade e iso 90001
Conceitos básicos sobre qualidade e iso 90001Conceitos básicos sobre qualidade e iso 90001
Conceitos básicos sobre qualidade e iso 90001
 
Aula 1 - Qualidade de Software - Introdução e História.pptx
Aula 1 - Qualidade de Software - Introdução e História.pptxAula 1 - Qualidade de Software - Introdução e História.pptx
Aula 1 - Qualidade de Software - Introdução e História.pptx
 
Aula 1 - Qualidade de Software - Introdução e História.pptx
Aula 1 - Qualidade de Software - Introdução e História.pptxAula 1 - Qualidade de Software - Introdução e História.pptx
Aula 1 - Qualidade de Software - Introdução e História.pptx
 
02 histórico da gestão da qualidade
02 histórico da gestão da qualidade02 histórico da gestão da qualidade
02 histórico da gestão da qualidade
 
Qualidade e excelência organizacional
Qualidade e excelência organizacionalQualidade e excelência organizacional
Qualidade e excelência organizacional
 
QUALIDADE.pptx
QUALIDADE.pptxQUALIDADE.pptx
QUALIDADE.pptx
 
Aula 4, 5 e 6 introducao a qualidade (1)
Aula 4, 5 e 6   introducao a qualidade (1)Aula 4, 5 e 6   introducao a qualidade (1)
Aula 4, 5 e 6 introducao a qualidade (1)
 
Gq aula01
Gq aula01Gq aula01
Gq aula01
 
Ficha de trabalho nº10 spv- contole da qualidade
Ficha de trabalho nº10 spv- contole da qualidadeFicha de trabalho nº10 spv- contole da qualidade
Ficha de trabalho nº10 spv- contole da qualidade
 
FERRAMENTAS DA QUALIDADE.pptx
FERRAMENTAS DA QUALIDADE.pptxFERRAMENTAS DA QUALIDADE.pptx
FERRAMENTAS DA QUALIDADE.pptx
 
Gurus da qualidade
Gurus da qualidadeGurus da qualidade
Gurus da qualidade
 

Último

Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
andreaLisboa7
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdfAPOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
lbgsouza
 

Último (20)

Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdfHistoria-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
Historia-em-cartaz-Lucas-o-menino-que-aprendeu-a-comer-saudavel- (1).pdf
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescenteAbuso Sexual da Criança e do adolescente
Abuso Sexual da Criança e do adolescente
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.Poema - Aedes Aegypt.
Poema - Aedes Aegypt.
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdfAPOSTILA- COMPLETA  De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
APOSTILA- COMPLETA De FILOSOFIA-DA-EDUCAÇÃO.pdf
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 

Controle de qualidade total SENAI - SP

  • 1. ESCOLA SENAI SUÍÇO-BRASILEIRA PAULO E. TOLLE Kaoru Ishikawa (1915 — 1989) Genichi Taguchi (1924 — 2012)
  • 2. DISCIPLINA PLANEJAMENTO E CONTROLE DA QUALIDADE PCQ4- (GPQ) Docente Reginaldo D. S. Zormegnan DATA 02 de Setembro de 2014
  • 3. INTEGRANTES INTEGRANTES Renato da Silva Rodrigo Barsoti Ronaldo Pereira Thiago Marques William Mazotti Willian Dos Santos TURMA 4MG DATA 02 de Setembro de 2014
  • 4. KAORU ISHIKAWA KAORU ISHIKAWA Kaoru Ishikawa (1915-1989), nascido em Tokyo, o mais velho dos oito filhos de Ichiro Ishikawa. Educado em uma família com extensa tradição Industrial, graduou-se em Química na Universidade de Tokyo em 1939. De 1939 a 1941 trabalhou no exército como técnico naval, então foi trabalhar na “Nissan Liquid Fuel Company” até 1947. Em 1949, Ishikawa entrou para a União Japonesa de Cientistas e Engenheiros (JUSE), um grupo de pesquisa de controle de qualidade.
  • 5. KAORU ISHIKAWA RECICLAGEM Ishikawa aprendeu os princípios do controle estatístico da qualidade desenvolvido por americanos. Kaoru traduziu, integrou e expandiu os conceitos de gerenciamento do Dr. William Edwards Deming e do Dr. Joseph Moses Juran para o sistema japonês. Talvez a contribuição a mais importante de Ishikawa foi seu papel chave no desenvolvimento de uma estratégia especificamente japonesa da qualidade.
  • 6. KAORU ISHIKAWA PARTICIPAÇÃO A característica japonesa é a ampla participação na qualidade, não somente de cima para baixo dentro da organização, mas igualmente começa e termina no ciclo de vida de produto. No final dos anos 50 e no início dos anos 60, Ishikawa desenvolveu cursos do controle da qualidade para executivos e gerentes. Igualmente ajudou o lançamento da Conferência Anual do Controle da Qualidade para gerência, diretores em 1963.
  • 7. KAORU ISHIKAWA DIAGRAMA Em conjunto com a JUSE, em 1962, Ishikawa introduziu o conceito de Círculo de Qualidade. Em 1982, viria o Diagrama de Causa-e-Efeito, também conhecido como Diagrama de Ishikawa. A melhor contribuição do Diagrama de Ishikawa: forneceu uma ferramenta poderosa que facilmente pudesse ser usada por não-especialistas para analisar e resolver problemas.
  • 8. KAORU ISHIKAWA Ishikawa mostrou a importância das sete ferramentas da qualidade: • Diagrama de Pareto • Diagrama de causa e efeito • Histograma • Folhas de verificação • Gráficos de dispersão • Fluxograma • Cartas de Controle
  • 9. KAORU ISHIKAWA Acreditou na importância da sustentação e da liderança. Outra área da melhoria de qualidade que Ishikawa enfatiza é qualidade duradora de um produto - não apenas durante a produção. Embora acreditasse fortemente em criar padrões, sentiu que os padrões eram como programas de melhoria contínuos da qualidade: devem constantemente ser avaliados e renovados. Os padrões não são a fonte final de tomada de decisão e sim a satisfação do cliente. Queria que os gerentes encontrassem as necessidades do consumidor, e a partir dessas, tomar decisões.
  • 10. GENICHI TAGUCHI GENICHI TAGUCHI Genichi Taguchi foi um engenheiro e estatístico. Da década de 1950 em diante, desenvolveu uma metodologia que utilizava a aplicação de métodos estatísticos objetivando melhorar a qualidade dos produtos manufaturados. Esses métodos geraram controvérsias entre alguns estudiosos mais convencionais, porém a inovação de Taguchi trouxe conceitos e extensões que representam o escopo deste conhecimento. Em termos gerais há quatro conceitos de qualidade atribuídos a Taguchi
  • 11. GENICHI TAGUCHI • A qualidade deve ser incorporada no produto desde o início e não através das inspeções. Os melhoramentos devem ocorrer na fase de desenho de um produto ou processo e continuar durante a fase de produção. A falta de qualidade não pode ser melhorada através da tradicional inspeção. • Atinge-se melhor a qualidade minimizando os desvios em relação as metas. O produto deve ser desenhado de forma robusta e imune aos fatores ambientais não controláveis. Devem ser especificados os valores para os parâmetros críticos e assegurado que a produção satisfaz essas metas com o mínimo desvio.
  • 12. GENICHI TAGUCHI • A qualidade não deve ser baseada no desempenho ou características do produto. Isso faz variar o seu preço e/ou mercado, mas não a qualidade. O desempenho e as características do produto podem estar relacionados com a qualidade, mas não são a base da qualidade. Pelo contrário o desempenho é uma medida das capacidades do produto. • Os custos da qualidade devem ser medidos em função dos desvios do desempenho do produto. Isto inclui custos do retrabalho, inspeção, garantias, devoluções e substituições.
  • 13. GENICHI TAGUCHI Taguchi fundou a Quality Research Group e, desde 1963, o grupo reuniu-se mensalmente para discutir os pedidos da indústria. A Aoyama Gakuin University, no Japão convidou Taguchi para ensinar em 1965 e ele permaneceu por 17 anos e ajudou a desenvolver o departamento de engenharia da universidade. Até o início de 1980, Taguchi ficou trabalhando nos Estados Unidos, sendo convidado a apresentar seminários para executivos da Ford em 1982. Em 1983, ele foi diretor-executivo da Ford Supplier Institute, Inc., que mais tarde mudou seu nome para o American Supplier Institute.
  • 14. GENICHI TAGUCHI Enfim, ganhou quatro vezes o Prêmio Deming, do Japão. Ele recebeu o primeiro destes prêmios de excelência pela sua contribuição para o desenvolvimento da estatística aplicada à qualidade. Mas, tornou-se especialista mundial no processo de desenvolvimento e design de novos produtos (foi o criador do movimento Robust Design). Ele começou a ser conhecido no início dos anos 50, quando trabalhou na Nippon Telegraph and Telephone. Em 1982, os seus ensinamentos chegaram aos Estados Unidos e muitas foram as empresas que usaram as suas ideias com sucesso.
  • 15. DEFINIÇÕES No mundo todo generalizou-se denominar por T.Q.C – Total Quality Control todos estes estilos de administração que tenham uma preocupação global com a qualidade, incluindo fornecedores da empresa, a empresa, usuários dos produtos e toda a sociedade.
  • 16. DEFINIÇÕES Após o sistema de controle de qualidade criado e abandonado pelos americanos ser reciclado pelos japoneses, eles aderiram ao sistema melhorado de Controle de Qualidade Total. Dr. William Edwards Deming e Dr. Joseph Moses Juran foram de grande importância na introdução do Controle de Qualidade no Japão.
  • 19. Fontes: BIBLIOGRAFIA Kaoru Ishikawa | Qualidade Brasil Qualidade Brasil - O seu portal brasileiro de Gestão Introduction to Quality Engineering (American Supplier Institute, 1986); System of Experimental Design (American Supplier Institute, 1987); e Introduction to Off-line Quality Control Systems (Central Quality Control Association, 1980).

Notas do Editor

  1. O objetivo fundamental é gerar informação que permita o aumento da produtividade. Através de uma série metódica, o estudo de tempos pretende determinar o tempo-padrão para realização de uma tarefa específica.
  2. Cronômetro geralmente de hora centesimal, o mais utilizado, porem podem ser usados outros tipos, até comuns. Filmadora (voltada a estudo de movimentos, ritmo de trabalho, coleta de dados para amostragem de trabalho) Prancheta para observações: para apoiar a folha de observações e o cronômetro
  3. Raramente é satisfatória a cronometragem de uma operação inteira que tem único elemento.
  4. Apostila pagina 48
  5. Os gargalos ocorrem quando o tempo de um posto de trabalho é maior que o apresentado pelos demais. Pg 51 apostila
  6. Objetivo: anular os gargalos de produção e proporcionar um máximo de produtividade e eficiência, alem de um menor tempo de giro