Alga Curso Unesco Água Matriz

2.086 visualizações

Publicada em

Apresentação da professora Maria do Socorro Rodrigues no Curso Água como matriz Ecopedagógica, da Universidade de Brasília.

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.086
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
21
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
83
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Alga Curso Unesco Água Matriz

  1. 1. Diversidade Biológica “Riqueza da vida na terra, os milhões de plantas, animais e microorganismos, os genes que eles contêm e os intrincados ecossistemas que eles ajudam a construir no meio ambiente” Fundo Mundial para a Natureza (1989) Maria do Socorro Rodrigues - UnB
  2. 2. insetos animais plantas protistas Maria do Socorro Rodrigues - UnB
  3. 3. ALGAS/FITOPLÂNCTON ? Chroococcus Algas - plantas sem raízes, caules e flores que possuem clorofila a como pigmento fotossintético primário. O termo alga não define um grupo taxonômico distinto. Fitoplâncton - “grama” dos lagos e oceanos, de tamanho pequeno e de flutuação livre (Lee, 1989; Horn & Goldman, 1994). Maria do Socorro Rodrigues - UnB
  4. 4. Algas Maria do Socorro Rodrigues - UnB
  5. 5. Maria do Socorro Rodrigues - UnB
  6. 6. Total dependência da água Maria do Socorro Rodrigues - UnB
  7. 7. IMPORTÂNCIA Aspectos dinâmicos de lagos- cor, claridade, estado trófico, química da água gosto, odor, plâncton animal e produção de peixes *Algas marinhas- extratos de uso alimentício, farmacológico, cósmeticos e aplicação industrial (fertilizantes, filtros, tratamento de esgoto, etc.) Maria do Socorro Rodrigues - UnB
  8. 8. Organização Celular Procariontes Monera - Cyanobacterias Origem no Pré-cambriano (aproximadamente 3 bilhões de anos) Organismos Eucariontes Protista - Algas Origem no Pré-cambriano (aproximadamente 2 bilhões de anos) Maria do Socorro Rodrigues - UnB
  9. 9. Características Básicas Morfologia Flageladas Simples Maria do Socorro RodriguesNogueira Foto: - UnB
  10. 10. Coloniais Maria do Socorro Rodrigues - UnB
  11. 11. Maria do Socorro Rodrigues - UnB
  12. 12. Floração-problemas Cor, odor e sabor (terra) a água de abastecimento Produção de CIANOTOXINAS Diminuição da qualidade cênica Excesso de indivíduos (FLORAÇÃO) Massas mucilaginosas (“natas de algas”) densas e espessa (milímetros a metros) Maria do Socorro Rodrigues - UnB
  13. 13. Floração-Parque Buritis - Goiânia Maria do Socorro Rodrigues - UnB
  14. 14. Floração Foto: Nogueira Maria do Socorro Rodrigues - UnB
  15. 15. Cianobactérias Célula procariótica como as bactérias (autotrófica) Reprodução por fissão binária Unicelulares, filamentosas ou coloniais Produzem heterocisto- fixação de nitrogênio Maria do Socorro Rodrigues - UnB
  16. 16. CIANOBACTÉRIAS Foto:Nogueira Maria do Socorro Rodrigues - UnB
  17. 17. RISCOS PARA A SAÚDE Amnesic Shellfish Poisoning (ASP) organismos: Pseudo-nitzschia sp. toxina : Domoic Acid Caracterizada por disturbios gastrointestinais e neurológicos (Bates et al., 1989). Diarrhetic Shellfish Poisoning (DSP) organismos: Dinophysis sp. toxina : Okadaic Acid DSP produz sintomas gastrointestinais, dentro de 30 min a poucas horas após consumo de peixe (Yasumoto and Murato, 1990).A doença não é fatal mas provoca diarréia incapacitante, náusea, vômito, cãibras abdominais. Recuperação ocorre após dias com ou sem tratamento. Maria do Socorro Rodrigues - UnB
  18. 18. Evidências da eutrofização Modificações qualitativas e quantitativas nas comunidades aquáticas Alteração da coloração da água para um verde- oliva ou verde-musgo Redução do Oxigênio dissolvido Mortandade de peixes Maria do Socorro Rodrigues - UnB
  19. 19. Cianotoxinas Grupo de substâncias químicas bastante diverso, com mecanismos tóxicos específicos Em vertebrados algumas cianotoxinas podem atuar nos sistemas nervoso, digestivo (fígado e intestino) e também nos tecidos dérmicos (mucosa e pele). No Brasil existem 22 Espécies de Cianobactérias potencialmente tóxicas (SANT’ANNA & AZEVEDO, 2000). Maria do Socorro Rodrigues - UnB
  20. 20. Histórico de Eventos de Microcistinas que Desencadearam a Atual Legislação 1996 - Caruaru (PE) – 130 pacientes renais crônicos – Hepatotoxicose – 60 faleceram em até 10 meses Constatação – Microcistinas no sistema de purificação de água, amostras de sangue e fígado. 1988 – Itaparica (Ba) – 200 pessoas intoxicadas – 88 faleceram. Constatação – Microcistinas na água de abastecimento – não houve divulgação Maria do Socorro Rodrigues - UnB
  21. 21. Floração de cianobactérias- prevenção MÉTODOS CORRETIVOS EXTERNOS Atuação na bacia hidrográfica Redução do aporte de nutrientes, principalmente fósforo, oriundas de fontes poluidoras difusas e pontuais Uso racional do solo da bacia de drenagem Fiscalização Controle da drenagem pluvial Maria do Socorro Rodrigues - UnB
  22. 22. ESGOTAMENTO SANITÁRIO 56% domicílios urbanos 3,3 % domicílios rurais 47,24 % total dos domicílios Maria do Socorro Rodrigues - UnB Fonte: ANA, 2003
  23. 23. TRATAMENTO DE ESGOTOS Menos de 20% do total de esgotos coletados são tratados Maior causa de poluição dos nossos rios. Maria do Socorro Rodrigues - UnB Fonte: ANA, 2003
  24. 24. MEDIDAS OPERACIONAIS Mudar a profundidade e/ou localização da tomada d’água Reduzir ou inibir a entrada da floração na captação Mudar para fonte alternativa de fornecimento de água, se disponível; Promover melhorias no processo de tratamento (utilização de carvão ativado, adoção de pós-oxidação) Maria do Socorro Rodrigues - UnB
  25. 25. EXIGÊNCIAS DA PORTARIA 518/04, quanto às CIANOBACTÉRIAS ATÉ 10.000 CÉL./mL – identificação e contagem nas captações de água de abastecimento, frequência mensal; ACIMA DE 10.000 CÉL./mL – frequência semanal; ACIMA DE 20.000 CÉL./mL- análisesemanal de cianotoxinas na saída do tratamento, entrada em clínicas de hemodiálise e de indústrias de injetáveis (esta análise será dispensada quando não houver comprovação de toxicidade na água bruta por meio de realização semanal de bioensaio em camundongos) Maria do Socorro Rodrigues - UnB
  26. 26. Maria do Socorro Rodrigues - UnB
  27. 27. PROJETO BRASIL DAS ÁGUAS Todos os Pontos Amostrados Período das coletas: •Outubro de 2003 a dezembro de 2004 •Total de Pontos amostrados: 1164 Maria do Socorro Rodrigues - UnB
  28. 28. PROJETO BRASIL DAS ÁGUAS Pontos Amostrados nos Principais Rios do Brasil Total de Pontos amostrados: 294 Maria do Socorro Rodrigues - UnB
  29. 29. PROJETO BRASIL DAS ÁGUAS Estado Trófico nos Principais Rios IET(P) Maria do Socorro Rodrigues - UnB
  30. 30. Maria do Socorro Rodrigues - UnB

×