6 03 evolução democrática nacionalismo e imperialismo

25.662 visualizações

Publicada em

Evolução democrática, nacionalismo e imperialismo no século XIX

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

6 03 evolução democrática nacionalismo e imperialismo

  1. 1. História A - Módulo 6 A civilização industrial – economia e sociedade; nacionalismos e choques imperialistas Unidade 3 Evolução democrática, nacionalismo e imperialismo http://divulgacaohistoria.wordpress.com/
  2. 2. Módulo 6, História A 2 As transformações políticas A evolução democrática do sistema representativo: os excluídos da democracia representativa Durante os séculos XVIII e XIX, em vários países da Europa e da América foram implantados regimes Liberais, triunfou o liberalismo moderado que negou o sufrágio direto e universal e instituiu o sufrágio censitário;
  3. 3. Módulo 6, História A 3 Entre 1870 e 1914, os países da Europa e América caminharam no sentido de desenvolvera o demoliberalismo; É na Europa do Norte e Noroeste e nos EUA que esta evolução mais se sentiu; Demoliberalismo – sistema político que confere valor à representação da Nação, alargando o direito de sufrágio e reforçando o poder dos Parlamentos;
  4. 4. Módulo 6, História A 4 Os regimes absolutistas foram substituídos por Monarquias Constitucionais e em alguns países surgiram as Repúblicas; Na República, o representante máximo do Estado é eleito por um determinado número de anos; O sufrágio censitário foi substituído pelo sufrágio universal;
  5. 5. Módulo 6, História A 5 Os monarcas viram os seus poderes limitados, o caso de maior sucesso foi a Inglaterra; No entanto muitos continuaram a criticar a instituição monárquica; A República, para muito, era vista como um regime mais democrático, pois todos os órgãos políticos resultavam da escolha popular; Muitas das Repúblicas constituídas tornaram o Parlamento o órgão mais importante do sistema político (França, 1875, Portugal, 1910);
  6. 6. Módulo 6, História A 6 A passagem do liberalismo à democracia representativa levou ao triunfo do sufrágio universal; A idade de voto recuou, de um modo geral, para os 21 anos; Institui-se o voto secreto: Grã-Bretanha (1872), Bélgica (1877), Alemanha (1903), França (1913); Os cargos políticos passaram a ser remunerados para permitirem o acesso aos mais desfavorecidos;
  7. 7. Módulo 6, História A 7 No entanto o voto feminino e de outras raças, como por exemplo os negros ou dos analfabetos foi mais difícil de alcançar; A democracia representativa teve os seus excluídos; A exclusão das mulheres da vida política deu origem aos movimentos sufragistas que no entanto existiram muitas resistências nas sociedades; Na Inglaterra distinguiu-se o movimento liderado por Emmeline Pankhurst, o que só iria acontecer em 1918; Em 1893, a Nova Zelândia, tornou-se o primeiro país a admitir o voto das mulheres, Wyoming (1890);
  8. 8. Módulo 6, História A 8
  9. 9. Módulo 6, História A 9 Na Europa Central e Oriental, apesar desta vaga de demoliberalismo, resistiam vários regimes autoritários Império Alemão, Império Austro-Húngaro, Império Otomano e Império Russo, cujo poder estava baseado no conservadorismo, autoritarismo e na submissão de várias nacionalidades; Nestes impérios os monarcas governam de forma autocrática (absoluta); Perante as reivindicações populares algumas reformas são feitas; As aspirações de liberdade nos estados autoritários
  10. 10. Módulo 6, História A 10 São elaboradas constituições na Alemanha e na Áustria-Hungria; Nestes impérios e na Rússia é estabelecido o sufrágio universal; Mas os imperadores continuam a deter o poder. Podem demitir os governos e anular as leis dos Parlamentos; Nestes países existiam polícias para controlar e perseguir a oposição (polícias secretas);
  11. 11. Módulo 6, História A 11
  12. 12. Módulo 6, História A 12 Nestes impérios a nobreza e o clero mantinham os privilégios típicos do Antigo Regime; Eram constituídos por múltiplas nacionalidades às quais não reconheciam quaisquer direitos; O Império Alemão dominava os polacos e a Alsácia, o Império Russo dominava a Ucrânia, Finlândia, Bielorrússia, etc.; O Império Austro-Húngaro também era constituído por várias nacionalidades;
  13. 13. Módulo 6, História A 13
  14. 14. Módulo 6, História A 14 Vários povos, minorias étnicas, nestes impérios lutavam pela afirmação da sua nacionalidade; Os impérios não reconheciam a esses povos quaisquer direitos; Estes movimentos e aspirações destes povos à liberdade concorreram para criar uma grande instabilidade política; O assassínio do herdeiro do trono da Áustria-Hungria, por um nacionalista sérvio irá desencadear a Primeira Guerra Mundial;
  15. 15. Módulo 6, História A 15 Os movimentos de unificação nacional Nos finais do século XVIII, foi proclamado o princípio das nacionalidades, que afirmava que os povos, se constituíssem comunidades étnicas, com a mesma cultura, língua e história constituem nações e têm direito a ser estados livres e autónomos; Na esteira deste pensamento surgiram vários movimentos que levaram à emancipação de vários povos, como a Grécia e a Bélgica; Outros movimentos fracassaram nesse objetivo como as revoltas na Polónia(1830-1831) ou na Hungria (1848-1849);
  16. 16. Módulo 6, História A 16 As lutas pela emancipação dos povos na Europa continuaram por todo o século XIX; Os nacionalismos desenvolvem-se entre os povos que estavam submetidos aos estados autoritários; Dentro deste espírito dois países vão conseguir unificar-se, e constituir um estado, Itália (1861) e Alemanha (1871);
  17. 17. Módulo 6, História A 17
  18. 18. Módulo 6, História A 18
  19. 19. Módulo 6, História A 19 A unificação italiana O Congresso de Viena (1815) decidiu a divisão da Itália em 7 estados, por interesses do Império Austro húngaro e do Papa que detinha os estados Pontifícios; Já nos finais do século XVIII tinha surgido um movimento no sentido da unificação da Itália, o “Risorgimento”;
  20. 20. Módulo 6, História A 20 Existiam vários obstáculos à unificação italiana: A Igreja, detentora de territórios (Estado Pontifícios) teme que a unificação leve ao fim desse estado; O Império Austro-húngaro também tem interesses em Itália, e por isso é contra a unificação;
  21. 21. Módulo 6, História A 21 Outro problema que se levantava é o problema do regime que unificaria a Itália, a Monarquia ou a República, havia adeptos dos dois modelos; O movimento de unificação partiu do Reino do Piemonte-Sardenha, liderado pelo monarca Vítor Emanuel II e pelo seu primeiro- ministro, Cavour; O Piemonte é um reino industrializado e tem um regime político liberal;
  22. 22. Módulo 6, História A 22 Com o auxílio da França os exércitos do Piemonte derrotam os austríacos (1859) e a Lombardia volta a ser território italiano, a França recebe, como recompensa, Saboia e Nice; Em 1860, as populações dos ducados de Parma, Modena e Toscana, em plebiscito, pronunciam-se a favor da sua integração no Reino do Piemonte;
  23. 23. Módulo 6, História A 23 Movimentos populares entregaram grande parte dos estados da Igreja e o Reino das Duas Sicílias foi conquistado por Garibaldi; Em fevereiro de 1861, o parlamento italiano proclama Vítor Emanuel II como rei de Itália; Em 1866, a Venécia é integrada no reino; Em 1870, Roma foi conquistada, após a partida dos exércitos francesas que protegiam o Papa; No dia 1 de agosto de 1871, Roma é proclamada capital de Itália, e é salvaguardada a independência do Papa;
  24. 24. Módulo 6, História A 24
  25. 25. Módulo 6, História A 25
  26. 26. Módulo 6, História A 26 Em meados do século XIX, a nação alemã era constituída por 39 estados, ligados pela Confederação Germânica criada no Congresso de Viena (1815); A Dieta de Frankfurt, onde estavam representados os governos, mas não povo, era o principal órgão político; O Império austríaco também fazia parte desta Confederação; A Prússia era o estado mais industrializado;
  27. 27. Módulo 6, História A 27 Em 1828, a Prússia criou, em conjunto com outros estados alemães, uma união aduaneira (Zollverein). Nestes estados as taxas alfandegárias, no comércio entre eles, foram abolidas ;
  28. 28. Módulo 6, História A 28 Em 1848, a Dieta de Frankfurt, propôs a união política, e o reconhecimento de um governo constitucional em todo o território alemão (exceção da Áustria), e o seu chefe seria o rei da Prússia; O rei da Prússia não aceitou a solução que considerou demasiado liberal e a Áustria não aceitou ver-se expulsa da Confederação;
  29. 29. Módulo 6, História A 29 A unidade alemão foi conseguida pelas armas, e arquitetada pelo rei da Prússia, Guilherme I o seu chanceler, Otto von Bismarck; A Guerra dos Ducados (1864-1866) foi contra a Áustria que administrava vários ducados alemães; Em 1867 é constituída a Confederação da Alemanha do Norte, formada por 21 estados, liderados pelo rei da Prússia; Em 1870-1871, envolveu-se em guerra contra a França para conquistar os estados do Sul de maioria católica;
  30. 30. Módulo 6, História A 30 No dia 18 de janeiro de 1871, foi proclamado o Império Alemão, Guilherme I tornou-se o Imperador (Kaiser) do Segundo Reich; A Alemanha tornou-se uma federação de 25 estados, e a Alsácia e a Lorena, conquistadas à França foram integradas no Império;
  31. 31. Módulo 6, História A 31 A unificação de Itália e da Alemanha são o exemplo do nacionalismo do século XIX; Unificou povos e integrou interesses económicos;
  32. 32. Módulo 6, História A 32 Os afrontamentos imperialistas: o domínio da Europa sobre o Mundo Imperialismo e colonialismo Nas vésperas da Primeira Guerra Mundial, a Europa, com algumas exceções dominava o Mundo; Exceções: Japão (Formosa e Coreia); EUA (Alasca, Cuba, Porto Rico, Filipinas , Havai); Império Otomano (turco) (Médio Oriente);
  33. 33. Módulo 6, História A 33 A Europa partilhava ente si e dominava o Mundo; A esta situação chama-se imperialismo; Na segunda metade do século XIX dá-se uma nova fase da expansão europeia, protagonizada pelas “velhas” potências coloniais (Inglaterra, Portugal e França) a que se juntam a Alemanha, Itália, Bélgica, Japão, EUA e Rússia; Este movimento colonialista teve várias facetas: conquista territorial, domínio político indireto através do estabelecimento de protetorados, controlo económico com a obtenção de concessões;
  34. 34. Módulo 6, História A 34 As causas deste imperialismo são motivações económicas; Perante a industrialização era fundamental conseguir territórios que garantissem a obtenção de matérias-primas e garantir novos mercados para garantir o escoamentos dos produtos; As colónias ainda possibilitavam o investimento de capitais e permitiam à Europa aliviar a pressão demográfica (25% da população mundial) devido à emigração para esses territórios; Para além das motivações económicas e demográficas existia um clima de nacionalismo exacerbado que proclamava a superioridade europeia sobre os outros povos e justificava o colonialismo;
  35. 35. Módulo 6, História A 35 Em 1885, a Conferência de Berlim estabeleceu as regras para a partilha de África entre os países europeus; O princípio da ocupação efetiva do território foi consagrado em desfavor dos direitos históricos e de descoberta; Em 1914 só existiam dois estados independentes em África: Etiópia e Libéria; Na Ásia a Grã-Bretanha domina a Índia, a França a Indochina e a Holanda a Insulíndia; A China permanecia independente, embora Portugal (Macau) e Grã-Bretanha (Hong-Kong) possuíssem pequenos territórios; Na Ásia o Japão afirmava o seu imperialismo;
  36. 36. Módulo 6, História A 36
  37. 37. Módulo 6, História A 37 Rivalidades imperialistas Apesar de desde o conflito franco-prussiano (1870-1871) não ter existido nenhum conflito grave na Europa agravaram-se as disputas, rivalidades e tensões entre as potência europeias; Originam-se muitas disputas territoriais; A Alemanha ao instalar-se no Sudeste de África impediu o sonho britânico de constituir um império do “Cairo até ao Cabo”; A França ocupou o Norte de África contra interesses dos alemães e estes dois países disputavam os territórios fronteiriços da Alsácia e da Lorena ;
  38. 38. Módulo 6, História A 38 Rivalidades entre o Império Russo e o império Austro-Húngaro, disputando a influência nos Balcãs; Entre o Japão e o Imperio russo, no Extremo Oriente que provocou a guerra entre estes dois países (1904-1905), que terminou com a vitória do Japão;
  39. 39. Módulo 6, História A 39 Perante todas estas rivalidades vivia-se um clima de paz armada; Os países iniciam uma corrida aos armamentos; Formam-se alianças militares: 1879 – Dupla Aliança (Alemanha, Áustria-Hungria) 1882 – Tríplice Aliança (Alemanha, Áustria-Hungria, Itália) 1907 – Tríplice Entente – (Grã-Bretanha, França, Rússia)
  40. 40. Módulo 6, História A 40 Em 1908 a Áustria-Hungria anexa a Bósnia-Herzegovina. A Sérvia protesta; Em 1914, o herdeiro da coroa da Áustria-Hungria é assassinado na Bósnia; A Áustria-Hungria declara guerra à Sérvia, dá-se o início da Primeira Guerra Mundial.
  41. 41. Módulo 6, História A 41 Esquema in “Preparação para o Exame Nacional, História A 11, Porto Editora
  42. 42. Módulo 6, História A 42 Esta apresentação foi construída tendo por base a seguinte bibliografia: FORTES, Alexandra; Freitas Gomes, Fátima e Fortes, José, Linhas da História 11, Areal Editores, 2014 Preparação para o Exame Nacional, História A, 11, Porto Editora, 2013 COUTO, Célia Pinto, ROSAS, Maria Antónia Monterroso, O tempo da História 11, Porto Editora, 2011 SANCHES, Mário, História A, Edições ASA, 2006 2015/2016

×