SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 79
As
  Origens
    da
Humanidade


 Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                         1
                 2012
Vamos iniciar o estudo da Pré-História;

Pré-História é o período anterior à invenção da
escrita

A Pré-História divide-se em dois grandes
períodos:
Paleolítico: antes da invenção da agricultura
Neolítico: depois da invenção da agricultura


                 Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                         2
                                 2012
Vamos estudar o Paleolítico


Paleo: significa “antigo”


Lítico: significa “de pedra”




              Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                      3
                              2012
O Paleolítico divide-se em:


      Paleolítico Inferior          Paleolítico Médio                    Paleolítico Superior


6 milhões a.c a 150.000 a.c.        150.000 a 80.000 a.c.               60.000 a.c a 10.000 a.c..




       Australopitecus              Homo Sapiens                        Homo Sapiens Sapiens
        Homo Habilis            (Homem de Neandertal)                  (Homem de Cro-Magnon)
       Homo Erectus




                               Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                                                                4
                                               2012
Há cerca de 8 milhões de anos deram-se
profundas transformações climáticas que
transformaram as florestas da África Oriental
em savanas;




                Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                        5
                                2012
Zona Oriental
                                    de África
                                    Nesta zona
                                    evoluíram os
                                    primeiros
                                    Homínideos




Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                    6
                2012
Os primatas adaptaram-se a este novo
ambiente, os Australopitecos deslocavam-
se num posição perfeitamente erecta a
que se dá o nome de… Bipedia
                        ?




              Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                      7
                              2012
Consegues imaginar algumas vantagens
da deslocação bípede num ambiente de
savana?




            Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                    8
                            2012
A bipedia permitiu libertar os membros
posteriores da função de andar (locomoção).
Este facto vai permitir aos hominídeos utilizar
as mãos para…Fabricar instrumentos
                 ?




                 Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                         9
                                 2012
Curiosidade




• O primeiro Australopiteco descoberto
  recebeu o nome de Lucy porque no
  momento da descoberta os arqueólogos
  ouviam na rádio uma canção dos Beatles
  que se chama “Lucy in the sky with
  diamonds)

              Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                      10
                              2012
O esqueleto de Lucy,
descoberto em 1978, tinha
cerca de 1 metro de
altura.
O tamanho do cérebro
era de 450 cm3




              Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                      11
                              2012
Iniciava-se o processo de hominização




                                             Ou numa versão
                                             mais moderna




            Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                          12
                            2012
Hominização é o longo processo de
evolução que conduziu ao actual estádio
do Homem




             Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                     13
                             2012
Os primeiros hominídeos
       foram os Australopitecos,
       que viveram na África
       Oriental, há cerca de 4
       milhões de anos




Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                        14
                2012
Para conhecermos estes factos é
preciso desenterrar os artefactos e
ossos, é o trabalho dos arqueólogos

Arqueólogo no cinema                         Arqueólogo na vida real




                  Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                                       15
                                  2012
Australopitecos




 Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                         16
                 2012
O Australopiteco alimentava-se daquilo que
conseguia recolher da natureza;
Recolha de raízes e frutos;
Caça de pequenos animais.




               Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                       17
                               2012
A actividade económica baseada na
recolha de vegetais e na caça e pesca
denomina-se…actividade recolectora




            Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                    18
                            2012
Há cerca de 3 milhões de anos apareceu o
Homo Habilis, com um cérebro de 750 cm3
e capaz de fabricar objectos mais perfeitos.




               Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                       19
                               2012
Homo Habilis




         Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                 20
                         2012
Fabricavam instrumentos com uma maior
precisão


             Seixo quebrado




              Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                      21
                              2012
Há 2 milhões de anos surgiu o Homo Erectus,
que possuía um cérebro maior (entre 900 e
1100 cm3
Podiam comunicar entre si através da fala




               Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                       22
                               2012
Podes imaginar alguns benefícios decorrentes
da possibilidade de comunicarem entre si
através da fala?




      Anterior   Seguinte                 Sair da Apresentação
                  Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                                 23
                                   2012
Benefícios decorrentes do uso da fala:

Melhor comunicação entre os elementos
do grupo;
Desenvolve a coesão do grupo;
Combinar estratégias de caça;
Ensinar os mais novos;




              Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                      24
                              2012
O Homo Erectus utilizou o fogo.
Refere algumas vantagens da utilização do
fogo




              Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                      25
                              2012
O domínio do fogo possibilitou:

Aquecimento;
Cozinhar os alimentos;
Iluminação das cavernas e durante a noite;
Defesa contra os animais;
Invenção de novas técnicas de fabrico de
instrumentos;
Valorização da vida em grupo, em redor das
fogueiras.

               Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                       26
                               2012
O Homo Erectus tornou-se um grande
caçador




             Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                     27
                             2012
Expandiram-se para fora de África,
ocupando a Europa e a Ásia




               Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                       28
                               2012
A utilização do fogo favoreceu a emigração
de África e a ocupação dos continentes
europeu e asiático.
Porquê?

Permitiu ao Homo Erectus sobreviver em
ambientes mais frios…




               Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                       29
                               2012
Há cerca de 300 mil anos o clima arrefeceu,
dá-se inicio a um período glaciar.
Na Europa surge uma nova espécie adaptada
a estas novas condições climáticas, o Homem
de Neandertal .




               Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                       30
                               2012
Paisagem típica da Europa, no inverno, há 300
mil anos




                Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                        31
                                2012
Possuía um cérebro com um tamanho igual
ao do homem actual, até um pouco maior,
entre 1500 e 1750 cm3




              Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                      32
                              2012
O Homem de Neandertal
          sepultava os mortos.
          És capaz de explicar o
          significado deste facto?




Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                        33
                2012
Qual o significado do enterramento dos
mortos?

Mostra que existe solidariedade entre os
elementos do grupo;
Acreditar numa vida para além da morte;
Implica o raciocínio abstrato;




                Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                        34
                                2012
Há cerca de 200 mil anos surge em África, o
Homem actual, Homo Sapiens Sapiens, ou
Homem de Cro-Magnon no final do período
glaciar




               Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                       35
                               2012
É fisicamente idêntico ao homem actual e
colonizou todo os continentes




              Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                      36
                              2012
Há cerca de 30 mil anos o Homem de
Neandertal desapareceu e só subsistiu o
Homo Sapiens Sapiens




                Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                        37
                                2012
Um dos aspectos
fundamentais da evolução
foi o aumento do tamanho
do cérebro
Imagina os benefícios do
aumento da capacidade
cerebral




               Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                       38
                               2012
Os homens deste período tinham de se
deslocar para procurar alimentos, por isso
tinham uma vida … nómada




             Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                     39
                             2012
Se os alimentos começam a faltar partem
para um novo território com maior abundância
de recursos e montam os seus
acampamentos;
Nos dias de hoje, ainda existem populações
com este estilo de vida

                      Índio Yonomami, na
                      Amazónia


               Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                       40
                               2012
A caça é a actividade
principal destes grupos, é
um esforço colectivo, que
exige planeamento, e
coordenação da acção;
Os grupos eram dirigidos
por um chefe.
Sabes como se designa
essa economia?
    Designa-se por
    economia de caça
                Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                        41
                                2012
Caçavam animais de grande porte como o
mamute, o cavalo, o urso, o veado, etc.




              Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                      42
                              2012
Qual a vantagem de caçar animais de
grande porte?

Mais carne e por isso asseguram a
sobrevivência do grupo para vários dias.




              Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                      43
                              2012
O Homem de Cro-Magnon vai produzir uma
grande quantidade de artefactos em pedra e
osso;
Surgem novas técnicas;
Os instrumentos são cada vez mais
perfeitos;
Inventam-se novos instrumentos: machados,
arpões, agulhas, lanças, lâminas,
raspadores, propulsores, furadores, arco e
flecha, etc.

               Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                       44
                               2012
Machados




      Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                              45
                      2012
Anzóis e arpões em osso




     Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                             46
                     2012
Bifaces




Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                        47
                2012
Osso com gravuras
                          que foram
                          interpretadas como
                          representando um
                          calendário lunar




Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                           48
                2012
Agulhas de osso




         Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                 49
                         2012
Aponta algumas vantagens da invenção da
agulha




             Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                     50
                             2012
Vantagens da utilização da agulha:


Confeccionar vestuário com mais
perfeição, sobretudo para o frio;
Fabricar mochilas, sacos, etc.;
Inventa-se o capucho;




                Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                        51
                                2012
Propulsor




Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                        52
                2012
Quais as vantagens de usar um propulsor?


Atirar a lança mais longe;
Não é necessário aproximar-se tanto dos
animais, a caça é mais fácil e mais segura;




               Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                       53
                               2012
Há cerca de 15.000 anos foi inventado o
arco e a flecha




              Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                      54
                              2012
Pontas de setas e outros instrumentos em
pedra de pequenas dimensões (micrólitos)




              Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                      55
                              2012
Pontas de setas em osso e pedra




         Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                 56
                         2012
Lanças, azagaias




 Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                         57
                 2012
Nos dias de hoje existem pessoas que
fabricam instrumentos com as técnicas
usadas na Pré-História, a isto chama-se
arqueologia experimental




             Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                     58
                             2012
Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                        59
                2012
O processo consiste em bater num bloco de
pedra (núcleo) com outra pedra (percutor) e
vão-se soltando lascas de pedra




               Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                       60
                               2012
Há vestígios de rituais mágicos, possivelmente
procuravam protecção
O Homem tinha crenças religiosas. Sabemos
que enterravam os mortos;




                Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                        61
                                2012
O Homem procurava garantir a sua
sobrevivência;

                            Gravura na caverna dos
                            Três Irmãos, França,
                            representa um homem
                            vestido com peles de
                            animais, muitas vezes
                            interpretado como um
                            feiticeiro

            Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                    62
                            2012
Há cerca de 40 mil anos surgem estas
pequenas estatuetas, arte móvel, em pedra ou
osso, representando mulheres grávidas




               Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                       63
                               2012
Estas estátuas deveriam ser
símbolos de fertilidade.
O Homem tinha criado a…Arte


Estas estátuas são
chamadas “Vénus”.




 Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                         64
                 2012
Há cerca de 30.000 anos surgiu a arte
parietal ou arte rupestre

Parietal = parede
Rupestre = (rupes) pedra




             Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                     65
                             2012
A arte rupestre consiste em pinturas e
gravuras realizadas nas paredes e tectos
das cavernas, mais raramente ao ar livre,
expressam sentimentos sagrados,
religiosos




               Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                       66
                               2012
Este mapa representa a região europeia
onde se encontram cavernas com esta arte,
cerca de duzentas, em França, Espanha e
Portugal




               Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                       67
                               2012
Planta da gruta de Lascaux, França
                                        As pinturas surgem longe
                                        da entrada, local onde
                                        acampavam os homens,
                                        para aproveitar a luz
                                        natural

                                       Imaginas as razões que
                                       levaram o homem a
                                       realizar a sua arte longe
                                       da entrada da caverna?


                             Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                                     68
                                             2012
As pinturas representam animais (cavalos,
touros, bisontes, veados, ursos, etc.), mãos
e sinais abstractos




               Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                       69
                               2012
Lascaux, sinais abstractos




      Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                              70
                      2012
Muito raramente aparece
a figura humana




              Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                      71
                              2012
Imagens da caverna de
Altamira, Espanha




             Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                     72
                             2012
Estes locais eram
sagrados,
praticavam-se rituais
religiosos ou de
magia




               Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                       73
                               2012
As cores eram obtidas a partir de
pigmentos vegetais misturados com
gordura animal




            Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                    74
                            2012
Significado da arte rupestre

Existem várias hipóteses para explicar a arte
rupestre:
Magia, no sentido de obter sucesso na
caçada;
Veneração dos animais como símbolos da
Natureza;
Símbolos de fecundidade


                Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                        75
                                2012
Foz Côa, Portugal, é um dos raros lugares
onde existem gravuras ao ar livre




               Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                       76
                               2012
Quadro resumo do Paleolítico




       Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                               77
                       2012
4 milhões        3 milhões      2 milhões                     300 mil      200 mil


Australopitecos
              Homo Habilis
                                Homo Erectus

                                                              Homem Neandertal

                                                                            Homem Cro- Magnon



        Seixos quebrados                   Rituais funerários
                              Bifaces      120 mil          Propulsor
        2,5 milhões anos
                              800 mil anos                  30 mil anos
Primeiros instrumentos                                                Arte
                                   Domínio do fogo
2,8 milhões anos                                                      40 mil anos
                                   500 mil                                            Arco e flecha
                                                                                      15 mil anos

                              Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                                                               78
                                              2012
E assim termina a nossa viagem pelo
Paleolítico, as transformações climáticas que
se vão dar por volta de 10.000 a.c. irão
provocar profundas transformações na vida
do Homem, acontecimentos que iremos
investigar nas próximas aulas.




                Vítor Santos, Matosinhos, setembro de
                                                        79
                                2012

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
cattonia
 
O modelo ateniense
O modelo atenienseO modelo ateniense
O modelo ateniense
Escoladocs
 
Primeiras civilizações
Primeiras civilizaçõesPrimeiras civilizações
Primeiras civilizações
Carla Freitas
 
Subjectivismo Moral
Subjectivismo MoralSubjectivismo Moral
Subjectivismo Moral
Bruno Pedro
 
A Segunda Vaga De Invasões
A Segunda Vaga De InvasõesA Segunda Vaga De Invasões
A Segunda Vaga De Invasões
Isidro Santos
 
Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Roma apresentação 1
Roma apresentação 1
Vítor Santos
 
Sociedades recoletoras e produtoras
Sociedades recoletoras e produtorasSociedades recoletoras e produtoras
Sociedades recoletoras e produtoras
Lucilia Fonseca
 

Mais procurados (20)

A produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptxA produção cultural renascentista.pptx
A produção cultural renascentista.pptx
 
O modelo ateniense
O modelo atenienseO modelo ateniense
O modelo ateniense
 
Primeiras civilizações
Primeiras civilizaçõesPrimeiras civilizações
Primeiras civilizações
 
Subjectivismo Moral
Subjectivismo MoralSubjectivismo Moral
Subjectivismo Moral
 
Revolução agrícola
Revolução agrícolaRevolução agrícola
Revolução agrícola
 
Juízo de fato e Juízo de valor
Juízo de fato e Juízo de valorJuízo de fato e Juízo de valor
Juízo de fato e Juízo de valor
 
A Segunda Vaga De Invasões
A Segunda Vaga De InvasõesA Segunda Vaga De Invasões
A Segunda Vaga De Invasões
 
M1.2 o modelo romano
M1.2 o modelo romanoM1.2 o modelo romano
M1.2 o modelo romano
 
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense   uma cultura aberta à cidadeO modelo ateniense   uma cultura aberta à cidade
O modelo ateniense uma cultura aberta à cidade
 
02 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_202 história a_revisões_módulo_2
02 história a_revisões_módulo_2
 
A revolução neolítica
A revolução neolíticaA revolução neolítica
A revolução neolítica
 
Os lusíadas, de luís de camões(1)
Os lusíadas, de luís de camões(1)Os lusíadas, de luís de camões(1)
Os lusíadas, de luís de camões(1)
 
O modelo ateniense
O modelo atenienseO modelo ateniense
O modelo ateniense
 
05 primeiras civilizações
05   primeiras civilizações05   primeiras civilizações
05 primeiras civilizações
 
Roma apresentação 1
Roma apresentação 1Roma apresentação 1
Roma apresentação 1
 
F3 a cultura e o iluminismo em portugal
F3 a cultura e o iluminismo em portugalF3 a cultura e o iluminismo em portugal
F3 a cultura e o iluminismo em portugal
 
Cultura do salao
Cultura do salaoCultura do salao
Cultura do salao
 
A cultura monástica,cortesã e a cultura popular.
A cultura monástica,cortesã e a cultura popular.A cultura monástica,cortesã e a cultura popular.
A cultura monástica,cortesã e a cultura popular.
 
Sociedades recoletoras e produtoras
Sociedades recoletoras e produtorasSociedades recoletoras e produtoras
Sociedades recoletoras e produtoras
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Juizo Moral
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Juizo MoralSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Juizo Moral
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Juizo Moral
 

Destaque

Roma apresentação 3
Roma apresentação 3Roma apresentação 3
Roma apresentação 3
Vítor Santos
 

Destaque (20)

República velha,
República velha,República velha,
República velha,
 
Μελέτη περίπτωσης μικτής μάθησης
Μελέτη περίπτωσης μικτής μάθησηςΜελέτη περίπτωσης μικτής μάθησης
Μελέτη περίπτωσης μικτής μάθησης
 
8NE Lesson 11 plan
8NE Lesson 11 plan8NE Lesson 11 plan
8NE Lesson 11 plan
 
Civilização & Sociedade
Civilização & Sociedade Civilização & Sociedade
Civilização & Sociedade
 
Homen e Sociedade - Teoria da Evolução Aula 2
Homen e Sociedade - Teoria da Evolução Aula 2Homen e Sociedade - Teoria da Evolução Aula 2
Homen e Sociedade - Teoria da Evolução Aula 2
 
F1 o império português e a concorrência internacional
F1 o império português e a concorrência internacionalF1 o império português e a concorrência internacional
F1 o império português e a concorrência internacional
 
04 pintura barroca
04 pintura barroca04 pintura barroca
04 pintura barroca
 
03 escultura barroca
03 escultura barroca03 escultura barroca
03 escultura barroca
 
01 a velocidade impoe se drive
01 a velocidade impoe se drive01 a velocidade impoe se drive
01 a velocidade impoe se drive
 
E1 o expansionismo europeu
E1 o expansionismo europeuE1 o expansionismo europeu
E1 o expansionismo europeu
 
05 europa para o mundo
05 europa para o mundo05 europa para o mundo
05 europa para o mundo
 
F2 portugal na europa do antigo regime
F2 portugal na europa do antigo regimeF2 portugal na europa do antigo regime
F2 portugal na europa do antigo regime
 
Roma apresentação 3
Roma apresentação 3Roma apresentação 3
Roma apresentação 3
 
Roma apresentação 2
Roma apresentação 2Roma apresentação 2
Roma apresentação 2
 
01 das revoluções à revolução blogue
01 das revoluções à revolução blogue01 das revoluções à revolução blogue
01 das revoluções à revolução blogue
 
03 um novo olhar sobre o real
03 um novo olhar sobre o real03 um novo olhar sobre o real
03 um novo olhar sobre o real
 
02 arquitetura barroca
02 arquitetura barroca02 arquitetura barroca
02 arquitetura barroca
 
G1 a revolução agricola e arranque industrial
G1 a revolução agricola e arranque industrialG1 a revolução agricola e arranque industrial
G1 a revolução agricola e arranque industrial
 
02 romantismo
02 romantismo02 romantismo
02 romantismo
 
04 para alem do impressionismo
04 para alem do impressionismo04 para alem do impressionismo
04 para alem do impressionismo
 

Semelhante a Primeiras sociedades recoletoras blogue

Ciências naturais 7 biodiversidade
Ciências naturais 7   biodiversidadeCiências naturais 7   biodiversidade
Ciências naturais 7 biodiversidade
Nuno Correia
 
Ciências naturais 7 biodiversidade
Ciências naturais 7   biodiversidadeCiências naturais 7   biodiversidade
Ciências naturais 7 biodiversidade
Nuno Correia
 
Cap 3 noções de antropologia
Cap 3 noções de antropologiaCap 3 noções de antropologia
Cap 3 noções de antropologia
Joao Balbi
 
Cap 3 noções de antropologia
Cap 3 noções de antropologiaCap 3 noções de antropologia
Cap 3 noções de antropologia
Joao Balbi
 
Cap 3 noções de antropologia
Cap 3 noções de antropologiaCap 3 noções de antropologia
Cap 3 noções de antropologia
Joao Balbi
 
Sala Verde Inhotim Informativo 12
Sala  Verde  Inhotim    Informativo 12Sala  Verde  Inhotim    Informativo 12
Sala Verde Inhotim Informativo 12
José André
 

Semelhante a Primeiras sociedades recoletoras blogue (6)

Ciências naturais 7 biodiversidade
Ciências naturais 7   biodiversidadeCiências naturais 7   biodiversidade
Ciências naturais 7 biodiversidade
 
Ciências naturais 7 biodiversidade
Ciências naturais 7   biodiversidadeCiências naturais 7   biodiversidade
Ciências naturais 7 biodiversidade
 
Cap 3 noções de antropologia
Cap 3 noções de antropologiaCap 3 noções de antropologia
Cap 3 noções de antropologia
 
Cap 3 noções de antropologia
Cap 3 noções de antropologiaCap 3 noções de antropologia
Cap 3 noções de antropologia
 
Cap 3 noções de antropologia
Cap 3 noções de antropologiaCap 3 noções de antropologia
Cap 3 noções de antropologia
 
Sala Verde Inhotim Informativo 12
Sala  Verde  Inhotim    Informativo 12Sala  Verde  Inhotim    Informativo 12
Sala Verde Inhotim Informativo 12
 

Mais de Vítor Santos

Mais de Vítor Santos (20)

5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
5_02_a revolução francesa_RESUMO.pdf
 
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
5_01_a revolução americana_francesa_outras.pdf
 
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
10_2_A _2_Guerra_mundial_violência.pdf
 
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
10_1_As dificuldades económicas dos anos 1930.pdf
 
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
9_ano_9_4_sociedade_cultura_num_mundo_em_mudança.pdf
 
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
9_ano_9_3_Portugal da primeira república à ditadura militar.pdf
 
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
9_ano_9_2_a_revolução_soviética.pdf
 
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
9_ano_9_1_ apogeu e declinio da influencia europeia.pdf
 
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf03_05 As novas representações da humanidade.pdf
03_05 As novas representações da humanidade.pdf
 
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
03_04 A renovação da espiritualidade e da religiosidade.pdf
 
03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf03_03 A produção cultural.pdf
03_03 A produção cultural.pdf
 
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
03_02 O alargamento do conhecimento do Mundo.pdf
 
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf03_01 a geografia cultural europeia.pdf
03_01 a geografia cultural europeia.pdf
 
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
02_03_Valores vivências e quotidiano.pdf
 
02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf02_02_o espaço português.pdf
02_02_o espaço português.pdf
 
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
02_01_A identidade civilizacional da Europa Ocidental.pdf
 
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
01_03_espaço_civliziçacional_a_beira_mudança.pdf
 
01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf01_02_o_modelo_romano.pdf
01_02_o_modelo_romano.pdf
 
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf01_01_o_modelo_ateniense.pdf
01_01_o_modelo_ateniense.pdf
 
0_história_A.pdf
0_história_A.pdf0_história_A.pdf
0_história_A.pdf
 

Último

AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
ssuserbb4ac2
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 

Último (20)

Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptxSlides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
Slides Lição 8, CPAD, Confessando e Abandonando o Pecado.pptx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptxSlides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
Slides Lição 9, CPAD, Resistindo à Tentação no Caminho, 2Tr24.pptx
 
Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número Multiplicação - Caça-número
Multiplicação - Caça-número
 
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdfRespostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
Respostas prova do exame nacional Port. 2008 - 1ª fase - Criterios.pdf
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em criançasSlide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
Slide - HIV (1) edit.pptx hiv em crianças
 
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdfAS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
AS COLUNAS B E J E SUAS POSICOES CONFORME O RITO.pdf
 
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdfExercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
Exercícios de Clima no brasil e no mundo.pdf
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.pptAula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
Aula 5 - Fluxo de matéria e energia nos ecossistemas.ppt
 
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã""Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
"Nós Propomos! Mobilidade sustentável na Sertã"
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
UFCD_9184_Saúde, nutrição, higiene, segurança, repouso e conforto da criança ...
 
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_AssisMemórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
Memórias_póstumas_de_Brás_Cubas_ Machado_de_Assis
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 

Primeiras sociedades recoletoras blogue

  • 1. As Origens da Humanidade Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 1 2012
  • 2. Vamos iniciar o estudo da Pré-História; Pré-História é o período anterior à invenção da escrita A Pré-História divide-se em dois grandes períodos: Paleolítico: antes da invenção da agricultura Neolítico: depois da invenção da agricultura Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 2 2012
  • 3. Vamos estudar o Paleolítico Paleo: significa “antigo” Lítico: significa “de pedra” Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 3 2012
  • 4. O Paleolítico divide-se em: Paleolítico Inferior Paleolítico Médio Paleolítico Superior 6 milhões a.c a 150.000 a.c. 150.000 a 80.000 a.c. 60.000 a.c a 10.000 a.c.. Australopitecus Homo Sapiens Homo Sapiens Sapiens Homo Habilis (Homem de Neandertal) (Homem de Cro-Magnon) Homo Erectus Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 4 2012
  • 5. Há cerca de 8 milhões de anos deram-se profundas transformações climáticas que transformaram as florestas da África Oriental em savanas; Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 5 2012
  • 6. Zona Oriental de África Nesta zona evoluíram os primeiros Homínideos Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 6 2012
  • 7. Os primatas adaptaram-se a este novo ambiente, os Australopitecos deslocavam- se num posição perfeitamente erecta a que se dá o nome de… Bipedia ? Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 7 2012
  • 8. Consegues imaginar algumas vantagens da deslocação bípede num ambiente de savana? Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 8 2012
  • 9. A bipedia permitiu libertar os membros posteriores da função de andar (locomoção). Este facto vai permitir aos hominídeos utilizar as mãos para…Fabricar instrumentos ? Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 9 2012
  • 10. Curiosidade • O primeiro Australopiteco descoberto recebeu o nome de Lucy porque no momento da descoberta os arqueólogos ouviam na rádio uma canção dos Beatles que se chama “Lucy in the sky with diamonds) Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 10 2012
  • 11. O esqueleto de Lucy, descoberto em 1978, tinha cerca de 1 metro de altura. O tamanho do cérebro era de 450 cm3 Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 11 2012
  • 12. Iniciava-se o processo de hominização Ou numa versão mais moderna Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 12 2012
  • 13. Hominização é o longo processo de evolução que conduziu ao actual estádio do Homem Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 13 2012
  • 14. Os primeiros hominídeos foram os Australopitecos, que viveram na África Oriental, há cerca de 4 milhões de anos Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 14 2012
  • 15. Para conhecermos estes factos é preciso desenterrar os artefactos e ossos, é o trabalho dos arqueólogos Arqueólogo no cinema Arqueólogo na vida real Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 15 2012
  • 16. Australopitecos Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 16 2012
  • 17. O Australopiteco alimentava-se daquilo que conseguia recolher da natureza; Recolha de raízes e frutos; Caça de pequenos animais. Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 17 2012
  • 18. A actividade económica baseada na recolha de vegetais e na caça e pesca denomina-se…actividade recolectora Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 18 2012
  • 19. Há cerca de 3 milhões de anos apareceu o Homo Habilis, com um cérebro de 750 cm3 e capaz de fabricar objectos mais perfeitos. Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 19 2012
  • 20. Homo Habilis Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 20 2012
  • 21. Fabricavam instrumentos com uma maior precisão Seixo quebrado Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 21 2012
  • 22. Há 2 milhões de anos surgiu o Homo Erectus, que possuía um cérebro maior (entre 900 e 1100 cm3 Podiam comunicar entre si através da fala Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 22 2012
  • 23. Podes imaginar alguns benefícios decorrentes da possibilidade de comunicarem entre si através da fala? Anterior Seguinte Sair da Apresentação Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 23 2012
  • 24. Benefícios decorrentes do uso da fala: Melhor comunicação entre os elementos do grupo; Desenvolve a coesão do grupo; Combinar estratégias de caça; Ensinar os mais novos; Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 24 2012
  • 25. O Homo Erectus utilizou o fogo. Refere algumas vantagens da utilização do fogo Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 25 2012
  • 26. O domínio do fogo possibilitou: Aquecimento; Cozinhar os alimentos; Iluminação das cavernas e durante a noite; Defesa contra os animais; Invenção de novas técnicas de fabrico de instrumentos; Valorização da vida em grupo, em redor das fogueiras. Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 26 2012
  • 27. O Homo Erectus tornou-se um grande caçador Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 27 2012
  • 28. Expandiram-se para fora de África, ocupando a Europa e a Ásia Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 28 2012
  • 29. A utilização do fogo favoreceu a emigração de África e a ocupação dos continentes europeu e asiático. Porquê? Permitiu ao Homo Erectus sobreviver em ambientes mais frios… Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 29 2012
  • 30. Há cerca de 300 mil anos o clima arrefeceu, dá-se inicio a um período glaciar. Na Europa surge uma nova espécie adaptada a estas novas condições climáticas, o Homem de Neandertal . Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 30 2012
  • 31. Paisagem típica da Europa, no inverno, há 300 mil anos Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 31 2012
  • 32. Possuía um cérebro com um tamanho igual ao do homem actual, até um pouco maior, entre 1500 e 1750 cm3 Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 32 2012
  • 33. O Homem de Neandertal sepultava os mortos. És capaz de explicar o significado deste facto? Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 33 2012
  • 34. Qual o significado do enterramento dos mortos? Mostra que existe solidariedade entre os elementos do grupo; Acreditar numa vida para além da morte; Implica o raciocínio abstrato; Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 34 2012
  • 35. Há cerca de 200 mil anos surge em África, o Homem actual, Homo Sapiens Sapiens, ou Homem de Cro-Magnon no final do período glaciar Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 35 2012
  • 36. É fisicamente idêntico ao homem actual e colonizou todo os continentes Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 36 2012
  • 37. Há cerca de 30 mil anos o Homem de Neandertal desapareceu e só subsistiu o Homo Sapiens Sapiens Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 37 2012
  • 38. Um dos aspectos fundamentais da evolução foi o aumento do tamanho do cérebro Imagina os benefícios do aumento da capacidade cerebral Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 38 2012
  • 39. Os homens deste período tinham de se deslocar para procurar alimentos, por isso tinham uma vida … nómada Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 39 2012
  • 40. Se os alimentos começam a faltar partem para um novo território com maior abundância de recursos e montam os seus acampamentos; Nos dias de hoje, ainda existem populações com este estilo de vida Índio Yonomami, na Amazónia Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 40 2012
  • 41. A caça é a actividade principal destes grupos, é um esforço colectivo, que exige planeamento, e coordenação da acção; Os grupos eram dirigidos por um chefe. Sabes como se designa essa economia? Designa-se por economia de caça Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 41 2012
  • 42. Caçavam animais de grande porte como o mamute, o cavalo, o urso, o veado, etc. Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 42 2012
  • 43. Qual a vantagem de caçar animais de grande porte? Mais carne e por isso asseguram a sobrevivência do grupo para vários dias. Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 43 2012
  • 44. O Homem de Cro-Magnon vai produzir uma grande quantidade de artefactos em pedra e osso; Surgem novas técnicas; Os instrumentos são cada vez mais perfeitos; Inventam-se novos instrumentos: machados, arpões, agulhas, lanças, lâminas, raspadores, propulsores, furadores, arco e flecha, etc. Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 44 2012
  • 45. Machados Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 45 2012
  • 46. Anzóis e arpões em osso Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 46 2012
  • 47. Bifaces Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 47 2012
  • 48. Osso com gravuras que foram interpretadas como representando um calendário lunar Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 48 2012
  • 49. Agulhas de osso Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 49 2012
  • 50. Aponta algumas vantagens da invenção da agulha Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 50 2012
  • 51. Vantagens da utilização da agulha: Confeccionar vestuário com mais perfeição, sobretudo para o frio; Fabricar mochilas, sacos, etc.; Inventa-se o capucho; Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 51 2012
  • 53. Quais as vantagens de usar um propulsor? Atirar a lança mais longe; Não é necessário aproximar-se tanto dos animais, a caça é mais fácil e mais segura; Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 53 2012
  • 54. Há cerca de 15.000 anos foi inventado o arco e a flecha Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 54 2012
  • 55. Pontas de setas e outros instrumentos em pedra de pequenas dimensões (micrólitos) Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 55 2012
  • 56. Pontas de setas em osso e pedra Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 56 2012
  • 57. Lanças, azagaias Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 57 2012
  • 58. Nos dias de hoje existem pessoas que fabricam instrumentos com as técnicas usadas na Pré-História, a isto chama-se arqueologia experimental Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 58 2012
  • 59. Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 59 2012
  • 60. O processo consiste em bater num bloco de pedra (núcleo) com outra pedra (percutor) e vão-se soltando lascas de pedra Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 60 2012
  • 61. Há vestígios de rituais mágicos, possivelmente procuravam protecção O Homem tinha crenças religiosas. Sabemos que enterravam os mortos; Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 61 2012
  • 62. O Homem procurava garantir a sua sobrevivência; Gravura na caverna dos Três Irmãos, França, representa um homem vestido com peles de animais, muitas vezes interpretado como um feiticeiro Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 62 2012
  • 63. Há cerca de 40 mil anos surgem estas pequenas estatuetas, arte móvel, em pedra ou osso, representando mulheres grávidas Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 63 2012
  • 64. Estas estátuas deveriam ser símbolos de fertilidade. O Homem tinha criado a…Arte Estas estátuas são chamadas “Vénus”. Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 64 2012
  • 65. Há cerca de 30.000 anos surgiu a arte parietal ou arte rupestre Parietal = parede Rupestre = (rupes) pedra Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 65 2012
  • 66. A arte rupestre consiste em pinturas e gravuras realizadas nas paredes e tectos das cavernas, mais raramente ao ar livre, expressam sentimentos sagrados, religiosos Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 66 2012
  • 67. Este mapa representa a região europeia onde se encontram cavernas com esta arte, cerca de duzentas, em França, Espanha e Portugal Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 67 2012
  • 68. Planta da gruta de Lascaux, França As pinturas surgem longe da entrada, local onde acampavam os homens, para aproveitar a luz natural Imaginas as razões que levaram o homem a realizar a sua arte longe da entrada da caverna? Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 68 2012
  • 69. As pinturas representam animais (cavalos, touros, bisontes, veados, ursos, etc.), mãos e sinais abstractos Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 69 2012
  • 70. Lascaux, sinais abstractos Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 70 2012
  • 71. Muito raramente aparece a figura humana Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 71 2012
  • 72. Imagens da caverna de Altamira, Espanha Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 72 2012
  • 73. Estes locais eram sagrados, praticavam-se rituais religiosos ou de magia Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 73 2012
  • 74. As cores eram obtidas a partir de pigmentos vegetais misturados com gordura animal Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 74 2012
  • 75. Significado da arte rupestre Existem várias hipóteses para explicar a arte rupestre: Magia, no sentido de obter sucesso na caçada; Veneração dos animais como símbolos da Natureza; Símbolos de fecundidade Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 75 2012
  • 76. Foz Côa, Portugal, é um dos raros lugares onde existem gravuras ao ar livre Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 76 2012
  • 77. Quadro resumo do Paleolítico Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 77 2012
  • 78. 4 milhões 3 milhões 2 milhões 300 mil 200 mil Australopitecos Homo Habilis Homo Erectus Homem Neandertal Homem Cro- Magnon Seixos quebrados Rituais funerários Bifaces 120 mil Propulsor 2,5 milhões anos 800 mil anos 30 mil anos Primeiros instrumentos Arte Domínio do fogo 2,8 milhões anos 40 mil anos 500 mil Arco e flecha 15 mil anos Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 78 2012
  • 79. E assim termina a nossa viagem pelo Paleolítico, as transformações climáticas que se vão dar por volta de 10.000 a.c. irão provocar profundas transformações na vida do Homem, acontecimentos que iremos investigar nas próximas aulas. Vítor Santos, Matosinhos, setembro de 79 2012