Residencial alexandre mackenzie

828 visualizações

Publicada em

Deise Maria Dias
Julia Casagrande
Leandro Vicente
Ricardo Ferreira
Vanderlei Duque
Wander de Jesus

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
828
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
293
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Residencial alexandre mackenzie

  1. 1. Residencial Alexandre Mackenzie Boldarini Arquiterura Projeto Arquitetonico – Habitação Coletiva Deise Maria Dias - C23020-0 Julia Casagrande - C299BE-0 Leandro Vicente - C06654-0 Ricardo Ferreira - A35cbg-1 Vanderlei Duque - C15FHI-5 Wander de Jesus - C061EE-0
  2. 2. Ficha técnica - Local: São Paulo, SP - Inicio do projeto: 2008 - Conclusão: 2009 - Área do terreno: 20.670 m² - Área construída: 32.722,08 m² - Arquitetura: Boldarini Arquitetura e Urbanismo, Marcos Boldarini e Sérgio Faraulo (autores); Simone Ikeda, Daniel Souza Lima e Marina Malagolini (colaboradores). - Paisagismo: Boldarini Arquitetura e Urbanismo, Marcos Boldarini, Melissa Matsunaga e Simone Ikeda (autores). - Estrutura e fundações: Somatec - Elétrica e hidráulica: Laranjeira - Cliente: Prefeitura de São Paulo/ Secretaria Municipal de Habitação - Construção: Schahin
  3. 3. INTRODUÇÃO O residencial Alexandre Mackenzie faz parte faz parte de ações municipais de urbanização e reassentamento das familias da favela Nova Jaguaré. O projeto é constituido por um conjunto de 13 blocos de apartamentos e 12 blocos de casas sobrepostas, com unidades de 48m². Os blocos de apartamentos possuem 4 pavimentos mais o térreo e o solário no 5° andar. Já as casas sobrepostas possuem 2 pavimentos mais o térreo. O projeto foi desenvolvido em um lote praticamente plano.
  4. 4. Inserção Urbana
  5. 5. Volumetria
  6. 6. A implantação dos blocos são feitas na transversal e longitudinal, variando a geometria entre eles e aproveitando bem o espaço. O arquiteto diz que essa solução evita espaços confinados, ocupando os vazios com playgrounds e equipamentos de uso comunitário, além de elementos desenhados para uso dos dos moradores, adultos ou crianças. Função
  7. 7. O acesso aos condomínios é apenas para pedestres, não há entrada para automóveis. Os estacionamentos ficam na parte externa de ambos os condomínios.
  8. 8. Os apartamentos e as casas sobrepostas tem circulação vertical por meio de escadas, e a circulação horizontal é feita por meio de varandas externas compostas de lajes em balanço que também desempenham a função de beiral, assim protegendo as aberturas.
  9. 9. Um espaço raro em projetos do gênero é o solário/pergolado existente na cobertura de cada um dos blocos onde foram dispostos os reservatórios individuais de água e caixa-d’água para combate a incêndio.
  10. 10. As unidades localizadas no térreo, possuem desenho adequado para pessoas com dificuldades de mobilidade e contam com equipamentos especiais, como barras de apoio no banheiro e portas mais largas.
  11. 11. As casas sobrepostas seguem os mesmos padrões dos apartamentos, circulação externa horizontal e circulação vertical por escadas.
  12. 12. Sistema Construtivo O sistema utilizado neste projeto foi a alvenaria estrutural. A alvenaria foi realizada em blocos de concreto de 14 cm de largura, lajes pré-moldadas de 12 cm de espessura e dispositivos em estruturas metálicas, destinadas à conformação da circulação vertical – escadas para as casas sobrepostas – e demais elementos como pergolado, guarda-corpo, corrimão e gradis de fechamento.
  13. 13. Fontes Consultadas http://arcoweb.com.br/ http://www.oterprem.com.br https://www.google.com.br/maps

×