Notáveis acidentes de engenharia civil com vítimas fatais no Brasil

11.548 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
11.548
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
197
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Notáveis acidentes de engenharia civil com vítimas fatais no Brasil

  1. 1. UNIVERSIDADE ESTADUAL VALE DO ACARAÚ CURSO DE ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA DE INTRODUÇÃO À ENGENHARIA CIVIL PROFESSOR OSNY SILVA WEBER ALVES BRAGA NOTÁVEIS ACIDENTES DE ENGENHARIA CIVIL COM VÍTIMAS FATAIS NO BRASIL – COMO SE AVALIA A CULPABILIDADE CIVIL E CRIMINAL DOS ENGENHEIROS RESPONSÁVEIS TÉCNICOS? SOBRAL-CE 18/06/2013
  2. 2. Introdução O engenheiro, ao exercer seu trabalho, leva consigo a responsabilidade de zelar por vidas humanas, devendo sempre, realizar sua função de profissional ético. Por mais que isso seja repetido várias vezes, não faltam exemplos de casos em que os engenheiros agiram incompetentemente, expondo vidas a grandes riscos. Diante disso, torna-se necessário frisar a importância da decisão pessoal do engenheiro em várias situações, e este sempre deve lembrar que existem vários recursos ao seu favor, visto a formação que teve. É necessário também, que o engenheiro tenha consigo um conjunto de experiências vividas, que serão consultadas em vários momentos. A hora em que se projeta uma obra é crucial para o encaminhamento desta, pois é o momento que estuda a viabilidade da execução desta e também pré-identificam os desafios a serem superados por meio de planejamento. É nessa hora, que o engenheiro e o projetista devem tomar decisões que possibilitem o prosseguimento do trabalho. Os profissionais devem discutir acerca de materiais que serão utilizados, dúvidas acerca de especificações do projeto, custos e impactos. Tudo é pensado para que na fase de execução não ocorram imprevistos que comprometam o empreendimento. Não só isso, mas também é fundamental que o engenheiro tenha olhar clínico sobre problemas que surgem do início ao fim da obra, empenhando-se em solucioná-los. Os grandes acidentes que já ocorreram na história, são lições para os atuais engenheiros. Alertam para os pequenos detalhes, que quando são ignorados e podem se tornar a causa de muitos transtornos. Os pequenos equívocos e as pequenas desatenções também são a causa de muitos prejuízos, que não podem ser toleradas pelo engenheiro que projeta e que gerencia. Podemos constatar que os vários acidentes estruturais ocorridos no Brasil tiveram origens diversas – no projeto, nas técnicas de construção, nos materiais empregados, no controle da execução, no seu uso durante sua vida útil. Os engenheiros envolvidos com as fases de uma obra devem atentar para o cumprimento de normas técnicas, sempre avaliando as condições de estabilidade, durabilidade e funcionalidade do empreendimento (CUNHA, 1996).
  3. 3. No texto a seguir, serão mostrados dois exemplos de acidentes estruturais com vítimas fatais no Brasil. Todos eles tiveram grande repercussão na imprensa, e até hoje são assunto de muitas discussões. Nos dois casos, pode-se constatar a existência de várias falhas, com origens diversas, que concomitaram para a ocorrência dos acidentes. As falhas ao serem analisadas, podem servir de lição, sendo uma forma de impedir que mais desastres do tipo ocorram.
  4. 4. Notáveis acidentes de engenharia civil com vítimas fatais no Brasil O desabamento do Pavilhão da Gameleira O desastre da Gameleira é considerado o maior desastre da construção civil no Brasil. Depois de quatro décadas ainda é causa de discussão quanto aos motivos que ocasionaram o acidente. Foi em 4 de fevereiro de 1971, quando os operários descansavam durante o intervalo para almoço, sob a obra na parte livre dos escoramentos. Morreram 61 operários e 50 ficaram feridos no desabamento. A empresa responsável pela execução da obra era a Sergen Engenharia; a empresa Sobraf era responsável pelas fundações e o escritório Joaquim Cardoso pelos cálculos. A Sergen Engenharia, grande empresa do ramo da construção civil, continua em atividade até os dias de hoje. Atualmente, é responsável por outras obras na capital mineira, dentre elas o Fórum da cidade. Quando ocorreu o acidente, o descimbramento da estrutura estava concluído, faltando apenas o das vigas finais, V 103 e V 203 (ver esquema em Anexo 1). Durante o descimbramento, houve grande dificuldade na retirada das escoras centrais do cimbre. Isso porque, elas estavam submetidas a enormes compressões e nenhum dispositivo de alívio foi utilizado na ocasião. Imaginou-se que isso era decorrente de existência de recalques de apoio nas fundações. É importante destacar que os cimbres foram retirados na ordem inversa do usual: dos apoios para o centro, que por se só justificava o aperto das escoras. O engenheiro da empresa responsável pelas fundações havia informado que os cimbres deveriam ser retirados do centro para os apoios. Embora a sugestão não tenha sido seguida, foi o suficiente para incriminá-lo. Havia sido feito uma vistoria no dia 4 de fevereiro, e constatou-se a presença de fissuras nas vigas V 103 e V 203, porém isso não foi considerado anormal e deu-se prosseguimento à retirada das escoras. Logo depois ocorreu o desabamento. As fissuras foram consideradas normais pois acreditava-se eram decorrentes de recalques. Esses recalques foram medidos, porém foram considerados insignificantes. Os maiores recalques diferenciais na parte que ruiu ocorreram entre os pilares P4 e P9, no vão transversal de 30,5 m. Esses recalques atingiram apenas 2,7 cm, ou seja, 1/1130 do vão. Isto foi considerado insignificante na ocasião. Este recalque, entretanto, posteriormente ao
  5. 5. acidente, foi o fulcro para incriminação da firma responsável pelas fundações. Foi motivo suficiente para indiciamento do possível culpado pelo acidente. O recalque foi a causa de tudo. A verificação do projeto revelou um defeito da maior importância nas vigas principais, considerado causa principal do desabamento: tensões excessivas em serviço no concreto na região dos apoios em P4-5. Não existia nem concreto nem armadura adequada para absorver essas tensões. Queda de um prédio em Volta Redonda-RJ com oito mortes. Em 31 de agosto de 1991, na cidade Volta Redonda, no Rio de Janeiro, um prédio de 4 pavimentos desabou causando um total de 8 mortos e 24 feridos, incluindo o dono do imóvel, 3 membros de sua família - dois filhos e um sobrinho - entre outras pessoas que participavam da construção em regime de mutirão. Este acontecimento foi amplamente divulgado pela a imprensa. Após o desastre foi instaurado um processo conduzido pelo CREA-RJ, onde os principais envolvidos foram ouvidos. Os depoimentos revelaram uma falta de coordenação geral para delegar as funções específicas a cada responsável. Vejamos alguns trechos dos depoimentos:  do profissional responsável pelo projeto perante o CREA: -"Fui procurado pelo proprietário para fazer o projeto de um prédio de dois pavimentos, tendo executado o projeto de arquitetura e o cálculo estrutural".  do profissional responsável pela construção perante o CREA: -"Não sabia que a obra estava sendo executada”.  do encarregado da construção: -"nunca recebi nenhum projeto de estrutura para executar”. -"nunca tive orientação técnica com relação ao concreto ou ferragem". -"executava os serviços por experiência própria de acordo com a minha vivência profissional".
  6. 6. -"acho que a queda da obra pode ser atribuída ao mau dimensionamento dos pilares centrais”. Pessoas que presenciaram o desabamento relataram que as primeiras peças do prédio a entrarem em ruptura foram os pilares centrais, isto porque houve afundamento da parte central do andar e depois a estrutura entrou em colapso. Investigando os escombros, puderam constatar que foram várias as causas do acidente: vigas com espaçamento de estribos exagerado, desagregação do concreto indicando sua baixa resistência e falta de espaçadores para garantir o cobrimento da armadura. Pode-se concluir que houve uma série de falhas na execução de vido à falta de supervisão como: não existência de análise de solo para assentamento da fundação, utilização de traço incorreto com adição excessiva de água ao concreto, inexistência de cálculo estrutural, falta de vibração e de cura do concreto. Esses fatores ocasionaram o colapso da estrutura, que foi iniciado pelos esforços atuantes devido à ocupação dos apartamentos construídos, ao peso próprio de parte da estrutura e à sobrecarga da operação de concretagem da 4ª laje. A falta de um projeto elaborado, juntamente com falhas no cálculo e falhas em dimensionamento da obra foram as principais causas do desabamento. A qualidade do concreto também é fundamental. O traço escolhido deve ser bem medido e experimentado para garantir uma dosagem perfeita e que corresponde ao caso em que está sendo aplicado. É importante, a supervisão no momento da mistura e dos componentes do concreto ainda fresco. Cabe ao engenheiro responsável, definir os fatores que podem interferir na qualidade da execução da obra. O profissional habilitado deve elaborar um projeto que preveja detalhes importantes para a segurança da obra, como por exemplo, o posicionamento de componentes em uma construção.
  7. 7. Conclusão A autoridade do engenheiro para julgar prosseguimento da execução de uma obra deve ser acompanhada de cuidados mínimos para a segurança dos operários e das vidas envolvidas. O engenheiro toma decisões que são seguidas sem questionamentos, o que muitas vezes é a causa de grandes falhas. Abrir mão da supervisão técnica, acompanhamento das etapas da obra é atitude típica de profissionais desabilitados. Quando desastres ocorrem, a culpa se torna não apenas do engenheiro, mas primeiramente desse, do projetista e dos utilizadores. Questionar procedimentos muitas vezes é necessário, e a fiscalização é indispensável, visto que não estamos isentos de erros. Porém, na construção civil, não é tolerável negligência, visto que são vidas humanas que estão em jogo. Anexo 1 Esquema geral da estrutura do Pavilhão da Gameleira.
  8. 8. Fontes CUNHA, Albino J. P da; LIMA, Nelson A.; SOUZA, Vicente C. M.. Acidentes Estruturais na Construção Civil. Vol. 1. São Paulo: Pini, 1996. _______. Acidentes Estruturais na Construção Civil. Vol. 2. São Paulo: Pini, 1998.

×