SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 27
Arte Nova |História e Cultura das Artes
11º Ano
Carla Favinha | Nº8
Diana Lobinho |Nº10
Arte Nova |Introdução
• Surgiu nos finais do século XIX (1880-090) e
entrou em declínio no século XX (1905-14).
• Ficou marcado pela rotura da tradição.
• Foi influenciada pelo Modernismo, então
ficou integrada no movimento cultural e
atingiu todas as artes.
• Era uma arte com um significado
bastante controverso e diferente.
• Conseguiu dispersar-se por vários países
como a Inglaterra, a França, Alemanha,
Bélgica, Áustria, Itália, Espanha, entre
outros.
Linhas sinuosas e o
uso do ferro fundido
Arte Nova | Belle Époque
• Belle Époque signicava um momento feliz
com grandezas e desenvolvimentos
• Existência de melhores condições de vida
• Maior preocupação com a Cultura e com
a Arte.
• Altura em que a industria atingiu o seu
apogeu.
• Europa produziu uma enorme riqueza.
• As classes média e alta investiam em
pequenos objectos decorativos para
poderem afirmar a sua posição social.
• Devido às exposições mundiais que
ocurreram nesta época, a arte nova
conseguiu dispersar-se por vários pontos
da europa.
• A arte nova trouxe-nos melhoria nas vias
de transporte, comunicação e trocas
comerciais entre os países.
Vidros excessivamente
decorados
Linhas sinuosas
Arte Nova | Modernismo
• Modernismo foi integrado na Arte Nova.
• Modernismo atingiu todas as artes e ficou
marcado pela rotura da tradição na
procura de novas expressões sejam elas
formais, técnicas ou estéticas.
• Modernismo oponha-se às artes
académicas tradicionas, procurava a
inovação e a criação descomprometida.
• Acompanhou o desenvolvimento
cientifico e tecnologico desta época.
Alphonse Mucha, calendario La
Plume
Arte Nova | Designações
• A arte nova foi uma grande de grande
expressão, era bastante controversa.
• Uniu-se a difererntes cunhas individuais,
ou seja, uniu-se a artistas por conta
propria, a diferentes escolas e diferentes
designações.
• Designações:
- Inglaterra: modern style;
- França e na Bélgica: art nouveau;
- Alemanha: jugendstile;
- Austria: sezession;
-Italia: floreale
- EUA: liberty
-Espanha simplesmente modernismo.
• Esta arte trabalhou sempre sob 3
princípios unificadores.
Varandas com ferro fundido
e motivos vegetalistas
Painéis vegetalistas e naturalistas
Grandes janelões modernos
Grande eclectismo de estilos
Arte Nova em França
Linhas sinuosas com
grandes varandões
Arte nova em Portugal
Arte Nova | Principios Unificadores
• A arte nova esteve sobre 3 princípios
unificadores.
• Primeiro unificador:
- inovação formal:
- trabalhava-se uma grande
criatividade e originalidade;
- rejeitava-se os estilos históricos,
académicas e revivalistas desta época;
- usava-se formas inspiradas na
Natureza (fauna e flora) e no homem;
- usava-se estruturas e texturas
orgânicas e movimentos sinuosos e
encadeados;
- usava-se linhas e formas
estilizadas, sintetizadas ou
geometrizadas.
Formas inspiradas
na Natureza
Criatividade
originalidade
Arte Nova | Principios Unificadores
• A arte nova esteve sobre 3 princípios unificadores.
• Segundo unificador:
- processo:
- integrava-se novas técnicas;
- integrava-se novos materiais: ladrilho, ferro, cozido, betão e outros;
- retirava-se as qualidades dos materiais como a sua maleabilidade,
resistência, eficácia e o seu sentido plástico;
Arte Nova | Principios Unificadores
• A arte nova esteve sobre 3
princípios unificadores.
• Terceiro unificador:
- nova estética:
-expressava-se através da linha
sinuosa, flexível, estilizada, elástica
ou geométrica;
- procurava-se movimento,
ritmo, expressão e simbolismo poético;
- apelava-se à sensibilidade
estética e à fantasia do espectador;
Linha sinuosa
Linha estilizada e
geométrica
Arte Nova | Características
• Exprimi-a a modernidade da época onde a estética, a técnica, a tradição e a
inovação se misturavam.
• Deu menos valor às tradições históricas e eclécticas da arquitectura
académica, da antiga;
• Foi o primeiro estilo a juntar as técnicas construtivas da engenharia da sua
época, com as exigências formais e estéticas dos arquitectos.
• Foram usados os mesmos sistemas, técnicas e materiais que utilizaram os
engenheiros pois fáceis de moldar e maleáveis.
• Era constituída por plantas amplas livres e amplas dando uma noção de
continuidade, volumes irregulares e assimétricos, superfícies sinuosas e
fachadas com vidro.
Arte Nova | Características
• A nível estético reforçou o império ornamental, quer no interior como
no exterior;
• A exuberância, volumetria, estilização e expressividade dependiam
muito dos arquitectos e ‘‘escolas’’;
• Não existiu qualquer tipo de inferência em relação à estrutura
edificativa, tendo sido aproveitada pela aliança entre a função e a
forma.
Arte Nova | 1º Estilo inovador do século XIX
• A Arte Nova foi o 1º estilo inovador do séc. XIX porque:
- foi uma arte eclesiástica, em termos formais e estéticos.
- conseguiu unir as técnicas construtivas da engenharia com as
exigências formais e estéticas dos arquitectos.
- devido à Revolução Industrial que se gerou na Europa.
• Esta arquitectura rapidamente se espalhou por outras zonas do
Mundo, como a Bélgica, os EUA, Portugal, França, devido à fácil
utilização e manejamento, rapidez na construção e também devido
à economia dos produtos. Contudo, foi um estilo que se foi
espalhando gradualmente e que se foi impondo a partir de um
novo objectivo estético, na sua forma e função.
Arte Nova | Tipos de construções e funções
• A arte nova foi utilizada principalmente em tipologias urbanas, como
prédios, moradias, hotéis, bancos, lojas, teatros, museus, igrejas e
estações de comboio, com função predominantemente
decorativa.
• Embora cada país e arquitecto tivesse a sua tendência e influência,
na generalidade existiram duas tendências:
- primeira: aplicação dos novos materiais e sistemas construtivos
(temas naturalistas e formas curvilíneas);
- segunda: utilização de uma vertente mais racionalista, apoiada
na estrutura, nas formas geométricas e na ornamentação, embora com
menos impacto que as outras.
• A Bélgica foi o país onde surgiu o primeiro foco de Arte Nova;
• A sua arquitetura era simples e sóbria, as fachads tinham grandes janelões, os interiores eram
funcionais e espaçosos e a decoração estava integrada na estrutura dos edificios;
• Surgiram então os dois primeiros arquitectos com destaque nesta arte: Victor Horta – Casa do Povo
(1897) e Henry van de Velde – Casa Bouquete de Fleurs (1895 – 96).
Arte Nova | Bélgica
• Em França houve uma grande preocupação em relação à forma e à decoração;
• As suas tendencias eram principalmente vegetalistas e estavam sempre em harmonia com o meio
urbano em que se integravam;
• Como exemplo de arquitectos desta arte temos o Hector Guimard – Castel Béranger (1884 – 88).
Arte Nova | França
• O Modernismo em barcelona esteve muito associado às escolas belgas e francesas pela sua
ornamentação e estrutura arquitetónica;
• Esta arte destingui-se pelos sistemas técnicos, simplicidade e pelo uso de materiais locais;
• Era constituida por heranças góticas e mudéjar, organicidade, decoração naturalista e pitoresca;
• Os materiais utilizados eram principalmente o betão, o ferro, o vidro e a madeira;
• As obras arquitetónicas earm caracterizadas por serem muito excentricas e expressivas;
• Como exemplo temos os arquitectos Luís Montaner – Palácio da Música Catalã (1905 – 08) e Antoní
Gaudí – Catedral da Sagrada Família (1883 – 1926).
Arte Nova |Espanha - Barcelona
• O modernismo na Escócia foi diferente do catalão, mas de certo modo original à sua maneira;
• A sua arquitectura esteve assente em estruturas ortogonais de ferro, em paredes lisas e de pedra, em
superficies envidraçadas e na decoração contida;
• Como exemplo da arte modena na Escócia temos o arquitecto e designer Mackintosh e a Escola de
Glasgow.
Arte Nova |Escócia
• A moderna austriaca, foi muito influenciada pelo arquitecto e designer Mackintosh pelo seu sentido
estrutural;
• Foi atrvés de um grupo de jovens artistas, opositores aos revivalismos das artes acdémicas e defensores
da inovação, que se impos esta arte;
• Os seus principios arquitéctónicos foram a simplicidade, o geometrismo das formas, a simetria, a
racionalidade, a funcionalidade e a decoram contida;
• Como exemplo temos o pintor Gustave Klimt, o arquitecto Joseph Hoffmann, J. Maria Ölbrich e Otto
Wagner.
Arte Nova |Áustria
• Na Alemanha a Arte Nova esteve presente na criação dos Ateliers Artesanais, situados no centro e
arredores da Alemanha;
• Estes ateliers artesanais serviam para albergar as obras dos artistas, sendo o Atelier Elvira um dos mais
conhecidos deste país;
• A Escola de Artes Plásticas de Weimar e a de Deutscher Werkbund, são obras arquitectónicas que
serviram de veículo à escola de Bauhaus, que por sua vez desenvolveu o design industrial.
Arte Nova |Alemanha
• A Arte Nova em Chicago, teve um caracter mais estruturalista;
• Houve a necessidade de renovar o centro urbano e para isso foram aplicados novos sistemas de
alicerçamento, cimentação, resistencia, isolamento, aperfeiçoaram as estruturas em ferro e aço,
revestiram as fachadas com vidro e tornaram as plantas mais livres;
• Inovaram os sistemas de acondicionamento, manutanção, canalização;
• Foi atraves da modernidade dos sistemas e das técnicas, deste país, que foi possivel a construção em
altura, criando assim os arranha-céus.
Arte Nova |Estados Unidos – Chicago
• Em Nova Iorque foi fundada, por Louis Comfort Tiffany, uma empresa produtora de vidros;
• Esses vidros eram e coloridos e tinham uma função decorativa;
• O tema principal era as plantas, os insectos e os animais, reveladores de influencias naturalistas.
Arte Nova |Estados Unidos – Nova Iorque
• Em Portugal a Arte Nova, foi pouco duradora e chegou tardiamente;
• Foi influenciada por toda a Europa, mas com mais incidencia na França;
• Não possuia um estilo proprio e inovou-se em termos de materiais, técnicas e decoração;
• Foi usada nas fachads e em portões, gradeamentos, em esculturas, molduras de janelas e de portas;
• Muito comum em prédios urbanos, teatros, cafés, lojas, restaurantes, entre outros.
Arte Nova |Portugal

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Naturalismo e Realismo na Pintura
Naturalismo e Realismo na PinturaNaturalismo e Realismo na Pintura
Naturalismo e Realismo na Pintura
Carlos Pinheiro
 
As artes na atualidade
As artes na atualidadeAs artes na atualidade
As artes na atualidade
Ana Barreiros
 
Arte ao redor de 1900
Arte ao redor de 1900Arte ao redor de 1900
Arte ao redor de 1900
Ana Barreiros
 
A arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xxA arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xx
Ana Barreiros
 
Pintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismoPintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismo
Ana Barreiros
 

Mais procurados (20)

O romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pinturaO romantismo na arquitetura e na pintura
O romantismo na arquitetura e na pintura
 
HCA 11º, Espaço Virtual, Pintura e Arte Acontecimento
HCA 11º, Espaço Virtual, Pintura e Arte AcontecimentoHCA 11º, Espaço Virtual, Pintura e Arte Acontecimento
HCA 11º, Espaço Virtual, Pintura e Arte Acontecimento
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
A cultura da gare
A cultura da gareA cultura da gare
A cultura da gare
 
Módulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - RomantismoMódulo 8 - Romantismo
Módulo 8 - Romantismo
 
Naturalismo e Realismo na Pintura
Naturalismo e Realismo na PinturaNaturalismo e Realismo na Pintura
Naturalismo e Realismo na Pintura
 
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e RealismoMódulo 8 - Naturalismo e Realismo
Módulo 8 - Naturalismo e Realismo
 
Arquitectura neoclassica em Portugal
Arquitectura neoclassica em Portugal Arquitectura neoclassica em Portugal
Arquitectura neoclassica em Portugal
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
Módulo 9 em portugal
Módulo 9  em portugalMódulo 9  em portugal
Módulo 9 em portugal
 
As artes na atualidade
As artes na atualidadeAs artes na atualidade
As artes na atualidade
 
A arquitetura do ferro e do vidro
A arquitetura do ferro e do vidroA arquitetura do ferro e do vidro
A arquitetura do ferro e do vidro
 
Módulo 9 arte
Módulo 9   arteMódulo 9   arte
Módulo 9 arte
 
A cultura da gare
A cultura da gareA cultura da gare
A cultura da gare
 
Arte ao redor de 1900
Arte ao redor de 1900Arte ao redor de 1900
Arte ao redor de 1900
 
A arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xxA arquitetura da 1ª metade século xx
A arquitetura da 1ª metade século xx
 
Arts & Crafts e Arte Nova
Arts & Crafts e Arte NovaArts & Crafts e Arte Nova
Arts & Crafts e Arte Nova
 
Surrealismo
SurrealismoSurrealismo
Surrealismo
 
A Arquitectura do Ferro no século XIX
A Arquitectura do Ferro no século XIXA Arquitectura do Ferro no século XIX
A Arquitectura do Ferro no século XIX
 
Pintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismoPintura e escultura do romantismo
Pintura e escultura do romantismo
 

Destaque

Elaboracion de memoria
Elaboracion de memoriaElaboracion de memoria
Elaboracion de memoria
victoria rivas
 
Contrato didactico arq dia
Contrato didactico   arq diaContrato didactico   arq dia
Contrato didactico arq dia
victoria rivas
 
3 os anos 10 e a primeira guerra mundial
3  os anos 10 e a primeira guerra mundial3  os anos 10 e a primeira guerra mundial
3 os anos 10 e a primeira guerra mundial
Ryu Cenobita
 
Guia de estándares gráficos
Guia de estándares gráficosGuia de estándares gráficos
Guia de estándares gráficos
victoria rivas
 
Arquitectura Portuguesa
Arquitectura PortuguesaArquitectura Portuguesa
Arquitectura Portuguesa
Zé Diogo
 

Destaque (20)

ANALISIS DE TRAMO JAVIR PRADO
ANALISIS DE TRAMO JAVIR PRADOANALISIS DE TRAMO JAVIR PRADO
ANALISIS DE TRAMO JAVIR PRADO
 
Tony Generico
Tony GenericoTony Generico
Tony Generico
 
Elaboracion de memoria
Elaboracion de memoriaElaboracion de memoria
Elaboracion de memoria
 
Contrato didactico arq dia
Contrato didactico   arq diaContrato didactico   arq dia
Contrato didactico arq dia
 
Arte rococó (1)
Arte rococó (1)Arte rococó (1)
Arte rococó (1)
 
Fotografo de arquitetura
Fotografo de arquiteturaFotografo de arquitetura
Fotografo de arquitetura
 
Caixas de Madeira: um estudo da imagem fotográfica no acervo Ramos de Azevedo
Caixas de Madeira: um estudo da imagem fotográfica no acervo Ramos de AzevedoCaixas de Madeira: um estudo da imagem fotográfica no acervo Ramos de Azevedo
Caixas de Madeira: um estudo da imagem fotográfica no acervo Ramos de Azevedo
 
Academicos no brasil
Academicos no brasilAcademicos no brasil
Academicos no brasil
 
3 os anos 10 e a primeira guerra mundial
3  os anos 10 e a primeira guerra mundial3  os anos 10 e a primeira guerra mundial
3 os anos 10 e a primeira guerra mundial
 
Guia de estándares gráficos
Guia de estándares gráficosGuia de estándares gráficos
Guia de estándares gráficos
 
Neoclassicismo 2C26
Neoclassicismo 2C26Neoclassicismo 2C26
Neoclassicismo 2C26
 
Catavento - Palácio das Indústrias
Catavento - Palácio das IndústriasCatavento - Palácio das Indústrias
Catavento - Palácio das Indústrias
 
Memória Manipulada: A fotografia e a manipulação digital
Memória Manipulada: A fotografia e a manipulação digitalMemória Manipulada: A fotografia e a manipulação digital
Memória Manipulada: A fotografia e a manipulação digital
 
Propuesta de uso de Facebook como herramienta didáctica
Propuesta de uso de Facebook como herramienta didácticaPropuesta de uso de Facebook como herramienta didáctica
Propuesta de uso de Facebook como herramienta didáctica
 
Panel art nouveau_y art_deco
Panel art nouveau_y art_decoPanel art nouveau_y art_deco
Panel art nouveau_y art_deco
 
Propuesta decorativa
Propuesta decorativaPropuesta decorativa
Propuesta decorativa
 
Art noveau ne n
Art noveau ne nArt noveau ne n
Art noveau ne n
 
Arquitectura Portuguesa
Arquitectura PortuguesaArquitectura Portuguesa
Arquitectura Portuguesa
 
O art-nouveau-em-belc3a9m-cc3a9lia-bassalo
O art-nouveau-em-belc3a9m-cc3a9lia-bassaloO art-nouveau-em-belc3a9m-cc3a9lia-bassalo
O art-nouveau-em-belc3a9m-cc3a9lia-bassalo
 
Antiga cadeia e forum de Batatais - Edifício em Estilo Eclético
Antiga cadeia e forum de Batatais - Edifício em Estilo EcléticoAntiga cadeia e forum de Batatais - Edifício em Estilo Eclético
Antiga cadeia e forum de Batatais - Edifício em Estilo Eclético
 

Semelhante a Arte nova 2_-2

HCA Módulo 10 - A arquitetura pós-modernista - 3 com - Vanessa mergulho
HCA Módulo 10 - A arquitetura pós-modernista - 3 com - Vanessa mergulhoHCA Módulo 10 - A arquitetura pós-modernista - 3 com - Vanessa mergulho
HCA Módulo 10 - A arquitetura pós-modernista - 3 com - Vanessa mergulho
Joaquim Moreira
 
A arte do século XIX
A arte do século XIX   A arte do século XIX
A arte do século XIX
becresforte
 
MOVIMENTO DAS ARTES E OFÍCIOS, ART NOUVEAU , NASCIMENTO DA FOTOGRAFIA
MOVIMENTO DAS ARTES E OFÍCIOS, ART NOUVEAU , NASCIMENTO DA FOTOGRAFIAMOVIMENTO DAS ARTES E OFÍCIOS, ART NOUVEAU , NASCIMENTO DA FOTOGRAFIA
MOVIMENTO DAS ARTES E OFÍCIOS, ART NOUVEAU , NASCIMENTO DA FOTOGRAFIA
Cristiane Seibt
 
Arte portuguesa contemporânea
Arte portuguesa contemporâneaArte portuguesa contemporânea
Arte portuguesa contemporânea
Lucilia Fonseca
 
Arte portuguesa contemporânea
Arte portuguesa contemporâneaArte portuguesa contemporânea
Arte portuguesa contemporânea
Lucilia Fonseca
 
Arte portuguesa contemporânea 1
Arte portuguesa contemporânea 1Arte portuguesa contemporânea 1
Arte portuguesa contemporânea 1
Lucilia Fonseca
 
A arquitectura do ferro
A arquitectura do ferroA arquitectura do ferro
A arquitectura do ferro
becresforte
 

Semelhante a Arte nova 2_-2 (20)

HCA grupo C
HCA   grupo CHCA   grupo C
HCA grupo C
 
HCA Módulo 10 - A arquitetura pós-modernista - 3 com - Vanessa mergulho
HCA Módulo 10 - A arquitetura pós-modernista - 3 com - Vanessa mergulhoHCA Módulo 10 - A arquitetura pós-modernista - 3 com - Vanessa mergulho
HCA Módulo 10 - A arquitetura pós-modernista - 3 com - Vanessa mergulho
 
Neoclassicismo
NeoclassicismoNeoclassicismo
Neoclassicismo
 
Album de Figurinhas Introdução ao Design
Album de Figurinhas Introdução ao DesignAlbum de Figurinhas Introdução ao Design
Album de Figurinhas Introdução ao Design
 
A arte do século XIX
A arte do século XIX   A arte do século XIX
A arte do século XIX
 
História do Design (2016)
História do Design (2016)História do Design (2016)
História do Design (2016)
 
A cultura do salão arte rococó
A cultura do salão   arte rococóA cultura do salão   arte rococó
A cultura do salão arte rococó
 
Arte e Função
Arte e FunçãoArte e Função
Arte e Função
 
Victor Horta
Victor HortaVictor Horta
Victor Horta
 
Arts and crafts e a arte nova
Arts and crafts  e a arte novaArts and crafts  e a arte nova
Arts and crafts e a arte nova
 
MOVIMENTO DAS ARTES E OFÍCIOS, ART NOUVEAU , NASCIMENTO DA FOTOGRAFIA
MOVIMENTO DAS ARTES E OFÍCIOS, ART NOUVEAU , NASCIMENTO DA FOTOGRAFIAMOVIMENTO DAS ARTES E OFÍCIOS, ART NOUVEAU , NASCIMENTO DA FOTOGRAFIA
MOVIMENTO DAS ARTES E OFÍCIOS, ART NOUVEAU , NASCIMENTO DA FOTOGRAFIA
 
Art Nouveau.pptx
Art Nouveau.pptxArt Nouveau.pptx
Art Nouveau.pptx
 
Arte portuguesa contemporânea
Arte portuguesa contemporâneaArte portuguesa contemporânea
Arte portuguesa contemporânea
 
Arte portuguesa contemporânea
Arte portuguesa contemporâneaArte portuguesa contemporânea
Arte portuguesa contemporânea
 
Arte portuguesa contemporânea 1
Arte portuguesa contemporânea 1Arte portuguesa contemporânea 1
Arte portuguesa contemporânea 1
 
Neoclássico
NeoclássicoNeoclássico
Neoclássico
 
A arquitectura do ferro
A arquitectura do ferroA arquitectura do ferro
A arquitectura do ferro
 
Marli
MarliMarli
Marli
 
02 art nouveau
02 art nouveau02 art nouveau
02 art nouveau
 
A arte nova
A arte novaA arte nova
A arte nova
 

Arte nova 2_-2

  • 1. Arte Nova |História e Cultura das Artes 11º Ano Carla Favinha | Nº8 Diana Lobinho |Nº10
  • 2. Arte Nova |Introdução • Surgiu nos finais do século XIX (1880-090) e entrou em declínio no século XX (1905-14). • Ficou marcado pela rotura da tradição. • Foi influenciada pelo Modernismo, então ficou integrada no movimento cultural e atingiu todas as artes. • Era uma arte com um significado bastante controverso e diferente. • Conseguiu dispersar-se por vários países como a Inglaterra, a França, Alemanha, Bélgica, Áustria, Itália, Espanha, entre outros. Linhas sinuosas e o uso do ferro fundido
  • 3. Arte Nova | Belle Époque • Belle Époque signicava um momento feliz com grandezas e desenvolvimentos • Existência de melhores condições de vida • Maior preocupação com a Cultura e com a Arte. • Altura em que a industria atingiu o seu apogeu. • Europa produziu uma enorme riqueza. • As classes média e alta investiam em pequenos objectos decorativos para poderem afirmar a sua posição social. • Devido às exposições mundiais que ocurreram nesta época, a arte nova conseguiu dispersar-se por vários pontos da europa. • A arte nova trouxe-nos melhoria nas vias de transporte, comunicação e trocas comerciais entre os países. Vidros excessivamente decorados Linhas sinuosas
  • 4. Arte Nova | Modernismo • Modernismo foi integrado na Arte Nova. • Modernismo atingiu todas as artes e ficou marcado pela rotura da tradição na procura de novas expressões sejam elas formais, técnicas ou estéticas. • Modernismo oponha-se às artes académicas tradicionas, procurava a inovação e a criação descomprometida. • Acompanhou o desenvolvimento cientifico e tecnologico desta época. Alphonse Mucha, calendario La Plume
  • 5. Arte Nova | Designações • A arte nova foi uma grande de grande expressão, era bastante controversa. • Uniu-se a difererntes cunhas individuais, ou seja, uniu-se a artistas por conta propria, a diferentes escolas e diferentes designações. • Designações: - Inglaterra: modern style; - França e na Bélgica: art nouveau; - Alemanha: jugendstile; - Austria: sezession; -Italia: floreale - EUA: liberty -Espanha simplesmente modernismo. • Esta arte trabalhou sempre sob 3 princípios unificadores. Varandas com ferro fundido e motivos vegetalistas Painéis vegetalistas e naturalistas Grandes janelões modernos
  • 6. Grande eclectismo de estilos Arte Nova em França Linhas sinuosas com grandes varandões Arte nova em Portugal
  • 7. Arte Nova | Principios Unificadores • A arte nova esteve sobre 3 princípios unificadores. • Primeiro unificador: - inovação formal: - trabalhava-se uma grande criatividade e originalidade; - rejeitava-se os estilos históricos, académicas e revivalistas desta época; - usava-se formas inspiradas na Natureza (fauna e flora) e no homem; - usava-se estruturas e texturas orgânicas e movimentos sinuosos e encadeados; - usava-se linhas e formas estilizadas, sintetizadas ou geometrizadas. Formas inspiradas na Natureza Criatividade originalidade
  • 8. Arte Nova | Principios Unificadores • A arte nova esteve sobre 3 princípios unificadores. • Segundo unificador: - processo: - integrava-se novas técnicas; - integrava-se novos materiais: ladrilho, ferro, cozido, betão e outros; - retirava-se as qualidades dos materiais como a sua maleabilidade, resistência, eficácia e o seu sentido plástico;
  • 9.
  • 10. Arte Nova | Principios Unificadores • A arte nova esteve sobre 3 princípios unificadores. • Terceiro unificador: - nova estética: -expressava-se através da linha sinuosa, flexível, estilizada, elástica ou geométrica; - procurava-se movimento, ritmo, expressão e simbolismo poético; - apelava-se à sensibilidade estética e à fantasia do espectador; Linha sinuosa Linha estilizada e geométrica
  • 11. Arte Nova | Características • Exprimi-a a modernidade da época onde a estética, a técnica, a tradição e a inovação se misturavam. • Deu menos valor às tradições históricas e eclécticas da arquitectura académica, da antiga; • Foi o primeiro estilo a juntar as técnicas construtivas da engenharia da sua época, com as exigências formais e estéticas dos arquitectos. • Foram usados os mesmos sistemas, técnicas e materiais que utilizaram os engenheiros pois fáceis de moldar e maleáveis. • Era constituída por plantas amplas livres e amplas dando uma noção de continuidade, volumes irregulares e assimétricos, superfícies sinuosas e fachadas com vidro.
  • 12.
  • 13. Arte Nova | Características • A nível estético reforçou o império ornamental, quer no interior como no exterior; • A exuberância, volumetria, estilização e expressividade dependiam muito dos arquitectos e ‘‘escolas’’; • Não existiu qualquer tipo de inferência em relação à estrutura edificativa, tendo sido aproveitada pela aliança entre a função e a forma.
  • 14.
  • 15. Arte Nova | 1º Estilo inovador do século XIX • A Arte Nova foi o 1º estilo inovador do séc. XIX porque: - foi uma arte eclesiástica, em termos formais e estéticos. - conseguiu unir as técnicas construtivas da engenharia com as exigências formais e estéticas dos arquitectos. - devido à Revolução Industrial que se gerou na Europa. • Esta arquitectura rapidamente se espalhou por outras zonas do Mundo, como a Bélgica, os EUA, Portugal, França, devido à fácil utilização e manejamento, rapidez na construção e também devido à economia dos produtos. Contudo, foi um estilo que se foi espalhando gradualmente e que se foi impondo a partir de um novo objectivo estético, na sua forma e função.
  • 16.
  • 17. Arte Nova | Tipos de construções e funções • A arte nova foi utilizada principalmente em tipologias urbanas, como prédios, moradias, hotéis, bancos, lojas, teatros, museus, igrejas e estações de comboio, com função predominantemente decorativa. • Embora cada país e arquitecto tivesse a sua tendência e influência, na generalidade existiram duas tendências: - primeira: aplicação dos novos materiais e sistemas construtivos (temas naturalistas e formas curvilíneas); - segunda: utilização de uma vertente mais racionalista, apoiada na estrutura, nas formas geométricas e na ornamentação, embora com menos impacto que as outras.
  • 18. • A Bélgica foi o país onde surgiu o primeiro foco de Arte Nova; • A sua arquitetura era simples e sóbria, as fachads tinham grandes janelões, os interiores eram funcionais e espaçosos e a decoração estava integrada na estrutura dos edificios; • Surgiram então os dois primeiros arquitectos com destaque nesta arte: Victor Horta – Casa do Povo (1897) e Henry van de Velde – Casa Bouquete de Fleurs (1895 – 96). Arte Nova | Bélgica
  • 19. • Em França houve uma grande preocupação em relação à forma e à decoração; • As suas tendencias eram principalmente vegetalistas e estavam sempre em harmonia com o meio urbano em que se integravam; • Como exemplo de arquitectos desta arte temos o Hector Guimard – Castel Béranger (1884 – 88). Arte Nova | França
  • 20. • O Modernismo em barcelona esteve muito associado às escolas belgas e francesas pela sua ornamentação e estrutura arquitetónica; • Esta arte destingui-se pelos sistemas técnicos, simplicidade e pelo uso de materiais locais; • Era constituida por heranças góticas e mudéjar, organicidade, decoração naturalista e pitoresca; • Os materiais utilizados eram principalmente o betão, o ferro, o vidro e a madeira; • As obras arquitetónicas earm caracterizadas por serem muito excentricas e expressivas; • Como exemplo temos os arquitectos Luís Montaner – Palácio da Música Catalã (1905 – 08) e Antoní Gaudí – Catedral da Sagrada Família (1883 – 1926). Arte Nova |Espanha - Barcelona
  • 21. • O modernismo na Escócia foi diferente do catalão, mas de certo modo original à sua maneira; • A sua arquitectura esteve assente em estruturas ortogonais de ferro, em paredes lisas e de pedra, em superficies envidraçadas e na decoração contida; • Como exemplo da arte modena na Escócia temos o arquitecto e designer Mackintosh e a Escola de Glasgow. Arte Nova |Escócia
  • 22. • A moderna austriaca, foi muito influenciada pelo arquitecto e designer Mackintosh pelo seu sentido estrutural; • Foi atrvés de um grupo de jovens artistas, opositores aos revivalismos das artes acdémicas e defensores da inovação, que se impos esta arte; • Os seus principios arquitéctónicos foram a simplicidade, o geometrismo das formas, a simetria, a racionalidade, a funcionalidade e a decoram contida; • Como exemplo temos o pintor Gustave Klimt, o arquitecto Joseph Hoffmann, J. Maria Ölbrich e Otto Wagner. Arte Nova |Áustria
  • 23. • Na Alemanha a Arte Nova esteve presente na criação dos Ateliers Artesanais, situados no centro e arredores da Alemanha; • Estes ateliers artesanais serviam para albergar as obras dos artistas, sendo o Atelier Elvira um dos mais conhecidos deste país; • A Escola de Artes Plásticas de Weimar e a de Deutscher Werkbund, são obras arquitectónicas que serviram de veículo à escola de Bauhaus, que por sua vez desenvolveu o design industrial. Arte Nova |Alemanha
  • 24. • A Arte Nova em Chicago, teve um caracter mais estruturalista; • Houve a necessidade de renovar o centro urbano e para isso foram aplicados novos sistemas de alicerçamento, cimentação, resistencia, isolamento, aperfeiçoaram as estruturas em ferro e aço, revestiram as fachadas com vidro e tornaram as plantas mais livres; • Inovaram os sistemas de acondicionamento, manutanção, canalização; • Foi atraves da modernidade dos sistemas e das técnicas, deste país, que foi possivel a construção em altura, criando assim os arranha-céus. Arte Nova |Estados Unidos – Chicago
  • 25.
  • 26. • Em Nova Iorque foi fundada, por Louis Comfort Tiffany, uma empresa produtora de vidros; • Esses vidros eram e coloridos e tinham uma função decorativa; • O tema principal era as plantas, os insectos e os animais, reveladores de influencias naturalistas. Arte Nova |Estados Unidos – Nova Iorque
  • 27. • Em Portugal a Arte Nova, foi pouco duradora e chegou tardiamente; • Foi influenciada por toda a Europa, mas com mais incidencia na França; • Não possuia um estilo proprio e inovou-se em termos de materiais, técnicas e decoração; • Foi usada nas fachads e em portões, gradeamentos, em esculturas, molduras de janelas e de portas; • Muito comum em prédios urbanos, teatros, cafés, lojas, restaurantes, entre outros. Arte Nova |Portugal