Expansão marítima e comercial absolutismo-mercantilismo

16.315 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Negócios
3 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
16.315
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.696
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
407
Comentários
3
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Expansão marítima e comercial absolutismo-mercantilismo

  1. 1. EXPANSÃO MARÍTIMA E COMERCIAL SÉC. XV Profª: Daniela Torres
  2. 2. ROTAS DAS ESPECIARIAS
  3. 3. DOMÍNIOS ÁRABES
  4. 4. PORTUGAL
  5. 5. FORMAÇÃO DE PORTUGAL <ul><li>Portugal foi governado por mais de 200 anos pelos reis da dinastia de Borgonha; no reinado de D. Dinis (1279-1325) iniciou-se um período de organização interna do país. </li></ul><ul><li>Em 1383, com a morte do Rei D. Fernando, que não deixou um sucessor do sexo masculino, a dinastia de Borgonha chegou ao final. A rainha, D. Leonor Teles, assumiu o poder como regente e estava disposta a entregar o trono português a sua filha Beatriz, casada com o rei de Castela. </li></ul><ul><li>Assim, apoiado por comerciantes e banqueiros, D. João, filho bastardo de D. Fernando, saiu-se vitorioso, preservando a independência política de Portugal, dando início à Dinastia de Avis. Esse evento ficou conhecido como Revolução de Avis. </li></ul>
  6. 6. MOTIVOS PARA A EXPANSÃO: <ul><li>Conquista de CONSTANTINOPLA (1453) </li></ul><ul><li>Necessidade de NOVOS MERCADOS </li></ul><ul><li>Falta de METAIS PRECIOSOS </li></ul><ul><li>INTERESSE dos Estados nacionais </li></ul><ul><li>Propagação da FÉ CRISTÃ </li></ul><ul><li>AMBIÇÃO material </li></ul><ul><li>PROGRESSO tecnológico </li></ul>
  7. 7. NOVAS INVENÇÕES
  8. 8. PIONEIRISMO PORTUGUÊS <ul><li>Centralização </li></ul><ul><li>administrativa </li></ul><ul><li>Mercantilismo </li></ul><ul><li>Ausência de Guerras </li></ul><ul><li>Escola de Sagres </li></ul><ul><li>Posição Geográfica </li></ul><ul><li> Favorável </li></ul>
  9. 9. PORTUGUESES CHEGARAM À ÍNDIA <ul><li>Em 1498, Vasco da Gama chega às Índias e retorna em 1499, com um carregamento que superou em 60 vezes o custo da expedição. </li></ul>
  10. 10. <ul><li>Em 9 de março de 1500, Pedro Álvares Cabral partiu de Lisboa com destino à Calicute (Índia) com uma tripulação de 1500 pessoas. Acabou “descobrindo” o Brasil em 22 de abril de 1500. </li></ul>PORTUGUESES CHEGARAM AO BRASIL
  11. 11. Carta de Pero Vaz DE Caminha <ul><li>“ Esta terra, senhor, é muito chã e muito formosa. Nela até agora não podemos saber se haja ouro, nem prata, nem nenhuma coisa de metal...; porém a terra em si é de muito bons ares; as águas são muitas, infindas; em tal maneira é graciosa, que, querendo-a aproveitar, dar-se-á nela de tudo; porém o melhor fruto, que nela se pode fazer, me parece que será salvar esta gente...” </li></ul>
  12. 12. NAVEGAÇÕES PORTUGUESAS
  13. 13. ESPANHA
  14. 14. ESPANHA <ul><li>A Espanha se atrasou no processo de Expansão Marítima graças a sua Guerra de Reconquista. </li></ul><ul><li>No mesmo ano da expulsão definitiva dos muçulmanos do último território espanhol ainda ocupado (Granada) Colombo alcança a América . </li></ul>
  15. 15. DESCOBRIMENTO DA AMÉRICA <ul><li>Com três caravelas (Santa Maria, Pinta e Nina) concedidas pelos reis espanhóis, Colombo e sua tripulação partiram do porto de Palos em 3 de agosto de 1492 . Em 12 de outubro, chegaram à América, mas pensavam ter alcançado a Índia. Por isso, os habitantes da nova terra foram chamados de índios. </li></ul>
  16. 16. NAVEGAÇÕES ESPANHOLAS
  17. 17. DIVISÃO DO MUNDO
  18. 18. INGLESES, FRANCESES E ESPANHÓIS <ul><li>Tentando descobrir novos caminhos para as Índias esses países procuravam uma passagem noroeste para a Ásia. </li></ul><ul><li>Não acharam a “tal passagem” e dedicaram-se a ocupar e explorar as terras da América do Norte, além de praticarem pirataria, inclusive com a ajuda dos corsários. </li></ul>
  19. 19. MERCANTILISMO ATENÇÃO Poderíamos conceituar mercantilismo, como política econômica do Estado Absolutista ou doutrina econômica estabelecida pelos países da Europa nos séculos XVI e XVII (16 e 17). Mas, quando estamos estudando para o vestibular o conceito é o que menos interessa .
  20. 21. SE LIGUE NO MERCANTILISMO. <ul><li>As formas de mercantilismo: </li></ul><ul><li>Mercantilismo metalístico ou bulionista, a Espanha viveu essa experiência. </li></ul><ul><li>Mercantilismo industrial - a França é o seu melhor representante; também chamado de Golbertismo. </li></ul><ul><li>Mercantilismo comercial, tendo a Inglaterra seu expoente. </li></ul><ul><li>Mercantilismo industrial e comercial- experiência Holandesa . </li></ul><ul><li>Mercantilismo de plantagem- experiência Portuguesa baseada na produção tropical. </li></ul>
  21. 22. CARACTERÍSTICAS DO MERCANTILISMO <ul><li>É a sua engrenagem, seu funcionamento, que você não deve esquecer. É assim que aparece nas questões de vestibular: balança comercial favorável, protecionismo, monopólio e o intervencionismo estatal ; não esquecer que no mercantilismo o ESTADO controla a economia. </li></ul>A ocupação portuguesa estruturou-se nos termos da política econômica mercantilista.
  22. 23. <ul><li>O mercantilismo não foi um sistema econômico e, portanto, não pode ser considerado um modo de produção, terminologia que se aplica ao feudalismo. O mercantilismo é a lógica econômica da transição do feudalismo para o capitalismo. </li></ul>
  23. 24. TRATADOS E LIMITES E EXPANSÃO PORTUGUESA Portugal depois do domínio espanhol. Depois de 60 anos os espanhóis deixaram o reino português uma herança desastrosa. Portugal passou a ser dependente da economia inglesa; isso se agravou a partir de 1642 quando o país concede à Inglaterra o tratamento de nação mais favorecida. o Tratado de Methuen estabelecia a redução de impostos sobre os vinhos portugueses e sobre os tecidos ingleses, conhecidos também como Tratado de Panos e Vinhos.
  24. 25. ABSOLUTISMO <ul><li>Fundi-se com o mercantilismo, é normal encontrarmos uma fusão entre eles. Podemos aplicar um conceito de mercantilismo: como política econômica do absolutismo , ou ABSOLUTISMO, como doutrina política da economia mercantil. Veja os exemplos nas características do mercantilismo: O intervencionismo estatal, o estado e o rei são praticamente as mesmas coisas; o monopólio que é concedido pelo rei. </li></ul>
  25. 27. <ul><li>Tem o seu principal expoente Luis XVI, “o Estado sou eu ou o Estado é meu”. O rei era o dono da vida e da morte na sociedade francesa, ocupante dos cargos mais importante de seu governo. O rei acumulava funções como: Chefe Supremo do Exército, O supremo mandatário do Tribunal de Justiça. </li></ul>
  26. 28. <ul><li>Todos os luxos e gastos da corte eram mantidos pelos impostos e taxas pagos, principalmente, pela população mais pobre. Esta tinha pouco poder político para exigir ou negociar. Os reis usavam a força e a violência de seus exércitos para reprimir, prender ou até mesmo matar qualquer pessoa que fosse contrária aos interesses ou leis definidas pelos monarcas. </li></ul>
  27. 29. Exemplos de alguns reis deste período : <ul><li>Henrique VIII - Dinastia Tudor : governou a Inglaterra no século XVII </li></ul><ul><li>Elizabeth I - Dinastia Stuart - rainha da Inglaterra no século XVII </li></ul><ul><li>Luis XIV - Dinastia dos Bourbons - conhecido como Rei Sol - governou a França entre 1643 e 1715. </li></ul><ul><li>Fernando e Isabel - governaram a Espanha no século XVI. </li></ul>
  28. 30. ETAPAS DE FORMAÇÃO DO ABSOLUTISMO <ul><li>Insurreições camponesas – enfraquecem a nobreza. </li></ul><ul><li>Insurreições urbanas – reduz o poder da nobreza e corrompe a burguesia. </li></ul><ul><li>Desenvolvimento do comércio – Gera a centralização do poder nas mãos do Rei. </li></ul><ul><li>Guerras – Exigiram disciplina e comando centralizado. </li></ul>
  29. 31. EVOLUÇÃO DO ABSOLUTISMO <ul><li>Expansão marítima e desenvolvimento do comércio internacional. </li></ul><ul><li>Reforma Protestante. </li></ul><ul><li>Exploração das colônias </li></ul>
  30. 32. <ul><li>Maquiavel - escreveu a obra: O príncipe, nele o autor reconhece que o chefe de estado pode tudo para se manter no poder </li></ul><ul><li>( os fins justificam o meio). </li></ul><ul><li>Jacques Bossuet - escreveu a origem da sagrada escritura, nela o rei tem a autoridade dada por Deus </li></ul><ul><li>Thomas Hobbes – escreveu Leviatã, a obra define a sociedade como um caos, e para regular,administrar esse “ monstro”, o rei aparece com todas suas potencialidades. </li></ul>AS TEÓRICOS ABSOLUTISTAS
  31. 33. <ul><li>Jean Bodin - autor de “A República” defende a idéia da soberania não partilhada. Para ele o poder também emana de Deus e o príncipe tem o poder de legislar sem precisar do consentimento de quem quer que seja. </li></ul><ul><li>Hugo Grotius - defende o governo despótico, o poder ilimitado do estado, afirmando que sem ele estabeleceria o caos e a turbulência política. </li></ul>AS TEÓRICOS ABSOLUTISTAS
  32. 34. Não podemos esquecer que: <ul><li>O governo absolutista interferia muito na economia dos países. O objetivo principal destes governos era alcançar o máximo possível de desenvolvimento econômico, através do acúmulo de riquezas. Quanto maior a quantidade de riquezas dentro de um reino, maior seria seu prestígio, poder e respeito internacional.  </li></ul><ul><li>Podemos citar como principais características do sistema econômico mercantilista: Metalismo, Industrialização, Protecionismo Alfandegário, Pacto Colonial, Balança Comercial Favorável. </li></ul>

×