A maquina humana

1.034 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.034
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A maquina humana

  1. 1. Olho Humano e a Máquina Fotográfica Estudos de Luz e Cor Professora Flavia Werneck
  2. 2. Olhe fixamente para a imagem ao lado. Em seguida feche os olhos. Quais cores você percebe com seus olhos fechados?
  3. 3.  A íris funciona como o diafragma de uma máquina fotográfica. Ela tem um diâmetro variável permitindo controlar a quantidade de luz que entra.  No centro da íris está a pupila do olho.  As pálpebras permitem também controlar a entrada de luz.  O cristalino é a lente (biconvexa) do olho. A lente do cristalino é uma estrutura elástica e transparente. •A maquina fotográfica se assemelha ao olho humano, porém o controle de luminosidade do segundo é muito mais sofisticado.
  4. 4.   Quando a luz incide sobre o olho humano ela experimenta a refração primeiramente na córnea. Depois de passar pelos meios transparentes a luz atinge uma película extremamente sensível à luz. Esta película é a retina. A retina é o análogo ao filme de uma máquina fotográfica.
  5. 5.  As cores têm três atributos: o matiz, a intensidade e a saturação.    Matiz é a cor, ou tinta. A saturação é a qualidade de pureza da cor. Quanto mais diluída na cor branca (ou luz) ou quanto mais na sombra, menos saturada ela está. Intensidade é interferência dos claros e escuros (brilho e sombra) sobre a cor ou matiz.
  6. 6. Miopia - O míope vê mal o que está longe, e bem o que está perto. A distância entre a córnea e a retina é grande. O olho é conhecido como "demasiado longo“, e a imagem se forma à frente da retina.
  7. 7. Hipermetropia - A hipermetropia ou “visão de longe” é oposto a miopia. É uma alteração visual causada pelo deslocamento do ponto de focagem provocando a não nitidez das imagens quando olhamos para perto. Nestes casos, as imagens forma-se depois da retina. Na hipermetropia o globo ocular é mais curto e isso faz com que o foco das imagens projetadas pelo cristalino se forme atrás da retina.
  8. 8. Astigmatismo é uma condição que decorre da diferença de curvatura da córnea ou cristalino nas diferentes direções (comparável às curvaturas de um ovo ou de uma bola de futebol americano), e disto resultam diferentes profundidades de foco que distorcem a visão tanto de longe quanto perto.
  9. 9. Daltonismo é uma deficiência da visão das cores. Consiste na cegueira para algumas cores, principalmente para o vermelho e para o verde. Os daltônicos vêm o mundo em tonalidades de amarelo, cinzaazulado e azul.
  10. 10.   A “máquina” modifica a realidade da visão humana. Temos que optar pela “correção” da imagem fotográfica para: Aproximar a imagem fotográfica do que vimos;  E conferir o que sentimos ao que vimos.   Logo: o que vemos possui uma carga emocional que precisa ser resgatada na fotografia.
  11. 11. Fotografo: Marco Antônio
  12. 12.  A fotografia é ARTE e é CIÊNCIA. ARTE CIÊNCIA Emoção Técnica Estilo Pessoal Equipamentos Inspiração Conhecimento Momento Planejamento
  13. 13. Técnica exige Planejamento e Resoluções. Regra número 1: um passo de cada vez. Regra número 2: antes que possamos resolver o problema primeiro temos que definir o problema. Defina o principal problema do instante.
  14. 14.   A) Contraste e Faixa Dinâmica – capacidade de registrar uma grande quantidade de contrastes e mudar rapidamente a percepção. O Olho humano é ilimitado. Para resolver esse problema na máquina devemos aumentar ou diminuir o contraste da imagem fotográfica.
  15. 15. Horseshoe Bend
  16. 16.   B) Lentes: a distorção angular – podem ser corrigidas com lentes mais apropriadas ou utilizando um software Photoshop, a partir do CS2, oferece também ferramentas para remover uma determinada quantidade de distorção da lente através do filtro Lens Distortion.
  17. 17. 150mm 75mm
  18. 18. Paria Riffle, Lees Ferry, Arizona. Linhof 4x5, 400mm lens
  19. 19.  Lentes: Vinheta - os cantos da imagem são, às vezes mais escuro que o resto da imagem. Isso é chamado de vinhetas, e é causada por uma variedade de fatores. Incluindo lentes que e filtros adicionado à frente de uma lente. As lentes não estão adaptadas ao formato do filme ou sensor, objetos obstruem os cantos da imagem.
  20. 20. Esta é a fotografia como ela surgiu a partir do conversor Raw. Compará-la com a versão final.
  21. 21.  Lentes: aberração cromática Outro defeito introduzido por lentes são os halos. Este defeito se revela através da presença de contornos coloridos ao longo das bordas dos objetos. Estas linhas são frequentemente encontrados quando uma borda afiada separa dois objetos com uma diferença significativa no contraste de cores, ou ambos. Por exemplo, a área onde o topo de uma montanha encontra o céu, ou onde uma parede de um Canyon é sobreposta em uma área de uma cor diferente, muitas vezes são propensas a halos.
  22. 22.  Mudança de cor Lentes, filmes e sensores digitais todos , resultam em alterações da cor que percebemos no mundo real. Essas mudanças variam de lente para lente, de filme para filme, e sensor para sensor. Até certo ponto, essas mudanças podem ser reduzidos, ou eliminados, através do uso de luz de balanceamento de filtros, ao usar filme ou ajustes de cor. Cuidado, ao usar câmeras digitais ou filmes digitalizados.
  23. 23. Tungsten Original Image Fluorescent Saturated image Shade Desaturated image
  24. 24.  Conversão Raw - As coisas estão muito diferentes nas fotografias digitais. Por um lado, a imagem capturada por uma câmera digital não é realmente uma imagem. Se fotografar em formato RAW, que é o formato usado por fotógrafos de arte. Estes dados Raw precisam ser convertido em um espaço de cores específicas, a fim de criar uma fotografia. Isto é feito através do uso de um conversor Raw. O objetivo do conversor Raw é ao mesmo tempo técnica e artística. No lado técnico do conversor Raw é responsável por converter a gama de cores e gama dinâmica da cena fotografada no espaço de cores escolhidas pelo fotógrafo. Sobre o lado artístico do conversor Raw oferece a oportunidade para modificar as configurações de conversão para combinar com sua visão humana para a fotografia.
  25. 25.  Grain filme e Noise Sensor - De certa forma, o ruído e granulação de filme podem ser alguns dos defeitos mais fáceis de remover. O uso de filmes de grão fino ou o uso de um ajuste ISO baixo em sua câmera digital, ou ainda expor à direita do seu histograma para maximizar a quantidade de informação capturada pelo sensor digital vai cuidar da questão.
  26. 26.   mudanças de cor - são introduzidos por alguns sensores digitais e manifestam-se em fotografias como magenta ou tom esverdeado em áreas específicas da imagem. Eles são mais frequentemente encontrados com backs digitais usado em uma câmera de visão quando muda (e em menor grau) Não vemos o mundo com um elenco magenta no lado direito ou esquerdo de nosso campo de visão quando giramos nossa cabeça para a direita ou a esquerda.
  27. 27.  Nitidez, foco e desfocada - Quando olhamos para o mundo com nossos olhos, o mundo é nítido em toda parte. Nós não vemos as áreas que estão em foco e as áreas que estão fora de foco. Todo lugar que olhamos, as coisas estão em foco, desde que tenhamos uma boa visão ou usarmos os óculos adequados . Da mesma forma, não vemos as áreas que são unsharp, borrada, ou um pouco fuzzy.
  28. 28. Unsharp
  29. 29. borrada
  30. 30. fuzzi
  31. 31. Obrigada! OTICA DA VISÃO

×