CADERNO DE LEITURA 
LER É UM PRAZER!
SUMÁRIO 
PARTE I 
PARLENDAS..................................................................................01 
CANTIGAS ...
PARTE II 
PARLENDAS 
São conjuntos de palavras com arrumação rítmica em forma de verso, que envolvem algumas 
brincadeiras...
-UM, DOIS, FEIJÃO COM ARROZ, 
TRÊS, QUATRO, FEIJÃO NO PRATO, 
CINCO, SEIS, FALAR INGLÊS, 
SETE, OITO, COMER BISCOITO, 
NOV...
A GENTE É FRACO, CAI NO BURACO. 
O BURACO É FUNDO, ACABOU-SE O 
MUNDO. 
-O PAPAGAIO COME MILHO. 
PERIQUITO LEVA A FAMA. 
C...
CANTIGAS DE RODA 
São textos que servem para brincar e divertir. Com bastante frequência se encontram 
associadas a movime...
Cai, Cai Balão 
Cai cai balão, cai cai balão 
Na rua do sabão 
Não Cai não, não cai não, não cai não 
Cai aqui na minha mã...
Do limão quero um pedaço 
Da morena mais bonita 
Quero um beijo e um abraço 
Peixe Vivo 
Como pode o peixe vivo 
Viver for...
O que será da vaca 
Pinga com limão, oh Morena 
Cura urucubaca 
A Rosa Amarela 
Olha a Rosa amarela, Rosa 
Tão Formosa, tã...
Balaio 
Eu queria se balaio, balaio eu queria ser 
Pra ficar dependurado, na cintura de “ocê” 
Balaio meu bem, balaio sinh...
Quero só que a minha vida, Vida Minha, me ensine o caminho 
Anda mais Aninha, mais um bocadinho, 
Eu sou pobre cego, Vida ...
Lá se vai o meu benzinho, no vapor da cachoeira 
Essa noite tive um sonho que chupava picolé 
Acordei de madrugada, chupan...
Quem sobe nos ares não fica no chão, 
quem fica no chão não sobe nos ares. 
É uma grande pena que não se possa 
estar ao m...
ovos verdes e azuis nos ninhos? 
Quem me compra este caracol? 
Quem me compra um raio de sol? 
Um lagarto entre o muro e a...
Onde estará o pato 
que nadava feito um peixe? 
Onde estará o peixe 
que nadou no fundo do rio? 
Onde estará o rio 
que ca...
Três passos pra um lado 
e entra o cupim. 
Cupim dá três passos 
pra lá e pra cá 
e a pulga contente 
toma guaraná. 
Quem ...
Na beira do lago suspiro o sapo: 
Que galinha mais fominha! 
BEIJA-FLOR 
ROSEANA MURRAY 
Beija-flor pequenininho 
que beij...
A BAILARINA 
CECÍLIA MEIRELES 
Esta menina 
tão pequenina 
quer ser bailarina. 
Não conhece nem dó nem ré 
mas sabe ficar ...
Ah! Menina tonta! 
Não viu a tinta da ponte! 
A FOCA 
VINÍCIUS DE MORAES 
Quer ver a foca 
ficar feliz 
é por uma bola 
no...
Caderno de leitura
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Caderno de leitura

499 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
499
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Caderno de leitura

  1. 1. CADERNO DE LEITURA LER É UM PRAZER!
  2. 2. SUMÁRIO PARTE I PARLENDAS..................................................................................01 CANTIGAS DE RODA....................................................................... 02 POEMAS......................................................................................03
  3. 3. PARTE II PARLENDAS São conjuntos de palavras com arrumação rítmica em forma de verso, que envolvem algumas brincadeiras, jogos ou movimento corporal.
  4. 4. -UM, DOIS, FEIJÃO COM ARROZ, TRÊS, QUATRO, FEIJÃO NO PRATO, CINCO, SEIS, FALAR INGLÊS, SETE, OITO, COMER BISCOITO, NOVE, DEZ, COMER PASTÉIS. AMANHÃ É DOMINGO, PÉ DE CACHIMBO. O CACHIMBO É DE OURO, BATE NO TOURO. O TOURO É VALENTE, BATE NA GENTE.
  5. 5. A GENTE É FRACO, CAI NO BURACO. O BURACO É FUNDO, ACABOU-SE O MUNDO. -O PAPAGAIO COME MILHO. PERIQUITO LEVA A FAMA. CANTAM UNS E CHORAM OUTROS TRISTE SINA DE QUEM AMA.
  6. 6. CANTIGAS DE RODA São textos que servem para brincar e divertir. Com bastante frequência se encontram associadas a movimentos corporais em brincadeiras infantis(...) Atirei o Pau no Gato Atirei o Pau no gato tô tô Mas o gato tô tô Não morreu reu reu Dona Chica cá Admirou-se se Do berro, do berro que o gato deu Miau !!!!!! Fui no Tororó Fui no Tororó beber água não achei Achei linda Morena Que no Tororó deixei Aproveita minha gente Que uma noite não é nada Se não dormir agora Dormirá de madrugada Oh ! Dona Maria, Oh ! Mariazinha, entra nesta roda Ou ficarás sozinha ! Sozinha eu não fico Nem hei de ficar ! Por que eu tenho o Pedro Para ser o meu par !
  7. 7. Cai, Cai Balão Cai cai balão, cai cai balão Na rua do sabão Não Cai não, não cai não, não cai não Cai aqui na minha mão ! Cai cai balão, cai cai balão Aqui na minha mão Não vou lá, não vou lá, não vou lá Tenho medo de apanhar! Boi da Cara Preta Boi, boi, boi Boi da cara preta Pega esta criança que tem medo de careta Não , não , não Não pega ele não Ele é bonitinho, ele chora coitadinho Terezinha de Jesus Terezinha de Jesus deu uma queda Foi ao chão Acudiram três cavalheiros Todos de chapéu na mão O primeiro foi seu pai O segundo seu irmão O terceiro foi aquele Que a Tereza deu a mão Terezinha levantou-se Levantou-se lá do chão E sorrindo disse ao noivo Eu te dou meu coração Dá laranja quero um gomo
  8. 8. Do limão quero um pedaço Da morena mais bonita Quero um beijo e um abraço Peixe Vivo Como pode o peixe vivo Viver fora da água fria Como pode o peixe vivo Viver fora da água fria Como poderei viver Como poderei viver Sem a tua, sem a tua. Sem a tua companhia Sem a tua, sem a tua Sem a tua companhia Os pastores desta aldeia Já me fazem zombaria Os pastores desta aldeia Já me fazem zombaria Por me verem assim chorando Por me verem assim chorando Sem a tua, sem a tua Sem a tua companhia Sem a tua, sem a tua Sem a tua companhia O Meu Boi Morreu O meu boi morreu O que será de mim Mande buscar outro, oh Morena Lá no Piauí O meu boi morreu
  9. 9. O que será da vaca Pinga com limão, oh Morena Cura urucubaca A Rosa Amarela Olha a Rosa amarela, Rosa Tão Formosa, tão bela, Rosa Olha a Rosa amarela, Rosa Tão Formosa, tão bela, Rosa Iá-iá meu lenço, ô Iá-iá Para me enxugar, ô Iá-iá Esta despedida, ô Iá-iá Já me fez chorar, ô Iá-iá (repete) A Gatinha Parda A minha gatinha parda, que em Janeiro me fugiu Onde está minha gatinha, Você sabe, você sabe, você viu ? Eu não vi sua gatinha, mas ouvi o seu miau Quem roubou sua gatinha Foi a bruxa, foi a bruxa pica-páu A Barraquinha Vem, vem, vem Sinhazinha Vem, vem para provar Vem, vem, vem Sinhazinha Na barraquinha comprar Pé de moleque queimado Cana, aipim, batatinha Ó quanta coisa gostosa Para você Sinhazinha
  10. 10. Balaio Eu queria se balaio, balaio eu queria ser Pra ficar dependurado, na cintura de “ocê” Balaio meu bem, balaio sinhá Balaio do coração Moça que não tem balaio, sinhá Bota a costura no chão Eu mandei fazer balaio, pra guardar meu algodão Balaio saiu pequeno, não quero balaio não Balaio meu bem, balaio sinhá Balaio do coração Moça que não tem balaio, sinhá Bota a costura no chão. Boi Barroso Eu mandei fazer um laço do couro do jacaré Pra laçar o boi barroso, num cavalo pangaré Refrão Meu Boi Barroso, meu Boi Pitanga O teu lugar, ai, é lá na cana Adeus menina, eu vou me embora Não sou daqui,ai, sou lá de fora Meu bonito Boi Barroso,que eu já dava por perdido Deixando rastro na areia logo foi reconhecido -Refrão O Pobre Cego Minha Mãe acorde, de tanto dormir Venha ver o cego, Vida Minha, cantar e pedir Se ele canta e pede, de-lhe pão e vinho Mande o pobre cego, Vida Minha, seguir seu caminho Não quero teu pão, nem também teu vinho
  11. 11. Quero só que a minha vida, Vida Minha, me ensine o caminho Anda mais Aninha, mais um bocadinho, Eu sou pobre cego, Vida Minha, não vejo o caminho Tutu Marambá Tutu Marambá não venhas mais cá Que o pai do menino te manda matar (repete) Durma nenem, que a Cuca logo vem Papai está na roça e Mamãezinha em Belém Tutu Marambá não venhas mais cá Que o pai do menino te manda matar (repete) Sapo Jururu Sapo Jururu na beira do rio Quando o sapo grita, ó Maninha, diz que está com frio A mulher do sapo, é quem está la dentro Fazendo rendinha, ó Maninha, pro seu casamento Ai, Eu Entrei na Roda Refrão - Ai, eu entrei na roda Ai, eu não sei como se dança Ai, eu entrei na “rodadança” Ai, eu não sei dançar Sete e sete são quatorze, com mais sete, vinte e um Tenho sete namorados só posso casar com um Namorei um garotinho do colégio militar O diabo do garoto, só queria me beijar Todo mundo se admira da macaca fazer renda Eu já vi uma perua ser caixeira de uma venda Lá vai uma, lá vão duas, lá vão três pela terceira
  12. 12. Lá se vai o meu benzinho, no vapor da cachoeira Essa noite tive um sonho que chupava picolé Acordei de madrugada, chupando dedo do pé A Barata diz que tem A Barata diz que tem sete saias de filó É mentira da barata, ela tem é uma só Ah ra ra, iá ro ró, ela tem é uma só ! A Barata diz que tem um sapato de veludo É mentira da barata, o pé dela é peludo Ah ra ra, Iu ru ru, o pé dela é peludo ! A Barata diz que tem uma cama de marfim É mentira da barata, ela tem é de capim Ah ra ra, rim rim rim, ela tem é de capim A Barata diz que tem um anel de formatura É mentira da barata, ela tem é casca dura Ah ra ra , iu ru ru, ela tem é casca dura A Barata diz que tem o cabelo cacheado É mentira da barata, ela tem coco raspado Ah ra ra, ia ro ró, ela tem coco raspado POEMAS SÃO TEXTOS COM AUTORIA CONHECIDA QUE GERALMENTE TÊM RIMAS. OU ISTO OU AQUILO CECÍLIA MEIRELES Ou se tem chuva e não se tem sol, ou se tem sol e não se tem chuva! Ou se calça a luva e não se põe o anel, ou se põe o anel e não se calça a luva!
  13. 13. Quem sobe nos ares não fica no chão, quem fica no chão não sobe nos ares. É uma grande pena que não se possa estar ao mesmo tempo nos dois lugares! Ou guardo o dinheiro e não compro o doce, ou compro o doce e gasto o dinheiro. Ou isto ou aquilo: ou isto ou aquilo… e vivo escolhendo o dia inteiro! Não sei se brinco, não sei se estudo, se saio correndo ou fico tranqüilo. Mas não consegui entender ainda qual é melhor: se é isto ou aquilo. AS BORBOLETAS VINÍCIUS DE MORAES Brancas azuis amarelas e pretas brincam na luz as belas borboletas. Borboletas brancas são alegres e francas. Borboletas azuis gostam muito de luz. As amarelinhas são tão bonitinhas! E as pretas, então… oh, que escuridão! LEILÃO DE JARDIM CECÍLIA MEIRELES Quem me compra um jardim com flores? Borboletas de muitas cores, lavadeiras e passarinhos,
  14. 14. ovos verdes e azuis nos ninhos? Quem me compra este caracol? Quem me compra um raio de sol? Um lagarto entre o muro e a era, uma estátua da primavera? Quem me compra este formigueiro? E este sapo, que é jardineiro? E a cigarra e a sua canção? E o grilinho dentro do chão? (este é o meu leilão!) A MINHOCA ELIAS JOSÉ A minhoca sai da toca e se estica e se enrosca. O pescador quer pegar a pobre da minhoca. A galinha quer comer a saborosa minhoca. O moleque quer espremer pra separar terra e minhoca. A minhoca, que não é tonta, logo se estica e se enrosca. A terra enterra a minhoca e ninguém viu a sua toca. Lá de sua toca, toda torta, torce de rir a levada minhoca. TOLAS PERGUNTAS ELIAS JOSÉ Onde estará o rato que se escondeu no meu sapato? Onde estará o meu sapato que escondi perto do gato? Onde estará o gato que miava chamando o pato?
  15. 15. Onde estará o pato que nadava feito um peixe? Onde estará o peixe que nadou no fundo do rio? Onde estará o rio que caminhava para o mar? O rio virou mar que deixou encantados o rato, o gato, o pato e o peixe. CRIANÇAS LINDAS RUTH ROCHA São duas crianças lindas mas são muito diferentes! Uma é toda desdentada, a outra é cheia de dentes… Uma anda descabelada, a outra é cheia de pentes! Uma delas usa óculos, e a outra só usa lentes. Uma gosta de gelados, a outra gosta de quentes. Uma tem cabelos longos, a outra só corta rentes. Não queiras que sejam iguais, aliás, nem mesmo tentes! São duas crianças lindas, mas são muito diferentes! VALSA DAS PULGAS RUTH ROCHA As pulgas dançando no meio da rua dão pulos e pulos sob a luz da lua. No baile das pulgas o passo é assim:
  16. 16. Três passos pra um lado e entra o cupim. Cupim dá três passos pra lá e pra cá e a pulga contente toma guaraná. Quem toca a valsinha é o sabiá e as pulgas pulando pra lá e pra cá. O GATO MARINA COLASANTI No alto do muro Pulando no escuro Miando no mato Entrando em apuro É o gato, seguro. De antigo passado E jeito futuro Movimento puro Ar sofisticado É o gato, de fato. Só pode ser gato Esse bicho exato Acrobata nato Que só cai de quatro. GALINHA D’ANGOLA ROSEANA MURRAY A galinha d’angola acaricia o dia com a sua cantoria: Tô fraco’ tô fraco’ tô fraco’ O menino tira o milho da sacola e dá de comer à galinha d’angola Come tudo a angolinha, mas continua a ladainha: Tô fraco’ tô fraco’ tô fraco’
  17. 17. Na beira do lago suspiro o sapo: Que galinha mais fominha! BEIJA-FLOR ROSEANA MURRAY Beija-flor pequenininho que beija a flor com carinho me dá um pouco de amor, que hoje estou tão sozinho… Beija-flor pequenininho, é certo que não sou flor, mas eu quero um beijinho que hoje estou tão sozinho… BARCA BELA ALMEIDA GARRET Pescador da barca bela, Onde vais pescar com ela, Que é tão bela, Ó pescador? Não vês que a última estrela No céu nublado se vela? Colhe a vela, Ó pescador! Deita o lanço com cautela, Que a sereia canta bela… Mas cautela, Ó pescador! Não se enrede a rede nela, Que perdido é remo e vela Só de vê-la, Ó pescador! Pescador da barca bela, Ainda é tempo, foge dela, Foge dela, Ó pescador!
  18. 18. A BAILARINA CECÍLIA MEIRELES Esta menina tão pequenina quer ser bailarina. Não conhece nem dó nem ré mas sabe ficar na ponta do pé não conhece nem mi nem fá mas inclina o corpo para cá e para lá. Não conhece nem lá nem si, mas fecha os olhos e sorri. Roda, roda, roda com os bracinhos no ar, e não fica tonta nem sai do lugar. Põe no cabelo uma estrela e um véu e diz que caiu do céu. Esta menina tão pequenina quer ser bailarina. Mas depois esquece todas as danças e também quer dormir como as outras crianças. TANTA TINTA CECÍLIA MEIRELES Ah! Menina tonta, toda suja de tinta mal o sol desponta! (Sentou-se na ponte, muito desatenta… E agora se espanta: Quem é que a ponte pinta com tanta tinta?…) A ponte aponta e se desaponta. A tontinha tenta limpar a tinta, ponto por ponto e pinta por pinta.
  19. 19. Ah! Menina tonta! Não viu a tinta da ponte! A FOCA VINÍCIUS DE MORAES Quer ver a foca ficar feliz é por uma bola no seu nariz. Quer ver a foca bater palminha é dar a ela uma sardinha. Quer ver a foca fazer uma briga é espetar ela bem na barriga.

×