Unidade 2 renascimento e reforma alunos

4.169 visualizações

Publicada em

Renascimento, Reforma, Contrarreforma

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.169
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3.221
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Unidade 2 renascimento e reforma alunos

  1. 1. Renascimento http://divulgacaohistoria.wordpress.com/
  2. 2. Renascimento e Reforma, 8º ano 2 6 – Conhecer e compreender o Renascimento. 1. Localizar no tempo e no espaço o aparecimento e difusão do movimento cultural designado como Renascimento. 2. Enumerar razões que favoreceram a eclosão do Renascimento em Itália. 3. Relacionar a redescoberta da cultura clássica com a emergência dos novos valores europeus (antropocentrismo, individualismo, valorização da Natureza, espírito crítico). 4. Relacionar os valores cultivados pelo movimento renascentista com o alargamento da compreensão da Natureza e do próprio Homem, salientando exemplos do grande desenvolvimento da ciência e da técnica operado neste período (séculos XV a XVI). 5. Identificar alguns dos principais representantes do humanismo europeu e as obras mais relevantes. 6. Caracterizar a arte do Renascimento nas suas principais expressões (arquitetura, pintura e escultura). 7. Caracterizar o estilo manuelino, identificando os seus monumentos mais representativos. 8. Reconhecer o caráter tardio da arte renascentista em Portugal, identificando algumas obras do renascimento português.
  3. 3. Renascimento e Reforma, 8º ano 3 7 – Conhecer e compreender a Reforma Protestante. 1. Identificar os fatores que estiveram na base de uma crise de valores no seio da Igreja e a crescente contestação sentida, sobretudo no início do século XVI. 2. Relacionar o espírito e valores do Renascimento com as críticas à hierarquia e com o apelo ao retorno do cristianismo primitivo. 3. Descrever a ação de Martinho Lutero como o decisivo momento de rutura no seio da cristandade ocidental. 4. Caracterizar as principais igrejas protestantes (luterana, calvinista e anglicana). 5. Identificar as principais alterações introduzidas no culto cristão pelo reformismo protestante. 6. Relacionar o aparecimento e difusão das igrejas protestantes com as condições e com as aspirações políticas, sociais e económicas da Europa central e do Norte.
  4. 4. Renascimento e Reforma, 8º ano 4 8 – Conhecer e compreender a reação da Igreja Católica à Reforma Protestante. 1. Distinguir na Reforma Católica o movimento de renovação interna e de Contrarreforma. 2. Enumerar as principais medidas que emergiram do Concílio de Trento para enfrentar o reformismo protestante. 3. Sublinhar o papel das ordens religiosas na defesa da expansão do catolicismo e na luta contra as heresias. 4. Relacionar o ressurgimento da Inquisição e da Congregação do Índex, no século XVI, com a necessidade do mundo católico suster o avanço do protestantismo e consolidar a vivência religiosa de acordo com as determinações do Concílio de Trento.
  5. 5. Renascimento e Reforma, 8º ano 5 9 - Conhecer e compreender a forma como Portugal foi marcado por estes processos de transformação cultural e religiosa. 1. Sublinhar a adesão de muitos intelectuais e artistas portugueses ao Humanismo e aos valores e estética do Renascimento, na literatura, na arte e na produção científica. 2. Identificar o âmbito da ação da Inquisição em Portugal, nomeadamente a identificação e controle de heresias ligadas à prática do judaísmo, de superstições, de práticas pagãs e de condutas sexuais diferentes e a vigilância da produção e difusão cultural através do Índex. 3. Sublinhar a importância da ação da Companhia de Jesus no ensino, na produção cultural e missionação em Portugal e nos territórios do império. 4. Reconhecer o impacto da atuação da Inquisição em Portugal, ao nível da produção cultural, da difusão de ideias e controle dos comportamentos.
  6. 6. Renascimento e Reforma, 8º ano 6 https://www.youtube.com/watch?v=B972Qss81Uw Vídeo sobre o Renascimento Série “Era uma vez o Homem…
  7. 7. No século XV o Homem descobre novos mundos… Renascimento e Reforma, 8º ano 7
  8. 8. Renascimento e Reforma, 8º ano 8
  9. 9. O Homem também inicia uma viagem de descoberta de si próprio. Ao Teocentrismo medieval sucede o Antropocentrismo. Renascimento e Reforma, 8º ano 9
  10. 10. Teocêntrico: do grego Theos (Deus) e centro. Homem como o centro das preocupações humanas, procura conhecer-se melhor sem esquecer Deus. Antropocêntrico: do grego Antropos (Homem) e centro. Renascimento e Reforma, 8º ano 10 Significa Deus no centro, isto é, Deus é a principal preocupação do Homem. Significa Homem no centro do pensamento.
  11. 11. No final da Idade Média ressurgiu o interesse pelas civilizações clássicas: Grécia e Roma, civilizações cujos interesses estavam centrados no Homem. Renascimento e Reforma, 8º ano 11
  12. 12. Renasce o interesse pela cultura e arte clássica, daí este período da História entre os séculos XV e XVI ser designado por Renascimento e Reforma, 8º ano 12 Renascimento.
  13. 13. O Renascimento foi um movimento intelectual que originou profundas transformações de mentalidade e artísticas; Iniciou-se em Itália e difundiu-se por toda a Europa. Renascimento e Reforma, 8º ano 13
  14. 14. Quais as razões que contribuíram para o desenvolvimento do Renascimento em Itália no século XV? Renascimento e Reforma, 8º ano 14
  15. 15. A Itália era constituída por vários estados independentes, isso fomentou a rivalidade e a competição, todos pretendiam os melhores artistas e intelectuais, as melhores obras de arte. Renascimento e Reforma, 8º ano 15
  16. 16. As cidades italianas eram centros comerciais ativos e prósperos. Muitos nobres e burgueses ricos praticavam o mecenato protegendo os artistas. Renascimento e Reforma, 8º ano 16
  17. 17. Mecenas é um homem ou instituição que patrocina a cultura e arte. Mecenas Caius Mecenas foi um cidadão romano, da época de Augusto que se distinguiu pela sua proteção a escritores e artistas. O seu nome passou a designar todos aqueles que patrocinam as artes. Renascimento e Reforma, 8º ano 17
  18. 18. Lourenço de Médicis (1449-1492) foi um dos maiores mecenas do Renascimento italiano, viveu na cidade de Florença. Renascimento e Reforma, 8º ano 18
  19. 19. Em Itália existiam muitos vestígios da arte e cultura romana e grega: monumentos, estátuas, documentos, etc.. Fórum romano, Roma Renascimento e Reforma, 8º ano 19
  20. 20. Fatores que favoreceram o desenvolvimento do Renascimento em Itália: Rivalidades entre os estados italianos; Cidades comerciais e prósperas; Abundância de vestígios da cultura greco-romana; Renascimento e Reforma, 8º ano 20 Prática do mecenato;
  21. 21. Renascimento e Reforma, 8º ano 21 Centros artísticos Florença Roma Veneza Flandres In Apresentação Raiz Editora
  22. 22. Renascimento e Reforma, 8º ano 22 «Deus escolheu o Homem (...) e, colocando-o no centro do mundo, disse-lhe: -Nós não te demos um lugar preciso, nem forma que te seja própria, nem função particular (...) para que tu, segundo os teus desejos e discernimento, possas escolher e modelar-te da forma que preferires.» Pico della Mirandola, Sobre a Dignidade do Homem, séc. XV A nova mentalidade renascentista In Apresentação Raiz Editora
  23. 23. Valorização do Homem: Antropocentrismo. A nova mentalidade renascentista Inspiração na cultura grega e romana: Classicismo. Renascimento e Reforma, 8º ano 23
  24. 24. A nova mentalidade renascentista Valorização da razão, recusam a aceitar tudo aquilo que a razão não pudesse explicar, valorização da experiência: Espírito crítico. Valorização das capacidades individuais, procura da fama: Individualismo. Renascimento e Reforma, 8º ano 24
  25. 25. A nova mentalidade renascentista A valorização do Homem e das suas capacidades partindo da inspiração na cultura greco-romana: Humanismo. Desenvolvimento do gosto pela Natureza: Naturalismo. Renascimento e Reforma, 8º ano 25
  26. 26. Características da nova mentalidade renascentista Antropocentrismo; Classicismo; Espírito crítico; Individualismo; Naturalismo; Humanismo. Renascimento e Reforma, 8º ano 26
  27. 27. Renascimento e Reforma, 8º ano 27 O conhecimento do Homem passou a ser tema central das ciências, literatura e artes. Respeito pela diversidade de opiniões. Valorização da liberdade do indivíduo, das suas capacidades e realizações. Valorização do estudo e representação da Natureza. Valorização da cultura clássica greco- -latina, tomada como modelo nas artes e na literatura. Capacidade de cada indivíduo pensar livremente e julgar por si próprio. Vontade de conhecer o mundo que nos rodeia. Quais os novos valores cultivados pelos humanistas? Novos valores do Humanismo Classicismo Espírito crítico Tolerância Individualismo Naturalismo Curiosidade científica Antropocentrismo In Apresentação Raiz Editora
  28. 28. No século XV, a imprensa foi inventada pelo alemão Gutenberg Renascimento e Reforma, 8º ano 28
  29. 29. Quais foram as vantagens decorrentes da invenção da imprensa? Os livros podem ser produzidos em grandes quantidades; Baixa o preço; Mais pessoas tem acesso aos livros; Difusão das ideias humanistas; Incremento da cultura e da ciência; Renascimento e Reforma, 8º ano 29
  30. 30. O Renascimento expandiu-se para toda a Europa Renascimento e Reforma, 8º ano 30
  31. 31. Os intelectuais do século XV e XVI, são designados por Humanistas e caracterizam-se por… Conhecedores do latim e do grego estudam os autores clássico como Platão, Sócrates ou Aristóteles; Procuram a afirmação pessoal e a fama (individualismo); Possuem um espírito crítico; Desenvolvem a confiança nas capacidades do Homem; Renascimento e Reforma, 8º ano 31
  32. 32. Principais humanistas: Em Espanha, Miguel Cervantes, que escreveu várias obras literárias, entre as quais “D. Quixote”. Renascimento e Reforma, 8º ano 32
  33. 33. Principais humanistas: Em Inglaterra, Thomas More, que escreveu um livro intitulado “Utopia” em que descreve uma sociedade ideal. Renascimento e Reforma, 8º ano 33
  34. 34. Principais humanistas: Em Inglaterra, William Shakespeare, que escreveu várias peças de teatro. Renascimento e Reforma, 8º ano 34
  35. 35. Principais humanistas: Nos Países Baixos, Erasmo de Roterdão, autor de vários livros, entre os quais, o “Elogio da Loucura” onde crítica a sociedade da época. Renascimento e Reforma, 8º ano 35
  36. 36. Principais humanistas: Em Portugal, Damião de Góis, escritor e diplomata que viajou pela Europa e divulgou as ideias humanistas no nosso país. Renascimento e Reforma, 8º ano 36
  37. 37. Principais humanistas: Em Portugal, Luís Vaz de Camões, poeta, autor de “Os Lusíadas”. Renascimento e Reforma, 8º ano 37
  38. 38. No século XV, a maior parte dos conhecimentos tinham por base os ensinamentos da Igreja e as obras da Antiguidade Clássica. A Escola de Atenas, Rafael Renascimento e Reforma, 8º ano 38
  39. 39. Apesar dos humanistas se inspirarem nos conhecimentos da Antiguidade Clássica, analisavam essas obras com espírito crítico. As descobertas geográficas ampliaram o conhecimento (novas terras, povos, culturas, religiões, animais, plantas, etc.). Renascimento e Reforma, 8º ano 39
  40. 40. Desenvolve-se a curiosidade, a vontade de saber, a observação, a experiência. Desta atitude racionalista vai nascer o pensamento científico. O conhecimento tinha de ser validado pela observação e pela experiência. Renascimento e Reforma, 8º ano 40
  41. 41. Um dos maiores intelectuais do renascimento foi Leonardo da Vinci, pintor, escultor, arquiteto, engenheiro, anatomista, poeta… Renascimento e Reforma, 8º ano 41
  42. 42. Esboço de Leonardo da Vinci, consegues perceber qual a máquina que Leonardo desenhou? Renascimento e Reforma, 8º ano 42
  43. 43. Estudos de Leonardo para a construção de um tanque militar Máquina construída de acordo com as instruções de Leonardo Renascimento e Reforma, 8º ano 43
  44. 44. Praça de S. Vigevano, desenhada por Leonardo Renascimento e Reforma, 8º ano 44
  45. 45. Estudos de anatomia de Leonardo Renascimento e Reforma, 8º ano 45
  46. 46. “A Última Ceia”, pintura de Leonardo Renascimento e Reforma, 8º ano 46
  47. 47. Leonardo da Vinci foi o exemplo do “homem ideal” do Renascimento. Depois de visionar estas imagens consegues definir o “homem ideal” ? O homem ideal devia ser culto, inteligente, corajoso e bom; Saber escrever em latim e grego; Saber desenhar e pintar; Renascimento e Reforma, 8º ano 47
  48. 48. A teoria geocêntrica, datava do século II e tinha sido elaborada por Ptolomeu. Determinava que a Terra se encontrava no centro do Universo e todos os outros astros giravam à sua volta. Renascimento e Reforma, 8º ano 48
  49. 49. Em 1543, o polaco Nicolau Copérnico propôs a teoria heliocêntrica, ou seja, o Sol é uma estrela fixa, e a Terra e os outros planetas giram à sua volta, iniciava-se uma nova fase na nossa compreensão do Universo. Renascimento e Reforma, 8º ano 49
  50. 50. Muitos outros saberes se desenvolveram nesta época como a medicina, a matemática, a botânica, a zoologia, a geografia, etc. Esta nova atitude renascentista de curiosidade e pensamento racionalista está na génese do pensamento científico. Renascimento e Reforma, 8º ano 50
  51. 51. Em Portugal destacaram-se alguns intelectuais: Pedro Nunes, matemático, inventou o nónio; Renascimento e Reforma, 8º ano 51
  52. 52. Garcia da Horta, médico e botânico; Duarte Pacheco Pereira, diplomata, escritor. Renascimento e Reforma, 8º ano 52
  53. 53. Renascimento e Reforma, 8º ano 53 Sintetizando…os progressos científicos registados no Renascimento Progressos da ciência Astronomia náutica, geografia e cartografia Botânica e medicina Astronomia Com a expansão marítima triunfou uma mentalidade mais experimental, um saber mais rigoroso e atualizado, fundado na experiência e no entendimento (razão). Desenvolvimento do espírito crítico: o conhecimento dos autores antigos foi revisto à luz dos novos conhecimentos. Alargamento do conhecimento da Natureza e do mundo (naturalismo). Desenvolvimento da curiosidade científica. Desenvolvimento da matemática: Pedro Nunes aplicou a matemática à elaboração de mapas e cartas.  Heliocentrismo de Copérnico. Garcia de Orta e Cristóvão da Costa lançaram as bases da farmacopeia. André Vesálio desenvolveu estudos do corpo humano através da dissecação de cadáveres. In Apresentação Raiz Editora
  54. 54. A arte do renascimento nasceu na cidade de Florença no inicio do século XV, tendo-se espalhado pelo resto da Itália e Europa. Os Médicis foram os grandes mecenas que contribuíram para o desenvolvimento da arte. Palácio Médici-Riccardi Renascimento e Reforma, 8º ano 54
  55. 55. Inspirados na arte clássica (classicismo), os artistas do renascimento criaram obras originais na arquitetura, escultura e pintura. Igreja de Santa Maria Novella, Florença Renascimento e Reforma, 8º ano 55
  56. 56. Arquitetura Os arquitetos do Renascimento apelidavam a arte da Idade Média de gótica, com um sentido pejorativo, de coisa dos godos (bárbaros). Vamos observar duas igrejas uma gótica e outra do renascimento, vais tentar perceber as principais diferenças e procurar as razões que levaram os arquitetos renascentistas a chamar “bárbara” à arte da Idade Média. Renascimento e Reforma, 8º ano 56
  57. 57. Igreja do Espírito Santo, Florença, Renascimento Catedral de Colónia, Gótico Analisa as duas igrejas e procura descobrir as principais diferenças O que terá levado os artistas do Renascimento a apelidarem estas igrejas de góticas (bárbaras)? Renascimento e Reforma, 8º ano 57
  58. 58. Arquitetura Brunelleschi, Palácio Pitti Alberti, Igreja de S. Francisco A. Palladio, Villa Rotonda Observa com atenção estes quatro edifícios e procura descobrir as principais características da arquitectura renascentista Parténon Renascimento e Reforma, 8º ano 58
  59. 59. 1 2 3 4 5 Arco de volta perfeita cúpula frontão friso coluna Renascimento e Reforma, 8º ano 59
  60. 60. Renascimento e Reforma, 8º ano 60 Planta da Villa Rotonda, Andrea Palladio. Desenho da Villa Rotonda, Andrea Palladio, e cúpula. Simetria e racionalidade Horizontalidade dos edifícios Características da arquitetura renascentista In Apresentação Raiz Editora
  61. 61. Renascimento e Reforma, 8º ano 61 Basílica de S. Lourenço em Florença, de Brunelleschi. Interior da Igreja de S. Lourenço, Florença, 1425. Arcos de volta perfeita Ponto de fuga Simetria Características da arquitetura renascentista In Apresentação Raiz Editora
  62. 62. Características da arquitetura renascentista Inspiração na antiga arquitetura grega e romana; Utilização dos elementos decorativos da arquitetura clássica: frontão, coluna, arco de volta perfeita, friso, cúpula; A verticalidade gótica é substituída pela horizontalidade (à medida do Homem); Renascimento e Reforma, 8º ano 62
  63. 63. Brunelleschi, construiu a cúpula da Igreja de Santa Maria del Fiore, Florença Renascimento e Reforma, 8º ano 63
  64. 64. Leo Baptista Alberti, Santa Maria Novella, Florença Renascimento e Reforma, 8º ano 64
  65. 65. Palácios urbanos Renascimento e Reforma, 8º ano 65
  66. 66. Escultura Estátua grega da época clássica David, Miguel Ângelo Observa as duas estátuas com atenção. Que conclusão podemos tirar? Renascimento e Reforma, 8º ano 66
  67. 67. A escultura do renascimento inspirou-se na escultura clássica: A temática mais usada é a da figura humana que representam com harmonia, realismo e naturalismo; Procuram a perfeição técnica Renascimento e Reforma, 8º ano 67
  68. 68. O maior escultor do Renascimento foi Miguel Ângelo Pietá Túmulo do papa Júlio de Médici Renascimento e Reforma, 8º ano 68
  69. 69. Donatello, David Verrocchio, estátua equestre Renascimento e Reforma, 8º ano 69
  70. 70. Renascimento e Reforma, 8º ano 70 Construção em pirâmide Miguel Ângelo, Pietà, 1499. Representação do nu Realismo: representação do detalhe (músculos, veias, dobras do vestuário) Miguel Ângelo, David, 1501-04. In Apresentação Raiz Editora Como se caracteriza a escultura renascentista?
  71. 71. Renascimento e Reforma, 8º ano 71 Verrocchio, Bartolomeu Colleoni, 1483. Colleoni foi um condotiero italiano, ou seja, um mercenário contratado para chefiar uma milícia, no período em que havia grandes rivalidades entre as cidades italianas. Representação de estátuas equestres Como se caracteriza a escultura renascentista? Realismo Individualismo – forma de distinção social In Apresentação Raiz Editora
  72. 72. O Renascimento foi uma época revolucionária em termos de pintura. Compara as duas pinturas. Pintura medieval Mantegna, Cristo Renascimento e Reforma, 8º ano 72
  73. 73. Paolo Uccello, caçada na floresta No Renascimento os pintores começaram a pintar a terceira dimensão, a profundidade, a representar em perspetiva. Renascimento e Reforma, 8º ano 73
  74. 74. Piero della Francesca A Flagelação Representam as figuras e objectos com volume. Procuram pintar as coisas tal e qual como as vemos. Renascimento e Reforma, 8º ano 74
  75. 75. Na Flandres inventaram a técnica da pintura a óleo que tens vantagens sobre as técnicas anteriores, permitindo uma maior perfeição. Jan van Eyck, O casal Arnolfini Renascimento e Reforma, 8º ano 75
  76. 76. Pintam com realismo e naturalismo Leonardo da Vinci, Gioconda Leonardo inventou uma técnica chamada “sfumato”, que consiste numa gradação muito suave da cor Renascimento e Reforma, 8º ano 76
  77. 77. Leonardo da Vinci, Santa Ana, a Virgem e o Menino Procuram criar composições equilibradas, a composição em pirâmide é uma das mais usadas Renascimento e Reforma, 8º ano 77
  78. 78. Surgem novos temas, para além dos religiosos Retrato Mitologia Renascimento e Reforma, 8º ano 78
  79. 79. Principais pintores do Renascimento Existiram duas escolas: italiana flamenga (Flandres) Renascimento e Reforma, 8º ano 79
  80. 80. Leonardo da Vinci, Virgem dos Rochedos Renascimento e Reforma, 8º ano 80
  81. 81. Miguel Ângelo, Capela Sistina Renascimento e Reforma, 8º ano 81
  82. 82. Rafael, Dama Coberta Renascimento e Reforma, 8º ano 82
  83. 83. Botticelli, Alegoria da Primavera Renascimento e Reforma, 8º ano 83
  84. 84. Renascimento e Reforma, 8º ano 84 Leonardo da Vinci, Mona Lisa, 1503- -1507, Museu do Louvre, Paris. Retrato Pintura a óleo Composição usando esquemas geométricos Perspetiva (profundidade) Paisagem - Naturalismo Individualismo Utilização da técnica do sfumato Quais as características da pintura renascentista? In Apresentação Raiz Editora
  85. 85. Renascimento e Reforma, 8º ano 85 Leonardo da Vinci, A Última Ceia, 1495-97. Simetria Realismo: uso de sombreados e grande diversidade de tonalidades para representar o pormenor Ponto de fuga Quais as características da pintura renascentista? In Apresentação Raiz Editora
  86. 86. Principais pintores da escola flamenga e do Norte da Europa Renascimento e Reforma, 8º ano 86
  87. 87. Jan van Eyck, O Chanceler Rolin Renascimento e Reforma, 8º ano 87
  88. 88. Albretcht Dürer, Melancolia (gravura) Renascimento e Reforma, 8º ano 88
  89. 89. Jerónimo Bosch, Cristo Renascimento e Reforma, 8º ano 89
  90. 90. No século XV e a parte do século XVI, alguns países europeus, entre os quais Portugal, a arte gótica persiste. No início do século XV, no reinado de D. Manuel I, surge uma arquitetura que se denomina estilo manuelino. Renascimento e Reforma, 8º ano 90
  91. 91. O estilo manuelino caracteriza-se por manter os elementos estruturais da arquitetura gótica mas apresenta uma decoração original ligada à expansão marítima, a símbolos nacionais e da coroa: Cruz de Cristo, esfera armilar, escudo real, cordas do velame das naus, barcos, folhas, conchas, troncos e outros motivos naturalistas; Renascimento e Reforma, 8º ano 91
  92. 92. Mosteiro dos Jerónimos Renascimento e Reforma, 8º ano 92
  93. 93. Torre de Belém Janela Convento de Cristo, Tomar Renascimento e Reforma, 8º ano 93
  94. 94. A arte do Renascimento começa a desenvolver-se no país durante o reinado de D. João III, meados do século XVI Renascimento e Reforma, 8º ano 94
  95. 95. A pintura portuguesa é influenciada pela escola da Flandres, Portugal tinha fortes ligações económicas com aquela região, Jan van Eyck esteve uns meses em Portugal Nuno Gonçalves, S. Vicente de Fora Renascimento e Reforma, 8º ano 95
  96. 96. Vasco Fernandes, Grão Vasco S. Pedro Renascimento e Reforma, 8º ano 96
  97. 97. O Renascimento foi um movimento de renovação intelectual, artística e de mentalidades; Deu origem a uma visão antropocêntrica do Mundo; Começou em Itália e espalhou-se por toda a Europa Renascimento e Reforma, 8º ano 97
  98. 98. Renascimento e Reforma, 8º ano 98 A crise religiosa: a Reforma Protestante
  99. 99. Renascimento e Reforma, 8º ano 99
  100. 100. Renascimento e Reforma, 8º ano 100 Até ao século XVI, a Igreja Católica exercia uma influência dominante na sociedade europeia; Muitos membros do Alto Clero viviam no luxo; A corrupção e imoralidade eram frequentes; Alguns Humanistas criticaram a Igreja e apelaram ao regresso à pureza original;
  101. 101. Renascimento e Reforma, 8º ano 101 Em 1513, o papa Leão X, enviou pregadores a várias regiões da Europa, pedindo ao fiéis que contribuíssem com dinheiro para as obras da basílica de São Pedro (Vaticano); O Papa em troca concedia-lhes a bula da indulgência. A Bula da indulgência era um documento em que o Papa perdoava os pecados.
  102. 102. Renascimento e Reforma, 8º ano 102 Martinho Lutero, em 1517, um monge alemão, condenou as indulgências; Foi excomungado, mas protegido por alguns príncipes alemães escapou à fogueira
  103. 103. Renascimento e Reforma, 8º ano 103 Lutero criticou a Igreja Católica: Para Lutero o crente salva-se se tivesse fé, Não precisava de um clero para interceder por ele; Lutero traduziu a Bíblia para alemão para que os crentes a pudessem ler e interpretar; As ideias de Lutero (luteranismo) deram origem à Reforma Protestante.
  104. 104. Renascimento e Reforma, 8º ano 104 João Calvino, na Suíça, adotou uma doutrina mais rígida que a luterana, e defendia que cada pessoa, ao nascer, já estava destinada ou não à Salvação (teoria da predestinação); O Calvinismo difundiu-se em várias regiões da Europa;
  105. 105. Renascimento e Reforma, 8º ano 105 Em 1534, o rei inglês, Henrique VIII, criou a Igreja Anglicana; Uma igreja que procurava conciliar os princípios católicos e luteranos;
  106. 106. Católica Luterana Calvinista Anglicana Quais as fontes de fé? Bíblia (interpretada pelo Papa; A tradição católica A Bíblia (qualquer crente a pode interpretar) A Bíblia A Bíblia Como se alcança a salvação? Pela fé e boas obras e ações Pela fé Pela fé (ao alcance dos predestinados) Pela fé Quantos são os sacramentos? Sete: batismo, crisma, eucaristia, matrimónio, penitência, ordem e extrema-unção Dois: batismo e eucaristia Dois: batismo e eucaristia Dois: batismo e eucaristia Em que consiste o rito religioso? Missa em latim Uso das línguas nacionais Leitura da Bíblia orientada por um pastor Recusa da veneração da Virgem e dos Santos Uso das línguas nacionais Leitura da Bíblia orientada por um pastor Recusa da veneração da Virgem e dos Santos Missa em inglês Recusa da veneração da Virgem e dos Santos Quem é o chefe máximo da Igreja Papa Não há hierarquia Recusa da autoridade do Papa Não há hierarquia Recusa da autoridade do Papa Rei é o chefe da Igreja Recusa da autoridade do Papa
  107. 107. Renascimento e Reforma, 8º ano 107 A Europa dividiu-se entre católicos e protestantes; Surgem guerras, conflitos e massacres entre protestantes e católicos;
  108. 108. Renascimento e Reforma, 8º ano 108 Resposta da Igreja Católica: Combate às ideias protestantes, Contrarreforma; Renovação da Igreja, Reforma Católica.
  109. 109. Renascimento e Reforma, 8º ano 109 Entre 1545 e 1563, reuniu-se o Concílio de Trento;
  110. 110. Renascimento e Reforma, 8º ano 110 Nesta reunião os bispos não aceitaram as propostas de mudança; Reafirmaram todos os dogmas da fé católica; Procuraram reformar os costumes do clero e impuseram uma disciplina mais severa.
  111. 111. Renascimento e Reforma, 8º ano 111 Em 1539, Inácio de Loyola, criou uma nova ordem religiosa, a Companhia de Jesus; Esta ordem tinha como missão defender o Catolicismo e promover a missionação no Mundo; Também se dedicaram ao ensino.
  112. 112. Renascimento e Reforma, 8º ano 112 A Igreja Católica criou: O Índex, uma lista de livros de leitura proibida para os católicos; A Inquisição, um tribunal eclesiástico, que perseguia todos os suspeitos de não serem católicos.
  113. 113. Renascimento e Reforma, 8º ano 113 A Península Ibérica foi quase intocada pela Reforma protestante; No entanto existia uma numerosa comunidade judaica;
  114. 114. Renascimento e Reforma, 8º ano 114 Em Espanha, a Inquisição foi extremamente violenta para todos os suspeitos de não serem católicos; Em Portugal, D. Manuel I, em 1496, expulsou os judeus; Os que ficaram e aceitaram converter-se ao cristianismo passaram a ser conhecidos por cristãos-novos;
  115. 115. Renascimento e Reforma, 8º ano 115 Apesar de convertidos continuaram a ser perseguidos, torturados e condenados em cerimónias públicas chamadas autos-da-fé;
  116. 116. Renascimento e Reforma, 8º ano 116 Em Portugal e Espanha muitos humanistas perseguidos e muitas obras censuradas e proibidas; Na Península Ibérica a Companhia de Jesus constitui-se como um verdadeiro exército de Deus; Controlaram o ensino e opuseram-se ao espírito crítico renascentista.
  117. 117. Renascimento e Reforma, 8º ano 117 A ação conjugada da Inquisição, do Índex e da Companhia de Jesus contribuíram para a acentuada estagnação cultural que se verificou na Península nos séculos seguintes.
  118. 118. Renascimento e Reforma, 8º ano 118
  119. 119. Bibliografia: Apresentação construída com base no livro Diniz, Maria Emília, Tavares, Adérito, Caldeira, Arlindo M., História 8, Raiz Editora, 2012 História 8, 2013-2014 119

×