SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 37
Baixar para ler offline
Funções vetoriais
I) Funções vetoriais a valores reais:
I = intervalo da reta real denominada domínio da função
vetorial f = {conjunto de todos os valores possíveis de t,
para os quais todas as componentes estão definidas}.
(t))f(t),....,f(t),(f(t)ft n21=
→⊂
r
a
r n
RRI:f
para os quais todas as componentes estão definidas}.
Imagem f : conjunto de vetores
Cassi particular:
Exemplo 1: defina o domínio e a imagem da função vetorial a seguir:
(t))f(t),f(t),(f(t)ft 321
3
=
→⊂
r
a
r
RRI:f
)()()()( 321 fDomfDomfDomfDom II=
)1-tt),-ln(41),(sin(t(t)ft
3
++=
→⊂
r
a
r
RRI:f
)sin(t),-
t-4
1
1,((t)ft 2
3
+=
→⊂
t
RRI:f
r
a
r
Exemplo 2.- Defina o domínio e a imagem da função vetorial a
Seguir
Resposta: Dom(f)={...,[-4pi,-3pi],[-2pi,-pi],[0,pi]}.
Curva espacial: dada uma função vetorial
Tal que f1(t), f2(t),...fn(t) são funções reais continuas no domínio da
função vetorial f. Então o conjunto V de pontos do espaço R3
tais que
x1 = f1(t), x2 = f2(t),x3 = f3(t),......xn = fn(t)...............(*) ;
e t variando no domínio de f é chamado de curva espacial. As
equações (*) são denominadas equações paramétricas de V
(t))f(t),....,f(t),(f(t)ft n21=
→⊂
r
a
r n
RRI:f
Curvas no espaço tri-dimensional R3
Quando uma partícula se movimenta no espaço R3, ela descreve
uma curva r(t) denominada trajetória.
))(),(),(((t))r(t),r(t),(r(t)rt
],[
321
3
tztytx
RbaI:r
==
→=
a
Exemplo: seja a função vetorial definida no espaço R3
Esta função define uma curva no espaço R3, denominada
de helicóide.
)),sin(),cos(()( vttatatf =
r
usando Maple
> restart; #helicoide
> with(plots):
> a:=3: v:=2: # dados para ajustar a curva
> spacecurve( [a*cos(t), a*sin(t), v*t], t=0..5*Pi, axes=box,
labels=[x,y,z], thickness=2);
Uma curva plana é um conjunto r de pares ordenados
de reais ( f(t), g(t) ), em que f(t) e g(t) são funções
reais contínuas em um intervalo I.
Y
r =(x,y) curva no plano R2
x = f(t) equação
y = g(t) paramétrica
I
t
f
g
P
y
0 x X
y = g(t) paramétrica
Exemplo: a função vetorial
define uma curva plana denominada de ciclóide, v,r, w
são constantes.
))cos(),sin(()( wtrrwtrvttf −−=
r
> restart; #cicloide
> with(plots):
> v:=2:w:=1:R:=2:
> plot( [v*t-R*sin(w*t), R-R*cos(w*t), t=0..5*Pi],
scaling=constrained, thickness=2, color=blue,labels=[x,y]);
http://www.educ.fc.ul.pt/docentes/opombo/seminario/pasca_l/ci
cloide.htm
Funções vetoriais: representação gráfica
Importante: A parametrização define uma orientação na curva
Limite de funções vetoriais
Definição: Sejam uma função vetorial que define
uma curva no espaço R3, tal que
r(t)=(x(t),y(t),z(t)) = x(t) i+ y(t) j + z(t) k,
Logo, dizemos que r tem limite L a medida que t se
aproxima a to e escrevemos assim:
)(tr
r
Desde que os limites das funções componentes existam.
302010
3210
lz(t)lim,ly(t)lim,lx(t)lim
),l,l,(lLr(t)lim
===
==
→→→
→
tttttt
tt
εδ
δε
<−⇒<−<
∀>∃>∀
=→
|)(|||0
t0,0
,)(limO 0tt
Ltrtt
tal que
sesomenteexiste seLtr
o
rr
r
Definição formal :
Exemplo 1, Seja a função , demonstrar
que :
Exemplo 2 Seja a função ,
demonstra que :
Continuidade de funções vetoriais
),1()( 2
tttr +=
r
)0,1()(lim 0 ==→ Ltrt
rr
)1,,()( 2
+= tettr tr
)1,1,0()(lim 0 ==→ Ltrt
rr
Continuidade de funções vetoriais
Uma função vetorial r(t) será contínua em um ponto t=t0, do seu
domínio se
L,))(z),(y),((x)(rc)
existe)()
existeL(t)rlim)
0000
0
0
==
=→
tttt
trb
a tt
r
r
r
Exemplo 2. Verifique se a função vetorial abaixo é contínua
para .t= 0
Exemplo 1. Verifique se é contínua em
ktjtittr
rrrr
)cos()sin()( ++=
)(tr
r
4/π=t
Continuidade de funções vetoriais.
para .t= 0
Derivada de uma função vetorial
Definição: Seja uma função vetorial, ela é derivável ou
tem derivada, se as derivadas das componentes x(t),y(t),z(t)
estão bem definidas para todo t do domínio de
Interpretação geométrica da derivada de uma
),
dt
dz
,
dt
dy
,
dt
dx
(
(t)r-)(tr
lim)(')( 0
=
+
=== →∆
h
h
dt
rd
trtr t
rrr
r&r
)(tr
v
)(tr
v
Interpretação geométrica da derivada de uma
função vetorial.
Seja r(t) o vetor posição de uma partícula em
movimento no espaço R3 . A função é a
velocidade da partícula e é um vetor tangente à
trajetória espacial descrita pela partícula (para cada
instante do tempo t).
)(tr&r
L
P0
Z
P
V
Seja P=(x,y,z) ϵ L,
P0=(x0,y0,z0) ϵ L,
V é um vetor paralelo a L.
Exemplo 1: Determine a derivada da função vetorial
a) f(t) = (t2, cos(t),4 t)
b) f(t) = (2t-3sin(2t), 3-3cos(2t)) usando a definição
Equação vetorial de uma reta L
0 Y
X
V
ϵ
V é um vetor paralelo a L.
Logo:
Forma paramétrica da equação da reta L.
x= x0 + vx t
Y= yo + vy t
z= z0 + vz t , sendo v = (vx,vy,vz)
t}{: 0 VPPL +==
Regras de derivação
Seja u,v funções vetoriais de variável real t; a e b são
números reais, e f(t),g(t) são funções reais de variável real t.
,
)(
)()(
)()]()([
.3
,
)()]([
.2
,
)()()]()([
.1
tvd
tftv
tdftvtfd
dt
tud
a
dt
tuad
dt
tvd
dt
tud
dt
tvtud
+=
=
+=
+
r
r
r
rr
rrrr
vetorial
,
)()())](([
.6
,
)(
)()(
)()]()([
.5
,
)(
)()(
)()]()([
.4
,
)(
)()(
)()]()([
.3
produto
escalarproduto
dt
tdf
df
fud
dt
tfud
dt
tvd
tutv
dt
tud
dt
tvtud
dt
tvd
tutv
dt
tud
dt
tvtud
dt
tvd
tftv
dt
tdf
dt
tvtfd
→×
→
=
×+×=
×
+=
+=
o
rr
r
rr
rrr
r
o
rr
o
rr
o
r
r
Exercícios
Exercício 1.- Determine a velocidade v(t) e a aceleração a(t)
de uma partícula que descreva a seguinte curva (trajetória)
r(t)=(2t, 8-3t2,3t+4)m.
Exercício 2.- Seja uma partícula pontual que segue uma
trajetória dada pela curva, definida assim:
R, w, V são constantes. R =2,w = 1, v = R.w = 2.
2: RI→α
Rcos(wt)),-RRsin(wt),-(vtα(t)t:α =→
R, w, V são constantes. R =2,w = 1, v = R.w = 2.
a) Determine a posição, velocidade e aceleração no instante
t=0s, e t=3π/2.
b) Determine a equação da reta tangente a curva α no
instante t=3π/2.
Exercício 3.-Demonstre a propriedade 4 e 6 da regra de
derivação.
Integral de uma função vetorial
Seja f(t) =(x(t),y(t),z(t)) uma função vetorial, definição:
se as componentes de f são integráveis sobre I=[a,b],então
ktzjtyitxdttf
b
a
b
a
b
a
b
a
))(())(())(()( ∫∫∫ ∫ ++=
Ipartiçãodet
n
ab
tttrdttr i
ni
i
in
b
a
,,)(lim)(
1
∈
−
=∆∆= ∗
=
=
∗
∞→ ∑∫
rr
Exemplo: Calcular a integral da função
f(t)= ((cos(w t))2, t3+2t+1),
Comprimento de arco para curvas lisas
Quando uma partícula percorre uma determinada
Trajetória no espaço, ela descreve uma curva, o comprimento
desta curva entre dois instantes dado t0 e t1 se denomina
comprimento de arco
aaa a
Comprimento de arco 22
dydxdl +=
Definição: O comprimento “L” de uma curva lisa
r(t) = x(t) i + y(t) j + z(t) k, tal que t ϵ [a,b] é
dt
dt
dz
dt
dy
dt
dx
L
b
a
)()()( 222
∫ ++=
Comprimento de arco
Se
então a formula do comprimento de arco fica
),,()(')( zyx vvvtrtr
dt
rd
v ====
r&r
r
dttrdtvL
b
a
b
a
|)('||| ∫∫ ==
Exemplo: Determine o comprimento de arco
da ciclóide r(t)=(2t-2 sin(t), 2-2 cos(t)) entre t=0 e t= 2pi
0 2π t
aa
FUNÇÃO COMPRIMENTO DE ARCO
∫∫ ==
t
t
t
t
vdt
dt
rd
ts
00
dt||)(
s(t) é o comprimento da curva r(t) desde o instante t0 ate o
instante t. Sendo v o módulo da velocidade, ou chamada
também como velocidade escalar.
)(tv
dt
ds
=
também como velocidade escalar.
Usando um pouco de cálculo
Importante:
Como s=s(t) então
Logo : O comprimento de arco de uma curva arbitrária não
depende da parametrização.
dt
dt
ds
ds =
ds|||
)(
|
1
0
1
0
∫∫ ==
st
t
ds
rd
dt
dt
trd
L
“O comprimento de arco de uma curva entre dois pontos
é invariante pela re-parametrização”
Exercícios
1.- estude a continuidade da função vetorial
f(t)=(2t-2sin(t),2-2cos(t)) no ponto t=2π.f(t)=(2t-2sin(t),2-2cos(t)) no ponto t=2π.
2.- Determine o limite da função vetorial
f(t)=(2t3,4t2,3t+4) quando t se aproxima a t0=1.
3.-Do exercício anterior determine f´(t) para todo t ϵ R.
qual é o ângulo que forma o vetor f´(t) como o vetor f(t) no
instante t.
4.-Determine a função comprimento de arco s(t) para a
ciclóide do exercício 2.
TRAJETÓRIA DE UMA PARTÍCULA EM CAMPOS
ELÉTRICOS E MAGNÉTICOS
http://www.phy.ntnu.edu.tw/ntnujava/viewtopic.php?t=53
Movimento de uma partícula no espaço R3
Sabemos que 1T.T,
||
===
v
V
V
V
T
0. =T
dt
Td Analisemos a velocidade de uma partícula
dt
vTtV .)( = Derivando esta equação temos
ds
Td2
vTaa t += Definamos :
||
ds
Td
K =
Curvatura K
N
ds
Td
ds
Td
ds
Td
K
r
rr
|||,| ==
Sendo vetor unitárioN
r
0.temos0,T.T == T
ds
Td
de
rr
k
1
=ρ, considerando o radio de curvatura
Finalmente N
2
ρ
v
Taa t +=
ds
Logo deve ser ortogonal a , seu vetor unitário também
ds
Td
r
T
r
0. =NT
rr
Aceleração instantâneaa
dt
dv
aT = Aceleração tangencial
2
v Aceleração centrípeta ou radial
ρ
2
v
acpta =
Aceleração centrípeta ou radial
Sempre orientada á parte côncava
Da trajetória.
Suponhamos que : )(srr
r
= , definamos
ds
rd
r
=τ
),,(
ds
dz
ds
dy
ds
dx
=τ
1)()()(|| 222
=++=
ds
dz
ds
dy
ds
dx
τ
Logo τ
rr
≡T
rd 2 rr
rddTd
|
ds
rd
||)(||| 2
2
===
ds
rd
ds
d
ds
Td
K
2
2
2
2
2
2
2
2
2
)()()(
ds
zd
ds
yd
ds
xd
K ++=
Logo, em forma explicita
Triedro de Frenet-Serret
TNB ×= Vetor binormal
Exercícios
1.- Provar que
2.- Provar que
3.- Provar que
1|| =B
v
Va
V
Va
a T
.
||
.
==
3
||
v
aV
k
×
=
Exercícios.. Continua
4.- Em relação á ciclóide estudada no começo
a) Determine o vetor T, N,B para a ciclóide no instante
t=3pi/2.
b) Determine a aceleração tangencial e a aceleração
centrípeta para todo instante t. Particularize paracentrípeta para todo instante t. Particularize para
t=3pi/2
c) Determine a curvatura k(t) para todo instante de
Tempo.
c) Interprete seus resultados.
5.- demonstre que no casso de uma circunferência
de radio a, a curvatura K em qualquer ponto da
circunferência é sempre a mesma e é 1/a.
Exercícios.. Continua
6.- Seja uma partícula descrevendo uma helicóide
r(t)=(2cos(t), 2sen(t),2t) no espaço R3
a) Determine a velocidade e a aceleração instantânea
para todo instante t.
b) Determine o vetor unitário tangente T, para todo
instante t.instante t.
c) Determine a equação da reta tangente a helicóide no
Instante t=pi/4.
d) Determine a função comprimento de arco s(t) em
função do tempo t.
e) Determine a aceleração tangencial e a aceleração
centrípeta para todo instante t. Particularize para
t=pi/4.
Exercícios.. Continua
f).- Determine os vetores N e B para todo instante t.
http://www.atractor.pt/mat/curvtor/exemplo_3D_2.htm
http://www.atractor.pt/mat/curvtor/exemplo_3D_1.htm
http://demonstrations.wolfram.com/FrenetFrame/
Equação de um plano.
Seja um plano M imerso no espaço euclidiano R3 onde
n é um vetor perpendicular ao plano M, então
conhecendo um ponto Po=(xo,yo,zo) que pertence ao
plano P, podemos determinar a equação algébrica que
obedece todos os pontos (x,y,z) do plano M.obedece todos os pontos (x,y,z) do plano M.
Basicamente, ela disse que toda reta contida no plano
(ou todo vetor contido no plano), é perpendicular ao
vetor normal n.
dado n=(a,b,c)
0. =PPn o
(O produto escalar entre n e P0P é nulo)
Seja P=(x,y,z) um ponto arbitrario do plano M
Equação de um plano.
0=+++ dczbyax
Onde a constante d pode se achar avaliando a
equação em qualquer ponto que pertence ao plano.
r
n
C ΒΒΒΒ
Paralelismo entre rectas e planos
o vector director (da recta r) é perpendicular
ao vector (n) normal ao plano
n
A
José Maria
Plano_08
s
D
Perpendicularidade entre rectas e planos
o vector director da recta (s) é colinear
com o vector (n) normal ao plano
αααα
n
s
A
C
José Maria
Plano_09
αααα
n
Paralelismo entre dois planos
os vectores normais aos planos ( n e p )
são colineares
ββββ
αααα
p
José Maria
Plano_10
αααα
n
Paralelismo entre dois planos
os vectores normais aos planos ( n e p )
são colineares
ββββ
αααα
p
José Maria
Plano_10
Interseção de dois planos
n =(a ,b ,c )n1=(a1,b1,c1)
n2=(a2,b2,c2)
||||
.
)cos(
21
21
nn
nn
=θ
21211121. ccbbaann ++=
Exercícios.
Exercício 1.- Seja M um plano paralelo ao plano xy
localizada a uma distancia c da origem de coordenadas.
Determine a equação deste plano.
Exercício 2.-Encontre a distancia do ponto Q=(1,2,1)
ao plano M com equação x+y+z=6
Exercício 3.- Seja os planosExercício 3.- Seja os planos
M1 : 3x+2y+z+4=0, M2: z=0,
a) Determine o ângulo entre estes planos
b) Determine a equação da reta proveniente da
interseção dos dois planos.
http://www.educ.fc.ul.pt/icm/icm2001/icm23/geometriaeuclid
eana.htm
Site recomendado para entender melhor a geometria euclidiana

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Calculo vetorial
Calculo vetorialCalculo vetorial
Calculo vetorialtooonks
 
Matemática Financeira - Juros Simples
Matemática Financeira - Juros SimplesMatemática Financeira - Juros Simples
Matemática Financeira - Juros Simplesguest20a5fb
 
Progressão aritmética
Progressão aritméticaProgressão aritmética
Progressão aritméticaleilamaluf
 
Domínio, contradomínio e imagem de uma função
Domínio, contradomínio e imagem de uma funçãoDomínio, contradomínio e imagem de uma função
Domínio, contradomínio e imagem de uma funçãoDosvaldo Alves
 
Matemática - Exercícios Semelhança de Triângulos - Parte 2
Matemática - Exercícios Semelhança de Triângulos - Parte 2Matemática - Exercícios Semelhança de Triângulos - Parte 2
Matemática - Exercícios Semelhança de Triângulos - Parte 2Joana Figueredo
 
Resolver problemas concretas da vida real, aplicando propriedades das operaçõ...
Resolver problemas concretas da vida real, aplicando propriedades das operaçõ...Resolver problemas concretas da vida real, aplicando propriedades das operaçõ...
Resolver problemas concretas da vida real, aplicando propriedades das operaçõ...Paulo Mutolo
 
MATEMÁTICA - FUNÇÕES - AULA 2
MATEMÁTICA - FUNÇÕES - AULA 2MATEMÁTICA - FUNÇÕES - AULA 2
MATEMÁTICA - FUNÇÕES - AULA 2Alexander Mayer
 
Aula 5: Operador momento e energia e o princípio da incerteza
Aula 5: Operador momento e energia e o princípio da incertezaAula 5: Operador momento e energia e o princípio da incerteza
Aula 5: Operador momento e energia e o princípio da incertezaAdriano Silva
 
Funcoes de Varias Variaveis
Funcoes de Varias VariaveisFuncoes de Varias Variaveis
Funcoes de Varias Variaveisqualeoproblema
 
34 nucleo e imagem de uma transformacao linear
34 nucleo e imagem de uma transformacao linear34 nucleo e imagem de uma transformacao linear
34 nucleo e imagem de uma transformacao linearAndressa Leite Rodrigues
 
FunçOes Injetoras, Sobrejetoras E Sobrejetoras
FunçOes Injetoras, Sobrejetoras E SobrejetorasFunçOes Injetoras, Sobrejetoras E Sobrejetoras
FunçOes Injetoras, Sobrejetoras E Sobrejetorasandreabelchol
 
Lista 01 exercícios de função do 1º grau
Lista 01 exercícios de função do 1º grauLista 01 exercícios de função do 1º grau
Lista 01 exercícios de função do 1º grauManoel Silva
 

Mais procurados (20)

Calculo vetorial
Calculo vetorialCalculo vetorial
Calculo vetorial
 
Matemática Financeira - Juros Simples
Matemática Financeira - Juros SimplesMatemática Financeira - Juros Simples
Matemática Financeira - Juros Simples
 
Progressão aritmética
Progressão aritméticaProgressão aritmética
Progressão aritmética
 
Domínio, contradomínio e imagem de uma função
Domínio, contradomínio e imagem de uma funçãoDomínio, contradomínio e imagem de uma função
Domínio, contradomínio e imagem de uma função
 
FunçãO QuadráTica
FunçãO QuadráTicaFunçãO QuadráTica
FunçãO QuadráTica
 
Matemática - Exercícios Semelhança de Triângulos - Parte 2
Matemática - Exercícios Semelhança de Triângulos - Parte 2Matemática - Exercícios Semelhança de Triângulos - Parte 2
Matemática - Exercícios Semelhança de Triângulos - Parte 2
 
Potenciação
PotenciaçãoPotenciação
Potenciação
 
Geometria Analítica I (AP 01)
Geometria Analítica I (AP 01)Geometria Analítica I (AP 01)
Geometria Analítica I (AP 01)
 
Aula 09 Medidas de Tendencia Central de Dados Agrupados
Aula 09   Medidas de Tendencia Central de Dados AgrupadosAula 09   Medidas de Tendencia Central de Dados Agrupados
Aula 09 Medidas de Tendencia Central de Dados Agrupados
 
Determinantes 2º ano
Determinantes 2º anoDeterminantes 2º ano
Determinantes 2º ano
 
Ponto MáXimo E Ponto MíNimo
Ponto MáXimo E Ponto MíNimoPonto MáXimo E Ponto MíNimo
Ponto MáXimo E Ponto MíNimo
 
Resolver problemas concretas da vida real, aplicando propriedades das operaçõ...
Resolver problemas concretas da vida real, aplicando propriedades das operaçõ...Resolver problemas concretas da vida real, aplicando propriedades das operaçõ...
Resolver problemas concretas da vida real, aplicando propriedades das operaçõ...
 
MATEMÁTICA - FUNÇÕES - AULA 2
MATEMÁTICA - FUNÇÕES - AULA 2MATEMÁTICA - FUNÇÕES - AULA 2
MATEMÁTICA - FUNÇÕES - AULA 2
 
Aula 5: Operador momento e energia e o princípio da incerteza
Aula 5: Operador momento e energia e o princípio da incertezaAula 5: Operador momento e energia e o princípio da incerteza
Aula 5: Operador momento e energia e o princípio da incerteza
 
Funcoes de Varias Variaveis
Funcoes de Varias VariaveisFuncoes de Varias Variaveis
Funcoes de Varias Variaveis
 
34 nucleo e imagem de uma transformacao linear
34 nucleo e imagem de uma transformacao linear34 nucleo e imagem de uma transformacao linear
34 nucleo e imagem de uma transformacao linear
 
FunçOes Injetoras, Sobrejetoras E Sobrejetoras
FunçOes Injetoras, Sobrejetoras E SobrejetorasFunçOes Injetoras, Sobrejetoras E Sobrejetoras
FunçOes Injetoras, Sobrejetoras E Sobrejetoras
 
formulas de fisica
formulas de fisicaformulas de fisica
formulas de fisica
 
Variável aleatória1
Variável  aleatória1Variável  aleatória1
Variável aleatória1
 
Lista 01 exercícios de função do 1º grau
Lista 01 exercícios de função do 1º grauLista 01 exercícios de função do 1º grau
Lista 01 exercícios de função do 1º grau
 

Semelhante a Funcoesvetorias

13.2 derivadas e integrais de funções vetoriais (1)
13.2 derivadas e integrais de funções vetoriais (1)13.2 derivadas e integrais de funções vetoriais (1)
13.2 derivadas e integrais de funções vetoriais (1)pricilasantos2015
 
Cesgranrio petrobras engenheiro petroleo 2018
Cesgranrio petrobras engenheiro petroleo 2018Cesgranrio petrobras engenheiro petroleo 2018
Cesgranrio petrobras engenheiro petroleo 2018Arthur Lima
 
Cammpos vetoriais disciplinas calculo_iii_lista04_calculo3
Cammpos vetoriais  disciplinas calculo_iii_lista04_calculo3Cammpos vetoriais  disciplinas calculo_iii_lista04_calculo3
Cammpos vetoriais disciplinas calculo_iii_lista04_calculo3Bowman Guimaraes
 
Cammpos vetoriais disciplinas calculo_iii_lista04_calculo3
Cammpos vetoriais  disciplinas calculo_iii_lista04_calculo3Cammpos vetoriais  disciplinas calculo_iii_lista04_calculo3
Cammpos vetoriais disciplinas calculo_iii_lista04_calculo3Bowman Guimaraes
 
20. Cálculo Vetorial (Portugués) Autor Universidade Federal do Rio Grande do ...
20. Cálculo Vetorial (Portugués) Autor Universidade Federal do Rio Grande do ...20. Cálculo Vetorial (Portugués) Autor Universidade Federal do Rio Grande do ...
20. Cálculo Vetorial (Portugués) Autor Universidade Federal do Rio Grande do ...OSCONEYRALEIBNIZ
 
Algebra Linear cap 08
Algebra Linear cap  08Algebra Linear cap  08
Algebra Linear cap 08Andrei Bastos
 
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 6
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 6Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 6
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 6Bowman Guimaraes
 
Exercitandoaula6
Exercitandoaula6Exercitandoaula6
Exercitandoaula6AlexGrift
 
Trabalho de matematica_as_funções_trigonométricas_verdadeira[1]
Trabalho de matematica_as_funções_trigonométricas_verdadeira[1]Trabalho de matematica_as_funções_trigonométricas_verdadeira[1]
Trabalho de matematica_as_funções_trigonométricas_verdadeira[1]Lucas Albano Anibal Khanbanca
 
ficha-de trabalho derivadas parciais3.pdf
ficha-de trabalho derivadas parciais3.pdfficha-de trabalho derivadas parciais3.pdf
ficha-de trabalho derivadas parciais3.pdfAlexandra Oliveira, MBA
 
Material sobre a Derivada
Material sobre a DerivadaMaterial sobre a Derivada
Material sobre a DerivadaEinstein Rafael
 
Trigonometria Seno e Cosseno
Trigonometria Seno e CossenoTrigonometria Seno e Cosseno
Trigonometria Seno e Cossenogustavocosta77
 

Semelhante a Funcoesvetorias (20)

05a-integrais de linha
05a-integrais de linha05a-integrais de linha
05a-integrais de linha
 
05 int linha
05 int linha05 int linha
05 int linha
 
Cálculo vetorial
Cálculo vetorialCálculo vetorial
Cálculo vetorial
 
13.2 derivadas e integrais de funções vetoriais (1)
13.2 derivadas e integrais de funções vetoriais (1)13.2 derivadas e integrais de funções vetoriais (1)
13.2 derivadas e integrais de funções vetoriais (1)
 
Cesgranrio petrobras engenheiro petroleo 2018
Cesgranrio petrobras engenheiro petroleo 2018Cesgranrio petrobras engenheiro petroleo 2018
Cesgranrio petrobras engenheiro petroleo 2018
 
Cammpos vetoriais disciplinas calculo_iii_lista04_calculo3
Cammpos vetoriais  disciplinas calculo_iii_lista04_calculo3Cammpos vetoriais  disciplinas calculo_iii_lista04_calculo3
Cammpos vetoriais disciplinas calculo_iii_lista04_calculo3
 
Cammpos vetoriais disciplinas calculo_iii_lista04_calculo3
Cammpos vetoriais  disciplinas calculo_iii_lista04_calculo3Cammpos vetoriais  disciplinas calculo_iii_lista04_calculo3
Cammpos vetoriais disciplinas calculo_iii_lista04_calculo3
 
Capitulo4 tl06
Capitulo4 tl06Capitulo4 tl06
Capitulo4 tl06
 
20. Cálculo Vetorial (Portugués) Autor Universidade Federal do Rio Grande do ...
20. Cálculo Vetorial (Portugués) Autor Universidade Federal do Rio Grande do ...20. Cálculo Vetorial (Portugués) Autor Universidade Federal do Rio Grande do ...
20. Cálculo Vetorial (Portugués) Autor Universidade Federal do Rio Grande do ...
 
Algebra Linear cap 08
Algebra Linear cap  08Algebra Linear cap  08
Algebra Linear cap 08
 
1939 d (2)
1939 d (2)1939 d (2)
1939 d (2)
 
Integral de linha
Integral de linhaIntegral de linha
Integral de linha
 
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 6
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 6Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 6
Www.uff.br gma informacoes disciplinas_calc 03 -a- 2012-2_lista 6
 
Exercitandoaula6
Exercitandoaula6Exercitandoaula6
Exercitandoaula6
 
2.+mdf
2.+mdf2.+mdf
2.+mdf
 
Trabalho de matematica_as_funções_trigonométricas_verdadeira[1]
Trabalho de matematica_as_funções_trigonométricas_verdadeira[1]Trabalho de matematica_as_funções_trigonométricas_verdadeira[1]
Trabalho de matematica_as_funções_trigonométricas_verdadeira[1]
 
Ppgf ufpa --prova_2011-01
Ppgf ufpa --prova_2011-01Ppgf ufpa --prova_2011-01
Ppgf ufpa --prova_2011-01
 
ficha-de trabalho derivadas parciais3.pdf
ficha-de trabalho derivadas parciais3.pdfficha-de trabalho derivadas parciais3.pdf
ficha-de trabalho derivadas parciais3.pdf
 
Material sobre a Derivada
Material sobre a DerivadaMaterial sobre a Derivada
Material sobre a Derivada
 
Trigonometria Seno e Cosseno
Trigonometria Seno e CossenoTrigonometria Seno e Cosseno
Trigonometria Seno e Cosseno
 

Último

Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréGuilhermeLucio9
 
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaGuilhermeLucio9
 
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção IndividualTreinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individualpablocastilho3
 
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboralA Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboralFranciscaArrudadaSil
 
Estatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalEstatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalleandroladesenvolvim
 
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdfLivro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdfSamuel Ramos
 
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraGuilhermeLucio9
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAMCassio Rodrigo
 

Último (8)

Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
 
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
 
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção IndividualTreinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
 
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboralA Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
 
Estatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalEstatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animal
 
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdfLivro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
 
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
 

Funcoesvetorias

  • 1. Funções vetoriais I) Funções vetoriais a valores reais: I = intervalo da reta real denominada domínio da função vetorial f = {conjunto de todos os valores possíveis de t, para os quais todas as componentes estão definidas}. (t))f(t),....,f(t),(f(t)ft n21= →⊂ r a r n RRI:f para os quais todas as componentes estão definidas}. Imagem f : conjunto de vetores Cassi particular: Exemplo 1: defina o domínio e a imagem da função vetorial a seguir: (t))f(t),f(t),(f(t)ft 321 3 = →⊂ r a r RRI:f )()()()( 321 fDomfDomfDomfDom II= )1-tt),-ln(41),(sin(t(t)ft 3 ++= →⊂ r a r RRI:f
  • 2. )sin(t),- t-4 1 1,((t)ft 2 3 += →⊂ t RRI:f r a r Exemplo 2.- Defina o domínio e a imagem da função vetorial a Seguir Resposta: Dom(f)={...,[-4pi,-3pi],[-2pi,-pi],[0,pi]}. Curva espacial: dada uma função vetorial Tal que f1(t), f2(t),...fn(t) são funções reais continuas no domínio da função vetorial f. Então o conjunto V de pontos do espaço R3 tais que x1 = f1(t), x2 = f2(t),x3 = f3(t),......xn = fn(t)...............(*) ; e t variando no domínio de f é chamado de curva espacial. As equações (*) são denominadas equações paramétricas de V (t))f(t),....,f(t),(f(t)ft n21= →⊂ r a r n RRI:f
  • 3. Curvas no espaço tri-dimensional R3 Quando uma partícula se movimenta no espaço R3, ela descreve uma curva r(t) denominada trajetória. ))(),(),(((t))r(t),r(t),(r(t)rt ],[ 321 3 tztytx RbaI:r == →= a Exemplo: seja a função vetorial definida no espaço R3 Esta função define uma curva no espaço R3, denominada de helicóide. )),sin(),cos(()( vttatatf = r
  • 4. usando Maple > restart; #helicoide > with(plots): > a:=3: v:=2: # dados para ajustar a curva > spacecurve( [a*cos(t), a*sin(t), v*t], t=0..5*Pi, axes=box, labels=[x,y,z], thickness=2);
  • 5. Uma curva plana é um conjunto r de pares ordenados de reais ( f(t), g(t) ), em que f(t) e g(t) são funções reais contínuas em um intervalo I. Y r =(x,y) curva no plano R2 x = f(t) equação y = g(t) paramétrica I t f g P y 0 x X y = g(t) paramétrica Exemplo: a função vetorial define uma curva plana denominada de ciclóide, v,r, w são constantes. ))cos(),sin(()( wtrrwtrvttf −−= r
  • 6. > restart; #cicloide > with(plots): > v:=2:w:=1:R:=2: > plot( [v*t-R*sin(w*t), R-R*cos(w*t), t=0..5*Pi], scaling=constrained, thickness=2, color=blue,labels=[x,y]); http://www.educ.fc.ul.pt/docentes/opombo/seminario/pasca_l/ci cloide.htm
  • 7. Funções vetoriais: representação gráfica Importante: A parametrização define uma orientação na curva
  • 8. Limite de funções vetoriais Definição: Sejam uma função vetorial que define uma curva no espaço R3, tal que r(t)=(x(t),y(t),z(t)) = x(t) i+ y(t) j + z(t) k, Logo, dizemos que r tem limite L a medida que t se aproxima a to e escrevemos assim: )(tr r Desde que os limites das funções componentes existam. 302010 3210 lz(t)lim,ly(t)lim,lx(t)lim ),l,l,(lLr(t)lim === == →→→ → tttttt tt εδ δε <−⇒<−< ∀>∃>∀ =→ |)(|||0 t0,0 ,)(limO 0tt Ltrtt tal que sesomenteexiste seLtr o rr r Definição formal :
  • 9. Exemplo 1, Seja a função , demonstrar que : Exemplo 2 Seja a função , demonstra que : Continuidade de funções vetoriais ),1()( 2 tttr += r )0,1()(lim 0 ==→ Ltrt rr )1,,()( 2 += tettr tr )1,1,0()(lim 0 ==→ Ltrt rr Continuidade de funções vetoriais Uma função vetorial r(t) será contínua em um ponto t=t0, do seu domínio se L,))(z),(y),((x)(rc) existe)() existeL(t)rlim) 0000 0 0 == =→ tttt trb a tt r r r
  • 10. Exemplo 2. Verifique se a função vetorial abaixo é contínua para .t= 0 Exemplo 1. Verifique se é contínua em ktjtittr rrrr )cos()sin()( ++= )(tr r 4/π=t Continuidade de funções vetoriais. para .t= 0
  • 11. Derivada de uma função vetorial Definição: Seja uma função vetorial, ela é derivável ou tem derivada, se as derivadas das componentes x(t),y(t),z(t) estão bem definidas para todo t do domínio de Interpretação geométrica da derivada de uma ), dt dz , dt dy , dt dx ( (t)r-)(tr lim)(')( 0 = + === →∆ h h dt rd trtr t rrr r&r )(tr v )(tr v Interpretação geométrica da derivada de uma função vetorial. Seja r(t) o vetor posição de uma partícula em movimento no espaço R3 . A função é a velocidade da partícula e é um vetor tangente à trajetória espacial descrita pela partícula (para cada instante do tempo t). )(tr&r
  • 12. L P0 Z P V Seja P=(x,y,z) ϵ L, P0=(x0,y0,z0) ϵ L, V é um vetor paralelo a L. Exemplo 1: Determine a derivada da função vetorial a) f(t) = (t2, cos(t),4 t) b) f(t) = (2t-3sin(2t), 3-3cos(2t)) usando a definição Equação vetorial de uma reta L 0 Y X V ϵ V é um vetor paralelo a L. Logo: Forma paramétrica da equação da reta L. x= x0 + vx t Y= yo + vy t z= z0 + vz t , sendo v = (vx,vy,vz) t}{: 0 VPPL +==
  • 13. Regras de derivação Seja u,v funções vetoriais de variável real t; a e b são números reais, e f(t),g(t) são funções reais de variável real t. , )( )()( )()]()([ .3 , )()]([ .2 , )()()]()([ .1 tvd tftv tdftvtfd dt tud a dt tuad dt tvd dt tud dt tvtud += = += + r r r rr rrrr vetorial , )()())](([ .6 , )( )()( )()]()([ .5 , )( )()( )()]()([ .4 , )( )()( )()]()([ .3 produto escalarproduto dt tdf df fud dt tfud dt tvd tutv dt tud dt tvtud dt tvd tutv dt tud dt tvtud dt tvd tftv dt tdf dt tvtfd →× → = ×+×= × += += o rr r rr rrr r o rr o rr o r r
  • 14. Exercícios Exercício 1.- Determine a velocidade v(t) e a aceleração a(t) de uma partícula que descreva a seguinte curva (trajetória) r(t)=(2t, 8-3t2,3t+4)m. Exercício 2.- Seja uma partícula pontual que segue uma trajetória dada pela curva, definida assim: R, w, V são constantes. R =2,w = 1, v = R.w = 2. 2: RI→α Rcos(wt)),-RRsin(wt),-(vtα(t)t:α =→ R, w, V são constantes. R =2,w = 1, v = R.w = 2. a) Determine a posição, velocidade e aceleração no instante t=0s, e t=3π/2. b) Determine a equação da reta tangente a curva α no instante t=3π/2. Exercício 3.-Demonstre a propriedade 4 e 6 da regra de derivação.
  • 15. Integral de uma função vetorial Seja f(t) =(x(t),y(t),z(t)) uma função vetorial, definição: se as componentes de f são integráveis sobre I=[a,b],então ktzjtyitxdttf b a b a b a b a ))(())(())(()( ∫∫∫ ∫ ++= Ipartiçãodet n ab tttrdttr i ni i in b a ,,)(lim)( 1 ∈ − =∆∆= ∗ = = ∗ ∞→ ∑∫ rr Exemplo: Calcular a integral da função f(t)= ((cos(w t))2, t3+2t+1), Comprimento de arco para curvas lisas Quando uma partícula percorre uma determinada Trajetória no espaço, ela descreve uma curva, o comprimento desta curva entre dois instantes dado t0 e t1 se denomina comprimento de arco aaa a
  • 16. Comprimento de arco 22 dydxdl += Definição: O comprimento “L” de uma curva lisa r(t) = x(t) i + y(t) j + z(t) k, tal que t ϵ [a,b] é dt dt dz dt dy dt dx L b a )()()( 222 ∫ ++=
  • 17. Comprimento de arco Se então a formula do comprimento de arco fica ),,()(')( zyx vvvtrtr dt rd v ==== r&r r dttrdtvL b a b a |)('||| ∫∫ == Exemplo: Determine o comprimento de arco da ciclóide r(t)=(2t-2 sin(t), 2-2 cos(t)) entre t=0 e t= 2pi 0 2π t aa
  • 18. FUNÇÃO COMPRIMENTO DE ARCO ∫∫ == t t t t vdt dt rd ts 00 dt||)( s(t) é o comprimento da curva r(t) desde o instante t0 ate o instante t. Sendo v o módulo da velocidade, ou chamada também como velocidade escalar. )(tv dt ds = também como velocidade escalar. Usando um pouco de cálculo Importante: Como s=s(t) então Logo : O comprimento de arco de uma curva arbitrária não depende da parametrização. dt dt ds ds =
  • 19. ds||| )( | 1 0 1 0 ∫∫ == st t ds rd dt dt trd L “O comprimento de arco de uma curva entre dois pontos é invariante pela re-parametrização” Exercícios 1.- estude a continuidade da função vetorial f(t)=(2t-2sin(t),2-2cos(t)) no ponto t=2π.f(t)=(2t-2sin(t),2-2cos(t)) no ponto t=2π. 2.- Determine o limite da função vetorial f(t)=(2t3,4t2,3t+4) quando t se aproxima a t0=1. 3.-Do exercício anterior determine f´(t) para todo t ϵ R. qual é o ângulo que forma o vetor f´(t) como o vetor f(t) no instante t. 4.-Determine a função comprimento de arco s(t) para a ciclóide do exercício 2.
  • 20. TRAJETÓRIA DE UMA PARTÍCULA EM CAMPOS ELÉTRICOS E MAGNÉTICOS http://www.phy.ntnu.edu.tw/ntnujava/viewtopic.php?t=53
  • 21. Movimento de uma partícula no espaço R3 Sabemos que 1T.T, || === v V V V T 0. =T dt Td Analisemos a velocidade de uma partícula dt vTtV .)( = Derivando esta equação temos ds Td2 vTaa t += Definamos : || ds Td K =
  • 22. Curvatura K N ds Td ds Td ds Td K r rr |||,| == Sendo vetor unitárioN r 0.temos0,T.T == T ds Td de rr k 1 =ρ, considerando o radio de curvatura Finalmente N 2 ρ v Taa t += ds Logo deve ser ortogonal a , seu vetor unitário também ds Td r T r 0. =NT rr
  • 23. Aceleração instantâneaa dt dv aT = Aceleração tangencial 2 v Aceleração centrípeta ou radial ρ 2 v acpta = Aceleração centrípeta ou radial Sempre orientada á parte côncava Da trajetória. Suponhamos que : )(srr r = , definamos ds rd r =τ ),,( ds dz ds dy ds dx =τ
  • 24. 1)()()(|| 222 =++= ds dz ds dy ds dx τ Logo τ rr ≡T rd 2 rr rddTd | ds rd ||)(||| 2 2 === ds rd ds d ds Td K 2 2 2 2 2 2 2 2 2 )()()( ds zd ds yd ds xd K ++= Logo, em forma explicita
  • 25. Triedro de Frenet-Serret TNB ×= Vetor binormal Exercícios 1.- Provar que 2.- Provar que 3.- Provar que 1|| =B v Va V Va a T . || . == 3 || v aV k × =
  • 26. Exercícios.. Continua 4.- Em relação á ciclóide estudada no começo a) Determine o vetor T, N,B para a ciclóide no instante t=3pi/2. b) Determine a aceleração tangencial e a aceleração centrípeta para todo instante t. Particularize paracentrípeta para todo instante t. Particularize para t=3pi/2 c) Determine a curvatura k(t) para todo instante de Tempo. c) Interprete seus resultados. 5.- demonstre que no casso de uma circunferência de radio a, a curvatura K em qualquer ponto da circunferência é sempre a mesma e é 1/a.
  • 27. Exercícios.. Continua 6.- Seja uma partícula descrevendo uma helicóide r(t)=(2cos(t), 2sen(t),2t) no espaço R3 a) Determine a velocidade e a aceleração instantânea para todo instante t. b) Determine o vetor unitário tangente T, para todo instante t.instante t. c) Determine a equação da reta tangente a helicóide no Instante t=pi/4. d) Determine a função comprimento de arco s(t) em função do tempo t. e) Determine a aceleração tangencial e a aceleração centrípeta para todo instante t. Particularize para t=pi/4.
  • 28. Exercícios.. Continua f).- Determine os vetores N e B para todo instante t. http://www.atractor.pt/mat/curvtor/exemplo_3D_2.htm http://www.atractor.pt/mat/curvtor/exemplo_3D_1.htm http://demonstrations.wolfram.com/FrenetFrame/
  • 29. Equação de um plano. Seja um plano M imerso no espaço euclidiano R3 onde n é um vetor perpendicular ao plano M, então conhecendo um ponto Po=(xo,yo,zo) que pertence ao plano P, podemos determinar a equação algébrica que obedece todos os pontos (x,y,z) do plano M.obedece todos os pontos (x,y,z) do plano M. Basicamente, ela disse que toda reta contida no plano (ou todo vetor contido no plano), é perpendicular ao vetor normal n. dado n=(a,b,c) 0. =PPn o (O produto escalar entre n e P0P é nulo) Seja P=(x,y,z) um ponto arbitrario do plano M
  • 30. Equação de um plano. 0=+++ dczbyax Onde a constante d pode se achar avaliando a equação em qualquer ponto que pertence ao plano.
  • 31.
  • 32. r n C ΒΒΒΒ Paralelismo entre rectas e planos o vector director (da recta r) é perpendicular ao vector (n) normal ao plano n A José Maria Plano_08
  • 33. s D Perpendicularidade entre rectas e planos o vector director da recta (s) é colinear com o vector (n) normal ao plano αααα n s A C José Maria Plano_09
  • 34. αααα n Paralelismo entre dois planos os vectores normais aos planos ( n e p ) são colineares ββββ αααα p José Maria Plano_10
  • 35. αααα n Paralelismo entre dois planos os vectores normais aos planos ( n e p ) são colineares ββββ αααα p José Maria Plano_10
  • 36. Interseção de dois planos n =(a ,b ,c )n1=(a1,b1,c1) n2=(a2,b2,c2) |||| . )cos( 21 21 nn nn =θ 21211121. ccbbaann ++=
  • 37. Exercícios. Exercício 1.- Seja M um plano paralelo ao plano xy localizada a uma distancia c da origem de coordenadas. Determine a equação deste plano. Exercício 2.-Encontre a distancia do ponto Q=(1,2,1) ao plano M com equação x+y+z=6 Exercício 3.- Seja os planosExercício 3.- Seja os planos M1 : 3x+2y+z+4=0, M2: z=0, a) Determine o ângulo entre estes planos b) Determine a equação da reta proveniente da interseção dos dois planos. http://www.educ.fc.ul.pt/icm/icm2001/icm23/geometriaeuclid eana.htm Site recomendado para entender melhor a geometria euclidiana