SlideShare uma empresa Scribd logo
RESUMO
A Administração da Produção e Operação tem mudado bastante nas últimas décadas tornado-
se cada vez mais estratégica, garantindo o melhor uso dos recursos e o aproveitamento ideal dos
insumos. Com esse monitoramento das operações, a produção passa a ser mais contínua, ganhando
confiabilidade e flexibilidade para planejar e controlar a demanda por produtos, bem como assegurar à
equipe de venda que os compromissos assumidos junto aos clientes sejam cumpridos.
Dentro da amplitude da Administração de Produção e Operações, foram abordados os temas
de Localização e Arranjo Físico, Capacidade Produtiva e Filas em Unidades da Rede de Operações e a
Teoria das Restrições.
Esse trabalho teve como objetivo desenvolver os temas citados de uma forma ampla e
generalizada, através de pesquisas em diversos meios de comunicação.
Esperamos que a qualidade e a competência sejam os aspectos preliminares básicos a serem
evidenciados neste estudo.
ABSTRAT
The administration of Productions and Operations has changed too much, in last decades
becoming increasingly strategic, ensuring the best use of resources and optimal use of inputs.
With this monitoring of operations, the production becomes more continuous, acquiring
reliability and flexibility to plan and control the demand for products and ensure the sales team that
commitments are met, to the customer.
Within the scope of Production and Operations Management, were addressed the issues of
Location and Physical Arrangement, Capacity and Queues in Units of the Network Operations and the
Theory of Constraints.
This work aimed to develop the themes mentioned so broad and general, through research in
various communication medias.
We hope that the quality and competence are the basic aspects to be highlighted in this study.
SUMÁRIO
INTRODUÇÃO 06
1. LOCALIZAÇÃO E ARRANJO FÍSICO DE UNIDADES DE OPERAÇÕES
1.1. Fatores determinantes nas decisões de localização 07
1.2. Localização de Instalações de Serviços 08
1.3. Fatores que Afetam a Localização 08
1.3.1. Proximidade de fontes qualificadas de suprimento (material) 08
1.3.2. Proximidade de fontes de insumos (mão de obra) 08
1.3.3. Proximidade dos clientes 08
1.3.4. Considerações referentes ao ambiente físico e de negócio 09
1.3.5. Considerações referentes a qualidade de vida dos colaboradores 09
1.3.6. Considerações referentes à comunidade 09
1.3.7. Considerações referentes à globalização 09
1.4. Métodos para Localização de Unidades de Operações 09
1.5. Localização de Unidades de Serviços 12
1.6. Arranjo Físico 12
2. CAPACIDADE PRODUTIVA E FILAS EM UNIDADES DE REDES DE
OPERAÇÕES
2.1. Medidas de Capacidade Produtiva (Imputs/Outputs) 14
2.2. Gestão Estratégica de Capacidade 17
2.3. Gestão Tática da Capacidade 19
2.4. Gestão de Capacidade em Operações 20
2.4.1. Absorver as variações da demanda usando estoques 20
2.4.2. Alterar a capacidade do sistema para que esta se ajuste melhor à demanda 20
2.4.3. Influenciar a demanda para ajustá-la a capacidade disponível 20
2.5. Yield Management ou Gestão das Receitas 21
2.5.1. Características das empresas com programas de gestão de receitas 21
2.5.2. A base de aplicação dos programas de gestão de receitas 21
2.6. Overbooking 21
2.7. Gestão de Filas e Fluxos 22
2.7.1. Psicologia das Filas 22
2.7.2. Teoria das Filas 22
2.7.2.1. Características dos processos de filas 24
2.7.2.2. Notação 27
2.7.2.3. Medidas de desempenho de sistemas de filas 28
2.7.2.4. Um processo de Poisson simples 29
3. TEORIA DAS RESTRIÇÕES EM REDES DE OPERAÇÕES 30
3.1. Histórico 30
3.2. O Processo Decisório da Teoria das Restrições e os Processos de Raciocínio 30
3.2.1. Árvore da realidade atual (ARA) 31
3.2.2. Diagrama de dispersão da nuvem 32
3.2.3. Árvore da realidade futura (ARF) 32
3.2.4. Árvore de pré requisitos 32
3.2.5. Árvore de transição 32
CONCLUSÃO 35
REFERÊNCIAS 37
3
INTRODUÇÃO
A administração de Produção e Operações evoluiu até sua forma atual através da combinação
de práticas consagradas do passado, adaptando-se aos desafios de cada era, a fim de buscar novas
formas de gerenciar o sistema de produção. Os principais acontecimentos que contribuíram para seu
desenvolvimento foram Revolução Industrial, O Período Pós Guerra Civil e A Administração
Científica.
Dentre as áreas funcionais de uma empresa industrial, o setor de produção é o mais
pressionado. As causas dessas pressões são inúmeras e vem, principalmente, como resultado da
evolução concorrencial cada vez mais dinâmica, que por sua vez responde aos desafios lançados por
uma sociedade sempre mais globalizada e também em constante mutação.
Os aspectos externos induzem outros, que acabam sinalizando às empresas necessidades de
mudanças em seu ambiente interno. Tais influências e necessidades associadas são resultantes do
assim chamado por muitos novos paradigmas de produção. Em função disso é que surgiu uma nova
tarefa, antes inexistente, de se examinar e definir continuamente o sistema de gestão de produção, em
consonância com as exigências típicas das variações contextuais que vão ocorrendo.
Grande parte das empresas industriais ou serviços enfrentam, nos dias de hoje, uma
concorrência internacionalizada, além das já existentes em seu país de origem, tendo que experimentar
assim, o sabor da concorrência em um mercado ampliado, em nível mundial.
Nos últimos tempos, temos experimentado uma verdadeira invasão de empresas
multinacionais de todas as partes do globo, que são atraídas não só pela beleza de nosso país, mas
principalmente pelo interesse no enorme potencial de nosso mercado consumidor.
Neste contexto, o grande desafio dos gerentes de produção, é buscar novas formas para o
sistema de produção organizacional, de modo a obter vantagem competitiva na empresa e torná-la
lucrativa e duradoura.
Assim este trabalho vem abordar a importância de vários processos fundamentais que
envolvem a Administração de produção.
4
1. LOCALIZAÇÃO E ARRANJO FÍSICO DE UNIDADES DE OPERAÇÕES
Com o aumento da concorrência em escala global, empresas dos mais variados setores têm
sido compelidas a apresentarem avanços em seus resultados de desempenho. No Brasil, isto também é
verdadeiro, as empresas são forçadas a terem respostas cada vez mais rápidas, diante das exigências de
seus clientes, de forma eficiente, flexível, segura e com custos competitivos.
No desenvolvimento do presente trabalho foi utilizada a pesquisa bibliográfica exploratória
como base para a obtenção de fundamentos teóricos visando evidenciar a importância da escolha
apropriada do arranjo produtivo em função da localização da empresa e da capacidade de produção.
Corrêa (2006) afirma que a localização de uma operação afeta a capacidade de uma empresa
em competir em relação aos aspectos internos e externos. Para as empresas de manufatura, a
localização afeta seus custos diretos, custos de transporte (matérias-primas, componentes, insumos
etc), custos da mão-de-obra, custos logísticos, entre outros.
Por sua vez, a localização interfere no atendimento ao cliente, no tempo de transporte dos
produtos acabados até o seu destino final e na proximidade com suas fontes de recursos dentro de sua
cadeia de suprimentos.
As decisões de localização devem ser avaliadas cuidadosamente, utilizando-se as técnicas
apropriadas, para se evitar uma escolha mal sucedida. As escolhas de localização devem ser
precedidas de uma análise detalhada, levando-se em conta o maior número possível de variáveis. A
decisão tomada ainda deve estar de acordo com a visão que a empresa tem de seu negócio.
1.1.Fatores determinantes nas decisões de localização
Muitos fatores podem afetar a decisão sobre a localização de uma empresa industrial, entre
eles pode-se destacar:
 Disponibilidade de mão-de-obra qualificada;
 Proximidade com as fontes de fornecimento;
 Proximidade com mercados consumidores;
 Qualidade de vida e serviços disponíveis aos funcionários;
 Serviços Públicos (água, esgoto, energia, telecomunicações, etc);
 Benefícios fiscais e ajuda financeira;
 Rodovias, Portos, Aeroportos, Ferrovias;
 Legislações, sindicatos mais flexíveis;
 Cultura da região, princípios éticos;
 Localização dos concorrentes e a
 Localização global.
5
1.2. Localização de Instalações de Serviços
Localizar instalações fixas ao longo da rede da cadeia de suprimentos é um importante
problema de decisão que dá forma, estrutura e contornos ao conjunto completo dessa cadeia
(BALLOU, 2006). Localizar significa determinar o local onde será a base de operações, onde serão
fabricados os produtos ou prestados os serviços, onde se fará a administração do empreendimento. Em
matéria de localização, nada pode ser negligenciado. Às vezes, detalhes aparentemente pequenos,
quando não levados em conta, podem acarretar sérias desvantagens.
A literatura mais especializada sobre localização de instalações é bastante diversificada,
apresenta várias formas de tratar o problema e suas variações, inúmeros modelos estão descritos nas
principais revistas, periódicos e congressos científicos nacionais e internacionais, de variadas áreas do
conhecimento.
É importante frisar a necessidade de uso de um modelo como apoio à decisão que se pretende
tomar, porém respeitando as imperfeições naturais inerentes ao processo de modelagem.
1.3. Fatores que Afetam a Localização
1.3.1. Proximidade de fontes qualificadas de suprimento (material)
Muitas empresas podem privilegiar localizações próximas de fontes de suprimentos. Por
razões que privilegiam o critério proximidade de fontes de suprimentos em suas decisões de
localização são os custos de transporte. Por exemplo, isso ocorre quando as matérias-primas são muito
mais volumosas, caras ou difíceis de transportar que o produto.
Alguns produtos que tem muitos problemas que se encaixam nesse caso são as fabricas de
papel (muito mais caro transportar toras de madeira que transportar papel), além de numerosas e
outras. (CORRÊA, CORRÊA, 2004).
1.3.2. Proximidade de fontes de insumos (mão de obra)
Proximidade de fontes amplas de mão-de-obra qualificada ou de preço mais baixo, às vezes, é
um aspecto importante para a decisão de localização de negócios que são intensivos em mão-de-obra
ou em conhecimento. A empresa tem, então, de analisar as quantidades e as habilidades de diferentes
categorias de mão-de-obra que são necessárias a sua operação.
Em operações em que serviços podem ser prestados de forma remota, às vezes a localização é
decidida quase exclusivamente com base na disponibilidade ou no resto da mão-de-obra. Por exemplo,
muitas empresas americanas têm terceirizados seus serviços de call center para empresas na índia –
nesse caso, a localização física dos call centers foi mais influenciada pela disponibilidade de mão-de-
obra barata, qualificada e proficiente em inglês. (CORRÊA, CORRÊA, 2004).
1.3.3. Proximidade dos clientes
Localização das operações próximas aos mercados aos quais serve é essencial para grande
quantidade de negócios.
Uma situação em que isso ocorre é aquele em que o transporte do produto é mais, volumoso,
caro ou difícil que o transporte do produto é mais volumoso, caro ou difícil que o transporte dos
6
insumos da operação exemplo (supermercados, lojas de conveniência, salões de beleza, posto de
combustível, lavanderias, farmácias, restaurantes, entre outros). (CORRÊA, CORRÊA, 2004).
1.3.4. Considerações referentes ao ambiente físico e de negócio
Considerações incluem aspectos como preço, qualidade e disponibilidade de espaço físico
(inclusive considerando necessidades futuras de expansão), utilidade (água, energia elétrica,
telecomunicações, serviços públicos como coleta de lixo, segurança, etc.), incentivos fiscais
possivelmente oferecidos (federais, estaduais e municipais), impactos ambientais, condições de solo,
condições climáticas, acesso à infra-estrutura de transportes (rodoviários, marítimo, aéreo), que com
maior ou menor peso deverão ser considerados por empresas decidindo localização. (CORRÊA,
CORRÊA, 2004).
1.3.5. Considerações referentes a qualidade de vida dos colaboradores
Outra consideração crescentemente importante, num ambiente em que cada vez mais o capital
humano e visto como um fator crucial na obtenção de vantagens competitivas, é a referente à operação
torna-se atraente aos olhos dos funcionários que a empresa pretende atrair.
Em certas situações, é crucial levar em conta como um dos fatores influentes na decisão de
localização a presença ou ausência, na região considerada, de infra-estrutura de segurança, lazer,
educação (boas escolas para os cônjuges e filhos dos funcionários e para os próprios funcionários
garantirem educação continuada), moradia, transporte publico, clima, estilo de vida, entre outros.
(CORRÊA, CORRÊA, 2004).
1.3.6. Considerações referentes à comunidade
Até certo ponto, o sucesso de qualquer negócio é limitado pela aceitação ou não da
comunidade onde a empresa está inserida. Muitas comunidades recebem bem novos negócios, pois
geram empregos, impostos e outros benefícios, entretanto algumas restrições como poluição (visual,
sonora, do ar ou água) podem ocasionar a rejeição.
1.3.7. Considerações referentes à globalização
Com a globalização de mercados e negócios, esta cada vez mais frequente as empresas
tomarem decisões de expansão de suas atividades, explorando novos mercados e aproveitando
algumas vantagens referentes a insumo, como mão de obra mais barata, matéria prima mais
abundante, legislação menos restritiva, entre outras.
Porém não se pode deixar de lado a questão da cultura e risco político, assim nas decisões de
localização, é de suma importância que se identifique as particularidades de cada região, para que
erros sejam evitados.
1.4. Métodos para Localização de Unidades de Operações
O estudo da localização de plantas industriais e das unidades de operações é de grande
importância tanto para a empresa que pretende alcançar o maior número de vantagens competitivas,
como para o desenvolvimento das áreas urbanas que a circundam.
7
É necessário também levar em consideração a questão ambiental de cada uma dessas áreas e
como a instalação das novas plantas impacta em cada uma delas.
Segundo Weber (1971), a teoria de localização de plantas industriais começa por definir
fatores locacionais importantes na definição do local a ser ocupado. Estes fatores podem ser divididos
em específicos (economias de custos alcançadas por um número pequeno de empresas) e gerais
(economias de custos que podem ser alcançadas por qualquer indústria). Os segundo ainda podem ser
separados em regionais (capazes de influenciar a escolha da localização entre regiões) e
aglomerativos, ou desaglomerativos (fatores que provocam a concentração ou dispersão em uma
região). Dentre os fatores locacionais gerais destacamos:
 Transporte (regional);
 Mão de obra (regional);
 Ofertas de serviços (como energia elétrica e água, por exemplo, fatores que podem ser
aglomerativos se presentes em determinada região).
Além disso, fatores que reflitam o desenvolvimento urbano e social de uma determinada
região também devem ser levados em consideração na análise e avaliação de projetos.
Deve-se prestar atenção no aumento do valor agregado industrial, na elevação do nível de
emprego e redistribuição da população (diminuindo, dessa forma, as diferenças entre regiões), na
utilização dos recursos locais, na criação de uma estrutura industrial diversificada e com capacidade de
crescimento auto-sustentado e, por fim, visar o aumento da competitividade e da quantidade de
exportações da empresa e da região, impulsionando ainda mais o desenvolvimento local.
Segundo Clemente et al. (1998), a sua principal preocupação era desenvolver um modelo de
equilíbrio geral do espaço que servisse tanto para a análise de projetos empresariais como públicos.
O primeiro instrumento de análise para problemas de localização industrial foi desenvolvido
na Itália no começo da década de 70, com o objetivo de enquadrar, num mesmo cenário, as
necessidades dos investidores, que procuravam a localização ideal para seus empreendimentos e dos
administradores públicos, que visavam obter um melhor aproveitamento do território administrativo e
desenvolver uma política industrial que refletisse o que as regiões pudessem oferecer.
O modelo de localização atual se aproveita do desenvolvimento tecnológico avançado e
utilizam ferramentas de geoprocessamento para obter informações das mais variadas sobre uma
determinada área/local.
O levantamento das características da área de instalação de uma planta industrial é um fator
muito importante para se atingir o sucesso num empreendimento deste porte.
Através do estudo de localização torna-se possível alcançar um maior número de vantagens
competitivas, tanto para a empresa em si, como para o desenvolvimento da área urbana que a circunda.
Geralmente, as decisões de localização são tomadas de forma hierárquica, do mais geral para o
mais particular, envolvendo níveis de decisão, como: conforme o esquema da abaixo
8
Nível hierárquico Decisão Fatores Principais
Fonte: Adaptada de CORRÊA&CORRÊA, 2004
A definição da localização de uma unidade de operações não é uma tarefa fácil e geralmente é
delegada aos gestores de logística, embora também nos últimos anos esses estudos tenham abrangido
projetos de canais logísticos, como resultado da globalização de fontes de suprimentos e de
considerações de marketing.
Algumas ferramentas são úteis para apoiar o processo de decisão, como:
Método de Ponderação de Fatores
Constitui em um método racional de confrontar e avaliar alternativas de macro-localização.
Método do centro de gravidade
O método começa localizando num grid simplificado as unidades já existentes (fontes de
insumos e clientes). O propósito é estabelecer as distâncias entre os locais, para estabelecer o menor
custo para instalação da empresa.
 Potencial de mercado
 Custos operacionais;
 Estabilidade política;
 Aceitação cultural
 Adequação ao clima e temperatura;
 Infraestrutura global de utilidades e
serviços.
 Custo de transportes;
 Impostos e incentivos;
 Custos e disponibilidade;
 Legislação e incentivos fiscais;
 Legislação trabalhista;
 Protecionismo;
 Potencial do mercado.
 Acesso a mercadoria;
 Custo e disponibilidade de insumos;
 Legislação e incentivos fiscais;
 Atitude da comunidade;
 Disponibilidade de locais;
 Fatores referentes à qualidade de vida.
 Acesso à infraestrutura de transporte;
 Acesso à mercados locais;
 Características do endereço;
 Custo do espaço;
 Impostos territoriais;
 Incentivos locais.
Região Global
Comunidade
Local Específico
Região do
mundo ou país
País ou região de
país
Cidade
Endereço
Sub - região
9
Método dos Momentos
É semelhante ao do centro de gravidade, onde a ponderação de um determinado centro
(cidade) considera o MOMENTO que as demais cidades somadas possuem. (custo de transporte X
quantidade x distancia) o que tiver menor soma de momentos será o escolhido.
Método do Ponto de Equilíbrio
São comparadas diferentes localidades em função dos custos totais da operação (custos fixos +
custos variáveis).
1.5. Localização de Unidades de Serviços
A localização de unidades de serviço segue a mesma lógica da localização de unidades de
operações, é necessário encontrar uma localização que maximize o produto oferecido.
Atualmente, com a facilidade de aplicação de sistemas computadorizadas, existem inúmeras
soluções tecnológicas desenvolvidas para apoiar esta decisão. A maioria destas soluções utiliza
modelos de programação matemática (monocritério ou multicritério) e de teoria das filas. Cabe à
empresa a escolha da tecnologia correta e mais adequada ao seu negócio.
Após a decisão de localização da unidade, a determinação de sua capacidade produtiva deve-
se iniciar os procedimentos para o desenvolvimento dos arranjos físicos necessários.
1.6. Arranjo Físico
O arranjo físico visa dispor da melhor forma possível às máquinas e equipamentos necessários
à execução das atividades. Ele é uma das características evidentes de uma produção ou prestação de
serviços, porque determina sua forma e aparência.
O arranjo físico é uma das primeiras coisas que se nota quando se entra em uma fábrica.
Pequenas mudanças no arranjo físico podem influenciar diretamente no fluxo de materiais ou
no fluxo de pessoas. Um supermercado, por exemplo, pode alterar seu arranjo físico e desviar um
maior fluxo de clientes para uma determinada área de sua preferência. Essas mudanças, pequenas ou
não, podem afetar positivamente ou negativamente, os custos e a eficácia geral da produção.
Há razões importantes para escolhermos o arranjo físico mais adequado, entre elas temos:
Mudar o arranjo físico existente é uma atividade que tem algum grau de dificuldade e de longa
duração, por causa dos recursos como máquinas, equipamentos e bancadas, mudanças erradas no
arranjo físico podem interromper ou prejudicar a produção, prejudicando prazos de entrega ou levando
a perda de produção. Um arranjo físico incorreto pode levar a fluxos longos ou confusos, altos
estoques sem necessidade, fluxos imprevisíveis e altos custos.
Há grande pressão da produção para que o arranjo físico não seja alterado constantemente.
“A mudança do arranjo físico pode ser de execução difícil e cara e, portanto, os gerentes de
produção podem relutar em fazê-la com freqüência”. (SLACK, 2002, p. 201).
10
Como são grandes as dificuldades de tempo, perda de produção e custos, alterar
constantemente o arranjo físico não é interessante para as empresas. O ideal é acertar já na escolha do
arranjo físico, escolhendo de modo a aperfeiçoar seu processo produtivo, com isso a empresa pode
reduzir custos, aumentar sua produtividade, diminuir movimentações desnecessárias de pessoas,
equipamentos e materiais. Com uma correta escolha do arranjo físico, não haverá necessidade de
constantes alterações, sendo necessárias apenas eventuais mudanças para adequar-se às necessidades
de alteração do processo.
“Projetar o arranjo físico de uma operação produtiva, assim como qualquer atividade de
projeto, deve iniciar-se com os objetivos estratégicos da produção”. (SLACK, 2002, p. 201)
Mas dessa forma se esta apenas iniciando um processo de múltiplos estágios que levarão ao
arranjo físico final de uma operação.
Lembrando que, tipo de processo não é o mesmo que arranjo físico, pois, os tipos de processo
são abordagens para a organização das atividades e processos de produção.
“Arranjo físico é um conceito mais restrito, mas é a manifestação física de um tipo de
processo”. (SLACK, 2002, p. 201)
Geralmente os tipos de processo são escolhidos de forma a maximizar o volume produtivo,
buscando sempre o extremo alto volume - baixa variedade dos tipos de processo.
“A maioria dos arranjos físicos, na prática, derivam de apenas quatro tipos básicos de arranjo
físico”. (SLACK, 2002, p. 201)
Os quatro tipos de arranjo físicos são:
 Arranjo físico posicional
 Arranjo físico por processo
 Arranjo físico celular
 Arranjo físico por produto
Cada tipo de processo não tem um modelo de arranjo físico pré-determinado, podendo-se
então, alinhar estrategicamente um determinado tipo de processo a um dos vários tipos de arranjo
físico. O tipo básico de arranjo físico define a maneira geral segundo a qual os recursos vão ser
distribuídos, mas ele não define a posição exata de cada elemento da operação.
“O estagio final na atividade de definição do arranjo físico é a definição do projeto detalhado
de posicionamento físico dos recursos”. (SLACK, 2002, p. 202)
11
2. CAPACIDADE PRODUTIVA E FILAS EM UNIDADES DE REDES DE OPERAÇÕES
Na busca de atingir melhores índices de lucratividade, as empresas procuram reduzir ao
máximo todos os custos operacionais, tendo como objetivo trabalhar com a máxima capacidade
produtiva.
Para que sejam atingidos melhores resultados em produtividade e competitividade, torna-se
extremamente importante um planejamento adequado e voltado para as capacidades da produção.
Segundo Slack (1999, p.253), “um equilíbrio adequado entre capacidade e demanda pode gerar altos
lucros e clientes satisfeitos, enquanto que o equilíbrio “errado” pode ser potencialmente desastroso.”
Tanto em casos de excesso como também em situações de capacidade produtiva insuficiente,
os custos extras e indesejáveis acabam aparecendo, gerando assim várias desvantagens.
Uma capacidade insuficiente causa uma deteriorização do nível de serviços a clientes,
principalmente no que diz respeito aos prazos e sua confiabilidade. Leva também à frustração do
pessoal da fábrica, devido à grande pressão e à falta de capacidade para cumprir os prazos prometidos.
Já em caso de excesso de capacidade, os custos adicionais aparecem, sendo totalmente inviáveis num
ambiente extremamente competitivo.
Inicialmente é necessário observar o conceito de capacidade produtiva em um ambiente de
fabricação no chão de fábrica. Para Slack (1999, p.274), “a capacidade produtiva de uma operação é o
nível máximo de atividade de valor adicionado que pode ser conseguida em condições normais de
operação durante determinado período de tempo.”
Muitas organizações operam abaixo de sua capacidade máxima de processamento, seja porque
a demanda é insuficiente para “preencher” completamente sua capacidade, seja por uma política
deliberada, de forma que a operação possa responder rapidamente a cada novo pedido.
As estratégias para lidar com mudanças de demanda e, conseqüentemente, de capacidade,
podem ser de longo, médio ou curto prazo. As primeiras dizem respeito a introduzir (ou eliminar)
incrementos grandes de capacidade física. Os ajustes de capacidade no médio prazo envolvem, por
exemplo, alteração no número de horas em que os equipamentos são utilizados. Por fim, a maioria das
operações tem de estar preparadas, também, para mudanças diárias de capacidade em resposta a
aumentos imprevistos de demanda.
No quadro abaixo, podemos observar os diferentes níveis de decisão para aumento da
capacidade produtiva, que incluem as seguintes atividades:
 Avaliação da capacidade existente;
 Previsões de necessidades futuras de capacidade;
 Identificação de diferentes formas de alterar a capacidade a curto, médio e longo
prazos;
 Identificação de diferentes formas de alterar a demanda;
 Avaliação do impacto da decisão a respeito de capacidade sobre o desempenho da
operação;
12
 Avaliação econômica, operacional e tecnológica de alternativas de incrementar
capacidade;
 Seleção de alternativas para a obtenção de capacidade adicional.
Níveis de Decisões
Inércia Horizonte Questões principais Nível decisório Decisões típicas
Longa
Meses/Anos
· Que nível global de
capacidade
necessitaremos ao
longo do
horizonte?
· Que padrão de
decisões devemos
adotar para
alteração dos níveis
globais de
capacidade?
Estratégico
Direção
·Novas unidades
de operações
·Expansões de
unidades
·Aquisição /
alteração de
tecnologia de
processo
Média
Semanas/Meses
· Devemos utilizar
produção nivelada
ou acompanhar a
demanda com a
produção?
· Que composto de
funcionários
próprios e de
terceiros usar para
atender flutuações
de demanda?
Tático
Média Gerência
·Turnos de
trabalho ao longo
do horizonte
·Terceirização de
capacidade
·Dimensionament
o de pessoal
·Aquisição:
recursos de porte
menor
Pequena
Horas/Dias/
Semanas
· Que recursos
alocar para que
tarefas?
· Como acomodar
flutuações de
demanda no
curtíssimo prazo?
Operacional
·Alocação de
pessoal entre
setores
·Horas-extras
·Alocação de
pessoal no tempo
·Controle de
entrada e saída de
fluxo por recurso
2.1 Medidas de Capacidade Produtiva (Imputs/Outputs)
Várias definições de capacidade geralmente associam a palavra a volume fixo ou escala, não
indicando, porém, a capacidade de processamento, o que é também importante do ponto de vista das
operações. Para tanto é necessário introduzir a dimensão tempo e transformar a capacidade de volume
fixo em fluxo por períodos.
13
A dimensão da capacidade é uma escolha estratégica que condiciona a atuação da empresa no
mercado. É resultado de uma análise feita pela empresa, em termos economicamente viáveis, que
indica qual poderá ser a quantidade de output escoado naquele momento.
Podemos considerar a capacidade da produção como sendo ajustável. Segundo Slack (1999),
a capacidade da produção pode ser modificada através da utilização dos seguintes métodos:
 Utilização de horas extras;
 Variar o tamanho das forças de trabalho;
 Usar o pessoal em tempo parcial;
 Subcontratação;
 Gerenciar a demanda.
Uma eficiente gestão da capacidade de produção depende de se ter uma medida correta desta
capacidade disponível, o que não tarefa fácil. De qualquer forma, a informação sobre essa medida, será
sempre aproximada, pois ocorrem muitas variações durante o processo.
A capacidade produtiva depende de duas medidas: a utilização e a eficiência. A eficiência de
um processo produtivo refere-se à quantidade dessa capacidade produtiva. Assim, se um funcionário é
contratado por oito horas ao dia para compor o quadro operacional de uma indústria de produção de
componentes eletrônicos, mas efetivamente trabalha apenas seis horas, o seu nível de eficiência é de
75%.
Assim podemos definir que capacidade teórica é o total de produção que pode ser obtida em
um período de trabalho, considerando-se o tempo potencial disponível.
Utilização e eficiência na gestão de capacidade produtiva
Utilização =
Eficiência =
Quando se utilizam ambas as medidas para o projeto e planejamento de capacidade, é
importante usar o conhecimento adquirido de um desempenho passado da operação em utilização e
eficiência para um planejador ou projetista de operação de serviço considere que a capacidade total
teórica estará disponível para isso e para gerar saídas. Para tanto devemos levar em consideração:
Capacidade para planejamento =
Capacidade efetivamente disponível
Capacidade total teórica
Saídas demonstradas em capacidade efetivamente disponível
Saídas-padrão em capacidade efetivamente disponível
Capacidade teórica total x Utilização x Eficiência
14
2.2. Gestão Estratégica de Capacidade
Uma das importantes estratégias de longo prazo diz respeito à determinação do momento de
alteração da capacidade. A empresa deve escolher uma posição entre as estratégias extremas de
capacidade antecipada à demanda, programando aumentos de capacidade de forma que esta seja
sempre suficiente para atender à demanda prevista, e de capacidade acompanhando a demanda,
aumentando a capacidade somente quando a demanda for igual ou maior do que a capacidade.
Para um adequado planejamento da capacidade a empresa deve considerar as variáveis
“quantidade” e “tempo” em suas decisões. Uma perspectiva de balanço entre a demanda prevista e o
fornecimento de capacidade deve permear a intenção da empresa em prover capacidade extra ou
estabelecer uma defasagem da oferta de capacidade. Assim o gerenciamento da capacidade pode ser
expressa como “trade-off” entre alta utilização – menores custos e riscos de perder clientes - e
manutenção de capacidade extra – maiores custos e melhor atendimento e flexibilidade aos clientes.
Quando há capacidade suficiente, a receita é maximizada e os clientes estarão sempre
satisfeitos, porém os custos da operação tendem a serem maiores, pois geralmente haverá capacidade
ociosa. Na estratégia de acompanhamento da demanda, os custos unitários de produção são
minimizados, mas aumentam as chances de insatisfação dos clientes com perdas de qualidade e,
conseqüentemente, de perdas de fatias de mercado.
As questões correlatas ao planejamento da capacidade estão no relacionamento entre
capacidade e nível de demanda, especialmente em situações que necessitam da alteração de
capacidade em forma de expansão ou redução. O fundamento básico para cada estratégia é que a
capacidade é incrementada ou removida em porções, analogamente a degraus, e raramente em
pequenos incrementos.
Entretanto, um aspecto estratégico é decidir se a capacidade é alterada antes da mudança
esperada da demanda, ou de modo reativo, se a capacidade sofrerá alteração após a efetivação da
demanda.
Existem três tipos de estratégias de capacidade: liderando a demanda, perseguindo a demanda
e acompanhando a demanda.
Capacidade lidera a demanda
Capacidade
Tempo
Demanda
15
Demanda
Capacidade
Tempo
Significa que a adição de capacidade é antecipada à mudança da demanda prevista. O objetivo
é manter uma sobra de capacidade que pode ser usada para suportar flexibilidade de volume e oferecer
prazos de entregas confiáveis. Se há uma tendência de crescimento da demanda, a capacidade deve ser
adicionada em antecipação à efetivação da demanda. Em face de uma tendência de declínio da
demanda significaria que a capacidade deveria decrescer ao nível da demanda eliminando um degrau
de capacidade. A regra básica é que a capacidade sempre deveria ser maior ou igual à demanda e,
portanto, manter foco com a preocupação no atendimento dos pedidos, em ambos na tendência
positiva ou negativa.
Capacidade persegue a demanda
Neste casso a adição de capacidade é atrasada na alteração da demanda. O objetivo é manter a
alta utilização dos recursos produtivos e é interessante em mercados que o preço baixo é fator decisivo
de compra. O princípio básico é produzir o máximo possível para manter capacidade em plena
utilização. A capacidade deve ser modificada de modo reativo ao aumento da demanda, e um dos
desafios quando a demanda é de declínio, é a tomada de decisão para sua redução no momento em que
sua utilização ainda está em alta. A regra nesse caso é que a capacidade nunca deve exceder a
demanda.
Capacidade acompanha demanda
Acompanhar a demanda significa dizer que a diferença entre os níveis de capacidade e
demanda é mantida em um nível mínimo. O objetivo é acompanhar a demanda o mais próximo
possível colocando mais ênfase na variável quantidade, isto é, o tamanho do incremento ou redução do
que a preocupação de quando modificar a capacidade. A redução do tamanho dos incrementos facilita
Demanda
Capacidade
Tempo
16
a estratégia para a empresa e, conseqüentemente, minimiza os problemas decorrentes dos desvios entre
demanda e capacidade.
2.3. Gestão Tática da Capacidade
A gestão tática de capacidade ocupa-se de ajustar da melhor forma possível o nível global de
capacidade produtiva disponibilizado pelas políticas estratégicas às flutuações de mais curto prazo da
demanda.
Por meio de acompanhamento e monitoramentos, são verificadas algumas necessidades de
ajustes na capacidade da produção em curto prazo. Tais ajustes visam flexibilizar o volume produzido
por um curto período de tempo.
As decisões tomadas através do planejamento de capacidade podem afetam alguns aspectos de
desempenho, como:
 Os custos, as receitas e o capital de giro são afetados pelo equilíbrio entre capacidade e
demanda, bem como também pela decisão de produção para estoques e para a
antecipação da demanda;
 A qualidade dos serviços pode ser afetada se ocorrerem grandes flutuações de
capacidade, através da contratação de pessoal temporário ou utilização de horas extras;
 A velocidade de resposta à demanda pode ser melhorada pelo aumento de estoques ou
pela capacidade excedente, evitando as filas;
 A confiabilidade pode ser melhorada através da proximidade dos níveis de demanda e
capacidade;
 A flexibilidade será melhorada por capacidade excedente.
Um bom planejamento para capacidade de curto prazo visa auxiliar e subsidiar as decisões a
serem tomadas, tendo como objetivos principais:
 Antecipar as necessidades referentes às capacidades de recursos, os quais requeiram um
curto espaço de tempo para sua obtenção;
 Criar um plano detalhado para produção e que seja viável, a fim de que este possa ser
liberado para a execução pela fábrica.
Para uma verificação de capacidade em curto prazo é necessário administrar a capacidade dos
recursos, principalmente em função de alguns improvisos que possam acontecer, tais como quebra de
máquinas, falta de materiais e falta de funcionários.
Assim, verifica-se que é possível realizar um planejamento para capacidade de curto prazo
através de um monitoramento por meio de análise da execução das tarefas e da administração dos
recursos disponíveis.
17
2.4. Gestão de Capacidade em Operações
A ponderação exigida, quanto aos objetivos de desempenho, pelas organizações visando
redução de custos e estoques, minimizando o investimento em capital e atendimento ágil é focado no
cliente, levando os gerentes de produção à adotar abordagens combinadas de três formas de políticas
de capacidade.
2.4.1. Absorver as variações da demanda usando estoques
Esta política ignora as flutuações da demanda e mantém os níveis das atividades constantes.
Para isto, pressupõem que a capacidade de processamento é estabelecida em um nível constante ao
longo do período de planejamento, não considerando as variações da demanda. A formação de filas,
uso do sistema de reservas e a segmentação da demanda são três formas, sugeridas pelos autores, para
a "estocagem de clientes" nas operações de serviço. Pode ser chamada de política de capacidade
constante.
2.4.2. Alterar a capacidade do sistema para que esta se ajuste melhor à demanda
Denominada de política de acompanhamento da demanda, realiza o ajuste da capacidade para
refletir as flutuações da demanda. Ao contrário da política de capacidade constante, esta alternativa
tenta ajustar a capacidade a patamares próximos à demanda, incluindo suas variações. Sua
operacionalização é mais dificultosa pois cada período constatado exigirá quantidades de recursos e
horas de produção distintas. É geralmente adotada em operações que não podem estocar sua produção
(processamento de clientes ou produção de produtos perecíveis). Gerenciar horas extras e tempo
ocioso, variar o tamanho da força de trabalho, usar pessoal em tempo parcial e subcontratação são
alguns métodos para ajustar a capacidade.
2.4.3 Influenciar a demanda para ajustá-la a capacidade disponível
Através da gestão da demanda, permite-se alterá-la para ajustá-la à disponibilidade da
capacidade. A estabilidade da demanda em determinadas operações permite uma estruturação do
negócio que repercutirá em redução de custos e melhoria no serviço, com otimização da capacidade e
incremento na lucratividade. Fatores como uma política de preços que atraia a demanda para períodos
de ociosidade da operação, promoções, desenvolvimento de serviços complementares, comunicação
com os clientes e distribuição do serviço aos clientes, podem ser utilizados no gerenciamento da
demanda na busca pela maior lucratividade na operação. SLACK e outros (1997) acrescentam ainda
que alterações no preço é a forma mais comumente utilizada pelas organizações que gerenciam a
demanda. Em períodos de menor consumo, a variação do preço para baixo tende a estimular a
demanda para cima. Outra alternativa é a introdução de modificações no produto ou serviço, ou
mesmo a produção de bens alternativos.
"Um método de administrar a demanda é mudá-la, alterando parte do ‘composto de
marketing’, como alterando preços ou atividades promocionais e às vezes através de pequenas
mudanças no produto ou serviço para torná-lo mais atraente ..." (SLACK et al., 1997, p. 360)
18
2.5. Yield Management ou Gestão das Receitas
Yield ou gestão das receitas é o processo de compreensão, antecipação e reação ao
comportamento dos consumidores, no sentido de maximizar as receitas de uma empresa. Seu principal
objetivo é:
Ajudar a Vender o Produto Certo - Pelo preço Certo - ao Cliente Certo - Na Hora Certa
Esta função é, por isso, uma forma sofisticada de gestão da oferta e da procura, através da
manipulação do preço e da gestão da capacidade disponível.
2.5.1. Características das empresas com programas de gestão de receitas
Este tipo de programa tem sido implementado em empresas que apresentam algumas
particularidades que as tornam apropriadas para aplicação das técnicas e ferramentas utilizadas em
programas de gestão de receitas.
Estes programas são adequados às empresas que apresentam as seguintes características:
 Capacidade finita - (por exemplo, um hotel tem um determinado número de quartos para
vender);
 Estoques perecíveis (num hotel, por exemplo, os quartos não vendidos em determinado
dia não podem ser aprovisionados);
 Micro segmentos de mercado com diferentes sensibilidades ao preço/qualidade;
 Procura variável e incerta;
 Produtos que podem ser vendidos ou reservados antes do consumo;
 Custos variáveis X custos fixos.
A Gestão das Receitas para ter sucesso numa empresa, deve ter como primordial objetivo o PREÇO
DE VENDA e não os CUSTOS.
2.5.2. A base de aplicação dos programas de gestão de receitas
A lei da oferta e da procura, a sensibilidade ao preço que os clientes apresentam e a
disponibilidade do produto, são à base de aplicação de um sistema de gestão de receitas.
Um programa de gestão de receitas utiliza, por isso, como estratégias principais a discriminação do
preço e a gestão da capacidade disponível, utilizando conceitos como o overbooking, as restrições ao
uso e ao tempo de utilização do produto.
2.6. Overbooking
Uma das estratégias para que se minimizem os impactos da incerteza da demanda é o
desenvolvimento de sistema de reservas. Este sistema é denominado de overbooking.
19
Deste modo os clientes reservam os serviços de uma determinada empresa para utilizarem
num determinado período de tempo.
A prática do overbooking é uma forma de reduzir a variação da demanda e aumentar as
receitas geradas a partir da prestação do serviço. Muitos hotéis trabalham com overbooking e, quando
a capacidade se esgota os hóspedes sem vaga são encaminhados para outros hotéis da mesma rede ou
para outros hotéis que oferecem o mesmo padrão de serviço
A reserva é a venda antecipada de um determinado serviço, ou seja, quando se faz uma
reserva, a demanda está sendo deslocada para outro período de tempo numa mesma instalação ou em
outra instalação dentro de mesma organização.
2.7. Gestão de Filas e Fluxos
O conceito de filas segundo compreensão de Lovelock e Wright (2002) reflete na
representação de uma linha de pessoas, veículos, outros objetos físicos ou intangíveis que aguardam
sua vez de serem atendidos. Os autores destacam que o processo de formação de filas ocorre quando o
número dos que chegam excede à capacidade do sistema de atendimento e que geralmente esse
processo está relacionado a problemas relativos à administração da capacidade.
Para a resolução do problema de formação de filas, Schmenner (1999) compreende que há
múltiplas formas de administrá-la:
 Aumentar a capacidade,
 Investir em controle estatístico da qualidade;
 Adotar de outras medidas quaisquer que orientem a diminuição das variâncias de serviço.
O fornecedor do serviço deve gerenciar a formação de filas de modo que o cliente não espere
tempo demais para ser atendido, sob pena de possibilitar a formação de um impacto negativo quanto à
qualidade do serviço.
Dessa forma, os serviços prestados devem ser oferecidos com o mínimo de garantia de
qualidade para que o cliente tenha uma percepção mais positiva possível.
2.7.1. Psicologia das Filas
As filas em todo mundo são um campo a ser trabalhado e aprimorado, visando à satisfação dos
clientes, sem necessariamente, onerar os prestadores de serviço, podendo ainda gerar lucros.
Maister (1985), Davis e Heineke (1994) e Peppiat e Jones (1995) identificaram dez princípios
baseados na equação abaixo:
Satisfação = Percepção – Expectativa
1. O tempo não ocupado (na fila de espera) parece mais longo do que o tempo ocupado.
2. A espera no pré-processo (fila de espera) parece mais longa do que a espera no processo.
3. A ansiedade faz a espera parecer mais longa.
4. Esperas incertas parecem mais longas do que esperas certas/previsíveis.
20
5. Esperas inexplicadas parecem mais longas do que esperas explicadas.
6. Esperas injustas parecem mais longas do que esperas equitativas.
7. Quanto mais valioso o serviço, mais tempo as pessoas tolerarão esperar.
8. Esperas solitárias parecem mais longas que as esperas em grupo.
9. Esperas desconfortáveis parecem mais longas do que as confortáveis.
10.Usuários novos ou pouco frequentes acham que esperaram mais tempo, do que os usuários
freqüentes.
Esta listagem de proposições identifica os princípios básicos para que gestores possam
desenvolver estratégias eficientes para uma boa percepção do cliente durante a espera na fila.
Outro fator também a ser analisado pelo fornecedor de serviços é a configuração do sistema de
filas. Esta configuração refere-se à abordagem quanto ao número de filas, sua localização,
necessidades de espaço e seu efeito sobre o comportamento do cliente. Podemos classificar as
alternativas de configurações em:
 Fila única, atendente único, etapa única;
 Fila única, atendentes únicos em etapas seqüenciais;
 Filas paralelas para múltiplos atendentes;
 Filas específicas para atendentes específicos;
 Fila única para múltiplos atendentes (fila do tipo “cobra”);
 Fila com aplicação de senha (os atendentes podem ser únicos ou múltiplos).
Cada tipo de fila permite vantagens e desvantagens próprias devido a várias possibilidades do
processo de chegada do cliente, do processo de serviço, da disciplina e configuração da fila. O
processo de melhor escolha e ajustamento desses fatores de problemas de filas de espera podem ser
auxiliados através de simplificações por meios matemáticos, técnica denominada de Teoria das Filas.
2.7.2. Teoria das Filas
A Teoria das Filas tenta através de análises matemáticas detalhadas, encontrar um ponto de
equilíbrio que satisfaça o cliente e seja viável economicamente para o provedor do serviço.Esta teoria
foi desenvolvida para prover modelos que retratem previamente o comportamento de um sistema que
forneça serviços que possuam demandas que aumentem aleatoriamente.
Existem muitas aplicações respeitáveis da teoria, a maioria das quais tem sido documentadas
na literatura de probabilidade, pesquisa operacional e engenharia industrial.
Alguns exemplos são fluxo de tráfego (veículos, aeronaves, pessoas, comunicações),
escalonamento (pacientes em hospitais, jobs em máquinas, programas em computadores) e projetos de
atendimentos à serviços (bancos, correios, parques de diversão, restaurantes fast-food).
21
2.7.2.1. Características dos processos de filas
Na maioria dos casos, seis características básicas de processos de filas fornecem uma
descrição adequada de um sistema de filas:
1. Padrão de chegada dos clientes,
2. Padrão de serviço dos servidores,
3. Disciplina de filas,
4. Capacidade do sistema,
5. Número de canais de serviço e
6. Número de estágio de serviços.
a) Padrão de chegada dos clientes
Nos processos de filas comuns, os processos de chegadas são estocásticos, ou seja,
desenvolvem-se no tempo e no espaço conforme leis de probabilidade. Assim, é necessário conhecer a
distribuição de probabilidade descrevendo os tempos entre as sucessivas chegadas dos clientes
(tempos de interchegada). Também é necessário saber se os clientes podem chegar simultaneamente
(chegada batch), e se assim, qual a distribuição de probabilidade do tamanho do batch.
A reação do cliente ao entrar no sistema também é importante, de maneira que, um cliente
pode decidir esperar sem problema, independente do tamanho da fila, ou, por outro lado, o cliente
pode decidir não entrar no sistema caso a fila esteja muito grande. Assim, se o cliente decide não
entrar na fila após a chegada, ele é conhecido como decepcionado.
Um cliente pode, por sua vez, entrar na fila, mas depois de um tempo perder a paciência e
decidir partir. Nos eventos que existem duas ou mais linhas paralelas, os clientes podem mudar de uma
fila para outra.
Estas situações são exemplos de filas com clientes impacientes.
Um fator final que pode ser considerado apesar do padrão de chegada é a maneira no qual o
padrão muda com o tempo. Um padrão de chegada que não muda com o tempo (ou seja, que a
distribuição de probabilidade descrevendo o processo de chegada é independente do tempo) é
chamado padrão de chegada estacionário, enquanto que um que não é independente do tempo é
chamado não-estacionário.
b) Padrões de serviço
A maior parte da discussão mencionada nos padrões de chegada é valida para discussão dos
padrões de serviço. A mais importante é que uma distribuição de probabilidade é necessária para
descrever a seqüência de tempos de serviços dos clientes. Os serviços também podem ser simples ou
batch.
22
O processo de serviço pode depender do número de clientes esperando pelo serviço. Um
servidor pode trabalhar mais rápido se a fila estiver aumentando, ou, caso contrário, pode ser tornar
confuso e ficar mais lento. A situação na qual o serviço depende do número de clientes na fila é
conhecida como serviço dependente do estado.
Embora este termo não seja usado na discussão de padrões de chegada, o problema dos
clientes impacientes pode ser considerado como chegadas dependentes do estado, desde que o
comportamento da chegada dependa da quantidade de congestionamento no sistema.
Serviços, como chegadas, podem ser estacionários ou não estacionários com respeito ao
tempo. Por exemplo, o aprendizado pode ser considerado um fator de produtividade, de forma que, o
serviço pode se tornar mais eficiente quando a experiência é obtida, ou seja, não importa o número de
clientes na fila ( dependência do estado) e sim o período de tempo em atividade (dependência do
tempo). Claro, que um sistema pode ser ao mesmo tempo não-estacionário e dependente do estado.
c) Disciplina de filas
A disciplina de filas refere-se à maneira como os clientes são escolhidos para entrar em
serviço após uma fila ser formada. A maioria das disciplinas comuns que podem ser observadas na
vida diária é FIFO: First-In, First-Out; também chamada FCFS (First-come-First-served), ou seja, o
primeiro a chegar é o primeiro a ser servido.
Entretanto, existem outras disciplinas, tais como, LCFS (Last-Come-First-Served), aplicável
em sistemas de controle de estoque onde o item mais recente é mais fácil de ser apanhado, e diversas
outras disciplinas baseadas em esquemas de prioridade.
Existem duas situações gerais em disciplinas de prioridade. No primeiro caso, que é chamado
de preemptivo, o cliente com a mais alta prioridade é permitido entrar em serviço independentemente
de outro cliente com menor prioridade estar sendo servido, de forma que, o cliente com menor
prioridade é interrompido e tem seu trabalho reiniciado mais tarde. Quando reiniciado, ele pode iniciar
do ponto onde parou ou reiniciar todo o processo.
Na segunda situação de prioridade, chamado caso não preemptivo, os clientes com mais alta
prioridade vão para o início da fila, mas só entram em serviço quando o cliente sendo atendido deixa o
sistema, mesmo que ele tenha uma prioridade baixa.
d) Capacidade do sistema
Em alguns processos de filas existe uma limitação física da quantidade de espaço na fila, de
modo que, se as filas alcançarem certo comprimento, nenhum novo cliente poderá entrar no sistema
até que espaço disponível seja obtido com o atendimento de um cliente e a consequente diminuição do
tamanho da fila.
Estas situações são referidas como sistemas de filas finitos, ou seja, existe um limite finito do
tamanho máximo do sistema.
23
e) Número de canais de serviço
Quando o número de canais de serviço é definido, tipicamente estão sendo determinado o
número de estações de serviços paralelos que podem servir os clientes simultaneamente.
Os dois sistemas multicanais diferem pelo fato que o primeiro possui uma única fila, enquanto
o segundo possui uma fila para cada canal. Uma barbearia com várias cadeiras é um exemplo do
primeiro tipo de multicanal, assumindo que não exista um estilo particular de corte de cabelo.
Por outro lado, um supermercado e um restaurante fast-food preenche a segunda espécie de
multicanal. É geralmente assumido que os mecanismos de canais paralelos operam independentemente
um do outro.
Sistema Multicanal com Fila Única
Sistema Multicanal com Fila Individual.
24
f) Estágios de serviço
Um sistema de filas pode ter um único estágio de serviço, como no caso da barbearia, ou pode
ter vários estágios. Um sistema de multiestágio pode ser exemplificado como um procedimento de
exame físico, onde cada paciente passa por diversos exames, tais como: sangue, vista, urina e etc.
Em alguns sistemas multiestágio, reciclagem ou retorno podem ocorrer. Reciclagem é comum
em processos de manufatura, onde inspeções de controle de qualidade são realizadas sendo que se
alguma peça não se adequar, deve ser reprocessada.
Sistema de Filas Multiestágio com Retorno
2.7.2.2. Notação
De uma maneira geral, um modelo de filas pode ser descrito pela seguinte notação:
A/B/c/K/m/Z onde:
 A - descreve a distribuição dos intervalos entre chegadas;
 B - descreve a distribuição do tempo de serviço;
 C - quantidade de atendentes;
 K - capacidade máxima do sistema (número máximo de clientes no sistema);
 m - tamanho da população;
 Z - disciplina da fila.
Esta notação recebe o nome de Notação de Kendall em homenagem ao seu criador David
Kendall.
A notação condensada A/B/c é muito usada e se assume que não há limite para o tamanho da
fila, a população é infinita a disciplina da fila é FIFO. Para A e B, quando a distribuição for
exponencial negativa, usa-se M (Marcoviana).
25
Por exemplo, um sistema de filas:
M/M/1// indica um sistema com :
 Tempo entre-chegadas distribuído exponencialmente
 Tempo de atendimento também distribuído exponencialmente
 1 servidor
 Fila de capacidade ilimitada
 População de tamanho infinito
2.7.2.3. Medidas de desempenho de sistemas de filas
As seguintes variáveis são empregadas na definição e cálculo de desempenho de um sistema de
filas:
C : número de servidores do sistema
 : taxa média de chegada de clientes
 : taxa média de atendimento (serviço) por servidor
a : número de servidores necessários para o serviço
 : taxa de utilização do servidor; é uma medida de congestionamento do servidor
se  < 1 então não há congestionamento
se  = 1 então sistema está em equilíbrio
se  > 1 então há congestionamento
Wq : descreve o tempo gasto por um cliente na fila
Ws : descreve o tempo gasto por um cliente durante atendimento (serviço)
W : descreve o tempo total de um cliente no servidor (fila + atendimento)
Lq : descreve o número de clientes na fila
Ls : descreve o número de clientes em atendimento (serviço)
L : descreve o número total de clientes
26
2.7.2.4. Um processo de Poisson simples
Considere um processo de Poisson {N(t) : t >= 0} com taxa l = 2. Pode-se usar a propriedade
independência, a propriedade tempo-estacionário e a função máxima da distribuição de Poisson para
calcular várias quantidades.
Por exemplo:
P{N(5) = 4| N(4) = 2} = P{N(5) = 4, N(4) = 2}
P{ N(4) = 2}
= P{N(4+1) – N(4) = 2, N(4) = 2}
P{ N(4) = 2}
= P{N(4+1) – N(4) = 2}* P{N(4) = 2}
P{ N(4) = 2}
= P{N(4+1) – N(4) = 2} = P{N(1) = 2}
= (1. )2
e- 2
e-1.2
2! 2!
= 2e-2
= 0.27.
Note que primeiro foi utilizado a definição de probabilidade condicional, então foi utilizada a simples
observação que {N(5) = 4, N(4) = 2}, se e somente se {N(4+ 1) - N(4) = 2, N(4) = 2}, e depois que os
incrementos independentes e a estacionaridade do tempo reduzem o problema, de forma que, a função
máxima da distribuição pode ser utilizada.
27
3. TEORIA DAS RESTRIÇÕES EM REDES DE OPERAÇÕES
3.1. Histórico
Criada pelo físico israelense Eliyahu M. Goldratt na década de 80, a Teoria das Restrições
(TOC - Theory of Constraints) foi inicialmente fundamentada em programas de computação com o
objetivo de desenvolver e implementar um sistema de programação de produção com capacidade finita
para resolver problemas de chão de fábrica.
Este sistema ficou conhecido como OPT (Optimized Production Technology) e sua aplicação
tornou-se para muitos, sinônimo de Teoria das Restrições.
Entretanto, ficou constatado na prática, que o simples uso de um software não iria garantir à
empresa um processo auto-sustentado de melhoria contínua. Para tal, era necessário, antes de tudo, que
fosse quebrado certos paradigmas que regem as organizações, mudando a forma de agir e pensar das
pessoas. (GOLDRATT & FOX, 1989)
Assim, tornou-se evidente que era realmente preciso desenvolver um método em que se
permitisse criar, comunicar e implementar uma boa solução para a produção. Surgia desta maneira os
alicerces do que é hoje conhecido como Teoria das Restrições, ou seja, um conjunto de pressupostos,
regras e princípios capazes de orientar um processo focalizado de gerenciamento empresarial e que,
portanto, transcende o OPT enquanto metodologia de programação da produção.
A primeira experiência bem sucedida de abordar o que foi depois chamado de “O Processo de
Raciocínio da Teoria das Restrições” se deu através da publicação de “A Meta”, um livro técnico
escrito de maneira romanceada por Goldratt juntamente com Jeff Cox.
“A Meta” foi mais do que a base na qual foi sedimentada a Teoria das Restrições, foi também
muito útil em aplicações industriais via implementação dos conceitos de programação da produção
delineados na obra. Tornou-se evidente, desta forma, que o uso do software não deveria mais ser a
prioridade número um dentro de um processo de implementação de soluções de produção.
3.2. O Processo Decisório da Teoria das Restrições e os Processos de Raciocínio
A Teoria das Restrições propõe uma seqüência coerente de passos que deve ser seguida por
qualquer organização que pretenda adentrar num processo focalizado de aprimoramento contínuo.
Este processo foi desenvolvido com o intuito de capacitar as empresas a reconhecerem
sistematicamente os principais elementos do sistema que devem ser aprimorados (as restrições) a fim
de se melhorar o desempenho da organização como um todo.
A partir daí, tal processo fornece um procedimento simples e intuitivo de focalização
constituído por cinco passos para lidar com estes elementos restritivos, denominado de processo
decisório da Teoria das Restrições. São eles:
28
1. Identificar as restrições do sistema
2. Decidir como explorar as restrições do sistema, isto é, como tirar o máximo proveito delas,
obtendo o melhor resultado possível dentro dessa condição.
3. Subordinar qualquer outro evento à decisão anterior, significando dizer que todos os demais
recursos não restritivos devem ser utilizados na medida exata demandada pela forma empregada da
exploração das restrições.
4. Elevar as restrições do sistema, caso as ações dos itens 2 e 3 não sejam suficientes para se
eliminar a restrição.
5. Se, nos passos anteriores, uma restrição for quebrada, volte ao passo 1, mas não deixe que a
inércia se torne uma restrição do sistema.
Estes passos são muito úteis quando a empresa está lidando com restrições físicas como falta
de capacidade de seus equipamentos, problemas com suprimentos de materiais, mercado recessivo,
entre outros.
No entanto, segundo a filosofia TOC, tais restrições físicas são na verdade reflexos de
restrições mais profundas, chamadas restrições culturais, políticas e comportamentais. Para tratar
destes tipos de restrições a TOC sugere o uso de ferramentas lógicas baseadas em conexões de causa-
efeito denominadas de Processos de Raciocínio.
Esse conjunto de ferramentas é chamado de processos de raciocínio, abrangendo os seguintes
diagramas: a Árvore da Realidade Atual, o Diagrama de Dispersão da Nuvem, a Árvore da
Realidade Futura, a Árvore de Pré requisitos e a Árvore de Transição e servem para ajudar a
responder a três perguntas:
 "O que mudar?"
 “Para o que mudar?”
 “Como causar a mudança?”
3.2.1. Árvore da realidade atual (ARA)
Tem por objetivo fazer o diagnóstico da situação atual da empresa, para eliminar efeitos
indesejáveis, como:
a) falta de espaço suficiente no almoxarifado;
b) excesso de Inventário de material produzido em estoque;
c) materiais empilhados, aguardando espaço no almoxarifado;
d) uma divisão usa as peças de outra, na base “o primeiro que chega é o primeiro a ser
servido”;
e) os tempos de ciclo são mais longos do que o necessário;
f) excesso de materiais em processo de fabricação.
29
3.2.2. Diagrama de dispersão da nuvem
Conduz o processo de transformação no sentido de minimizar as mudanças a serem feitas para
conseguir o máximo de resultado. O cerne do problema nesta fase são as concessões. Os gerentes
devem estar de acordo com o processo de mudança para que não haja conflito. Neste momento, a meta
de ganho do sistema deve ser a prioridade. Para atingir a meta é preciso pensar a empresa como um
todo. Conflitos internos decorrentes de uma reação contrária ao processo de mudança (inércia) podem
ser eliminados se mostrado aos gerentes setoriais que a empresa ganhando, todos ganham, visto que
pensar isoladamente não conduz a empresa ao caminho do sucesso
3.2.3. Árvore da realidade futura (ARF)
É representada pelo desenho de uma estrutura lógica elaborada para revelar as mudanças do
status quo, no sentido do presente para o futuro, para produzir os efeitos intermediários, os desejados,
chegando à realidade futura. É a expressão de uma realidade que ainda não existe, demonstrada
graficamente através da relação de causa e efeito entre mudanças feitas na realidade atual e seus
possíveis resultados futuros.
3.2.4. Árvore de pré requisitos
É uma estrutura lógica desenhada para identificar todos os obstáculos e soluções desejadas
para superá-los na realização de um objetivo. Identifica as condições mínimas necessárias sem as
quais a meta não pode ser atingida.
3.2.5. Árvore de transição
É a árvore lógica de causa e efeito desenhada para prover, passo a passo, o progresso, desde o
início do processo de ação ou mudança, até que o objetivo seja atingido. Constitui-se numa ferramenta
de implementação, que combina ações específicas com a realidade existente para produzir novos
efeitos esperados.
As árvores lógicas estão, na verdade, interligadas uma nas outras. De fato, dito de uma
maneira simples, a informação obtida na ARA constitui-se no input para construção do Diagrama de
Dispersão da Nuvem. Da mesma forma, a ARF é conseqüência das informações extraídas do
Diagrama de Dispersão de Nuvem e assim por diante.
Não há necessidade de se fazer uso de todas as ferramentas que constituem o Processo de
Raciocínio para se resolver um determinado problema, ou seja, o Processo de Raciocínio pode ser
usado seletivamente.
Em algumas situações, por exemplo, o problema central que deve ser atacado já é conhecido e
a Árvore da Realidade Atual pode ser desnecessária. Em outras situações, a empresa pode considerar-
se apta a implementar a solução construída sem fazer uso das Árvores de Pré-Requisitos e de
Transição.
30
Fica claro, desta forma, que o método dos Processos de Raciocínio da Teoria das Restrições
abrange todas as etapas necessárias a um processo de apoio a tomadas de decisão gerencial, desde a
determinação do problema-cerne, passando pela formulação da solução, e implementação desta
solução com a participação e colaboração de todos os envolvidos.
A Teoria das Restrições propõe uma forma diferenciada de se realizar um processo de
melhoria contínua em uma organização. Para tal, a TOC enfatiza a idéia de que poucas coisas estão
realmente limitando o desempenho da empresa. Estas poucas coisas, denominadas pela TOC de
restrições, devem ser alvo de especial atenção da gerência, pois, se melhoradas elevarão os níveis de
desempenho da organização como um todo.
Por outro lado, os demais elementos não restritivos, que por definição possuem excesso de
capacidade, não necessitam, pelo menos num primeiro momento, serem otimizados em benefício da
organização.
Identificar as reais restrições de um sistema organizacional não é, no entanto, uma tarefa fácil.
Diversas ferramentas da Qualidade Total oferecem alguns mecanismos de identificação de problemas
e de busca das verdadeiras causas, mas o grau de focalização permitido por estas ferramentas está
longe do apregoado pela TOC.
A Teoria das Restrições baseia-se também em nove princípios que são de grande valia para as
empresas, entretanto, alguns dos princípios não podem ser aplicados sem o uso do software, como é o
caso do tamanho de lotes. Assim fica claro que, para uma empresa aproveitar as vantagens plenas que
o sistema oferece, deve fazer uso também do aplicativo. São eles:
1. Balancear o fluxo e não a capacidade, isto é, a ênfase deve ser dada ao fluxo de materiais e
não sobre a capacidade instalada dos recursos.
2. O nível de utilização de um recurso não-restrição não é determinado por seu próprio
potencial e sim por outra restrição do sistema, caso contrário, temos o aumento do inventário.
3. A utilização e ativação de um recurso não são sinônimas. A utilização corresponde ao uso
de um recurso não-restrição de acordo com a capacidade do recurso restrição. A ativação corresponde
ao uso de um recurso não-restrição em volume superior à capacidade do recurso restrição.
4. Uma hora perdida no gargalo é uma hora perdida no sistema inteiro.
5. Uma hora economizada onde não é gargalo é apenas uma ilusão.
6. Os gargalos governam o ganho e o inventário.
7. O lote de transferência não pode e muitas vezes não deve ser igual ao lote de
processamento.
8. O lote de processo deve ser variável e não fixo, otimizado para cada operação.
9. Os programas devem ser estabelecidos considerando todas as restrições simultaneamente.
A TOC oferece, portanto, não apenas a oportunidade da gerência poder concentrar sua atenção
nas verdadeiras causas raízes dos problemas enfrentados, mas também a compreensão de que
quaisquer outras melhorias não impactarão significativamente a empresa como um todo. Além disso, a
31
metodologia proposta pelos Processos de Raciocínio permite ainda a construção de uma solução onde
se procura garantir que todos os sintomas primeiramente levantados sejam eliminados sem que surjam
novos efeitos indesejáveis.
E mais, um plano detalhado de implementação da solução pode ser construído com o apoio de
todos que participaram do processo, pois estes se sentirão proprietários das soluções propostas e não
deverão impor qualquer tipo de resistência à mudança.
As empresas necessitam mais do que nunca melhorar contínua e sistematicamente. A rapidez
com que estas melhorias se tornam necessárias também vêm aumentando substancialmente.
Se considerarmos ainda a falta de recursos presentes na maioria das empresas, procurar
melhorar tudo ou quase tudo pode constituir não apenas num desperdício de recursos mas também um
provável insucesso.
Nada melhor, portanto, do que as empresas possuírem um conjunto de ferramentas que lhes
permitem focalizar seus esforços naquilo que realmente importa para que estas melhorem, de fato,
seus índices de desempenho.
32
CONCLUSÃO
Este trabalho procurou descrever dentro do tema proposto, aspectos de suma importância para
produção e operações, segundo as diferentes visões encontradas na literatura.
As consequências relacionadas às decisões de localização possuem um alcance de longo
prazo, de maneira que ações errôneas são gravemente penalizadas, até com a falência ou inviabilização
do negócio.
Esta decisão, portanto, não pode ser tomada de forma corriqueira ou negligenciável, há
necessidade de estruturar o processo decisório a fim de maximizar o retorno obtido.
Nesse sentido, ressalta-se a infinidade de detalhes envolvidos na decisão de localização e a
particularidade inerente a cada problema. Mesmo dentro da localização de unidades de serviço, há
diferentes contextos e propostas de resolução. O conjunto dessas características é que definem o
melhor caminho a seguir.
Também não se pode esquecer que o arranjo físico está intimamente associado com a escolha
da localização e representa uma decisão estratégica para qualquer empresa. Um arranjo físico bem
elaborado pode reduzir ou mesmo eliminar desperdícios de produção, gerando ganhos de
produtividade e redução de custos.
Um dos grandes desafios gerenciais é quanto à gestão da capacidade em um sistema prestador
de serviços ou manufatureiro. Para muitos especialistas, a forma como a capacidade é gerenciada,
pode determinar se um negócio é rentável ou não. Isto porque o dimensionamento da capacidade afeta
o desempenho da empresa, pois tem impacto nos investimentos e nos custos operacionais.
E como ponto crítico, os gestores de operações precisam se empenhar para manter uma
empresa bem posicionada no mercado, pois é necessário adequar a capacidade produtiva às
necessidades apontadas pela demanda, considerando tanto a demanda presente quanto a futura.
A importância fundamental da gestão da capacidade produtiva não se restringe à indústria
manufatureira, pelo contrário, reveste-se de importância ainda maior na indústria de serviços, onde
capacidades não utilizadas perdem-se para sempre, pois não existe a alternativa de “produzir para
estocar”.
Entre as várias alternativas encontradas para o ajuste da demanda e da capacidade, destacamos
a Teoria das Filas, uma técnica da área multidisciplinar da Matemática Aplicada e Estatística.
Esta teoria estuda o fenômeno da formação de fila de demandas por serviços fornecidos por
um ou mais recursos. Sob este ponto de vista teórico, as técnicas analíticas e de simulação existentes
para obter as diferentes respostas à avaliação de desempenho, são de grande valia para análise e
aplicação dos resultados pelas empresas.
Outro método que abrange todas as etapas necessárias a um processo de apoio a tomadas de
decisão gerencial, é método dos Processos de Raciocínio da Teoria das Restrições.
33
A TOC como é conhecida, oferece não apenas a oportunidade ao gestor de poder concentrar
sua atenção nas verdadeiras causas raízes dos problemas enfrentados, mas também a compreensão de
que quaisquer outras melhorias não impactarão significativamente a empresa como um todo.
Além disso, a metodologia proposta pelos Processos de Raciocínio permite a construção de
uma solução onde se procura garantir que todos os sintomas primeiramente levantados sejam
eliminados sem que surjam novos efeitos indesejáveis.
Fica claro que, todas as abordagens feitas neste estudo são de extrema importância para a
gestão empresarial e estão interligadas.
As organizações interessadas em buscar o equilíbrio em seu sistema de produção e prestação
de serviços dispõem de um leque de alternativas e dependendo do serviço, algumas alternativas são
mais aplicáveis do que outras.
Porém é necessário em qualquer segmento, ter um bom conhecimento sobre a estrutura dos
custos de servir e sobre as reações dos clientes, pois a busca constante pelo diferencial competitivo,
frente a um mercado, cada vez mais dinâmico, obriga as organizações a se manterem
permanentemente em processo de modernização.
34
REFERÊNCIAS
CALIA C.G. (1995a). Construção de Oferta Irrecusável com os Processos de Raciocínioda TOC. São
Paulo. /Notas de curso ministrado pelo Avraham Y. Goldratt Institute do Brasil.
CALIA C.G. (1995b). Introdução aos Processos de Raciocínio da TOC: desenvolvendo habilidades
gerenciais. São Paulo. /Notas de curso ministrado pelo Avraham Y. Goldratt Institute do Brasil.
CHIAVENATO, Idalberto. Administração: teoria, processo e prática. São Paulo: McGraw-Hill do
Brasil, 1985. 381 p.
CORBETT NETO, Thomas. Teoria das Restrições (TOC).
CORRÊA, Henrique e CORRÊA, Carlos A. Administração de Produção e Operações. São Paulo:
Atlas, 2006.
CSILLAG, J.M. (1991). O significado do Mundo do Ganho. Revista de Administração de Empresas,
v.31, n.2, p.61-8, abr./jun.
GOLDRATT, Eliyahu M.; COX, Jeff. A meta. São Paulo: Educator, 1994.
MARTINS, Petrônio G.; LAUGENI, Fernando P. Administração da Produção. São Paulo: Saraiva,
1998.
MOREIRA, Daniel A. Administração da Produção e Operações. São Paulo, Pioneira, 1996.
SLACK, Nigel, CHAMBERS, Stuart e JOHNSTON, Robert. Administração da Produção. São Paulo:
Atlas, 2002.
SOUZA, Carlos Vicente. O problema geral do planejamento de produção. Trabalho da disciplina de
PCP, PPGEP/UFRGS, Porto Alegre, 2007.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Curso Gestão de Centro de Distribuição
Curso Gestão de Centro de DistribuiçãoCurso Gestão de Centro de Distribuição
Curso Gestão de Centro de Distribuição
PSC Log
 
Aula de introdução a curva abc
Aula de introdução a curva abcAula de introdução a curva abc
Aula de introdução a curva abc
Moises Ribeiro
 
Lote economico - Fabio Boiani
Lote economico - Fabio BoianiLote economico - Fabio Boiani
Lote economico - Fabio Boiani
fabioboiani
 
Operações e rotinas de trabalho do almoxarifado
Operações e rotinas de trabalho do almoxarifadoOperações e rotinas de trabalho do almoxarifado
Operações e rotinas de trabalho do almoxarifado
Benjamim Garcia Netto
 
Livro - Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 1ed 2002 Sunil Chopra e Peter ...
Livro - Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 1ed 2002 Sunil Chopra e Peter ...Livro - Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 1ed 2002 Sunil Chopra e Peter ...
Livro - Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 1ed 2002 Sunil Chopra e Peter ...
LuizFelipe925640
 

Mais procurados (20)

Curso Gestão de Centro de Distribuição
Curso Gestão de Centro de DistribuiçãoCurso Gestão de Centro de Distribuição
Curso Gestão de Centro de Distribuição
 
Logistica e cadeia de suprimentos
Logistica e cadeia de suprimentosLogistica e cadeia de suprimentos
Logistica e cadeia de suprimentos
 
Aula 4 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 4 - Planejamento e Controle da Produção IIAula 4 - Planejamento e Controle da Produção II
Aula 4 - Planejamento e Controle da Produção II
 
Aula de introdução a curva abc
Aula de introdução a curva abcAula de introdução a curva abc
Aula de introdução a curva abc
 
Sistemas de custeio exemplo
Sistemas de custeio exemploSistemas de custeio exemplo
Sistemas de custeio exemplo
 
Plano mestre de produção
Plano mestre de produçãoPlano mestre de produção
Plano mestre de produção
 
MRP II - Manufacturing Resource Planning ( Planejamento de Recursos de Produção)
MRP II - Manufacturing Resource Planning ( Planejamento de Recursos de Produção)MRP II - Manufacturing Resource Planning ( Planejamento de Recursos de Produção)
MRP II - Manufacturing Resource Planning ( Planejamento de Recursos de Produção)
 
1 slides - conceitos logísticos
1   slides - conceitos logísticos1   slides - conceitos logísticos
1 slides - conceitos logísticos
 
Gestão da produção e materiais
Gestão da produção e materiaisGestão da produção e materiais
Gestão da produção e materiais
 
Lote economico - Fabio Boiani
Lote economico - Fabio BoianiLote economico - Fabio Boiani
Lote economico - Fabio Boiani
 
Arranjos Físico
 Arranjos Físico Arranjos Físico
Arranjos Físico
 
PCP
PCPPCP
PCP
 
Aula de mrp
Aula de mrpAula de mrp
Aula de mrp
 
Fluxograma & Layout
Fluxograma & LayoutFluxograma & Layout
Fluxograma & Layout
 
Supply Chain Management
Supply Chain ManagementSupply Chain Management
Supply Chain Management
 
Operações e rotinas de trabalho do almoxarifado
Operações e rotinas de trabalho do almoxarifadoOperações e rotinas de trabalho do almoxarifado
Operações e rotinas de trabalho do almoxarifado
 
Conceitos 1
Conceitos   1Conceitos   1
Conceitos 1
 
Livro - Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 1ed 2002 Sunil Chopra e Peter ...
Livro - Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 1ed 2002 Sunil Chopra e Peter ...Livro - Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 1ed 2002 Sunil Chopra e Peter ...
Livro - Gerenciamento da Cadeia de Suprimentos 1ed 2002 Sunil Chopra e Peter ...
 
Gestão de stocks 4º Trabalho de SM
Gestão de stocks 4º Trabalho de SMGestão de stocks 4º Trabalho de SM
Gestão de stocks 4º Trabalho de SM
 
Aula 02 arranjo físico - parte I
Aula 02   arranjo físico - parte IAula 02   arranjo físico - parte I
Aula 02 arranjo físico - parte I
 

Destaque

11 Gerenciamento de filas
11 Gerenciamento de filas11 Gerenciamento de filas
11 Gerenciamento de filas
Marcel Gois
 

Destaque (11)

11 Gerenciamento de filas
11 Gerenciamento de filas11 Gerenciamento de filas
11 Gerenciamento de filas
 
Filas de Espera
Filas de EsperaFilas de Espera
Filas de Espera
 
Teoria das Filas
Teoria das FilasTeoria das Filas
Teoria das Filas
 
Teoria das Filas
Teoria das FilasTeoria das Filas
Teoria das Filas
 
Interação entre PCP e Previsão de Demanda
Interação entre PCP e Previsão de DemandaInteração entre PCP e Previsão de Demanda
Interação entre PCP e Previsão de Demanda
 
Gestao Tempo
Gestao TempoGestao Tempo
Gestao Tempo
 
PCP e Previsão da Demanda
PCP e Previsão da DemandaPCP e Previsão da Demanda
PCP e Previsão da Demanda
 
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCPSistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
Sistema de Planejamento e Controle da Produção - PCP
 
ORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSM
ORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSMORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSM
ORGANIZAÇÃO, SISTEMAS E MÉTODOS – OSM
 
Processos de Produção
Processos de ProduçãoProcessos de Produção
Processos de Produção
 
Gestão da qualidade: operações de produção e de serviços
Gestão da qualidade: operações de produção e de serviçosGestão da qualidade: operações de produção e de serviços
Gestão da qualidade: operações de produção e de serviços
 

Semelhante a Instalacao em-producao-e-operacoes

48 texto do artigo-202-1-10-20090528
48 texto do artigo-202-1-10-2009052848 texto do artigo-202-1-10-20090528
48 texto do artigo-202-1-10-20090528
Ricardo Santos
 
Apostila administração da produção 1º semestre
Apostila administração da produção 1º semestreApostila administração da produção 1º semestre
Apostila administração da produção 1º semestre
vivianepga
 
Apostila administração da produção 1º semestre
Apostila administração da produção 1º semestreApostila administração da produção 1º semestre
Apostila administração da produção 1º semestre
Samara Luna
 
O Modelo TGP pag. 227 261
O Modelo TGP pag. 227 261O Modelo TGP pag. 227 261
O Modelo TGP pag. 227 261
zeusi9iuto
 

Semelhante a Instalacao em-producao-e-operacoes (20)

48 texto do artigo-202-1-10-20090528
48 texto do artigo-202-1-10-2009052848 texto do artigo-202-1-10-20090528
48 texto do artigo-202-1-10-20090528
 
Gestao de operacoes.ppt
Gestao de operacoes.pptGestao de operacoes.ppt
Gestao de operacoes.ppt
 
Apostila administração da produção 1º semestre
Apostila administração da produção 1º semestreApostila administração da produção 1º semestre
Apostila administração da produção 1º semestre
 
Aula pcp lean parte I - unoesc são miguel do oeste
Aula pcp lean parte I - unoesc são miguel do oesteAula pcp lean parte I - unoesc são miguel do oeste
Aula pcp lean parte I - unoesc são miguel do oeste
 
Planejamento Tático de Produção
Planejamento Tático de ProduçãoPlanejamento Tático de Produção
Planejamento Tático de Produção
 
151 arranjo fisico_i
151 arranjo fisico_i151 arranjo fisico_i
151 arranjo fisico_i
 
SLIDE 01 ADM PRODUÇÃO e SERVIÇOS 26072022.pptx
SLIDE 01 ADM PRODUÇÃO e SERVIÇOS 26072022.pptxSLIDE 01 ADM PRODUÇÃO e SERVIÇOS 26072022.pptx
SLIDE 01 ADM PRODUÇÃO e SERVIÇOS 26072022.pptx
 
Adm da produção
Adm da produçãoAdm da produção
Adm da produção
 
Apostila administração da produção 1º semestre
Apostila administração da produção 1º semestreApostila administração da produção 1º semestre
Apostila administração da produção 1º semestre
 
operacoes.pptx
operacoes.pptxoperacoes.pptx
operacoes.pptx
 
Aplicação de conceitos básicos de planejamento e controle da produção para me...
Aplicação de conceitos básicos de planejamento e controle da produção para me...Aplicação de conceitos básicos de planejamento e controle da produção para me...
Aplicação de conceitos básicos de planejamento e controle da produção para me...
 
5c0fb45d42658444630ae031c0c49842
5c0fb45d42658444630ae031c0c498425c0fb45d42658444630ae031c0c49842
5c0fb45d42658444630ae031c0c49842
 
Admopersvisãoestrategicafunção2004
Admopersvisãoestrategicafunção2004Admopersvisãoestrategicafunção2004
Admopersvisãoestrategicafunção2004
 
Apostila administração da produção 1º semestre (1)
Apostila administração da produção 1º semestre (1)Apostila administração da produção 1º semestre (1)
Apostila administração da produção 1º semestre (1)
 
Logistica Servico Cliente Mundo Logistica
Logistica Servico Cliente Mundo LogisticaLogistica Servico Cliente Mundo Logistica
Logistica Servico Cliente Mundo Logistica
 
Organização das Indústrias - PCP
Organização das Indústrias - PCPOrganização das Indústrias - PCP
Organização das Indústrias - PCP
 
O Modelo TGP pag. 227 261
O Modelo TGP pag. 227 261O Modelo TGP pag. 227 261
O Modelo TGP pag. 227 261
 
Estudo de caso - implantacao de solucao para tratamento de informacoes logist...
Estudo de caso - implantacao de solucao para tratamento de informacoes logist...Estudo de caso - implantacao de solucao para tratamento de informacoes logist...
Estudo de caso - implantacao de solucao para tratamento de informacoes logist...
 
Relação produção e logistica
Relação produção e logisticaRelação produção e logistica
Relação produção e logistica
 
132 slides engenharia da qualidade sistema de manufatura
132 slides engenharia da qualidade  sistema  de  manufatura  132 slides engenharia da qualidade  sistema  de  manufatura
132 slides engenharia da qualidade sistema de manufatura
 

Instalacao em-producao-e-operacoes

  • 1. RESUMO A Administração da Produção e Operação tem mudado bastante nas últimas décadas tornado- se cada vez mais estratégica, garantindo o melhor uso dos recursos e o aproveitamento ideal dos insumos. Com esse monitoramento das operações, a produção passa a ser mais contínua, ganhando confiabilidade e flexibilidade para planejar e controlar a demanda por produtos, bem como assegurar à equipe de venda que os compromissos assumidos junto aos clientes sejam cumpridos. Dentro da amplitude da Administração de Produção e Operações, foram abordados os temas de Localização e Arranjo Físico, Capacidade Produtiva e Filas em Unidades da Rede de Operações e a Teoria das Restrições. Esse trabalho teve como objetivo desenvolver os temas citados de uma forma ampla e generalizada, através de pesquisas em diversos meios de comunicação. Esperamos que a qualidade e a competência sejam os aspectos preliminares básicos a serem evidenciados neste estudo. ABSTRAT The administration of Productions and Operations has changed too much, in last decades becoming increasingly strategic, ensuring the best use of resources and optimal use of inputs. With this monitoring of operations, the production becomes more continuous, acquiring reliability and flexibility to plan and control the demand for products and ensure the sales team that commitments are met, to the customer. Within the scope of Production and Operations Management, were addressed the issues of Location and Physical Arrangement, Capacity and Queues in Units of the Network Operations and the Theory of Constraints. This work aimed to develop the themes mentioned so broad and general, through research in various communication medias. We hope that the quality and competence are the basic aspects to be highlighted in this study.
  • 2. SUMÁRIO INTRODUÇÃO 06 1. LOCALIZAÇÃO E ARRANJO FÍSICO DE UNIDADES DE OPERAÇÕES 1.1. Fatores determinantes nas decisões de localização 07 1.2. Localização de Instalações de Serviços 08 1.3. Fatores que Afetam a Localização 08 1.3.1. Proximidade de fontes qualificadas de suprimento (material) 08 1.3.2. Proximidade de fontes de insumos (mão de obra) 08 1.3.3. Proximidade dos clientes 08 1.3.4. Considerações referentes ao ambiente físico e de negócio 09 1.3.5. Considerações referentes a qualidade de vida dos colaboradores 09 1.3.6. Considerações referentes à comunidade 09 1.3.7. Considerações referentes à globalização 09 1.4. Métodos para Localização de Unidades de Operações 09 1.5. Localização de Unidades de Serviços 12 1.6. Arranjo Físico 12 2. CAPACIDADE PRODUTIVA E FILAS EM UNIDADES DE REDES DE OPERAÇÕES 2.1. Medidas de Capacidade Produtiva (Imputs/Outputs) 14 2.2. Gestão Estratégica de Capacidade 17 2.3. Gestão Tática da Capacidade 19 2.4. Gestão de Capacidade em Operações 20 2.4.1. Absorver as variações da demanda usando estoques 20 2.4.2. Alterar a capacidade do sistema para que esta se ajuste melhor à demanda 20 2.4.3. Influenciar a demanda para ajustá-la a capacidade disponível 20 2.5. Yield Management ou Gestão das Receitas 21 2.5.1. Características das empresas com programas de gestão de receitas 21 2.5.2. A base de aplicação dos programas de gestão de receitas 21 2.6. Overbooking 21 2.7. Gestão de Filas e Fluxos 22 2.7.1. Psicologia das Filas 22 2.7.2. Teoria das Filas 22 2.7.2.1. Características dos processos de filas 24 2.7.2.2. Notação 27 2.7.2.3. Medidas de desempenho de sistemas de filas 28 2.7.2.4. Um processo de Poisson simples 29 3. TEORIA DAS RESTRIÇÕES EM REDES DE OPERAÇÕES 30 3.1. Histórico 30 3.2. O Processo Decisório da Teoria das Restrições e os Processos de Raciocínio 30 3.2.1. Árvore da realidade atual (ARA) 31 3.2.2. Diagrama de dispersão da nuvem 32 3.2.3. Árvore da realidade futura (ARF) 32 3.2.4. Árvore de pré requisitos 32 3.2.5. Árvore de transição 32 CONCLUSÃO 35 REFERÊNCIAS 37
  • 3. 3 INTRODUÇÃO A administração de Produção e Operações evoluiu até sua forma atual através da combinação de práticas consagradas do passado, adaptando-se aos desafios de cada era, a fim de buscar novas formas de gerenciar o sistema de produção. Os principais acontecimentos que contribuíram para seu desenvolvimento foram Revolução Industrial, O Período Pós Guerra Civil e A Administração Científica. Dentre as áreas funcionais de uma empresa industrial, o setor de produção é o mais pressionado. As causas dessas pressões são inúmeras e vem, principalmente, como resultado da evolução concorrencial cada vez mais dinâmica, que por sua vez responde aos desafios lançados por uma sociedade sempre mais globalizada e também em constante mutação. Os aspectos externos induzem outros, que acabam sinalizando às empresas necessidades de mudanças em seu ambiente interno. Tais influências e necessidades associadas são resultantes do assim chamado por muitos novos paradigmas de produção. Em função disso é que surgiu uma nova tarefa, antes inexistente, de se examinar e definir continuamente o sistema de gestão de produção, em consonância com as exigências típicas das variações contextuais que vão ocorrendo. Grande parte das empresas industriais ou serviços enfrentam, nos dias de hoje, uma concorrência internacionalizada, além das já existentes em seu país de origem, tendo que experimentar assim, o sabor da concorrência em um mercado ampliado, em nível mundial. Nos últimos tempos, temos experimentado uma verdadeira invasão de empresas multinacionais de todas as partes do globo, que são atraídas não só pela beleza de nosso país, mas principalmente pelo interesse no enorme potencial de nosso mercado consumidor. Neste contexto, o grande desafio dos gerentes de produção, é buscar novas formas para o sistema de produção organizacional, de modo a obter vantagem competitiva na empresa e torná-la lucrativa e duradoura. Assim este trabalho vem abordar a importância de vários processos fundamentais que envolvem a Administração de produção.
  • 4. 4 1. LOCALIZAÇÃO E ARRANJO FÍSICO DE UNIDADES DE OPERAÇÕES Com o aumento da concorrência em escala global, empresas dos mais variados setores têm sido compelidas a apresentarem avanços em seus resultados de desempenho. No Brasil, isto também é verdadeiro, as empresas são forçadas a terem respostas cada vez mais rápidas, diante das exigências de seus clientes, de forma eficiente, flexível, segura e com custos competitivos. No desenvolvimento do presente trabalho foi utilizada a pesquisa bibliográfica exploratória como base para a obtenção de fundamentos teóricos visando evidenciar a importância da escolha apropriada do arranjo produtivo em função da localização da empresa e da capacidade de produção. Corrêa (2006) afirma que a localização de uma operação afeta a capacidade de uma empresa em competir em relação aos aspectos internos e externos. Para as empresas de manufatura, a localização afeta seus custos diretos, custos de transporte (matérias-primas, componentes, insumos etc), custos da mão-de-obra, custos logísticos, entre outros. Por sua vez, a localização interfere no atendimento ao cliente, no tempo de transporte dos produtos acabados até o seu destino final e na proximidade com suas fontes de recursos dentro de sua cadeia de suprimentos. As decisões de localização devem ser avaliadas cuidadosamente, utilizando-se as técnicas apropriadas, para se evitar uma escolha mal sucedida. As escolhas de localização devem ser precedidas de uma análise detalhada, levando-se em conta o maior número possível de variáveis. A decisão tomada ainda deve estar de acordo com a visão que a empresa tem de seu negócio. 1.1.Fatores determinantes nas decisões de localização Muitos fatores podem afetar a decisão sobre a localização de uma empresa industrial, entre eles pode-se destacar:  Disponibilidade de mão-de-obra qualificada;  Proximidade com as fontes de fornecimento;  Proximidade com mercados consumidores;  Qualidade de vida e serviços disponíveis aos funcionários;  Serviços Públicos (água, esgoto, energia, telecomunicações, etc);  Benefícios fiscais e ajuda financeira;  Rodovias, Portos, Aeroportos, Ferrovias;  Legislações, sindicatos mais flexíveis;  Cultura da região, princípios éticos;  Localização dos concorrentes e a  Localização global.
  • 5. 5 1.2. Localização de Instalações de Serviços Localizar instalações fixas ao longo da rede da cadeia de suprimentos é um importante problema de decisão que dá forma, estrutura e contornos ao conjunto completo dessa cadeia (BALLOU, 2006). Localizar significa determinar o local onde será a base de operações, onde serão fabricados os produtos ou prestados os serviços, onde se fará a administração do empreendimento. Em matéria de localização, nada pode ser negligenciado. Às vezes, detalhes aparentemente pequenos, quando não levados em conta, podem acarretar sérias desvantagens. A literatura mais especializada sobre localização de instalações é bastante diversificada, apresenta várias formas de tratar o problema e suas variações, inúmeros modelos estão descritos nas principais revistas, periódicos e congressos científicos nacionais e internacionais, de variadas áreas do conhecimento. É importante frisar a necessidade de uso de um modelo como apoio à decisão que se pretende tomar, porém respeitando as imperfeições naturais inerentes ao processo de modelagem. 1.3. Fatores que Afetam a Localização 1.3.1. Proximidade de fontes qualificadas de suprimento (material) Muitas empresas podem privilegiar localizações próximas de fontes de suprimentos. Por razões que privilegiam o critério proximidade de fontes de suprimentos em suas decisões de localização são os custos de transporte. Por exemplo, isso ocorre quando as matérias-primas são muito mais volumosas, caras ou difíceis de transportar que o produto. Alguns produtos que tem muitos problemas que se encaixam nesse caso são as fabricas de papel (muito mais caro transportar toras de madeira que transportar papel), além de numerosas e outras. (CORRÊA, CORRÊA, 2004). 1.3.2. Proximidade de fontes de insumos (mão de obra) Proximidade de fontes amplas de mão-de-obra qualificada ou de preço mais baixo, às vezes, é um aspecto importante para a decisão de localização de negócios que são intensivos em mão-de-obra ou em conhecimento. A empresa tem, então, de analisar as quantidades e as habilidades de diferentes categorias de mão-de-obra que são necessárias a sua operação. Em operações em que serviços podem ser prestados de forma remota, às vezes a localização é decidida quase exclusivamente com base na disponibilidade ou no resto da mão-de-obra. Por exemplo, muitas empresas americanas têm terceirizados seus serviços de call center para empresas na índia – nesse caso, a localização física dos call centers foi mais influenciada pela disponibilidade de mão-de- obra barata, qualificada e proficiente em inglês. (CORRÊA, CORRÊA, 2004). 1.3.3. Proximidade dos clientes Localização das operações próximas aos mercados aos quais serve é essencial para grande quantidade de negócios. Uma situação em que isso ocorre é aquele em que o transporte do produto é mais, volumoso, caro ou difícil que o transporte do produto é mais volumoso, caro ou difícil que o transporte dos
  • 6. 6 insumos da operação exemplo (supermercados, lojas de conveniência, salões de beleza, posto de combustível, lavanderias, farmácias, restaurantes, entre outros). (CORRÊA, CORRÊA, 2004). 1.3.4. Considerações referentes ao ambiente físico e de negócio Considerações incluem aspectos como preço, qualidade e disponibilidade de espaço físico (inclusive considerando necessidades futuras de expansão), utilidade (água, energia elétrica, telecomunicações, serviços públicos como coleta de lixo, segurança, etc.), incentivos fiscais possivelmente oferecidos (federais, estaduais e municipais), impactos ambientais, condições de solo, condições climáticas, acesso à infra-estrutura de transportes (rodoviários, marítimo, aéreo), que com maior ou menor peso deverão ser considerados por empresas decidindo localização. (CORRÊA, CORRÊA, 2004). 1.3.5. Considerações referentes a qualidade de vida dos colaboradores Outra consideração crescentemente importante, num ambiente em que cada vez mais o capital humano e visto como um fator crucial na obtenção de vantagens competitivas, é a referente à operação torna-se atraente aos olhos dos funcionários que a empresa pretende atrair. Em certas situações, é crucial levar em conta como um dos fatores influentes na decisão de localização a presença ou ausência, na região considerada, de infra-estrutura de segurança, lazer, educação (boas escolas para os cônjuges e filhos dos funcionários e para os próprios funcionários garantirem educação continuada), moradia, transporte publico, clima, estilo de vida, entre outros. (CORRÊA, CORRÊA, 2004). 1.3.6. Considerações referentes à comunidade Até certo ponto, o sucesso de qualquer negócio é limitado pela aceitação ou não da comunidade onde a empresa está inserida. Muitas comunidades recebem bem novos negócios, pois geram empregos, impostos e outros benefícios, entretanto algumas restrições como poluição (visual, sonora, do ar ou água) podem ocasionar a rejeição. 1.3.7. Considerações referentes à globalização Com a globalização de mercados e negócios, esta cada vez mais frequente as empresas tomarem decisões de expansão de suas atividades, explorando novos mercados e aproveitando algumas vantagens referentes a insumo, como mão de obra mais barata, matéria prima mais abundante, legislação menos restritiva, entre outras. Porém não se pode deixar de lado a questão da cultura e risco político, assim nas decisões de localização, é de suma importância que se identifique as particularidades de cada região, para que erros sejam evitados. 1.4. Métodos para Localização de Unidades de Operações O estudo da localização de plantas industriais e das unidades de operações é de grande importância tanto para a empresa que pretende alcançar o maior número de vantagens competitivas, como para o desenvolvimento das áreas urbanas que a circundam.
  • 7. 7 É necessário também levar em consideração a questão ambiental de cada uma dessas áreas e como a instalação das novas plantas impacta em cada uma delas. Segundo Weber (1971), a teoria de localização de plantas industriais começa por definir fatores locacionais importantes na definição do local a ser ocupado. Estes fatores podem ser divididos em específicos (economias de custos alcançadas por um número pequeno de empresas) e gerais (economias de custos que podem ser alcançadas por qualquer indústria). Os segundo ainda podem ser separados em regionais (capazes de influenciar a escolha da localização entre regiões) e aglomerativos, ou desaglomerativos (fatores que provocam a concentração ou dispersão em uma região). Dentre os fatores locacionais gerais destacamos:  Transporte (regional);  Mão de obra (regional);  Ofertas de serviços (como energia elétrica e água, por exemplo, fatores que podem ser aglomerativos se presentes em determinada região). Além disso, fatores que reflitam o desenvolvimento urbano e social de uma determinada região também devem ser levados em consideração na análise e avaliação de projetos. Deve-se prestar atenção no aumento do valor agregado industrial, na elevação do nível de emprego e redistribuição da população (diminuindo, dessa forma, as diferenças entre regiões), na utilização dos recursos locais, na criação de uma estrutura industrial diversificada e com capacidade de crescimento auto-sustentado e, por fim, visar o aumento da competitividade e da quantidade de exportações da empresa e da região, impulsionando ainda mais o desenvolvimento local. Segundo Clemente et al. (1998), a sua principal preocupação era desenvolver um modelo de equilíbrio geral do espaço que servisse tanto para a análise de projetos empresariais como públicos. O primeiro instrumento de análise para problemas de localização industrial foi desenvolvido na Itália no começo da década de 70, com o objetivo de enquadrar, num mesmo cenário, as necessidades dos investidores, que procuravam a localização ideal para seus empreendimentos e dos administradores públicos, que visavam obter um melhor aproveitamento do território administrativo e desenvolver uma política industrial que refletisse o que as regiões pudessem oferecer. O modelo de localização atual se aproveita do desenvolvimento tecnológico avançado e utilizam ferramentas de geoprocessamento para obter informações das mais variadas sobre uma determinada área/local. O levantamento das características da área de instalação de uma planta industrial é um fator muito importante para se atingir o sucesso num empreendimento deste porte. Através do estudo de localização torna-se possível alcançar um maior número de vantagens competitivas, tanto para a empresa em si, como para o desenvolvimento da área urbana que a circunda. Geralmente, as decisões de localização são tomadas de forma hierárquica, do mais geral para o mais particular, envolvendo níveis de decisão, como: conforme o esquema da abaixo
  • 8. 8 Nível hierárquico Decisão Fatores Principais Fonte: Adaptada de CORRÊA&CORRÊA, 2004 A definição da localização de uma unidade de operações não é uma tarefa fácil e geralmente é delegada aos gestores de logística, embora também nos últimos anos esses estudos tenham abrangido projetos de canais logísticos, como resultado da globalização de fontes de suprimentos e de considerações de marketing. Algumas ferramentas são úteis para apoiar o processo de decisão, como: Método de Ponderação de Fatores Constitui em um método racional de confrontar e avaliar alternativas de macro-localização. Método do centro de gravidade O método começa localizando num grid simplificado as unidades já existentes (fontes de insumos e clientes). O propósito é estabelecer as distâncias entre os locais, para estabelecer o menor custo para instalação da empresa.  Potencial de mercado  Custos operacionais;  Estabilidade política;  Aceitação cultural  Adequação ao clima e temperatura;  Infraestrutura global de utilidades e serviços.  Custo de transportes;  Impostos e incentivos;  Custos e disponibilidade;  Legislação e incentivos fiscais;  Legislação trabalhista;  Protecionismo;  Potencial do mercado.  Acesso a mercadoria;  Custo e disponibilidade de insumos;  Legislação e incentivos fiscais;  Atitude da comunidade;  Disponibilidade de locais;  Fatores referentes à qualidade de vida.  Acesso à infraestrutura de transporte;  Acesso à mercados locais;  Características do endereço;  Custo do espaço;  Impostos territoriais;  Incentivos locais. Região Global Comunidade Local Específico Região do mundo ou país País ou região de país Cidade Endereço Sub - região
  • 9. 9 Método dos Momentos É semelhante ao do centro de gravidade, onde a ponderação de um determinado centro (cidade) considera o MOMENTO que as demais cidades somadas possuem. (custo de transporte X quantidade x distancia) o que tiver menor soma de momentos será o escolhido. Método do Ponto de Equilíbrio São comparadas diferentes localidades em função dos custos totais da operação (custos fixos + custos variáveis). 1.5. Localização de Unidades de Serviços A localização de unidades de serviço segue a mesma lógica da localização de unidades de operações, é necessário encontrar uma localização que maximize o produto oferecido. Atualmente, com a facilidade de aplicação de sistemas computadorizadas, existem inúmeras soluções tecnológicas desenvolvidas para apoiar esta decisão. A maioria destas soluções utiliza modelos de programação matemática (monocritério ou multicritério) e de teoria das filas. Cabe à empresa a escolha da tecnologia correta e mais adequada ao seu negócio. Após a decisão de localização da unidade, a determinação de sua capacidade produtiva deve- se iniciar os procedimentos para o desenvolvimento dos arranjos físicos necessários. 1.6. Arranjo Físico O arranjo físico visa dispor da melhor forma possível às máquinas e equipamentos necessários à execução das atividades. Ele é uma das características evidentes de uma produção ou prestação de serviços, porque determina sua forma e aparência. O arranjo físico é uma das primeiras coisas que se nota quando se entra em uma fábrica. Pequenas mudanças no arranjo físico podem influenciar diretamente no fluxo de materiais ou no fluxo de pessoas. Um supermercado, por exemplo, pode alterar seu arranjo físico e desviar um maior fluxo de clientes para uma determinada área de sua preferência. Essas mudanças, pequenas ou não, podem afetar positivamente ou negativamente, os custos e a eficácia geral da produção. Há razões importantes para escolhermos o arranjo físico mais adequado, entre elas temos: Mudar o arranjo físico existente é uma atividade que tem algum grau de dificuldade e de longa duração, por causa dos recursos como máquinas, equipamentos e bancadas, mudanças erradas no arranjo físico podem interromper ou prejudicar a produção, prejudicando prazos de entrega ou levando a perda de produção. Um arranjo físico incorreto pode levar a fluxos longos ou confusos, altos estoques sem necessidade, fluxos imprevisíveis e altos custos. Há grande pressão da produção para que o arranjo físico não seja alterado constantemente. “A mudança do arranjo físico pode ser de execução difícil e cara e, portanto, os gerentes de produção podem relutar em fazê-la com freqüência”. (SLACK, 2002, p. 201).
  • 10. 10 Como são grandes as dificuldades de tempo, perda de produção e custos, alterar constantemente o arranjo físico não é interessante para as empresas. O ideal é acertar já na escolha do arranjo físico, escolhendo de modo a aperfeiçoar seu processo produtivo, com isso a empresa pode reduzir custos, aumentar sua produtividade, diminuir movimentações desnecessárias de pessoas, equipamentos e materiais. Com uma correta escolha do arranjo físico, não haverá necessidade de constantes alterações, sendo necessárias apenas eventuais mudanças para adequar-se às necessidades de alteração do processo. “Projetar o arranjo físico de uma operação produtiva, assim como qualquer atividade de projeto, deve iniciar-se com os objetivos estratégicos da produção”. (SLACK, 2002, p. 201) Mas dessa forma se esta apenas iniciando um processo de múltiplos estágios que levarão ao arranjo físico final de uma operação. Lembrando que, tipo de processo não é o mesmo que arranjo físico, pois, os tipos de processo são abordagens para a organização das atividades e processos de produção. “Arranjo físico é um conceito mais restrito, mas é a manifestação física de um tipo de processo”. (SLACK, 2002, p. 201) Geralmente os tipos de processo são escolhidos de forma a maximizar o volume produtivo, buscando sempre o extremo alto volume - baixa variedade dos tipos de processo. “A maioria dos arranjos físicos, na prática, derivam de apenas quatro tipos básicos de arranjo físico”. (SLACK, 2002, p. 201) Os quatro tipos de arranjo físicos são:  Arranjo físico posicional  Arranjo físico por processo  Arranjo físico celular  Arranjo físico por produto Cada tipo de processo não tem um modelo de arranjo físico pré-determinado, podendo-se então, alinhar estrategicamente um determinado tipo de processo a um dos vários tipos de arranjo físico. O tipo básico de arranjo físico define a maneira geral segundo a qual os recursos vão ser distribuídos, mas ele não define a posição exata de cada elemento da operação. “O estagio final na atividade de definição do arranjo físico é a definição do projeto detalhado de posicionamento físico dos recursos”. (SLACK, 2002, p. 202)
  • 11. 11 2. CAPACIDADE PRODUTIVA E FILAS EM UNIDADES DE REDES DE OPERAÇÕES Na busca de atingir melhores índices de lucratividade, as empresas procuram reduzir ao máximo todos os custos operacionais, tendo como objetivo trabalhar com a máxima capacidade produtiva. Para que sejam atingidos melhores resultados em produtividade e competitividade, torna-se extremamente importante um planejamento adequado e voltado para as capacidades da produção. Segundo Slack (1999, p.253), “um equilíbrio adequado entre capacidade e demanda pode gerar altos lucros e clientes satisfeitos, enquanto que o equilíbrio “errado” pode ser potencialmente desastroso.” Tanto em casos de excesso como também em situações de capacidade produtiva insuficiente, os custos extras e indesejáveis acabam aparecendo, gerando assim várias desvantagens. Uma capacidade insuficiente causa uma deteriorização do nível de serviços a clientes, principalmente no que diz respeito aos prazos e sua confiabilidade. Leva também à frustração do pessoal da fábrica, devido à grande pressão e à falta de capacidade para cumprir os prazos prometidos. Já em caso de excesso de capacidade, os custos adicionais aparecem, sendo totalmente inviáveis num ambiente extremamente competitivo. Inicialmente é necessário observar o conceito de capacidade produtiva em um ambiente de fabricação no chão de fábrica. Para Slack (1999, p.274), “a capacidade produtiva de uma operação é o nível máximo de atividade de valor adicionado que pode ser conseguida em condições normais de operação durante determinado período de tempo.” Muitas organizações operam abaixo de sua capacidade máxima de processamento, seja porque a demanda é insuficiente para “preencher” completamente sua capacidade, seja por uma política deliberada, de forma que a operação possa responder rapidamente a cada novo pedido. As estratégias para lidar com mudanças de demanda e, conseqüentemente, de capacidade, podem ser de longo, médio ou curto prazo. As primeiras dizem respeito a introduzir (ou eliminar) incrementos grandes de capacidade física. Os ajustes de capacidade no médio prazo envolvem, por exemplo, alteração no número de horas em que os equipamentos são utilizados. Por fim, a maioria das operações tem de estar preparadas, também, para mudanças diárias de capacidade em resposta a aumentos imprevistos de demanda. No quadro abaixo, podemos observar os diferentes níveis de decisão para aumento da capacidade produtiva, que incluem as seguintes atividades:  Avaliação da capacidade existente;  Previsões de necessidades futuras de capacidade;  Identificação de diferentes formas de alterar a capacidade a curto, médio e longo prazos;  Identificação de diferentes formas de alterar a demanda;  Avaliação do impacto da decisão a respeito de capacidade sobre o desempenho da operação;
  • 12. 12  Avaliação econômica, operacional e tecnológica de alternativas de incrementar capacidade;  Seleção de alternativas para a obtenção de capacidade adicional. Níveis de Decisões Inércia Horizonte Questões principais Nível decisório Decisões típicas Longa Meses/Anos · Que nível global de capacidade necessitaremos ao longo do horizonte? · Que padrão de decisões devemos adotar para alteração dos níveis globais de capacidade? Estratégico Direção ·Novas unidades de operações ·Expansões de unidades ·Aquisição / alteração de tecnologia de processo Média Semanas/Meses · Devemos utilizar produção nivelada ou acompanhar a demanda com a produção? · Que composto de funcionários próprios e de terceiros usar para atender flutuações de demanda? Tático Média Gerência ·Turnos de trabalho ao longo do horizonte ·Terceirização de capacidade ·Dimensionament o de pessoal ·Aquisição: recursos de porte menor Pequena Horas/Dias/ Semanas · Que recursos alocar para que tarefas? · Como acomodar flutuações de demanda no curtíssimo prazo? Operacional ·Alocação de pessoal entre setores ·Horas-extras ·Alocação de pessoal no tempo ·Controle de entrada e saída de fluxo por recurso 2.1 Medidas de Capacidade Produtiva (Imputs/Outputs) Várias definições de capacidade geralmente associam a palavra a volume fixo ou escala, não indicando, porém, a capacidade de processamento, o que é também importante do ponto de vista das operações. Para tanto é necessário introduzir a dimensão tempo e transformar a capacidade de volume fixo em fluxo por períodos.
  • 13. 13 A dimensão da capacidade é uma escolha estratégica que condiciona a atuação da empresa no mercado. É resultado de uma análise feita pela empresa, em termos economicamente viáveis, que indica qual poderá ser a quantidade de output escoado naquele momento. Podemos considerar a capacidade da produção como sendo ajustável. Segundo Slack (1999), a capacidade da produção pode ser modificada através da utilização dos seguintes métodos:  Utilização de horas extras;  Variar o tamanho das forças de trabalho;  Usar o pessoal em tempo parcial;  Subcontratação;  Gerenciar a demanda. Uma eficiente gestão da capacidade de produção depende de se ter uma medida correta desta capacidade disponível, o que não tarefa fácil. De qualquer forma, a informação sobre essa medida, será sempre aproximada, pois ocorrem muitas variações durante o processo. A capacidade produtiva depende de duas medidas: a utilização e a eficiência. A eficiência de um processo produtivo refere-se à quantidade dessa capacidade produtiva. Assim, se um funcionário é contratado por oito horas ao dia para compor o quadro operacional de uma indústria de produção de componentes eletrônicos, mas efetivamente trabalha apenas seis horas, o seu nível de eficiência é de 75%. Assim podemos definir que capacidade teórica é o total de produção que pode ser obtida em um período de trabalho, considerando-se o tempo potencial disponível. Utilização e eficiência na gestão de capacidade produtiva Utilização = Eficiência = Quando se utilizam ambas as medidas para o projeto e planejamento de capacidade, é importante usar o conhecimento adquirido de um desempenho passado da operação em utilização e eficiência para um planejador ou projetista de operação de serviço considere que a capacidade total teórica estará disponível para isso e para gerar saídas. Para tanto devemos levar em consideração: Capacidade para planejamento = Capacidade efetivamente disponível Capacidade total teórica Saídas demonstradas em capacidade efetivamente disponível Saídas-padrão em capacidade efetivamente disponível Capacidade teórica total x Utilização x Eficiência
  • 14. 14 2.2. Gestão Estratégica de Capacidade Uma das importantes estratégias de longo prazo diz respeito à determinação do momento de alteração da capacidade. A empresa deve escolher uma posição entre as estratégias extremas de capacidade antecipada à demanda, programando aumentos de capacidade de forma que esta seja sempre suficiente para atender à demanda prevista, e de capacidade acompanhando a demanda, aumentando a capacidade somente quando a demanda for igual ou maior do que a capacidade. Para um adequado planejamento da capacidade a empresa deve considerar as variáveis “quantidade” e “tempo” em suas decisões. Uma perspectiva de balanço entre a demanda prevista e o fornecimento de capacidade deve permear a intenção da empresa em prover capacidade extra ou estabelecer uma defasagem da oferta de capacidade. Assim o gerenciamento da capacidade pode ser expressa como “trade-off” entre alta utilização – menores custos e riscos de perder clientes - e manutenção de capacidade extra – maiores custos e melhor atendimento e flexibilidade aos clientes. Quando há capacidade suficiente, a receita é maximizada e os clientes estarão sempre satisfeitos, porém os custos da operação tendem a serem maiores, pois geralmente haverá capacidade ociosa. Na estratégia de acompanhamento da demanda, os custos unitários de produção são minimizados, mas aumentam as chances de insatisfação dos clientes com perdas de qualidade e, conseqüentemente, de perdas de fatias de mercado. As questões correlatas ao planejamento da capacidade estão no relacionamento entre capacidade e nível de demanda, especialmente em situações que necessitam da alteração de capacidade em forma de expansão ou redução. O fundamento básico para cada estratégia é que a capacidade é incrementada ou removida em porções, analogamente a degraus, e raramente em pequenos incrementos. Entretanto, um aspecto estratégico é decidir se a capacidade é alterada antes da mudança esperada da demanda, ou de modo reativo, se a capacidade sofrerá alteração após a efetivação da demanda. Existem três tipos de estratégias de capacidade: liderando a demanda, perseguindo a demanda e acompanhando a demanda. Capacidade lidera a demanda Capacidade Tempo Demanda
  • 15. 15 Demanda Capacidade Tempo Significa que a adição de capacidade é antecipada à mudança da demanda prevista. O objetivo é manter uma sobra de capacidade que pode ser usada para suportar flexibilidade de volume e oferecer prazos de entregas confiáveis. Se há uma tendência de crescimento da demanda, a capacidade deve ser adicionada em antecipação à efetivação da demanda. Em face de uma tendência de declínio da demanda significaria que a capacidade deveria decrescer ao nível da demanda eliminando um degrau de capacidade. A regra básica é que a capacidade sempre deveria ser maior ou igual à demanda e, portanto, manter foco com a preocupação no atendimento dos pedidos, em ambos na tendência positiva ou negativa. Capacidade persegue a demanda Neste casso a adição de capacidade é atrasada na alteração da demanda. O objetivo é manter a alta utilização dos recursos produtivos e é interessante em mercados que o preço baixo é fator decisivo de compra. O princípio básico é produzir o máximo possível para manter capacidade em plena utilização. A capacidade deve ser modificada de modo reativo ao aumento da demanda, e um dos desafios quando a demanda é de declínio, é a tomada de decisão para sua redução no momento em que sua utilização ainda está em alta. A regra nesse caso é que a capacidade nunca deve exceder a demanda. Capacidade acompanha demanda Acompanhar a demanda significa dizer que a diferença entre os níveis de capacidade e demanda é mantida em um nível mínimo. O objetivo é acompanhar a demanda o mais próximo possível colocando mais ênfase na variável quantidade, isto é, o tamanho do incremento ou redução do que a preocupação de quando modificar a capacidade. A redução do tamanho dos incrementos facilita Demanda Capacidade Tempo
  • 16. 16 a estratégia para a empresa e, conseqüentemente, minimiza os problemas decorrentes dos desvios entre demanda e capacidade. 2.3. Gestão Tática da Capacidade A gestão tática de capacidade ocupa-se de ajustar da melhor forma possível o nível global de capacidade produtiva disponibilizado pelas políticas estratégicas às flutuações de mais curto prazo da demanda. Por meio de acompanhamento e monitoramentos, são verificadas algumas necessidades de ajustes na capacidade da produção em curto prazo. Tais ajustes visam flexibilizar o volume produzido por um curto período de tempo. As decisões tomadas através do planejamento de capacidade podem afetam alguns aspectos de desempenho, como:  Os custos, as receitas e o capital de giro são afetados pelo equilíbrio entre capacidade e demanda, bem como também pela decisão de produção para estoques e para a antecipação da demanda;  A qualidade dos serviços pode ser afetada se ocorrerem grandes flutuações de capacidade, através da contratação de pessoal temporário ou utilização de horas extras;  A velocidade de resposta à demanda pode ser melhorada pelo aumento de estoques ou pela capacidade excedente, evitando as filas;  A confiabilidade pode ser melhorada através da proximidade dos níveis de demanda e capacidade;  A flexibilidade será melhorada por capacidade excedente. Um bom planejamento para capacidade de curto prazo visa auxiliar e subsidiar as decisões a serem tomadas, tendo como objetivos principais:  Antecipar as necessidades referentes às capacidades de recursos, os quais requeiram um curto espaço de tempo para sua obtenção;  Criar um plano detalhado para produção e que seja viável, a fim de que este possa ser liberado para a execução pela fábrica. Para uma verificação de capacidade em curto prazo é necessário administrar a capacidade dos recursos, principalmente em função de alguns improvisos que possam acontecer, tais como quebra de máquinas, falta de materiais e falta de funcionários. Assim, verifica-se que é possível realizar um planejamento para capacidade de curto prazo através de um monitoramento por meio de análise da execução das tarefas e da administração dos recursos disponíveis.
  • 17. 17 2.4. Gestão de Capacidade em Operações A ponderação exigida, quanto aos objetivos de desempenho, pelas organizações visando redução de custos e estoques, minimizando o investimento em capital e atendimento ágil é focado no cliente, levando os gerentes de produção à adotar abordagens combinadas de três formas de políticas de capacidade. 2.4.1. Absorver as variações da demanda usando estoques Esta política ignora as flutuações da demanda e mantém os níveis das atividades constantes. Para isto, pressupõem que a capacidade de processamento é estabelecida em um nível constante ao longo do período de planejamento, não considerando as variações da demanda. A formação de filas, uso do sistema de reservas e a segmentação da demanda são três formas, sugeridas pelos autores, para a "estocagem de clientes" nas operações de serviço. Pode ser chamada de política de capacidade constante. 2.4.2. Alterar a capacidade do sistema para que esta se ajuste melhor à demanda Denominada de política de acompanhamento da demanda, realiza o ajuste da capacidade para refletir as flutuações da demanda. Ao contrário da política de capacidade constante, esta alternativa tenta ajustar a capacidade a patamares próximos à demanda, incluindo suas variações. Sua operacionalização é mais dificultosa pois cada período constatado exigirá quantidades de recursos e horas de produção distintas. É geralmente adotada em operações que não podem estocar sua produção (processamento de clientes ou produção de produtos perecíveis). Gerenciar horas extras e tempo ocioso, variar o tamanho da força de trabalho, usar pessoal em tempo parcial e subcontratação são alguns métodos para ajustar a capacidade. 2.4.3 Influenciar a demanda para ajustá-la a capacidade disponível Através da gestão da demanda, permite-se alterá-la para ajustá-la à disponibilidade da capacidade. A estabilidade da demanda em determinadas operações permite uma estruturação do negócio que repercutirá em redução de custos e melhoria no serviço, com otimização da capacidade e incremento na lucratividade. Fatores como uma política de preços que atraia a demanda para períodos de ociosidade da operação, promoções, desenvolvimento de serviços complementares, comunicação com os clientes e distribuição do serviço aos clientes, podem ser utilizados no gerenciamento da demanda na busca pela maior lucratividade na operação. SLACK e outros (1997) acrescentam ainda que alterações no preço é a forma mais comumente utilizada pelas organizações que gerenciam a demanda. Em períodos de menor consumo, a variação do preço para baixo tende a estimular a demanda para cima. Outra alternativa é a introdução de modificações no produto ou serviço, ou mesmo a produção de bens alternativos. "Um método de administrar a demanda é mudá-la, alterando parte do ‘composto de marketing’, como alterando preços ou atividades promocionais e às vezes através de pequenas mudanças no produto ou serviço para torná-lo mais atraente ..." (SLACK et al., 1997, p. 360)
  • 18. 18 2.5. Yield Management ou Gestão das Receitas Yield ou gestão das receitas é o processo de compreensão, antecipação e reação ao comportamento dos consumidores, no sentido de maximizar as receitas de uma empresa. Seu principal objetivo é: Ajudar a Vender o Produto Certo - Pelo preço Certo - ao Cliente Certo - Na Hora Certa Esta função é, por isso, uma forma sofisticada de gestão da oferta e da procura, através da manipulação do preço e da gestão da capacidade disponível. 2.5.1. Características das empresas com programas de gestão de receitas Este tipo de programa tem sido implementado em empresas que apresentam algumas particularidades que as tornam apropriadas para aplicação das técnicas e ferramentas utilizadas em programas de gestão de receitas. Estes programas são adequados às empresas que apresentam as seguintes características:  Capacidade finita - (por exemplo, um hotel tem um determinado número de quartos para vender);  Estoques perecíveis (num hotel, por exemplo, os quartos não vendidos em determinado dia não podem ser aprovisionados);  Micro segmentos de mercado com diferentes sensibilidades ao preço/qualidade;  Procura variável e incerta;  Produtos que podem ser vendidos ou reservados antes do consumo;  Custos variáveis X custos fixos. A Gestão das Receitas para ter sucesso numa empresa, deve ter como primordial objetivo o PREÇO DE VENDA e não os CUSTOS. 2.5.2. A base de aplicação dos programas de gestão de receitas A lei da oferta e da procura, a sensibilidade ao preço que os clientes apresentam e a disponibilidade do produto, são à base de aplicação de um sistema de gestão de receitas. Um programa de gestão de receitas utiliza, por isso, como estratégias principais a discriminação do preço e a gestão da capacidade disponível, utilizando conceitos como o overbooking, as restrições ao uso e ao tempo de utilização do produto. 2.6. Overbooking Uma das estratégias para que se minimizem os impactos da incerteza da demanda é o desenvolvimento de sistema de reservas. Este sistema é denominado de overbooking.
  • 19. 19 Deste modo os clientes reservam os serviços de uma determinada empresa para utilizarem num determinado período de tempo. A prática do overbooking é uma forma de reduzir a variação da demanda e aumentar as receitas geradas a partir da prestação do serviço. Muitos hotéis trabalham com overbooking e, quando a capacidade se esgota os hóspedes sem vaga são encaminhados para outros hotéis da mesma rede ou para outros hotéis que oferecem o mesmo padrão de serviço A reserva é a venda antecipada de um determinado serviço, ou seja, quando se faz uma reserva, a demanda está sendo deslocada para outro período de tempo numa mesma instalação ou em outra instalação dentro de mesma organização. 2.7. Gestão de Filas e Fluxos O conceito de filas segundo compreensão de Lovelock e Wright (2002) reflete na representação de uma linha de pessoas, veículos, outros objetos físicos ou intangíveis que aguardam sua vez de serem atendidos. Os autores destacam que o processo de formação de filas ocorre quando o número dos que chegam excede à capacidade do sistema de atendimento e que geralmente esse processo está relacionado a problemas relativos à administração da capacidade. Para a resolução do problema de formação de filas, Schmenner (1999) compreende que há múltiplas formas de administrá-la:  Aumentar a capacidade,  Investir em controle estatístico da qualidade;  Adotar de outras medidas quaisquer que orientem a diminuição das variâncias de serviço. O fornecedor do serviço deve gerenciar a formação de filas de modo que o cliente não espere tempo demais para ser atendido, sob pena de possibilitar a formação de um impacto negativo quanto à qualidade do serviço. Dessa forma, os serviços prestados devem ser oferecidos com o mínimo de garantia de qualidade para que o cliente tenha uma percepção mais positiva possível. 2.7.1. Psicologia das Filas As filas em todo mundo são um campo a ser trabalhado e aprimorado, visando à satisfação dos clientes, sem necessariamente, onerar os prestadores de serviço, podendo ainda gerar lucros. Maister (1985), Davis e Heineke (1994) e Peppiat e Jones (1995) identificaram dez princípios baseados na equação abaixo: Satisfação = Percepção – Expectativa 1. O tempo não ocupado (na fila de espera) parece mais longo do que o tempo ocupado. 2. A espera no pré-processo (fila de espera) parece mais longa do que a espera no processo. 3. A ansiedade faz a espera parecer mais longa. 4. Esperas incertas parecem mais longas do que esperas certas/previsíveis.
  • 20. 20 5. Esperas inexplicadas parecem mais longas do que esperas explicadas. 6. Esperas injustas parecem mais longas do que esperas equitativas. 7. Quanto mais valioso o serviço, mais tempo as pessoas tolerarão esperar. 8. Esperas solitárias parecem mais longas que as esperas em grupo. 9. Esperas desconfortáveis parecem mais longas do que as confortáveis. 10.Usuários novos ou pouco frequentes acham que esperaram mais tempo, do que os usuários freqüentes. Esta listagem de proposições identifica os princípios básicos para que gestores possam desenvolver estratégias eficientes para uma boa percepção do cliente durante a espera na fila. Outro fator também a ser analisado pelo fornecedor de serviços é a configuração do sistema de filas. Esta configuração refere-se à abordagem quanto ao número de filas, sua localização, necessidades de espaço e seu efeito sobre o comportamento do cliente. Podemos classificar as alternativas de configurações em:  Fila única, atendente único, etapa única;  Fila única, atendentes únicos em etapas seqüenciais;  Filas paralelas para múltiplos atendentes;  Filas específicas para atendentes específicos;  Fila única para múltiplos atendentes (fila do tipo “cobra”);  Fila com aplicação de senha (os atendentes podem ser únicos ou múltiplos). Cada tipo de fila permite vantagens e desvantagens próprias devido a várias possibilidades do processo de chegada do cliente, do processo de serviço, da disciplina e configuração da fila. O processo de melhor escolha e ajustamento desses fatores de problemas de filas de espera podem ser auxiliados através de simplificações por meios matemáticos, técnica denominada de Teoria das Filas. 2.7.2. Teoria das Filas A Teoria das Filas tenta através de análises matemáticas detalhadas, encontrar um ponto de equilíbrio que satisfaça o cliente e seja viável economicamente para o provedor do serviço.Esta teoria foi desenvolvida para prover modelos que retratem previamente o comportamento de um sistema que forneça serviços que possuam demandas que aumentem aleatoriamente. Existem muitas aplicações respeitáveis da teoria, a maioria das quais tem sido documentadas na literatura de probabilidade, pesquisa operacional e engenharia industrial. Alguns exemplos são fluxo de tráfego (veículos, aeronaves, pessoas, comunicações), escalonamento (pacientes em hospitais, jobs em máquinas, programas em computadores) e projetos de atendimentos à serviços (bancos, correios, parques de diversão, restaurantes fast-food).
  • 21. 21 2.7.2.1. Características dos processos de filas Na maioria dos casos, seis características básicas de processos de filas fornecem uma descrição adequada de um sistema de filas: 1. Padrão de chegada dos clientes, 2. Padrão de serviço dos servidores, 3. Disciplina de filas, 4. Capacidade do sistema, 5. Número de canais de serviço e 6. Número de estágio de serviços. a) Padrão de chegada dos clientes Nos processos de filas comuns, os processos de chegadas são estocásticos, ou seja, desenvolvem-se no tempo e no espaço conforme leis de probabilidade. Assim, é necessário conhecer a distribuição de probabilidade descrevendo os tempos entre as sucessivas chegadas dos clientes (tempos de interchegada). Também é necessário saber se os clientes podem chegar simultaneamente (chegada batch), e se assim, qual a distribuição de probabilidade do tamanho do batch. A reação do cliente ao entrar no sistema também é importante, de maneira que, um cliente pode decidir esperar sem problema, independente do tamanho da fila, ou, por outro lado, o cliente pode decidir não entrar no sistema caso a fila esteja muito grande. Assim, se o cliente decide não entrar na fila após a chegada, ele é conhecido como decepcionado. Um cliente pode, por sua vez, entrar na fila, mas depois de um tempo perder a paciência e decidir partir. Nos eventos que existem duas ou mais linhas paralelas, os clientes podem mudar de uma fila para outra. Estas situações são exemplos de filas com clientes impacientes. Um fator final que pode ser considerado apesar do padrão de chegada é a maneira no qual o padrão muda com o tempo. Um padrão de chegada que não muda com o tempo (ou seja, que a distribuição de probabilidade descrevendo o processo de chegada é independente do tempo) é chamado padrão de chegada estacionário, enquanto que um que não é independente do tempo é chamado não-estacionário. b) Padrões de serviço A maior parte da discussão mencionada nos padrões de chegada é valida para discussão dos padrões de serviço. A mais importante é que uma distribuição de probabilidade é necessária para descrever a seqüência de tempos de serviços dos clientes. Os serviços também podem ser simples ou batch.
  • 22. 22 O processo de serviço pode depender do número de clientes esperando pelo serviço. Um servidor pode trabalhar mais rápido se a fila estiver aumentando, ou, caso contrário, pode ser tornar confuso e ficar mais lento. A situação na qual o serviço depende do número de clientes na fila é conhecida como serviço dependente do estado. Embora este termo não seja usado na discussão de padrões de chegada, o problema dos clientes impacientes pode ser considerado como chegadas dependentes do estado, desde que o comportamento da chegada dependa da quantidade de congestionamento no sistema. Serviços, como chegadas, podem ser estacionários ou não estacionários com respeito ao tempo. Por exemplo, o aprendizado pode ser considerado um fator de produtividade, de forma que, o serviço pode se tornar mais eficiente quando a experiência é obtida, ou seja, não importa o número de clientes na fila ( dependência do estado) e sim o período de tempo em atividade (dependência do tempo). Claro, que um sistema pode ser ao mesmo tempo não-estacionário e dependente do estado. c) Disciplina de filas A disciplina de filas refere-se à maneira como os clientes são escolhidos para entrar em serviço após uma fila ser formada. A maioria das disciplinas comuns que podem ser observadas na vida diária é FIFO: First-In, First-Out; também chamada FCFS (First-come-First-served), ou seja, o primeiro a chegar é o primeiro a ser servido. Entretanto, existem outras disciplinas, tais como, LCFS (Last-Come-First-Served), aplicável em sistemas de controle de estoque onde o item mais recente é mais fácil de ser apanhado, e diversas outras disciplinas baseadas em esquemas de prioridade. Existem duas situações gerais em disciplinas de prioridade. No primeiro caso, que é chamado de preemptivo, o cliente com a mais alta prioridade é permitido entrar em serviço independentemente de outro cliente com menor prioridade estar sendo servido, de forma que, o cliente com menor prioridade é interrompido e tem seu trabalho reiniciado mais tarde. Quando reiniciado, ele pode iniciar do ponto onde parou ou reiniciar todo o processo. Na segunda situação de prioridade, chamado caso não preemptivo, os clientes com mais alta prioridade vão para o início da fila, mas só entram em serviço quando o cliente sendo atendido deixa o sistema, mesmo que ele tenha uma prioridade baixa. d) Capacidade do sistema Em alguns processos de filas existe uma limitação física da quantidade de espaço na fila, de modo que, se as filas alcançarem certo comprimento, nenhum novo cliente poderá entrar no sistema até que espaço disponível seja obtido com o atendimento de um cliente e a consequente diminuição do tamanho da fila. Estas situações são referidas como sistemas de filas finitos, ou seja, existe um limite finito do tamanho máximo do sistema.
  • 23. 23 e) Número de canais de serviço Quando o número de canais de serviço é definido, tipicamente estão sendo determinado o número de estações de serviços paralelos que podem servir os clientes simultaneamente. Os dois sistemas multicanais diferem pelo fato que o primeiro possui uma única fila, enquanto o segundo possui uma fila para cada canal. Uma barbearia com várias cadeiras é um exemplo do primeiro tipo de multicanal, assumindo que não exista um estilo particular de corte de cabelo. Por outro lado, um supermercado e um restaurante fast-food preenche a segunda espécie de multicanal. É geralmente assumido que os mecanismos de canais paralelos operam independentemente um do outro. Sistema Multicanal com Fila Única Sistema Multicanal com Fila Individual.
  • 24. 24 f) Estágios de serviço Um sistema de filas pode ter um único estágio de serviço, como no caso da barbearia, ou pode ter vários estágios. Um sistema de multiestágio pode ser exemplificado como um procedimento de exame físico, onde cada paciente passa por diversos exames, tais como: sangue, vista, urina e etc. Em alguns sistemas multiestágio, reciclagem ou retorno podem ocorrer. Reciclagem é comum em processos de manufatura, onde inspeções de controle de qualidade são realizadas sendo que se alguma peça não se adequar, deve ser reprocessada. Sistema de Filas Multiestágio com Retorno 2.7.2.2. Notação De uma maneira geral, um modelo de filas pode ser descrito pela seguinte notação: A/B/c/K/m/Z onde:  A - descreve a distribuição dos intervalos entre chegadas;  B - descreve a distribuição do tempo de serviço;  C - quantidade de atendentes;  K - capacidade máxima do sistema (número máximo de clientes no sistema);  m - tamanho da população;  Z - disciplina da fila. Esta notação recebe o nome de Notação de Kendall em homenagem ao seu criador David Kendall. A notação condensada A/B/c é muito usada e se assume que não há limite para o tamanho da fila, a população é infinita a disciplina da fila é FIFO. Para A e B, quando a distribuição for exponencial negativa, usa-se M (Marcoviana).
  • 25. 25 Por exemplo, um sistema de filas: M/M/1// indica um sistema com :  Tempo entre-chegadas distribuído exponencialmente  Tempo de atendimento também distribuído exponencialmente  1 servidor  Fila de capacidade ilimitada  População de tamanho infinito 2.7.2.3. Medidas de desempenho de sistemas de filas As seguintes variáveis são empregadas na definição e cálculo de desempenho de um sistema de filas: C : número de servidores do sistema  : taxa média de chegada de clientes  : taxa média de atendimento (serviço) por servidor a : número de servidores necessários para o serviço  : taxa de utilização do servidor; é uma medida de congestionamento do servidor se  < 1 então não há congestionamento se  = 1 então sistema está em equilíbrio se  > 1 então há congestionamento Wq : descreve o tempo gasto por um cliente na fila Ws : descreve o tempo gasto por um cliente durante atendimento (serviço) W : descreve o tempo total de um cliente no servidor (fila + atendimento) Lq : descreve o número de clientes na fila Ls : descreve o número de clientes em atendimento (serviço) L : descreve o número total de clientes
  • 26. 26 2.7.2.4. Um processo de Poisson simples Considere um processo de Poisson {N(t) : t >= 0} com taxa l = 2. Pode-se usar a propriedade independência, a propriedade tempo-estacionário e a função máxima da distribuição de Poisson para calcular várias quantidades. Por exemplo: P{N(5) = 4| N(4) = 2} = P{N(5) = 4, N(4) = 2} P{ N(4) = 2} = P{N(4+1) – N(4) = 2, N(4) = 2} P{ N(4) = 2} = P{N(4+1) – N(4) = 2}* P{N(4) = 2} P{ N(4) = 2} = P{N(4+1) – N(4) = 2} = P{N(1) = 2} = (1. )2 e- 2 e-1.2 2! 2! = 2e-2 = 0.27. Note que primeiro foi utilizado a definição de probabilidade condicional, então foi utilizada a simples observação que {N(5) = 4, N(4) = 2}, se e somente se {N(4+ 1) - N(4) = 2, N(4) = 2}, e depois que os incrementos independentes e a estacionaridade do tempo reduzem o problema, de forma que, a função máxima da distribuição pode ser utilizada.
  • 27. 27 3. TEORIA DAS RESTRIÇÕES EM REDES DE OPERAÇÕES 3.1. Histórico Criada pelo físico israelense Eliyahu M. Goldratt na década de 80, a Teoria das Restrições (TOC - Theory of Constraints) foi inicialmente fundamentada em programas de computação com o objetivo de desenvolver e implementar um sistema de programação de produção com capacidade finita para resolver problemas de chão de fábrica. Este sistema ficou conhecido como OPT (Optimized Production Technology) e sua aplicação tornou-se para muitos, sinônimo de Teoria das Restrições. Entretanto, ficou constatado na prática, que o simples uso de um software não iria garantir à empresa um processo auto-sustentado de melhoria contínua. Para tal, era necessário, antes de tudo, que fosse quebrado certos paradigmas que regem as organizações, mudando a forma de agir e pensar das pessoas. (GOLDRATT & FOX, 1989) Assim, tornou-se evidente que era realmente preciso desenvolver um método em que se permitisse criar, comunicar e implementar uma boa solução para a produção. Surgia desta maneira os alicerces do que é hoje conhecido como Teoria das Restrições, ou seja, um conjunto de pressupostos, regras e princípios capazes de orientar um processo focalizado de gerenciamento empresarial e que, portanto, transcende o OPT enquanto metodologia de programação da produção. A primeira experiência bem sucedida de abordar o que foi depois chamado de “O Processo de Raciocínio da Teoria das Restrições” se deu através da publicação de “A Meta”, um livro técnico escrito de maneira romanceada por Goldratt juntamente com Jeff Cox. “A Meta” foi mais do que a base na qual foi sedimentada a Teoria das Restrições, foi também muito útil em aplicações industriais via implementação dos conceitos de programação da produção delineados na obra. Tornou-se evidente, desta forma, que o uso do software não deveria mais ser a prioridade número um dentro de um processo de implementação de soluções de produção. 3.2. O Processo Decisório da Teoria das Restrições e os Processos de Raciocínio A Teoria das Restrições propõe uma seqüência coerente de passos que deve ser seguida por qualquer organização que pretenda adentrar num processo focalizado de aprimoramento contínuo. Este processo foi desenvolvido com o intuito de capacitar as empresas a reconhecerem sistematicamente os principais elementos do sistema que devem ser aprimorados (as restrições) a fim de se melhorar o desempenho da organização como um todo. A partir daí, tal processo fornece um procedimento simples e intuitivo de focalização constituído por cinco passos para lidar com estes elementos restritivos, denominado de processo decisório da Teoria das Restrições. São eles:
  • 28. 28 1. Identificar as restrições do sistema 2. Decidir como explorar as restrições do sistema, isto é, como tirar o máximo proveito delas, obtendo o melhor resultado possível dentro dessa condição. 3. Subordinar qualquer outro evento à decisão anterior, significando dizer que todos os demais recursos não restritivos devem ser utilizados na medida exata demandada pela forma empregada da exploração das restrições. 4. Elevar as restrições do sistema, caso as ações dos itens 2 e 3 não sejam suficientes para se eliminar a restrição. 5. Se, nos passos anteriores, uma restrição for quebrada, volte ao passo 1, mas não deixe que a inércia se torne uma restrição do sistema. Estes passos são muito úteis quando a empresa está lidando com restrições físicas como falta de capacidade de seus equipamentos, problemas com suprimentos de materiais, mercado recessivo, entre outros. No entanto, segundo a filosofia TOC, tais restrições físicas são na verdade reflexos de restrições mais profundas, chamadas restrições culturais, políticas e comportamentais. Para tratar destes tipos de restrições a TOC sugere o uso de ferramentas lógicas baseadas em conexões de causa- efeito denominadas de Processos de Raciocínio. Esse conjunto de ferramentas é chamado de processos de raciocínio, abrangendo os seguintes diagramas: a Árvore da Realidade Atual, o Diagrama de Dispersão da Nuvem, a Árvore da Realidade Futura, a Árvore de Pré requisitos e a Árvore de Transição e servem para ajudar a responder a três perguntas:  "O que mudar?"  “Para o que mudar?”  “Como causar a mudança?” 3.2.1. Árvore da realidade atual (ARA) Tem por objetivo fazer o diagnóstico da situação atual da empresa, para eliminar efeitos indesejáveis, como: a) falta de espaço suficiente no almoxarifado; b) excesso de Inventário de material produzido em estoque; c) materiais empilhados, aguardando espaço no almoxarifado; d) uma divisão usa as peças de outra, na base “o primeiro que chega é o primeiro a ser servido”; e) os tempos de ciclo são mais longos do que o necessário; f) excesso de materiais em processo de fabricação.
  • 29. 29 3.2.2. Diagrama de dispersão da nuvem Conduz o processo de transformação no sentido de minimizar as mudanças a serem feitas para conseguir o máximo de resultado. O cerne do problema nesta fase são as concessões. Os gerentes devem estar de acordo com o processo de mudança para que não haja conflito. Neste momento, a meta de ganho do sistema deve ser a prioridade. Para atingir a meta é preciso pensar a empresa como um todo. Conflitos internos decorrentes de uma reação contrária ao processo de mudança (inércia) podem ser eliminados se mostrado aos gerentes setoriais que a empresa ganhando, todos ganham, visto que pensar isoladamente não conduz a empresa ao caminho do sucesso 3.2.3. Árvore da realidade futura (ARF) É representada pelo desenho de uma estrutura lógica elaborada para revelar as mudanças do status quo, no sentido do presente para o futuro, para produzir os efeitos intermediários, os desejados, chegando à realidade futura. É a expressão de uma realidade que ainda não existe, demonstrada graficamente através da relação de causa e efeito entre mudanças feitas na realidade atual e seus possíveis resultados futuros. 3.2.4. Árvore de pré requisitos É uma estrutura lógica desenhada para identificar todos os obstáculos e soluções desejadas para superá-los na realização de um objetivo. Identifica as condições mínimas necessárias sem as quais a meta não pode ser atingida. 3.2.5. Árvore de transição É a árvore lógica de causa e efeito desenhada para prover, passo a passo, o progresso, desde o início do processo de ação ou mudança, até que o objetivo seja atingido. Constitui-se numa ferramenta de implementação, que combina ações específicas com a realidade existente para produzir novos efeitos esperados. As árvores lógicas estão, na verdade, interligadas uma nas outras. De fato, dito de uma maneira simples, a informação obtida na ARA constitui-se no input para construção do Diagrama de Dispersão da Nuvem. Da mesma forma, a ARF é conseqüência das informações extraídas do Diagrama de Dispersão de Nuvem e assim por diante. Não há necessidade de se fazer uso de todas as ferramentas que constituem o Processo de Raciocínio para se resolver um determinado problema, ou seja, o Processo de Raciocínio pode ser usado seletivamente. Em algumas situações, por exemplo, o problema central que deve ser atacado já é conhecido e a Árvore da Realidade Atual pode ser desnecessária. Em outras situações, a empresa pode considerar- se apta a implementar a solução construída sem fazer uso das Árvores de Pré-Requisitos e de Transição.
  • 30. 30 Fica claro, desta forma, que o método dos Processos de Raciocínio da Teoria das Restrições abrange todas as etapas necessárias a um processo de apoio a tomadas de decisão gerencial, desde a determinação do problema-cerne, passando pela formulação da solução, e implementação desta solução com a participação e colaboração de todos os envolvidos. A Teoria das Restrições propõe uma forma diferenciada de se realizar um processo de melhoria contínua em uma organização. Para tal, a TOC enfatiza a idéia de que poucas coisas estão realmente limitando o desempenho da empresa. Estas poucas coisas, denominadas pela TOC de restrições, devem ser alvo de especial atenção da gerência, pois, se melhoradas elevarão os níveis de desempenho da organização como um todo. Por outro lado, os demais elementos não restritivos, que por definição possuem excesso de capacidade, não necessitam, pelo menos num primeiro momento, serem otimizados em benefício da organização. Identificar as reais restrições de um sistema organizacional não é, no entanto, uma tarefa fácil. Diversas ferramentas da Qualidade Total oferecem alguns mecanismos de identificação de problemas e de busca das verdadeiras causas, mas o grau de focalização permitido por estas ferramentas está longe do apregoado pela TOC. A Teoria das Restrições baseia-se também em nove princípios que são de grande valia para as empresas, entretanto, alguns dos princípios não podem ser aplicados sem o uso do software, como é o caso do tamanho de lotes. Assim fica claro que, para uma empresa aproveitar as vantagens plenas que o sistema oferece, deve fazer uso também do aplicativo. São eles: 1. Balancear o fluxo e não a capacidade, isto é, a ênfase deve ser dada ao fluxo de materiais e não sobre a capacidade instalada dos recursos. 2. O nível de utilização de um recurso não-restrição não é determinado por seu próprio potencial e sim por outra restrição do sistema, caso contrário, temos o aumento do inventário. 3. A utilização e ativação de um recurso não são sinônimas. A utilização corresponde ao uso de um recurso não-restrição de acordo com a capacidade do recurso restrição. A ativação corresponde ao uso de um recurso não-restrição em volume superior à capacidade do recurso restrição. 4. Uma hora perdida no gargalo é uma hora perdida no sistema inteiro. 5. Uma hora economizada onde não é gargalo é apenas uma ilusão. 6. Os gargalos governam o ganho e o inventário. 7. O lote de transferência não pode e muitas vezes não deve ser igual ao lote de processamento. 8. O lote de processo deve ser variável e não fixo, otimizado para cada operação. 9. Os programas devem ser estabelecidos considerando todas as restrições simultaneamente. A TOC oferece, portanto, não apenas a oportunidade da gerência poder concentrar sua atenção nas verdadeiras causas raízes dos problemas enfrentados, mas também a compreensão de que quaisquer outras melhorias não impactarão significativamente a empresa como um todo. Além disso, a
  • 31. 31 metodologia proposta pelos Processos de Raciocínio permite ainda a construção de uma solução onde se procura garantir que todos os sintomas primeiramente levantados sejam eliminados sem que surjam novos efeitos indesejáveis. E mais, um plano detalhado de implementação da solução pode ser construído com o apoio de todos que participaram do processo, pois estes se sentirão proprietários das soluções propostas e não deverão impor qualquer tipo de resistência à mudança. As empresas necessitam mais do que nunca melhorar contínua e sistematicamente. A rapidez com que estas melhorias se tornam necessárias também vêm aumentando substancialmente. Se considerarmos ainda a falta de recursos presentes na maioria das empresas, procurar melhorar tudo ou quase tudo pode constituir não apenas num desperdício de recursos mas também um provável insucesso. Nada melhor, portanto, do que as empresas possuírem um conjunto de ferramentas que lhes permitem focalizar seus esforços naquilo que realmente importa para que estas melhorem, de fato, seus índices de desempenho.
  • 32. 32 CONCLUSÃO Este trabalho procurou descrever dentro do tema proposto, aspectos de suma importância para produção e operações, segundo as diferentes visões encontradas na literatura. As consequências relacionadas às decisões de localização possuem um alcance de longo prazo, de maneira que ações errôneas são gravemente penalizadas, até com a falência ou inviabilização do negócio. Esta decisão, portanto, não pode ser tomada de forma corriqueira ou negligenciável, há necessidade de estruturar o processo decisório a fim de maximizar o retorno obtido. Nesse sentido, ressalta-se a infinidade de detalhes envolvidos na decisão de localização e a particularidade inerente a cada problema. Mesmo dentro da localização de unidades de serviço, há diferentes contextos e propostas de resolução. O conjunto dessas características é que definem o melhor caminho a seguir. Também não se pode esquecer que o arranjo físico está intimamente associado com a escolha da localização e representa uma decisão estratégica para qualquer empresa. Um arranjo físico bem elaborado pode reduzir ou mesmo eliminar desperdícios de produção, gerando ganhos de produtividade e redução de custos. Um dos grandes desafios gerenciais é quanto à gestão da capacidade em um sistema prestador de serviços ou manufatureiro. Para muitos especialistas, a forma como a capacidade é gerenciada, pode determinar se um negócio é rentável ou não. Isto porque o dimensionamento da capacidade afeta o desempenho da empresa, pois tem impacto nos investimentos e nos custos operacionais. E como ponto crítico, os gestores de operações precisam se empenhar para manter uma empresa bem posicionada no mercado, pois é necessário adequar a capacidade produtiva às necessidades apontadas pela demanda, considerando tanto a demanda presente quanto a futura. A importância fundamental da gestão da capacidade produtiva não se restringe à indústria manufatureira, pelo contrário, reveste-se de importância ainda maior na indústria de serviços, onde capacidades não utilizadas perdem-se para sempre, pois não existe a alternativa de “produzir para estocar”. Entre as várias alternativas encontradas para o ajuste da demanda e da capacidade, destacamos a Teoria das Filas, uma técnica da área multidisciplinar da Matemática Aplicada e Estatística. Esta teoria estuda o fenômeno da formação de fila de demandas por serviços fornecidos por um ou mais recursos. Sob este ponto de vista teórico, as técnicas analíticas e de simulação existentes para obter as diferentes respostas à avaliação de desempenho, são de grande valia para análise e aplicação dos resultados pelas empresas. Outro método que abrange todas as etapas necessárias a um processo de apoio a tomadas de decisão gerencial, é método dos Processos de Raciocínio da Teoria das Restrições.
  • 33. 33 A TOC como é conhecida, oferece não apenas a oportunidade ao gestor de poder concentrar sua atenção nas verdadeiras causas raízes dos problemas enfrentados, mas também a compreensão de que quaisquer outras melhorias não impactarão significativamente a empresa como um todo. Além disso, a metodologia proposta pelos Processos de Raciocínio permite a construção de uma solução onde se procura garantir que todos os sintomas primeiramente levantados sejam eliminados sem que surjam novos efeitos indesejáveis. Fica claro que, todas as abordagens feitas neste estudo são de extrema importância para a gestão empresarial e estão interligadas. As organizações interessadas em buscar o equilíbrio em seu sistema de produção e prestação de serviços dispõem de um leque de alternativas e dependendo do serviço, algumas alternativas são mais aplicáveis do que outras. Porém é necessário em qualquer segmento, ter um bom conhecimento sobre a estrutura dos custos de servir e sobre as reações dos clientes, pois a busca constante pelo diferencial competitivo, frente a um mercado, cada vez mais dinâmico, obriga as organizações a se manterem permanentemente em processo de modernização.
  • 34. 34 REFERÊNCIAS CALIA C.G. (1995a). Construção de Oferta Irrecusável com os Processos de Raciocínioda TOC. São Paulo. /Notas de curso ministrado pelo Avraham Y. Goldratt Institute do Brasil. CALIA C.G. (1995b). Introdução aos Processos de Raciocínio da TOC: desenvolvendo habilidades gerenciais. São Paulo. /Notas de curso ministrado pelo Avraham Y. Goldratt Institute do Brasil. CHIAVENATO, Idalberto. Administração: teoria, processo e prática. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1985. 381 p. CORBETT NETO, Thomas. Teoria das Restrições (TOC). CORRÊA, Henrique e CORRÊA, Carlos A. Administração de Produção e Operações. São Paulo: Atlas, 2006. CSILLAG, J.M. (1991). O significado do Mundo do Ganho. Revista de Administração de Empresas, v.31, n.2, p.61-8, abr./jun. GOLDRATT, Eliyahu M.; COX, Jeff. A meta. São Paulo: Educator, 1994. MARTINS, Petrônio G.; LAUGENI, Fernando P. Administração da Produção. São Paulo: Saraiva, 1998. MOREIRA, Daniel A. Administração da Produção e Operações. São Paulo, Pioneira, 1996. SLACK, Nigel, CHAMBERS, Stuart e JOHNSTON, Robert. Administração da Produção. São Paulo: Atlas, 2002. SOUZA, Carlos Vicente. O problema geral do planejamento de produção. Trabalho da disciplina de PCP, PPGEP/UFRGS, Porto Alegre, 2007.