Não há atalhos para restauração.
Nunca caia no engano de achar que seu pecado no
passado o torna mais eficaz como líder cr...
experiência passada lhe dá uma visão para refletir. Mas, como Lewis disse: “Somente
aqueles que resistem à tentação sabem ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Não há atalhos para restauração

33 visualizações

Publicada em

Nunca caia no engano de achar que seu pecado no passado o torna mais eficaz como líder cristão.

Publicada em: Espiritual
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Não há atalhos para restauração

  1. 1. Não há atalhos para restauração. Nunca caia no engano de achar que seu pecado no passado o torna mais eficaz como líder cristão. Há tempos tenho visto muitos casos de líderes de igrejas – pastores, presbíteros, missionários, evangelista e outros – que caíram por causa de problemas sexuais, financeiros, de drogas ou álcool e outras questões durante o exercício de seus ministérios. Não importa o quanto você esteja bem-intencionado, o quanto você se ache preparado, cedo ou tarde, às vezes as coisas podem ficar terrivelmente erradas. Como resultado, desde cedo entendi que está no âmbito dos meus afazeres tratar essas pessoas, o que tenho procurado fazer com muito amor e zelo. Entretanto, há um mito persistente que alguns líderes têm em particular sobre a continuidade do ministério. Ainda que muitos invistam tempo e se esforcem por caminhar através de um aconselhamento adequado, cura e eventual restauração, muitos querem um atalho. Em muitos casos que encontrei, esse atalho vem da ideia de que, porque eles moralmente caíram de uma maneira particular, agora estão mais sensíveis e compreensíveis para com aqueles na congregação que experimentaram algo semelhante. Como resultado, não demorou muito para que começassemoutra igreja na cidade, uma prática de consultoria na igreja, fossemao rádio ou à TV, ou lançassemseu próprio ministério - tudo sem tomar a rota muito mais difícil de submissão a outros líderes, aconselhando e eventual restauração. Ao longo dos anos, conversei com inúmeros líderes que recusaram aconselhamento ou qualquer outro tipo de ajuda porque acreditam que seu pecado realmente os tornou um líder melhor. Em seu notável livro Mero Cristianismo - escrito durante a Segunda Guerra Mundial - C.S. Lewis refuta esse modo de pensar: É uma ideia tola pensar que pessoas boas não saibam o que a tentação significa. Esta é uma óbvia mentira. Somente aqueles que buscam resistir à tentação sabem o quão forte ela é. Afinal, você descobre a força do exército alemão lutando contra ele, não se rendendo. Você descobre a força do vento, tentando andar contra ele, não a favor dele. Um homem que cede à tentação depois de cinco minutos simplesmente não sabe como teria sido depois de uma hora. É por isso que as pessoas más, emum sentido, sabem muito pouco sobre a maldade. Eles viveram uma vida protegida por estar sempre cedendo. Nunca descobrimos a força do impulso maligno dentro de nós até que tentemos combatê-lo: e Cristo, porque Ele foi o único homem que nunca cedeu à tentação, é também o único que sabe ao máximo o que a tentação significa. Louvo a Deus pelos líderes que caíram e depois fizeram o árduo trabalho de arrependimento, submissão aos outros, trabalhando com o problema e recuperando a confiança. Mas nunca caia no engano de achar que seu pecado no passado o torna mais eficaz como líder cristão. Certamente, se você já passou pelo processo de restauração, essa
  2. 2. experiência passada lhe dá uma visão para refletir. Mas, como Lewis disse: “Somente aqueles que resistem à tentação sabem o quão forte ela é”. Devemos sempre ser amorosos e sensíveis a qualquer um que cai por causa de questões morais ou outras. Nosso trabalho como crentes é ajudar a restaurá-los à plena comunhão. Mas irmãos, não tentem vender sua eficácia combase no pecado do passado. E para o resto de nós, não deixe um líder convencê-lo de que, por causa de seu pecado, eles se tornaram melhores ou mais dignos de confiança.

×