SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
DOS MÉDIUNS
CLASSIFICAÇÃO GERAL
C O E M – 4ª AULA TEÓRICA 1
MÉDIUNS:
• 1 - Inerência da mediunidade:
• "Todo aquele que sente, num grau qualquer, a influência dos
Espíritos, é, por esse fato, médium. Essa faculdade é inerente ao
homem; não constitui, portanto, privilégio exclusivo. Pode-se, pois,
dizer que todos são, mais ou menos, médiuns. Todavia, usualmente,
assim só se qualificam aqueles em quem a faculdade mediúnica se
mostra bem caracterizada e se traduz por efeitos patentes, de certa
intensidade, que depende de uma organização mais ou menos
sensitiva." 2
2 - Mecanismo da Mediunidade:
• O fluido perispirítico é o agente de todos os fenômenos mediúnicos.
Estes se produzem pela ação recíproca dos fluidos que emitem o
médium e o Espírito. O desenvolvimento da faculdade mediúnica
depende da natureza mais ou menos expansiva do perispírito do
médium e da maior ou menor facilidade da sua assimilação pelo dos
Espíritos; depende, portanto, do organismo e pode ser desenvolvida
quando existam condições iniciais favoráveis.
• Não pode ser adquirida quando não existam tais condições. A
predisposição mediúnica independe do sexo, da idade e do
temperamento, bem como da condição social, da raça e da cultura.
• "As relações entre os Espíritos e os médiuns se estabelecem por meio
dos respectivos perispíritos, dependendo a facilidade dessas relações
do grau de afinidade existente entre os dois fluidos. Alguns há que se
combinam facilmente, enquanto outros se repelem, donde se segue
que não basta ser médium para que uma pessoa se comunique
indistintamente com todos os Espíritos. Há médiuns que só com certos
Espíritos podem comunicar-se ou com Espíritos de certas categorias,
e outros que não o podem a não ser pela transmissão do pensamento,
sem qualquer manifestação exterior".
3
• Combinando os fluidos perispíritos, os Espíritos não só transmitem aos
médiuns seus pensamentos, como também chegam a exercer sobre
eles uma influência física, fazem-nos agir ou falar à sua vontade,
obrigam-nos a dizer o que eles queiram. Todavia, a elevação moral do
médium e seu controle sobre a faculdade que possui impedirão que os
maus Espíritos se apoderem da sua faculdade e paralisem lhe o livre
arbítrio.
• "Podem os Espíritos manifestar-se de uma infinidade de maneiras mas
não o podem senão com a condição de acharem uma pessoa apta a
receber e transmitir impressões deste ou daquele gênero, segundo as
ap-tidões que possua."
• Da diversidade de condições individuais procede a diversidade de
médiuns.
• Inicialmente, com relação à intervenção da vontade do médium no
processo mediúnico, podemos distinguir:
• a) Médiuns facultativos ou voluntários;
• b) Médiuns involuntários ou naturais.
4
• MÉDIUNS FACULTATIVOS OU VOLUNTÁRIOS:
• "Só se encontram entre pessoas que têm conhecimento
mais ou menos completo dos meios de comunicação
com os Espíritos, o que lhes possibilita servir-se, por
vontade própria, de suas faculdades. Não que realizem
quando queiram os fenômenos, pois sem a vontade do
Espírito que se irá comunicar nada conseguirão, porém,
são senhores da faculdade que possuem, não
permitindo que se dêem comunicações extemporâneas
e em momentos impróprios. Sabem que possuem a
faculdade e se predispõem ao intercâmbio com o mundo
dos Espíritos."
5
• MÉDIUNS INVOLUNTÁRIOS OU NATURAIS:
• Também denominados INCONSCIENTES, pelo
Codificador, por não terem consciência da
faculdade que possuem. "São aqueles cuja
influência se exerce a seu mau grado... Existem
entre as pessoas que nenhuma idéia fazem do
Espiritismo, e nem dos Espíritos, até mesmo
entre as mais incrédulas e que servem de
instrumento, sem o saberem e sem o quererem...
Muitas vezes, o que de anormal se passa em
torno deles não se lhes afigura de modo algum
extraordinário. Isso faz parte deles."
• "Os fenômenos espíritas de todos os gêneros
podem operar-se por influência destes últimos,
que sempre existiram, em todas as épocas e no
seio de todos os povos. A ignorância e a
credulidade lhes atribuíram um poder
sobrenatural e, conforme a época e o lugar,
fizeram deles santos, feiticeiros, loucos ou
visionários. O Espiritismo mostra que com eles
apenas se dá a manifestação espontânea de uma
faculdade natural."
• A.K. - Obras Póstumas - 1ª parte -
"Manifestações..." itens 39 e 40
6
CLASSIFICAÇÃO DOS MÉDIUNS SEGUNDO
SUAS APTIDÕES ESPECÍFICAS:
• "Geralmente, os
médiuns têm uma
aptidão especial para os
fenômenos desta ou
daquela ordem, donde
resulta que formam
tantas variedades
quantas são as espécies
de manifestações.
• " Eis as principais:
7
• 1 - MÉDIUNS DE EFEITOS FÍSICOS:
• a) São os mais aptos, especialmente, à produção de
fenômenos materiais, como movimentos de corpos inertes,
ruídos, deslocação, levantamento e translação de objetos,
etc...
• Ocorre, freqüentemente, nestes fenômenos, o concurso
involuntário de médiuns dotados de faculdades especiais.
"Em geral, têm por agentes Espíritos de ordem inferior,
uma vez que os Espíritos elevados só se preocupam com
comunicações inteligentes e instrutivas."
8
• b) Entre os médiuns de efeitos físicos, além dos que servem
de intermediários a Espíritos que se manifestam por meio de
pancadas, barulhos, etc..., encontram-se os que atuam como
veículo de cura; - um efeito físico, objetivo, verificável
diretamente pelo observador.
• São os MÉDIUNS CURADORES. "Este gênero de
mediunidade consiste, principalmente, no dom que possuem
certas pessoas de curar pelo simples toque, pelo olhar,
mesmo por um gesto, sem o concurso de qualquer
medicação." Geralmente a faculdade é espontânea e,
embora haja a utilização do fluido magnético, alguns médiuns
curadores jamais ouviram. falar de magnetismo
• A.K. - Obras Póstumas - 1ª parte - "Manifestações..." item 52
9
• c) MÉDIUNS PNEUMATÓGRAFOS: Dá-se este
nome aos médiuns que têm aptidão para obter escrita
direta. Chama-se escrita direta ou pneumatografia a
escrita produzida diretamente pelo Espírito
comunicante. Difere da psicografia por ser esta a
transmissão do pensamento do Espírito, mediante
escrita feita com a mão do médium. Esta faculdade é
bastante rara. Desenvolve-se pelo exercício; mas, sem
utilidade prática, "limita-se a uma comprovação
patente da intervenção de uma força oculta nas
manifestações."
10
2 - MÉDIUNS DE EFEITOS INTELECTUAIS:
• a) MÉDIUNS SENSITIVOS ou IMPRESSIONÁVEIS: "Dá-se
esta denominação às pessoas suscetíveis de pressentir a
presença dos Espíritos, por impressão vaga, um como
ligeiro atrito em todos os membros, fato que não logram
explicar. Tal sutileza essa faculdade pode adquirir, que
aquele que a possui reconhece, pela impressão que
experimenta, não só a natureza, boa ou má do Espírito que
lhe está ao lado, mas também a sua individualidade."
11
• b) MÉDIUNS ESCREVENTES ou PSICÓGRAFOS:
• São os médiuns aptos a receber a comunicação dos Espíritos através
da escrita. Como afirma Allan Kardec "de todos os meios de
comunicação, a escrita manual é o mais simples, mais cômodo e,
sobretudo, mais completo." "Para o médium, a faculdade de escrever
é a mais suscetível de desenvolver-se pelo exercício" e proporciona a
todos um acurado e minucioso exame de mensagem recebida.
12
• c) MÉDIUNS FALANTES ou PSICOFÔNICOS:
• São aqueles que possibilitam aos Espíritos a
comunicação oral com outras pessoas
encarnadas. Neste caso, uma terceira pessoa
pode travar conversação normal com o Espírito
comunicante.
13
• d) MÉDIUNS VIDENTES: "Os médiuns videntes são os dotados
da faculdade de ver os Espíritos. Alguns gozam dessa faculdade
em estado normal, quando perfeitamente acordados, e
conservam lembrança do que viram. Outros só a possuem em
estado sonambúlico, ou próximo do sonambulismo. Raro que
esta faculdade se mostre permanente; quase sempre é efeito de
uma fase passageira.
• e) MÉDIUNS AUDIENTES: "São os médiuns que ouvem os
Espíritos; é, algumas vezes, como se escutassem uma voz
interna que lhes ressoasse no foro íntimo; doutras vezes, é uma
voz interior, clara e distinta, qual a de uma pessoa viva." "Aquele
que não é médium pode comunicar-se com um Espírito por via de
um médium audiente, que lhe transmite as palavras.“
• OBSERVAÇÃO - MÉDIUNS SONAMBÚLICOS: "O
sonambulismo e a faculdade mediúnica são duas ordens de
fenômenos que podem ocorrer simultaneamente." "O sonâmbulo
age sob a influência de seu próprio espírito; sua própria alma é
que, em momentos de emancipação, vê, ouve e percebe além
dos limites dos sentidos. O médium sonambúlico, ao contrário, é
instrumento de uma inteligência estranha; passivo e o que diz
não vem de si."
14
• BIBLIOGRAFIA:
• Allan Kardec
O Livro dos Médiuns - 2ª parte - Cap. XIV
Obras Póstumas - 1ª parte, "Manifestações
dos Espíritos" - Parágrafos 1º e 6º
15
C O E M – 4ª AULA PRÁTICA
ATITUDE E FORMALISMO DA PRECE 16
• Sendo a prece uma manifestação da alma em busca da Presença
Divina ou de seus prepostos, ela deve ser despida de todo e qualquer
formalismo. Atitude convencional, posição externa e ritual são vestes
dispensáveis ao ato de orar. Pela força do pensamento, após estarmos
concentrados, procuramos traduzir a nossa vontade com o melhor dos
nossos sentimentos por uma prece, que não deve ser formulada
segundo um esquema pré-fabricado. Deve traduzir o que realmente
estamos sentindo, pensando e querendo.
• Lembrar que a prece é "uma conversa com Deus" ou com seus
prepostos que nos servirão de intermediários, já que é bastante difícil
mentalizarmos o Pai (a não ser que nos fixemos em seus atributos:
Bondade, Justiça, Harmonia, Amor, etc.).
• Tudo numa "conversa" deve nascer espontaneamente segundo as
necessidades e finalidades da mesma e, não, uma repetição de termos
que no mais das vezes são ininteligíveis para quem os profere.
• Ser precisa, objetiva e robusta de sentimentos elevados. Estes devem
ser cultivados sempre, porque não aparecem como por encanto só nos
momentos de oração.
• A forma de nada vale, o que prevalece é o conteúdo; a atitude é
eminentemente espiritual, íntima. A prece não deve ter nada de
convencional (ajoelhar, colocar a mão na testa, baixar a cabeça, etc.).
17
• LEITURA:
• Emmanuel, psicografia de Francisco Cândido Xavier
• PÃO NOSSO, Cap. 108 e FONTE VIVA, Cap. 149.
• Espíritos Diversos, psicografia de Francisco Cândido Xavier
• O ESPÍRITO DA VERDADE, Cap. 31.
• Allan Kardec
• O Livro dos Médiuns - Cap. 25 - perg. 15
18

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Quarto Módulo - 7ª aula psicofonia
Quarto Módulo - 7ª aula psicofoniaQuarto Módulo - 7ª aula psicofonia
Quarto Módulo - 7ª aula psicofoniaCeiClarencio
 
Aula 1 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de Efeitos Físicos
Aula 1 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de Efeitos FísicosAula 1 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de Efeitos Físicos
Aula 1 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de Efeitos FísicosSergio Lima Dias Junior
 
Estudo Sobre o Passe nas Reuniões Mediúnicas (FEB)
Estudo Sobre o Passe nas Reuniões Mediúnicas (FEB)Estudo Sobre o Passe nas Reuniões Mediúnicas (FEB)
Estudo Sobre o Passe nas Reuniões Mediúnicas (FEB)Rodrigo De Oliveira Reis
 
12ª aula riscos da mediunidade, perda e suspensão da faculdade
12ª aula   riscos da  mediunidade, perda e suspensão da faculdade12ª aula   riscos da  mediunidade, perda e suspensão da faculdade
12ª aula riscos da mediunidade, perda e suspensão da faculdadeWagner Quadros
 
10ª aula riscos da mediunidade - coem
10ª aula   riscos da mediunidade - coem10ª aula   riscos da mediunidade - coem
10ª aula riscos da mediunidade - coemWagner Quadros
 
Eclosão da mediunidade.pptx
Eclosão da mediunidade.pptxEclosão da mediunidade.pptx
Eclosão da mediunidade.pptxM.R.L
 
05 classificação do médiuns
05   classificação do médiuns05   classificação do médiuns
05 classificação do médiunscarlos freire
 
Influência do médium na comunicação
Influência do médium na comunicaçãoInfluência do médium na comunicação
Influência do médium na comunicaçãoGraça Maciel
 
Laboratorio do mundo invisivel
Laboratorio do mundo invisivel Laboratorio do mundo invisivel
Laboratorio do mundo invisivel Ceile Bernardo
 
Roteiro 3 triplice aspecto da doutrina espírita
Roteiro 3   triplice aspecto da doutrina espíritaRoteiro 3   triplice aspecto da doutrina espírita
Roteiro 3 triplice aspecto da doutrina espíritaBruno Cechinel Filho
 
O livro dos médiuns
O livro dos médiunsO livro dos médiuns
O livro dos médiunsAlfredo Lopes
 
Curso Passe - Editora Auta de Souza
Curso Passe - Editora Auta de SouzaCurso Passe - Editora Auta de Souza
Curso Passe - Editora Auta de Souzahamletcrs
 
8ª aula do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
8ª aula   do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem8ª aula   do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
8ª aula do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coemWagner Quadros
 

Mais procurados (20)

Irradiação
IrradiaçãoIrradiação
Irradiação
 
Quarto Módulo - 7ª aula psicofonia
Quarto Módulo - 7ª aula psicofoniaQuarto Módulo - 7ª aula psicofonia
Quarto Módulo - 7ª aula psicofonia
 
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMOMEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
 
Olm 100915-os médiuns
Olm 100915-os médiunsOlm 100915-os médiuns
Olm 100915-os médiuns
 
Aula 1 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de Efeitos Físicos
Aula 1 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de Efeitos FísicosAula 1 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de Efeitos Físicos
Aula 1 - Classificação Mediúnica - Mediunidade de Efeitos Físicos
 
Estudo Sobre o Passe nas Reuniões Mediúnicas (FEB)
Estudo Sobre o Passe nas Reuniões Mediúnicas (FEB)Estudo Sobre o Passe nas Reuniões Mediúnicas (FEB)
Estudo Sobre o Passe nas Reuniões Mediúnicas (FEB)
 
12ª aula riscos da mediunidade, perda e suspensão da faculdade
12ª aula   riscos da  mediunidade, perda e suspensão da faculdade12ª aula   riscos da  mediunidade, perda e suspensão da faculdade
12ª aula riscos da mediunidade, perda e suspensão da faculdade
 
10ª aula riscos da mediunidade - coem
10ª aula   riscos da mediunidade - coem10ª aula   riscos da mediunidade - coem
10ª aula riscos da mediunidade - coem
 
Eclosão da mediunidade.pptx
Eclosão da mediunidade.pptxEclosão da mediunidade.pptx
Eclosão da mediunidade.pptx
 
05 classificação do médiuns
05   classificação do médiuns05   classificação do médiuns
05 classificação do médiuns
 
Anjos da Guarda
Anjos da GuardaAnjos da Guarda
Anjos da Guarda
 
Médiuns e mediunidade!
Médiuns e mediunidade!Médiuns e mediunidade!
Médiuns e mediunidade!
 
Terapia pelos Passes - Seminário
Terapia pelos Passes - SeminárioTerapia pelos Passes - Seminário
Terapia pelos Passes - Seminário
 
Influência do médium na comunicação
Influência do médium na comunicaçãoInfluência do médium na comunicação
Influência do médium na comunicação
 
Laboratorio do mundo invisivel
Laboratorio do mundo invisivel Laboratorio do mundo invisivel
Laboratorio do mundo invisivel
 
Roteiro 3 triplice aspecto da doutrina espírita
Roteiro 3   triplice aspecto da doutrina espíritaRoteiro 3   triplice aspecto da doutrina espírita
Roteiro 3 triplice aspecto da doutrina espírita
 
O livro dos médiuns
O livro dos médiunsO livro dos médiuns
O livro dos médiuns
 
Curso Passe - Editora Auta de Souza
Curso Passe - Editora Auta de SouzaCurso Passe - Editora Auta de Souza
Curso Passe - Editora Auta de Souza
 
Obsessão e desobsessão
Obsessão e desobsessãoObsessão e desobsessão
Obsessão e desobsessão
 
8ª aula do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
8ª aula   do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem8ª aula   do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
8ª aula do papel dos mediuns nas comunicações espiritas - coem
 

Destaque

Quarto Módulo - 2ª aula - Tipo de mediunidade
Quarto Módulo - 2ª  aula - Tipo de mediunidadeQuarto Módulo - 2ª  aula - Tipo de mediunidade
Quarto Módulo - 2ª aula - Tipo de mediunidadeCeiClarencio
 
ATENDEIMENTO AO ESPIRITO COMUNICANTE
ATENDEIMENTO AO ESPIRITO COMUNICANTEATENDEIMENTO AO ESPIRITO COMUNICANTE
ATENDEIMENTO AO ESPIRITO COMUNICANTEAri Carrasco
 
Mediunidade com Jesus
Mediunidade com JesusMediunidade com Jesus
Mediunidade com Jesusigmateus
 
Como avaliar se a reunião mediúnica esta bem
Como avaliar  se a reunião mediúnica esta bemComo avaliar  se a reunião mediúnica esta bem
Como avaliar se a reunião mediúnica esta bemGraça Maciel
 
13 classificação dos médiuns
13 classificação dos médiuns13 classificação dos médiuns
13 classificação dos médiunsAntonio SSantos
 
01 o médium conceito e classif. mediunidade com jesus
01   o médium conceito e classif. mediunidade com jesus01   o médium conceito e classif. mediunidade com jesus
01 o médium conceito e classif. mediunidade com jesusjcevadro
 
Mediunidade conceitos e tipos - n.16
Mediunidade conceitos  e tipos - n.16Mediunidade conceitos  e tipos - n.16
Mediunidade conceitos e tipos - n.16Graça Maciel
 
Classificacao da mediunidade
Classificacao da mediunidadeClassificacao da mediunidade
Classificacao da mediunidadeGraça Maciel
 
7_ Manifestacao mediunica dos Espiritos
7_ Manifestacao mediunica dos Espiritos7_ Manifestacao mediunica dos Espiritos
7_ Manifestacao mediunica dos EspiritosAri Carrasco
 
Mediunidade com Jesus - n.17
Mediunidade com Jesus - n.17Mediunidade com Jesus - n.17
Mediunidade com Jesus - n.17Graça Maciel
 

Destaque (17)

Quarto Módulo - 2ª aula - Tipo de mediunidade
Quarto Módulo - 2ª  aula - Tipo de mediunidadeQuarto Módulo - 2ª  aula - Tipo de mediunidade
Quarto Módulo - 2ª aula - Tipo de mediunidade
 
ATENDEIMENTO AO ESPIRITO COMUNICANTE
ATENDEIMENTO AO ESPIRITO COMUNICANTEATENDEIMENTO AO ESPIRITO COMUNICANTE
ATENDEIMENTO AO ESPIRITO COMUNICANTE
 
Mediunidade com Jesus
Mediunidade com JesusMediunidade com Jesus
Mediunidade com Jesus
 
Como avaliar se a reunião mediúnica esta bem
Como avaliar  se a reunião mediúnica esta bemComo avaliar  se a reunião mediúnica esta bem
Como avaliar se a reunião mediúnica esta bem
 
13 classificação dos médiuns
13 classificação dos médiuns13 classificação dos médiuns
13 classificação dos médiuns
 
Tipos de mediunidade
Tipos de mediunidadeTipos de mediunidade
Tipos de mediunidade
 
OS MÉDIUNS
OS MÉDIUNSOS MÉDIUNS
OS MÉDIUNS
 
01 o médium conceito e classif. mediunidade com jesus
01   o médium conceito e classif. mediunidade com jesus01   o médium conceito e classif. mediunidade com jesus
01 o médium conceito e classif. mediunidade com jesus
 
Mediunidade com jesus
Mediunidade com jesusMediunidade com jesus
Mediunidade com jesus
 
Mediunidade conceitos e tipos - n.16
Mediunidade conceitos  e tipos - n.16Mediunidade conceitos  e tipos - n.16
Mediunidade conceitos e tipos - n.16
 
Classificacao da mediunidade
Classificacao da mediunidadeClassificacao da mediunidade
Classificacao da mediunidade
 
7_ Manifestacao mediunica dos Espiritos
7_ Manifestacao mediunica dos Espiritos7_ Manifestacao mediunica dos Espiritos
7_ Manifestacao mediunica dos Espiritos
 
Mediunidade com Jesus - n.17
Mediunidade com Jesus - n.17Mediunidade com Jesus - n.17
Mediunidade com Jesus - n.17
 
Dairson: Reunião Mediúnica
Dairson: Reunião MediúnicaDairson: Reunião Mediúnica
Dairson: Reunião Mediúnica
 
Mediunidade efeitos físicos e intelectuais
Mediunidade efeitos físicos e intelectuaisMediunidade efeitos físicos e intelectuais
Mediunidade efeitos físicos e intelectuais
 
Aula 8 - Médium/Mediunidade
Aula 8 - Médium/MediunidadeAula 8 - Médium/Mediunidade
Aula 8 - Médium/Mediunidade
 
Médiuns
MédiunsMédiuns
Médiuns
 

Semelhante a 4ª aula dos médiuns - classificação geral - coem

Classificação da mediunidade
Classificação da mediunidadeClassificação da mediunidade
Classificação da mediunidadeWilma Badan C.G.
 
Classificação da mediunidade - Wilma Badan CG -
Classificação da mediunidade - Wilma Badan CG - Classificação da mediunidade - Wilma Badan CG -
Classificação da mediunidade - Wilma Badan CG - Wilma Badan C.G.
 
14 29.05.2014 - classificação da mediunidade
14   29.05.2014 - classificação da mediunidade14   29.05.2014 - classificação da mediunidade
14 29.05.2014 - classificação da mediunidadeWilma Badan C.G.
 
Quarto Módulo - 1ª aula - O médiun e suas aptidões
Quarto Módulo - 1ª aula - O médiun e suas aptidõesQuarto Módulo - 1ª aula - O médiun e suas aptidões
Quarto Módulo - 1ª aula - O médiun e suas aptidõesCeiClarencio
 
Tipos de mediunidade parte i
Tipos de mediunidade   parte iTipos de mediunidade   parte i
Tipos de mediunidade parte iPonte de Luz ASEC
 
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuaisA psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuaisjcevadro
 
Comunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos Espíritos Comunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos Espíritos Leonardo Pereira
 
Qualificação e prática da mediunidade
Qualificação e prática da mediunidadeQualificação e prática da mediunidade
Qualificação e prática da mediunidadeFrancisco José
 
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hsO papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hshome
 
Somos todos médiuns
Somos todos médiunsSomos todos médiuns
Somos todos médiunsHelio Cruz
 
Espiritismo e mediunidade 07
Espiritismo e mediunidade  07Espiritismo e mediunidade  07
Espiritismo e mediunidade 07Leonardo Pereira
 
Comunicações mediúnicas!
Comunicações mediúnicas!Comunicações mediúnicas!
Comunicações mediúnicas!Leonardo Pereira
 
Curso básico de mediunidade
Curso básico de mediunidadeCurso básico de mediunidade
Curso básico de mediunidadeJoaquim Fontes
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Leonardo Pereira
 

Semelhante a 4ª aula dos médiuns - classificação geral - coem (20)

Mediunidade
MediunidadeMediunidade
Mediunidade
 
Classificação da mediunidade
Classificação da mediunidadeClassificação da mediunidade
Classificação da mediunidade
 
Classificação da mediunidade - Wilma Badan CG -
Classificação da mediunidade - Wilma Badan CG - Classificação da mediunidade - Wilma Badan CG -
Classificação da mediunidade - Wilma Badan CG -
 
14 29.05.2014 - classificação da mediunidade
14   29.05.2014 - classificação da mediunidade14   29.05.2014 - classificação da mediunidade
14 29.05.2014 - classificação da mediunidade
 
Quarto Módulo - 1ª aula - O médiun e suas aptidões
Quarto Módulo - 1ª aula - O médiun e suas aptidõesQuarto Módulo - 1ª aula - O médiun e suas aptidões
Quarto Módulo - 1ª aula - O médiun e suas aptidões
 
Mediunidade _ Estudo para Mocidade
Mediunidade _ Estudo para MocidadeMediunidade _ Estudo para Mocidade
Mediunidade _ Estudo para Mocidade
 
Dos mediuns
Dos mediunsDos mediuns
Dos mediuns
 
Tipos de mediunidade parte i
Tipos de mediunidade   parte iTipos de mediunidade   parte i
Tipos de mediunidade parte i
 
Médiuns e mediunidade!
Médiuns e mediunidade!Médiuns e mediunidade!
Médiuns e mediunidade!
 
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuaisA psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
A psicofonia, a vidência e as manifestações visuais
 
Comunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos Espíritos Comunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos Espíritos
 
Qualificação e prática da mediunidade
Qualificação e prática da mediunidadeQualificação e prática da mediunidade
Qualificação e prática da mediunidade
 
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hsO papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
O papel do médium no mecanismo das comunicações 1,5hs
 
Somos todos médiuns
Somos todos médiunsSomos todos médiuns
Somos todos médiuns
 
QUEM SÃO OS MÉDIUNS?
QUEM SÃO OS MÉDIUNS?QUEM SÃO OS MÉDIUNS?
QUEM SÃO OS MÉDIUNS?
 
Espiritismo e mediunidade 07
Espiritismo e mediunidade  07Espiritismo e mediunidade  07
Espiritismo e mediunidade 07
 
Comunicações mediúnicas!
Comunicações mediúnicas!Comunicações mediúnicas!
Comunicações mediúnicas!
 
Curso básico de mediunidade
Curso básico de mediunidadeCurso básico de mediunidade
Curso básico de mediunidade
 
Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade Estudo Sistematizado da Mediunidade
Estudo Sistematizado da Mediunidade
 
Mediunidade aula 01
Mediunidade aula 01Mediunidade aula 01
Mediunidade aula 01
 

Mais de Wagner Quadros

15ª aula obsessão meios e combate-la - coem
15ª aula   obsessão meios e combate-la - coem15ª aula   obsessão meios e combate-la - coem
15ª aula obsessão meios e combate-la - coemWagner Quadros
 
14ª aula da obsessão - classificação - coem
14ª aula   da obsessão - classificação - coem14ª aula   da obsessão - classificação - coem
14ª aula da obsessão - classificação - coemWagner Quadros
 
13ª aula da obsessão - conceitos e causas - coem
13ª aula   da obsessão - conceitos e causas - coem13ª aula   da obsessão - conceitos e causas - coem
13ª aula da obsessão - conceitos e causas - coemWagner Quadros
 
11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade coem
11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade   coem11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade   coem
11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade coemWagner Quadros
 
9ª aula da influencia moral do médium - coem
9ª aula   da influencia moral do médium - coem9ª aula   da influencia moral do médium - coem
9ª aula da influencia moral do médium - coemWagner Quadros
 
6ª aula manifestaçoes visuais - coem
6ª aula   manifestaçoes visuais - coem6ª aula   manifestaçoes visuais - coem
6ª aula manifestaçoes visuais - coemWagner Quadros
 
5ª aula dos mediuns - coem
5ª aula    dos mediuns - coem5ª aula    dos mediuns - coem
5ª aula dos mediuns - coemWagner Quadros
 
3ª aula da natureza das comunicações - coem
3ª aula   da natureza das comunicações - coem3ª aula   da natureza das comunicações - coem
3ª aula da natureza das comunicações - coemWagner Quadros
 
2ª aula mediunidade classificação - coem
2ª aula   mediunidade classificação - coem2ª aula   mediunidade classificação - coem
2ª aula mediunidade classificação - coemWagner Quadros
 
1ª aula a mediunidade atraves dos tempos - coem
1ª aula   a mediunidade atraves dos tempos - coem1ª aula   a mediunidade atraves dos tempos - coem
1ª aula a mediunidade atraves dos tempos - coemWagner Quadros
 

Mais de Wagner Quadros (10)

15ª aula obsessão meios e combate-la - coem
15ª aula   obsessão meios e combate-la - coem15ª aula   obsessão meios e combate-la - coem
15ª aula obsessão meios e combate-la - coem
 
14ª aula da obsessão - classificação - coem
14ª aula   da obsessão - classificação - coem14ª aula   da obsessão - classificação - coem
14ª aula da obsessão - classificação - coem
 
13ª aula da obsessão - conceitos e causas - coem
13ª aula   da obsessão - conceitos e causas - coem13ª aula   da obsessão - conceitos e causas - coem
13ª aula da obsessão - conceitos e causas - coem
 
11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade coem
11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade   coem11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade   coem
11ª aula – perigos e inconvenientes da mediunidade coem
 
9ª aula da influencia moral do médium - coem
9ª aula   da influencia moral do médium - coem9ª aula   da influencia moral do médium - coem
9ª aula da influencia moral do médium - coem
 
6ª aula manifestaçoes visuais - coem
6ª aula   manifestaçoes visuais - coem6ª aula   manifestaçoes visuais - coem
6ª aula manifestaçoes visuais - coem
 
5ª aula dos mediuns - coem
5ª aula    dos mediuns - coem5ª aula    dos mediuns - coem
5ª aula dos mediuns - coem
 
3ª aula da natureza das comunicações - coem
3ª aula   da natureza das comunicações - coem3ª aula   da natureza das comunicações - coem
3ª aula da natureza das comunicações - coem
 
2ª aula mediunidade classificação - coem
2ª aula   mediunidade classificação - coem2ª aula   mediunidade classificação - coem
2ª aula mediunidade classificação - coem
 
1ª aula a mediunidade atraves dos tempos - coem
1ª aula   a mediunidade atraves dos tempos - coem1ª aula   a mediunidade atraves dos tempos - coem
1ª aula a mediunidade atraves dos tempos - coem
 

Último

Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxCelso Napoleon
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoInsituto Propósitos de Ensino
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptxPIB Penha
 
Oração Alma De Cristo
Oração Alma De CristoOração Alma De Cristo
Oração Alma De CristoNilson Almeida
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxCelso Napoleon
 
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiaRESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiamaysa997520
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoInsituto Propósitos de Ensino
 

Último (11)

Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
 
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdfO Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
 
Oração Alma De Cristo
Oração Alma De CristoOração Alma De Cristo
Oração Alma De Cristo
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
 
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiaRESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
 

4ª aula dos médiuns - classificação geral - coem

  • 1. DOS MÉDIUNS CLASSIFICAÇÃO GERAL C O E M – 4ª AULA TEÓRICA 1
  • 2. MÉDIUNS: • 1 - Inerência da mediunidade: • "Todo aquele que sente, num grau qualquer, a influência dos Espíritos, é, por esse fato, médium. Essa faculdade é inerente ao homem; não constitui, portanto, privilégio exclusivo. Pode-se, pois, dizer que todos são, mais ou menos, médiuns. Todavia, usualmente, assim só se qualificam aqueles em quem a faculdade mediúnica se mostra bem caracterizada e se traduz por efeitos patentes, de certa intensidade, que depende de uma organização mais ou menos sensitiva." 2
  • 3. 2 - Mecanismo da Mediunidade: • O fluido perispirítico é o agente de todos os fenômenos mediúnicos. Estes se produzem pela ação recíproca dos fluidos que emitem o médium e o Espírito. O desenvolvimento da faculdade mediúnica depende da natureza mais ou menos expansiva do perispírito do médium e da maior ou menor facilidade da sua assimilação pelo dos Espíritos; depende, portanto, do organismo e pode ser desenvolvida quando existam condições iniciais favoráveis. • Não pode ser adquirida quando não existam tais condições. A predisposição mediúnica independe do sexo, da idade e do temperamento, bem como da condição social, da raça e da cultura. • "As relações entre os Espíritos e os médiuns se estabelecem por meio dos respectivos perispíritos, dependendo a facilidade dessas relações do grau de afinidade existente entre os dois fluidos. Alguns há que se combinam facilmente, enquanto outros se repelem, donde se segue que não basta ser médium para que uma pessoa se comunique indistintamente com todos os Espíritos. Há médiuns que só com certos Espíritos podem comunicar-se ou com Espíritos de certas categorias, e outros que não o podem a não ser pela transmissão do pensamento, sem qualquer manifestação exterior". 3
  • 4. • Combinando os fluidos perispíritos, os Espíritos não só transmitem aos médiuns seus pensamentos, como também chegam a exercer sobre eles uma influência física, fazem-nos agir ou falar à sua vontade, obrigam-nos a dizer o que eles queiram. Todavia, a elevação moral do médium e seu controle sobre a faculdade que possui impedirão que os maus Espíritos se apoderem da sua faculdade e paralisem lhe o livre arbítrio. • "Podem os Espíritos manifestar-se de uma infinidade de maneiras mas não o podem senão com a condição de acharem uma pessoa apta a receber e transmitir impressões deste ou daquele gênero, segundo as ap-tidões que possua." • Da diversidade de condições individuais procede a diversidade de médiuns. • Inicialmente, com relação à intervenção da vontade do médium no processo mediúnico, podemos distinguir: • a) Médiuns facultativos ou voluntários; • b) Médiuns involuntários ou naturais. 4
  • 5. • MÉDIUNS FACULTATIVOS OU VOLUNTÁRIOS: • "Só se encontram entre pessoas que têm conhecimento mais ou menos completo dos meios de comunicação com os Espíritos, o que lhes possibilita servir-se, por vontade própria, de suas faculdades. Não que realizem quando queiram os fenômenos, pois sem a vontade do Espírito que se irá comunicar nada conseguirão, porém, são senhores da faculdade que possuem, não permitindo que se dêem comunicações extemporâneas e em momentos impróprios. Sabem que possuem a faculdade e se predispõem ao intercâmbio com o mundo dos Espíritos." 5
  • 6. • MÉDIUNS INVOLUNTÁRIOS OU NATURAIS: • Também denominados INCONSCIENTES, pelo Codificador, por não terem consciência da faculdade que possuem. "São aqueles cuja influência se exerce a seu mau grado... Existem entre as pessoas que nenhuma idéia fazem do Espiritismo, e nem dos Espíritos, até mesmo entre as mais incrédulas e que servem de instrumento, sem o saberem e sem o quererem... Muitas vezes, o que de anormal se passa em torno deles não se lhes afigura de modo algum extraordinário. Isso faz parte deles." • "Os fenômenos espíritas de todos os gêneros podem operar-se por influência destes últimos, que sempre existiram, em todas as épocas e no seio de todos os povos. A ignorância e a credulidade lhes atribuíram um poder sobrenatural e, conforme a época e o lugar, fizeram deles santos, feiticeiros, loucos ou visionários. O Espiritismo mostra que com eles apenas se dá a manifestação espontânea de uma faculdade natural." • A.K. - Obras Póstumas - 1ª parte - "Manifestações..." itens 39 e 40 6
  • 7. CLASSIFICAÇÃO DOS MÉDIUNS SEGUNDO SUAS APTIDÕES ESPECÍFICAS: • "Geralmente, os médiuns têm uma aptidão especial para os fenômenos desta ou daquela ordem, donde resulta que formam tantas variedades quantas são as espécies de manifestações. • " Eis as principais: 7
  • 8. • 1 - MÉDIUNS DE EFEITOS FÍSICOS: • a) São os mais aptos, especialmente, à produção de fenômenos materiais, como movimentos de corpos inertes, ruídos, deslocação, levantamento e translação de objetos, etc... • Ocorre, freqüentemente, nestes fenômenos, o concurso involuntário de médiuns dotados de faculdades especiais. "Em geral, têm por agentes Espíritos de ordem inferior, uma vez que os Espíritos elevados só se preocupam com comunicações inteligentes e instrutivas." 8
  • 9. • b) Entre os médiuns de efeitos físicos, além dos que servem de intermediários a Espíritos que se manifestam por meio de pancadas, barulhos, etc..., encontram-se os que atuam como veículo de cura; - um efeito físico, objetivo, verificável diretamente pelo observador. • São os MÉDIUNS CURADORES. "Este gênero de mediunidade consiste, principalmente, no dom que possuem certas pessoas de curar pelo simples toque, pelo olhar, mesmo por um gesto, sem o concurso de qualquer medicação." Geralmente a faculdade é espontânea e, embora haja a utilização do fluido magnético, alguns médiuns curadores jamais ouviram. falar de magnetismo • A.K. - Obras Póstumas - 1ª parte - "Manifestações..." item 52 9
  • 10. • c) MÉDIUNS PNEUMATÓGRAFOS: Dá-se este nome aos médiuns que têm aptidão para obter escrita direta. Chama-se escrita direta ou pneumatografia a escrita produzida diretamente pelo Espírito comunicante. Difere da psicografia por ser esta a transmissão do pensamento do Espírito, mediante escrita feita com a mão do médium. Esta faculdade é bastante rara. Desenvolve-se pelo exercício; mas, sem utilidade prática, "limita-se a uma comprovação patente da intervenção de uma força oculta nas manifestações." 10
  • 11. 2 - MÉDIUNS DE EFEITOS INTELECTUAIS: • a) MÉDIUNS SENSITIVOS ou IMPRESSIONÁVEIS: "Dá-se esta denominação às pessoas suscetíveis de pressentir a presença dos Espíritos, por impressão vaga, um como ligeiro atrito em todos os membros, fato que não logram explicar. Tal sutileza essa faculdade pode adquirir, que aquele que a possui reconhece, pela impressão que experimenta, não só a natureza, boa ou má do Espírito que lhe está ao lado, mas também a sua individualidade." 11
  • 12. • b) MÉDIUNS ESCREVENTES ou PSICÓGRAFOS: • São os médiuns aptos a receber a comunicação dos Espíritos através da escrita. Como afirma Allan Kardec "de todos os meios de comunicação, a escrita manual é o mais simples, mais cômodo e, sobretudo, mais completo." "Para o médium, a faculdade de escrever é a mais suscetível de desenvolver-se pelo exercício" e proporciona a todos um acurado e minucioso exame de mensagem recebida. 12
  • 13. • c) MÉDIUNS FALANTES ou PSICOFÔNICOS: • São aqueles que possibilitam aos Espíritos a comunicação oral com outras pessoas encarnadas. Neste caso, uma terceira pessoa pode travar conversação normal com o Espírito comunicante. 13
  • 14. • d) MÉDIUNS VIDENTES: "Os médiuns videntes são os dotados da faculdade de ver os Espíritos. Alguns gozam dessa faculdade em estado normal, quando perfeitamente acordados, e conservam lembrança do que viram. Outros só a possuem em estado sonambúlico, ou próximo do sonambulismo. Raro que esta faculdade se mostre permanente; quase sempre é efeito de uma fase passageira. • e) MÉDIUNS AUDIENTES: "São os médiuns que ouvem os Espíritos; é, algumas vezes, como se escutassem uma voz interna que lhes ressoasse no foro íntimo; doutras vezes, é uma voz interior, clara e distinta, qual a de uma pessoa viva." "Aquele que não é médium pode comunicar-se com um Espírito por via de um médium audiente, que lhe transmite as palavras.“ • OBSERVAÇÃO - MÉDIUNS SONAMBÚLICOS: "O sonambulismo e a faculdade mediúnica são duas ordens de fenômenos que podem ocorrer simultaneamente." "O sonâmbulo age sob a influência de seu próprio espírito; sua própria alma é que, em momentos de emancipação, vê, ouve e percebe além dos limites dos sentidos. O médium sonambúlico, ao contrário, é instrumento de uma inteligência estranha; passivo e o que diz não vem de si." 14
  • 15. • BIBLIOGRAFIA: • Allan Kardec O Livro dos Médiuns - 2ª parte - Cap. XIV Obras Póstumas - 1ª parte, "Manifestações dos Espíritos" - Parágrafos 1º e 6º 15
  • 16. C O E M – 4ª AULA PRÁTICA ATITUDE E FORMALISMO DA PRECE 16
  • 17. • Sendo a prece uma manifestação da alma em busca da Presença Divina ou de seus prepostos, ela deve ser despida de todo e qualquer formalismo. Atitude convencional, posição externa e ritual são vestes dispensáveis ao ato de orar. Pela força do pensamento, após estarmos concentrados, procuramos traduzir a nossa vontade com o melhor dos nossos sentimentos por uma prece, que não deve ser formulada segundo um esquema pré-fabricado. Deve traduzir o que realmente estamos sentindo, pensando e querendo. • Lembrar que a prece é "uma conversa com Deus" ou com seus prepostos que nos servirão de intermediários, já que é bastante difícil mentalizarmos o Pai (a não ser que nos fixemos em seus atributos: Bondade, Justiça, Harmonia, Amor, etc.). • Tudo numa "conversa" deve nascer espontaneamente segundo as necessidades e finalidades da mesma e, não, uma repetição de termos que no mais das vezes são ininteligíveis para quem os profere. • Ser precisa, objetiva e robusta de sentimentos elevados. Estes devem ser cultivados sempre, porque não aparecem como por encanto só nos momentos de oração. • A forma de nada vale, o que prevalece é o conteúdo; a atitude é eminentemente espiritual, íntima. A prece não deve ter nada de convencional (ajoelhar, colocar a mão na testa, baixar a cabeça, etc.). 17
  • 18. • LEITURA: • Emmanuel, psicografia de Francisco Cândido Xavier • PÃO NOSSO, Cap. 108 e FONTE VIVA, Cap. 149. • Espíritos Diversos, psicografia de Francisco Cândido Xavier • O ESPÍRITO DA VERDADE, Cap. 31. • Allan Kardec • O Livro dos Médiuns - Cap. 25 - perg. 15 18