O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Residencial alexandre mackenzie

941 visualizações

Publicada em

Deise Maria Dias
Julia Casagrande
Leandro Vicente
Ricardo Ferreira
Vanderlei Duque
Wander de Jesus

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Residencial alexandre mackenzie

  1. 1. Residencial Alexandre Mackenzie Boldarini Arquiterura Projeto Arquitetonico – Habitação Coletiva Deise Maria Dias - C23020-0 Julia Casagrande - C299BE-0 Leandro Vicente - C06654-0 Ricardo Ferreira - A35cbg-1 Vanderlei Duque - C15FHI-5 Wander de Jesus - C061EE-0
  2. 2. Ficha técnica - Local: São Paulo, SP - Inicio do projeto: 2008 - Conclusão: 2009 - Área do terreno: 20.670 m² - Área construída: 32.722,08 m² - Arquitetura: Boldarini Arquitetura e Urbanismo, Marcos Boldarini e Sérgio Faraulo (autores); Simone Ikeda, Daniel Souza Lima e Marina Malagolini (colaboradores). - Paisagismo: Boldarini Arquitetura e Urbanismo, Marcos Boldarini, Melissa Matsunaga e Simone Ikeda (autores). - Estrutura e fundações: Somatec - Elétrica e hidráulica: Laranjeira - Cliente: Prefeitura de São Paulo/ Secretaria Municipal de Habitação - Construção: Schahin
  3. 3. INTRODUÇÃO O residencial Alexandre Mackenzie faz parte faz parte de ações municipais de urbanização e reassentamento das familias da favela Nova Jaguaré. O projeto é constituido por um conjunto de 13 blocos de apartamentos e 12 blocos de casas sobrepostas, com unidades de 48m². Os blocos de apartamentos possuem 4 pavimentos mais o térreo e o solário no 5° andar. Já as casas sobrepostas possuem 2 pavimentos mais o térreo. O projeto foi desenvolvido em um lote praticamente plano.
  4. 4. Inserção Urbana
  5. 5. Volumetria
  6. 6. A implantação dos blocos são feitas na transversal e longitudinal, variando a geometria entre eles e aproveitando bem o espaço. O arquiteto diz que essa solução evita espaços confinados, ocupando os vazios com playgrounds e equipamentos de uso comunitário, além de elementos desenhados para uso dos dos moradores, adultos ou crianças. Função
  7. 7. O acesso aos condomínios é apenas para pedestres, não há entrada para automóveis. Os estacionamentos ficam na parte externa de ambos os condomínios.
  8. 8. Os apartamentos e as casas sobrepostas tem circulação vertical por meio de escadas, e a circulação horizontal é feita por meio de varandas externas compostas de lajes em balanço que também desempenham a função de beiral, assim protegendo as aberturas.
  9. 9. Um espaço raro em projetos do gênero é o solário/pergolado existente na cobertura de cada um dos blocos onde foram dispostos os reservatórios individuais de água e caixa-d’água para combate a incêndio.
  10. 10. As unidades localizadas no térreo, possuem desenho adequado para pessoas com dificuldades de mobilidade e contam com equipamentos especiais, como barras de apoio no banheiro e portas mais largas.
  11. 11. As casas sobrepostas seguem os mesmos padrões dos apartamentos, circulação externa horizontal e circulação vertical por escadas.
  12. 12. Sistema Construtivo O sistema utilizado neste projeto foi a alvenaria estrutural. A alvenaria foi realizada em blocos de concreto de 14 cm de largura, lajes pré-moldadas de 12 cm de espessura e dispositivos em estruturas metálicas, destinadas à conformação da circulação vertical – escadas para as casas sobrepostas – e demais elementos como pergolado, guarda-corpo, corrimão e gradis de fechamento.
  13. 13. Fontes Consultadas http://arcoweb.com.br/ http://www.oterprem.com.br https://www.google.com.br/maps

×