Resíduos hospitalares

8.358 visualizações

Publicada em

ESTUDO RESUMIDO SOBRE RESÍDUO HOSPITALAR.

Publicada em: Educação
0 comentários
26 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
8.358
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
24
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
26
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Resíduos hospitalares

  1. 1. CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DNA DICIPLINA: BIOSSEGURANÇA ASSUNTO: RESÍDUO HOSPITALAR Aluno: William Vilhena Orientadora: XXXXXXXXXXXXXXXXX...
  2. 2. RESÍDUOS HOSPITALARES MAYARA CARVALHO Constitui-se dos resíduos sépticos, ou seja, que contêm ou potencialmente podem conter germes patogênicos. São produzidos em serviços de saúde, tais como:  Hospitais,  Clínicas,  Laboratórios,  Farmácias,  Clínicas veterinárias,  Postos de saúde etc..
  3. 3. O Lixo Hospitalar no Brasil  Cerca de 40% das cidades do Brasil não destinam corretamente o lixo hospitalar. Não fazer a correta coleta seletiva desses materiais pode acarretar na contaminação de doenças dos catadores de lixo, bem como o não reaproveitamento de outros resíduos devido ao contato, além de poluir o meio ambiente. De acordo com as regras sanitárias, o lixo hospitalar deve passar por uma rigorosa coleta seletiva, dividindo o lixo em classes.  Há a separação de resíduos infectantes como seringas, agulhas e outros hemoderivados; materiais radioativos e os produzidos nas residências. A coleta seletiva do lixo hospitalar deve ser feita pelo próprio hospital, considerando alto grau de risco diante a sua exposição. Devida à extrema importância que a coleta seletiva exerce sobre o lixo hospitalar, o governo criou o Sistema Nacional de Informações sobre Gestão dos Resíduos Sólidos.
  4. 4. CLASSIFICAÇÃO DOS RSS (RESÍDUOS DE SERVIÇOS DE SAÚDE) WILLIAM VILHENA
  5. 5. GRUPO A: Resíduos com a possível presença de agentes biológicos que, por suas características de maior virulência ou concentração, podem apresentar risco de infecção. Os resíduos do grupo A (apresentam risco devido à presença de agentes biológicos):  Sangue e hemoderivados;  Excreções, secreções e líquidos orgânicos;  Meios de cultura;  Tecidos, órgãos, fetos e peças anatômicas;  Filtros de gases aspirados de áreas contaminadas;  Resíduos advindos de área de isolamento;  Resíduos alimentares de área de isolamento;  Resíduos de laboratório de análises clínicas;  Resíduos de unidade de atendimento ambiental;  Resíduos de sanitário de unidades de internação;  Objetos perfurocortantes provenientes de estabelecimentos prestadores de serviços de saúde.
  6. 6. Grupo C Quaisquer materiais resultantes de atividades humanas que contenham radionuclídeos e para os quais a reutilização é imprópria ou não prevista. São enquadrados neste grupo, todos os resíduos dos grupos A, B e D contaminados com radionuclídeos, provenientes de laboratório de análises clínicas, serviços de medicina nuclear e radioterapia. Estes resíduos quando gerados, devem ser identificados com o símbolo internacional de substância radioativa, separados de acordo com a natureza física do material, do elemento radioativo presente e o tempo de decaimento necessário para atingir o limite de eliminação, de acordo com a NE 605 da Comissão Nacional de Energia Nuclear (CNEN). Devido as suas características de periculosidade, é aconselhável que os resíduos sejam manejados por pessoal capacitado. Grupo B Resíduos Químicos. Citostático e antineoplástico: quimioterápico e produtos por eles contaminado. Resíduos químicos perigosos: resíduo tóxico, inflamável,reativo, mutagênicos, corrosivos, explosivos, genotóxico e líquidos reveladores radiográficos. Resíduo e produto farmacêutico: medicamentos vencidos interditados e/ou contaminados.
  7. 7. Grupo D Resíduos que não apresentam risco biológico, químico ou radiológico à saúde ou ao meio ambiente. Suas características são similares às dos resíduos domiciliares. Entre eles estão: Papel de uso sanitário e fralda, absorventes higiênicos. Peças descartáveis de vestuário. Resto alimentar de pacientes. Sobras de alimentos e do preparo de alimentos. Resto alimentar de refeitório. Resíduos provenientes das áreas administrativas. Resíduos de varrição, flores, podas de jardins. Os resíduos do grupo D não recicláveis e/ou orgânicos devem ser acondicionados nas lixeiras cinzas devidamente identificadas, revestidas com sacos de lixo preto ou cinza. Os resíduos recicláveis devem ser acondicionados nas lixeiras coloridas, identificadas Grupo E Materiais perfuro cortantes ou escarificantes: Os perfuro cortantes, uma vez colocados em seus recipientes, não devem ser removidos por razão alguma. É importante observar o limite máximo permitido para o preenchimento de cada recipiente, para evitar acidentes. Obs: As agulhas descartáveis devem ser desprezadas juntamente com as seringas, quando descartáveis, sendo proibido reencapá-las ou proceder a sua retirada manualmente. (ANVISA, 2004).
  8. 8. Processo de separação e coleta de lixo hospitalar
  9. 9. ARMAENAMENTO TEMPORARIO LUANA MOREIRA Consiste no guarda temporária dos recipientes contendo os resíduos já acondicionados, em um local próximo ao pontos geração. Deve identifica com SALADE RESIDUOS  Deve ter no mínimo 2m²  Os sacos devem permanecer nos recipientes de acondicionamento
  10. 10. ARMAENAMENTO EXTERNO Consiste no acondicionamento dos recipientes de resíduos até a realização da coleta e transporte externo  Local exclusivo e identificado com abrigo de resíduos  Os sacos devem permanecer dentro dos contêineres  Acesso facilitado para os veículos coletores
  11. 11. Processo de Incineração GIOVANETE A incineração do lixo hospitalar é um típico exemplo de excesso de cuidados, trata-se da queima do lixo infectante transformando-o em cinzas, uma atitude politicamente incorreta devido aos subprodutos lançados na atmosfera como dioxinas e metais pesados. Atualmente, os resíduos hospitalares produzidos são, na sua maioria, submetidos a um tratamento por incineração. A incineração é um processo de tratamento industrial de resíduos sólidos.
  12. 12. A destinação do lixo no Brasil, ainda possui uma triste realidade... Em todo território Brasileiro os resíduos hospitalares muitas vezes acabam sendo descartados em lugares inapropriados... Em lixões a céu aberto, No mar, rios, córregos dentre outros...
  13. 13. Coleta e transporte externo ELISETE SILVA •Consiste na retirada dos resíduos do armazenamento externo até o local de tratamento ou disposição final. •Podem ser utilizados diferentes tipos de veículos de pequeno até grande porte
  14. 14. Manuseio Seguro •Os funcionários envolvidos em cada etapa do gerenciamento dos RSS devem ser adequado mente treinado e obrigatoriamente os equipamentos de proteção individual recomendados
  15. 15. CONSIDERAÇÕES FINAIS ELIDA SARAIVA  O lixo hospitalar merece atenção rigorosa, pois representa um grande perigo à saúde, justamente por este, estar sujeito a contaminação por micro-organismos causadores de doença.  O tratamento de resíduos hospitalares acarreta para além de uma prévia disponibilidade por parte dos profissionais para uma triagem eficiente, custos elevados e um impacto ambiental negativo. A consciência de que determinados resíduos hospitalares (sangue, secreções, material ionizado, produtos químicos e tecidos humanos), enquanto focos de contaminação constituem perigo para a saúde pública, tornou-se mais aguda a partir do desenvolvimento de graves doenças transmissíveis, como a AIDS e a hepatite B.  Esta situação levou as entidades e órgãos ligados a saúde a aumenta as preocupações e cuidados com os resíduos hospitalares. Com efeito, a heterogeneidade da massa dos resíduos hospitalares e a falta de preparação das unidades de incineração para o tratamento de quantidades crescentes de resíduos têm levado à impossibilidade do cumprimento dos limites de emissão de gases ficarem cada vez mais estritos.  Assim, tem-se tornado necessário o desenvolvimento de diferentes práticas de gestão de resíduos hospitalares que permitam a redução da quantidade de resíduos a tratar e a introdução de processos de tratamento alternativos à incineração.

×