SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Baixar para ler offline
Resumo
Farmacologia
É a ciência que estuda a história, as propriedades físicas e químicas, os efeitos
bioquímicos e fisiológicos, o mecanismo de ação, a absorção, distribuição,
biotransformação, excreção e os usos terapêuticos dos fármacos.
Urgência e emergência
Urgência ocorre quando o paciente tem uma situação que precisa ser resolvida
imediatamente como, fortes dores abdominais, dores de cabeça repentinas,
dores de dente, estética e outros quadros que necessitem de atendimento
imediato.
A emergência médica ocorre quando o paciente se encontra em risco de morte
iminente e necessita de uma ação rápida, intervenção imediata de
conhecimento médico e de obrigação do cirurgião dentista.
Avaliação de Sinais Vitais
Frequência e Ritmo Cardíaco
Qualquer artéria acessível. A. Radial, A. Braquial, A. Carótida.
Frequência Respiratória
Não dizer ao paciente. Avaliar logo após o pulso.
Pressão Sanguínea Arterial
Aparelhos (manuais ou eletrônicos) devem ser periodicamente testados e
calibrados;
Devem ser feitas 2 vezes, com intervalos de 1-2 min;
Sempre na consulta inicial ou toda consulta em pacientes cardiopatas ou
hipertensivos.
Estresse
Ansiedade
• Ansiedade de Associação - gatilhos como agulha, carpule, fórceps.
• Ansiedade de Avaliação - rememoração de experiências negativas.
Medo
• Medo condicionado a estímulos específicos – sons, odores, agulhas.
• Medo de reações somáticas que podem acontecer – reações alérgicas,
desmaio.
• Falta de confiança no Cirurgião Dentista.
Sintomas do Medo e Ansiedade
• Dilatação das pupilas;
• Palidez da pele;
• Transpiração excessiva;
• Hiperventilação;
• Sensação de formigamento nas extremidades;
• Aumento da Pressão Arterial e Frequência Cardíaca.
Medicação para controlar o estresse
 Diazepam 5 mg — 1 comprimido. "45 a 60’ antes do atendimento"
 Lorazepam 1 mg — 1 comprimido. "2h antes do atendimento"
 Alprazolam 0,5 mg — 1 comprimido. "1h antes do atendimento"
Dor
Dor é uma experiência sensorial ou emocional desagradável que ocorre em
diferentes graus de intensidade do desconforto até a agonia podendo resultar
da estimulação do nervo em decorrência de lesão, doença ou distúrbio
emocional.
A dor aguda se manifesta por um período curto e com causas facilmente
identificáveis
Clinicamente, uma dor crônica é aquela que dura mais que seis meses, sendo
constante e sem fim.
Dores cutâneas são quando ocorre uma lesão na pele, receptores sensoriais
enviam sinais que causam a percepção da dor são ativados.
Uma dor somática tem origem nos ligamentos, ossos, tendões, vasos
sanguíneos e nervos.
A dor visceral vem de dentro dos órgãos e cavidades internas do corpo.
Produz uma sensação dolorida e de maior duração do que a dor somática,
muito difícil de localizar.
Medicamentos utilizados
Analgésicos
Ácido acetilsalicílico (Aspirina)
Paracetamol
Ibuprofeno
Naproxeno
Lipotimia e Síncope
A lipotimia é a sensação de desmaio, sem que esse, efetivamente ocorra. Mal
estar passageiro e de curta duração. Estão quase sempre ligadas a fatores
emocionais: visualização de sangue, do instrumental e etc.
A síncope é uma breve perda da consciência ou desmaio. Ela ocorre quando
não há oxigênio suficiente circulando pelo sangue para irrigar o cérebro.
Síncope Vasovagal: É a mais comum, causada por fatores emocionais e não
emocionais.
Síncope vasodepressora: Pacientes que tentam ''lutar ou fugir'', pelo ''pavor'' à
cadeira de dentista.
Síncope do seio carotídeo: Rara, e mais comum em idosos. Sensibilidade do
seio carotídeo.
Síncope associada à insuficiência vertebro-basilar: Mais comum em idosos.
Relacionada com a hiperextensão da cabeça.
Síncope associada às arritmias cardíacas: Raro.
Protocolo de atendimento:
Nesta situação, a vítima deve ser colocada sentada com o corpo para frente e
a cabeça mais baixa que o tórax.
- Na fase de inconsciência, verificar respiração e pulso;
- Manter o ambiente ventilado;
- Elevar membros superiores.
Crise aguda de Asma
É a síndrome inflamatória crônica caracterizada pela limitação do fluxo aéreo,
sendo reversível espontaneamente ou com tratamento.
Fatores desencadeantes do Broncoespasmo: Estresse físico ou emocional,
poluentes e irritantes ambientais, drogas como AAS e AINES, ar frio e etc.
Sintomas: Falta de ar, chiado e aperto no peito, tosse e cianose.
Como prevenir: Sempre ter o broncodilatador em mãos, oxigênio sempre
disponível, uso profilático do broncodilatador e etc.
Medicamentos: de preferência felipressina.
Protocolo de atendimento
- Interromper o tratamento e remover todo o material da boca do paciente.
- Insufle cinco aplicações de Aerolin em um saco de papel e peça para o
paciente inspirar.
- Sem regressão: 0,3ml de solução de adrenalina 1:1000, via subcutânea.
Convulsão
Convulsão é um distúrbio que tem como características a contração muscular
involuntária. As causas podem ser febre, traumas cranianos, abstinência de
álcool e outras drogas, falta de oxigenação no cérebro entre outras. Os
sintomas dependem do tipo de convulsão na crise de ausência o paciente fica
com o olhar perdido, como se estivesse em outro mundo, e não responde
quando chamadas; já no tipo tônico-clônica o paciente tem a perda súbita da
consciência, na fase tônica os músculos ficam endurecidos e estendidos. Em
seguida, a pessoa entra na fase clônica com contrações rítmicas, repetitivas e
incontroláveis.
Medicamentos utilizados
No tratamento o paciente deve estar usando diariamente os medicamentos
anticonvulsivos como fenitoina, fenobarbital, carbamezapina entre outros.
Angina de peito
Angina é a dor ou desconforto no peito quando os músculos cardíacos não
recebem sangue suficiente. Pode ser causada por doença arterial coronariana,
anormalidades na válvula aórtica, espasmo arterial, anemia grave entre outras.
Em geral, a dor é mais intensa durante a atividade física e diminui durante o
repouso. Alguns tipos de angina, entretanto, podem causar dor mesmo quando
a pessoa está em repouso ou dormindo. É uma dor que pode irradiar-se pela
mandíbula e pelos ombros ou braços (mais comum no lado esquerdo do
corpo).
Medicamentos utilizados
O tratamento inclui mudanças no estilo de vida e medicamentos como Nitratos
(Dinitrato de isossorbida e Mononitrato de isossorbida), Beta-bloqueadores
(atenolol e propranolol), Bloqueadores dos canais de cálcio (verapamil e
anlodipino) e Aspirina.
Infarto do miocárdio
O sintoma clássico é uma dor em aperto no lado esquerdo ou no centro do
peito podendo irradiar para o pescoço ou para o braço esquerdo, porém em
cerca de 15% dos casos, o sintoma pode ser atípico com dor no lado direito do
peito, suor, enjoo, vômitos, dor no estômago, falta de ar, tonteira
ou palpitações.
Esta dor tem duração maior que 10 minutos, pode ter diferentes intensidades
ou ainda sumir e voltar espontaneamente.
Infelizmente, nem todos os pacientes têm este sintoma. Os diabéticos, por
exemplo, podem ter um infarto sem apresentar dor.
Medicamentos utilizados
Aspirina
Oxigênio
Beta-bloqueadores
Nitratos (nitroglicerina)
Inibidores da ECA (enzima de conversão da angiotensina Inibidores dos
receptores).
Hipoglicemia aguda
Hipoglicemia é um problema que ocorre quando o nível de açúcar no sangue
(glicose) encontra-se muito baixo.
Pode ser ameaçador à vida, podendo ocorrer em indivíduos diabéticos (mais
comum) ou não diabéticos.
Pessoas com hipoglicemia aguda são tratadas com injeções de glicose ou com
o hormônio glucagon. O tratamento imediato é necessário para evitar
complicações sérias ou morte.
O tratamento imediato pode ser feito carboidratos por via oral (água com
açúcar ou Dextrosol, suco de laranja, refrigerantes), a cada 5 minutos, até os
sintomas desaparecerem; caso o paciente não esteja respondendo aos
estímulos administrar uma solução de glicose 25% (ampola 10 ml), via
intravenosa, em injeção lenta (se habilitado);
Choques
O choque é uma situação em que algumas alterações no corpo podem levar a
morte. Os tipos de choque são: Choque anafilático: Causado por uma alergia
grave; Choque neurogênico:Causado por alguma lesão na medula espinhal;
Choque metabólico: Causado por grande perda de líquidos no corpo, diarreia,
vômitos, insulina e outros; Choque: Causado pela perda de mais de 1 litro de
sangue; Choque psicogênico: Causado por algum fator psicológico, stress,
medo, ansiedade e outros; Choque séptico: Causado pela invasão ao corpo
por muitos microrganismos como vírus, bactérias ou fungos, vindos de uma
infecção local ou vindas do meio externo, chegando à corrente sanguínea,
contaminando todo o corpo, e Choque cardiogênico: Causado por alguma
situação que leve ao mau funcionamento do coração. O estado de choque é
uma situação grave que requer atendimento médico imediato. Alguns
pacientes alérgicos costumam ter uma medicação antialérgica (Epinefrina) no
bolso ou na carteira, pergunte a ele e se for o caso dê a medicação o mais
rápido possível. Chamar uma ambulância o mais rápido possível. Enquanto
espera, tente perceber o que causou a reação alérgica, se foi uma picada de
inseto ou cobra, por exemplo, retire o ferrão do animal da pele e aplique uma
pedrinha de gelo no local, amarre com força um tecido limpo alguns
centímetros acima da mordedura do animal, para diminuir a disseminação do
veneno.
Medicamentos
Adrenalina;
Aminofilina;
Dobutamina
Atropina;
Dopamina;
Hidrocortisona.
Crise hipertensiva
Crise hipertensiva é a elevação, repentina, rápida, severa, inapropriada e
sintomática da pressão arterial, em pessoa normotensa ou hipertensa. Os
órgãos alvo da crise hipertensiva são: os olhos, rins, coração e cérebro.
As situações patológicas que atuam sobre a resistência periférica podem ter
inúmeras origens: neurológicas, vasculares, medicamentosas, drogas e
secreção excessiva, inapropriada de hormônios. Muitas vezes, os pacientes
têm pseudocrises hipertensivas. Esses pacientes, apesar de níveis elevados de
pressão arterial, não têm evidências de deterioração rápida dos órgãos alvo e
nem risco de vida. A internação com sucesso evita danos severos e lesões
irreversíveis que podem levar o paciente ao óbito, como infarto agudo, edema
agudo de pulmão, encefalopatia hipertensiva e acidentes vasculares cerebrais
isquêmicos ou hemorrágicos graves.
A intervenção deve ser de intensidade correspondente à gravidade da crise
para evitar as complicações e também para impedir que a hipertensão se torne
acelerada ou "maligna".
A verdadeira crise hipertensiva requer hospitalização, atendimento intensivo e
imediato com medicações e cuidados especiais, quase sempre do gênero de
vasodilatadores potentes de uso endovenoso que diminuam bastante a
resistência periférica alterada.
Medicamentos utilizados
Captopril;
Nifedipino;
Atenolol;
Clonidina.
AVE
AVE (Acidente Vascular Encefálico) também conhecido como AVC ( acidente
vascular cerebral), e popularmente derrame cerebral, se caracteriza pelo
entupimento ou rompimento de algum vaso sanguíneo no cérebro. Os sintomas
e lesões causadas pelo acidente vascular cerebral dependem do tipo de AVE
que o indivíduo sofreu e do local onde a veia cerebral se rompeu ou entupiu, e
também da idade do indivíduo. Mas quase todos os pacientes
Tratamento para AVE
O tratamento é feito através de uma equipe multidisciplinar que inclui médicos,
fisioterapeutas, nutricionistas, psicólogos e fonoaudiólogos.
RCP
A Ressuscitação cardiopulmonar são as manobras realizadas na tentativa de reanimar uma
pessoa vítima de parada cardíaca "e/ou" respiratória.
Ela tem como finalidade fazer com que o coração e pulmão a voltem as suas
funções normais. Conforme aprendemos nos sinais vitais isto é necessário
para a manutenção da oxigenação do cérebro, o qual não pode passar mais de
alguns minutos sem ser oxigenado, sob pena disto gerar lesões irreversíveis.
Medicamentos utilizados
Drogas podem ser administradas imediatamente, antes, durante e após uma
parada cardiorrespiratória, como suporte para do débito cardíaco, visando à
manutenção do fluxo sanguíneo para o coração e o cérebro, como: adrenalina,
vasopressina, atropina, amiodarona, lidocaína e bicabornato de sódio.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005Rodrigo Abreu
 
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
 Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)ivanaferraz
 
Diagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagemDiagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagemdanilo oliveira
 
Noções de farmacologia
Noções de farmacologiaNoções de farmacologia
Noções de farmacologiaSheilla Sandes
 
Medicamentos utilizados na urgencia
Medicamentos utilizados na urgenciaMedicamentos utilizados na urgencia
Medicamentos utilizados na urgenciaWillD12
 
Aula De Drogas Vasoativas
Aula De Drogas VasoativasAula De Drogas Vasoativas
Aula De Drogas Vasoativasgalegoo
 
Exercicios escala Enfermagem
Exercicios escala EnfermagemExercicios escala Enfermagem
Exercicios escala EnfermagemJonatan Ferreira
 
Assistência ao Paciente Grande Queimado
Assistência ao Paciente Grande QueimadoAssistência ao Paciente Grande Queimado
Assistência ao Paciente Grande QueimadoJanaína Lassala
 
Apresentação administração de medicamentos (1)
Apresentação administração de medicamentos (1)Apresentação administração de medicamentos (1)
Apresentação administração de medicamentos (1)ANDRESSA POUBEL
 
Apostila fundamentos de enfermagem
Apostila fundamentos de enfermagemApostila fundamentos de enfermagem
Apostila fundamentos de enfermagemAretusa Delfino
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentosJanaína Lassala
 
Principais Cirurgias
Principais CirurgiasPrincipais Cirurgias
Principais CirurgiasZeca Ribeiro
 

Mais procurados (20)

Urgência e emergência
Urgência e emergênciaUrgência e emergência
Urgência e emergência
 
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005Manual de anotação de enfermagem   hospital samaritano - 2005
Manual de anotação de enfermagem hospital samaritano - 2005
 
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
 Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) Comissão de  Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH)
 
Diagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagemDiagnóstico de enfermagem
Diagnóstico de enfermagem
 
Drogas vasoativas
Drogas vasoativasDrogas vasoativas
Drogas vasoativas
 
Curso UTI adulto
Curso UTI adulto Curso UTI adulto
Curso UTI adulto
 
Noções de farmacologia
Noções de farmacologiaNoções de farmacologia
Noções de farmacologia
 
Medicamentos utilizados na urgencia
Medicamentos utilizados na urgenciaMedicamentos utilizados na urgencia
Medicamentos utilizados na urgencia
 
Aula De Drogas Vasoativas
Aula De Drogas VasoativasAula De Drogas Vasoativas
Aula De Drogas Vasoativas
 
Exercicios escala Enfermagem
Exercicios escala EnfermagemExercicios escala Enfermagem
Exercicios escala Enfermagem
 
Assistência ao Paciente Grande Queimado
Assistência ao Paciente Grande QueimadoAssistência ao Paciente Grande Queimado
Assistência ao Paciente Grande Queimado
 
Apresentação administração de medicamentos (1)
Apresentação administração de medicamentos (1)Apresentação administração de medicamentos (1)
Apresentação administração de medicamentos (1)
 
Hist rico uti
Hist rico utiHist rico uti
Hist rico uti
 
Apostila fundamentos de enfermagem
Apostila fundamentos de enfermagemApostila fundamentos de enfermagem
Apostila fundamentos de enfermagem
 
Caso Clínico SAE
Caso Clínico SAECaso Clínico SAE
Caso Clínico SAE
 
Administração de medicamentos
Administração de medicamentosAdministração de medicamentos
Administração de medicamentos
 
Intoxicação exógena
Intoxicação exógenaIntoxicação exógena
Intoxicação exógena
 
CHECK LIST EM UTI
CHECK LIST EM UTICHECK LIST EM UTI
CHECK LIST EM UTI
 
Principais Cirurgias
Principais CirurgiasPrincipais Cirurgias
Principais Cirurgias
 
Classificação
ClassificaçãoClassificação
Classificação
 

Destaque

Resumo farmacologia-completo
Resumo farmacologia-completoResumo farmacologia-completo
Resumo farmacologia-completoTamara Garcia
 
Resumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicos
Resumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicosResumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicos
Resumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicosNathalya Brazil
 
Gerenciamento de recursos materiais em unidades de saúde
Gerenciamento de recursos materiais em unidades de saúdeGerenciamento de recursos materiais em unidades de saúde
Gerenciamento de recursos materiais em unidades de saúdejanuarioneto
 
Checklist de avaliação da consciência linguística
Checklist de avaliação da consciência linguísticaChecklist de avaliação da consciência linguística
Checklist de avaliação da consciência linguísticaFatima Rodrigues
 
Guia de emergencia
Guia de emergenciaGuia de emergencia
Guia de emergenciaJosé Matos
 
Aula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátrica
Aula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátricaAula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátrica
Aula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátricaClaudio Viegas
 
Pronto socorro de estudos
Pronto socorro de estudosPronto socorro de estudos
Pronto socorro de estudosLivyKey
 
Protocolo de Manejo das Hemorragias Puerperais - Maternidade Odete Valadares
Protocolo de Manejo das Hemorragias Puerperais - Maternidade Odete ValadaresProtocolo de Manejo das Hemorragias Puerperais - Maternidade Odete Valadares
Protocolo de Manejo das Hemorragias Puerperais - Maternidade Odete ValadaresCaroline Reis Gonçalves
 
Curso feridas e curativos - tecnicas e tratamentos
Curso   feridas e curativos - tecnicas e tratamentosCurso   feridas e curativos - tecnicas e tratamentos
Curso feridas e curativos - tecnicas e tratamentosSuriandia Camilo
 
Atendimento pré hospitalar de urgências obstétricas - Treinamento SAMU BH e D...
Atendimento pré hospitalar de urgências obstétricas - Treinamento SAMU BH e D...Atendimento pré hospitalar de urgências obstétricas - Treinamento SAMU BH e D...
Atendimento pré hospitalar de urgências obstétricas - Treinamento SAMU BH e D...Caroline Reis Gonçalves
 
Manual de urgências em pronto-socorro pdf
Manual de urgências em pronto-socorro pdfManual de urgências em pronto-socorro pdf
Manual de urgências em pronto-socorro pdfTâmara Lessa
 
Checklist de hudson couto
Checklist de hudson couto Checklist de hudson couto
Checklist de hudson couto Anabel Aguiar
 
Instrumentos gerenciais em serviços de saúde: Previsão e Provisão de Recursos...
Instrumentos gerenciais em serviços de saúde: Previsão e Provisão de Recursos...Instrumentos gerenciais em serviços de saúde: Previsão e Provisão de Recursos...
Instrumentos gerenciais em serviços de saúde: Previsão e Provisão de Recursos...Aroldo Gavioli
 
Aula de Receptores Farmacológicos - Química Farmacêutica e Medicinal
Aula de Receptores Farmacológicos - Química Farmacêutica e MedicinalAula de Receptores Farmacológicos - Química Farmacêutica e Medicinal
Aula de Receptores Farmacológicos - Química Farmacêutica e MedicinalMilleno Mota
 
Aula 5 metodologia do planejamento em enfermagem ppt
Aula 5 metodologia do planejamento em enfermagem pptAula 5 metodologia do planejamento em enfermagem ppt
Aula 5 metodologia do planejamento em enfermagem pptIsmael Costa
 
Implantação da cirurgia segura
Implantação da cirurgia seguraImplantação da cirurgia segura
Implantação da cirurgia seguracmecc
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.Jaqueline Almeida
 
Comunicação na relação terapêutica
Comunicação na relação terapêutica   Comunicação na relação terapêutica
Comunicação na relação terapêutica Oficina Psicologia
 

Destaque (20)

Resumo farmacologia-completo
Resumo farmacologia-completoResumo farmacologia-completo
Resumo farmacologia-completo
 
Resumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicos
Resumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicosResumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicos
Resumo de farmacologia ii anti-inflamatorios e anestésicos
 
Gerenciamento de recursos materiais em unidades de saúde
Gerenciamento de recursos materiais em unidades de saúdeGerenciamento de recursos materiais em unidades de saúde
Gerenciamento de recursos materiais em unidades de saúde
 
100 fichas atención
100 fichas atención100 fichas atención
100 fichas atención
 
Checklist de avaliação da consciência linguística
Checklist de avaliação da consciência linguísticaChecklist de avaliação da consciência linguística
Checklist de avaliação da consciência linguística
 
Guia de emergencia
Guia de emergenciaGuia de emergencia
Guia de emergencia
 
Aula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátrica
Aula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátricaAula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátrica
Aula 2 comunicação terapêutica na emerg. psiquiátrica
 
Pronto socorro de estudos
Pronto socorro de estudosPronto socorro de estudos
Pronto socorro de estudos
 
Protocolo de Manejo das Hemorragias Puerperais - Maternidade Odete Valadares
Protocolo de Manejo das Hemorragias Puerperais - Maternidade Odete ValadaresProtocolo de Manejo das Hemorragias Puerperais - Maternidade Odete Valadares
Protocolo de Manejo das Hemorragias Puerperais - Maternidade Odete Valadares
 
Curso feridas e curativos - tecnicas e tratamentos
Curso   feridas e curativos - tecnicas e tratamentosCurso   feridas e curativos - tecnicas e tratamentos
Curso feridas e curativos - tecnicas e tratamentos
 
Atendimento pré hospitalar de urgências obstétricas - Treinamento SAMU BH e D...
Atendimento pré hospitalar de urgências obstétricas - Treinamento SAMU BH e D...Atendimento pré hospitalar de urgências obstétricas - Treinamento SAMU BH e D...
Atendimento pré hospitalar de urgências obstétricas - Treinamento SAMU BH e D...
 
Manual de urgências em pronto-socorro pdf
Manual de urgências em pronto-socorro pdfManual de urgências em pronto-socorro pdf
Manual de urgências em pronto-socorro pdf
 
Checklist de hudson couto
Checklist de hudson couto Checklist de hudson couto
Checklist de hudson couto
 
Instrumentos gerenciais em serviços de saúde: Previsão e Provisão de Recursos...
Instrumentos gerenciais em serviços de saúde: Previsão e Provisão de Recursos...Instrumentos gerenciais em serviços de saúde: Previsão e Provisão de Recursos...
Instrumentos gerenciais em serviços de saúde: Previsão e Provisão de Recursos...
 
Samu
Samu Samu
Samu
 
Aula de Receptores Farmacológicos - Química Farmacêutica e Medicinal
Aula de Receptores Farmacológicos - Química Farmacêutica e MedicinalAula de Receptores Farmacológicos - Química Farmacêutica e Medicinal
Aula de Receptores Farmacológicos - Química Farmacêutica e Medicinal
 
Aula 5 metodologia do planejamento em enfermagem ppt
Aula 5 metodologia do planejamento em enfermagem pptAula 5 metodologia do planejamento em enfermagem ppt
Aula 5 metodologia do planejamento em enfermagem ppt
 
Implantação da cirurgia segura
Implantação da cirurgia seguraImplantação da cirurgia segura
Implantação da cirurgia segura
 
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
Aula de Farmacologia sobre Fármacos Antimicrobianos.
 
Comunicação na relação terapêutica
Comunicação na relação terapêutica   Comunicação na relação terapêutica
Comunicação na relação terapêutica
 

Semelhante a Farmacologia aplicada em urgência e emergência e rcp resumo

SLIDE EPLEPSIA.pptx
SLIDE EPLEPSIA.pptxSLIDE EPLEPSIA.pptx
SLIDE EPLEPSIA.pptxBLACKNET4
 
Formação Cuidados de Fim de Vida.pptx
Formação Cuidados de Fim de Vida.pptxFormação Cuidados de Fim de Vida.pptx
Formação Cuidados de Fim de Vida.pptxginaasgf
 
Aula Grupo Cuidador Avc 2009
Aula Grupo Cuidador Avc 2009Aula Grupo Cuidador Avc 2009
Aula Grupo Cuidador Avc 2009ABAVC
 
SLIDE EPLEPSIA.pdf
SLIDE EPLEPSIA.pdfSLIDE EPLEPSIA.pdf
SLIDE EPLEPSIA.pdfBLACKNET4
 
Cefaleias - aula UNIMED-BH (FINAL - 04-05-21)2.pptx
Cefaleias - aula UNIMED-BH (FINAL - 04-05-21)2.pptxCefaleias - aula UNIMED-BH (FINAL - 04-05-21)2.pptx
Cefaleias - aula UNIMED-BH (FINAL - 04-05-21)2.pptxSuzanaGomesdeOliveir
 
Alterações do funcionamento do sistema nervoso
Alterações do funcionamento do sistema nervosoAlterações do funcionamento do sistema nervoso
Alterações do funcionamento do sistema nervosoPedro Alves
 
Enxaqueca relacionado ao cheiro trabalho
Enxaqueca relacionado ao cheiro   trabalhoEnxaqueca relacionado ao cheiro   trabalho
Enxaqueca relacionado ao cheiro trabalhoMarinalva Rodrigues
 
Tratamentodas Cefaléias Incomuns
Tratamentodas Cefaléias IncomunsTratamentodas Cefaléias Incomuns
Tratamentodas Cefaléias IncomunsMarco Aurélio
 
Afogamento , crise convulsiva, overdose oficial
Afogamento , crise convulsiva, overdose oficialAfogamento , crise convulsiva, overdose oficial
Afogamento , crise convulsiva, overdose oficialGéssica Santos
 
Protocolo sala de emergência
Protocolo sala de emergênciaProtocolo sala de emergência
Protocolo sala de emergênciaDeivid1990
 
AULA medicamentos isentos de prescrição médicapara Cefaléia.ppt
AULA medicamentos isentos de prescrição médicapara Cefaléia.pptAULA medicamentos isentos de prescrição médicapara Cefaléia.ppt
AULA medicamentos isentos de prescrição médicapara Cefaléia.pptLucianaRodriguesLess
 
Iv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevenção
Iv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevençãoIv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevenção
Iv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevençãoctisaolucascopacabana
 
Primeiros Socorros - Novo 2022.pptx
Primeiros Socorros - Novo 2022.pptxPrimeiros Socorros - Novo 2022.pptx
Primeiros Socorros - Novo 2022.pptxWesleyOliveira123559
 
Cartilha de Primeiros Socorros - Extensão.pdf
Cartilha de Primeiros Socorros - Extensão.pdfCartilha de Primeiros Socorros - Extensão.pdf
Cartilha de Primeiros Socorros - Extensão.pdfluizagambaaw
 
Trabalho farmaco
Trabalho farmacoTrabalho farmaco
Trabalho farmacoAry Silva
 
Slide de Angina de Peito
Slide de Angina de PeitoSlide de Angina de Peito
Slide de Angina de PeitoSuelenMjesus
 

Semelhante a Farmacologia aplicada em urgência e emergência e rcp resumo (20)

Aula 01 primeiros socorros em radiologia
Aula 01 primeiros socorros em radiologiaAula 01 primeiros socorros em radiologia
Aula 01 primeiros socorros em radiologia
 
SLIDE EPLEPSIA.pptx
SLIDE EPLEPSIA.pptxSLIDE EPLEPSIA.pptx
SLIDE EPLEPSIA.pptx
 
Cefaleias Primárias
Cefaleias PrimáriasCefaleias Primárias
Cefaleias Primárias
 
Formação Cuidados de Fim de Vida.pptx
Formação Cuidados de Fim de Vida.pptxFormação Cuidados de Fim de Vida.pptx
Formação Cuidados de Fim de Vida.pptx
 
Aula Grupo Cuidador Avc 2009
Aula Grupo Cuidador Avc 2009Aula Grupo Cuidador Avc 2009
Aula Grupo Cuidador Avc 2009
 
SLIDE EPLEPSIA.pdf
SLIDE EPLEPSIA.pdfSLIDE EPLEPSIA.pdf
SLIDE EPLEPSIA.pdf
 
Cefaleias - aula UNIMED-BH (FINAL - 04-05-21)2.pptx
Cefaleias - aula UNIMED-BH (FINAL - 04-05-21)2.pptxCefaleias - aula UNIMED-BH (FINAL - 04-05-21)2.pptx
Cefaleias - aula UNIMED-BH (FINAL - 04-05-21)2.pptx
 
Fisioterapia neurologia
Fisioterapia neurologiaFisioterapia neurologia
Fisioterapia neurologia
 
Endometriose
EndometrioseEndometriose
Endometriose
 
Alterações do funcionamento do sistema nervoso
Alterações do funcionamento do sistema nervosoAlterações do funcionamento do sistema nervoso
Alterações do funcionamento do sistema nervoso
 
Enxaqueca relacionado ao cheiro trabalho
Enxaqueca relacionado ao cheiro   trabalhoEnxaqueca relacionado ao cheiro   trabalho
Enxaqueca relacionado ao cheiro trabalho
 
Tratamentodas Cefaléias Incomuns
Tratamentodas Cefaléias IncomunsTratamentodas Cefaléias Incomuns
Tratamentodas Cefaléias Incomuns
 
Afogamento , crise convulsiva, overdose oficial
Afogamento , crise convulsiva, overdose oficialAfogamento , crise convulsiva, overdose oficial
Afogamento , crise convulsiva, overdose oficial
 
Protocolo sala de emergência
Protocolo sala de emergênciaProtocolo sala de emergência
Protocolo sala de emergência
 
AULA medicamentos isentos de prescrição médicapara Cefaléia.ppt
AULA medicamentos isentos de prescrição médicapara Cefaléia.pptAULA medicamentos isentos de prescrição médicapara Cefaléia.ppt
AULA medicamentos isentos de prescrição médicapara Cefaléia.ppt
 
Iv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevenção
Iv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevençãoIv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevenção
Iv curso teórico prático - exame do paciente em cti e prevenção
 
Primeiros Socorros - Novo 2022.pptx
Primeiros Socorros - Novo 2022.pptxPrimeiros Socorros - Novo 2022.pptx
Primeiros Socorros - Novo 2022.pptx
 
Cartilha de Primeiros Socorros - Extensão.pdf
Cartilha de Primeiros Socorros - Extensão.pdfCartilha de Primeiros Socorros - Extensão.pdf
Cartilha de Primeiros Socorros - Extensão.pdf
 
Trabalho farmaco
Trabalho farmacoTrabalho farmaco
Trabalho farmaco
 
Slide de Angina de Peito
Slide de Angina de PeitoSlide de Angina de Peito
Slide de Angina de Peito
 

Último

Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptxpamelacastro71
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...Martin M Flynn
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptxErivaldoLima15
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.HildegardeAngel
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdfDemetrio Ccesa Rayme
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileirosMary Alvarenga
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira partecoletivoddois
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimWashingtonSampaio5
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzAlexandrePereira818171
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 

Último (20)

Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptxAula 1, 2  Bacterias Características e Morfologia.pptx
Aula 1, 2 Bacterias Características e Morfologia.pptx
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
DIGNITAS INFINITA - DIGNIDADE HUMANA -Declaração do Dicastério para a Doutrin...
 
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
6°ano Uso de pontuação e acentuação.pptx
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
LIVRO A BELA BORBOLETA. Ziraldo e Zélio.
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
Geometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdfGeometria  5to Educacion Primaria EDU  Ccesa007.pdf
Geometria 5to Educacion Primaria EDU Ccesa007.pdf
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
19 de abril - Dia dos povos indigenas brasileiros
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parteDança Contemporânea na arte da dança primeira parte
Dança Contemporânea na arte da dança primeira parte
 
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mimJunto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
Junto ao poço estava eu Quando um homem judeu Viu a sede que havia em mim
 
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzparte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
parte indígena.pptxzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 

Farmacologia aplicada em urgência e emergência e rcp resumo

  • 1. Resumo Farmacologia É a ciência que estuda a história, as propriedades físicas e químicas, os efeitos bioquímicos e fisiológicos, o mecanismo de ação, a absorção, distribuição, biotransformação, excreção e os usos terapêuticos dos fármacos. Urgência e emergência Urgência ocorre quando o paciente tem uma situação que precisa ser resolvida imediatamente como, fortes dores abdominais, dores de cabeça repentinas, dores de dente, estética e outros quadros que necessitem de atendimento imediato. A emergência médica ocorre quando o paciente se encontra em risco de morte iminente e necessita de uma ação rápida, intervenção imediata de conhecimento médico e de obrigação do cirurgião dentista. Avaliação de Sinais Vitais Frequência e Ritmo Cardíaco Qualquer artéria acessível. A. Radial, A. Braquial, A. Carótida. Frequência Respiratória Não dizer ao paciente. Avaliar logo após o pulso. Pressão Sanguínea Arterial Aparelhos (manuais ou eletrônicos) devem ser periodicamente testados e calibrados; Devem ser feitas 2 vezes, com intervalos de 1-2 min; Sempre na consulta inicial ou toda consulta em pacientes cardiopatas ou hipertensivos. Estresse Ansiedade • Ansiedade de Associação - gatilhos como agulha, carpule, fórceps. • Ansiedade de Avaliação - rememoração de experiências negativas. Medo • Medo condicionado a estímulos específicos – sons, odores, agulhas. • Medo de reações somáticas que podem acontecer – reações alérgicas, desmaio. • Falta de confiança no Cirurgião Dentista. Sintomas do Medo e Ansiedade • Dilatação das pupilas; • Palidez da pele; • Transpiração excessiva; • Hiperventilação; • Sensação de formigamento nas extremidades; • Aumento da Pressão Arterial e Frequência Cardíaca.
  • 2. Medicação para controlar o estresse  Diazepam 5 mg — 1 comprimido. "45 a 60’ antes do atendimento"  Lorazepam 1 mg — 1 comprimido. "2h antes do atendimento"  Alprazolam 0,5 mg — 1 comprimido. "1h antes do atendimento" Dor Dor é uma experiência sensorial ou emocional desagradável que ocorre em diferentes graus de intensidade do desconforto até a agonia podendo resultar da estimulação do nervo em decorrência de lesão, doença ou distúrbio emocional. A dor aguda se manifesta por um período curto e com causas facilmente identificáveis Clinicamente, uma dor crônica é aquela que dura mais que seis meses, sendo constante e sem fim. Dores cutâneas são quando ocorre uma lesão na pele, receptores sensoriais enviam sinais que causam a percepção da dor são ativados. Uma dor somática tem origem nos ligamentos, ossos, tendões, vasos sanguíneos e nervos. A dor visceral vem de dentro dos órgãos e cavidades internas do corpo. Produz uma sensação dolorida e de maior duração do que a dor somática, muito difícil de localizar. Medicamentos utilizados Analgésicos Ácido acetilsalicílico (Aspirina) Paracetamol Ibuprofeno Naproxeno Lipotimia e Síncope A lipotimia é a sensação de desmaio, sem que esse, efetivamente ocorra. Mal estar passageiro e de curta duração. Estão quase sempre ligadas a fatores emocionais: visualização de sangue, do instrumental e etc. A síncope é uma breve perda da consciência ou desmaio. Ela ocorre quando não há oxigênio suficiente circulando pelo sangue para irrigar o cérebro. Síncope Vasovagal: É a mais comum, causada por fatores emocionais e não emocionais. Síncope vasodepressora: Pacientes que tentam ''lutar ou fugir'', pelo ''pavor'' à cadeira de dentista. Síncope do seio carotídeo: Rara, e mais comum em idosos. Sensibilidade do seio carotídeo. Síncope associada à insuficiência vertebro-basilar: Mais comum em idosos. Relacionada com a hiperextensão da cabeça. Síncope associada às arritmias cardíacas: Raro. Protocolo de atendimento: Nesta situação, a vítima deve ser colocada sentada com o corpo para frente e a cabeça mais baixa que o tórax. - Na fase de inconsciência, verificar respiração e pulso;
  • 3. - Manter o ambiente ventilado; - Elevar membros superiores. Crise aguda de Asma É a síndrome inflamatória crônica caracterizada pela limitação do fluxo aéreo, sendo reversível espontaneamente ou com tratamento. Fatores desencadeantes do Broncoespasmo: Estresse físico ou emocional, poluentes e irritantes ambientais, drogas como AAS e AINES, ar frio e etc. Sintomas: Falta de ar, chiado e aperto no peito, tosse e cianose. Como prevenir: Sempre ter o broncodilatador em mãos, oxigênio sempre disponível, uso profilático do broncodilatador e etc. Medicamentos: de preferência felipressina. Protocolo de atendimento - Interromper o tratamento e remover todo o material da boca do paciente. - Insufle cinco aplicações de Aerolin em um saco de papel e peça para o paciente inspirar. - Sem regressão: 0,3ml de solução de adrenalina 1:1000, via subcutânea. Convulsão Convulsão é um distúrbio que tem como características a contração muscular involuntária. As causas podem ser febre, traumas cranianos, abstinência de álcool e outras drogas, falta de oxigenação no cérebro entre outras. Os sintomas dependem do tipo de convulsão na crise de ausência o paciente fica com o olhar perdido, como se estivesse em outro mundo, e não responde quando chamadas; já no tipo tônico-clônica o paciente tem a perda súbita da consciência, na fase tônica os músculos ficam endurecidos e estendidos. Em seguida, a pessoa entra na fase clônica com contrações rítmicas, repetitivas e incontroláveis. Medicamentos utilizados No tratamento o paciente deve estar usando diariamente os medicamentos anticonvulsivos como fenitoina, fenobarbital, carbamezapina entre outros. Angina de peito Angina é a dor ou desconforto no peito quando os músculos cardíacos não recebem sangue suficiente. Pode ser causada por doença arterial coronariana, anormalidades na válvula aórtica, espasmo arterial, anemia grave entre outras. Em geral, a dor é mais intensa durante a atividade física e diminui durante o repouso. Alguns tipos de angina, entretanto, podem causar dor mesmo quando a pessoa está em repouso ou dormindo. É uma dor que pode irradiar-se pela mandíbula e pelos ombros ou braços (mais comum no lado esquerdo do corpo). Medicamentos utilizados O tratamento inclui mudanças no estilo de vida e medicamentos como Nitratos (Dinitrato de isossorbida e Mononitrato de isossorbida), Beta-bloqueadores (atenolol e propranolol), Bloqueadores dos canais de cálcio (verapamil e anlodipino) e Aspirina.
  • 4. Infarto do miocárdio O sintoma clássico é uma dor em aperto no lado esquerdo ou no centro do peito podendo irradiar para o pescoço ou para o braço esquerdo, porém em cerca de 15% dos casos, o sintoma pode ser atípico com dor no lado direito do peito, suor, enjoo, vômitos, dor no estômago, falta de ar, tonteira ou palpitações. Esta dor tem duração maior que 10 minutos, pode ter diferentes intensidades ou ainda sumir e voltar espontaneamente. Infelizmente, nem todos os pacientes têm este sintoma. Os diabéticos, por exemplo, podem ter um infarto sem apresentar dor. Medicamentos utilizados Aspirina Oxigênio Beta-bloqueadores Nitratos (nitroglicerina) Inibidores da ECA (enzima de conversão da angiotensina Inibidores dos receptores). Hipoglicemia aguda Hipoglicemia é um problema que ocorre quando o nível de açúcar no sangue (glicose) encontra-se muito baixo. Pode ser ameaçador à vida, podendo ocorrer em indivíduos diabéticos (mais comum) ou não diabéticos. Pessoas com hipoglicemia aguda são tratadas com injeções de glicose ou com o hormônio glucagon. O tratamento imediato é necessário para evitar complicações sérias ou morte. O tratamento imediato pode ser feito carboidratos por via oral (água com açúcar ou Dextrosol, suco de laranja, refrigerantes), a cada 5 minutos, até os sintomas desaparecerem; caso o paciente não esteja respondendo aos estímulos administrar uma solução de glicose 25% (ampola 10 ml), via intravenosa, em injeção lenta (se habilitado); Choques O choque é uma situação em que algumas alterações no corpo podem levar a morte. Os tipos de choque são: Choque anafilático: Causado por uma alergia grave; Choque neurogênico:Causado por alguma lesão na medula espinhal; Choque metabólico: Causado por grande perda de líquidos no corpo, diarreia, vômitos, insulina e outros; Choque: Causado pela perda de mais de 1 litro de sangue; Choque psicogênico: Causado por algum fator psicológico, stress, medo, ansiedade e outros; Choque séptico: Causado pela invasão ao corpo por muitos microrganismos como vírus, bactérias ou fungos, vindos de uma infecção local ou vindas do meio externo, chegando à corrente sanguínea, contaminando todo o corpo, e Choque cardiogênico: Causado por alguma situação que leve ao mau funcionamento do coração. O estado de choque é uma situação grave que requer atendimento médico imediato. Alguns pacientes alérgicos costumam ter uma medicação antialérgica (Epinefrina) no
  • 5. bolso ou na carteira, pergunte a ele e se for o caso dê a medicação o mais rápido possível. Chamar uma ambulância o mais rápido possível. Enquanto espera, tente perceber o que causou a reação alérgica, se foi uma picada de inseto ou cobra, por exemplo, retire o ferrão do animal da pele e aplique uma pedrinha de gelo no local, amarre com força um tecido limpo alguns centímetros acima da mordedura do animal, para diminuir a disseminação do veneno. Medicamentos Adrenalina; Aminofilina; Dobutamina Atropina; Dopamina; Hidrocortisona. Crise hipertensiva Crise hipertensiva é a elevação, repentina, rápida, severa, inapropriada e sintomática da pressão arterial, em pessoa normotensa ou hipertensa. Os órgãos alvo da crise hipertensiva são: os olhos, rins, coração e cérebro. As situações patológicas que atuam sobre a resistência periférica podem ter inúmeras origens: neurológicas, vasculares, medicamentosas, drogas e secreção excessiva, inapropriada de hormônios. Muitas vezes, os pacientes têm pseudocrises hipertensivas. Esses pacientes, apesar de níveis elevados de pressão arterial, não têm evidências de deterioração rápida dos órgãos alvo e nem risco de vida. A internação com sucesso evita danos severos e lesões irreversíveis que podem levar o paciente ao óbito, como infarto agudo, edema agudo de pulmão, encefalopatia hipertensiva e acidentes vasculares cerebrais isquêmicos ou hemorrágicos graves. A intervenção deve ser de intensidade correspondente à gravidade da crise para evitar as complicações e também para impedir que a hipertensão se torne acelerada ou "maligna". A verdadeira crise hipertensiva requer hospitalização, atendimento intensivo e imediato com medicações e cuidados especiais, quase sempre do gênero de vasodilatadores potentes de uso endovenoso que diminuam bastante a resistência periférica alterada. Medicamentos utilizados Captopril; Nifedipino; Atenolol; Clonidina. AVE AVE (Acidente Vascular Encefálico) também conhecido como AVC ( acidente vascular cerebral), e popularmente derrame cerebral, se caracteriza pelo entupimento ou rompimento de algum vaso sanguíneo no cérebro. Os sintomas e lesões causadas pelo acidente vascular cerebral dependem do tipo de AVE
  • 6. que o indivíduo sofreu e do local onde a veia cerebral se rompeu ou entupiu, e também da idade do indivíduo. Mas quase todos os pacientes Tratamento para AVE O tratamento é feito através de uma equipe multidisciplinar que inclui médicos, fisioterapeutas, nutricionistas, psicólogos e fonoaudiólogos. RCP A Ressuscitação cardiopulmonar são as manobras realizadas na tentativa de reanimar uma pessoa vítima de parada cardíaca "e/ou" respiratória. Ela tem como finalidade fazer com que o coração e pulmão a voltem as suas funções normais. Conforme aprendemos nos sinais vitais isto é necessário para a manutenção da oxigenação do cérebro, o qual não pode passar mais de alguns minutos sem ser oxigenado, sob pena disto gerar lesões irreversíveis. Medicamentos utilizados Drogas podem ser administradas imediatamente, antes, durante e após uma parada cardiorrespiratória, como suporte para do débito cardíaco, visando à manutenção do fluxo sanguíneo para o coração e o cérebro, como: adrenalina, vasopressina, atropina, amiodarona, lidocaína e bicabornato de sódio.