A LEGITIMIDADE DA ORAÇÃO AOS SANTOS NA BÍBLIA                                                                   Walter Jos...
respeitoso diante do Deus "sempre maior". A adoração do Deus três                          vezes santo e sumamente amável ...
Veja que Pedro, em Atos dos Apóstolos: 3, 6, intercede por um paralítico: “Pedro,porém, disse: Não tenho nem ouro nem prat...
O anjo do Senhor disse: Senhor dos exércitos! Até quando ficareis                          insensível à sorte de Jerusalém...
Ainda podemos verificar com cuidado esse trecho de Mateus 22, 29-32, onde lemos:                          Respondeu-lhes J...
Podemos ainda ver passagens que nos lembram para recorrermos aos santos pararesolver seus problemas, como vemos em I Corín...
Portanto, vós orareis assim: Pai nosso, que estás nos céus,                          santificado seja o teu nome; Venha o ...
"Farás também dois querubins de ouro; de ouro batido os farás, nas                           duas extremidades do propicia...
analisá-la num total e não sair fazendo interpretações de trechos bíblicos visto quehá todo um contexto de época em que os...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Artigo a oração aos santos

703 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Artigo a oração aos santos

  1. 1. A LEGITIMIDADE DA ORAÇÃO AOS SANTOS NA BÍBLIA Walter José de OliveiraÉ comum vermos muitos irmãos evangélicos criticando a prática católica de devoçãoà Maria, aos santos e mártires da Igreja e defendendo ardentemente que tal práticaé antibíblica e que pedir a intercessão dos santos em nossas orações contraria aopedido de Cristo existente em Mateus: 6, 9 onde Cristo nos fala que “Portanto, vósorareis assim: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome...” Alémdesses fervorosos ataques, é notável que às vezes também, muitos de nós católicoscaímos na fé e chegamos a duvidar da legitimidade de alguns pontos da fé queprofessamos na Sagrada Celebração Eucarística.Para entender um pouco melhor o sentido da oração aos santos refletiremos arespeito do que nos ensina a Igreja Católica em seu Catecismo, além do que apalavra de Deus nos fala, através da bíblia. Mas primeiramente antes de se dizeralgo em relação a oração aos santos, é importante que saibamos a diferença deculto de veneração e adoração, onde muitos evangélicos acusam a nós católicos deadorarmos às imagens, fato este que não é verdadeiro visto que o culto queprestamos à Maria e aos Santos é de, somente, veneração. Tal distinção se faznecessária visto que, infelizmente, muitos católicos não conhecem essa diferença ede fato adoram (indevidamente) aos santos.A Igreja prega que é digno de culto de adoração somente Deus Pai, Filho e EspíritoSanto. Tal culto significa o ato de reconhecimento d’Ele como Senhor supremo detodas as coisas. Maria e os Santos são dignos de veneração, ou seja, um ato dehonra, reverência, amor e gratidão. No Catecismo da Igreja Católica (CIC), em seuparágrafo 2628 a Igreja nos ensina que: § 2628 - A adoração é a primeira atitude do homem que se reconhece criatura diante de seu Criador. Exalta a grandeza do Senhor que nos fez e a onipotência do Salvador que nos liberta do mal. É prosternação do Espírito diante do "Rei da glória" e o silêncio
  2. 2. respeitoso diante do Deus "sempre maior". A adoração do Deus três vezes santo e sumamente amável nos enche de humildade e dá garantia a nossas súplicas.Outro ponto que às vezes é erroneamente atacado é de que nós católicos rezamosaos santos ou a Maria pedindo diretamente a eles que venham em nosso socorro,quando na realidade a Igreja orienta aos fiéis que pode-se e deve-se orar aossantos, e assim os santos levem nossas oração a Cristo, “único mediador entreDeus e os homens”, conforme 1 Timóteo: 2, 5. Se algum católico o faz diferente, épreciso atentar que pratica oração fora do que manda a Igreja.Nos parágrafos 956 e 957 do CIC, podemos ver claramente o que a Igreja determinasobre a intercessão dos santos e a comunhão da Igreja viva com os santos: § 956 - A intercessão dos santos - "Pelo fato de os habitantes do Céu estarem unidos mais intimamente com Cristo, consolidam com mais firmeza na santidade toda a Igreja. Eles não deixam de interceder por nós ao Pai, apresentando os méritos que alcançaram na terra pelo único mediador de Deus e dos homens, Cristo Jesus. Por conseguinte, pela fraterna solicitude deles, nossa fraqueza recebe o mais valioso auxílio". § 957 - A comunhão com os santos - "Veneramos a memória dos habitantes do céu não somente a título de exemplo; fazemo-lo ainda mais para corroborar a união de toda a Igreja no Espírito, pelo exercício da caridade fraterna. Pois, assim como a comunhão entre os cristãos da terra nos aproxima de Cristo, da mesma forma o consórcio com os santos nos une a Cristo, do qual como de sua fonte e cabeça, promana toda a graça e a vida do próprio Povo de Deus". (Parágrafo relacionado 1173) Nós adoramos Cristo qual Filho de Deus. Quanto aos mártires, os amamos quais discípulos e imitadores do Senhor e, o que é justo, por causa de sua incomparável devoção por seu Rei e Mestre. Possamos também nós ser companheiros e condiscípulos seus.Ainda assim, vemos muitos de nossos irmãos evangélicos dizerem que “pra querezar para os santos se podemos rezar diretamente para Deus?” Realmentepodemos direcionar nossas orações diretamente a Cristo e logicamente não há erronenhum nisso, mas também não há motivo nenhum de condenação se fizermosnossa oração aos santos como seres que intercedem por nós junto a Cristo. Nãoserá o santo ou Maria que irá realizar as obras em nosso favor e sim Deus por meioda intercessão deles.
  3. 3. Veja que Pedro, em Atos dos Apóstolos: 3, 6, intercede por um paralítico: “Pedro,porém, disse: Não tenho nem ouro nem prata, mas o que tenho eu te dou: em nomede Jesus Cristo Nazareno, levanta-te e anda!” Vemos nessa passagem aintercessão de Pedro curando um paralítico. Lógico que não foi Pedro quem curou esim Deus, mas foi Deus por meio da intercessão de Pedro.Em relação a oração a Virgem Maria, cremos fielmente que Maria é uma poderosaintercessora nossa e que ela levará nossas orações a seu filho Jesus, assim comoela fez nas bodas de Caná, conforme está escrito em João: 2, 3-5: Faltando o vinho, a mãe de Jesus lhe disse: “Eles não têm vinho!” Jesus lhe respondeu: “Mulher, para que me dizes isso? A minha hora ainda não chegou”. Sua mãe disse aos que estavam servindo: “Fazei tudo o que ele vos disser!”Aqui podemos ver o poder de intercessão de Maria junto a Cristo, onde mesmo nãosendo o momento de Cristo realizar seus sinais, em obediência ao pedido de suamãe ele realizou o primeiro de seus sinais. E a Igreja nos ensina em seu Catecismo,parágrafo 2618 que: § 2618 - O Evangelho nos revela como Maria ora e intercede na fé: em Caná, a mãe de Jesus pede a seu filho pelas necessidades de um banquete de núpcias, sinal de outro Banquete, o das núpcias do Cordeiro, que dá seu Corpo e Sangue a pedido da Igreja, sua Esposa. E é na hora da nova Aliança, ao pé da Cruz, que Maria é ouvida como a Mulher, a nova Eva, a verdadeira "mãe dos vivos".Em relação à oração de intercessão, a Igreja nos diz que § 2635 - Interceder, pedir em favor de outro, desde Abraão, é próprio de um coração que está em consonância com a misericórdia de Deus. No tempo da Igreja, a intercessão cristã participa da de Cristo; é a expressão da comunhão dos santos. Na intercessão, aquele que ora "não procura seus próprios interesses, mas pensa sobretudo nos dos outros" (Fl 2,4) e reza por aqueles que lhe fazem mal. (CIC - §2635) § 2636 - As primeiras comunidades cristãs viveram intensamente forma de partilha. O Apóstolo Paulo as faz participar assim de seu ministério do Evangelho, mas intercede também por elas. A intercessão dos cristãos não conhece fronteiras: "Por todos os homens, pelos que detêm a autoridade" (1 Tm 2,1), pelos que perseguem pela salvação daqueles que recusam o Evangelho. (CIC - § 2636)E a palavra de Deus, em Zacarias: 1, 12-13 nos mostra que um anjo intercedeu:
  4. 4. O anjo do Senhor disse: Senhor dos exércitos! Até quando ficareis insensível à sorte de Jerusalém e das cidades de Judá? Já faz setenta anos que estais irritado contra elas! O Senhor respondeu ao anjo que me falava, e disse-lhe boas palavras, cheias de consolação.Dessa forma, cremos fielmente que os santos podem levar nossas intenções aCristo para que através de seu poder possa agir em nossas vidas. E emApocalipse: 8, 3-4 podemos ver a elevação de orações por parte dos santos aDeus: E veio outro anjo junto ao altar com um incensário de ouro. Foi dado ao anjo muito incenso, para colocar junto das orações de todos os santos, junto ao altar de ouro, que está diante do trono. E a fumaça do incenso com todas as orações dos santos subiu das mãos do anjo até Deus.Ainda assim, muitos evangélicos contestam, dizendo que não se deve fazer oraçõesaos mortos, que somente os vivos podem fazer oração e ainda acusam a IgrejaCatólica de praticar espiritismo ao orar para os santos (mortos), mas para tantoacompanhemos esta passagem de Apocalipse: 6, 9-11, onde lê-se: Quando abriu o quinto selo, vi debaixo do altar as almas dos homens imolados por causa da palavra de Deus e por causa do testemunho de que eram depositários. E clamavam em alta voz, dizendo: Até quando tu, que és o Senhor, o Santo, o Verdadeiro, ficarás sem fazer justiça e sem vingar o nosso sangue contra os habitantes da terra? Foi então dada a cada um deles uma veste branca, e foi-lhes dito que aguardassem ainda um pouco, até que se completasse o número dos companheiros de serviço e irmãos que estavam com eles para ser mortos.Pois bem, “vi as almas dos homens que foram imolados (mortos) por causa dapalavra de Deus... e clamavam em alta voz” ao Senhor, o Verdadeiro. Nota-seclaramente que os mortos também elevam orações a Deus.E em II Macabeus 15, 14 podemos ler que “Então, tomando a palavra, disse-lheOnias: Eis o amigo de seus irmãos, aquele que reza muito pelo povo e pela cidadesanta, Jeremias, o profeta de Deus”. Não se deve esquecer que Jeremias estavamorto. Nesse mesmo estilo de literatura ainda lemos em II Reis: 13, 21 que ao tocaros ossos de Eliseu (morto), outro morto ressuscitou, como se segue: “E sucedeuque, enterrando eles um homem, eis que viram uma tropa, e lançaram o homem nasepultura de Eliseu; e, caindo nela o homem, e tocando os ossos de Eliseu, reviveu,e se levantou sobre os seus pés.”
  5. 5. Ainda podemos verificar com cuidado esse trecho de Mateus 22, 29-32, onde lemos: Respondeu-lhes Jesus: “Errais, não compreendendo as escrituras nem o poder de Deus. Na ressurreição, os homens não terão mulheres nem as mulheres, maridos; mas serão como os anjos de Deus nos céus. Quanto à ressureição dos mortos, não leste o que Deus vos disse: ‘Eu sou o Deus de Abraão, o Deus de Isaac e o Deus de Jacó (Ex.3,6)?’ ” Ora ele não é Deus dos mortos, mas Deus dos vivos.O próprio Cristo já alerta para que tomemos cuidado com a forma que interpretamosa bíblia. E nesse trecho ele deixa claro que no dia da ressurreição dos homens (nós,após mortos) seremos todos como os anjos, ou seja, os santos (mortos) são comoanjos para Deus. E como pode-se ver escrito no livro de Zacarias é explícito queDeus ouve aos anjos (que é como nós um dia seremos): Então o anjo do Senhor respondeu, e disse: O Senhor dos Exércitos, até quando não terás compaixão de Jerusalém, e das cidades de Judá, contra as quais estiveste irado estes setenta anos? E respondeu o Senhor ao anjo, que falava comigo, com palavras boas, palavras consoladoras. (Zacarias: 1, 12-13)Em relação ao texto de Mateus 22 é importante verificar que o próprio Deus diz queEle é “o Deus de Abraão, Isaac e Jacó” e que Ele é “o Deus dos vivos”, mas ora,Deus disse isso a Moisés, quando Abraão, Isaac e Jacó eram mortos. E ainda assimele diz que é o Deus de Abraão, o Deus dos vivos. Isso mostra que para Deus nãoimporta o estado carnal das pessoas, se estão vivas ou mortas.O próprio Cristo também narra em Lucas: 16, 19-31 uma passagem em que ummorto, no inferno, implora a Abraão que se lhe mandasse algo para refrescar-lhe alíngua.Ainda pode-se encontrar outros trechos em que a bíblia pede para que lembremo-nos dos mortos como por exemplo em Hebreus: 13, 7 que nos diz: “Lembrai-vos denossos guias que vos pregaram a palavra de Deus. Considerai como souberamencerrar a carreira. E imitai-lhes a fé.” Nessa passagem vemos como a própriapalavra de Deus nos pede para que veneremos a honra daqueles que aqui na terraestiveram e provaram sua fé com atos de santidade.
  6. 6. Podemos ainda ver passagens que nos lembram para recorrermos aos santos pararesolver seus problemas, como vemos em I Coríntios: 6, 1-4 Quando algum de vós tem litígio contra outro, como é que se atreve a pedir justiça perante os injustos, em vez de recorrer aos irmãos santos? Não sabeis que os santos julgarão o mundo? (Depois de Mortos) E, se o mundo há de ser julgado por vós, seriéis indignos de julgar os processos de mínima importância? Não sabeis que julgaremos os anjos? (Os Irmãos Santos – Depois de Mortos) Quanto mais as pequenas questões desta vida! (Os Irmãos Santos – Antes de Morrer)Verifica-se também que em Mateus: 17, 2-3, onde lemos: “E transfigurou-se diantedeles; e o seu rosto resplandeceu como o sol, e as suas vestes se tornaram brancascomo a luz. E eis que lhes apareceram Moisés e Elias, falando com ele”, Jesusconversava com dois profetas que já haviam morrido (Moisés e Elias), portanto nãoé válida todas as acusações de que os mortos não podem elevar orações a Jesus ea Deus.Em Atos dos Apóstolos: 7, 55-59 também vemos a existência do reconhecimentodos mártires da fé: “Quando foi martirizado em nome da Fé em Cristo, viu a Glóriado Cristo e pediu ao Senhor que recebesse o seu espírito.”Quando lemos a bíblia, há que se ter uma certa crítica e não pode-se interpretar dojeito que quiser e ainda não se pode levar ao pé da letra da forma que está escritopor que na bíblia por exemplo está escrito em Mateus: 8, 21-22: “Outro, que eradiscípulo, disse a Jesus: “Senhor, deixa primeiro que eu vá sepultar meu pai.” MasJesus lhe respondeu: “Siga-me, e deixe que os mortos sepultem seus própriosmortos.”Então como se vê, se formos interpretar tão literalmente como está escrito na bíblia,um vivo não poderia enterrar um morto, mas a essência da passagem é que acimade qualquer coisa cá na terra é mais importante fazer a vontade de Deus. Que todasas nossas ações sejam em prol do crescimento do reino de Deus.Além do mais a, já citada, passagem de Mateus: 6, 9-13 diz que:
  7. 7. Portanto, vós orareis assim: Pai nosso, que estás nos céus, santificado seja o teu nome; Venha o teu reino, seja feita a tua vontade, assim na terra como no céu; O pão nosso de cada dia nos dá hoje; E perdoa-nos as nossas dívidas, assim como nós perdoamos aos nossos devedores; E não nos induzas à tentação; mas livra-nos do mal; porque teu é o reino, e o poder, e a glória, para sempre. Amém.Essa oração, é a forma em que Cristo nos ensina como, verdadeiramente, devemosorar, e se formos levar tão ao pé da letra, só poderemos rezar dessa forma e jamaisem nossas orações (nem católicos nem protestantes) poderíamos fazer um pedidofora disso, como por exemplo rezar pela nossa família, rezar pelos amigos, pelafelicidade de alguém... Todas as orações espontâneas se tornariam inválidas.Mas é cada um seguir com sua fé, desde que a use para o bem e nós católicos nãoprecisamos ficar com medo de rezar para algum santo ou para Nossa Senhoratambém não.Em relação aos ataques de que adoramos a “deuses de barros”, eles fundamentama não legitimidade da criação de imagens com base no texto de Exôdo: 20,4 ondelê-se que "Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do quehá em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra".Primeiramente não adoramos e sim veneramos; em segundo não são “deuses” quecriamos e sim pessoas que reconhecemos como tendo vivido uma vida santa eapenas lembramos dessa trajetória deles com respeito. Em relação ao criaresculturas deles, as fazemos apenas como forma de recordação, assim comotiramos fotos de pessoas queridas por nós, também criamos essas esculturas paralembrarmos de suas imagens para venerarmos não a imagem, mas sim a pessoaque nela está representada.É importante que entenda-se que o pedido é que não se crie uma imagem querepresente simbolicamente a Deus, uma vez que nessa época Deus ainda era um“Deus sem corpo”, ainda não havia se manifestado para os habitantes da terra,portanto não havia como criar uma imagem dele. Mas o mesmo Deus, ainda no livrode Êxodo pede para que sejam criadas imagens de dois querubins, e se como jávimos antes, os santos são como os anjos (querubins), não há proibição em se criarimagens dos santos.
  8. 8. "Farás também dois querubins de ouro; de ouro batido os farás, nas duas extremidades do propiciatório. Farás um querubin na extremidade de uma parte, e outro querubin na extremidade de outra parte; de uma só peça com o propiciatório fareis os querubins nas duas extremidades dele." (Ex 25,18-19)Deus também permitiu que Moisés criasse um “ícone”, uma serpente de bronze paraque os picados pelas serpentes se curassem, conforme se lê no livro de Números:2, 8-9 Disse o Senhor a Moisés: Faze uma serpente abrasadora, põe-na sobre uma haste, e será que todo mordido que a mirar viverá. Fez Moisés uma serpente de bronze e a pôs sobre uma haste; sendo alguém mordido por alguma serpente, se olhava para a de bronze, salvará.Ainda vejamos o que diz a Igreja Católica através do CIC, em alguns parágrafosrelacionados às imagens: §1159 – As santas imagens - A imagem sacra, o ícone litúrgico, representa principalmente Cristo. Ela não pode representar o Deus invisível e incompreensível; é a encarnação do Filho de Deus que inaugurou uma nova "economia" das imagens: Antigamente Deus, que não tem nem corpo nem aparência, não podia em absoluto ser representado por uma imagem. Mas agora que se mostrou na carne e viveu com os homens posso fazer uma imagem daquilo que vi de Deus. (...) Com o rosto descoberto, contemplamos a glória do Senhor. §1192 - As santas imagens, presentes em nossas igrejas e em nossas casas, destinam-se a despertar e a alimentar nossa fé no mistério de Cristo. Por meio do ícone de Cristo e de suas obras salvíficas, é a ele que adoramos. Mediante as santas imagens da santa mãe de Deus, dos anjos e dos santos, veneramos as pessoas nelas representadas.Dessa forma, assim como já comentado que na bíblia encontra-se o pedido de quelembremos de nossos guias que souberam encerrar a carreira na fé e que Deuspermitiu a criação de um ícone para lembrarmos do poder de Deus, então, aoconhecermos a imagem desses nossos guias (que viveram em santidade), fazemosa escultura dos mesmos para podermos lembrar de seus exemplos e assim venerá-los.Acreditando-se fielmente que a palavra de Deus não é contraditória em si mesmo eque o que nela está escrito deve-se ser seguido é preciso ter a consciência de se
  9. 9. analisá-la num total e não sair fazendo interpretações de trechos bíblicos visto quehá todo um contexto de época em que os textos foram escritos, além de outrostrechos nela contidos.E de tudo isso restarão três ensinamentos: 1) A oração aos santos e a Maria élegítima e não há motivo algum de condenação nessa prática; 2) Católico não adoraimagens; e 3) Sobre todas essas coisas reinará o pedido do Senhor em Mateus: 5,48 e Levítico: 19, 2 em que nos exorta para que sejamos santos, porque Ele, oSenhor nosso Deus é Santo.

×