CONFLITOS NOS BALCÃS

367 visualizações

Publicada em

CONFLITOS NOS BALCÃS

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
367
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

CONFLITOS NOS BALCÃS

  1. 1. ESCOLA ESTADUAL PROFESSORA BEATHRIS CAIXEIRO DEL CISITIA CONFLITOS NOS BALCÃS SOROCABA 2014
  2. 2. ___________________________________ Nº____ ___________________________________ Nº____ ___________________________________ Nº____ ___________________________________ Nº____ ___________________________________ Nº____ Série: 3º B CONFLITOS NOS BALCÃS Trabalho de Pesquisa referente aos Conflitos que ocorrem no mundo para a disciplina Geografia Professor (a): Jussara SOROCABA 2014
  3. 3. SUMÁRIO conflitos nos Balcãs............................................................................................................. 4 Conflitos Étnicos, Religiosos, Políticos e Territoriais ............................................................... 4 Conflitos Territoriais ............................................................................................................. 5 Reino da Jugoslávia............................................................................................................ 5 Iugoslávia Ocupada ............................................................................................................ 5 Tito e a Resistência Iugoslava ............................................................................................. 5 República Socialista Federativa da Iugoslávia ...................................................................... 6 A Pacificação de Tito........................................................................................................... 6 Iugoslávia Após a Morte de Tito ........................................................................................... 6 As Novas Repúblicas e a Guerra Civil.................................................................................. 6 As Guerras da Bósnia e de Kosovo ..................................................................................... 7 Guerra da Bósnia................................................................................................................ 7 Guerra de Kosovo .............................................................................................................. 8 Bibliografia ........................................................................................................................ 10
  4. 4. 4 CONFLITOS NOS BALCÃS Nos tempos antigos, a partir do século IV, a região balcânica serviu como zona limítrofe entre o Império Romano Ocidental, com capital em Roma, e o Império Bizantino, com capital em Constantinopla. Quando a Igreja cristã dividiu-se em duas, uma parte católica, outra greco-ortodoxa, no séc. XI, os habitantes da região também foram obrigados a optar, por uma ou por outra religião. No século XV a região foi invadida pelos turcos otomanos, vindo do Sul, depois de terem ocupado Constantinopla em 1453. No intuito de assegurar-se da fidelidade das suas áreas ocupadas, obrigaram a população local, especialmente os moradores da Albânia e da Bósnia, à conversão ao islamismo. Conflitos étnicos, Religiosos, Políticos e Territoriais O Caldeirão dos Balcãs
  5. 5. 5 Parte norte Iugoslávia, as regiões da Eslovênia e da Croácia: governo de imperadores austríacos, de cultura alemã e religião católica. Centro-sul: controle dos turcos muçulmanos até o início do século XX. Conflitos Territoriais Reino da Jugoslávia No início do século XX, a Sérvia encabeçou um projeto "pan-eslavista" com o intuito de formar a Grande Sérvia, reunindo os povos eslavos dos Bálcãs e dominando as outras etnias da região. No final da I Guerra Mundial, a derrota e decomposição dos impérios Turco-Otomano e Austro-Hungaro permitiram a formação da Polônia, Thecoslováquia, Hungria e Reino dos Sérvios, Croatas e Eslovenos, que mais tarde se tornaria a República da Iugoslávia. Iugoslávia ocupada Em março de 1941, Pavel, o príncipe regente da Iugoslávia, cedendo à pressão dos nazistas e dos fascistas italianos, foi constrangido a assinar um tratado com o Eixo, o que colocava os Bálcãs subordinados às potências fascistas acirrando o ódio na região. Tito e a resistência iugoslava A Liga Comunista da Iugoslávia, comandada pelo guerrilheiro Josef Broz, conhecido pelo codinome de Tito, assumiu o controle das montanhas, com os chamados partisans, tornando a vida dos ocupantes alemães um inferno. Perto do fim da guerra, os Cristãos Ortodoxos e muçulmanos (Catedral de Sarajevo e mesquita em Banja Luka) Benito Mussolini e Adolph Hitler em vista a Iugoslávia Tito e o alto comando da Resistência
  6. 6. guerrilheiros de Tito haviam derrotado a maioria das divisões que os nazistas enviaram, o mesmo ocorrendo na vizinha Albânia, com os partisans comandados por Enver Hoxa. 6 República Socialista Federativa da Iugoslávia Com a forma de governo de uma república comunista, o país era constituído pela união federal de seis repúblicas: Sérvia, com as regiões autônomas de Kosovo e Voivodina, Croácia, Montenegro, Eslovênia, Bósnia- Herzegovina e Macedônia. A pacificação de Tito O ódio entre as diversas etnias, reestruturadas como estados dentro da República Socialista Federada da Iugoslávia, proclamada em 1945, foi contido devido à política hábil de Tito e, também, pelo clima de exaustão geral pela guerra. Iugoslávia após a morte de Tito Doutrina comunista com apelo internacionalista; Diminuição de influência dos grupos maiores; Não alinhamento com Socialismo Soviético; Quando Tito veio a falecer, em 4 de maio de 1980, entrou em efetiva prática uma constituição, anteriormente preparada, que tinha por objetivo alcançar a rotatividade de etnias no poder executivo. Os pontos fracos desse sistema eram a não possibilidade de eleição por voto direto e a fragilidade do poder do presidente. Além do sistema frágil, a derrocada socialista no continente contribuiu para o desmembramento iugoslavo. As Novas Repúblicas e a Guerra Civil Para fortalecer a Sérvia, Slobodan Milosevic suprimiu a autonomia das províncias autônomas: Voivodina e Kosovo. No primeiro caso, não se provocou problemas, pois a grande maioria da população é de origem Sérvia. Já no Kosovo, a imensa maioria da população é de nacionalidade albanesa o que
  7. 7. provocou uma reação frente à supressão de sua autonomia, desencadeando a repressão Sérvia. Isto incentivou a separação da Eslovênia, juntamente com a Croácia, da 7 Federação Iugoslava. As guerras da Bósnia e de Kosovo No início de 1991, a Iugoslávia tinha como presidente um sérvio e, segundo o que estabelecia a forma colegiada de governo, que obedecia à sucessão rotativa da presidência, um representante da Croácia deveria substituí - lo. O presidente sérvio, contudo, não aceitou o político croata escolhido, e se manteve na presidência. A Eslovênia, então - manifestando-se contra a Sérvia na questão da sucessão presidencial e a favor da independência de Kosovo (submetida, a partir daquele mesmo ano, novamente à Sérvia), se declarou independente da Iugoslávia, no que foi seguida pela Croácia e pela Macedônia. Como reação, tropas do Exército Federal, composto por soldados da Sérvia e de Montenegro, invadiram as repúblicas da Eslovênia e da Croácia, onde se encontram minorias de origem sérvia. Na Eslovênia, a guerra durou pouco tempo (ficou conhecida como Guerra dos Dez Dias), mas na Croácia a situação foi bem mais complicada, pois a população sérvia da Croácia não aceitou a independência da região e passou a ser armada pelas tropas federais. Ao mesmo tempo, croatas que habitavam a Bósnia-Herzegovina se lançaram na guerra do lado da Croácia. Guerra da Bósnia Em março de 1992 foi a vez da Bósnia-Herzegovina também se declarar independente. Slobodan Milosevic, que culpava Josip Broz Tito (um croata) pela situação de crise que a Sérvia vivia, investiu com todas as suas forças contra croatas e bósnios.
  8. 8. Sarajevo, capital da Bósnia, foi cercada - e por vários meses os moradores da cidade passaram por situações críticas: o fornecimento de água, eletricidade e aquecimento foi cortado e a ajuda humanitária que chegava até eles não bastavam para suprir as carências de toda a população. As tropas federais (melhor seria dizer, da Sérvia) chegaram a ocupar 70% do território bósnio. Nesse conflito, conhecido como Guerra da Bósnia, a limpeza étnica foi um dos principais objetivos. E aqui não existem "mocinhos e bandidos": dos dois lados as atrocidades praticadas foram enormes. Mas como as tropas sérvias eram muito melhor armadas, bósnios e croatas foram os que mais sofreram. Parecia que o mundo assistia impassível ao conflito que dilacerava os Bálcãs. No clima de final de Guerra Fria, a Rússia passava por uma enorme crise, enquanto os EUA, que estavam saindo da Guerra do Golfo (1990-1991), relutavam em participar de mais um conflito. A Europa, acostumada, por anos, à submissão às ordens da OTAN ou do Pacto de Varsóvia, somente impôs um bloqueio econômico à Sérvia. Diante dessa conjuntura, o presidente dos EUA, Bill Clinton, mesmo violando acordos internacionais, começou a armar tropas da Croácia, que acabaram vencendo os sérvios em Krajina. Tal vitória forçou os líderes da Sérvia, da Croácia e da Bósnia a buscarem uma negociação de paz, selada em novembro de 1995: Eslovênia, Croácia, Bósnia-Herzegovina e Macedônia seriam países independentes, enquanto a Iugoslávia seria formada por Sérvia (incluindo Kosovo e Voivodina) e Montenegro (que em 1996 se tornou independente). 8 Guerra de Kosovo Contudo, mesmo assim, depois de os Bálcãs estarem supostamente em paz, um problema ainda não havia sido resolvido: a questão de Kosovo. Em 1996, os albaneses de Kosovo formaram o Exército de Libertação de Kosovo e passaram a lutar por sua independência. A Sérvia reagiu
  9. 9. violentamente a tal manifestação e, em 1996, estourou mais um sério conflito separatista e étnico na região: a Guerra de Kosovo. Mais uma vez as tropas internacionais tardaram a chegar: depois de muita negociação e bloqueios econômicos, somente em 1999 a OTAN interferiu no conflito - e por 78 dias bombardeou impiedosamente a região. Em média, os países da OTAN gastaram US$ 64 milhões por dia de conflito, o que permite perceber o enorme e moderno aparato bélico usado. Milosevic foi obrigado a se render. Um ano depois, o líder sérvio foi preso e entregue ao Tribunal de Haia, para ser julgado por crimes de guerra e contra a Humanidade. Desde então, Kosovo passou a ser uma região protegida pelas Nações Unidas e pela OTAN (cerca de 28 mil soldados foram deslocados para a província). Até que, em fevereiro de 2008, o governo de Kosovo declarou sua independência, sem que tal atitude tenha sido aceita pela Sérvia. Tal episódio dividiu o mundo. Os EUA e parte da Comunidade Europeia apoiam Kosovo, mas a Rússia e a Espanha apoiam a Sérvia, pois temem que o exemplo separatista kosovar estimule grupos separatistas em seus próprios territórios. As peças do xadrez da política internacional estão se movimentando... e 9 a questão ainda não está resolvida.
  10. 10. 10 Bibliografia • http://www.academia.g12.br/professores/ismael/imagens_geopolitica_mu ndial/imagens_conflitos_et_rel/imagem2.jpg • http://educaterra.terra.com.br/voltaire/atualidade/iugoslavia.htm • http://jhunhior.blogspot.com/2008/04/fragmentao-da-iugoslvia.html • http://pt.wikipedia.org/wiki/Bálcãs

×