A importancia do Networking nas Redes Sociais Digitais

4.363 visualizações

Publicada em

O Networking está presente na vida de todos os cidadãos e independe da internet para existir, mas através dela ele pode ser ampliado, difundido e utilizado na construção das relações profissionais. Por um longo tempo, poucos estudos foram realizados na busca por analisar e compreender os processos que auxiliam e envolvem o Networking. Este trabalho tem por objetivo elucidar a importância do Networking nos ambientes digitais, suas transformações, aprimoramentos e as novas tendências no âmbito empresarial, como também na sociabilidade em rede. Verifica-se que no Brasil, com a versão em português da ferramenta Linkedin, diversos profissionais aderiram a novas formas de relacionamento profissional na Internet. Hoje, inúmeras empresas tem aderido ferramentas como o Linkedin para buscarem novos profissionais, divulgarem suas oportunidades de emprego e principalmente, agilizarem o processo de contratação melhorando os resultados e acertos. Ao pesquisar situações reais onde se constatou a empregabilidade das práticas que regem o Networking em rede, fica evidente a importância deste recurso, como também o amadurecimento dos interagentes no processo com o passar do tempo. Tais práticas, destacam-se como instrumentos de efetivação e melhorias do gerenciamento profissional nas Redes Sociais.

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.363
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
15
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
44
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A importancia do Networking nas Redes Sociais Digitais

  1. 1. FUNDAÇÃO CÁSPER LÍBERO/FACULDADE CÁSPER LÍBERO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU EM COMUNICAÇÃO WILLIANS MARCELINO FERNANDES DE ABREU A IMPORTÂNCIA DO NETWORKING NAS REDES SOCIAIS DIGITAIS SÃO PAULO 2011 WILLIANS MARCELINO FERNANDES DE ABREU
  2. 2. A IMPORTÂNCIA DO NETWORKING NAS REDES SOCIAIS DIGITAIS Monografia apresentada ao Curso de Pós - Graduação da Faculdade Cásper Líbero, mantida pela Fundação Cásper Líbero, para obtenção do Título Pós - Graduado em Marketing e Comunicação Publicitária. Orientador: Prof. Dr. Luiz Alberto de Farias SÃO PAULO 2011
  3. 3. Dedicatória Dedico este singelo trabalho, primeiramente, a DEUS, razão da minha existência. A Ele, toda honra, toda glória e todo louvor. Dedico também, a duas pessoas muito especiais: minha mãe, Anália Fernandes de Abreu e a meu pai, José Damião de Abreu, ambos foram os grandes responsáveis e entusiastas dos meus esforços em toda a minha vida.
  4. 4. AGRADECIMENTOS Agradeço minha irmã, Daniele Aparecida Fernandes de Abreu, meuexemplo de disciplina e dedicação. Que nos momentos difíceis esteve presente e sempre me auxiliou nos estudos. Aos meus avós materno, Aurélio Fernandes e Leonora SilvinoFernandes e, aos meus avós paternos, Francisco Damião de Abreu (in memorian) e Ana Batista de Abreu, pois são a origem de toda minha história. A minha fiel companheira e amiga, Thais Keller Lopes, que desdesempre me apoiou neste projeto, ficou acordada madrugadas comigo nas diversas conversas sobre tecnologia que tivemos, o carinho e os cafés-da-manhã preparados com o cuidado de sempre.Agradeço ao professor Drº. Luiz Alberto de Farias, pela sua orientação e cordialidade comigo.Agradeço ao professor Drº Marcelo Oliveira Coutinho de Lima, pelo o incentivo e a orientação do tema deste estudo em 2008. Ao Drº. Valdeir Ribeiro de Jesus, pela sua amizade sincera. Ao grande amigo de todas as horas Edson Gonçalves, pela sua honestidade e cordialidade sempre em todos os momentos.A professora Drº Liana Gottlieb, pelo exemplo de vida e dedicação para seus alunos e por proporcionar momentos maravilhosos.
  5. 5. Agradeço de modo particular:As minhas tias Elisabete de Abreu Araújo (in memorian) e Nila Batista de Abreu (in memorian) que, mesmo ausentes, sempre estarão presentes em minha memória. Aos professores em geral, que com profissionalismo e dedicação, contribuíram para mais esta etapa de minha vida acadêmica.
  6. 6. “A vida não tem pena de quemnão luta”.Padre Léo“Buscai as coisas do alto.” São Paulo:Canção Nova,2006.
  7. 7. ABREU, Willians Marcelino Fernandes. A importância do Networking nas RedesSociais Digitais. 2011. 86 f. Monografia (Pós-Graduação em Comunicação) –Faculdade Cásper Líbero, Fundação Cásper Líbero, São Paulo, 2011. RESUMOO Networking está presente na vida de todos os cidadãos e independe da internetpara existir, mas através dela ele pode ser ampliado, difundido e utilizado naconstrução das relações profissionais. Por um longo tempo, poucos estudos foramrealizados na busca por analisar e compreender os processos que auxiliam eenvolvem o Networking. Este trabalho tem por objetivo elucidar a importância doNetworking nos ambientes digitais, suas transformações, aprimoramentos e asnovas tendências no âmbito empresarial, como também na sociabilidade em rede.Verifica-se que no Brasil, com a versão em português da ferramenta Linkedin,diversos profissionais aderiram a novas formas de relacionamento profissional naInternet. Hoje, inúmeras empresas tem aderido ferramentas como o Linkedin parabuscarem novos profissionais, divulgarem suas oportunidades de emprego eprincipalmente, agilizarem o processo de contratação melhorando os resultados eacertos. Ao pesquisar situações reais onde se constatou a empregabilidade daspráticas que regem o Networking em rede, fica evidente a importância desterecurso, como também o amadurecimento dos interagentes no processo com opassar do tempo. Tais práticas, destacam-se como instrumentos de efetivação emelhorias do gerenciamento profissional nas Redes Sociais.Palavras-chave: Networking. Redes Sociais Digitais. Sociabilidade em rede.
  8. 8. SUMÁRIO IINTRODUÇÃO ..................................................................................................... 10PARTE I – REDES SOCIAIS DIGITAISCAPÍTULO I – REDES SOCIAIS DIGITAIS1.1 Redes Sociais Digitais no Brasil ...................................................................... 18CAPÍTULO II – CARACTERÍSTICAS DAS REDES SOCIAIS DIGITAIS.2.1 Elementos das Redes Sociais Digitais ........................................................... 262.2 Os Atores ........................................................................................................ 262.3 As Conexões, os Laços Sociais e a Interação ............................................... 282.4 O capital social................................................................................................ 28CAPÍTULO III – O NETWORKING3.1 O Networking nas Redes Sociais.................................................................... 293.2 O Linkedin ....................................................................................................... 32PARTE II – O NETWORKING NA PRÁTICACAPÍTULO IV – O NETWORKING NA PRÁTICA4.1 Estudo de Caso (Agência Click)...................................................................... 374.2 Metodologia..................................................................................................... 384.3 Abordagem dos Dados de Pesquisa............................................................... 394.4 A participação dos membros........................................................................... 394.5 Os Grupos ....................................................................................................... 424.6 O acompanhamento dos Usuários.................................................................. 454.7 Contratações geradas pela Rede Social Digital.............................................. 464.8 Prospecção e vinda de novos clientes ............................................................ 494.9 Observações ................................................................................................... 504.10 Conclusão ..................................................................................................... 52CAPÍTULO V – ESTUDO DE CAMPO5.1 Pesquisa: A importância do Networking nas Redes Sociais Digitais .............. 535.2 O apanhado geral............................................................................................ 535.3 Metodologia..................................................................................................... 55 5.3.1 – Questionário Virtual............................................................................. 565.4 Gráficos e análises.......................................................................................... 60CONCLUSÃO........................................................................................................ 83REFERÊNCIAS..................................................................................................... 84
  9. 9. SUMÁRIO IIGRÁFICOS, QUADROS E TABELASQuadro 1 – Tempo de navegação no Brasil em 2009....................................................... 20Quadro 1.2 – Participação dos usuários de internet no Brasil .......................................... 20Gráfico 1.3 – O acesso, a adesão e a experiência dos brasileiros nas redes sociais ...... 22Gráfico 1.4 – Redes Sociais mais acessadas ................................................................... 22Gráfico 1.5 – Local de acesso........................................................................................... 23Quadro 1.6 – Adesão a planos de telefonia que possibilitam acesso as redes sociaisvia mobile .......................................................................................................................... 24Quadro 1.7 – Intenção dos internautas que ainda não acessam as redes sociais ........... 25Gráfico 3.2.1 – O Linkedin no mundo – Países e quantidade de usuários ....................... 33Gráfico 3.2.2 – O Linkedin – Gênero e idade.................................................................... 34Gráfico 3.2.3 – O Linkedin – Setores do mercado industrial............................................. 34Quadro 3.2.1 – O Linkedin entre os 10 sites de Redes Sociais mais acessados noBrasil ................................................................................................................................. 35Quadro 4.1 – Interação feminina na Rede Social da agência ClickPerfil do CEO: Pedro Cabral ............................................................................................. 41Quadro 4.2 – Interação feminina na Rede Social da agência Click .................................. 41Quadro 4.3 – Candidatos a procura de ofertas de trabalho .............................................. 43Quadro 4.4 – Perfis incompletos ....................................................................................... 48Quadro 4.5 – “Seja um Clicker”......................................................................................... 48Quadro 4.6 – Banco do Planeta ........................................................................................ 49Quadro 4.7 – Plataforma Ning.com................................................................................... 505.4.1 (A) – Amostragem por Sexo = Quantidade x Porcentagem..................................... 605.4.1 (B) – Amostragem por Sexo = Quantidade x Porcentagem..................................... 605.4.2 (A) – Amostragem por Faixa Etária = Quantidade x Porcentagem.......................... 615.4.2 (B) – Amostragem por Faixa Etária = Quantidade x Porcentagem.......................... 625.4.3 – Amostragem por Escolaridade .............................................................................. 635.4.4 – Amostragem por Rendimentos em Reais (R$) ..................................................... 645.4.5 – Amostragem por Perfil de Usuário nas Redes Sociais ......................................... 655.4.6 – Acreditam na possibilidade do Networking nas Redes Sociais............................. 665.4.7 – Utilizam o Linkedin para promover o Networking.................................................. 675.4.8 – Outras Redes Sociais para promover o Networking ............................................. 685.4.9 – Agendaram entrevistas através das Redes Sociais.............................................. 695.4.10 – A importância das recomendações de amigos na busca de um novo empregoou freela ............................................................................................................................ 705.4.11 – Em qual rede “fui recomendado”......................................................................... 715.4.12 – Contratado através de uma Rede Social ............................................................ 725.4.13 – Mudança de emprego nos últimos 6 meses........................................................ 735.4.14 – As atualizações no Linkedin................................................................................ 745.4.15 – Atualizando outras Redes Sociais....................................................................... 755.4.16 – Sobre a Frequência das atualizações ................................................................. 765.4.17 – Conhece pessoalmente os contatos do Linkedin................................................ 775.4.18 – Recomendando amigos para promover o Networking nas Redes Sociais ......... 785.4.19 – Conhece alguém que conseguiu emprego através do Networking nas RedesSociais............................................................................................................................... 795.4.20 – Indicaria para os amigos utilizarem as Redes Sociais para promoveremseu Networking.................................................................................................................. 805.4.21 – A verificação dos perfis profissionais nas Redes Sociais pelasempresas........................................................................................................................... 815.4.22 – Informaram o email para receber informações da pesquisa ............................... 82
  10. 10. 10    Introdução: O ano de 1988 marcou o ponto zero da Internet no Brasil, a FAPESP1(Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) e a SECT (Secretaria deEstado de Ciência e Tecnologia), foram as pioneiras em buscar o acesso à Internet.Através da BITNET “Because Its Time Network”, uma rede remota foi criada em1981 e administrada pelo CREN (Corporation for Research and EducationalNetworking) em Washington nos E.U.A. possibilitando serviços de correio eletrônicoe de transferência de arquivos entre computadores de grande porte em instituiçõesacadêmicas tanto na América do Norte como na América do Sul, Europa e Japão.Chegou a alcançar mais de 2.500 universidades e institutos de pesquisa em todo omundo2. No entanto, utilizava o protocolo NJE (Network Job Entry) da IBM em vezdo conhecido TCP/IP. Na época, a conexão por meio da BITNET era apenas local (no Brasil) entrealgumas instituições de ensino e pesquisa quando finalmente em 1991 a FAPESPrecebe uma conexão internacional gerando contato com um laboratório em Chicago. Em 1995, mais precisamente no mês de maio, o Ministério dasComunicações em parceria com o Ministério da Ciência e Tecnologia, concluiu quepara tornar possível a participação pública dos cidadãos brasileiros na Internet, serianecessário a criação de um Comitê Gestor de Internet (CGI.br) com isso, o mesmoteve a participação de ambos os ministérios governamentais e ainda a ajuda dasentidades operadoras e gestoras de infra-estrutura, provedores de acesso,representantes de usuários e da comunidade acadêmica.________________1 A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (mais conhecida pela siglaFAPESP) é uma instituição pública de fomento à pesquisa atuante no Estado de São Paulo. Estáligada à Secretaria de Ensino Superior do Governo do Estado de São Paulo. Foi fundada em 1962,cumprindo disposição da Constituição estadual de 1947, com o objetivo de incentivar e subsidiar apesquisa no Estado, especialmente a desenvolvida nas universidades. Fonte: SiteWikipedia:http://pt.wikipedia.org/wiki/Funda%C3%A7%C3%A3o_de_Amparo_%C3%A0_Pesquisa_do_Estado_de_S%C3%A3o_Paulo (Acesso em 11/10/2010).2 Fonte: Site Wikipédia: http://pt.wikipedia.org/wiki/BITNET (Acesso em 11/10/2010).
  11. 11. 11     Nasceu nesse momento, o ponto de partida do que conhecemos hoje, asnossas experiências digitais em um ambiente repleto de descobertas e afirmações. O papel do Comitê Gestor de Internet foi crucial para a disseminação darede no Brasil e atualmente, mantém-se com grande importância na busca deaprimoramentos e melhorias dos serviços de Internet no país. É preciso destacar este ponto inicial, pois a partir dele, os internautasbrasileiros passaram a ter efetivamente a possibilidade de conhecer econsequentemente promover uma intersecção entre usuários e suas redes,conectando não apenas computadores, mas também pessoas. Já em 2000, o Brasil cresceu visivelmente sua participação na Internet, ofamoso ano lembrado por profissionais do setor como a “Bolha da Internet”.Registrou-se na época que mais de 50% da Internet, concentrava-se na AméricaLatina e Caribe, consequentemente, mais de 70% do comércio eletrônico dessaregião. O país ocupava a 13ª posição no mundo em termos de hosts e usuários3. De lá para cá, os brasileiros conquistaram um espaço na rede mundial decomputadores exponencialmente e fez com que o governo brasileiro passasse avalorizar a importância da expansão da Internet no país. Sendo que até o início doano de 2004, apenas membros indicados por governos de cada época faziam partedo Comitê Gestor de Internet, mas a partir de maio do mesmo ano, foi aberto oprocesso eleitoral para o CGI.br como parte dos esforços governamentais emdemocratizar e ampliar a Internet no Brasil.___________3 Fonte: Dados informados no post publicado no site do Comitê Gestor de Internet (CGI.br) em agostode 2000 por Raphael Mandarino Jr., na época Presidente da Associação Nacional dos Usuários deInternet (Anui) e membro do Comitê Gestor da Internet no Brasil. Atualmente trabalha como diretor-geral do Departamento de Segurança da Informação e Comunicações (DSIC) do Gabinete deSegurança Institucional (GSI) da Presidência da República.
  12. 12. 12     Porém, democratizar a Internet não era apenas um entrave em especial noBrasil, mas uma tomada de decisão que necessitava ser seguida mundialmente naépoca por diversos países, entre eles os E.U.A. O governo brasileiro saiu na frente,pois naquele momento, não existia nenhum modelo para copiar ou tomá-lo comoreferência, éramos os primeiros a pensar democraticamente sobre o futuro daInternet, ao mesmo tempo em que o governo abriria as portas para a participação deentidades do terceiro setor, empresariais e científicas, promovendo a participaçãodelas ativamente no processo. Visivelmente o Brasil passou a sofrer inúmeras mudanças com ocrescimento do uso da Internet, sendo esta a base capaz de tornar-se a alavanca natransição para uma nova forma de sociedade, a sociabilidade em rede, gerandoposteriormente como consequência destas mudanças uma nova economia tanto nopaís como mundialmente outros países também já estavam sendo transformadoscom tais adventos tecnológicos. Castells (2003) relata que no fim do século XX, três processos inauguraramuma nova estrutura social baseada em redes: 1- as exigências da economia porflexibilidade administrativa e por globalização, da produção e do comércio; 2- asdemandas da sociedade, em que os valores da liberdade individual e dacomunicação aberta tornaram-se supremos; 3- os avanços extraordinários nacomputação e nas telecomunicações possibilitados pela revolução microeletrônica4. Em 2008, o Brasil passou a ocupar a 7ª posição entre os países que maisacessavam a Internet no mundo em domicílios, chegando a 38,2 milhões depessoas com 2 anos ou mais com acesso via computadores domésticos, deixandopara trás países como Espanha, Austrália e Suíça5. No entanto, caso fosseconsiderado o número de internautas em relação à população do país, a situaçãoera bem diferente. Neste quesito, aproximadamente 21,9% da população acima de10 anos acessava a internet, colocando o Brasil na 62ª posição mundial e a quartada América Latina, sendo ultrapassado pela Costa Rica, Guiana Francesa eUruguai6.________________4 Fonte: CASTELLS, Manuel. A sociedade em rede – a era da informação: economia, sociedade ecultura. São Paulo: Paz e Terra, 1999. v.15 Fonte: http://www.cetic.br/usuarios/ibope/tab02-06.htm (Acesso em 13/10/2010)6 Fonte:http://www.inclusaodigital.gov.br/noticia/brasil-ocupa-62a-posicao-no-mundo-em-relacao-ao-uso-da-internet/ (Acesso em 14/10/2010)
  13. 13. 13     Coincidentemente, naquele mesmo ano, o mês de novembro ficou marcadopara sempre na história do estado de Santa Catarina, o acúmulo de vários dias dechuvas fortes, gerou uma das maiores catástrofes naturais no Brasil, onde riostransbordaram, inundando grandes áreas, isolando cidades inteiras, e osdeslizamentos soterraram estradas, casas e pessoas. Através da Internet uma sériede blogs, ferramentas de microblogs como o Twitter, plataformas de mensagensinstantâneas como o Messenger, Skype entre outros recursos foramimportantíssimos para informar o resto do país sobre os acontecimentos e oslugares para o envio de donativos que ajudariam as populações atingidas. Este fato evidenciou a mudança profunda nas formas de organização,identidade, conversação e mobilização social com a comunicação mediada pelocomputador. Raquel Recuero (2009) essa comunicação, mais do que permitir aosindivíduos comunicar-se, ampliou a capacidade de conexão, permitindo que redesfossem criadas e expressas nesses espaços: as redes sociais mediadas pelocomputador7. São essas redes o foco neste estudo. A proposta é apresentardirecionamentos capazes de nortear a real importância do networking nas redessociais digitais, principalmente no Linkedin. Pois, com o amadurecimento daexperiência dos brasileiros com estas plataformas sócio-digitais, a mudança namaneira do relacionamento profissional nas redes, suas complexificações edesdobramentos farão parte dos pontos aqui discutidos e apresentados. O estudo das redes sociais, entretanto, não é novo. O estudo da sociedadedentro do conceito de rede reproduz um dos focos de mudança que permeia aciência do século XX. Embora, durante os séculos anteriores, grande parte doscientistas preocuparam-se em examinar os fenômenos, avaliando cada uma daspartes detalhadamente, só a partir do início do século passado, no entanto,começam aparecer estudos diferentes trazendo o foco para o surgimento dasinterações entre as partes.________________7 RECUERO, Raquel. Redes Sociais na Internet. Porto Alegre: Meridional, 2009. 1ª reimpressão
  14. 14. 14     Para Recuero (2009) a abordagem de rede fornece ferramentas únicas noestudo dos aspectos sociais do ciberespaço, permitindo verificar, por exemplo, acriação de estruturas sociais, suas dinâmicas, tais como a criação de capital social esua manutenção, o emergir da cooperação e da competição; as funções dasestruturas e até mesmo, as diferenças entre os variados grupos e seu impacto nosindivíduos. Estudar o Networking existente nas redes, seus desdobramentos e oselementos dinâmicos que promovem a interação mediada digitalmente nociberespaço, portanto, analisando o que acontece entre as partes envolvidas, e isto,Alex Primo8 explica como sendo uma visão relacional, o estudo dos relacionamentosdos agentes, focando o “entre” e não nos pólos. As análises presentes vem ao encontro da discussão entre a realimportância deste recurso nas redes sociais. O objetivo aqui é apresentardirecionamentos capazes de exemplificar e comprovar de fato, dados precisos sobresituações que de alguma maneira, indicam novas possibilidades de gerenciamento eaprimoramento da rede de contatos profissionais do internauta. Oferecendo algumasideias e reflexões a quem deseja também compreender como estas taispossibilidades estão modificando os processos organizacionais no mercado detrabalho. Para tanto, este estudo é dividido em duas partes. Na primeira, a abordagemserá focada nos elementos que estruturam as redes sociais digitais e asobservações, atribuições e o gerenciamento do Networking. Nesta parte, veremosbrevemente os papéis dos atores, suas conexões e as principais mudanças jáapontadas por outros autores com o advento dessas plataformas digitais derelacionamento na Internet. Para a segunda parte, será apresentado um estudo decaso sobre o acompanhamento das situações de networking analisadas em uma_______________8 Alex Primo: É professor do Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação da UFRGS.Possui mestrado em Jornalismo (Ball University) e doutorado em Informática na Educação (UFRGS).Sua tes de doutorado foi premiada pela Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares daComunicação (Intercom) e pela Sociedade Brasileira de Informática na Educação (SBIE). Foisecretário da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação - Compós(2005-2007) e editor dos periódicos e-compós e Intexto. Publicou o livro “Interação Mediada porComputador: comunicação, cibercultura, cognição”. Atualmente pesquisa escrita colaborativa dehipertextos e conversações online. Coordena o Laboratório de Interação Mediada por Computador(LIMC): http://www.ufrgs.br/limc
  15. 15. 15    rede social empresarial e, uma pesquisa de campo promovida através da Internetcom inúmeros internautas no Brasil opinando sobre as situações onde foramempregados possíveis recursos que auxiliaram em algum determinado momento asrelações de networking nas suas redes sociais. Por fim, as considerações finaissobre os estudos aqui reunidos, discutidos e apresentados.
  16. 16. 16     Parte I Redes Sociais Digitais
  17. 17. 17     Uma rede social é definida como um conjunto de dois elementos, RaquelRecuero (2009)9, explica estes elementos como: atores (pessoas, instituições ougrupos) e suas conexões (interações ou laços sociais). Uma rede, desta forma,passa a ser a base para observar os padrões de conexão de um grupo social,oriundos das conexões iniciadas entre os diversos atores. Já estas ferramentas decomunicação mediadas pelo computador (CMC), possibilitaram que os atorespudessem organizar, interagir e comunicar com outros atores evidenciando na redede computadores, rastros capazes de apresentar os padrões das conexões e aexposição de suas redes sociais a partir desses rastros. Dentro desta possibilidade, isto é, ao estudar as interações e conversaçõesvisíveis através dos rastros encontrados na Internet, temos um novo estímulo deestudo das redes sociais, assim, iremos focar não apenas as mudanças quesurgiram junto as novas possibilidades de construção do Networking nessas redes,mas também a compreensão dos grupos expressos na Internet e suas relações depromoção e fortalecimento da cadeia estrutural dos contatos profissionais entrepares no ambiente organizacional das empresas e as redes específicas para estafinalidade no meio digital. É a análise da dinâmica dos processos e os elementos que geram fluxo detrocas sociais e movimentam essas estruturas que também trataremos nestecapítulo, mas antes, veremos um apanhado geral das Redes Sociais Digitais noBrasil atualmente.________________10 RECUERO, Raquel. Redes Sociais na Internet. Porto Alegre: Meridional, 2009. 1ª reimpressão(página 24)
  18. 18. 18    CAPÍTULO I – REDES SOCIAIS DIGITAIS1.1 - Redes Sociais Digitais no Brasil As Redes Sociais foram ganhando cada vez mais espaço entre osbrasileiros, caindo no gosto popular e tornando-se mais utilizadas no dia-a-dia deprofissionais, estudantes, crianças entre outros. A cada novo lar que recebe uma conexão de banda larga ou lan housesinauguradas nas cidades brasileiras, o acesso a Internet aumenta progressivamente,contribuindo desta forma, para a popularização das Redes Sociais como o Orkut,Facebook e Twitter. Já os Serviços de Mensagem Instantânea (IM) como Messenger(MSN) e Skype, por exemplo, estão entre os mais utilizados11 e praticamenteempreenderam uma rotina de uso diária entre os internautas. Em 2009, um estudodo Instituto ComScore, apontou que o Windows Live Hotmail (MSN) representaaproximadamente 96% do uso de IM no Brasil. Os brasileiros começaram suas primeiras experiências com Redes Sociasatravés do Orkut. O sistema desenvolvido por Orkut Buyukkokten em 2001, naépoca aluno da Universidade de Stanford e funcionário do Google, foi o primeiro aganhar popularidade no Brasil com a aquisição do Google em 2004. Vale lembrar,que a primeira rede social digital embrionária criada e de acesso livre no mundo foi oFriendster12, desenvolvida por Jonathan Abrams e Peter Chin em 2002. A mesmarecebeu uma notória participação de alguns milhares de membros no primeiro anode funcionamento, porém, acabou possivelmente não se popularizandomundialmente pela falta de diversos recursos, entre eles a possibilidade da criaçãode comunidades. Fato este, que fez com que o Orkut tivesse uma trajetória bemdiferente entre os internautas devido algumas funções já disponíveis no seusurgimento.________________11 Fonte: http://www.housecricket.com.br/blog/index.php/mercado/uso-de-instant-messenger-no-brasil/(Acesso em 21/10/2010).12 Fonte: http://en.wikipedia.org/wiki/Friendster (Acesso em 21/10/2010).
  19. 19. 19     Mesmo assim, o Orkut a princípio era uma rede social fechada, isto é, paraentrar os novos membros precisavam de um invite (convite) de outros membrosparticipantes, o que valorizava a entrada dos novos, inclusive com a venda deconvites via E-bay13. Mas, só em 2004 com o crescimento do uso do Orkut nomundo, inicialmente nos E.U.A. impulsionando a compra do software pelo Google, aconcessão do acesso livre aos novos membros fez com que tanto outros paísescomeçassem a descobri-lo, como principalmente os brasileiros, estes por sua vez,passaram a figurar entre os mais utilizadores chegando a corresponder em 200814, a75% da base mundial de usuários do Orkut. De lá para cá, ou seja, da iniciação dos brasileiros nas redes sociais, o Brasilveio constantemente ganhando destaque no mundo com o aumento do tempo denavegação nesses ambientes sócio-digitais. E com o amadurecimento dosinternautas, diversas redes sociais foram direcionando o seu foco para o país dosamba. O Google, por exemplo, não tardou muito para perceber a importância danecessidade da versão em português do Orkut, para buscar fortalecer a abertura e ocrescimento do uso entre os brasileiros. Tamanho crescimento fez também, com queo gigante das buscas na Internet inaugurasse sua sede brasileira na capital de SãoPaulo em 2006. Em 200915, os brasileiros atingiram a marca inédita de tempo de navegaçãona Internet, chegando a 27 horas e 48 minutos por pessoa, mantendo o Brasil afrente de vários países como Japão, E.U.A. e França. Confira a lista de países noquadro abaixo:________________13 Fonte:http://www.zephoria.org/thoughts/archives/2004/01/29/invites_to_orkut_on_ebay.html (Acessoem 23/10/2010).14 Fonte: Dados da ComScore: http://www.comscore.com/press/release.asp?press=2592 (Acesso em)15 Fonte: Dados do IBOPE Nielsen Online:http://www.ibope.com.br/calandraWeb/servlet/CalandraRedirect?temp=5&proj=PortalIBOPE&pub=T&db=caldb&comp=Not%EDcias&docid=0C603C3C20140371832575F3004B038C (Acesso em23/10/2010).
  20. 20. 20    Quadro 1 – Tempo de navegação no Brasil em 2009*  *Fonte:http://www.ibope.com.br/calandraWeb/servlet/CalandraRedirect?temp=5&proj=PortalIBOPE&pub=T&db=caldb&comp=Not%EDcias&docid=0C603C3C20140371832575F3004B038C (Julho de2009) (Acesso em 23/10/2010) Já em agosto de 2010, a Internet no Brasil cresceu 5,9% (IBOPE NielsenOnline), passando dos 39,3 milhões para 41,6 milhões de usuários ativos conferindoseu maior crescimento entre os usuários domiciliares com acesso a banda larga,confirmando o que fora citado no início deste capítulo, sendo evidenciado no quadroabaixo:Quadro 1.2 – Participação dos usuários de internet no Brasil*  
  21. 21. 21    *Fonte:http://www.ibope.com.br/calandraWeb/servlet/CalandraRedirect?temp=5&proj=PortalIBOPE&pub=T&db=caldb&comp=Not%EDcias&docid=E146A914BB4400D18325776100732E25 (Julho de2010) (Acesso em 23/10/2010) Este aumento, se comparado ao mesmo período em 2009, correspondeu auma alta de 11% segundo o IBOPE16. Desta forma, caso o Brasil venha de fato aelaborar um Plano Nacional de Banda Larga (PNBL) no país, ou seja, a criação deum órgão público que invista na popularização e o barateamento do acesso aInternet por um conexão de banda larga destinado as classes C,D e E,provavelmente fará com que os brasileiros alcancem outras marcas significativasentre os usuários no mundo. Para compreendermos melhor o avanço das Redes Sociais no Brasil, algunsgráficos serão apresentados a seguir. Assim, poderemos avaliar a atual situação dosbrasileiros e a sua significativa participação nesses ambientes.________________16 Fonte: Dados do IBOPE Nielsen Online:http://www.ibope.com.br/calandraWeb/servlet/CalandraRedirect?temp=5&proj=PortalIBOPE&pub=T&db=caldb&comp=Noticias&docid=0A276B95D145374B832577B6007A5F6A (Acesso em 26/10/2010).
  22. 22. 22    Gráfico 1.3 – O acesso, a adesão e a experiência dos brasileiros nas redessociais** Dados do IBOPE Nielsen Online:Fonte: http://midiassociais.blog.br/2010/11/29/o-fenomeno-das-redes-sociais-no-brasil/ (slides 6 e 8)Setembro de 2010 (Acesso em 15/10/2010) No gráfico acima, podemos destacar que 37% dos 8.561 entrevistados, em11 regiões metropolitanas do Brasil, acessam as Redes Sociais mais de uma vez aodia. Outro ponto importante é a mesma porcentagem de participação das classes ABe C, onde cada uma alcançou o patamar de 45%.Gráfico 1.4 – Redes Sociais mais acessadas** Dados do IBOPE Nielsen Online:Fonte: http://midiassociais.blog.br/2010/11/29/o-fenomeno-das-redes-sociais-no-brasil/ (slide 9)Setembro de 2010 (Acesso em 15/10/2010)
  23. 23. 23     Este gráfico confirma o Orkut como sendo ainda a rede social maisacessada no Brasil, mesmo assim, o Facebook, outra rede criada nos E.U.A. vemaumentado sua participação entre os brasileiros, principalmente entre os internautasde classe A.Gráfico 1.5 – Local de acesso** Dados do IBOPE Nielsen Online:Fonte: http://midiassociais.blog.br/2010/11/29/o-fenomeno-das-redes-sociais-no-brasil/ (slide 14)Setembro de 2010 (Acesso em 15/10/2010) Aqui podemos visualizar outro ponto interessante, os acessos provindos dosdomicílios corresponderam a 70% do total de entrevistados, sendo em sua maioriaoriundos da classe C, já o acesso através dos celulares alcançou 5% da pesquisa,destaque para a capital metropolitana Florianópolis que correspondeu a 8% do totalde acessos via mobile.
  24. 24. 24    Quadro 1.6 – Adesão a planos de telefonia que possibilitam acesso as redessociais via mobile**   Dados do IBOPE Nielsen Online:Fonte: http://midiassociais.blog.br/2010/11/29/o-fenomeno-das-redes-sociais-no-brasil/ (slide 13)Setembro de 2010 (Acesso em 15/10/2010) Devemos nos atentar ao crescimento bastante significativo do acesso asredes sociais via mobile. Mesmo sendo o Brasil um dos países com as mais altastarifas de planos de telefonia celular, tanto nos serviços de SMS como também nosplanos de dados das operadoras, ficando em 2009 no 114º na escala de preçossegundo o ranking de 150 países da UIT (União Internacional de Telecomunicações)divulgado pela ONU17, o estudo apontou naquele ano que os brasileiroscomprometem cerca de 7,5% da renda per capita com gastos de telefonia móvel. Noentanto, com todos os entraves do setor, os brasileiros têm aderido a cada ano maisfacilidades de acesso a Internet via celular, sendo bastante considerável o aumentoda adesão desses novos serviços entre as classes C, D e E, onde praticamentedobrou a procura nos últimos anos como podemos observar no quadro acima._______________17 Fonte: UIT (União Internacional de Telecomunicações – Informações publicadas no site do jornalFolha de São Paulo em 02/03/2009 http://www1.folha.uol.com.br/folha/dinheiro/ult91u511198.shtml(Acesso em 28/10/2010).
  25. 25. 25    Quadro 1.7 – Intenção dos internautas que ainda não acessam as redessociais** Dados do IBOPE Nielsen Online:Fonte: http://midiassociais.blog.br/2010/11/29/o-fenomeno-das-redes-sociais-no-brasil/ (slide 12)Setembro de 2010 (Acesso em 15/10/2010) Outro dado importante sobre as redes sociais no Brasil é a intenção dosinternautas que ainda não estão inseridos nesses ambientes, isto é, mesmo aindanão sendo eles participantes até o momento, a popularidade destas plataformasentre os brasileiros tem crescido anualmente, fazendo com que cresça também ointeresse dos mesmos em algum determinado momento virem a tornar-se membrosativos em alguma das redes sociais mais conhecidas no Brasil como o Orkut,Facebook e Twitter, já citadas neste capítulo. No quadro, a pesquisa do IBOPEapontou que 34% do total de internautas que não acessa as redes sociais teminteresse em participar. O que aponta uma enorme possibilidade de ampliação emaior participação brasileira, mais uma vez, as classes C,D e E se destacam entreas intenções de uso no futuro. Vale lembrar, que o Plano Nacional de Banda Larga(PNBL) previsto pelo governo federal possivelmente ainda em 2011, deverá ser umdos grandes responsáveis pela adesão e facilitação ao acesso das redes sociais porestas classes.
  26. 26. 26    CAPÍTULO II – CARACTERÍSTICAS DAS REDES SOCIAIS DIGITAIS2.1 - Elementos das Redes Sociais Digitais As Redes Sociais Digitais contêm elementos característicos, servindo debase para que tanto a rede quanto as informações a respeito da mesma possam serestudadas. Porém, esses elementos não são facilmente distinguíveis. É precisoalguns questionamentos a fim de elaborar melhor alguns pontos cruciais para esteestudo. Por exemplo, o real entendimento do ator social na Internet, suas conexõesentre outros atores e o que de fato pode influenciar essas redes. Toda esta esferaacontece dentro da análise da comunicação mediada pelo computador e engloba asociabilidade dentro do ciberespaço.2.2 - Os Atores O primeiro elemento das redes sociais são os atores, ou seja, as pessoasenvolvidas na rede analisada. Raquel Recuero (2009) define os atores como partesdo sistema, onde os mesmos conseguem influir de forma a moldar as estruturassociais, a partir da interação e da construção dos laços sociais. Assim, neste caso, trabalha-se com representações dos atores sociais, ou com construções identitárias do ciberespaço. Um ator, assim, pode ser representado por um weblog, por um fotolog, por um twitter ou mesmo por 18 um prefil no Orkut. (Recuero). (2009, p.25) Para a autora, mesmo as ferramentas como um weblog, por exemplo, quepode ser mantido por inúmeros colaboradores, teremos também neste caso o queela define como um grupo de vários atores em um mesmo blog coletivo. No entanto,inicialmente tais ferramentas não são atores sociais e sim representações dosatores, espaços de interação, lugares de fala, constituídos por atores que expressamelementos de sua personalidade ou individualidade.________________18 RECUERO, Raquel. Redes Sociais na Internet. Porto Alegre: Meridional, 2009. 1ª reimpressão
  27. 27. 27     É preciso ressaltar, a existência de um constante processo de construção eexpressão de identidade por parte dos atores na sociabilidade do ciberespaço. Eesta sociabilidade não está mais sustentada em um território geográfico ou presa auma identidade local, mas se sustenta em uma rede por onde passam os fluxos deinformações. Castells (2001, p. 147) já havia observado que as redes teriam umaforte possibilidade de substituírem os lugares que proporcionam a sociabilidade “(...)o fundamental é a translação de delimitação espacial como fonte de sociabilidade àcomunidade espacial como expressão da organização social” (p. 148). Ressaltandoa rede como o elemento crucial para a organização social. E este processo não segue apenas as páginas pessoais, como weblogs,nicknames em chats, perfis em softwares como o Orkut e o Facebook, estas açõesdefinem a presença do “eu” no ciberespaço, onde apesar de privado, ao mesmotempo é também um espaço público, compartilhado com outros atores na rede. Essaindividualidade da expressão, “a fala de alguém” que se manifesta através dociberespaço é que faz com que as redes sociais possam ser expressas na Internet. Desta forma, entender como os atores constroem esses espaçospossibilitadores de expressão é primordial para compreender o estabelecimento dasconexões, e através das mesmas, construídas pelos atores é que compreendemosos padrões de conexões que são gerados. Portanto, os atores no ciberespaço podem ser compreendidos comoindivíduos que agem por intermédio dos seus fotologs, weblogs e páginas pessoais,como também através de seus nicknames. Outra maneira de representação do atoré através de um link, por exemplo, ao comentar sobre um post em um weblog, o atorcompartilha o endereço eletrônico do seu blog, mesmo utilizando variações do seunome real ou algum apelido para a sua assinatura, o link exibido é a maneira comque será identificado dos outros interagentes. Já em softwares como o Orkut ou Facebook, os usuários são identificadospelo seu perfil, desta forma, ao cadastrar um login e senha automaticamente o atorfica relacionado ao seu perfil. Para evitar esta identificação direta, muitos usuárioscriam perfis falsos na rede, conhecidos no meio como perfil “fake”, assim, utilizamestes perfis para interagirem nesses ambientes sem ser reconhecidos pelos demais. Nesse sentido, perfis do Orkut, Twitter, weblogs etc, servem de pistas paraidentificar um determinado “eu” entre os demais, sendo construções representativasdas múltiplas faces da identidade de um ator.
  28. 28. 28    2.3 - As Conexões, os Laços Sociais e a Interação Se por um lado os atores representam os nós da rede analisada, asconexões por outro lado, podem ser percebidas de diversas maneiras, de modogeral, estas conexões em uma rede social são estabelecidas através dos laçossociais, estes por sua vez, necessitam da interação social entre os atores. As interações são visíveis através dos rastros sociais deixados na Internet,um comentário postado em um blog, por exemplo, permanecerá ali até que o seuautor ou alguém delete, ou ainda, o weblog saia do ar. Isto permite ao pesquisador oacompanhamento das trocas sociais, embora distante, mas observando no tempo eespaço de onde foram realizadas. Outro fator característico que encontramos na interação mediada pelocomputador é a capacidade de migração, onde as interações entre os atores podemdifundir por diversas plataformas de comunicação, como por exemplo, entre o Orkut,o Facebook e blogs. Essa migração, para Recuero (2009, p.36) auxilia na percepçãoda multiplexidade19 das relações, afirmando um indicativo de laços sociais fortes queestão presentes na rede.2.4 - O capital social Outro elemento muito importante na análise da qualidade das conexões deuma rede social na Internet é o capital social. O capital social é algo estudado pordiversos autores como um indicativo da conexão entre os usuários em uma redesocial. No entanto, não há exatamente um consenso geral entre os estudiosos sobrequal vertente deve ser seguida, como explica Recuero (2009). Existe, porém, umaconcordância a respeito do conceito onde se refere a um valor constituído atravésdas interações entre os atores sociais.________________19 O conceito de multiplexidade remete á idéia de localizações múltiplas. Assim, “uma relação émultiplexa quando acontecem múltiplas transações, quer dizer, quando há um crescimento deparceiros. Assim, o índice de multiplexidade é dado a partir da seguinte relação: m = n/p, onde n e onúmero total de trocas e p o número de pares que estão em relação em pelo menos uma troca.(Forsé,1999:46). Fonte: http://redalyc.uaemex.mx/redalyc/html/931/93101207/93101207.html (Acessoem 30/10/2010).
  29. 29. 29     Talvez seja este um dos elementos principais nos estudos que se dedicam aanalisar e compreender as redes sociais, no qual os valores que circulam nas redessociais são notados pelos atores que fazem parte dessas redes. Desta forma, ocapital social pode ser tanto coletivo como também individual. O aspecto individualsurge dos interesses dos usuários em tornar-se parte de uma rede social para abusca do seu próprio benefício. O aspecto coletivo surge do fato de que o capitalsocial individual incide amplamente no coletivo do grupo. Recuero também citaPutnam (2000), onde o autor destaca que há duas formas básicas de capital social,o capital conector (bridging) e o capital fortalecedor (bonding). Ele explica o segundocomo sendo a intimidade, a proximidade e outras qualidades geralmente atribuídas agrupos mais coesos e com laços fortes. Enquanto o primeiro está direcionado comas relações mais distantes, entre grupos heterogêneos, denominados aqui comolaços fracos. Dentro da ótica sobre o Networking nas redes sociais digitais, voltaremos afalar sobre o capital social no próximo capítulo, pois é preciso operacionalizá-lo, afim de discuti-lo sobre a esfera que englobe a construção do Networking em umarede social.CAPÍTULO III – O Networking3.1 – O Networking nas Redes Sociais Antes de falar a respeito do Networking nas redes sociais, é precisoentender primeiro, o que de fato compreende-se em relação ao conceito deNetworking. Termo este, bastante utilizado nos dias atuais e mencionadofrequentemente pela maioria dos internautas nas situações provindas e relacionadasaos contatos profissionais. No entanto, o Networking engloba a construção derelacionamentos que podem atender tanto a interesses profissionais como tambémpessoais. Ele não acontece apenas digitalmente, pelo contrário, antes do advento daInternet e sua revolução nos meios de comunicação, os únicos meios de construiresse relacionamento era através das visitas, almoços, correspondências, feiras de
  30. 30. 30    negócios, encontros em grupos e outras possibilidades necessárias até hoje, porém,demandam tempo e nem sempre são viáveis. Os meios eletrônicos logicamente aperfeiçoaram a comunicação erevolucionaram a maneira com que as pessoas se relacionam e constroem sua redede contatos. E isto, é bem visível se observado o crescimento do uso de redessociais como o Twitter e o Linkedin, por exemplo, ambos utilizados comoferramentas para a promoção do Networking nesses ambientes. Vale ressaltar asdiferenças entre eles, o microblog Twitter vem sendo bastante utilizado nadivulgação de oportunidades de trabalho por empresas e portais de recrutamento,pois permiti em tempo real tanto a divulgação das ofertas de trabalho como tambémo conhecimento das mesmas pelos candidatos interessados que seguem (followers)os perfis de empresas e portais de vagas. Já o Linkedin é exclusivamente destinadopara fins profissionais, com finalidades que permitem a interação com empresas, atroca de experiências com outros profissionais do mercado, a visibilidade em nichosprofissionais e empresas específicas por segmentos, a constante atualização dohistórico profissional do internauta com seus contatos diretos e o conhecimento denovas práticas empresariais. Se voltarmos no tempo, antes as empresas recebiam inúmeros currículos,pilhas e mais pilhas de papéis e executavam um processo demorado de seleçãofazendo com que tanto os empregadores como os possíveis candidatos a vaga deemprego sofressem entraves penosos, burocráticos e pouco eficientes no quesitoagilidade, prejudicando e muito novas contratações e acertos nas mesmas, isto é,filtrar todo este material era muito demorado quando não, ineficiente. Hoje, softwaresexistentes na Internet e no computador fazem tudo isso em segundos, agilizamprocessos e ainda permitem a interação. As empresas podem atualmente acompanhar o desempenho doscandidatos, sua participação, seus contatos, sua notoriedade, seus interesses, eespecializações nas redes sociais digitais, onde basicamente o acesso asinformações tornou-se mais democrático, rápido e compartilhado entre pares. Neste ponto, podemos retomar a questão do capital social relacionado nocapítulo anterior. O mesmo provém de relações sociais que podem fornecer a umdeterminado ator algumas determinadas vantagens de acordo com a percepção esua influência em relação a outros atores nas redes sociais, tais relações têm base
  31. 31. 31    individual, embora estejam agindo como coletivas20, assim explica Coleman (1988),outro autor citado por Recuero (2009). Fica cada vez mais evidente a importância do gerenciamento dos contatosprofissionais, sendo as redes sociais as principais ferramentas inseridas nesta novaótica no século XXI. Experimentar essas ferramentas de forma objetiva eestratégica, buscando sua utilização de modo disciplinado importa na aprendizagemconjunta dos envolvidos que amadurecem no desenvolver das suas interações. É imprescindível procurar compreender que as redes sociais nascem edesenvolvem-se ao redor de características próprias e diferem uma das outras,salvo algumas particularidades aparentemente comuns entre elas, exemplo, adivulgação de interesses pessoais ou profissionais, no entanto, deve-se pensarestrategicamente se realmente faz sentido participar de todas as redes ou sedevemos selecionar de acordo com os nossos interesses em qual participar, maspara isso, é necessário identificar a real situação de onde estamos e aondequeremos chegar, analisando de que forma as redes sociais poderão ajudar nesteprocesso. O Brasil é um dos principais países em volume de usuários do Linkedin nomundo, com aproximadamente 2 milhões de membros21, atualmente boa parte doseu crescimento no país atribuí-se a popularização da rede social com o lançamentoda sua versão em português em abril de 2010, tornando-se a principal plataforma derelacionamento profissional entre os brasileiros. Este crescimento permanece em umritmo acelerado a medida que novas empresas passam a aderir a visualização dosperfis dos usuários como um dos critérios na contratação de novos profissionais,como já citado. A seguir, analisaremos algumas particularidades do Linkedin e combase em alguns dados e infográficos, poderemos estruturar as principaiscaracterísticas dessa ferramenta.________________20 RECUERO, Raquel (2009) cita que o conceito de capital social “é baseado nos conceitos de habituse conflito. O habitus como uma série de formas de comportamento que as pessoas adquirem pelavida em sociedade, uma espécie de condicionamento social. O conflito como mudança, comoessência da sociedade extratificada”21 Matéria publicada em 19/08/2010 no site do Portal de Notícias G1 na categoria “Economia eNegócios” do Globo.com. http://g1.globo.com/economia-e-negocios/noticia/2010/08/numero-de-usuarios-do-linkedin-no-brasil-dobra-em-4-meses.html (Acesso em 04/01/2011).
  32. 32. 32    3.2 – O Linkedin Diferentemente das inúmeras redes sociais presentes hoje na Internet, oLinkedin destaca-se por ser exclusivamente focado na construção e gerenciamentodo relacionamento profissional. Ou seja, basicamente sua dinâmica não consiste natroca de fotos, recados (scrapts) ou conversas via chat, o ambiente é tododirecionado para uma esfera madura amparada na troca de referênciasprofissionais, empresas por segmento de mercado, recomendações entre outrosatributos, podendo ser utilizado na versão gratuita, esta porém, tem algumaslimitações de uso, ou também na versão paga, que permite para candidatos aprocura de emprego e empresas, o acesso a ferramentas destinadas no auxílio eagilidade da oferta e busca de vagas, além disso, a sondagem e aproximação degrupos profissionais por afinidades semelhantes, são a princípio algumas dascaracterísticas dessa ferramenta. Fundado em maio de 2003 através de uma start-up por Reid Hoffman, AllenBlue, Jean-Luc Vaillant e Konstantin Guericke22, o que resultou no site com o mesmonome criado por Hoffman e Guericke, ambos formados em Stanford no estado daCalifórnia nos E.U.A., no entanto, começaram a planejar sua rede profissional onlineainda no final da década de 90.   Atualmente a rede abriga aproximadamente 85 milhões de perfis, sendo emsua maioria, contas pertencentes a usuários de fora dos E.U.A., segundo informou aRP do Linkedin, Christa Canfield23 em entrevista ao portal de notícias IDGNow noinício de janeiro deste ano, o Brasil como já foi citado, corresponde com cerca de 2milhões desse total de usuários, ficando entre os seis países que mais utilizam aferramenta, atrás dos Estados Unidos, seguido da Índia, Reino Unido, Canadá eHolanda.________________22 Fonte: Site USA Today, post publicado em 09/05/2007 - “Business of LinkedIn is ... business”http://www.hsw.uol.com.br/framed.htm?parent=linkedin.htm&url=http://www.usatoday.com/tech/webguide/internetlife/2007-09-04-linked-in_N.htm (Acesso em 30/12/2010).23 Fonte: Site IDGNOw, post publicado em 04/01/2011 - “LinkedIn: você sabe usar essa rede social?”http://idgnow.uol.com.br/blog/navedigital/2011/01/04/linkedin-como-usar/ (Acesso em 30/12/2010).
  33. 33. 33     O número de brasileiros com perfil na ferramenta deverá crescer ainda maisnos próximos dois anos, isto é, se observarmos que antes da sua versão emportuguês, o Brasil já correspondia com cerca de 1 milhão de perfis criados até abrilde 2010, com a versão portuguesa este número praticamente dobrou em menos deum ano, indicando que talvez poderemos corresponder próximo a 5 milhões deusuários até meados de 2013. Este aumento significativo da participação brasileiratambém está relacionado diretamente com o número crescente de empresas queaderem o Linkedin e criam suas páginas oficiais na ferramenta, boa parte delasutilizam a versão paga, o que possibilita novos recursos para a divulgação de vagase o recrutamento de novos funcionários, sendo eles passivos (os que não estãoprocurando emprego no momento, porém possui qualidades que motivam empresasa contactá-los) ou os que estão a procura de novas vagas (ativos que estãoempregados ou não). Hoje, já são ao todo 500 empresas brasileiras cadastradas,em suma, boa parte delas são de agências de publicidade e comunicação,tecnologia, bancos e universidades, mas para a maioria dos setores empregatíciosno país, existe ao menos uma empresa cadastrada. A seguir, podemos observar um pouco da participação da ferramenta nomundo através dos gráficos abaixo, no entanto, os mesmos podem conter algunsdados um pouco desatualizados, já que parte da mensuração dos mesmos é doinício de 2010.Gráfico 3.2.1 – O Linkedin no mundo – Países e quantidade de usuários** Créditos: Vincenzo Cosenza: http://www.vincos.it - Dados: http://www.linkedin.com/directads
  34. 34. 34    “The State of Linkedin” Publicado em 22/5/2010 por Marc Metekohy no ViralBloghttp://www.viralblog.com/research/the-state-of-linkedin/ - Os dados correspondem ao início de 2010,na época o número de usuários do Linkedin no mundo era de aproximadamente 70 milhões,atualmente este número beira os 90 milhões de membros em mais de 200 países, está disponível emseis idiomas: Inglês, Francês, Alemão, Italiano, Português e Espanhol (Acesso em 4/1/2011).Gráfico 3.2.2 – O Linkedin – Gênero e idade*    * Créditos: Vincenzo Cosenza: http://www.vincos.it - Dados: http://www.linkedin.com/directads “TheState of Linkedin” Publicado em 22/5/2010 por Marc Metekohy no ViralBloghttp://www.viralblog.com/research/the-state-of-linkedin/ - Apesar dos dados corresponderem ao iníciode 2010, a situação permanece praticamente estável sendo a maioria formada por membros do sexomasculino, a faixa etária é constituída em sua maioria por pessoas com idades entre 25 a 34 anos,elas correspondem aproximadamente por mais de 50% do total de usuários no mundo. (Acesso em4/1/2011).Gráfico 3.2.3 – O Linkedin – Setores do mercado industrial*  * Créditos: Vincenzo Cosenza: http://www.vincos.it - Dados: http://www.linkedin.com/directads“The State of Linkedin” Publicado em 22/5/2010 por Marc Metekohy no ViralBloghttp://www.viralblog.com/research/the-state-of-linkedin/ - Os segmentos ligados a tecnologiacorrespondem pela maioria das empresas que habilitaram seus perfis no Linkedin (atualmentedenominados de Company Pages). Ao todo, mais de um milhão de empresas de vários setoresindustriais criaram seus perfis na ferramenta. (Acesso em 4/1/2011).  
  35. 35. 35    Quadro 3.2.1 – O Linkedin entre os 10 sites de Redes Sociais mais acessadosno Brasil* Principais Sites de Rede Social no Brasil por Visitantes Únicos Agosto 2010 Total Audiência da Internet no Brasil*, Idade 15+ - Casa & Local de Trabalho Fonte: comScore Media Metrix Total Média de Média de Média de Visitantes Minutos Páginas Visitas por Únicos por por Visitantes (000) Visitante Visitantes Total Pessoas na 37,527 1,561.0 2,109 58.0 Internet: 15+ Redes Sociais 36,059 252.6 585 32.4 Orkut 29,411 275.8 657 35.8 Windows Live Profile 12,529 5.5 12 3.7 Facebook.com 8,887 29.3 55 6.6 Twitter.com 8,621 31.8 44 7.5 Formspring.me 3,638 34.8 57 9.0 Sonico.com 1,711 10.0 15 2.9 Ning.com 1,570 6.4 10 2.4 LinkedIn.com 1,471 10.7 26 2.6 Multiply.com 1,349 3.6 5 1.6 Vostu.com 1,130 2.2 2 1.7* Exclui tráfego originado em computadores públicos, como Internet Cafés e celulares ou PDAs.Fonte:http://www.comscore.com/por/Press_Events/Press_Releases/2010/10/Orkut_Continues_to_Lead_Brazil_s_Social_Networking_Market_Facebook_Audience_G rows_Fivefold/%28language%29/por-BR (Acesso em 4/1/2011).    
  36. 36. 36     Parte II O Networking na prática
  37. 37. 37    CAPÍTULO IV– O Networking na prática4.1 – Estudo de Caso (Agência Click) O projeto de pesquisa a seguir foi elaborado em maio de 2008 eapresentado como parte de um paper que analisou as situações de Networkingobservadas em uma rede social corporativa. Na época, o trabalho de cunhoacadêmico desenvolvido na disciplina “Comunicação e Negócios na Era Digital”,lecionada pelo então professor do curso de pós-graduação Marcelo Coutinho(atualmente também professor da Fundação Getúlio Vargas) na Faculdade CásperLíbero em São Paulo.Projeto Individual de Pós-Graduação do Curso de Marketing eComunicação Publicitária da Faculdade Cásper Líbero. Maio/2008Paper: O Networking na rede social digital ClickAquiFoco de estudo: Site da Rede Social Digital da Agência Clickhttp://clickaqui.agenciaclick.com.br/ O objetivo deste paper é analisar e compreender a relação de networkinggerado na rede social digital ‘ClickAqui’. Uma vez que a Click, agência depublicidade digital no Brasil, foi à pioneira no país a disponibilizar uma plataforma derelacionamento profissional em uma rede digital, como também iniciou um enfoqueno sucesso das redes sociais digitais no País. Atualmente, a agência vemdesenvolvendo diversos trabalhos do segmento como também a criação de umdepartamento responsável apenas por ações dessa categoria. Este estudo de caso contribuirá para compreendimentos e análises futurascorrelacionadas a também relação de networking, que possa ter ocorrido em outrasdiversas redes sociais digitais. Vale lembrar, que por se tratar de algo ainda recente
  38. 38. 38    no mercado, toda a atividade direcionada na pesquisa acadêmica estará focada nacompreensão dos dados conseguidos. Uma vez analisados os respectivos dados, será concluído este, com aelaboração de uma narrativa final em caráter exploratório e imparcial. Para melhor estruturar a análise, foi criada uma metodologia para orientar ospassos do projeto.4. 2 – Metodologia A partir deste ponto, ficou definida a estrutura do trabalho e estipulado asseguintes diretrizes da pesquisa. São elas: Primeira Parte: _ Ter acesso ao número de cadastros atualmente; _ Estipular os 30 principais usuários, analisar e acompanhar suas páginaspessoais criadas na rede pelo período de 20 dias; _ Saber quais foram os contatos de entrevistas para trabalho; _ Conseguir algo concreto sobre a proporção de facilitação na busca denovos talentos com a implantação da Rede Social Digital no site da agência; _ Analisar se o processo auxiliou na prospecção e vinda de novos clientes nacarteira da agência interessados na mesma plataforma. Segunda Parte: _ Elaboração e apresentação da conclusão, com a estruturação dos dadosobtidos.
  39. 39. 39    4. 3 – Abordagem dos Dados de Pesquisa Após a escolha dos 30 membros sobre os critérios citados na ‘Metodologia’,foram acompanhados no período programado, onde foi possível registrar algumasanotações durante a análise geral. Um ponto em especial é interessante ressaltá-lo. As características geraisdos perfis dos membros da comunidade. As principais delas são: _ Funcionários da Agência na Região de São Paulo, Brasília e Belo Horizonte. Localidades estas, onde estão os escritórios da agência; _ Parceiros de Negócios; _ Ex-Funcionários; _ Funcionários de outras agências; _ E a grande maioria é de pessoas interessadas em trabalhar. No início da pesquisa eram ao todo 1.344 (Um mil trezentos e quarenta equatro) membros, ao decorrer da análise referente ao período de 30 dias, estenúmero saltou para 1.506 (Um mil quinhentos e seis) membros.4. 4 – A participação dos membros Em geral, a participação costuma ser esporádica entre os membros, compicos de interação no inicio do contato e uso da plataforma de relacionamento. Apóseste período, as participações tendem a se manter reduzidas e com intervalos devários dias, ou meses conforme verificado nos registros de data das páginas.
  40. 40. 40     Percebeu-se também grande índice de participação nas páginas doscolaboradores, com upload de dados (fotos, vídeos, blogposts e músicas) e o usodas mensagens pessoais enviadas nas páginas dos mesmos. Na ocasião, ainda foi constatado o uso muitas vezes para ações deendomarketing por parte de uma colaboradora da AgênciaClick que utilizou dasmensagens enviadas nas diversas páginas da comunidade, informando econvidando os demais colaboradores para participar das atividades e eventos daempresa. Outro ponto em destaque é a participação do CEO da agência, Pedro Cabral(ver quadro 6) é um dos principais colaboradores, enviando e respondendomensagens e realizando diversos uploads de arquivos em sua página. Os demais usuários também fazem o upload de fotos e músicas. Valedestacar que poucos escrevem blogposts em suas páginas e muitos ainda nãopossuem amigos na comunidade. Em geral, a participação da grande maioria aindaé ‘inibida’ e com pouca constância como já fora citado. Outro dado importante é a ampla participação de membros do sexoFeminino (ver quadro 6.1), onde pode-se constar que mais de 50% da comunidade éformada por este público. A maior parte é de colaboradores da agência e outra partede mulheres interessadas em trabalhar na empresa. A interação delas também é mais expressiva se comparada com os homens.Um exemplo, na página de recados do CEO, tem atualmente 30 mensagensenviadas por 21 mulheres e 20 mensagens enviadas por 17 homens.
  41. 41. 41    Quadro 4.1 – Interação feminina na Rede Social da agência ClickPerfil do CEO: Pedro CabralQuadro 4.2 – Interação feminina na Rede Social da agência Click
  42. 42. 42    4. 5 – Os Grupos Atualmente existem 19 (dezenove) grupos criados por membros ecolaboradores da agência na comunidade. A média geral de participantes é em tornode 04 (quatro) membros por grupo. Sendo que em apenas um, existe 27 (vinte esete) membros cadastrados, no qual este grupo destina-se a ‘tônica’ dos quequerem trabalhar na Agência Click. O grupo “Eu quero trabalhar na Agência Click” (ver quadro 4.3) criadopelo membro “Rodrigo Paes”, um dos interessados em trabalhar na agência, alémde ser o maior em número de participantes até o momento, serve também comoespaço para blogposts relacionados à causa incomum dos participantes.Atualmente, há 08 (oito) posts no grupo com os tópicos como: “Em busca de umoportunidade na agência click”, “RH da AgênciaClick” (criado pelo colaboradorinterno “Fábio Fernandes”, onde o mesmo incentiva o envio de currículos para o RHda agência), “Webdesigner procura estágio”, onde o membro “Leandro Costa”indica um link para visualização dos seus trabalhos e os demais tópicos do grupo. Outro destaque é o grupo “Currículos”, com 20 (vinte) membros atualmente,este grupo é mais um canal de networking na comunidade. Criado pela própriaagência, nele os membros são incentivados a enviar seu currículo diretamente paraas respectivas áreas de trabalho. Com a descrição “Você quer ser um clicker?Então clique em sua área de atuação e mande seu currículo ou portfólio para agente”. Os currículos podem ser enviados para os seguintes departamentos: _ Administrativo / Financeiro; _ Atendimento / Comercial; _ Criação / Design; _ Criação / Propaganda; _ Criação / Interface _ Engenharia / TI _ Planejamento _ Mídia on-line; _ Gestão de Projetos; _ Relações Públicas.
  43. 43. 43    Quadro 4.3 – Candidatos a procura de ofertas de trabalho Os grupos existentes até o momento são: Mídias Sociais como Ferramenta de Marketing (Criado por “Oswaldo S. Neto”) 3 membros www.garotadosite.com.br/curtaConteudo para TV Movel e G3 (Criado por “Silvio Monteiro” - Parceiro de Negócios) 1 membro NATAL ENCANTADO NO BRASIL (Criado por Ivan “Wagner”) 1 membro O que farei quando chegar lá na Agência Click (Criado por “Cristiano”) 4 membros
  44. 44. 44     Disciplinas (Criado por “AgênciaClick”) 3 membros Qualidade de Vida (Criado por “AgênciaClick”) 2 membros Currículos (Criado por “AgênciaClick”) 20 membros Prêmios (Criado por “AgênciaClick”) 1 membro Clientes (Criado por “AgênciaClick”) 1 membro Estudos (Criado por “AgênciaClick” 1 membro Modelo de Trabalho (Criado por “AgênciaClick”) 6 membros Diretores (Criado por “AgênciaClick”) 7 membros Microsoft Expression (Criado por “Daniel Ottoni” – Colaborador Interno) 5 membros Site da CAIXA. Isso sim é que é SITE (Criado por “Marcelo L. de Albuquerque” - Colaborador Interno) 1 membro Eu quero trabalhar na Agência Click (Criado por “Rodrigo Paes”) 27 membros
  45. 45. 45     Blogueiros Clickers (Criado por “Willians de Abreu”) 15 membros Eu amo trabalhar como Atendimento (Criado por “Camila Junqueira”) 3 membros Sessão de Filmes ClickBSB (Criado por “Allan P. Rodrigues Alves” - Colaborador Interno) 13 membros Criativos Memoráveis (Criado por “Talita Chachamovitz” - Colaborador Interno) 11 membros4. 6 – O acompanhamento dos Usuários Os dados contidos neste relatório são partes do acompanhamento dos 30(trinta) usuários analisados pelos critérios da metodologia aqui mencionada, comotambém da visualização de outros diversos perfis aleatórios durante o processo. No entanto, não serão mencionados os perfis, entendendo-se, não sernecessário à apresentação dos nomes analisados. Como já fora mencionado, grande parte dos usuários tende a permanecercom uma participação esporádica. Onde alguns dados são de datas que variamentre 01 (um) e 03 (três) meses atrás. Um dos critérios que também auxiliou na escolha de alguns membros para oacompanhamento, foram os registros dos blogposts em destaque no arquivo daComunidade, como também o grau de relevância observado nas mensagensarquivadas nas páginas dos mesmos. Avaliando as respostas, contatos e frequêncianos diversos perfis estudados. Nenhum dos pesquisados foi contactado via e-mail ou telefone, também nãofora fornecido dados cadastrais por parte da agência e nem revelado maioresdetalhes sobre os mesmos.
  46. 46. 46     Toda a pesquisa seguiu de forma independente, sem participação direta ouindireta dos analisados, como também já citado, sem prévio direcionamento dosparticipantes da Comunidade.4. 7 – Contratações geradas pela Rede Social Digital As contratações geradas através da Comunidade ainda são poucas, sendoque até o momento, foram concretizadas apenas 02 (duas). Porém, várias pessoasforam contactadas e algumas até chegaram a passar por uma entrevista na agênciaapós serem notadas (avaliadas) através de seus relatos, interações e uploads. Em conversa com o Diretor de Rede Sociais da agência, “Jeff Paiva”, ficouclaro que a plataforma tem ajudado sim na busca de novos talentos em futurascontratações. Embora ainda pouco expressivo o número, tudo indica que estamaneira de relacionamento promete inovar e agilizar este processo nos dias atuais. Outro detalhe importante a ser destacado, é que através das atividades decada membro em sua página pessoal, como recados, respostas a fóruns dacomunidade, fotos e arquivos, todo este material também é levado em consideraçãona avaliação dos diretores da agência. Outro ponto são as observações feitas pelopróprio CEO, “Pedro Cabral”, que diversas vezes respondeu e até orientou seuscolaboradores a entrar em contato com alguns membros para agendar possíveisentrevistas de trabalho. Justificando a utilização real da ferramenta, no processo de networking narelação Agência x Profissionais na plataforma, além da facilitação no processo decontratação, as análises feitas no estudo, também comprovaram que tal iniciativapode ainda num futuro próximo, inovar toda a maneira de contratação dentre asempresas. Porém, notou-se também, que alguns membros ainda não possuem de fatouma objetividade no seu cadastro e forma de relacionamento na comunidade (verquadro 4.4). Prova disso, é o simples fato de muitos ainda permanecerem com seuscadastros incompletos e sem amigos ou participações em grupos.
  47. 47. 47     Apresentando um possível questionamento sobre a falta de informação clarano que se destina essa comunidade. Como por exemplo, a inexistência de um linkcom a nomenclatura típica como “Sobre”, onde deveria haver uma explicaçãocontextual em relação à Comunidade, seus fins e objetividade nas interações eformas de networking através dela. O que se constatou no estudo, é que muitos membros como já citado, aindanão visualizaram com a respectiva importância a possível finalidade da comunidadeem si, ou seja, meramente se cadastraram por curiosidade ou algo parecido, noentanto, a falta de um link direto com a narrativa desta importância, pode sim,implicar na desvalorização ou não consentimento dos diversos membroscadastrados até o momento. Logicamente, esta afirmação tem como base o fato em que este tipo deestrutura ainda é novo aos procedimentos de relacionamento pessoal na esfera detrabalho no Brasil. Onde em suma, a maioria dos internautas fazem um uso dainternet de maneira ‘medíocre’, talvez por falta de uma certa “educação digital”. Sobretudo, a iniciativa da Comunidade “ClickAqui” deve ser avaliada comoinovadora e que, como já dito, servirá de estímulo para outras demais empresas noquesito agilização e proximidade no contato entre interessados e contratante. Ainda nesta questão, há alguns meses atrás, a agência acrescentou um linkna aba superior onde à mesma utiliza a nomenclatura “Seja um Clicker”. Nesteespaço, o visitante pode preencher um questionário (ver quadro 4.5) relacionado aosseus dados pessoais, sua formação acadêmica, afinidade com outras línguas eexperiências profissionais. Em suma, o cadastramento do seu currículo, inclusivecom o envio de links para visualização do portfolio de trabalho. O que ainda, não dispensa a sugestão do acréscimo do link “Sobre”, citadoacima.
  48. 48. 48    Quadro 4.4 – Perfis incompletosQuadro 4.5 – “Seja um Clicker”
  49. 49. 49    4. 8 – Prospecção e vinda de novos clientes   A iniciativa da Comunidade no próprio site institucional da agência, vematraindo o foco de outras empresas interessadas em conhecer melhor toda aestrutura, como também, já resultou em alguns trabalhos, entre eles o case do“Banco do Planeta”. Este se trata da Comunidade do Banco Bradesco, até omomento com 7.997 (sete mil novecentos e noventa e sete) membros, onde sãodiscutidas ações que contribuem para “um planeta sustentável” (ver quadro 9). Em entrevista por e-mail, o diretor de Redes Sociais, “Jeff Paiva”, citou oseguinte: “O número de RFPs e solicitações de visita à nossa área comercial, cominteresse específico em ações de Social Media, aumentou muito desde aimplementação da comunidade como home-page da AgênciaClick. Não posso abrirnúmeros, mas foi um crescimento significativo.”Quadro 4.6 – Banco do Planetahttp://www.bancodoplaneta.com.br/
  50. 50. 50    4. 9 – Observações Não será aprofundada esta observação, apenas como item de informação,toda a estrutura da plataforma de relacionamentos utiliza o modelo “Ning”, (verquadro 9.1), para saber mais acesse a página: http://www.ning.comQuadro 4.7 – Plataforma Ning.com  http://www.ning.com/
  51. 51. 51    Tabela de Dados: MEMBROS 1506* SEXO Aproximadamente 59% dos membros são do sexo Feminino, os E IDADE outros 41% do sexo masculino. Maior concentração entre a faixa etária de 20 a 35 anos. PERÍODO DE Inicio do uso da ferramenta. Alguns casos apresentarão alguns ‘picos’ de atividades num período de INTERAÇÃO 03 meses. CONTRATAÇÕES Concluídas 02* CARTEIRA DE Aumento de RFPs e solicitação de visitas para apresentação da plataforma. Número de projetos fechados até o momento não foi CLIENTES revelado pela agência. NÍVEL DE INTERAÇÃO DOS A maioria ainda é inibida e apenas sazonal. MEMBROS Estreitou a distância entre o CEO e os membros, em alguns casos, resultando em entrevistas de trabalho. Facilitou o envio de currículos. GRAU DE Possibilitou a criação de grupos com causas relacionadas a contratações. NETWORKING Auxilia como possível análise-prévia de candidatos para as respectivas vagas de trabalho. Pode ser utilizada como canal direto entre Clientes e Parceiros de Negócios, como também colaboradores e ex-colaboradores.* Até o fechamento desta pesquisa.
  52. 52. 52    Conclusão Após as análises feitas durante o período de estudo em que permaneci emcontato integral na maioria das vezes com a plataforma da Comunidade “ClickAqui”,pude observar os respectivos pontos aqui já citados, os quais, com toda a certeza,servirão de base para novos estudos na mesma plataforma como também em outrasiniciativas próximas a ela. Vale lembrar que, ao final das narrativas aqui descritas, constatou-se que aestrutura é de suma importância para as novas relações de trabalho principalmentenestes dias atuais. E esta plataforma, além de inovadora por esses ares, contribui emuito para a simplificação e agilidade das mesmas, como também vem a estimularoutras iniciativas desta mesma magnitude na amplitude mercadológica ainda a serexplorada. Embora o uso ainda demonstra-se inibido por uma boa parte dos membros,tudo indica que, à medida que os mesmos forem tomando conta da importância edistinção da Comunidade, o uso deve se tornar natural, maduro e com alto grau deinteração. Ainda, convém não dispensar meios para tal finalidade, como porexemplo, dicas em links específicos nas páginas dos usuários. Em suma, as experiências angariadas com o uso e aperfeiçoamento destaferramenta darão a Agência Click todo um Know How nas ações de Relacionamentoe novos modelos de contato entre usuários x empresas.
  53. 53. 53    CAPÍTULO V– ESTUDO DE CAMPO5.1 - Pesquisa: A importância do Networking nas Redes Sociais Digitais(Novembro/2010)A pesquisa Para todo o estudo de causa é indispensável uma pesquisa de campo, poisatravés disso, dados podem ser atualizados e conflitados com hábitos, tendências eo panorama geral que nos é informado todos os dias por diversos canais de notícias,weblogs entre outros. Em resumo, o trabalho de pesquisa realizado neste estudocontribuiu com diversas informações para a tônica da importância do Networking nasRedes Sociais Digitais, em especial no Brasil.   Para melhor definir cada etapa envolvida no processo serão apresentadostrês pontos: O apanhado geral; Metodologia; e por último, Gráficos e Análises.5.2 – O apanhado geral Neste ponto, uma visão geral do processo será apresentada a fim de ilustraros desdobramentos da pesquisa, principalmente sua forma de divulgação, diga-sede passagem, quase que totalmente em algumas respectivas redes sociais, porexemplo, no Twitter e no Facebook.   A pesquisa foi destinada para todo o Brasil, no entanto, a grande maioria dosparticipantes provinha da região sudeste, sendo uma boa parte das capitais de SãoPaulo e Rio de Janeiro, isto, pode não estar apenas relacionado ao fato quetecnologicamente estas regiões compõem a maioria dos usuários de internet nopaís, mas também está diretamente ligado aos meios de divulgação utilizados, já
  54. 54. 54    que o seu início foi direcionado através do Twitter, onde boa parte dos meuscontatos é oriunda dessas regiões.   Com o recurso de direct (mensagem direta e individual entre os atores) daferramenta Twitter, o link da pesquisa foi compartilhado, depois, amigos, contatosprofissionais e outros usuários aderiram voluntariamente a divulgação projeto,twittando (publicando o link no twitter) e retwiitando (republicando por outros atores)por outros amigos, neste momento, foi fundamental a relação de Networking mantidacom a lista de contatos, o que proporcionou uma maior abertura na participação dosmesmos.   Por outro lado, o uso do email também foi de grande importância emalgumas situações distintas, como por exemplo, contactar alguns atores beminfluentes nas redes sociais, por meio destas mensagens tive a oportunidade deespecificar melhor os objetivos da pesquisa e pude receber o apoio da maioriadeles.   Ao total, 309 pessoas participaram da pesquisa entre o período de 17 denovembro a 16 de dezembro de 2010. Este número, em suma, é algo considerávelse observarmos a dinâmica empregada na divulgação do projeto e o tempo em quepermaneceu no ar, porém a meta estipulada inicialmente era o total de 500participantes. Este ponto confirmou o que outros pesquisadores já observaram emrelação aos projetos de pesquisas realizados no Brasil, onde boa parte dosbrasileiros, ainda não compreendem ou não valorizam a importância do trabalho deum pesquisador. Em conversa com a doutora em Ciências da Comunicação pelaUSP, a professora Liana Gottlieb24 concorda que exista de fato uma necessidadeimensa de trabalhar-se mais a divulgação de pesquisas no país e principalmente, atônica da grande necessidade do maior número de participantes, haja visto as  ________________24 Liana Gottlieb: Possui graduação em Pedagogia pela Faculdades Nove de Julho (1987),especialização em Especialização em Didática do Ensino Superior pelo Centro UniversitárioSantanna (1989), especialização em Psicodrama Pedagógico pelo Grupo de Estudos de TécnicasPsicodramáticas (1991), mestrado em Comunicação Social pela Universidade Metodista de SãoPaulo (1993) e doutorado em Ciências da Comunicação pela Universidade de São Paulo (1998).Atualmente, é professora titular da Faculdade de Comunicação Social Casper Líbero. Temexperiência na área de Comunicação, com ênfase em Relações Públicas e Propaganda. Atuandoprincipalmente nos seguintes temas: Comunicação - Educação Superior, Psicologia Social - FilosofiaSocial, Treinamento de Professores da Área de Comunicaçao.
  55. 55. 55    enormes contribuições que as pesquisas podem angariar nos diversos estudoscomo por exemplo, hábitos e tendências populacionais.  5.3 – Metodologia Para desenvolver a pesquisa foram definidos alguns pontos principais aserem analisados, por exemplo, escolaridade, idade, grau de afinidade com as redessociais, utilização da ferramenta Linkedin, as recomendações de amigos e as reaiscontratações ou serviços através das redes sociais. Estes pontos nortearam aelaboração de um questionário virtual desenvolvido através da ferramenta GoogleDocs25. Esta ferramenta possibilitou não apenas a visualização do questionário naInternet, como também auxiliou na tabulação dos dados, uma vez que através dela épossível baixar todos eles em formato de Excel, PDF, TXT entre outros, facilitando acriação dos gráficos que servirão para a formulação das análises neste estudo.   Ao todo foram vinte questões, quatro delas dentro da esfera demográfica,com questionamentos sobre: Sexo; Idade; Escolaridade e Rendimentos em reais(faixa salarial do participante), no entanto, este último item poderia ser respondidode forma opcional. Já o restante do questionário, continha outras quatorze questões,sendo treze obrigatórias e uma opcional, todas elas sobre as redes sociais, o uso eos desdobramentos de cada participante, e por fim, duas últimas questões opcionaisque possibilitavam aos participantes escreverem com suas próprias palavras sobre adefinição do Networking nas redes sociais e a última, informar sua conta de e-mailcaso quisesse receber informações sobre o resultado da pesquisa.   A seguir, veremos o modelo de questionário aplicado.  ________________25  O Google Docs, é um pacote de aplicativos do Google baseado em AJAX. Funciona totalmente on-line diretamente no browser. Os aplicativos são compatíveis com o OpenOffice.org/BrOffice.org,KOffice e Microsoft Office, e atualmente compõe-se de um processador de texto, um editor deapresentações, um editor de planilhas e um editor de formulários. Fonte: Wikipédia -http://pt.wikipedia.org/wiki/Google_Docs (Acesso em 30/12/2010).
  56. 56. 56    5.3.1 – Questionário VirtualPesquisa acadêmica do Curso de Pós-Graduação em Marketing e Comunicação Publicitária daFaculdade Cásper Líbero:Esta pesquisa visa analisar e mensurar a importância do Networking nas redes sociais digitais*.Todos os resultados adquiridos através do formulário a seguir, serão analisados e apresentados emuma monografia, os mesmos serão compartilhados após o término dos estudos através de umalicença Creative Commons na internet, sendo útil para pesquisas acadêmicas, empresas eprofissionais do mercado. É de suma importância e vitalidade para o estudo que as respostas aquifornecidas sejam verdadeiras. Nas respostas descritivas os textos devem ser o mais objetivopossível. Serão necessários apenas 3 minutos para responder.*Se você não utiliza nenhuma rede social seu perfil não atende o foco desta pesquisa, não havendo anecessidade de preencher este formulário.*ObrigatórioSexo: * • Feminino • MasculinoIdade: * • 18 a 23 anos • 24 a 29 anos • 30 a 35 anos • acima de 35 anosEscolaridade: * • Ensino Médio • Superior Incompleto • Bacharelado • Pós-graduação • Mestrado • DoutoradoRendimentos em Reais R$: (Opcional) • até R$ 1.000,00 • de R$ 1.000,00 a R$ 2.000,00 • de R$ 2.000,00 a R$ 3.500,00 • de R$ 3.500,00 a R$ 5.000,00
  57. 57. 57     • acima de R$ 5.000,001 - Você utiliza as Redes Sociais Digitais? Indique seu perfil: * Nesta pergunta você definirá qual é oseu grau de interação nessas redes. • Tenho um perfil criado (quase nunca uso) • Usuário comum (uso algumas vezes no mês) • Heavy user (uso diariamente)2 - Qual a sua @ no twitter? (Opcional) Caso tenha um perfil criado nessa rede social.3 – Acha possível o Networking nas Redes Sociais? * • Não • Sim4 – Usa a rede Linkedin para promover seu Networking? * • Não • SimCaso queira citar outras redes que também utiliza para a mesma finalidade, escreva no quadroabaixo:5 – Já conseguiu marcar alguma entrevista através das redes sociais? * • Não • Sim6- As recomendações de amigos na rede o ajudaram na busca de um novo emprego ou freela? * • Não • Um pouco • Totalmente • Nunca utilizei recomendaçõesCite em qual rede social você foi recomendado:7 – Já foi contratado através de uma rede social? *
  58. 58. 58     • Não • Sim8- Mudou de emprego nos últimos 6 meses? * • Não • Sim9 – Mantém seu perfil atualizado na rede sempre que muda de trabalho, experiência profissional outem alterações no currículo? * • No Linkedin • Outro:A frequência: * • Não atualizo imediatamente • Atualizo assim que mudo alguma coisa • Raramente atualizo • Só quando vou indicar meu CV • Nunca atualizo10 – Conhece pessoalmente a maior parte dos seus contatos no Linkedin? * Caso utilize outra redesocial cite o nome no quadro abaixo, no entanto, responda uma das opções a seguir: • Apenas 10% da minha lista • Conheço aproximadamente 30% dos meus contatos • Sim, conheço mais de 70% de todos os meus contatos • Não conheço ninguém, apenas adicionei para promover meu primeiro contato • Até o momento não adicionei nenhum contatoUtilizo outras redes sociais, são elas:11 – Você recomenda seus amigos nas redes sociais para aumentar seu Networking? * • Não costumo recomendar • Sim, inclusive os que me solicitam uma recomendação • Só recomendo quem realmente trabalha ou trabalhou comigo
  59. 59. 59    12 – Conhece ou ouviu falar sobre alguém que conseguiu emprego através do Networking nas redessociais? * • 1 pessoa • 2 pessoas • 3 a 5 pessoas • Mais de 10 pessoas • Não conheço ninguém13 – Indicaria para seus amigos utilizarem as redes sociais para promoverem seu Networking? * • Não • Sim14 – A empresa onde você trabalha costuma verificar perfis profissionais em alguma das redessociais que você usa? * • Não • Sim • Não sei15 – Como você definiria o Networking nas redes sociais com as suas palavras? (Opcional) Procureser objetivo no seu texto.16 – Caso queira receber informações sobre a pesquisa, cadastre seu email: (Opcional) Tecnologia Google Docs

×