O slideshow foi denunciado.

01 cultura da catedral

9.351 visualizações

Publicada em

cultura da catedral, arte gótica

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

01 cultura da catedral

  1. 1. A Cultura da Catedral HCA, Curso Turismo, Módulo 4 1 http://divulgacaohistoria.wordpress.com/
  2. 2. É no século XII que se formaram a maioria das cidades europeias; Nasceram do desenvolvimento económico, demográfico, social, cultural e político dos séculos XII a XIV (Baixa Idade Média). HCA, Curso Turismo, Módulo 4 2
  3. 3. Vieira da Silva Manuel Cargaleiro Cidade em expansão HCA, Curso Turismo, Módulo 4 3
  4. 4. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 4 Os construtores de catedrais
  5. 5. Gráfico da população europeia As cidades e Deus A Europa das cidades – do renascimento do século XII a meados de Quatrocentos (O tempo e o espaço) 5
  6. 6. Séculos XI e XII – feudalismo, fase expansionista; Século XIII – conjuntura económica favorável, grande dinamismo económico; Século XIV – recessão, guerras, fomes e pestes. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 6
  7. 7. Melhorias climáticas; Progressos agrícolas. Vão provocar: Produção excedentária  crescimento demográfico; O comércio e a indústria desenvolvem-se; Fatores que contribuíram para o desenvolvimento dos séculos XI a XIII: HCA, Curso Turismo, Módulo 4 7
  8. 8. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 8 Reaparecimento das feiras e mercados que vai provocar o crescimento das cidades; Surgem relações comerciais com a Ásia e África.
  9. 9. Estabelece-se uma economia de mercado (circulação de moeda, produtos e riqueza); Surge uma economia monetária e capitalista; Surgem cambistas e bancos, inventam-se formas de pagamento (cheques, letras); Surgem grandes fortunas – Jacques Coeur, Cosme de Médicis, etc. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 9
  10. 10. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 10 As cidades europeias enriquecem e crescem; Surge um novo grupo social, a burguesia (artesãos, mercadores, lojistas, letrados, banqueiros, etc.; Surge um novo estilo de vida, mais cortesão e pacífico;
  11. 11. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 11 Desenvolvem-se hábitos de luxo. Um banquete medieval
  12. 12. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 12
  13. 13. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 13 Desenvolve-se a cultura escrita; Surgem novas escolas nas cidades (Universidades); As cidades foram o berço de uma nova sociedade mais laica, pragmática e individualista; As cidades transformaram-se em centros de novos saberes; Desenvolvem-se as trocas comerciais e culturais.
  14. 14. Grandes alterações sociais e políticas: Burguesia (habitantes do burgo) – cresceu, cultivou-se, organizou-se; Surgem organismos profissionais: As corporações ou mesteres de artes e ofícios para associar os artesãos; E as Guildas ou Hansas (associações de comerciantes). A Liga Hanseática era constituída por cerca de 150 cidades. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 14
  15. 15. Os habitantes das cidades organizam-se procurando a emancipação administrativa da cidade, surgem as comunas; Desenrolam-se lutas nos campos e cidades, procurando melhorar a sua situação. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 15
  16. 16. As monarquias aliam-se à burguesia contra a nobreza e inicia-se um movimento de centralização do poder real. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 16
  17. 17. Século XIV – mudanças climáticas, excesso de consumo, crescimento urbano desequilibrado e fomes vão iniciar uma grave recessão económica. Surge a Guerra dos Cem Anos, entre a França e Inglaterra mas que envolve grande parte dos países europeus. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 17
  18. 18. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 18
  19. 19. Muitas cidades cresceram: Cidades industriais (produção artesanal); Cidades comerciais (sobretudo portos de mar); Cidades de peregrinação; Cidades universitárias… HCA, Curso Turismo, Módulo 4 19
  20. 20. Cidades portuárias no Mediterrâneo: Génova, Pisa, Marselha, Barcelona, etc. No Atlântico e Báltico: Lisboa, Amesterdão, Hamburgo, Lubeque, etc. O barco era o transporte mais prático e mais barato. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 20
  21. 21. Surgem novas rotas terrestres, sobretudo entre Itália e o norte da Europa; Surgem feiras internacionais: Champagne, Bruges, Troyes, etc. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 21
  22. 22. Desenvolvem-se as Universidades; Os estudos começavam pelas Artes: Trivium (Gramática, Retórica e Dialéctica) e o Quadrivium (Aritmética, Geometria, Astronomia e Música); Depois frequentavam as Universidades de grau superior: Direito Canónico, Medicina, Teologia, etc. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 22
  23. 23. Professores e alunos organizavam-se em nações (origem); O ensino tinha por base a filosofia escolástica – ensino teórico; Estudo e comentário das obras de filosofia clássica ( Platão, Aristóteles, Sócrates) e de autores cristãos (Santo Agostinho). HCA, Curso Turismo, Módulo 4 23
  24. 24. Universidade de Salamanca HCA, Curso Turismo, Módulo 4 24
  25. 25. S. Tomás de Aquino (1214- 74) procurou a união entre a fé e a razão; Entre a revelação divina e a inteligência humana; O crente poderia alcançar Deus pela sua inteligência, pelo conhecimento do mundo que era o reflexo de Deus Humanização da religião; HCA, Curso Turismo, Módulo 4 25
  26. 26. Estas novas maneiras de pensar suscitam um maior interesse pelo mundo material e um ensino mais experimental; Roger Bacon (1214-95); Guilherme de Ockam (1285-1349). HCA, Curso Turismo, Módulo 4 26
  27. 27. Casa Comunal Catedral Formas de urbanismo medieval HCA, Curso Turismo, Módulo 4 27
  28. 28. Até ao século XII a Europa era rural; A partir do século XIII há um crescimento significativo das cidades mais antigas; Surgem novas cidades (cruzamentos de estradas, locais de feira, portos de mar, etc.): A catedral é um dos símbolos da cidade; HCA, Curso Turismo, Módulo 4 28
  29. 29. Cidade de Tournai, França HCA, Curso Turismo, Módulo 4 29
  30. 30. Diversificam-se: Umas crescem ordenadamente (malha reticular, concêntricas); Outras crescem caoticamente; Crescem para fora das muralhas. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 30 Reconstituição de uma feira medieval.
  31. 31. Igrejas, conventos, casa comunal, casas de nobres e burgueses, bairros populares, oficinas, lojas, praças, ruas (algumas agrupavam um determinado ofício ou loja, rua do ouro, dos mercadores, etc.) HCA, Curso Turismo, Módulo 4 31
  32. 32. Não tinham água canalizada, nem esgotos, nem segurança (polícia); As ruas eram estreitas e sinuosas (incêndios frequentes); As cidades tornam-se polos de atracão – emigração do campo para a cidade; HCA, Curso Turismo, Módulo 4 32
  33. 33. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 33
  34. 34. A Europa das catedrais (O local) “A arte das Catedrais significou em primeiro lugar o renascimento das cidades. Estas ao longo dos séculos XII e XIII não pararam de crescer; A catedral (gótica) é a igreja do bispo, portanto a igreja da cidade.”; George Duby, O tempo das catedrais HCA, Curso Turismo, Módulo 4 34
  35. 35. Florença 1336-38: 25000 homens entre os 15 e 60 anos; 1500 ricos e nobres; 110 igrejas, 24 mosteiros; 30 hospitais com mais de mil camas; 200 oficinas de lã – 30000 operários; 8 bancos. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 35
  36. 36. A catedral torna-se o símbolo da cidade; Igreja (bispo) e burgueses, todos contribuem para a construção da Catedral. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 36
  37. 37. Deus é luz. (…) Luz absoluta, deus está mais ou menos velado em cada criatura, consoante ela é menos ou mais refratária à sua iluminação. Esta conceção contém a chave da nova arte, da arte de França. Arte de claridade e de irradiação (…). G. Duby, O tempo das catedrais 37
  38. 38. A luz, que aparece simultaneamente como o próprio Deus e como o agente de união entre a alma e deus, deve encher inteiramente o reino cujo campo os muros da catedral simbolicamente delimitam. G. Duby, O tempo das catedrais HCA, Curso Turismo, Módulo 4 38
  39. 39. O Abade Suger, da Abadia de S. Dinis (arredores de Paris) foi o grande ideólogo (teólogo), criador do estilo gótico; HCA, Curso Turismo, Módulo 4 39
  40. 40. Na reconstrução da cabeceira da Igreja incentivou os mestres de obras a deixarem entrar a luz; Fez da catedral o reino de Deus na Terra; Surge uma nova teologia: “Deus é luz”. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 40
  41. 41. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 41
  42. 42. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 42
  43. 43. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 43
  44. 44. “Deus é Luz. Cada criatura recebe e transmite a iluminação divina segundo a sua capacidade. … O universo é um fluxo luminoso… Deus é luz absoluta” George Duby, O tempo das catedrais HCA, Curso Turismo, Módulo 4 44
  45. 45. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 45
  46. 46. Esta conceção contém a chave da nova arte, Arte de França, de que a Igreja de S. Dinis, de Suger foi o modelo. George Duby, O tempo das catedrais HCA, Curso Turismo, Módulo 4 46
  47. 47. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 47 As catedrais góticas; A catedral de Colónia;
  48. 48. A partir do século XII desenvolve-se uma nova cultura baseada no ideal cavaleiresco e cortês; Valorização da lealdade, cortesia, amor, a paz, a alegria, a elegância, etc.; Surgem poetas, trovadores, jograis. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 48 A cultura cortesã
  49. 49. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 49 Surgiu uma nova cultura popular, mais profana (menos religiosa) e mais humanista (preocupada com o homem); Desenvolvem-se festas e romarias com procissões e autos teatrais, com dançares e cantares; Surgem as poesias trovadorescas; Estas poesias eram escritas e cantadas em língua vulgar (a que era falada pelo povo) e não em latim;
  50. 50. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 50
  51. 51. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 51 Os grandes da época (nobreza e clero) cultivaram o conforto e o luxo; Saraus, representações teatrais, bailes e banquetes acompanhados por música; (ver) Surgem as primeiras práticas de mecenato (proteção das artes); Nos meios cortesãos (nobreza) surgem novas regras sociais caracterizadas por uma maior civilidade e cortesia.
  52. 52. Literatura surgem os romances de cavalaria, narrativas de viagens e até romances sentimentais: Como por exemplo o “Romance da Rosa”; Em Portugal surgem as “cantigas de amor, de amigo, de escárnio e maldizer”. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 52
  53. 53. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 53 Surge um mundo mais culto e letrado; Desenvolvem-se as línguas faladas pelas pessoas; Surge um mundo mais humanizado.
  54. 54. A música diversifica-se surge a polifonia, vários instrumentos e ritmos, popular ou erudita, religiosa ou profana; Surgem as danças coletivas e individuais. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 54
  55. 55. Desenvolve-se o teatro religioso, representado no adro da igreja ou nas praças – funções pedagógicas e recreativas; Surgem atores ambulantes; Surge um teatro mais profano; A nobreza e burguesia organizam festas particulares. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 55
  56. 56. Em conclusão: Divulgam-se os prazeres mundanos, a alegria de viver; A Igreja crítica estes exageros; No século XIV, o avanço da peste provoca modificações na arte – reflete o medo e inquietação; O século XV devolve a confiança ao Homem no mundo. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 56
  57. 57. Dante Alighieri (1265-1321) Biografia 57
  58. 58. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 58 Nasce em Florença em 1265; Apaixona-se por Beatriz Portinari (m. 1290) – dedica-lhe quase toda a sua poesia; A partir de 1295 passa a ter uma vida política ativa; Por motivos políticos é desterrado de Florença; Vive em Verona, Pádua, Paris, Oxford, Pisa e Ravena; Dedicou a sua vida à literatura e à política.
  59. 59. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 59 Escreveu toda a sua obra em italiano, o que para a época foi muito inovador, a maior parte dos autores escrevia em latim; Dante cortou com a tradição medieval e contribuiu para o aperfeiçoamento da língua italiana; Na poesia criou um novo estilo, “dolce stil nuovo” (doce estilo novo); Foi o percursor (inspirador) da literatura do Renascimento.
  60. 60. Na sua obra desenvolve a reflexão sobre o pensamento, a crítica filosóficas, teológicas, literárias, e socioeconómicas da época; Este entendimento da fé e dos sentimentos religiosos aproxima Dante dos escritores do Renascimento; Dante, na poesia, e Giotto, na pintura, encerraram uma época da história e foram os precursores de outra. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 60
  61. 61. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 61 A sua obra-prima foi a Divina Comédia; Uma peça poética dividida em três partes ou capítulos (Inferno, Purgatório e Paraíso); Nessa obra relata-nos uma visão ou sonho durante o qual realiza uma viagem simbólica pelo mundo dos mortos; Esta viagem foi o pretexto para analisar a vida humana, expor o seu pensamento sobre a filosofia, e a teologia, Em resumo, os escritos de Dante resumem todo o pensamento filosófico, científico e teológico da Idade Média, harmonizando-o com a Antiguidade Clássica, enunciando, o Renascimento.
  62. 62. O Casamento de Frederico III com D. Leonor de Portugal de Nicolau Lanckman de Valckenstein HCA, Curso Turismo, Módulo 4 62
  63. 63. D. Leonor (1434-1467), filha dos reis D. Duarte e D. Leonor, casou em 1451 com Frederico III, imperador da Alemanha; Nicolau Lanckman de Valckenstein era capelão do Imperador e veio a Portugal celebrar o casamento por procuração, escreveu um diário de viagem onde relata os acontecimentos. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 63
  64. 64. O rei Afonso V, irmão de D. Leonor, deu uma festa, que se prolongou por vários dias, entre 13 e 25 de Outubro; Decorreram várias ações pela cidade, destinadas a vários públicos. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 64
  65. 65. A Peste Negra (1348-1350) (Acontecimento) HCA, Curso Turismo, Módulo 4 65
  66. 66. A Peste Negra vai provocar a morte de 30% a 50% da população europeia muitas aldeias e até algumas cidades desapareceram completamente. 66
  67. 67. Veio do Oriente, chegou a Messina, porto italiano, através de barcos de comércio; A enorme mortalidade provocou um enorme terror na população. Ars Moriendi – Arte de morrer HCA, Curso Turismo, Módulo 4 67
  68. 68. A moeda desvalorizou, provoca a subida dos preços (inflação); Os impostos aumentaram (monarcas precisavam de dinheiro para manter a guerra); Surgem revoltas populares nos campos e nas cidades; HCA, Curso Turismo, Módulo 4 68
  69. 69. Perseguições aos judeus e leprosos vistos como os causadores das desgraças; Procissões coletivas de flagelantes; Crise coletiva de mentalidades. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 69
  70. 70. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 70 O contágio fazia-se por picada de pulgas ou mordidelas de ratos; Normalmente matava em 3 a 4 dias.
  71. 71. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 71 O desaparecimento de um terço da população europeia teve consequências graves: Alterou o quotidiano; Paralisou a produção e o comércio (falta da mão-de- obra); Provocou uma depressão económica, espalhando a carestia e a fome; Generaliza-se a insegurança e instabilidade, eclodem revoltas populares que causam pânico e violência;
  72. 72. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 72 O medo da morte provocou, em muitas pessoas, o recurso exagerado à fé, surgem práticas extremistas de penitências; Outros, pelo contrários, vão-se dedicar à heresia e a práticas satânicas; Outros por sua vez, descrentes de tudo, dedicam-se à ociosidade, vadiagem e marginalidade; A Peste Negra perturbou as estruturas económicas e sociais e provocou uma crise de valores e comportamentos.
  73. 73. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 73
  74. 74. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 74 Esquema do século XIV
  75. 75. A crise atinge a Igreja: Surgem dois papas ( Roma e o de Avinhão, França, imposto pelo rei Francês); É o Grande Cisma do Ocidente (1373-1417). HCA, Curso Turismo, Módulo 4 75
  76. 76. Apesar da gravidade da crise, nos grandes centros urbanos surgiram os fatores que vão permitir o florescimento económico e cultural no século XV. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 76
  77. 77. A Arte Gótica http://divulgacaohistoria.wordpress.com/
  78. 78. Cabeceira da igreja de S. Dinis A Arquitectura Gótica HCA, Curso Turismo, Módulo 4 78
  79. 79. Catedral de Chartes, fachada 79
  80. 80. A Catedral gótica é construída em honra de Deus e dos Homens; Representa o novo pensamento teológico: Deus é luz (conhecimento), que desce até aos homens, e as almas elevam o seu espírito até Deus. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 80
  81. 81. Cabeceira de S. Dinis foi reconstruída por ordem do abade Suger HCA, Curso Turismo, Módulo 4 81
  82. 82. S. Dinis, deambulatório HCA, Curso Turismo, Módulo 4 82
  83. 83. A catedral incita ao fervor religioso e exaltação espiritual; Os amplos interiores, a luz filtrada pelos vitrais procuram criar uma atmosfera de forte espiritualidade. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 83
  84. 84. Louvor dos Homens – símbolo da riqueza da cidade, todos contribuem para a sua construção, com dinheiro ou trabalho HCA, Curso Turismo, Módulo 4 84
  85. 85. Igreja de Santa Madalena de Vézelay, 1120, estilo românico HCA, Curso Turismo, Módulo 4 85
  86. 86. Não foi um estilo completamente novo; Mas um ponto de chegada do aperfeiçoamento da arquitetura românica, sobretudo na Borgonha. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 86
  87. 87. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 87
  88. 88. A arte gótica nasceu nos arredores de Paris, S. Dinis, e o seu principal mentor foi o Abade Suger – reconstrução da cabeceira da Igreja de S. Dinis; Na época era conhecida por “Arte de França”; Durante o século XIII difundiu-se por toda a Europa. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 88
  89. 89. Maior uniformidade que a arte românica (maior e mais rápida circulação de pessoas e de ideias); É o primeiro estilo Ocidental sem influências orientais (Bizantinas ou Gregas). HCA, Curso Turismo, Módulo 4 89
  90. 90. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 90
  91. 91. A arquitetura gótica vai-se concretizar a partir de 3 áreas específicas: Inovações técnicas; Nova estética; Alterações das estruturas formais HCA, Curso Turismo, Módulo 4 91
  92. 92. Inovações técnicas; Nova estética; Alterações das estruturas formais HCA, Curso Turismo, Módulo 4 92
  93. 93. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 93
  94. 94. A principal inovação: Arco ogival (utilizado na românico da Borgonha c. 1100); Surgiu da necessidade de criar um tramo retangular. Arco Ogival, Abóbada de cruz Nervuras HCA, Curso Turismo, Módulo 4 94
  95. 95. Panos – enchimento da abóbada A maior parte do peso é descarregado nas colunas HCA, Curso Turismo, Módulo 4 95
  96. 96. Abóbada ogival simples 4 panos HCA, Curso Turismo, Módulo 4 96
  97. 97. O arco ogival é mais dinâmico; O peso é distribuído através das nervuras do arco; O peso é descarregado nas colunas e nos contrafortes exteriores; O peso é melhor distribuído, mais fácil de sustentar. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 97
  98. 98. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 98
  99. 99. As abóbadas tornam-se mais leves, elásticas e dinâmicas; Adaptam-se às formas e dimensões dos espaços a cobrir; Permitem aumentar as áreas de construção. 99
  100. 100. As abóbadas inicialmente com 4 panos, diversificam-se, chegando a apresentar 16 panos. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 100
  101. 101. Abóbada cruzada HCA, Curso Turismo, Módulo 4 101
  102. 102. Abóbada reticulada (típica do gótico alemão) HCA, Curso Turismo, Módulo 4 102
  103. 103. Abóbada estrelada HCA, Curso Turismo, Módulo 4 103
  104. 104. Abóbada de leque (típica do gótico inglês) HCA, Curso Turismo, Módulo 4 104
  105. 105. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 105
  106. 106. Catedral de Colónia, abóbadas a cerca de 60 metros de altura HCA, Curso Turismo, Módulo 4 106
  107. 107. Mais leves, as abóbadas elevam-se cada vez mais alto (de acordo com a estética da época), impulso vertical; Não só aumenta a altura como aumenta a proporção altura/largura: Chartes é 1:2,6, Colónia é 1:3,8 Isso obriga a reforçar os apoios exteriores com um novo tipo de contrafortes. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 107
  108. 108. Contrafortes góticos HCA, Curso Turismo, Módulo 4 108
  109. 109. Botaréu Arcobotantes HCA, Curso Turismo, Módulo 4 109
  110. 110. Pináculos HCA, Curso Turismo, Módulo 4 110
  111. 111. Contraforte gótico é constituído por: Botaréu (elemento maciço e vertical, adossado às paredes das naves laterais); Arcobotantes (meios arcos) que ajudam a descarregar o peso da nave central nos botaréus, quando as construções se tornam mais altas constroem-se arcobotantes duplos. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 111
  112. 112. A construção de catedrais góticas assentou: Abóbadas de cruzaria ogival; Apoiadas num novo e complexo sistema de pilares e contrafortes. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 112
  113. 113. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 113
  114. 114. Chão de risco, Catedral de Wells Guindaste A complexidade da obra obrigou a um planeamento cuidadoso e a utilização de maquinaria HCA, Curso Turismo, Módulo 4 114
  115. 115. Principais inovações técnicas: Arco ogival; Vários tipos de abóbadas (cruzaria ogival), mais altas; Novo contraforte: botaréu, arcobotantes; Complexo sistema de contrafortes e pilares; HCA, Curso Turismo, Módulo 4 115
  116. 116. Inovações técnicas; Nova estética; Alterações das estruturas formais HCA, Curso Turismo, Módulo 4 116
  117. 117. Sainte-Chapelle - cabeceira HCA, Curso Turismo, Módulo 4 117
  118. 118. A técnica teve consequências ao nível estético: A altura das abóbadas aumentou; Pilares e colunas adelgaçaram-se; Acentua-se a verticalidade; As paredes libertem-se do papel de suporte – rasgam-se amplas janelas; Criando interiores fortemente iluminados. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 118
  119. 119. Crescente verticalidade; Novo aproveitamento da luz. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 119
  120. 120. A nova estética introduz alterações nas formas, dimensões e estruturas dos edifícios; Criou novas tipologias na arquitetura civil; Palácios urbanos e casas comunais. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 120
  121. 121. Nova estética: Crescente verticalidade; Novo aproveitamento da luz. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 121
  122. 122. Inovações técnicas; Nova estética; Alterações das estruturas formais HCA, Curso Turismo, Módulo 4 122
  123. 123. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 123
  124. 124. A catedral (A casa de Deus) pelas suas dimensões evidenciava-se na paisagem urbana; Era o centro religioso, cultural, social e por vezes económico da cidade; A conceptualização inicial cabia aos encomendadores – os bispos ou aos reis. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 124
  125. 125. A catedral gótica reflete a estruturação do pensamento filosófico escolástico; Ao mesmo tempo que se divide o texto em capítulos; O plano da catedral é dividido em várias ordens de naves e em vários níveis de elevação. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 125
  126. 126. Cabeceira Transepto Naves A catedral é tripartida - planta HCA, Curso Turismo, Módulo 4 126
  127. 127. Arcadas (tripartido) Trifório (tripartido) Clerestório (tripartido) Paredes laterais tripartidas HCA, Curso Turismo, Módulo 4 127
  128. 128. Notre Dame de Paris HCA, Curso Turismo, Módulo 4 128
  129. 129. Inicialmente as paredes laterais apresentavam 4 divisões, a galeria desaparece a partir do século XIII Clerestório Trifório Galeria HCA, Curso Turismo, Módulo 4 129
  130. 130. Catedral de Laon HCA, Curso Turismo, Módulo 4 130
  131. 131. A elaboração do projeto cabe aos mestres-pedreiros (arquitetos e engenheiros); A planificação obedecia a uma planificação e a cálculos matemáticos e geométricos; Os arquitetos do gótico necessitavam de ser cultos. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 131
  132. 132. Catedrais góticas ( tal como no românico): Planta em cruz latina; Cabeceira virada para este; Geralmente 3 naves, por vezes, 5 naves; No entanto surgem alterações. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 132
  133. 133. Planta de Chartres Planta de Paris HCA, Curso Turismo, Módulo 4 133
  134. 134. Transepto de 3 ou 5 naves, quase tão largo como o corpo principal, mas torna-se menos saliente; Cabeceira mais complexa, ocupa cerca de um terço da área da igreja, o deambulatório, por vezes duplo, prolonga-se até ao transepto. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 134
  135. 135. Fachada da Catedral de Reims Rosácea HCA, Curso Turismo, Módulo 4 135
  136. 136. Surgem enormes rosáceas nas fachadas; As aberturas, revestidas por vitrais coloridos, permitem um interior iluminado, de acordo com a teologia Deus-Luz; Eliminam-se as barreiras físicas entre as diversas partes da igreja; A Igreja é concebida como um todo. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 136
  137. 137. Catedral de Chartres, fachada Catedral de Reims, fachada Gablete Agulhas Torres sineiras Exterior das catedrais HCA, Curso Turismo, Módulo 4 137 A catedral de Chartres
  138. 138. Portais góticos: Tornam-se mais esguios e monumentais; Normalmente portal triplo; HCA, Curso Turismo, Módulo 4 138
  139. 139. Notre Dame,Paris Torre do Cruzeiro HCA, Curso Turismo, Módulo 4 139
  140. 140. A noção de verticalidade era acentuada pelas agulhas, pináculos, torres; Escondiam-se as linhas horizontais, acentuavam-se as linhas verticais; O exterior foi abundantemente decorado com estatuária e relevo pintado. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 140
  141. 141. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 141
  142. 142. Novas tipologias: Transepto – menos saliente; Cabeceira – ocupa de um terço da área da igreja, o deambulatório, por vezes duplo, prolonga-se até ao transepto; As aberturas, revestidas por vitrais coloridos; A noção de verticalidade era acentuada pelas agulhas, pináculos, torres. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 142
  143. 143. O gótico nasceu em França, durante o século XIII, mais tarde surgiu noutros países onde deu origem a escolas próprias – Variações regionais; HCA, Curso Turismo, Módulo 4 143
  144. 144. A Catedral de Amiens é por muitos considerada a mais perfeita das catedrais francesas; Foi construída por Robert de Luzarches, Tomás de Cormont e René de Cormont; c.1220 a 1247. A catedral de Notre-Dame de Amiens, França HCA, Curso Turismo, Módulo 4 144
  145. 145. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 145
  146. 146. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 146
  147. 147. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 147
  148. 148. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 148
  149. 149. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 149
  150. 150. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 150
  151. 151. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 151
  152. 152. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 152
  153. 153. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 153
  154. 154. Catedral de Salisbury King’s College Inglaterra HCA, Curso Turismo, Módulo 4 154
  155. 155. Cabeceiras quadradas; Duplo transepto; Abóbadas de leque; Em Inglaterra o gótico prolongou-se até ao século XIX (através do Neogótico). HCA, Curso Turismo, Módulo 4 155
  156. 156. Catedral de Friburgo Igreja de Santa Cruz Alemanha HCA, Curso Turismo, Módulo 4 156
  157. 157. Alemanha: Torre única na fachada; Igrejas-salão (3 naves com a mesma altura); Abóbadas reticuladas HCA, Curso Turismo, Módulo 4 157
  158. 158. Catedral Nova de Salamanca Espanha HCA, Curso Turismo, Módulo 4 158
  159. 159. Espanha: Decoração com motivos de influência árabe, estilo plateresco. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 159
  160. 160. Catedral de Siena Itália HCA, Curso Turismo, Módulo 4 160
  161. 161. Itália Utilizam o arco em ogiva mas não há impulso vertical; Paredes com poucas aberturas; Pintura mural em vez de vitral. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 161
  162. 162. Fase final do gótico, século XV, surge o gótico flamejante HCA, Curso Turismo, Módulo 4 162
  163. 163. Catedral de Milão HCA, Curso Turismo, Módulo 4 163
  164. 164. A casa Comunal, Palácio Vecchio, Florença Arquitectura civil HCA, Curso Turismo, Módulo 4 164
  165. 165. O castelo – Castelo de Vayres, França HCA, Curso Turismo, Módulo 4 165
  166. 166. Palácio urbano – Casa de Jacques Coeur, Bégica HCA, Curso Turismo, Módulo 4 166
  167. 167. O Gótico em Portugal HCA, Curso Turismo, Módulo 4 167
  168. 168. Gótico desenvolve-se após o fim da Reconquista e prolonga-se até ao século XVI (Manuelino); Norte apego ao Românico; Gótico ligado às ordens monásticas ; Seguindo os princípios estéticos franceses o gótico português foi simples. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 168
  169. 169. Igreja do Mosteiro de Alcobaça, 1178-1252 HCA, Curso Turismo, Módulo 4 169
  170. 170. Alcobaça, interior Igreja de Santa Clara, Coimbra Igreja de Leça do Balio HCA, Curso Turismo, Módulo 4 170
  171. 171. Características do gótico português até ao século XV: Dimensões modestas; Verticalidade menos acentuada; Janelas pequenas e em número reduzido; Contrafortes “românicos”; Decoração menos rica e abundante. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 171
  172. 172. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 172
  173. 173. No século XV, inicia-se a construção do Mosteiro da Batalha (apogeu do gótico português) – reinado de D. João I; Afonso Domingues fez o projeto inicial. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 173
  174. 174. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 174
  175. 175. Arcobotantes; Mais iluminação; Maior decoração; Apresenta um aspeto mais próximo das grandes catedrais europeias; Influenciou a Igreja do Convento do Carmo (Lisboa), Igreja de Vila Franca do Campo (Açores), etc.. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 175
  176. 176. No final do século XV, surge o Manuelino (reinados de D. Manuel I e D. João III) HCA, Curso Turismo, Módulo 4 176
  177. 177. Planta de Igreja do Manuelino, Portal do Mosteiro dos Jerónimos HCA, Curso Turismo, Módulo 4 177
  178. 178. Janela e Portal do Convento de Cristo, Tomar Torre de Belém, Lisboa HCA, Curso Turismo, Módulo 4 178
  179. 179. Mantém a estrutura gótica; Igrejas-salão (alturas das naves igual); Ornamentação exuberante (rendilhado na pedra); Influências: gótico plateresco, gótico flamejante; Decoração inspirada nos Descobrimentos: cordas, velas, motivos marítimos e na Heráldica: brasões, esfera armilar. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 179
  180. 180. Escultura e Pintura gótica http://divulgacaohistoria.wordpress.com/
  181. 181. A Escultura Gótica HCA, Curso Turismo, Módulo 4 181
  182. 182. Principais características da escultura gótica: Proporcionalidade, Expressividade, Humanização, Naturalismo; Maior liberdade criativa; Mensagem: doçura, beleza, graciosidade, desejo de viver; A escultura era realizada nas oficinas e depois colocada (pousada) nos seus lugares. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 182
  183. 183. Gótico inicial Gótico pleno HCA, Curso Turismo, Módulo 4 183
  184. 184. Gótico inicial: Estátuas em pose rígida e pouco natural; Os rostos vão-se individualizando; As esculturas são coloridas com cores convencionais e simbólicas: Cabelos louros, vestes policromadas, etc. Gótico inicial HCA, Curso Turismo, Módulo 4 184
  185. 185. Gótico pleno (século XIII/XIV): Estátuas ( e relevos) mais naturalistas e realistas; Pose em “S”, quase em contraposto, maior correção anatómica; Os rostos (com mais pormenores) refletem sensibilidade, ternura – é a humanização do céu; A expressão procura exprimir a perfeição espiritual. Gótico pleno HCA, Curso Turismo, Módulo 4 185
  186. 186. A escultura gótica atingiu o seu auge, em Itália, com Nicola e Giovanni Pisano Nicola Pisano, Natividade HCA, Curso Turismo, Módulo 4 186
  187. 187. Nicola e Giovanni Pisano, Natividade HCA, Curso Turismo, Módulo 4 187
  188. 188. Giovanni Pisano, Madona HCA, Curso Turismo, Módulo 4 188
  189. 189. Nos finais do século XIV e XV, fruto da Peste Negra e da crise religiosa surge uma representação onde a dor e o sofrimento transparecem, sobretudo na Alemanha; Pietà da Renânia, XV HCA, Curso Turismo, Módulo 4 189
  190. 190. A escultura decorativa: as fachadas e portais das catedrais Catedral de Reims HCA, Curso Turismo, Módulo 4 190
  191. 191. Catedral de Chartres HCA, Curso Turismo, Módulo 4 191
  192. 192. Horror ao vazio; Estátuas, relevos, pináculos, flechas, rosáceas, vitrais; Um dos elementos fundamentais é o tímpano dos portais, agora com gablete; Temas: Cristo em Majestade, Juízo Final, Nascimento de Cristo, episódios da Vida de Santos. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 192
  193. 193. A Arte de decorar os portais atingiu o seu auge em Amiens HCA, Curso Turismo, Módulo 4 193
  194. 194. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 194
  195. 195. Em contraste com o exterior o interior é discreto – limita- se aos púlpitos e capitéis HCA, Curso Turismo, Módulo 4 195
  196. 196. Estátuas jacentes HCA, Curso Turismo, Módulo 4 196
  197. 197. No século XIII tornou-se moda as estátuas jacentes – decorando os túmulos; A evolução é semelhante – evoluiu no sentido de um maior naturalismo e expressividade. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 197
  198. 198. Final do século XIII é agitado: Papa em Avinhão, declínio do sistema feudal; O gótico final revela preocupações humanistas; Na escultura com Nicola e Giovanni Pisano. Pintura Gótica HCA, Curso Turismo, Módulo 4 198
  199. 199. Pintura evolui a partir de 4 técnicas distintas: Vitral; Iluminura; Pintura sobre madeira (Flandres); Fresco (Itália) HCA, Curso Turismo, Módulo 4 199
  200. 200. A pintura do século XIV, foi chamada de Estilo Internacional ou Estilo 1400; Várias influências e gostos: Bizantinas (dourados); Realismo e verismo; Nova conceção espacial (Itália); Refinado tratamento técnico (Flandres) HCA, Curso Turismo, Módulo 4 200
  201. 201. Vitral HCA, Curso Turismo, Módulo 4 201
  202. 202. Apogeu entre 1200 e 1600; Substituiu a pintura mural; A essência é a luz e provocar o êxtase religioso; Temática religiosa; Formas simples e lineares, contornadas por fios de chumbo. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 202
  203. 203. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 203
  204. 204. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 204
  205. 205. A iluminura HCA, Curso Turismo, Módulo 4 205
  206. 206. As iluminuras passaram a ser realizadas por iluminadores profissionais nas cidades; Mais realista, mas interessou-se tardiamente pela representação do espaço, isto é, tentar representar em perspetiva; Temática essencialmente religiosa; Divulgação dos Livros de Horas; Riqueza cromática. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 206
  207. 207. Retábulo (Díptico) Melchior Broederlam Díptico de Wilton HCA, Curso Turismo, Módulo 4 207 Retábulos – são obras de arte concebidas para serem colocadas em altares.
  208. 208. No Estilo Internacional também se executou Pintura mural (embora as igrejas tivessem poucas paredes) e sobre madeira (retábulos). HCA, Curso Turismo, Módulo 4 208
  209. 209. Retábulos Díptico, Tríptico, Políptico HCA, Curso Turismo, Módulo 4 209
  210. 210. As igrejas italianas tinham poucas janelas; As cidades italianas tornaram-se cidades-estado, Florença, Veneza, Milão, Pisa, etc.; Prosperidade económica; Grande desenvolvimento artístico; Desenvolvimento do humanismo. A pintura em Itália HCA, Curso Turismo, Módulo 4 210
  211. 211. Cimabue (c. 1240-1329) Maestá HCA, Curso Turismo, Módulo 4 211
  212. 212. Duccio (c. 1255-1318), Entrada de Cristo em Jerusalém HCA, Curso Turismo, Módulo 4 212
  213. 213. Cimabue e Duccio iniciaram a renovação da pintura, sobretudo pela rutura com a tradição bizantina; Introduzem na pintura uma maior naturalidade; HCA, Curso Turismo, Módulo 4 213
  214. 214. O grande génio da pintura gótica italiana é Giotto, aluno de Cimabue (c. 1267-1337) HCA, Curso Turismo, Módulo 4 214
  215. 215. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 215
  216. 216. 216
  217. 217. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 217
  218. 218. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 218
  219. 219. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 219
  220. 220. Giotto, capela dos Scroveni HCA, Curso Turismo, Módulo 4 220
  221. 221. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 221
  222. 222. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 222
  223. 223. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 223
  224. 224. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 224
  225. 225. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 225
  226. 226. Giotto, famoso na época; Foi o primeiro a tentar pintar em perspetiva, procurando representar a terceira dimensão; Procura pintar os objetos como os vemos; Pintura expressiva; Foi o principal pioneiro daquilo que viria a ser a maior revolução na arte – O Renascimento do século XV. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 226
  227. 227. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 227
  228. 228. Ambrogio Lorenzetti, O Bom governo da cidade (1338-40) Irmãos Lorenzetti, revelam influências de Giotto HCA, Curso Turismo, Módulo 4 228
  229. 229. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 229 Obra pintada no Palácio Público de Siena; Em finais do século XIII, Siena era uma das mais prósperas repúblicas italianas; Expulsou os nobres da cidade e era governada pela burguesia mercantil; O tema deste fresco celebra o resultado dessa governação; Mostra-nos a vida quotidiana da cidade, próspera, fruto do bom governo.
  230. 230. Na Flandres desenvolve-se um gótico mais tardio (século XV): Inventaram a técnica do óleo: Seca lentamente, podia ser retocada; Tornava possível as velaturas (transparências); Empastes (grande espessura de tinta); Gradações cromáticas. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 230
  231. 231. Mestre Flémalle, A Virgem e o Menino HCA, Curso Turismo, Módulo 4 231
  232. 232. Mestre Flémalle, A Virgem e o Menino HCA, Curso Turismo, Módulo 4 232
  233. 233. Rogier van der Weyden (c. 1400 – 1464), Tríptico de Columba HCA, Curso Turismo, Módulo 4 233
  234. 234. Pintam as cenas religiosas com um enquadramento de atualidade; Grande preocupação com o pormenor; Retrato com grande realismo; No entanto mantém a simbologia medieval. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 234
  235. 235. Jan van Eyck (1390 – 1441), O casamento dos Arnolfini Simbolismos: o cão, os pés descalços, a cama, os frutos, etc. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 235
  236. 236. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 236
  237. 237. Jan van Eyck, A anunciação HCA, Curso Turismo, Módulo 4 237
  238. 238. Jan van Eyck, Políptico, 1432 HCA, Curso Turismo, Módulo 4 238
  239. 239. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 239
  240. 240. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 240
  241. 241. Jan van Eyck (c. 1390-1441), foi o grande divulgador da técnica do óleo; É considerado o grande génio da pintura flamenga do século XV; O irmão Hubert van Eyck, também foi um pintor de renome. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 241
  242. 242. Hugo van der Goes , Tríptico dos Portinari HCA, Curso Turismo, Módulo 4 242
  243. 243. Hieronymus Bosch (c. 1450-1516), Cristo carregando a cruz HCA, Curso Turismo, Módulo 4 243
  244. 244. H.Bosch, A Morte do avarento HCA, Curso Turismo, Módulo 4 244
  245. 245. H.Bosch, A Morte do Condenado HCA, Curso Turismo, Módulo 4 245
  246. 246. Pintor de visões macabras e apocalípticas, sem paralelo no seu tempo; Imagens fantásticas e bizarras; A presença do pecado e a condenação; Sermões visuais. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 246
  247. 247. Ainda sob o signo de Alá: dos reinos de taifas ao reino de Granada http://divulgacaohistoria.wordpress.com/
  248. 248. O contexto histórico: Desde o século VII ao XI o mundo islâmico esteve unido (dinastias omíada e abássida): No século XI dá-se a fragmentação política. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 248
  249. 249. No Oriente surgem novas dinastias: Seljúcidas, Iljanis, Fatimitas; No Ocidente (Península Ibérica) cai o califado de Córdova dando origem aos reinos de taifas (pequenos reinos envolvidos em guerras entre eles); Aproveitando a instabilidade a Reconquista Cristã avança. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 249
  250. 250. Reis das taifas pedem ajuda às dinastias berberes do Norte de África; Surgem os Almorávidas e depois os Almóadas; O domínio islâmico na Península Ibérica sobreviveu até 1492 (queda do reino de Granada, dinastia nazari). HCA, Curso Turismo, Módulo 4 250
  251. 251. A arte dos reinos taifas: Desenvolvimento da arte do período anterior (Califado de Córdova), com inovações: Arquitectura: O tijolo, estuque e argamassa substituem a pedra e o mármore; Decoração abundante e exagerada – predomínio dos motivos florais; Arte luxuosa mas frágil. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 251
  252. 252. Alcáçova (cidadela) de Malága HCA, Curso Turismo, Módulo 4 252
  253. 253. Palácio da Aljaferia, Saragoça Sala interior Mesquita Sala do trono 253HCA, Curso Turismo, Módulo 4
  254. 254. Palácio da Aljaferia, Saragoça Entrada principal Pormenor arco HCA, Curso Turismo, Módulo 4 254
  255. 255. Arte dos Almorávidas: Primeira fase – arte de uma grande sobriedade decorativa, mesquitas sem minarete; Segunda fase – arte de uma maior monumentalidade. 255 Torre do Ouro – construção militar
  256. 256. Arte almóada: Simplicidade decorativa e uma grande monumentalidade. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 256 Alcázar de Sevillha Salão dos Embaixadores Abóbada Arcos da entrada
  257. 257. Arte nasride (ou nazari), Granada: Dois tipos de arquitetura: Uma funcional – utiliza materiais baratos – muralhas, banhos públicos, etc.; Outra mais luxuosa – utiliza mármores, azulejos, decoração vegetalista e geométrica – palácios. 257HCA, Curso Turismo, Módulo 4
  258. 258. Alhambra, Granada Pátio dos Leões Vista geral Fortaleza vermelha HCA, Curso Turismo, Módulo 4 258
  259. 259. Arte mudéjar: Arte praticada por artífices árabes, sob encomenda cristã, e em construções cristãs; Mantém características técnicas e estéticas da arte islâmica Vai-se manter após a reconquista. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 259
  260. 260. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 260 É uma arte que mistura os elementos cristão e árabes: Na Arquitectura desenvolveu um novo tipo de igreja: Planta basilical, 3 naves separadas por arcadas em ferradura; Torre sineira quadrada em forma de minarete; A partir do século XIII (influência do gótico) passam a ser mais altas;
  261. 261. É uma arte que mistura os elementos cristão e árabes; Na arquitetura desenvolveu um novo tipo de igreja: Planta basilical, 3 naves separadas por arcadas em ferradura; Torre sineira quadrada em forma de minarete; A partir do século XIII (influência do gótico) passam a ser mais altas. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 261
  262. 262. HCA, Curso Turismo, Módulo 4 262
  263. 263. Igreja de San Salvador, Teruel, século XIV 263HCA, Curso Turismo, Módulo 4
  264. 264. Igreja de Santo Tirso de Sahagún, século XII 264HCA, Curso Turismo, Módulo 4
  265. 265. Igreja de San Martin, Arévalo, século XIII Esta a apresentação foi construída tendo por base o manual, História da Cultura e das Artes,, Ana Lídia Pinto e outros, Porto Editora, 2011 HCA, Curso Turismo, Módulo 4 265
  266. 266. 1118 Início da centralização do poder real 1130 Construção das primeiras igrejas góticas 1140 D. Afonso Henriques é proclamado rei 1171 Formação do Banco de Veneza Cronologia do século XII
  267. 267. 1212 Criação dos estatutos da Universidade de Paris 1214-74 Vida de S. Tomás de Aquino 1236 Fábrica de tapeçarias e miniaturas na Flandres 1260-91 Viagem de Marco Pólo 1281 Formação da Liga Hanseática 1290 Fundação dos Estudos gerais em Coimbra 1292 Dante começa a Divina Comédia Cronologia do século XIII
  268. 268. 1315 Chuvas, fomes, maus anos agrícolas 1328 Revoltas camponesas em França 1337 Inicio da Guerra dos Cem anos 1346-53 Peste Negra 1378-1417 Grande Cisma do Ocidente 1383-85 Crise da Independência em Portugal 1400 44 Universidades na Europa Cronologia do século XIV
  269. 269. 1420 Brunelleschi inicia a construção da cúpula da Catedral de Floença 1445 Formação de grandes grupos financeiros como o de Jacques Coeur 1452-1519 Vida de Leonardo da Vinci 1453 Fim da Guerra dos Cem Anos 1453 Constantinopla é conquistada pelos turcos – fim da Idade Média, inicio da Idade Moderna 1455 Impressão da Bíblia - Gutenberg Cronologia do século XV
  270. 270. Estudo comparado do contexto histórico-cultural do românico com o gótico
  271. 271. Cultural • Românico • Monopólio cultural dos mosteiros. • Gótico • Mosteiros; • Escola das catedrais urbanas; • Universidades: • Filosofia escolástica; • Fim do monopólio cultural da igreja, cultura cortesã.
  272. 272. Social • Românico • Sociedade feudal tripartida: • Povo (trabalha); • Clero (reza); • Nobreza (combate). • Gótico • Sociedade feudal em decadência: • Desenvolvimento da burguesia (económico, social e político).
  273. 273. Demográfico • Românico • Estagnação, diminuição • Gótico • Crescimento séculos XII e XIII; • Diminuição no século XIV. • Crescimento no século XV.
  274. 274. Político • Românico • Poder real diminuiu; • Poder dividido pelos senhores feudais; • Gótico • Concentração do poder real; • Importância das cidades; • Importância das corporações. Esta a apresentação foi construída tendo por base o manual, História da Cultura e das Artes,, Ana Lídia Pinto e outros, Porto Editora, 2011

×