Superando dependências e víciações

488 visualizações

Publicada em

Aspectos emocionais, psicológicos , médicos e espirituais das dependências .

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
488
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • O conhecimento técnico científico de que se
    dispõe atualmente indica que o dependente
    possui predisposição ao desenvolvimento
    da síndrome. Cada indivíduo possui particularidades biopsicossociais e um equilíbrio
    neuroquímico único que podem torná-lo
    mais ou menos suscetível à dependência. A
    natureza e a evolução da dependência química
    do ponto de vista da síndrome emocional é
    praticamente a mesma para toda e qualquer
    substância psicoativa.
    O período, portanto, de evolução e instalação
    da doença depende de uma série de variáveis
    como, por exemplo, idade, droga escolhida,
    graus de sensibilidade do organismo da pessoa,
    entre outras. Com certeza, o álcool causará uma devastação maior na vida de um adolescente
    do que na de um adulto, devido à imaturidade
    global deste organismo, assim como o
    crack
    provocará sintomas mais rapidamente do que
    o álcool, em virtude da maior potencialidade
    da droga e de seu impacto no cérebro
    dos usuários


  • Apesar de a dependência química provocar
    danos sérios em todas as esferas da vida de
    seus portadores, existe atualmente muito
    otimismo quanto à recuperação tanto parcial
    quanto integral da doença, inclusive nas fases
    mais avançadas.
    Existe, porém, um estágio caracterizado por lesões neurológicas e físicas graves, e
    consequentemente, desordens irreversíveis,
    que inviabilizam a recuperação. Estes
    dependentes, geralmente muito afetados
    física e mentalmente, passam a viver vidas
    vegetais, recolhidos em instituições de apoio,
    a perambular pelas ruas como indigentes ou
    atendidos em casa, tornando-se um ônus
    perene àquelas famílias que se dispõem a
    acolhê-los

  • Respostas ainda pouco conclusivas parecem
    indicar que todo o tipo de pessoa e personalidade
    pode se tornar dependente.
    A dependência química é uma doença
    democrática. Não escolhe sexo, posição social,
    raça ou religião para se manifestar. Também
    parece não ter relação evidente com determinado
    tipo de caráter, estrutura de personalidade
    ou biotipologia. Pode ser identificada entre
    presidentes de nações e primeiras damas,
    intelectuais, artistas de todas as modalidades,
    diretores de grandes organizações, donas de casa,
    jovens de todas as classes sociais, indigentes,
    crianças abandonadas e pessoas de famílias
    aparentemente estruturadas. Incide igualmente,
    sem distinção, sobre aqueles que foram amados
    e amparados em sua infância e juventude, assim como entre os rejeitados e abandonados à
    própria sorte.
    Uma vez instalada a doença, o que ocorre de
    forma previsível é que ela induz todos os seus
    portadores a se comportarem de forma destrutiva
    e antissocial.

  • Cada espírito, encarnado ou desencarnado, tem o seu padrão vibratório. O Espiritismo confirma que os semelhantes se atraem. O uso de álcool e outras drogas produz um atrativo irresistível para os espíritos que desencarnaram na condição de viciados nessas substâncias. Os desencarnados passam a acompanhar seus “amigos” encarnados quando estes fazem uso de drogas. Estimulam, neles, o uso cada vez mais contínuo e em maiores doses.
  • Mesmo drogas consideradas leves, como a maconha, provocam a despersonalização e a perda da vontade, tornando seu usuário apático e dócil companheiro de espíritos infelizes. O uso moderado do álcool, aceito pela sociedade e recomendado por alguns médicos (provavelmente os que gostam de beber), pode ser inofensivo para algumas pessoas, mas é fato que o uso do álcool acompanha o espírito há inúmeras reencarnações, pois o homem utiliza o álcool (ou é utilizado por ele) desde a pré-história. Um hábito de tanto tempo só pode ser considerado um vício.
  • Sim, é comum. Isto ocorre devido à síndrome
    de abstinência demorada. Conhecimentos
    técnicos recentes comprovam que esta
    síndrome é um processo de longa duração
    e pode manifestar-se por meses ou anos
    na abstinência e/ou na sobriedade. É uma
    síndrome biopsicossocial resultante da
    combinação de danos causados ao sistema
    nervoso central pelas drogas e o estresse,
    emocional e social, de ter que reaprender a lidar
    com a vida sem as substâncias psicoativas. Esta
    síndrome de longo prazo é pouco conhecida em
    nosso país tanto por profissionais como pelos
    dependentes e familiares
  • Estes quadros são comuns quando a síndrome
    da dependência química encontra-se em
    estágio adiantado.
    Surgem durante a síndrome de abstinência
    aguda, devido à adaptação do organismo aos
    altos níveis de ingestão de certas substâncias
    psicoativas como o álcool, e à redução
    voluntária ou programada destas substâncias Na vigência deste quadro sintomático a pessoa
    fica muito agitada e assustada com o que está
    lhe ocorrendo, chegando, muitas vezes, a ver
    bichos e monstros andando nas paredes do
    quarto e outros quadros bizarros

  • Para quem não se ocupa das coisas do espírito, o uso de qualquer droga é um convite aberto para que espíritos viciados se aproximem e compartilhem do hábito, que logo se torna um vício. Para os que se ocupam com as coisas do espírito, acredito que o canal que nos liga com a espiritualidade superior deve permanecer permanentemente desobstruído, livre de qualquer obstáculo.  - See more at: http://www.espiritoimortal.com.br/espiritismo-alcool-e-drogas/#sthash.VewZAdkv.dpuf
  • Superando dependências e víciações

    1. 1. MAPA CONCEITUAL DE VICIAÇÕES
    2. 2. Todos nós, em maior ou menor grau, carregamos uma inquietação interior. Muitas vezes chamamos essa inquietação de ANSIEDADE, ANGÚSTIA, INSATISFAÇÃO.
    3. 3. E o que é essa ansiedade, inquietação ou sofrimento interior? • É formado pelo acúmulo de sentimentos negativos: medos, preocupações, raiva, tristeza, abandono, rejeição, mágoas, culpa, solidão e etc... • Acumulamos essas emoções ao longo da vida ao passarmos por diversas experiências negativas que nos deixam impregnados com sentimentos negativos. E o que é essa ansiedade, inquietação ou sofrimento interior? • É formado pelo acúmulo de sentimentos negativos: medos, preocupações, raiva, tristeza, abandono, rejeição, mágoas, culpa, solidão e etc... • Acumulamos essas emoções ao longo das vidas ao passarmos por diversas experiências negativas que nos deixam impregnados com sentimentos negativos.
    4. 4. Fuga emocional: Tudo aquilo que exigem muito da nossa mente ou que absorvem a nossa atenção por completo desviando a nossa atenção dos sentimentos e sensações desconfortáveis que carregamos constantemente.
    5. 5. Finalidade: Servem como forma de nos anestesiar, e não entrar em contato com nossas angustias, ansiedades, sofrimentos e limitações.
    6. 6. Exemplos: Fazer algo repetidamente e obsessivamente como imersão no mundo virtual, jogos , sexo, consumismos, drogas...
    7. 7. Todas as drogas lícitas e ilícitas são utilizadas como um meio de sentir alívio temporário.
    8. 8. Prazeres momentâneos encobrem temporariamente um sofrimento interior. Drogas lícitas: medicamentos sedativos ou estimulantes, bebida alcoólica, cigarro. etc...  Drogas ilícitas:maconha, crack, cocaina, etc.  Comportamentos obsessivos compulsivos: consumismos, jogos,sexo, etc.. São recursos que utilizamos para anestesiar um pouco esse incômodo que carregamos constantemente.
    9. 9. Só que logo o prazer acaba, o efeito do anestésico passa, a sensação acaba e precisamos de mais uma dose, de mais uma experiência...
    10. 10. Quem são os dependentes? • São todos aqueles que tem dificuldades de superar e enfrentar determinados desafios da vida e buscam alívio ou estímulo em substâncias químicas ou comportamentos repetitivos.
    11. 11. A cura dos vícios • Se curarmos a causa real dos nossos comportamentos viciosos, que é o desequilíbrio emocional e espiritual, deixaremos de ter a necessidade de fugas através de comportamentos repetitivos e substancias químicas.
    12. 12. A cura ilusória • Quando não se supera os transtornos emocionais e não se equilibra a nossa alma, o que vai acontecer com muitos, é a trocada válvuladeescape. • Troca-se simplesmente de um tipo de dependência, de viciação , por outro tipo, como, por exemplo, larga-se uma substância química por outra, • Troca-se uma compulsão por outra. • Muitas das vezes, faz-se apenas uma reduçãode danos... Ou seja, um mal maior por um mal menor...
    13. 13. A cura real das viciações • Quando realizamos a transformaçãomoral, emocionale espiritual conseguimos a paz interior. • Com a conquista da pazinterior, os níveisde felicidadeaumentam, e naturalmente aquele impulso de buscar alívio de nossos desequilíbrios nas viciações, simplesmente se extingue.
    14. 14. Caminhos para superação das viciações Eliminar as suas reais causas. Isso somente ocorre quando ...  Muda-se a perspectivadoviver: • Quando se vive para “aproveitar” a vida=viciações. • Quando se vive para evoluir-se intelectual, social, moral e espiritualmente= virtudes.
    15. 15. Não há diferenças entre os vícios para a mente .
    16. 16. EXISTEM VÁRIOS TIPOS DE VÍCIOS MORAIS:
    17. 17. Consolidações das viciações: A partir da repetição dos comportamentos e hábitos, se consolida as viciações.
    18. 18. Qualquer indivíduo pode desenvolver a VÍCIOS FÍSICOS, MENTAIS E MORAIS, mas existe a primordialmente uma causa de sua fixação:a repetição dos mesmos comportamentos no decorrer dessa e de outras vidas .
    19. 19. As pessoas sempre tem ajuda para se viciar. As pessoas sempre terão obstáculos para sair dos vícios. Afinal os infelizes encarnados e desencarnados , também dependentes daquele tipo de vício, não querem perder um companheiro.
    20. 20. OS COMPANHEIROS ENCARNADOS E DESENCARNADOS QUE NOS ACOMPANHAM NO USO, NO ABUSO E EM NOSSOS VÍCIOS , TRABALHAM DE FORMA DETERMINADA PARA QUE MANTENHAMOS NOSSOS COMPORTAMENTOS E HÁBITOS.
    21. 21. É comum um indivíduo dependente de qualquer tipo de vício, seja sexo, comida, álcool, medicamentos ou drogas , durante a recuperação, ficar irritado e doente. Afinal existe abstinência do encarnado e do desencarnado.
    22. 22. Delírios e alucinações são comuns em dependentes de viciações: efeito químico e sintonia com os espíritos nas trevas, coabitando em suas mentes.
    23. 23. ENTRAR NO VÍCIO É UMA ESCOLHA. SAIR DELE É OUTRA ESCOLHA. É NECESSÁRIO FORÇA DE VONTADE.
    24. 24. O MAIOR DE TODOS OS VÍCIOS LIVRO DOS ESPIRITOS; QUESTÃO 913
    25. 25. NO APEGO A SÍ MESMO, NA AUTO-SATISFAÇÃO A QUALQUER CUSTO, >>>>>>>>>SURGEM OS VÍCIOS<<<<<<<<<<

    ×