A poluição que não vemos

305 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
305
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A poluição que não vemos

  1. 1. POLUIÇÃO SONORA E POLUIÇÃO DO AR
  2. 2. POLUIÇÃO SONORA É O CONJUNTO DE TODOS OS RUÍDOS PROVENIENTES DE UMA OU MAIS FONTES SONORAS, MANIFESTADAS AO MESMO TEMPO NUM AMBIENTE QUALQUER
  3. 3. RUÍDO NAS RUAS • Causador: Trânsito. • Escapamento furado, enferrujado, alterações e freadas bruscas e uso excessivo de buzina; • São Paulo – ruído atinge 88 dB a 104 dB • Motoristas profissionais – principais alvos de surdez adquirida. • Áreas residenciais – até 60 dB – está acima dos 55 dB estabelecidos como limite pela Lei Municipal do Silêncio.
  4. 4. RUÍDOS NAS HABITAÇÕES • Condicionadores de ar; • Batedeiras; • Liquidificadores; • Enceradeiras; • Aspiradores; • Máquinas de lavar; • Geladeiras; • Aparelhos de som e de massagem; • Televisores; • Secadores de cabelo; • Renovadores de ar (coifa); e outros tantos Somam seus indesejáveis decibéis.....
  5. 5. LIMITES DE INTENSIDADE • Ruídos com intensidade até 55 dB não causam nenhum problema. • Ruídos de 56 dB a 75 dB podem incomodar, sem causar malefícios • à saúde • Ruídos de 76 dB a 85 dB podem afetar a saúde, e • Acima dos 85 dB a saúde será afetada, a depender do tempo de exposição. • Uma pessoa que trabalha 8 horas por dia com ruídos de 85 dB terá, fatalmente, após 2 anos problemas auditivos
  6. 6. REAÇÕES GENERALIZADAS AO STRESS A Organização mundial de Saúde (OMS) considera que o início do estresse auditivo se dá sob exposições a 55 db.
  7. 7. REAÇÕES FÍSICAS Aumentam a pressão sanguínea, o ritmo cardíaco e as contrações musculares Podem interromper a digestão, as contrações do estômago, o fluxo da saliva e dos sucos gástricos. Provocam maior produção de adrenalina e outros hormônios, aumentando, no sangue, o fluxo de ácidos graxos e glicose.
  8. 8. RUÍDO INTENSO E PROLONGADO • Desordens cardiovasculares; • Desordens de ouvido-nariz- garganta • Em menor grau: • Alteração na produção de hormônios, • Nas funções gástricas, • Físicas e • Cerebrais
  9. 9. ALTERAÇÕES MENTAIS E EMOCIONAIS • Irritabilidade; • Ansiedade; • Excitabilidade; • Desconforto; • Medo; • Tensão e • Insônia.
  10. 10. COMUNICAÇÃO • O barulho intenso provoca o mascaramento da voz. • Este tipo de interferência atrapalha a execução ou entendimento de ordens verbais, a emissão de avisos de alerta ou perigo e pode ser causa indireta de acidentes
  11. 11. ANIMAIS • Segundo os zoólogos, as maiores dificuldades de adaptação dos animais no cativeiro, decorrem principalmente do barulho artificial das grandes cidades; • Nos locais de muito ruído é mais acentuada a presença de ratos e baratas, transmissores de doenças; • As vibrações sonoras produzidas por motores de aviões provocam a mudança de postura das aves e diminuição de sua produtividade.
  12. 12. PLANTAS Doze plantas do gênero Coleus, submetidas continuamente ao ruído de 100 dB, após seis dias apresentaram a redução de 47% em seu crescimento por causa, segundo os cientistas, da estridência permanente, que as fez perder grande quantidade de água através das folhas.
  13. 13. TRABALHO Em certas atividades, como as de longa duração e que requerem contínua e muita atenção, um nível acima de 90 dB afeta desfavoravelmente a produtividade, bem como a qualidade do produto. Indivíduo normal precisa gastar aproximadamente 20% de energia extra para realizar uma tarefa, sob efeito de ruído perturbador intenso.
  14. 14. PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO E CONTROLE DA POLUIÇÃO SONORA – SILÊNCIO • Instituído pela Resolução CONAMA nº 2, de 8/3/90 • A coordenação do programa SILÊNCIO compete ao IBAMA. • Compete aos Estados e Municípios o estabelecimento e implementação dos programas estaduais de educação e controle da poluição sonora, em conformidade com o estabelecido no programa SILÊNCIO.
  15. 15. SELO RUÍDO Selo Ruído objetiva dar ao consumidor informações sobre o ruído emitido por eletrodomésticos, possibilitando ao mesmo tempo fazer a escolha do produto mais silencioso, bem como incentivar a fabricação de produtos com menor nível de ruído.
  16. 16. PSIU – PROGRAMA SILÊNCIO URBANO • Criado pelo Decreto 34.569 de 06/10/94 e reestruturado pelo Decreto 35.928 de 06/03/1996. • Iniciando suas atividades ligada à Secretaria Municipal do Meio Ambiente, a coordenação do programa passou a ser feita pela Secretaria Municipal de Abastecimento (SEMAB), EM 29/02/1996. • O PSIU pode receber denúncias de bares, restaurantes, pizzarias, padarias, boates, salões de festas, casas de espetáculos, salas de reuniões, templos religiosos, oficinas, indústrias e de todo local sujeito a licença de funcionamento, que possa produzir barulho.
  17. 17. COMO UTILIZAR O SERVIÇO • Denúncias – Tels. 227-3131 ou 227-6464 • De segunda a sexta-feira das 8:00 às 18:00 hs e plantão de quinta, sexta e sábado, das 18:00 às 06:00 hs, • Pelo fax 229-6059 ou pela internet. • Informar endereço completo do estabelecimento que provoca incômodo, horário de maior incidência de ruído e o tipo de atividade comercial. • O denunciante deve identificar-se, fornecendo nome completo, endereço e telefone, para poder acompanhar o processo de fiscalização. Fica garantido sigilo ao denunciante.
  18. 18. Poluição do Ar
  19. 19. • O Planeta Terra, é cercado por uma camada de gases, chamada de atmosfera. Estes gases ficam presos ao redor da terra devido a força gravitacional de atração e alcança uma altura de até 1000 Km acima da terra. Ela divide-se em camadas, sendo que a mais próxima de nós é a troposfera, formada pelo ar que respiramos.
  20. 20. • Com o aumento da altura a composição da atmosfera muda e podemos encontrar por exemplo a camada de ozônio que protege a terra dos raios ultravioletas do sol, em uma altura de aproximadamente 20 Km de altura.
  21. 21. Composição do ar atmosférico: • 78 % - Gás Nitrogênio • 21 % - Gás Oxigênio • 0,9 % - Gás Argônio • 0,03 % - Gás Carbônico
  22. 22. A poluição
  23. 23. • Para respirar e viver com qualidade de vida precisamos de um ar limpo, sem impurezas. Porém nas cidades e no campo estamos diariamente em contato com ar contaminado, seja a poluição dos automóveis, de indústrias, de usinas e mesmo dos cigarros. • Nas grandes cidades, o maiores vilões são os automóveis. Entre seus poluentes estão o material particulado ou mais conhecido como fuligem, o dióxido de carbono (efeito estufa), o monóxido de carbono, os óxidos de enxofre e nitrogênio (chuva ácida), os hidrocarbonetos e outros. • A poluição é diretamente ligada ao tipo de combustível. Por exemplo: a gasolina e o óleo diesel, tirados do petróleo são mais poluentes que o álcool extraído da fermentação do melaço de cana-de-açúcar. Atualmente já existem carros rodando com gás natural, energia elétrica e solar, alternativas menos poluentes.
  24. 24. • As indústrias químicas, siderúrgicas e de celulose estão entre as mais poluentes, porém atualmente já existem tecnologias acessíveis para se reduzir ou neutralizar estes problemas.
  25. 25. • Até mesmo em áreas agrícolas, o homem polui o ar lançando agrotóxicos e pesticidas no ar, pulverizando as plantações. Alguns já foram até mesmo proibidos por causarem câncer, como o DDT e o Aldrin (compostos organoclorados).
  26. 26. • As queimadas de cana-de-açúcar e das florestas, são outros casos de poluição do ar. Durante as queimadas, os microorganismos, minhocas e insetos que vivem no solo acabam mortos e com o passar do tempo o solo fértil se transforma em um deserto. Nas florestas toda a matéria orgânica acaba virando dióxido de carbono e no local só resta um solo pobre. Toda a biodiversidade que existia no local, animais, aves, plantas, árvores, tudo é queimado.
  27. 27. • Em alguns lugares o lixo é queimado ou incinerado, porém é uma atividade extremamente poluidora, pois quando se queimam plásticos, se emitem dioxinas (gases cancerígenos altamente tóxicos).
  28. 28. O Buraco na camada de ozônio
  29. 29. • A camada de ozônio é um trecho da atmosfera (estratosfera) numa altitude de 15 Km e com uma espessura de 30 Km com grande concentração do gás ozônio (moléculas composta por três átomos de oxigênio ligados entre si, (O3). • Sem esta camada a Terra seria bombardeada por grande quantidade de radiação ultravioleta B (UV-B), que é um tipo de luz que provoca muitos danos aos vegetais e animais.
  30. 30. • Em 1977 cientistas detectaram que a camada de ozônio em cima da Antártica estava ficando muito fina, permitindo a passagem de perigosas radiações numa área de 31 milhões de Km2, 15 % do planeta. Com mais estudos descobriu-se que os gases CFCs (clorofluorcarbonos) eram os verdadeiros responsáveis. Os CFCs são mais de 60 gases diferentes comercializados principalente pela Du Pont com o nome de gás Freon, usados na fabricação de aerossóis, isopores, circuitos de computadores e aparelhos de sistemas de refrigeração (geladeiras e ar- condicionados). Os CFCs têm uma vida de 75 anos e a produção mundial atual é de 750.000 Toneladas.
  31. 31. • Atualmente o buraco aumenta a cada ano já atingindo a Argentina, o Chile, Uruguai e o sul do Brasil. Com a passagem destas perigosas radiações temos visto no mundo todo o aumento crecente do Câncer de Pele (melanoma).
  32. 32. O efeito estufa e as mudanças climáticas
  33. 33. • Desde a Revolução Industrial (Séc. XVIII e XIX) o homem está poluindo o ar com uma série de gases. Muitos destes gases têm o poder de armazenar calor, fazendo com que a Terra funcione como uma garrafa térmica, não deixando o calor que o sol emite para a Terra escapar. Existem dezenas de gases chamados estufa (gás carbônico, monóxido de carbono, metano, óxidos de nitrogênio, óxidos de enxofre e até mesmo os gases CFCs).
  34. 34. A Inversão Térmica
  35. 35. • Nas grandes cidades, a poluição do ar, costuma se agravar nos períodos de inverno ou frio, onde a disperção dos poluentes é desfavorável. Nestes períodos é costume se formar a inversão térmica. • Nos outros períodos do ano o ar quente que é mais "leve", menos denso e costuma subir, levando os poluentes para cima, dispersando os poluentes. Isto é fácil de se notar em uma fogueira acesa, a fumaça sempre sobe. • No frio, o ar, mais denso não sobe e os poluentes ficam próximos do solo, causando problemas respiratórios sérios. Nestes períodos ocorre um aumento ainda na mortalidade infantil e de idosos, que não aguentam a poluição.
  36. 36. INVERSÃO TÉRMICA

×