SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 81
Introdução à
Computação Quântica
(para computatas)
Wilson Rosa de Oliveira Jr.
20 e 27/11/2012
Seminários do
Quantum Computing Group DEInfo-UFRPE
http:www.ppgia.ufrpe.br/quantum
Prolegomena
• Em Computação Quântica (CQ) testemunhamos a junção de
duas das áreas mais importantes na ciência do sec. XX:
– Mecânica Quântica e Informática
• Esta junção traz novos objetivos, desafios e
potencialidades para a Informática bem como novas
abordagens para a Física explorar o mundo quântico.
• Mesmo que seja no momento difícil prever impactos
particulares da CQ sobre a computação em geral,
esperamos que esta junção leve a resultados importantes
Mecânica Quântica é ...
• Uma teoria excelente para prever probabilidades de
eventos quânticos.
• Uma teoria elegante e conceitualmente simples que
descreve com precisão assustadora um amplo espectro de
fenômenos naturais:
– Experimentalmente verificadas a 14 ordens de precisão;
– Até o momento não há conflito entre o teoricamente previsto e o
verificado experimentalmente
• Sem MQ não podemos explicar propriedades dos
superfluidos, funcionamento dos lasers, a substância da
química, a estrutura e função do DNA, a existência e
comportamento de corpos sólidos, cor das estrelas,
semicondutores, etc
Mecânica Quântica trata ...
• Das entidades fundamentais da Física – partículas tais
como:
– Prótons, elétrons e nêutrons (que constituem a matéria);
– Fótons (que carregam radiação eletromagnética) – são as únicas partículas
que podemos observar diretamente;
– Várias outras “partículas elementares” que mediam outras interações da
Física.
• Partículas? Algumas de suas propriedades são totalmente
discordantes das propriedades do que chamamos de
partículas no nosso mundo usual!
• Propriedades? Não é claro em que sentido estas
“partículas” podem ser ditas possuir propriedades!
Mecânica Quântica
• Independente de sua qualidade, do ponto de
vista de explicar fenômenos quânticos, é
uma teoria muito insatisfatória!
• É uma teoria que tem princípios difíceis de
aceitar e leva a mistérios e paradoxos.
Algumas frases famosas
• Roger Penrose:
“Quantum theory seems to lead to philosophical standpoints
that many find deeply unsatisfying.
At best, and taking its descriptions at their most literal, it
provides us with a very strange view of the world indeed.
At worst, and taking literally the proclamations of some of
its most famous protagonists, it provides us with no view
of the world at all”
Algumas frases famosas
• Richard Feynman:
– “I think it is safe to say that no one understands
Quantum Mechanics”.
– “Nobody knows how it can be like that”.
• Bernard Shaw:
– “You have nothing to do but mention the quantum
theory, and people will take your voice for the voice of
science, and believe anything”.
Mas afinal o que MQ nos diz?
• Nos diz o que acontece
• Mas não diz porque acontece.
• E não nos diz como acontece.
• Nem quanto custa
Compreensão da FQ
Vou lhe dizer o que acontece na Natureza,
entretanto jamais pergunte a si mesmo:
“Mas como ela pode ser assim?”
Porque senão você será sugado para uma escuridão
da qual ninguém conseguiu até hoje escapar!
“Nobody knows how it can be like that”.
Feynman
Exemplo de estranheza:
Interferômetro de Mach-Zehnder
Uma outra visão da Mecânica
Quântica
• MQ não é Física no sentido usual – não é sobre
matéria ou energia ou onda ou partículas – é
sobre informação, probabilidades, amplitudes de
probabilidades e observáveis; e como eles se
relacionam entre si.
• MQ é o que se obtém quando se generaliza teoria
da probabilidade a permitir números negativos.
Poderia até ter sido descoberta pelos
matemáticos sem qualquer motivação dos
experimentos (Aaronson, 1997).
Por que Informação e Computação
Quântica é tão importante?
• ICP pode levar a novas tecnologias que terão impactos
amplos e profundos.
• Muitas das ciências e tecnologias já estão se aproximando
do ponto em que precisam isolar, manipular e transmitir
partículas.
• Novos conhecimentos sobre os fenômenos e sistemas
quânticos complexos podem ser gerados.
• Criptografia quântica nos leva a um novo patamar de
segurança.
• ICP tem se mostrado ser mais eficiente em situações
importante;interessantes.
Por que devemos tentar construir
computadores quânticos?
When you try to reach for stars you may not
quite get one, but you won’t come with a
handful of mud either.
Leo Burnett
Informação X Física
• Norbert Wiener:
– Informação é informação, nem matéria nem energia.
• Ralf Landauer:
– Informação é física.
• Deve então fazer parte da Física a Teoria da Informação e a Teoria da
Computação?
• Visão corrente:
– Física é informacional.
• Deve a mecânica quântica (espaços de Hilbert) fazer parte da
Informática?
Curiosidade
• Física Quântica é uma teoria extremamente
elaborada, cheia de paradoxos e mistérios. Leva-se
anos para um físico desenvolver um sentimento.
• Alguns teóricos da computação e matemáticos, sem
qualquer base em FQ têm realizado contri-buições
fundamentais a teoria da informação e computação
quântica!
Outra motivação
• Lei de Moore que prevê que em 2020
precisaremos de um elétron apenas para
amarzenar um bit!
Histórico (um pouco)
• Richard Feynman
– 1959: Nanotecnologia
• (“Há muito mais espaço lá embaixo”)
– 1982:
• Sistemas clássicos não modelam
eficientemente sistemas quânticos
• Sugere construção de computadores
baseados nas leis da mecânica quântica
Histórico
• David Deutsch
– 1985: MTQ (Máquina de Turing Quântica)
– 1989: publicou primeiro algoritmo quântico
• Problema de determinar se uma função de
um bit é cte ou balanceada.
Histórico
• Peter Shor
– 1993: Algoritmo de Shor
• Fatoração de números grandes
Tempo de Fatoração
pelo Algoritmo de Shor
Comprimento do número a
ser fatorado (bits)
Tempo de Fatoração
pelo Algoritmo de clássico
34s 512 4 dias
4.5m 1024 105
anos
36m 2048 1017
anos
4,8h 4096 1035
anos
Computação Clássica
• Mais precisamente: Modelos de Circuitos.
• Outros modelos não considerados aqui:
Máquinas de Turing, λ-Cálculo, Funções
Recursivas, etc.
• Mais próximo do computador digital
Computação Clássica
ou
Computação Clássica
Computação Clássica
Computação Clássica
Computação Clássica
NAND é universal (crossover, fanout)
Computação Clássica - exemplos
Meio Somador (half adder)
Computação Clássica - exemplos
Somador Completo (full adder)
Família consistentes de circuitos
Computação Clássica Reversível
• CNot
Computação Clássica Reversível
• Toffoli
Qualquer função f pode ser computada usando apenas Toffoli e crossover!
Computação Clássica Reversível
Computação Clássica Reversível
Computação Clássica Reversível
Quantização Matemática
• NiK Weaver (Washington University):
“Substituir conjuntos por um espaço de Hilbert
apropriado” e “funções por mapas lineares"
• O conjunto em consideração passa a ser visto
(representado) como uma base (ortonormal).
• As funções consideradas são as lineares (ou
subclasse destas).
• Finitamente dimensional = espaço vetorial
Classical Bits: Cbits
• bit abstrato: e
• Representação como cbit: e
– par de vetores ortonormais, e.g:
• Em R2
ou C2
•Um estado arbitrário:
Classical Bits: Cbits
Classical Bits: Cbits
• quando precisarmos de mais de um Cbit:
produto tensorial
Notação
Operações
Portas Lógicas Quânticas Single-qbit
Hadamard gate
Phase gate
Pauli gates
=
Controlled-not gate
Control
Target U
Controlled-phase gate
Z
Exercício: Mostre que HZH = X.
Z
Z
=
Simetria faz
controlled-phase gate
mais natural para
implementação X
=
ZH H
CNOT é
o caso quando
U=X
Toffoli gate
Control qubit 1
Target qubit
Control qubit 2
quantum NAND
Computando funções clássicas
quantum fanout
Circuito Classico Circuito Quântico
Text
|f(x) 〉
|x 〉
Medição: obtendo resultados
Conjugada Hermitiana; tomando a adjunta
Matrizes Unitárias
A é dita ser unitária se
Usualmente escrevemos unitárias como U.
Exemplo:
Emaranhamento (entanglement) Quântico
Alice Bob
Schroedinger (1935): “I would not call [entanglement] one but
rather the characteristic trait of quantum mechanics, the one that
enforces its entire departure from classical lines of thought.”
Estados Emaranhados
Considere os estados de 2-qubits:
|ψ 〉 = 1/√2(|00 〉 + |11 〉 ) e |ϕ 〉 = 1/√2(|00 〉 +
|01 〉 )
|ϕ 〉 é composto do produto tensorial |0 〉 ⊗ 1/√2(|0 〉 +|1 〉 )
Medição do segundo qubit resultará em |0 〉 ou |1 〉 com uma probabilidade ½
para cada resultado, independente de o primeiro qubit ser medido ou não. Medição
do primeiro dará sempre |0 〉
|ψ 〉 não pode ser decomposto em um produto de dois outros qubits
É um estado emaranhado!!.
A medição do primeiro determina completamente o resultado do
segundo.
C-NOT em ação - Bell states
H H
Emaranhamento("entanglement")
• Um experimento usa luz para provocar um
emaranhamento entre dois átomos.
• Dois átomos de itérbio para funcionar como
qubits.
• Excitaram os dois átomos induzindo elétrons
a passar para um estado mais baixo de
energia e emitir um fóton.
• Os átomos de itérbio são capazes de emitir
dois tipos de fótons, cada um com um
comprimento de onda diferente.
• Cada fóton está entrelaçado com seu átomo.
• Manipulando os fótons emitidos por cada um
dos átomos e guiando-os para interagir no
interior de uma fibra óptica, os pesquisadores
conseguiram detectar o choque dos dois e
entrelaçar os dois átomos.
Entanglement of single-atom quantum bits at a distance
D. L. Moehring, P. Maunz, S. Olmschenk, K. C. Younge, D. N. Matsukevich, L.-M.
Duan, C. Monroe
Nature
6 September 2007
Vol.: 449, 68-71
DOI: 10.1038/nature06118
Cópia (Cloning)
Estados quânticos não podem ser copiados ou clonados!
Prova: Assuma uma transformação unitária U tal que U a 〉 0 〉
= a 〉 a .〉
Sejam a 〉 e b 〉 estados ortogonais e
U a 〉 0 〉 = a 〉 a 〉 e U b 〉 0 〉 = b 〉 b 〉
Considere agora c 〉 = 1/√2( a 〉 + b 〉 )
Por linearidade,
U c 〉 0 〉 = 1/√2(U a 〉 0 〉 + U b 〉 0 〉 ) = 1/√2( a 〉 a 〉 + b 〉
b 〉 )
Mas se U é uma transformação de cópia
U c 〉 0 〉 = c 〉 c 〉 = 1/√2( a 〉 + b 〉 ) ⊗ 1/√2( a 〉 +
b 〉 )
= ½ ( a 〉 a 〉 + a 〉 b 〉 + a 〉 b 〉 + b 〉 b 〉 )
Contradição!!
alalalalalalalalalal
Probabilidade?
P01=P10=0, P00=P11=1 computa identidade
P01=P10=1, P00=P11=0 computa um NOT
P01=P10=P00=P11=0.5 resulta 0 e 1 aleatoriamente
a=0 ou 1
ƒ:{0,1}→{0,1}
b=0 ou 1
Probabilidade?
Suponha que ao compor duas destas máquina obtemos
uma máquina inversora de 0s e 1s
Como pode? Não me pergunto como, mas posso mostrar que ...
Probabilidade?
Probabilidade?
Probabilidade Quântica
Curiosidade
Curiosidade
Exemplo: Problema de Deutsch’s
Caixa preta Reversível
Caixa preta Quântica
Determinar se uma função f dada é constante ou balanceada.
Dada uma caixa preta computando f :{0,1} {0,1}→
Classicamente precisamos avaliar ambos f(0) e f(1)
Quanticamente precisamos apenas avaliar f uma única vez!
Esquematicamente ...
C1
C2
soma
Pondo informação na fase
Algoritmo Quântico para o problema de Deutsch
H H
Paralelismo quântico
Problema de Pesquisa:
O que faz computadores
quânticos serem tão poderosos?
f constante ⇒todas as amplitudes em |0 〉
f balanceada ⇒todas as amplitudes em |1 〉
→(−1) f (0)
(|0 −|〉 1 〉 ) + (−1) f (1)
(|0 −|1〉 〉 )
Beam us up Scotty!
…
How do I do that?
Here´s is the code
Circuito Teleportação
H
H x
y
circuito de criação
do Bell State
s
Inverso do circuito
de criação do Bell
State
Os detalhes ... (1)
Alice que enviar a Bob o estado:
Para tal, qdo estão juntos criam o estado
emaranhado:
Bob vai para o lugar dele ...
Os detalhes ... (2)
Os detalhes ... (3)
Aplicando Hadamard ao primeiro qubit de Alice:
resulta em:
Nao esqueça que Bob está com o terceiro qubit!
Os detalhes ... (4)
Alice mede seu par de qubits, onde o sistema
reescrito está em:
e Bob pode aplicar (resp.) I, X, Z e ZX ao resultado
para obetr o estado original.
Como saber o que aplicar?
Os detalhes ... (5)
Alice telefone, etc por um cana clássico a Bob
informando o resultado de sua medição!
Busca Desestruturada de Grover
Dada uma lista desetruturada de tamanho N e uma proposição
P, encontre um x tal que P(x) seja verdadeiro
Seja UP a porta quântica que implementa a função booleana
P(x) e n tal que 2n
≥ N.
UP : |x,0>  |x,P(x)>
UP operando na superposição de todos os estados da base
dá:
1/√2n
∑|x,P(x)>
N-1
i=0
Se existe único estado tal que P(x)=1, a probailidade de obter
este estado após medição é apenas 1/√2n
Precisamos aumentar isto!!!
(verdadeiro)
Algoritmo de Shor
• Para fatorar N encontre x coprimo com N.
• Usa computador quântico encontrar r tal que xr
= 1 mod N.
• Se r é par, então mcd(xr/2
+1, xr/2
-1, N) é um fator de N que
podemos encontrar com o algoritmo de Euclides.
• Para fatorar N = 1295 seja x coprimo com N, e.g.,
x = 6.
• Use um computador quântico para encontrar r tal
que 6r
= 1 mod 1295. r = 4.
• Se r é par, então mcd(64/2
-1, 64/2
+1, 1295) = mcd(35,
37, 1295) é um fator de N que podemos encontrar
com o algoritmo Euclides. 1295 = 5 ⋅ 7 ⋅ 37.
Algoritmo de Shor (exemplo)
Conclusões
• QC possui grande potencial
– Capacidade de um paralelismo exponencial
– Capacidade exponencial de armazenamento de
dados um espaço extremamente pequeno
• É possível utilizar:
– portas lógicas (quânticas)
– circuitos lógicos (quânticos)
Conclusões
• Não existe:
– PC
– Instruções
– Barramento
• Possui uma arquitetura completamente nova!!
Conclusões
• São necessários aperfeiçoamentos
– Nos instrumentos de indução das transformações
(RMN, laser)
– Necessidade de controle dos erros (melhorar as
formas de isolamento e interação com o sistema
quântico)
Conclusões
• Talvez a criação de um PC Quântico seja
muito complexa
• Solução: utilizar a computação quântica em
componentes de um PC
Meu interesse atual
• RAMs quânticas
• Programmable gates arrays
• Redes Neurais Quânticas (sem pesos)
• Quantum Computing + Chaos ==> resolvendo problemas
NP-completos em tempo polinomial.
• Modelos discretos da geometria differencial
(gravidade quântica) ==> Hypercomputação(?)
• Computação Relativística ==> Hypercomputação!
Referência
(por ordem de relevância)
1. Noson S. Yanofsky; Mirco A. Mannucci: Quantum Computing
for Computer Scientists. Cambridge University Press, 2008,
ISBN 978-0-521-87996-5
2. David McMahon: Quantum Computing Explained. Wiley-
Interscience, Hoboken, New Jersey, USA, 2008, ISBN 978-0-
470-09699-4
3. N. David Mermin: Quantum Computer Science - An Introduc-
tion. Cambridge University Press, New York, USA, 2007, ISBN
978-0-521-87658-2
4. Alexei Yu. Kitaev, Alexander H. Shen e Mikhail N. Vyalyi:
Classical and Quantum Computation. Graduate Studies in
Mathematics, vol 47, AMS, 2002. ISBN 0-8218-3229-8

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Segurança e Auditoria de Sistemas
Segurança e Auditoria de SistemasSegurança e Auditoria de Sistemas
Segurança e Auditoria de SistemasAllan Piter Pressi
 
História da computação
História da computaçãoHistória da computação
História da computaçãoBruno Ramalho
 
Sistemas Computacionais - Aula 02 - Definição de SI - Composição
Sistemas Computacionais - Aula 02 - Definição de SI - ComposiçãoSistemas Computacionais - Aula 02 - Definição de SI - Composição
Sistemas Computacionais - Aula 02 - Definição de SI - ComposiçãoLeinylson Fontinele
 
Historia das redes de computadores
Historia das redes de computadoresHistoria das redes de computadores
Historia das redes de computadoresAlessandro Fazenda
 
Aulas iniciais de informática 1
Aulas iniciais de informática 1Aulas iniciais de informática 1
Aulas iniciais de informática 1diasferraciolli
 
Manutenção de Computadores - Aula 1
Manutenção de Computadores - Aula 1Manutenção de Computadores - Aula 1
Manutenção de Computadores - Aula 1Guilherme Nonino Rosa
 
Aula 04 arquitetura de computadores
Aula 04   arquitetura de computadoresAula 04   arquitetura de computadores
Aula 04 arquitetura de computadoresDaniel Moura
 
Circuitos Digitais: Portas Lógicas parte 1
Circuitos Digitais: Portas Lógicas parte 1Circuitos Digitais: Portas Lógicas parte 1
Circuitos Digitais: Portas Lógicas parte 1Elaine Cecília Gatto
 
ApresentaçãO2 Sistema Operacional
ApresentaçãO2  Sistema OperacionalApresentaçãO2  Sistema Operacional
ApresentaçãO2 Sistema OperacionalCláudia Costa
 
Arquitetura de Computadores: Conceitos básicos
Arquitetura de Computadores: Conceitos básicosArquitetura de Computadores: Conceitos básicos
Arquitetura de Computadores: Conceitos básicosAlex Camargo
 
Sintonia de controladores pid
Sintonia de controladores pidSintonia de controladores pid
Sintonia de controladores pidPedro Campelo
 

Mais procurados (20)

Segurança e Auditoria de Sistemas
Segurança e Auditoria de SistemasSegurança e Auditoria de Sistemas
Segurança e Auditoria de Sistemas
 
História da computação
História da computaçãoHistória da computação
História da computação
 
Sistemas Computacionais - Aula 02 - Definição de SI - Composição
Sistemas Computacionais - Aula 02 - Definição de SI - ComposiçãoSistemas Computacionais - Aula 02 - Definição de SI - Composição
Sistemas Computacionais - Aula 02 - Definição de SI - Composição
 
Historia das redes de computadores
Historia das redes de computadoresHistoria das redes de computadores
Historia das redes de computadores
 
Circuitos Integrados Digitais
Circuitos Integrados DigitaisCircuitos Integrados Digitais
Circuitos Integrados Digitais
 
Aulas iniciais de informática 1
Aulas iniciais de informática 1Aulas iniciais de informática 1
Aulas iniciais de informática 1
 
Placa-Mãe
Placa-Mãe Placa-Mãe
Placa-Mãe
 
Manutenção de Computadores - Aula 1
Manutenção de Computadores - Aula 1Manutenção de Computadores - Aula 1
Manutenção de Computadores - Aula 1
 
Aula 30 testes de hipóteses
Aula 30   testes de hipótesesAula 30   testes de hipóteses
Aula 30 testes de hipóteses
 
Aula 01 instalação de hardware
Aula 01 instalação de hardwareAula 01 instalação de hardware
Aula 01 instalação de hardware
 
Tipos de computadores
Tipos de computadoresTipos de computadores
Tipos de computadores
 
Internet das Coisas
Internet das CoisasInternet das Coisas
Internet das Coisas
 
Aula 04 arquitetura de computadores
Aula 04   arquitetura de computadoresAula 04   arquitetura de computadores
Aula 04 arquitetura de computadores
 
Aula 8 (backup)
Aula 8 (backup)Aula 8 (backup)
Aula 8 (backup)
 
Aula 01 A história da informática
Aula 01   A história da informáticaAula 01   A história da informática
Aula 01 A história da informática
 
Circuitos Digitais: Portas Lógicas parte 1
Circuitos Digitais: Portas Lógicas parte 1Circuitos Digitais: Portas Lógicas parte 1
Circuitos Digitais: Portas Lógicas parte 1
 
Internet das Coisas
Internet das CoisasInternet das Coisas
Internet das Coisas
 
ApresentaçãO2 Sistema Operacional
ApresentaçãO2  Sistema OperacionalApresentaçãO2  Sistema Operacional
ApresentaçãO2 Sistema Operacional
 
Arquitetura de Computadores: Conceitos básicos
Arquitetura de Computadores: Conceitos básicosArquitetura de Computadores: Conceitos básicos
Arquitetura de Computadores: Conceitos básicos
 
Sintonia de controladores pid
Sintonia de controladores pidSintonia de controladores pid
Sintonia de controladores pid
 

Destaque

Seminário de Teoria da Computação - Computação quântica
Seminário de Teoria da Computação - Computação quânticaSeminário de Teoria da Computação - Computação quântica
Seminário de Teoria da Computação - Computação quânticaCésar Amaral
 
Computação quântica
Computação quânticaComputação quântica
Computação quânticadieotavio
 
Computação quântica 2012.2 presentation
Computação quântica 2012.2 presentationComputação quântica 2012.2 presentation
Computação quântica 2012.2 presentationWilson de Oliveira
 
A Evolução dos Computadores
A Evolução dos ComputadoresA Evolução dos Computadores
A Evolução dos Computadoresplinioalmeida
 
Computadores quânticos e dispositivos portáteis
Computadores quânticos e dispositivos portáteisComputadores quânticos e dispositivos portáteis
Computadores quânticos e dispositivos portáteisGustavo Ficher
 
Unidade 1 apontamentos
Unidade 1 apontamentosUnidade 1 apontamentos
Unidade 1 apontamentossandrinhalopes
 
Informacao quantica s br-t-2005
Informacao quantica s br-t-2005Informacao quantica s br-t-2005
Informacao quantica s br-t-2005mbolza
 
3ª geração dos computadores
3ª geração dos computadores3ª geração dos computadores
3ª geração dos computadores4MaiconLustosa
 
História Computação
História ComputaçãoHistória Computação
História ComputaçãoRodrigo
 
Geração dos Computadores
Geração dos ComputadoresGeração dos Computadores
Geração dos ComputadoresRicardo Andrade
 
4ª geração de computadores
4ª geração de computadores4ª geração de computadores
4ª geração de computadoresalexm98
 
Segunda geração de computadores (1955 1964)
Segunda geração de computadores (1955 1964)Segunda geração de computadores (1955 1964)
Segunda geração de computadores (1955 1964)Thaís Santos
 
1º geração dos computadores
1º geração dos computadores1º geração dos computadores
1º geração dos computadoresLagratinhoemTic
 
Geração dos computadores
Geração dos computadoresGeração dos computadores
Geração dos computadoresIEFP-Porto
 

Destaque (17)

Computadores Quânticos
Computadores QuânticosComputadores Quânticos
Computadores Quânticos
 
Seminário de Teoria da Computação - Computação quântica
Seminário de Teoria da Computação - Computação quânticaSeminário de Teoria da Computação - Computação quântica
Seminário de Teoria da Computação - Computação quântica
 
Computação quântica
Computação quânticaComputação quântica
Computação quântica
 
Computação quântica 2012.2 presentation
Computação quântica 2012.2 presentationComputação quântica 2012.2 presentation
Computação quântica 2012.2 presentation
 
A Evolução dos Computadores
A Evolução dos ComputadoresA Evolução dos Computadores
A Evolução dos Computadores
 
Computadores quânticos e dispositivos portáteis
Computadores quânticos e dispositivos portáteisComputadores quânticos e dispositivos portáteis
Computadores quânticos e dispositivos portáteis
 
Unidade 1 apontamentos
Unidade 1 apontamentosUnidade 1 apontamentos
Unidade 1 apontamentos
 
Informacao quantica s br-t-2005
Informacao quantica s br-t-2005Informacao quantica s br-t-2005
Informacao quantica s br-t-2005
 
Sexta geraçao
Sexta geraçaoSexta geraçao
Sexta geraçao
 
3ª geração dos computadores
3ª geração dos computadores3ª geração dos computadores
3ª geração dos computadores
 
História Computação
História ComputaçãoHistória Computação
História Computação
 
Aula 02 - Evolução dos computadores - Operador de Microcomputador - SENAI
Aula 02 - Evolução dos computadores - Operador de Microcomputador - SENAIAula 02 - Evolução dos computadores - Operador de Microcomputador - SENAI
Aula 02 - Evolução dos computadores - Operador de Microcomputador - SENAI
 
Geração dos Computadores
Geração dos ComputadoresGeração dos Computadores
Geração dos Computadores
 
4ª geração de computadores
4ª geração de computadores4ª geração de computadores
4ª geração de computadores
 
Segunda geração de computadores (1955 1964)
Segunda geração de computadores (1955 1964)Segunda geração de computadores (1955 1964)
Segunda geração de computadores (1955 1964)
 
1º geração dos computadores
1º geração dos computadores1º geração dos computadores
1º geração dos computadores
 
Geração dos computadores
Geração dos computadoresGeração dos computadores
Geração dos computadores
 

Semelhante a Computação quântica 2012.2

Resumo de conceitos_da_mecanica_quantica
Resumo de conceitos_da_mecanica_quanticaResumo de conceitos_da_mecanica_quantica
Resumo de conceitos_da_mecanica_quanticaSebastião Pinto
 
A Eficiência da Computação Quântica
A Eficiência da Computação QuânticaA Eficiência da Computação Quântica
A Eficiência da Computação Quânticamwhost
 
Torcendo a luz: a física da luz como avanço tecnológico
Torcendo a luz: a física da luz como avanço tecnológicoTorcendo a luz: a física da luz como avanço tecnológico
Torcendo a luz: a física da luz como avanço tecnológicoBIF UFF
 
Unidade 0: Visão geral sobre o método científico
Unidade 0: Visão geral sobre o método científicoUnidade 0: Visão geral sobre o método científico
Unidade 0: Visão geral sobre o método científicoAlexandre Duarte
 
O que é física quântica?
O que é física quântica?O que é física quântica?
O que é física quântica?William Ananias
 
Conceitos de Física Quântica by Osvaldo Pessoa Jr. (z-lib.org).pdf
Conceitos de Física Quântica by Osvaldo Pessoa Jr. (z-lib.org).pdfConceitos de Física Quântica by Osvaldo Pessoa Jr. (z-lib.org).pdf
Conceitos de Física Quântica by Osvaldo Pessoa Jr. (z-lib.org).pdfRodrigoLuis21
 
Teorias de calibres supersimetricas
Teorias de calibres supersimetricasTeorias de calibres supersimetricas
Teorias de calibres supersimetricasRonaldo Lobato
 
Fisicamais.com Aula de aprendizagem da radioatividade no ensino médio
Fisicamais.com Aula de aprendizagem da radioatividade no ensino médioFisicamais.com Aula de aprendizagem da radioatividade no ensino médio
Fisicamais.com Aula de aprendizagem da radioatividade no ensino médioDiego Aguiar
 
Einstein e a relatividade especial
Einstein e a relatividade especialEinstein e a relatividade especial
Einstein e a relatividade especialAlvaro Augusto
 
aula 01.ppt Tudo sobre física quântica que você precisa
aula 01.ppt Tudo sobre física quântica que você precisaaula 01.ppt Tudo sobre física quântica que você precisa
aula 01.ppt Tudo sobre física quântica que você precisaMarcosOntonio
 

Semelhante a Computação quântica 2012.2 (20)

Resumo de conceitos_da_mecanica_quantica
Resumo de conceitos_da_mecanica_quanticaResumo de conceitos_da_mecanica_quantica
Resumo de conceitos_da_mecanica_quantica
 
A Eficiência da Computação Quântica
A Eficiência da Computação QuânticaA Eficiência da Computação Quântica
A Eficiência da Computação Quântica
 
Aulão Enem
Aulão EnemAulão Enem
Aulão Enem
 
Informacao quantica
Informacao quanticaInformacao quantica
Informacao quantica
 
Criptografia quântica
Criptografia quânticaCriptografia quântica
Criptografia quântica
 
Cern
CernCern
Cern
 
Torcendo a luz: a física da luz como avanço tecnológico
Torcendo a luz: a física da luz como avanço tecnológicoTorcendo a luz: a física da luz como avanço tecnológico
Torcendo a luz: a física da luz como avanço tecnológico
 
Unidade 0: Visão geral sobre o método científico
Unidade 0: Visão geral sobre o método científicoUnidade 0: Visão geral sobre o método científico
Unidade 0: Visão geral sobre o método científico
 
Folder inform quantica
Folder inform quanticaFolder inform quantica
Folder inform quantica
 
Aula1 2016
Aula1 2016Aula1 2016
Aula1 2016
 
O que é física quântica?
O que é física quântica?O que é física quântica?
O que é física quântica?
 
Conceitos de Física Quântica by Osvaldo Pessoa Jr. (z-lib.org).pdf
Conceitos de Física Quântica by Osvaldo Pessoa Jr. (z-lib.org).pdfConceitos de Física Quântica by Osvaldo Pessoa Jr. (z-lib.org).pdf
Conceitos de Física Quântica by Osvaldo Pessoa Jr. (z-lib.org).pdf
 
O nascimento da ciencia experimental
O nascimento da ciencia experimentalO nascimento da ciencia experimental
O nascimento da ciencia experimental
 
Teorias de calibres supersimetricas
Teorias de calibres supersimetricasTeorias de calibres supersimetricas
Teorias de calibres supersimetricas
 
Stm afm
Stm afmStm afm
Stm afm
 
Fisicamais.com Aula de aprendizagem da radioatividade no ensino médio
Fisicamais.com Aula de aprendizagem da radioatividade no ensino médioFisicamais.com Aula de aprendizagem da radioatividade no ensino médio
Fisicamais.com Aula de aprendizagem da radioatividade no ensino médio
 
Física quântica
Física quânticaFísica quântica
Física quântica
 
Apresentacao semana academica_ufpel
Apresentacao semana academica_ufpelApresentacao semana academica_ufpel
Apresentacao semana academica_ufpel
 
Einstein e a relatividade especial
Einstein e a relatividade especialEinstein e a relatividade especial
Einstein e a relatividade especial
 
aula 01.ppt Tudo sobre física quântica que você precisa
aula 01.ppt Tudo sobre física quântica que você precisaaula 01.ppt Tudo sobre física quântica que você precisa
aula 01.ppt Tudo sobre física quântica que você precisa
 

Último

Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfEyshilaKelly1
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoSilvaDias3
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfangelicass1
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalSilvana Silva
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasRicardo Diniz campos
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfIedaGoethe
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAlexandreFrana33
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptAlineSilvaPotuk
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 anoAdelmaTorres2
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 

Último (20)

Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdfGuia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
Guia completo da Previdênci a - Reforma .pdf
 
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basicoPRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
PRIMEIRO---RCP - DEA - BLS estudos - basico
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdfMapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
Mapas Mentais - Português - Principais Tópicos.pdf
 
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mentalADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
ADJETIVO para 8 ano. Ensino funda.mental
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecasMesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
Mesoamérica.Astecas,inca,maias , olmecas
 
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdfCurrículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
Currículo escolar na perspectiva da educação inclusiva.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptxAs Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
As Viagens Missionária do Apostolo Paulo.pptx
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.pptTREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
TREINAMENTO - BOAS PRATICAS DE HIGIENE NA COZINHA.ppt
 
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
637743470-Mapa-Mental-Portugue-s-1.pdf 4 ano
 
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
(76- ESTUDO MATEUS) A ACLAMAÇÃO DO REI..
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 

Computação quântica 2012.2

  • 1. Introdução à Computação Quântica (para computatas) Wilson Rosa de Oliveira Jr. 20 e 27/11/2012 Seminários do Quantum Computing Group DEInfo-UFRPE http:www.ppgia.ufrpe.br/quantum
  • 2. Prolegomena • Em Computação Quântica (CQ) testemunhamos a junção de duas das áreas mais importantes na ciência do sec. XX: – Mecânica Quântica e Informática • Esta junção traz novos objetivos, desafios e potencialidades para a Informática bem como novas abordagens para a Física explorar o mundo quântico. • Mesmo que seja no momento difícil prever impactos particulares da CQ sobre a computação em geral, esperamos que esta junção leve a resultados importantes
  • 3. Mecânica Quântica é ... • Uma teoria excelente para prever probabilidades de eventos quânticos. • Uma teoria elegante e conceitualmente simples que descreve com precisão assustadora um amplo espectro de fenômenos naturais: – Experimentalmente verificadas a 14 ordens de precisão; – Até o momento não há conflito entre o teoricamente previsto e o verificado experimentalmente • Sem MQ não podemos explicar propriedades dos superfluidos, funcionamento dos lasers, a substância da química, a estrutura e função do DNA, a existência e comportamento de corpos sólidos, cor das estrelas, semicondutores, etc
  • 4. Mecânica Quântica trata ... • Das entidades fundamentais da Física – partículas tais como: – Prótons, elétrons e nêutrons (que constituem a matéria); – Fótons (que carregam radiação eletromagnética) – são as únicas partículas que podemos observar diretamente; – Várias outras “partículas elementares” que mediam outras interações da Física. • Partículas? Algumas de suas propriedades são totalmente discordantes das propriedades do que chamamos de partículas no nosso mundo usual! • Propriedades? Não é claro em que sentido estas “partículas” podem ser ditas possuir propriedades!
  • 5. Mecânica Quântica • Independente de sua qualidade, do ponto de vista de explicar fenômenos quânticos, é uma teoria muito insatisfatória! • É uma teoria que tem princípios difíceis de aceitar e leva a mistérios e paradoxos.
  • 6. Algumas frases famosas • Roger Penrose: “Quantum theory seems to lead to philosophical standpoints that many find deeply unsatisfying. At best, and taking its descriptions at their most literal, it provides us with a very strange view of the world indeed. At worst, and taking literally the proclamations of some of its most famous protagonists, it provides us with no view of the world at all”
  • 7. Algumas frases famosas • Richard Feynman: – “I think it is safe to say that no one understands Quantum Mechanics”. – “Nobody knows how it can be like that”. • Bernard Shaw: – “You have nothing to do but mention the quantum theory, and people will take your voice for the voice of science, and believe anything”.
  • 8. Mas afinal o que MQ nos diz? • Nos diz o que acontece • Mas não diz porque acontece. • E não nos diz como acontece. • Nem quanto custa
  • 9. Compreensão da FQ Vou lhe dizer o que acontece na Natureza, entretanto jamais pergunte a si mesmo: “Mas como ela pode ser assim?” Porque senão você será sugado para uma escuridão da qual ninguém conseguiu até hoje escapar! “Nobody knows how it can be like that”. Feynman
  • 11. Uma outra visão da Mecânica Quântica • MQ não é Física no sentido usual – não é sobre matéria ou energia ou onda ou partículas – é sobre informação, probabilidades, amplitudes de probabilidades e observáveis; e como eles se relacionam entre si. • MQ é o que se obtém quando se generaliza teoria da probabilidade a permitir números negativos. Poderia até ter sido descoberta pelos matemáticos sem qualquer motivação dos experimentos (Aaronson, 1997).
  • 12. Por que Informação e Computação Quântica é tão importante? • ICP pode levar a novas tecnologias que terão impactos amplos e profundos. • Muitas das ciências e tecnologias já estão se aproximando do ponto em que precisam isolar, manipular e transmitir partículas. • Novos conhecimentos sobre os fenômenos e sistemas quânticos complexos podem ser gerados. • Criptografia quântica nos leva a um novo patamar de segurança. • ICP tem se mostrado ser mais eficiente em situações importante;interessantes.
  • 13. Por que devemos tentar construir computadores quânticos? When you try to reach for stars you may not quite get one, but you won’t come with a handful of mud either. Leo Burnett
  • 14. Informação X Física • Norbert Wiener: – Informação é informação, nem matéria nem energia. • Ralf Landauer: – Informação é física. • Deve então fazer parte da Física a Teoria da Informação e a Teoria da Computação? • Visão corrente: – Física é informacional. • Deve a mecânica quântica (espaços de Hilbert) fazer parte da Informática?
  • 15. Curiosidade • Física Quântica é uma teoria extremamente elaborada, cheia de paradoxos e mistérios. Leva-se anos para um físico desenvolver um sentimento. • Alguns teóricos da computação e matemáticos, sem qualquer base em FQ têm realizado contri-buições fundamentais a teoria da informação e computação quântica!
  • 16. Outra motivação • Lei de Moore que prevê que em 2020 precisaremos de um elétron apenas para amarzenar um bit!
  • 17. Histórico (um pouco) • Richard Feynman – 1959: Nanotecnologia • (“Há muito mais espaço lá embaixo”) – 1982: • Sistemas clássicos não modelam eficientemente sistemas quânticos • Sugere construção de computadores baseados nas leis da mecânica quântica
  • 18. Histórico • David Deutsch – 1985: MTQ (Máquina de Turing Quântica) – 1989: publicou primeiro algoritmo quântico • Problema de determinar se uma função de um bit é cte ou balanceada.
  • 19. Histórico • Peter Shor – 1993: Algoritmo de Shor • Fatoração de números grandes Tempo de Fatoração pelo Algoritmo de Shor Comprimento do número a ser fatorado (bits) Tempo de Fatoração pelo Algoritmo de clássico 34s 512 4 dias 4.5m 1024 105 anos 36m 2048 1017 anos 4,8h 4096 1035 anos
  • 20. Computação Clássica • Mais precisamente: Modelos de Circuitos. • Outros modelos não considerados aqui: Máquinas de Turing, λ-Cálculo, Funções Recursivas, etc. • Mais próximo do computador digital
  • 25. Computação Clássica NAND é universal (crossover, fanout)
  • 26. Computação Clássica - exemplos Meio Somador (half adder)
  • 27. Computação Clássica - exemplos Somador Completo (full adder)
  • 30. Computação Clássica Reversível • Toffoli Qualquer função f pode ser computada usando apenas Toffoli e crossover!
  • 34. Quantização Matemática • NiK Weaver (Washington University): “Substituir conjuntos por um espaço de Hilbert apropriado” e “funções por mapas lineares" • O conjunto em consideração passa a ser visto (representado) como uma base (ortonormal). • As funções consideradas são as lineares (ou subclasse destas). • Finitamente dimensional = espaço vetorial
  • 35. Classical Bits: Cbits • bit abstrato: e • Representação como cbit: e – par de vetores ortonormais, e.g: • Em R2 ou C2 •Um estado arbitrário:
  • 37. Classical Bits: Cbits • quando precisarmos de mais de um Cbit: produto tensorial
  • 40. Portas Lógicas Quânticas Single-qbit Hadamard gate Phase gate Pauli gates =
  • 41. Controlled-not gate Control Target U Controlled-phase gate Z Exercício: Mostre que HZH = X. Z Z = Simetria faz controlled-phase gate mais natural para implementação X = ZH H CNOT é o caso quando U=X
  • 42. Toffoli gate Control qubit 1 Target qubit Control qubit 2
  • 43. quantum NAND Computando funções clássicas quantum fanout Circuito Classico Circuito Quântico Text |f(x) 〉 |x 〉
  • 45. Conjugada Hermitiana; tomando a adjunta Matrizes Unitárias A é dita ser unitária se Usualmente escrevemos unitárias como U. Exemplo:
  • 46. Emaranhamento (entanglement) Quântico Alice Bob Schroedinger (1935): “I would not call [entanglement] one but rather the characteristic trait of quantum mechanics, the one that enforces its entire departure from classical lines of thought.”
  • 47. Estados Emaranhados Considere os estados de 2-qubits: |ψ 〉 = 1/√2(|00 〉 + |11 〉 ) e |ϕ 〉 = 1/√2(|00 〉 + |01 〉 ) |ϕ 〉 é composto do produto tensorial |0 〉 ⊗ 1/√2(|0 〉 +|1 〉 ) Medição do segundo qubit resultará em |0 〉 ou |1 〉 com uma probabilidade ½ para cada resultado, independente de o primeiro qubit ser medido ou não. Medição do primeiro dará sempre |0 〉 |ψ 〉 não pode ser decomposto em um produto de dois outros qubits É um estado emaranhado!!. A medição do primeiro determina completamente o resultado do segundo.
  • 48. C-NOT em ação - Bell states H H
  • 49. Emaranhamento("entanglement") • Um experimento usa luz para provocar um emaranhamento entre dois átomos. • Dois átomos de itérbio para funcionar como qubits. • Excitaram os dois átomos induzindo elétrons a passar para um estado mais baixo de energia e emitir um fóton. • Os átomos de itérbio são capazes de emitir dois tipos de fótons, cada um com um comprimento de onda diferente. • Cada fóton está entrelaçado com seu átomo. • Manipulando os fótons emitidos por cada um dos átomos e guiando-os para interagir no interior de uma fibra óptica, os pesquisadores conseguiram detectar o choque dos dois e entrelaçar os dois átomos. Entanglement of single-atom quantum bits at a distance D. L. Moehring, P. Maunz, S. Olmschenk, K. C. Younge, D. N. Matsukevich, L.-M. Duan, C. Monroe Nature 6 September 2007 Vol.: 449, 68-71 DOI: 10.1038/nature06118
  • 50. Cópia (Cloning) Estados quânticos não podem ser copiados ou clonados! Prova: Assuma uma transformação unitária U tal que U a 〉 0 〉 = a 〉 a .〉 Sejam a 〉 e b 〉 estados ortogonais e U a 〉 0 〉 = a 〉 a 〉 e U b 〉 0 〉 = b 〉 b 〉 Considere agora c 〉 = 1/√2( a 〉 + b 〉 ) Por linearidade, U c 〉 0 〉 = 1/√2(U a 〉 0 〉 + U b 〉 0 〉 ) = 1/√2( a 〉 a 〉 + b 〉 b 〉 ) Mas se U é uma transformação de cópia U c 〉 0 〉 = c 〉 c 〉 = 1/√2( a 〉 + b 〉 ) ⊗ 1/√2( a 〉 + b 〉 ) = ½ ( a 〉 a 〉 + a 〉 b 〉 + a 〉 b 〉 + b 〉 b 〉 ) Contradição!! alalalalalalalalalal
  • 51. Probabilidade? P01=P10=0, P00=P11=1 computa identidade P01=P10=1, P00=P11=0 computa um NOT P01=P10=P00=P11=0.5 resulta 0 e 1 aleatoriamente a=0 ou 1 ƒ:{0,1}→{0,1} b=0 ou 1
  • 52. Probabilidade? Suponha que ao compor duas destas máquina obtemos uma máquina inversora de 0s e 1s Como pode? Não me pergunto como, mas posso mostrar que ...
  • 58. Exemplo: Problema de Deutsch’s Caixa preta Reversível Caixa preta Quântica Determinar se uma função f dada é constante ou balanceada. Dada uma caixa preta computando f :{0,1} {0,1}→ Classicamente precisamos avaliar ambos f(0) e f(1) Quanticamente precisamos apenas avaliar f uma única vez!
  • 61. Algoritmo Quântico para o problema de Deutsch H H Paralelismo quântico Problema de Pesquisa: O que faz computadores quânticos serem tão poderosos? f constante ⇒todas as amplitudes em |0 〉 f balanceada ⇒todas as amplitudes em |1 〉 →(−1) f (0) (|0 −|〉 1 〉 ) + (−1) f (1) (|0 −|1〉 〉 )
  • 62. Beam us up Scotty! … How do I do that? Here´s is the code
  • 63. Circuito Teleportação H H x y circuito de criação do Bell State s Inverso do circuito de criação do Bell State
  • 64. Os detalhes ... (1) Alice que enviar a Bob o estado: Para tal, qdo estão juntos criam o estado emaranhado: Bob vai para o lugar dele ...
  • 66. Os detalhes ... (3) Aplicando Hadamard ao primeiro qubit de Alice: resulta em: Nao esqueça que Bob está com o terceiro qubit!
  • 67. Os detalhes ... (4) Alice mede seu par de qubits, onde o sistema reescrito está em: e Bob pode aplicar (resp.) I, X, Z e ZX ao resultado para obetr o estado original. Como saber o que aplicar?
  • 68. Os detalhes ... (5) Alice telefone, etc por um cana clássico a Bob informando o resultado de sua medição!
  • 69. Busca Desestruturada de Grover Dada uma lista desetruturada de tamanho N e uma proposição P, encontre um x tal que P(x) seja verdadeiro Seja UP a porta quântica que implementa a função booleana P(x) e n tal que 2n ≥ N. UP : |x,0>  |x,P(x)> UP operando na superposição de todos os estados da base dá: 1/√2n ∑|x,P(x)> N-1 i=0 Se existe único estado tal que P(x)=1, a probailidade de obter este estado após medição é apenas 1/√2n Precisamos aumentar isto!!! (verdadeiro)
  • 70.
  • 71. Algoritmo de Shor • Para fatorar N encontre x coprimo com N. • Usa computador quântico encontrar r tal que xr = 1 mod N. • Se r é par, então mcd(xr/2 +1, xr/2 -1, N) é um fator de N que podemos encontrar com o algoritmo de Euclides.
  • 72. • Para fatorar N = 1295 seja x coprimo com N, e.g., x = 6. • Use um computador quântico para encontrar r tal que 6r = 1 mod 1295. r = 4. • Se r é par, então mcd(64/2 -1, 64/2 +1, 1295) = mcd(35, 37, 1295) é um fator de N que podemos encontrar com o algoritmo Euclides. 1295 = 5 ⋅ 7 ⋅ 37. Algoritmo de Shor (exemplo)
  • 73.
  • 74.
  • 75.
  • 76. Conclusões • QC possui grande potencial – Capacidade de um paralelismo exponencial – Capacidade exponencial de armazenamento de dados um espaço extremamente pequeno • É possível utilizar: – portas lógicas (quânticas) – circuitos lógicos (quânticos)
  • 77. Conclusões • Não existe: – PC – Instruções – Barramento • Possui uma arquitetura completamente nova!!
  • 78. Conclusões • São necessários aperfeiçoamentos – Nos instrumentos de indução das transformações (RMN, laser) – Necessidade de controle dos erros (melhorar as formas de isolamento e interação com o sistema quântico)
  • 79. Conclusões • Talvez a criação de um PC Quântico seja muito complexa • Solução: utilizar a computação quântica em componentes de um PC
  • 80. Meu interesse atual • RAMs quânticas • Programmable gates arrays • Redes Neurais Quânticas (sem pesos) • Quantum Computing + Chaos ==> resolvendo problemas NP-completos em tempo polinomial. • Modelos discretos da geometria differencial (gravidade quântica) ==> Hypercomputação(?) • Computação Relativística ==> Hypercomputação!
  • 81. Referência (por ordem de relevância) 1. Noson S. Yanofsky; Mirco A. Mannucci: Quantum Computing for Computer Scientists. Cambridge University Press, 2008, ISBN 978-0-521-87996-5 2. David McMahon: Quantum Computing Explained. Wiley- Interscience, Hoboken, New Jersey, USA, 2008, ISBN 978-0- 470-09699-4 3. N. David Mermin: Quantum Computer Science - An Introduc- tion. Cambridge University Press, New York, USA, 2007, ISBN 978-0-521-87658-2 4. Alexei Yu. Kitaev, Alexander H. Shen e Mikhail N. Vyalyi: Classical and Quantum Computation. Graduate Studies in Mathematics, vol 47, AMS, 2002. ISBN 0-8218-3229-8

Notas do Editor

  1. Recall that entanglement involves two or more separated parties, (picture) who, for convenience, I’ll call Alice and Bob, although of course, any labels will do. Imagine that Alice and Bob each have possession of a spin one half particle, (pictures) and that the joint system is in the state which is an equal superposition of up up and down down. (picture) A little undergraduate algebra shows that this apparently innocuous state has the remarkable property that it cannot be written as a product of states of Alice’s system alone with Bob’s system alone. Thus, in some sense, this quantum system cannot be understood in terms of its components, but rather must be understood as a single, indivisible entity. Erwin Schroedinger, who first explicitly pointed this property of entanglement out, was so impressed by it that he commented (picture) that he would not call entanglement one , but rather the characteristic trait of quantum mechanics, the one that enforces its entire departure from classical lines of thought.