Resenha pensamento e linguagem p 31 a 39 stern vixwas

1.955 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.955
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
807
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Resenha pensamento e linguagem p 31 a 39 stern vixwas

  1. 1. Resenha PENSAMENTO E LINGUAGEM Vigotski (by estudante washington) A teoria de Stern sobre o desenvolvimento da linguagem Willian Stern apresenta um concepção intelectualista do desenvolvimento da fala na criança tendo como ponto de vista a “genética-personalista” que para Vigotski essa concepção revela as limitações e incoerências do personalismo filosófio e psicológico de Stern, os seus fundamentos idealistas e a sua falta de validade científica. […] É uma teoria antidesenvolvimentista. Stern distingue tres raízes da fala: a tendência expressiva, a social e a “intencional”. Ele define intensionalidade como uma meta voltada para um determinado conteúdo ou significado. Segundo Stern “Eum um determinado estágio de seu desenvolvimento psíquico o homem adquire a capacidade de referir-se a algo objetivo por meio da emissão de sons”. Esses atos intencionais já são atos de pensamento. Stern enfatiza o fator lógico no desenvolvimento da linguagem. (p. 32) […] A fala humana desenvolvida possui um significado objetivo, pressupondo, assim, um certo nível no desenvolvimento do pensameto, e é necessário levar em conta a íntima relação existente entre a linguagem e o pensamento, afirma Vigotski.
  2. 2. (by estudante washington) Segundo Vigotski, o problema é que Stern considera a intensionalidade como uma das raízes do desenvolvimento da fala […] genéticamente equiparado à tend nciaễ expressiva e comunicativa. Ao ver a intensionalidade dessa forma substitui um explicação genética por uma explicação intelectualista. Esse método de “explicar” uma coisa pela própria coisa é uma falha na teoria de Stern. Para Stern a criança de um ano e meio a dois cada coisa tem um nome. No entanto, todos os estudos realizados sobre esse problema, sugem uma resposta negativa, segundo Vigotski. São operações intelectuais complexas. […] Tanto a observação quanto os estudos experimentais indicam que só muito maistarde a criança apreende a relação entre o signo e o significado, ou o uso funcional dos signos; isso está muito além do alcance de uma criança de dois anos e nunca resulta de uma descoberta ou invençao instantanea por parte da criança. Stern acredica que a criança descobre o significado da linguagem de uma fez por todas. No entanto, na verdade se trata de um processo que tem sua “história natural”, assim como sua “história cultural”. (p. 34). Stern ignora os caminhos intrincados que levam ao amadurecimento da função do signo. De igual modo a teoria da invenção deliberada da linguagem, a teoria racionalista do contrato social e outras teorias intelectuais famosas, segundo Vigotski, negligenciam as realidades genéica e não exlicam nada realmente.
  3. 3. (by estudante washington) Segundo Vigotski, fatualmente, também, a teoria de Stern não se sustenta. Wallo, Kofika, Piaget, Delacrix e muitos outros, nos seus estudos de crianças normais, e K. Buehler, em seu estudo de criaças surdas-mudas constataram outra realidade. (p. 43) De fato, há um momento de descoberta, que para uma observação mais grosseira, parece repentino. […] O momento crítico decisivo no desenvolvimento linguístico, cultural e intelectual da criança, descoberto por Stern, realmente existe – embora ele estivesse errado ao dar-lhe uma interpretação intelectualista. Nesse momento há o aparecimento de perguntas sobre os nomes dos objetos e o consequente aumento, acentuado e aos saltos, do vocabulário da criança, ambos de importância fundamental para o desenvolvimento da fala. A busca ativa de palavras por parte da criança indica uma nova fase em sua evolução linguística. E por essa que o “grandioso sistema de sinais da fala” (no dizer de Pavlov) surge para a criança, a partir da profusão de todos os outros sinais, e assume uma função especifica no comportamento. Esta foi uma grande realização de Stern, que no entanto, falha na sua explicação. Stern comete erro, também, à medida que atribui ao intelecto uma posição de primazia, quase metafísica, de origem e causa primeira, não analisável, da fala com significado. (p. 35)
  4. 4. (by estudante washington) Segundo Vigotski, a abordagem apontada por Stern, ao estabelecer um intelecto já formado, bloqueia uma investigação das interações dialéticas entre o pensamento e a fala. O tratamento dado por Stern a esse aspecto fundamental do problema da linguagem é cheio de incoerencias, e éa parte mais vulnerável de seu livro. Tópicos tão importantes como a fala interior, seu surgimento e sua conexão com o pensamento são apenas mencionados por Stern e ignora as funções, a estrutura e o significado evolutivo desse tipo de fala, a interior. A interpretação dada às primeiras palavras da criança é a pedra de toque de todas as teorias da fala infantil; é o ponto de convergência onde todas as principais tendências das modernas eorias da fala se encontram e se cruzam. […] toda a estrutura de uma teoria é determinada pela tradução das primeiras palavras da criança. Stern reconhece o grande mérito de Meumann, segundo a qual as primeiras palavras de uma criança designam, na verdade, os objetos como tais. No entanto, não compartilha o pressuposto de Meumann, de que as primeiras palavras nada mais são que a expressão das emoções e dos desejos da criança. Conclui, ainda, que essas palavras contêm uma determinada orientação em direção a um objeto, e que essa “referência objetiva”, ou função designativa, em geral “predomina sobre o tom moderadamente emocional”. […] De início, a palavra é um substituo convencional do gesto; aparece muito antes da crucial “descoberta da linguagem” por parte da criança, e antes que ela seja capaz de operações lógicas. […] Stern recusa a traçar a história genética dessa tendencia. (p. 38).
  5. 5. (by estudante washington) Segundo Vigotski, para Stern a tendencia intencional nao se desenvove a partir de uma orientação afetiva em relação ao objeto que se aponta (gesto ou rimeiras palavras) – aparece do nada e determina o surgimento do significado. Stern apresenta uma abordagem antigenética. […] Nem poderia ser de outra forma: essa abordagem é uma consequ ncia direta das premissas filosicas do personalismo,ẽ que é o sistema desenvolvido por Stern. […] Stern contrapõe sua visão pessoal do desenvolvimento da fala, à visão de Wundt, segundo a qual a fala infantil é produto do meio ambiente […] Stern tem o cuidado de não negligenciar o papel da imitação no desenvolimento da fala, ou o papel da atividade espontânea da criança, ao ampliar a essas questões o seu conceito de “convergência”: a conquista da fala pela criança ocorre por meio de uma interação constante de disposições internas, que levam a criança à fala, e condições externas – isto é, a fala das pessoas ao seu redor -, que propiciam o estímulo e o material para a realização dessas disposições. Para Stern, a convergência é um princípio geral a ser aplicado à explicação de todo o comportamento humano. […] Stern superestiou os fatores orgânicos internos. Para Stern, a “pessoa” é uma entidade sicofisicamente neutra […] Essa concepção idealista, monadista, da pessoa individual, leva naturalmente a uma teoria que vê a linguagem como algo enraizada na teleologia – daí o intelectualismo e a tendência antigenética da abordagem de Stern aos problemas do desenvolvimento linguístico.
  6. 6. (by estudante washington) Segundo Vigotski, o personalismo de Ster, aplicado ao mecanismo eminentemente social do comportamento da fala, ignorando, como faz, o aspecto social da personalidade, leva a absurdos evidentes. A concepção metafísica da personalidade, que deriva todos os processo evolutivos de uma teleologia pessoa, inverte radicalmente as relações genéticas reais entre a personalidade e a linguagem. Em vez de uma história evolutiva da personalidade em si, em que a linguagem desempenha um papel que está muito longe de ser secundário, temos a teoria metafísica, segundo qual a personalidade gera a linguagem a partir da busca de objetivos, característica de sua própria natureza essencial. (p. 39).

×