MME C                                                  — Terça-feira,. 3 de janéfro de 1984                      José Ferr...
Mwf JO N D CO MERCIO                                                                                                   Ass...
Recife, terça-feira, 3 de janeiro de 1984      Sem ser afirmativo e ressalvan- do voras vezes "as pequenas diver- gi-.n rJ...
MI I I I I I I I emp.	       ff1~1 I Ils~       — Recife — Terça-feira, 3 de janeiro de 1984 POLICIA — 13                 ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Carta_Major_Ferreira

7.616 visualizações

Publicada em

Junto aos prontuários dos estudantes no Departamento de Ordem Política e Social (DOPS), havia também a ficha do Major Ferreira. Ele disse desconhecer, mas ficou numa situação complicada após a revelação de algumas informações de seu prontuário. Uma carta enviada pelo Major Ferreira ameaçando revanchistas de esquerda foi lida durante a sessão desta quinta-feira (20) da Comissão Estadual da Verdade.

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.616
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7.013
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Carta_Major_Ferreira

  1. 1. MME C — Terça-feira,. 3 de janéfro de 1984 José Ferreira pede que rezem por ele Ex-major ame ça os revanchistas — Sou um cidadão comum doe Anjos ao governador laudo pericial à Superinten e o pior, querem me margi- Roberto Magalhães e que te- dência da Polícia Federal e nalizar. Aos meus inimigos ve cópia divulgada por uma ao Comando da Polícia Mi- comunistas, anistiados e es- emissora de rádio do Recife, litar, contendo, inclusive, a quecidos; rezem para que ontedm. A Secretaria de Im- carta com o respectivo en- eu. de fato, não me margi- prensa do Palácio do Gover velope. nulizs. Se isso acontecer, no distribuiu nota infor- provavelmente voltarei ao m a do que o governador Ro A correspondência foi ¡Brasil, esquecido também berto Magalhães recebeu a colocada no Correio da ci-. da anistia, disposto a tudo, carta do ex-major no dia 27 dade de Manana. no dia 19. usando de toda a minha ex de dezembro. de dezembro, embora condi- periência e de meu adestra- O governador determinou cionada em envelope com as mento centra esses revan- na mesma data, a realizar cores da bandeira brasilei-c/listas, que querem me in- ção de perícia grafoscópica ra. O ex-major está conde-criminar de qualquer ma- pelo Instituto de Policia nado a 31 anos de prisão,neira. lecnica. recebendo dois coiro mandante do assassí- Esse é um dos principais dias depois, a confirm2.1ção nio do procurador da Repú-textos da carta enviada pe- da autentividade da letra. blica Pedro Jorge de Melo elo ex-mAior José Ferreira Roberto Magalhães enviou Silva. (Página 13).
  2. 2. Mwf JO N D CO MERCIO Assassinio do ProcuradorExadnajor dirige carta Procedente do Paraguai, chegou as mãos do governador Ree-)er to Magalhães uma carta. do ex major José Ferreira dos Anjos, va- ameaç sada em toemos fortes e ameaçadores. Na missiva que foi dado a conhecer ontem, Ferreira afirma -Se querem me transformar em bode expiatório, eistão muito enga- nados. Se pretendem me intimidar, o engano ainda é maior". Tanto o IPM como o flagrante da fuga fo- ram encaminhados ontem ao pro motor Hilton Vitalino dos Santos que tem o prazo de 15 dias para oferecer ou não uma denúncia. Eis na íntegra a carta de Ferreira,:. ...nn•••n11.11 Se a descrença nas autoridades lo "transtorno" que lhe deu ao pas do meu País se concretizar, não sei sar para a clandestinidade. Ele se aqui, à distância, longe dos meus perdeu a farda, e só tomará conhe- parentes e dos meus amigos, e da cimento do fato do governador nes- minha terra, permanecerei sereno. se sentido, fugiu, dizendo temer o Ferreira escreveu, também, ao go- fim da regalia de prisão eipecial. vernador Roberto Magalhães, ino- Segundo um assessor de Magalhães, centando seus -cç-componheiros aa Ferreira inocenta a tropa da PM pe PM, pela. sua fuga. la sua fuga. O governador Roberto Maga- "Se querem me transformar em lhães recebeu a correspondência no bode expiatório, estão muito enga- dia 27 de dezembro. Ele se encon- nados. Se pretendem me intimidar tra na praia de Porto de Galinha.... o engano é ainda maior. Se querem no litoral sul do Estado, mais a as- revanchismo, provoquem. Todo ho- sessoria de Imprensa do Palácio mem tem um limite de tolerância", do Campo das Princesas, confir- afirma Ferreira para depois man- mou o recebimento da correspon- dar um recado "et as meus inimigos dência. Informou, ainda, que o go- comunistas anistiadas e esqueci- vernador determinou ao Instituto de dos": "Rezam para que eu de fato !Polícia. Técnica que realizasse pe- não me marginalize, porque se isso rícia grafoecópica, e constatou a au- acontece, voltarei ao Brasil esqueci- tenticidade da correspondência. do também da anistia, disposto a Somente hoje Roberto Magalhães, tudo, usando de toda a minha expe ciecidirá se divulga o seu conteúdo. riência e de meu adestramento con Mas o próprio Ferreira, na carta tra essee- revanchistas que querem enviada a Edilson, avisa que pediu me incriminar de qualquer manei- desculpas a Roberto Magalhães pe- ra". O go vernador Roberto Magalhães recebeu carta aio ex-major Ferreira
  3. 3. Recife, terça-feira, 3 de janeiro de 1984 Sem ser afirmativo e ressalvan- do voras vezes "as pequenas diver- gi-.n rJias de horário", o IPM que anu rou a ft Y. i do ex-major sup .:2 (4ue o seri;:iite coronel Reginaldo oreitas e o capitão Euresto Araújo, consu-, oraram a fuga de Ferreira, pulando com ele o muro do quartel pela ca- sa de forca. O radialista Gino Cé- sar — funcionário da Rádio Clube de Pernambuco — foi apontado co- rno co-autor da fuga por ter recebi- do bilhete avisando da fuga, só di- vulgando-o depois da sua efetiva ccinsumação. Alexandre Advíncula avisou Ferreira de sua demissão da PM tão logo o governador assinou O ex-major Ferreira agora d 4rige ameaças ato neste sentido e o coronel refor-mado Geraldo Lima foi ao quartel,onde Ferreira cumpria prisão espe- Radialista: "O ex-majorcal, algumas horas depois da fugapara buscar seus pertence .s. O 1PM observa, também, que o quar-tel era int‘dequado para funcionar nunca esteve recolhido"como presidio e mesmo para aljar "0 ex-major Ferreira não fugiu. Ele quando queria, andava normalmente, meum preso em regime especial, prin- saiu co quartel", disse ontem em tom levava no estacionamento quando eu la de incl.geação, o radialista Guio Cézar, por lá e só não tinha saido antes porquecipalmente quando este gozava de da Rádio Clube de Pernambuco, indicia- nunca quis".total liberdade nas suas dependên- do no inquérito que apurou a fuga docias, podendo receber visitas a qual ex militar do quartel de Cavalaria Dias O jornalista culpou a pM de "nãoquer hora do dia e da noite s.em Cardoso. Segundo ele "é um absurdo ter comando pc s se o objetivo era evi-qualquer orientacão no sentido de querer incriminar um jornalista que vai tar que o ex-rrrjor fugisse isso nunca a uma un.dade em busca de noticias" e foi feito. Além do mais, o comandanterestrin7,,ir sua ação. atribui o envolvimento do seu nome (o não tem sequer condições de saber o O 1PM, junto com o auto do fia inquérito levanta suspeitas sobre ele) que acontece nos quartéis como ficou grante da fuga foram entregues 011 "as denúncias que faço sobre os desman provado com a fuga de Ferreira. Ele sótem ao promotor estadual, Hilton dos dos policiais civis e militares no Es- foi saber as 7h pelo rádio". Vitalino dos Santos, que tem 15 tado". A exp licação dada por ele para tinodias para fazer — ou não — a de- Gino Cézar, amigo do ex-major e de ter divulgado a carta assim oue a rece-núncia. quem recebeu uma carta às 4h do da da beu — se gundo a Policia isso pada ter fuga — segundo ele ela lhe foi entregue sido indicio de conivência — foi a se- por um homem vestido a paisana perto guinte: "Eu sou repórter do programa do quartel Dias Cardoso — explicou Bandeira Dois nue entra no ar às 7h após ler o relatório que Ferreira gozava com as ocorrências afflialais rla noite de todas as regalias no quartel: "tinha e er a natural rue rmarelasse o Furo pa. a chave da prisão onde se trancava ra o meu programa"
  4. 4. MI I I I I I I I emp. ff1~1 I Ils~ — Recife — Terça-feira, 3 de janeiro de 1984 POLICIA — 13 JORNAL DO COMERCIO Advogado enumera cs crimes de Ferreira às natureza ampla da anistia, nada A propósito da carta do ex major José Ferreira dos Anjos, encaminhada mais técnico e mais justo que fazé la ao governador Roberto Magalhães e totalmente ampla pelo fato de terem que foi divurgada ontem, Gilberto sido todos os condeniidow• poilticos Marques, que funcionou n4 processo submetidos a urna r. .gidez extrema na da morte do procurador Pedro Jorge imposi•-ão de suas penas. bem como, de Melo e Siava. como advogado da a um momento histórico que lhes assistente de acusa. •ão, encazranhou era de todo desfavorável, este ..ornal, a seguinte nota: O acusado José Ferreira ao fugir. "A carta do ex. major Ferreira ira de acordo cem o art. 595 do Código cluz muito mais, o desespero de um de Processo Penal Brarile:ro, perdeu homem extremamente pe riculoso que- o direito a ape;ação que interpusera rendo ameaçar e intimidar a tudo e a no Própria plenário, do Júri e volta todos, inclusive nofeas autoridades, agora de maneira loquaz, embora que um simples grito de insstrigaçao inOcua,pretendelado desde logo a con- de um condenado. cessão de medida oue lhe concedU Querer tiansformar em caso poá- uma anistia, Absurdo! taco, em processo político o crime Como se pretender anistia em cri- que vitimou Pedro Jorge é mais um me comum, apesar de prevista na :e. golpe de esperteza do acusado, que Kl:lação comum a anistia é medida aliás, funcionou em todo o proceso, lega;_, de competência, exclus.rva inclusive, no Júri como seu próprio Congresso Naciona, de caráter coleti•advogado e diga-se de passagem cora vo e funciona lealmente como o es- indiscutível competência, quecimentc do fato. Como esquecer O crime que tirou a vida do !o- a morte de Pedro Jorge? Como se vem procurador Pedro Jorge exemplo pretender anistia se nada houve ci; de autoridade pública e mártir da Jus. portico no ju;gamento e se nenhuma tiça no Brasil é de natureza absoluta mudança houve no pais aPós con. mente "comum" e foi através da .e- denaçãc? gislação penal e processual comum Além do mais é preciso tambémque se fez a apuração desde fato cri. lembrar que não é só do homicídiominoso e que se chegou a um resulta- de Pedro Jorge ao se faiar em Josédo condenatóriO, Ferreira doa Anjos que se devem A anistia portlea concedida rm le mbrar os brasilei ros, mas do crime 1979. que por sinal não foi amola, g- de contrabando, do crime de uso dciral e irrestrita como se pretende -- documento fulso (julgados — ele con•dela se excluiu os crimes de sangue — denado), a morte de Gilvan Francis-a:ém de concedida 15 (quinze) anos co da Silva — O Esdrope — a Lesãodepoi s aos preces politkos, o foi Corporal que aleijou o estudanteàqueles que se submeterem através cie Cândido Pinto, a falsificação de umauma legislação excepcional, não só ocorrência policial em Jabowtão, aapenas mais severas, mas a tribunais fraude praticada contra o Banco domritares formados por militares e que Brasil — o chamado Escáinda;o daproferiram decisões de caráter MU- Mandioca —, São todas esxs ações ,daniente político • delituosas que propiciaram sua defle- Como disse o grande mestre Evs,• ctida, sua desmobilização, sua desco aoramado Luna aí) ser consultado quanto besta,, sua demissão. Advogado Gilbert o Marques

×