9 03 portugal no novo quadro internacional

5.143 visualizações

Publicada em

Portugal no novo quadro internacional

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.143
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4.029
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

9 03 portugal no novo quadro internacional

  1. 1. História A - Módulo 9 Alterações geoestratégicas, tensões políticas e transformações socioculturais no mundo atual Unidade 3 Portugal no novo quadro internacional http://divulgacaohistoria.wordpress.com/
  2. 2. Módulo 8, História A 2 3.1 A integração europeia e as suas implicações No dia 1 de janeiro de 1986, Portugal passou a ser membro da Comunidade Económica Europeia; 3.1.1 A evolução económica Após um período económico difícil a integração na UE proporcionou a Portugal o acesso a apoios de ordem económica (Fundos Estruturais/Fundo de Coesão) e de ordem técnica;
  3. 3. Módulo 7, Hiistória A 3 O processo de adesão Pedido de adesão é feito pelo primeiro-ministro Mário Soares em 28 de março 1977; As negociações entre Portugal e a Comunidade foram oficialmente abertas em outubro de 1978 e o acordo de pré-adesão é assinado em dezembro de 1980. Em 12 de junho de 1985, no Mosteiro dos Jerónimos, era assinado o Tratado de Adesão e, a partir do dia 1 de janeiro de 1986, Portugal e Espanha passaram a integrar a CEE.
  4. 4. Módulo 7, Hiistória A 4 A nível político Portugal deixou definitivamente de estar “orgulhosamente só”, passou a ser reconhecido internacionalmente; O professor Freitas do Amaral ocupa a Presidência da Assembleia Geral da ONU, entre 1995 e 1996; Durão Barroso foi eleito para a Presidência da Comissão Europeia em novembro de 2005; António Guterres exerceu o cargo de alto comissário das Nações Unidas para os Refugiados, desde junho de 2005; A nível político, a plena integração na Europa democrática facilitou a consolidação das instituições democráticas em Portugal. Portugal assumia-se como uma democracia estabilizada;
  5. 5. Módulo 7, Hiistória A 5 Impacto dos fundos comunitários na economia portuguesa: Crescimento do PIB; Aumento do número de pequenas e médias empresas; Crescimento do setor terciário; Diminui o desemprego; Melhoria do nível de vida das populações; Aumenta o consumo privado; Significativo desenvolvimento das obras públicas (rede de telecomunicações, autoestradas, Ponte Vasco da Gama, Expo 98, etc.; Cresce o subsídio de desemprego, as reformas e outras regalias sociais; Entre 1986 e 1992 o crescimento de Portugal é superior ao da média europeia;
  6. 6. Módulo 7, Hiistória A 6 Entre 1993 e 1995, Portugal passou por uma crise económica, afetado pela queda da “cortina de ferro”; Após 1995 o crescimento económico manteve-se; No final do século XX cerca de 75% das exportações portuguesas dirigem-se para a UE; As privatizações proporcionam ao Estado português amplas receitas;
  7. 7. Módulo 7, Hiistória A 7 Portugal faz parte da União Económica e Monetária (Maastrich); Portugal faz parte do grupo de 11 países que aderiram à moeda única em 1999; O grande desenvolvimento do crédito verificou-se no setor da habitação e não na indústria; O setor industrial denota alguns problemas e grandes dificuldades de competir nos mercados externos;
  8. 8. Módulo 7, Hiistória A 8 Os novos problemas decorrentes da integração na UE: Dificuldade de competir num mercado altamente evoluído; A liberdade do Governo em questões orçamentais ficou condicionada pelas opções políticas da UE; Acentuaram-se algumas assimetrias regionais; Tornou-se mais difícil o controlo da imigração clandestina e o combate à criminalidade organizada; O estreito relacionamento com a economia internacional, numa situação de notória dependência, acentuou os efeitos negativos da conjuntura internacional, na entrada do terceiro milénio. A abertura das fronteiras facilitou a deslocalização das empresas e de investimentos para mercados mais competitivos; Antão, António, Preparação para o Exame Nacional 2014, História A, 2013 (adaptado)
  9. 9. Módulo 7, Hiistória A 9 A conjuntura depressiva internacional acentuou as dificuldades do país: Cresceu o desemprego; As dificuldades da economia portuguesa aumentaram; O país revela importantes fragilidades: Envelhecimento da população; Dependência dos combustíveis fósseis; Baixo nível de escolaridade; Pequeno investimento na investigação; Excessiva burocratização.
  10. 10. Módulo 7, Hiistória A 10 3.1.2 As transformações demográficas, sociais e culturais Um problema grave em Portugal é o envelhecimento da população; O país tem uma taxa de natalidade das mais baixas da Europa; O interior intensificou a sua desertificação fruto da emigração para as grandes cidades; Nos finais dos anos 70, acentua-se a imigração oriunda de países africanos, nos anos 80, d Brasil e nos anos 90 de países que faziam parte do bloco comunista (russo, ucranianos, romenos, etc.); No final do século XX assiste-se ao crescimento da população de origem chinesa; Portugal transformou-se num país de imigrantes;
  11. 11. Módulo 7, Hiistória A 11 Transformações a nível social: Perda de importância do setor primário a favor do setor terciário ; O aumento das pequenas e médias empresas de serviços cria novas alternativas de emprego; O Estado melhora as regalias sociais; Aumenta o setor público; O poder de compra dos portugueses aumenta; Os bancos iniciam uma ampla concessão de crédito;
  12. 12. Módulo 7, Hiistória A 12 A melhoria da qualidade de vida dos portugueses é real; Entrada maciça das mulheres no mercado de trabalho (o nível da sua educação escolar ultrapassa o homem). Democratização das relações entre homens e mulheres; Maior acesso à educação da população; Desenvolvimentos dos órgãos de comunicação social, a televisão deixa de ser um monopólio do Estado;
  13. 13. Módulo 7, Hiistória A 13 3.1.3 A consolidação da democracia A adesão à Comunidade Europeia veio reforçar a jovem democracia portuguesa; Portugal é um país democrático, com sólidas instituições políticas, legislativas e jurídicas; Seguindo a tendência europeia há um progressivo alheamento da população na participação numa vida política ativa;
  14. 14. Módulo 7, Hiistória A 14 3.2 As relações com os países lusófonos e com a área ibero- americana 3.2.1 O mundo lusófono Depois de um período algo conturbado após a independência das colónias, Portugal começou a normalizar as suas relações; Angola: 1982 – assinatura de um protocolo de cooperação económica; 1996 – acordo de cooperação financeira; Angola representa cerca de 60% das exportações portuguesas para os PALOP
  15. 15. Módulo 7, Hiistória A 15 Moçambique: Ligado à Africa do Sul e à Commonwealth; Aderiu à CPLP (Comunidade de países de Língua Portuguesa) em 1996; Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Timor-Leste e Guiné estabeleceram protocolos de assistência e cooperação com Portugal (educação, economia, cultura, ciência, etc.; O Instituto Português de Apoio ao Desenvolvimento (IPAD) coordena a ajuda de Portugal aos países lusófonos; CPLP: Cabo Verde, Guiné, Angola, Moçambique, Timor-Leste, Brasil, São Tomé e Príncipe e Portugal), fundada em 1996. Timor aderiu em 2002.
  16. 16. Módulo 7, Hiistória A 16 Portugal e o Brasil: As relações económicas desenvolveram-se ao longo da década de 90; Portugal importa matérias-primas e exporta têxteis e produtos metalomecânicos; Existe um importante “vai e vem” migratório entre os dois países;
  17. 17. Módulo 7, Hiistória A 17 3.2.2 Área Ibero-Americana Portugal tem mantido relações e uma colaboração ativa com a Comunidade Ibero-Americana (CIA) a nível económico, educativo, cultural e científico; A cimeira ibero-americana de 1998 foi realizada no Porto;
  18. 18. Módulo 7, Hiistória A 18 Esta apresentação foi construída tendo por base a seguinte bibliografia: COUTO, Célia Pinto, ROSAS, Maria Antónia Monterroso, O tempo da História 112, Porto Editora, 2013 Antão, António, Preparação para o Exame Nacional 2014, História A, 2013

×