Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 3 e 4

1.330 visualizações

Publicada em

AULA 3
Planejamento;
Orçamento;
Controles Financeiros;
Investimentos.

AULA 4
Análise Vertical;
Análise Horizontal;
Curva ABC.

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.330
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
100
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Práticas Financeiras e Contábeis - Aulas 3 e 4

  1. 1. Práticas Financeiras e Contábeis Prof. Wandick Rocha wandickrocha@yahoo.com.br http://contabilidademais.blogspot.com.br/
  2. 2. AULA 3 a) Planejamento; b) Orçamento; c) Controles Financeiros; d) Investimentos.
  3. 3. O que é planejamento financeiro?
  4. 4. Planejamento  Planejamento é o trabalho de preparação para qualquer empreendimento no qual se estabelecem os objetivos, etapas, prazos e meios para sua concretização.  É um processo de organizar as informações e dados importantes para manter a empresa funcionando e atingir os objetivos.
  5. 5. Estratégia e Tática  Estratégia é a arte de aplicar os meios disponíveis com vista à consecução de objetivos específicos.  Tática é uma atividade especifica realizada para atingir um objetivo.  No planejamento você vai bolar estratégias para chegar nos seus objetivos e aplicar táticas para cada objetivo específico.
  6. 6. Planejamento Financeiro  Planejamento financeiro é o processo que conduz a administração para acompanhar as metas estabelecidas e que possibilita a elaboração de orçamento e do fluxo de caixa, verificar a disponibilidade de recursos e fazer investimentos.  Planejar as finanças é criar uma estratégia econômica para atingir os objetivos da maneira mais precisa gerando crescimento e sustentabilidade do empreendimento.
  7. 7. Funções Administrativas  As funções administrativas são classificadas em planejamento, organização, direção e controle e coordenação.  Planejar  escolher uma entre várias alternativas para atingir um objetivo futuro;  Organizar  atribuir responsabilidades e autoridade;  Dirigir exercer a autoridade;  Controlar  avaliar os resultados das atividades.  Coordenar  ordenar, ter métodos.
  8. 8. Tripé da Estrutura Financeira PATRIMÔNIO LUCRO CAIXA
  9. 9. Tripé da Estrutura Financeira  Caixa: controles financeiros básico, como o registro de caixa das entradas e saídas, contas a pagar e contas a receber, controle bancário, controle de estoques e fluxo de caixa.  Lucro: apuração do resultado através da diferença entre receitas e despesas.  Patrimônio: é a estrutura patrimonial, os bens, direitos e obrigações da empresa, o capital de giro, as tendências de crescimento, endividamento e rentabilidade.
  10. 10. Objetivos do Planejamento Financeiro  Auxiliar na melhor utilização dos recursos disponíveis em investimentos, financiamentos e aplicação do lucro líquido.  Selecionar as melhores fontes de obtenção de recursos financeiros e analisar a correta utilização desses recursos.  A empresa ter a capacidade de investir corretamente os seus recursos.
  11. 11. Planejamento Financeiro  Uma decisão estratégica que envolve investimento e aplicação de capital é necessário fazer um plano de investimento destinado a estudar a situação atual e futura da empresa. As aplicações dos recursos na área de investimentos destinam-se a: Aquisição de máquinas e equipamentos; Informatização e publicidade; Construção de uma nova fábrica; Desenvolvimento de produtos e serviços.
  12. 12. Fluxo de Caixa  O fluxo de caixa é um instrumento gerencial que controla e informa todas as movimentações financeiras, entradas e saídas de valores de um determinado período.  É composto dos dados obtidos dos controles de contas a pagar, contas a receber, vendas, despesas, saldos de aplicações e de todas as movimentações de recursos financeiros da empresa.
  13. 13. FLUXO DE CAIXA Descrição 1ª Semana 2ª Semana 3ª Semana 4ª Semana 1. Saldo Inicial 3.000,00 8.000,00 8.500,00 11.500,00 Vendas à Vista 8.000,00 5.000,00 4.000,00 2.000,00 Vendas à Prazo 7.000,00 4.000,00 6.000,00 3.000,00 Cheques Pré- datado 2.000,00 3.000,00 1.000,00 1.000,00 2. Total de Entradas 20.000,00 12.000,00 11.000,00 5.000,00 Fornecedores 6.000,00 4.000,00 3.000,00 2.000,00 Impostos 4.000,00 3.000,00 1.000,00 1.000,00 Comissões 2.000,00 1.500,00 1.000,00 1.000,00 Custo Fixo 3.000,00 3.000,00 3.000,00 3.000,00 3. Total de Saídas 15.000,00 11.500,00 8.000,00 7.000,00 4. Saldo Operacional 5.000,00 500,00 3.000,00 (2.000,00) 5. Saldo Final 8.000,00 8.500,00 11.500,00 9.500,00
  14. 14. Capital de Giro  O capital de giro é o montante de dinheiro necessário para cobrir o ciclo de dias que a empresa tem desde a compra do estoque até o recebimento da venda.  É uma reserva para manter as atividades operacionais da empresa por um período determinado até que haja receitas.  O fluxo de caixa ajuda a controlar o capital de giro, identificando problemas, e faz parte de um planejamento financeiro.
  15. 15. Malharia Alfa Ltda. Levantamento da Necessidade de Capital de Giro CONTAS DE CAPITAL DE GIRO SITUAÇÃO EM 30/08/2014 1. Aplicações em Capital de Giro 1.1. Contas a receber de clientes 105.000,00 1.2. Estoque matéria-prima 15.000,00 1.3. Estoque de produtos acabados 39.000,00 1.4. Estoque de mercadorias 0,00 Soma (1) 159.000,00 2. Fontes de Financiamento em Capital de Giro 2.1. Fornecedores a pagar 42.000,00 2.2. Impostos a pagar 6.000,00 2.3. Custos e despesas a pagar 10.500,00 Soma (2) 58.500,00 3. Necessidade Capital Giro (1-2) 100.500,00
  16. 16. Orçamento  O orçamento é uma ferramenta de gestão que explicita as intenções da empresa em termos financeiros, controlando essas finanças, e que contempla as funções administrativas (planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar).  Possibilita ao gestor programar as entradas (recebimentos) e as saídas (pagamentos) de recursos financeiros, fazendo com que a empresa possa operar de acordo com as metas a curto e longo prazo.
  17. 17. Orçamento  O orçamento parte do comportamento do passado e olha para as possíveis mudanças futuras, quantificando, em termos econômicos e financeiros, as atividades da empresa.  Integra aspectos operacionais e financeiros:  Fixa políticas e estratégias; Harmoniza os objetivos; Quantifica as atividades e suas datas de realização; Melhora a avaliação e a utilização de recursos.
  18. 18. Controles Financeiros  A finalidade dos controles financeiros é gerar informações úteis e confiáveis para o administrador tomar decisões.  Os principais procedimentos para o controle financeiro são: controle diário de caixa, controle bancário, controle diário de vendas, contas a receber, contas a pagar, controle mensal de despesas e estoques.
  19. 19. Estágios do Controle Financeiro  Para obter informações úteis à gestão financeira temos três estágios:  1º Estágio: organizar os controles internos para que eles forneçam as informações necessárias à tomada dessas decisões.  2º Estágio: preparação dos dados e das informações necessárias para a gestão do capital de giro.  3º Estágio: apresentar os instrumentos e as ações para a sua gestão, para a qual o fluxo de caixa é o instrumento básico.
  20. 20. Controle Diário de Caixa  O Controle Diário de Caixa é o registro de todas as entradas e saídas de dinheiro, além de apurar o saldo existente no caixa.  A principal finalidade do controle de caixa é verificar se não existem erros de registros ou desvios de recursos.  O caixa é conferido diariamente, e as diferenças porventura existentes têm que ser apuradas no mesmo dia.
  21. 21. Controle Diário de Caixa  O controle diário de caixa fornece informações para: Controlar os valores depositados em bancos; Fazer pagamentos em dinheiro, quando há recursos disponíveis; Controlar e analisar as despesas pagas; Fornecer dados para elaboração do fluxo de caixa.
  22. 22. Controle Diário de Caixa Julho / 2013 Empresa: Malharia Alfa Ltda. DIA HISTÓRICO ENTRADA SÁIDA SALDO 2 Saldo anterior 1.000,00 2 Recebimento fatura nº 01 650,00 1.650,00 2 Recebimento fatura nº 02 500,00 2.150,00 2 Pagto. despesa taxi 50,00 2.100,00 2 Pagto. mat. escritório NF 45,00 2.055,00 2 Pagto. mat. escritório NF 55,00 2.000,00 2 Saldo a transportar 2.000,00
  23. 23. Controle Bancário  É o registro diário de toda a movimentação bancária e do controle de saldos existentes, ou seja, os depósitos e créditos na conta da empresa, bem como todos os pagamentos feitos por meios bancários e demais valores debitados em conta, como:  Tarifas bancárias;  Juros sobre saldo devedor;  Contas de energia, água ou telefone;  Operações com cartão de crédito e débito;  DOC ou TED.
  24. 24. Controle Bancário  O controle bancário tem as seguintes finalidades: Confrontar os registros da empresa e os lançamentos gerados pelo banco; Apurar as diferenças nos registros; Gerar informações sobre os saldos bancários existentes, inclusive se são suficientes para pagar os compromissos do dia.
  25. 25. Controle de Movimento Bancário Banco: CEF Ag.: 0133 Conta: 1000-9 Empresa: Malharia Alfa Ltda DATA HISTÓRICO DÉBITO CRÉDITO SALDO 2 Saldo anterior 5.000,00 2 Depósito em cheque 1.000,00 6.000,00 2 Receb. de clientes 500,00 6.500,00 2 Pagto. fornecedores 1.500,00 5.000,00 2 Conta de telefone 300,00 4.700,00 2 Tarifa bancária 30,00 4.670,00 2 Saldo a transportar 4.670,00
  26. 26. Controle Diário de Vendas  Controla as vendas diárias e o total das vendas acumuladas durante o mês, possibilitando ao administrador tomar providências para que as metas de sejam alcançadas.  Pode fornecer as seguintes informações: Controle das vendas diárias e prazos de recebimentos; Total das vendas mensais; Dados para conferência de caixa; Controle dos registros dos valores das vendas a prazo; Informações para compras; Fluxo de caixa.
  27. 27. Controle Diário de Vendas Mês/ano: maio/2014 Empresa: Malharia Alfa Ltda. DIA À VISTA 30 DIAS 60 DIAS 90 DIAS TOTAL 2 2.000,00 1.500,00 1.000,00 500,00 4.500,00 3 2.500,00 1.000,00 800,00 300,00 4.600,00 4 3.000,00 1.000,00 1.000,00 1.000,00 6.000,00 31 SOMA 7.500,00 3.500,00 2.800,00 1.800,00 15.100,00
  28. 28. Controle de Contas a Receber  Tem como finalidade controlar os valores que a empresa tem o direito de receber, provenientes das vendas a prazo.  Deve fornecer as seguintes informações: Informar valores a receber; Auxiliar na decisão sobre investimentos e previsão de compras; Fornecer informações sobre os clientes; Fornecer informações para elaboração do fluxo de caixa.
  29. 29. Controle de Contas a Receber Mês/ano: Junho/2014 Empresa: Malharia Alfa Ltda. DIA CLIENTE HISTÓRICO VALOR RECEBIMENTO DATA VALOR 2 Rafael Dias Ch. 101 B. Brasil 650,00 2 650,00 2 Katia Campos Ch. 201 CEF 700,00 2 700,00 2 Lojas S e A Fat. 001 1.000,00 2 1.000,00 2 Empresa Alfa Fat. 012 1.200,00 2 1.200,00 2 Gráfica Til Fat. 036 670,00 TOTAL A RECEBER NO DIA 4.220,00 3.550,00
  30. 30. Controle Analítico de Cliente Empresa: Malharia Alfa Ltda. Cliente: Klara Campos Endereço: Rua São Mateus, nº 3475, Apto. 301 Bairro: São Mateus Cidade: Juiz de Fora UF: MG CEP: 36.100-000 Tel.: (32) 3232-4000 Cel.: (32) 9999-8888 e-mail: alfa@alfa.com Histórico de Compras e Pagamentos Realizados DIA VALOR DAS COMPRAS DATA DE VENCIMENTO DATA DE PAGAMENTO VALOR PAGO 07/02/14 3.000,00 07/03/14 07/03/14 3.000,00 26/05/14 4.800,00 26/06/14 25/06/14 4.800,00 22/06/14 9.200,00 22/07/14 30/07/14 9.384,00
  31. 31. Controle de Contas a Pagar  É o demonstrativo que fornece a visualização de todos os compromissos financeiros assumidos pela empresa e os respectivos vencimentos.  Objetivos: Verificar, controlar e processar as contas a pagar; Informar os vencimentos; Prioridades de pagamento; Informar inadimplência; Fluxo de caixa.
  32. 32. Controle de Contas a Pagar – Malharia Alfa Ltda Mês/ano: Janeiro/2014 DIA FORNECEDOR HISTÓRICO VALOR PAGAMENTO DATA VALOR 7 Encargos folha de pagamento FGTS 430,00 2 430,00 7 Imobiliária Aluguel 1.000,00 7 1.00,00 7 Contabilidade Honorários 622,00 7 622,00 7 Empresa Alfa Dup. Nº 10 1.500,00 7 1.500,00 7 Gráfica Til Dup. Nº 20 1.100,00 TOTAL A PAGAR NO DIA 4.652,00 3.552,00
  33. 33. Controle de Despesas Mensais  É o demonstrativo que fornece o acompanhamento da evolução dos gastos mensais da empresa.  Objetivos: Cortar gastos; Cálculo de custos; Formação do preço de vendas.
  34. 34. Controle de Mensal de Despesas Malharia Alfa Ltda. Mês/ano: agosto/2014 DIA SALARIO ENCARGOS ALUGUEL ENERGIA TOTAL 5 5.000,00 5.000,00 7 430,00 1.000,00 2.052,00 10 550,00 800,00 SOMA 5.000,00 430,00 1.000,00 550,00 7.852,00
  35. 35. Controle de Estoque  Controle de estoque é o procedimento adotado para registrar, fiscalizar e gerir a entrada e saída de mercadorias e produtos da empresa.  Objetivos: Informar a quantidade dos itens; Informar sobre produtos vendidos; Reposição; Informar o valor; Evitar produtos parados; Evitar desvios ou fraudes.
  36. 36. Controle de Estoque Empresa: Malharia Alfa ltda. PRODUTO: Malha Feminina de Algodão FORNECEDOR: W & K Têxtil Ltda. COR: Cinza LOCALIZAÇÃO: Prateleira 02 DATA Nº DOC ENTRADA SAÍDA SALDO QT. VALOR QT. VALOR QT. PREÇO VALOR 02/01 SD. INIC. 400 10,00 4.000,00 03/01 REQ. 201 20 200,00 380 10,00 3.800,00 04/01 REQ. 202 30 300,00 350 10,00 3.500,00 05/01 NF 101 100 1.000,00 450 10,00 3.950,00 06/01 REQ. 203 150 1.500,00 300 10,00 2.450,00
  37. 37. Investimento  Investimento é a aplicação de algum tipo de recurso financeiro com a expectativa de receber algum retorno futuro superior ao aplicado.  Aplica-se tanto à compra de máquinas, equipamentos, veículos e imóveis para a instalação de unidades produtivas, bem como à compra de títulos financeiros.  Nesses termos, investimento é toda aplicação de dinheiro com expectativa de lucro.
  38. 38. Investimento  O empreendedor tem que utilizar parte do lucro para investimento em: Capital de giro; Estrutura da empresa; Negócios a longo prazo. É prudente manter certa quantia em investimento a curto prazo para eventuais necessidades. De tempos em tempos é necessário reestruturar o fluxo de caixa para não perder o foco nos investimentos.
  39. 39. AULA 4 a) Análise Vertical; b) Análise Horizontal; c) Curva ABC.
  40. 40. O que é análise vertical e horizontal?
  41. 41. Análise Vertical  Baseia-se nos valores relativos das contas das demonstrações financeiras, dentro de um mesmo período.  É calculado o percentual por cada conta em relação a um valor base. Balanço Patrimonial Valor Base Total do Ativo (ou Passivo) Peso 100 Demonstração do Resultado do Exercício Valor Base Receita Líquida Peso 100
  42. 42. Análise Vertical  É um processo comparativo que se baseia nos valores relativos das seguintes demonstrações contábeis: Balanço Patrimonial; Demonstração do Resultado do Exercício.
  43. 43. Para se efetuar o cálculo da análise vertical nas demonstrações contábeis, podemos apurar o percentual relativo a cada item da seguinte forma: Conta (ou grupo de contas) Ativo total (ou passivo total) X 100 Balanço Patrimonial Conta (ou grupo de contas) Receita líquida X 100 DRE Análise Vertical
  44. 44. Análise Vertical Balanço Patrimonial  A análise vertical do Balanço Patrimonial consiste na determinação dos percentuais de cada conta (ou cada grupo de contas) em relação ao valor total do Ativo (ou do Passivo). Conta (ou grupo de contas) Ativo total (ou passivo total) X 100
  45. 45. ATIVO 2013 % AV 2012 % AV CIRCULANTE 122.500,00 64,30 90.000,00 72,00 Disponibilidades 3.800,00 1,99 2.500,00 2,00 Contas a Receber 56.750,00 29,79 40.740,00 32,59 Estoques 52.000,00 27,30 36.000,00 28,80 Outros 9.950,00 5,22 1.070,00 0,86 NÃO CIRCULANTE 68.000,00 35,70 35.000,00 28,00 Imobilizado 90.000,00 47,24 50.000,00 40,00 Depreciação (22.000,00) (11,55) (15.000,00) (12,00) ATIVO TOTAL 190.500,00 100 125.000,00 100
  46. 46. PASSIVO 2013 % A.V. 2012 % A.V. CIRCULANTE 105.500,00 55,38 65.500,00 52,40 Fornecedores 35.400,00 18,58 24.000,00 19,20 Empréstimos 51.000,00 26,77 23.000,00 18,40 Outros 19.100,00 10,03 18.500,00 14,80 NÃO CIRCULANTE 18.200,00 9,55 10.200,00 8,16 Financiamentos 18.000,00 9,45 10.000,00 8,00 Outros 200,00 0,10 200,00 0,16 PATRIMÔNIO LÍQUIDO 66.800,00 35,07 49.300,00 39,44 Capital Social 50.000,00 26,25 29.800,00 23,84 Reservas 3.900,00 30,23 4.680,00 31,58 Lucros Acumulados 12.900,00 6,77 14.820,00 11,86 PASSIVO TOTAL 190.500,00 100 125.000,00 100
  47. 47. Análise Vertical Demonstração do Resultado do Exercício A análise vertical da DRE consiste na determinação dos percentuais das contas de receitas e despesas em relação à receita líquida. Conta (ou grupo de contas) Receita Líquida X 100
  48. 48. DRE 2013 % A.V. RECEITA LÍQUIDA 4.500.000,00 100,00 (-) Custo dos Produtos 2.950.000,00 65,56 (=) LUCRO BRUTO 1.550.000,00 34,44 (-) Despesas Operacionais 900.000,00 20,00 (-) Despesas Administrativas 440.000,00 9,77 (-) Despesas Comerciais 180.000,00 4,00 (-) Despesas Tributárias 210.000,00 4,66 (-) Depreciação 70.000,00 1,55 (=) Resultado Operacional 650.000,00 14,44 (+/-) Receitas / Despesas Financeiras 25.000,00 0,55 (=) LUCRO OPERACIONAL 675.000,00 15,00 (+/-) Receita / Despesa não Operacional 45.000,00 1,00 (=) LUCRO ANTES DO IR E CSLL 720.000,00 16,00 (-) Provisão para IR e CSLL 180.000,00 4,00 (=) LUCRO LÍQUIDO NO EXERCÍCIO 540.000,00 12,00
  49. 49. Análise Horizontal  Técnica que parte da comparação do valor de cada item do demonstrativo, em cada período, com o valor correspondente em um determinado período anterior, considerado domo base.  Essa análise tem como objetivo mostrar a evolução de cada conta (ou grupo de contas), quando considerada de forma isolada.  Informa o aumento ou diminuição da proporção de uma determinada despesa em relação a um determinado total, mas não nos diz se essa variação foi derivada do aumento ou da diminuição do valor absoluto da verba considerada.
  50. 50. Análise Horizontal  Compara cada elemento do peíodo-base com o período imediatamente anterior para medir qual foi o crescimento ou a evolução patrimonial.  No Balanço e na DRE o período anterior é a base 100. O resultado líquido do peíodo-base (após tirar de 100) revela se houve acréscimo ou decréscimo em porcentagem. Período Base Período Anterior (Balanço Patrimonial ou DRE) Peso 100
  51. 51. Análise Horizontal Para se efetuar o cálculo da análise horizontal nas demonstrações contábeis, podemos apurar o percentual relativo a cada item da seguinte forma: Valor atual do item Valor do item no período base anterior X 100 Balanço Patrimonial ou DRE - 1
  52. 52. ATIVO % AH 2013 2012 CIRCULANTE 36,11 122.500,00 90.000,00 Disponibilidades 52,00 3.800,00 2.500,00 Contas a Receber 39,30 56.750,00 40.740,00 Estoques 44,44 52.000,00 36.000,00 Outros 829,91 9.950,00 1.070,00 NÃO CIRCULANTE 94,29 68.000,00 35.000,00 Imobilizado 80,00 90.000,00 50.000,00 Depreciação 46,67 (22.000,00) (15.000,00) Ativo Total 52,40 190.500,00 125.000,00
  53. 53. PASSIVO % A. H 2013 2012 CIRCULANTE 61,07 105.500,00 65.500,00 Fornecedores 47,50 35.400,00 24.000,00 Empréstimos 121,74 51.000,00 23.000,00 Outros 3,24 19.100,00 18.500,00 NÃO CIRCULANTE 78,43 18.200,00 10.200,00 Financiamentos 80,00 18.000,00 10.000,00 Outros 0,00 200,00 200,00 PATRIMÔNIO LÍQUIDO 35,50 66.800,00 49.300,00 Capital Social 67,79 50.000,00 29.800,00 Reservas (16,67) 3.900,00 4.680,00 Lucros Acumulados (12,96) 12.900,00 14.820,00 Passivo Total 52,40 190.500,00 125.000,00
  54. 54. DRE % A. H 2013 2012 RECEITA LÍQUIDA DE VENDAS 49,90 3.009,00 2.007,00 (-) Custo dos Produtos Vendidos 47,90 (2.100,00) (1.420,00) (=) LUCRO BRUTO 54,90 909,00 587,00 (-) DESPESAS OPERACIONAIS 47,00 (657,00) (447,00) (-) Despesas Administrativas 111,70 (381,00) (180,00) (-) Despesas Comerciais 119,10 (103,00) (47,00) (-) Despesas Tributárias (31,50) (126,00) (184,00) (-) Despesas com Depreciação 31,30 (21,00) (16,00) (-) Outras Despesas 30,00 (26,00) (20,00) (=) RESULTADO OPERACIONAL 80,00 252,00 140,00 (+/-) Receitas / Despesas Financeiras (48,60) (18,00) (35,00) (=) LUCRO OPERACIONAL 122,90 234,00 105,00 (+/-) Receita / Despesa Não Operacional 56,50 (36,00) (23,00) (=) LUCRO ANTES DO IR E CSLL 141,50 198,00 82,00 (-) Provisão para o IR e CSLL 140,00 (60,00) (25,00) (=) LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO 142,10 138,00 57,00
  55. 55. Curva ABC  A curva ABC também é conhecida como Análise de Pareto ou regra 80/20.  É um estudo que foi desenvolvido por Joseph Moses Juran, consultor da área da qualidade, que identificou que 80% dos problemas são geralmente causados por 20% dos fatores.  O nome “Pareto” vem de uma homenagem ao economista italiano Vilfredo Pareto, que em seu estudo observou que 80% da riqueza da Itália estava na mão de 20% da população.
  56. 56. Curva ABC  É um instrumento para se examinar estoques, permitindo a identificação daqueles itens que justificam atenção e tratamento adequados quanto à sua administração.  Consiste na verificação, em certo espaço de tempo do consumo em quantidade dos itens de estoque para que eles possam ser classificados em ordem decrescente de importância.
  57. 57. Classificação da Curva ABC  Classe A: de maior importância, valor ou quantidade, correspondendo a 20% do total. Podem ser itens do estoque com uma demanda de 65% num dado período.  Classe B: com importância, quantidade ou valor intermediário, correspondendo a 30% do total . Podem ser itens do estoque com uma demanda de 25% num dado período.  Classe C: de menor importância, valor ou quantidade, correspondendo a 50% do total. Podem ser itens do estoque com uma demanda de 10% num dado período. 

×