Apresentação Forum Científico Unicerp 2012

479 visualizações

Publicada em

Levantamento de Custos de Produção de Café: estudo de Caso.

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
479
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação Forum Científico Unicerp 2012

  1. 1. Centro Universitário do Cerrado Patrocínio - UNICERP-LEVANTAMENTO E ANÁLISE DE CUSTOS DE PRODUÇÃO DE CAFÉ: um estudo de caso da Fazenda Serrote Orientando: Willian dos Santos Machado Orientador: Prof. Me. José Geraldo F. Pereira Souza
  2. 2. INTRODUÇÃOREFERENCIAL TEÓRICOPROCEDIMENTOS METODOLÓGICOSE CARACTERIZAÇÃO DA PESQUISAFAZENDA SERROTEANÁLISE DOS RESULTADOSCONSIDERAÇÕES FINAIS
  3. 3. INTRODUÇÃOA agricultura cafeeira brasileira tornou-se umaatividade complexa, tanto do ponto de vistatécnico como econômico, como decorrência deuma tradicional atividade, por vantagenscomparativas ligadas à disponibilidade defatores (clima, solo), tecnologia e conhecimentoincorporado à produção e comercialização pararealizar uma boa venda e complementar arentabilidade do cafeicultor. (MATIELLO,pag.529, 2010).
  4. 4. Objetivos Específicos• Identificar e coletar dados referente ao custeio da lavoura;• Identificar e coletar dados de custeio de colheita e pós- colheita;• Identificar e aplicar as depreciações em equipamentos e benfeitorias utilizadas no empreendimento;• Elaborar uma planilha totalizando os custos fixos, variáveis da produção em razão de R$/há (Reais por hectare) e em R$/saca (Reais por saca (60 kg)).
  5. 5. REFERENCIAL TEÓRICO ASSUNTO AUTOR CONTRIBUIÇÃOContabilidade de Custos MARTINS, 2003 Conceitos BásicosContabilidade Rural MARION, 2010. Conceitos Básicos de CREPALDI, 2009. Agricultura e Cont. RuralContabilidade na SANTOS et al, 2010 Sistemas de custos,Agropecuária classificação de custosHistória do café ABIC, 2012. FREIRE, Origens, implantação e 2010. FREIRE et al, ciclo do café no Brasil. 2011. MATIELLO, 2010. Introdução e expansão SAES et al, 1997. do Café no Cerrado.
  6. 6. REFERENCIAL TEÓRICO ASSUNTO AUTOR CONTRIBUIÇÃOA importância REIS et al, 2001. Dados estatísticos, comoEconômica do Café PAGNANI apud produção por região e aatualmente MENDES; GUIMARÃES, importância econômica 2000. CONAB, 2011. para o Brasil OIC, 2011O Café do Cerrado ORTEGA, 2008. Características do ORTEGA E Cerrado e características JESUS, 2011. ORTEGA, da cafeicultura do 2008, PAG. 7 apud Cerrado. Ortega e Mouro, 2007.Bienalidade da ALMEIDA, 2010, apud Explanação daCafeicultura BEAUMONT, 1939; característica única da ROSA, 2007. cafeicultura
  7. 7. ASSUNTO AUTOR CONTRIBUIÇÃOCustos de produção ALMEIDA et al, 2010. LIMA Conceitos, aspectos e et al, 2008. RUFINO et al,de Café 2010. REIS et al, 2001. observações sobre os COSTA et al, 2009. custos de produção ALMEIDA et al, 2010 apud de café. MAHER, 2001; HORNGREN, DATAR E FOSTER, 2004; MARTINS, 2006. ALMEIDA et al, 2010, PAG. 6 apud MAHER, 2001; HORNGREN, DATAR E FOSTER, 2004; MARTINS, 2006. PAGNANI, 2007. FREIRE, 2010.Custos de produção CONAB 2010 apud Classificação dosde Café REIS, 2007. CONAB custos de produção 2010 apud de café. VASCONCELOS e GARCIA, 2004. CONAB, 2010 apud CASTRO et al, 2009
  8. 8. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOSE CARACTERIZAÇÃO DA PESQUISA
  9. 9. PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOSE CARACTERIZAÇÃO DA PESQUISA Observação não estruturada, participante, indivi dual e efetuada na vida real, também será feita coleta documental.
  10. 10. FAZENDA SERROTEHistorico Organizacional A Fazenda Serrote se encontra na região do Cerrado Mineiro, a 15 km do município de Guimarânia, Alto Paranaíba, Minas Gerais, é uma das 8 propriedades pertencentes aos irmãos Expedito Cosme Machado e João Batista Machado. Os sócios ainda não definiram a missão e visão das suas atividades, seus valores pautam na ética, sustentabilidade ambiental, honestidade, respeito, comprometimento e entrega de qualidade nos contratos com fornecedores e clientes, e nas relações com seus colaboradores.
  11. 11. Cenários – Micro Ambiente PONTOS FORTES Capital próprio; Variedades plantas precoces; Estrutura física moderna; Cultura irrigada por gotejo; Associado Expocaccer; Máquinas e implementos próprios.
  12. 12. Cenários – Micro Ambiente PONTOS FRACOS Não possuir um planejamento estratégico claro e documentado; Controle de custos superficial; Falta de profissionais qualificados em seu quadro; Nenhuma Certificação; Processamento natural e beneficiamento somente de Café Bica Corrida.
  13. 13. Cenários – Micro Ambiente OPORTUNIDADES Adoção de Certificações; Processamento via úmida; Introdução de agricultura de precisão; Beneficiamento através de peneiras (tamanhos) e seletora de defeitos.
  14. 14. Cenários – Micro Ambiente AMEAÇAS Aumento de insumos; Crises mundiais; Falta de mão de obra qualificada; Exigência de certificação no curto – médio prazo Inteperes naturais.
  15. 15. ANÁLISE DOS RESULTADOSNeste trabalho, a descrição dos custos foi norteadapelo conceito de custo operacional total (COT). Ocusto operacional total compõe-se de todos ositens de custo variáveis, que são as despesasefetuadas com mão-de-obra, operações demáquinas e equipamentos, insumo consumido aolongo do ano, parte de itens do custo fixorepresentados pela depreciação dos bens duráveisassociadas ao processo produtivo, pelos impostose pelo valor da mão-de-obra familiar (não foramconsiderados os juros de custeio e o custo deoportunidade).
  16. 16. ANÁLISE DOS RESULTADOSC.O.E. - Custo Operacional Efetivo O custo operacional efetivo pode ser definido como o custo de todos os recursos de produção que exigem desembolso por parte da empresa para sua recomposição. Corresponde apenas aos gastos efetivamente incorridos na condução da atividade, ou seja, apenas aos itens de custo considerados diretos (mão-de-obra, fertilizantes, defensivos, energia, combustível, manutenção, reparos, impostos e taxas, assistência técnica).
  17. 17. ANÁLISE DOS RESULTADOSC.O.E. - Custo Operacional Efetivo Valor R$/há R$/SC %Custo Operacional Efetivo - COE R$ - R$ -Mão de obra administrativa + fixa R$ 88.403,00 R$ 1.040,04 R$ 27,12 8%Mão de obra temporária R$ 28.325,00 R$ 333,24 R$ 8,69 3%Adubação Solo R$ 202.930,00 R$ 2.387,41 R$ 62,25 19%Adubação Foliar R$ 17.117,30 R$ 201,38 R$ 5,25 2%Controle de Pragas e Doenças R$ 74.330,00 R$ 874,47 R$ 22,80 7%Tratos Culturais R$ 9.435,00 R$ 111,00 R$ 2,89 1%Colheita R$ 250.000,00 R$ 2.941,18 R$ 76,69 23%Pós-Colheita R$ 153.885,00 R$ 1.810,41 R$ 47,20 14%Energia e Combústivel R$ 31.920,00 R$ 375,53 R$ 9,79 3%Impostos e Taxas R$ 2.000,00 R$ 23,53 R$ 0,61 0%Reparos de Benfeitorias e Máquinas R$ 33.450,00 R$ 393,53 R$ 10,26 3%Frete R$ 14.000,00 R$ 164,71 R$ 4,29 1%Outros Gastos R$ 10.000,00 R$ 117,65 R$ 3,07 1% R$ - R$ -Total COE R$ 915.795,30 R$ 10.774,06 R$ 280,92 85%
  18. 18. ANÁLISE DOS RESULTADOS C.O.T. - Custo Operacional TotalCusto Operacional Total – COT Valor R$/há R$/SC %Custo Operacional Efetivo R$ 915.795,30 R$ 10.774,06 R$ 280,92 85%Mao de Obra familiarDepreciação: R$ 100.250,00 R$ 1.179,41 R$ 30,75 9%Benfeitorias R$ 20.000,00 R$ 235,29 R$ 6,13 2%Máquinas R$ 20.000,00 R$ 235,29 R$ 6,13 2%Irrigação R$ 5.000,00 R$ 58,82 R$ 1,53 0%Outros R$ - R$ - 0%Lavoura R$ 55.250,00 R$ 650,00 R$ 16,95 5% R$ - R$ - 0Total COT R$ 1.016.045,30 R$ 11.953,47 R$ 311,67 94%
  19. 19. ANÁLISE DOS RESULTADOSC.T. - Custo Total O custo total nada mais é que a soma do C.O.T. com o valor da remuneração do capital imobilizado com a atividade.
  20. 20. ANÁLISE DOS RESULTADOS C.T. - Custo TotalCusto Total Valor R$/há R$/SC % R$ R$ R$Custo Operacional Total 1.016.045,30 11.953,47 311,67 94% R$ R$ R$Remuneração do Capital 60.000,00 705,88 18,40 6% R$ R$ R$Total do C. T 1.076.045,30 12.659,36 330,08 100%
  21. 21. ANÁLISE DOS RESULTADOSC.T. - Custo Total Custo de Produção de Café - Fazenda Serrote Depreciação:, 9% Mão de obra administrativa + fixa Frete, 1% Mão de obra temporária Mão de obra administrativa Outros Gastos, 1% Remuneração do + fixa, 8% Adubação Solo Capital, 6% Mão de obra Reparos de Adubação Foliar Benfeitorias e temporária, 3% Máquinas, 3% Controle de Pragas e Doenças Impostos e Tratos Culturais Taxas, 0% Adubação Solo, 19% Colheita Pós-Colheita, 14% Pós-Colheita Energia e Combústivel Impostos e Taxas Energia e Colheita, 23% Reparos de Benfeitorias e Máquinas Combústivel, 3% Frete Outros Gastos Tratos Depreciação: Culturais, 1% Controle de Remuneração do Capital Pragas e Adubação Foliar, 2% Doenças, 7%
  22. 22. ANÁLISE DOS RESULTADOSC.T. - Custo Total Para uma primeira coleta e apuração de custos, que resultou num C.T (Custo Total) de R$330,08 é um resultado bom em frente aos preços praticados hoje e também de acordo com a estimativa de custos elaborado pela CONAB, que mostra para a região um custo total médio de R$359,25 para safra 2012/2013
  23. 23. ANÁLISE DOS RESULTADOSC.T. - Custo Total De acordo com a tabela do C.O.E e que o preço por saca de 60 kg, médio em Agosto de 2012 foi de R$390,00, temos que Margem Bruta (COE) = ((3260 scs*390 – 915.795,30) / 915.795,30) * 100 Margem Bruta (COE) = 38,83% O que resulta num excelente resultado, observando que para nesse estudo não foram calculados custos de frete da fazenda para o armazenamento e nem as despesas com essa armazenagem.
  24. 24. AGRADECIMENTO AGRADEÇO A TODOS DEDICAREM SEU TEMPO E ESTAREM PRESENTES.

×