SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 51
Baixar para ler offline
Professora doutora Ana Paula Silva
         profa.ap.silva@gmail.com
         20-08-2011 e 21-08-11
   Sumário:
    1. Apresentação da nova disciplina;
    2. Atividade 1 – ponto da situação, levantamento de
       expetativas e questões a ser esclarecidas;
    3. Emergência da avaliação de professores
    4. Problemática da avaliação de professores;
    Ponto de situação, levantamento de
     expetativas e questões a ser esclarecidas
     (20min.):
    1. Numa folha de papel, escreva a sua identificação:
     1. Nome, nível de ensino em que lecciona, matéria(s)
        leccionada(s), experiência profissional, outros
        aspectos que queira salientar;
    2. Responda às seguintes questões:
     1. Até ao momento, como avalia o processo de
        desenvolvimento deste mestrado, principalmente, no
        que se refere às aprendizagens por si realizadas?
     2. O que espera aprender nesta nova disciplina?
     3. Que questões gostava de ver esclarecidas?
   A preocupação com a eficácia dos sistemas
    educativos ou com a qualidade dos
    processos que utilizam e dos resultados
    que permitem obter, tem sido recorrente ao
    longo da história da educação e tem-se
    acentuado particularmente nas três últimas
    décadas
   Um pouco por todo o mundo e durante
    décadas, os esforços para melhorar a
    qualidade dos sistemas educativos
    centraram-se sobretudo:
    ◦ na melhoria dos currículos,
    ◦ nos processos de organização e gestão das
      escolas ou
    ◦ no desenvolvimento de novos programas de
      ensino.
   A avaliação dos professores não era
    considerada uma prioridade.
   Mais recentemente, as iniciativas destinadas a
    melhorar a educação começaram a incorporar
    sistemas de avaliação de professores com
    finalidades tão diversas como:
    ◦   a selecção para efeitos de ingresso na profissão,
    ◦   a formação e desenvolvimento profissional,
    ◦   a melhoria do ensino,
    ◦   a progressão na carreira e
    ◦   o aumento de salário.
   Porém, muitas outras motivações haverá.
   A transparência da avaliação e as suas
    dimensões ética e política poderão
    contribuir decisivamente para formar
    melhores profissionais, mais conscientes e
    mais responsáveis perante os seus alunos
    e perante a sociedade que pretendem
    servir.
   Em muitas sociedades, pensa-se que a
    melhoria dos sistemas educativos passa por
    melhorar a qualidade do trabalho
    pedagógico e os sistemas de apoio às
    aprendizagens dos alunos – tarefas próprias
    dos professores.
   É nesta linha de ideias que os governos têm
    vindo a conceber e implementar políticas de
    avaliação de professores.
1.   Uma de natureza mais formativa,
     claramente associada ao desenvolvimento
     pessoal e profissional, com uma
     participação dos professores em todos os
     momentos.
2.   Uma natureza sumativa, mais centrada na
     responsabilização e na prestação de contas
     e, por isso mesmo, a abordagem de
     avaliação terá de ter, orientada para medir a
     competência, o desempenho e a eficácia
     dos professores.
   Análise, em pequeno grupo, do documento
    “Avaliação do Desempenho versus Progresso
    e Mérito” (45min.)
    1. identifiquem como visa, cada um dos modelos de
       avaliação em causa, discernir a qualidade do
       professor, demonstrá-la e vê-la reconhecida.
    2. Sistematizem as vossas conclusões para serem
       apresentadas em plenário.
    Apresentação e discussão em plenário das
     conclusões do pequeno grupo (45min.)
   Sumário:
    1. Revisões da aula anterior:
     1. Quais foram as ideias-chave da aula passada?
     2. Quais as dúvidas com que ficou/O que gostava de
        ver esclarecido e/ou aprofundado?
    2. Esclarecimento das questões colocadas pelos
       alunos na atividade 1;
    3. Problemática da avaliação de professores
       (conclusão).
    4. O processo de avaliação – diferentes abordagens.
   A avaliação dos professores não é uma mera
    questão técnica.
   É uma complexa construção social dada a
    diversidade de intervenientes no processo e,
    consequentemente, a diversidade de visões
    de ensino, de escola, de educação ou de
    sociedade que estão em presença.
   As práticas de avaliação têm que permitir
    discernir a QUALIDADE do que se avalia, a
    qual tem que ser demonstrada e reconhecida.
   Existe uma grande variedade de abordagens
    de avaliação de professores, cada uma das
    quais é construída a partir de propósitos que
    se pretende alcançar ou das concepções que
    os seus autores perfilham relativamente ao
    que significa ensinar.
   Um modelo de avaliação pode estar mais
    focado em avaliar:
    1. a qualidade dos professores, isto é, focado na
       análise da COMPETÊNCIA dos professores,
    2. outro pode estar mais interessado em avaliar a
       qualidade do ensino, analisando o DESEMPENHO
       dos professores,
    3. enquanto outro pode estar mais orientado para
       avaliar a EFICÁCIA dos professores através da
       apreciação dos resultados dos seus alunos.
   O desempenho está associado àquilo que o
    professor efectivamente faz quando está a
    trabalhar (e.g., ensinar, preparar aulas, participar
    em reuniões do conselho de turma);
   Note-se que o desempenho não é o que ele está
    apto a fazer ou pode fazer, pois aqui estaríamos
    no domínio da sua competência.
   O desempenho de um professor é de algum
    modo situado, isto é, depende da situação
    específica vivida, mas também depende da sua
    competência, do contexto em que trabalha e da
    sua capacidade para mobilizar e utilizar as suas
    competências numa diversidade de situações.
   a competência do professor refere-se a um
    sistema de saberes diversificados e
    específicos que o professor domina, utiliza
    ou em que acredita. Um professor será
    competente se domina bem um conjunto de
    competências específicas que são
    importantes para as boas práticas de ensino,
    embora algumas delas possam ser mais
    relevantes do que outras para determinar a
    sua competência geral.
   A eficácia do professor é o efeito do desempenho
    (tudo aquilo que o professor faz) sobre os alunos.
   Nestas condições, a eficácia do professor depende da
    sua competência e do seu desempenho mas também
    do que os alunos forem capazes de responder em
    determinadas situações.
   Do mesmo modo que a competência de um professor
    não garante em absoluto que, em determinadas
    situações, o seu desempenho vá ser de certa
    maneira, também não se poderá assegurar que o
    desempenho do professor, por si só, produza
    determinado tipo de resultados junto dos seus
    alunos.
Conceção de                       Sistema de avaliação
ensino
Ensino como      Avaliação         Paradigma             Modelo de
Trabalho         correspondente    Racionalismo          produto
                                   burocrático

Ensino como      Avaliação
Ofício           correspondente


Ensino como      Avaliação         Paradigma Sócio- Modelos de
Profissão        correspondente    Crítico          Processo


Ensino como Arte Avaliação         Paradigma
                 correspondente    Personalista
                                   Individualista
   O papel dos professores reduz-se à aplicação
    de orientações metodológicas e de natureza
    prática previamente elaboradas. Visão
    racionalista e burocrática da tarefa de
    ensinar, parte do princípio de que boa
    práticas podem ser definidas e especificadas
    de formas concretas e que se os professores
    as assumirem alcançam os resultados que
    desejam
   Centra-se na inspecção direta do trabalho do
    professor, na análise de resultados dos
    alunos, na monitorização de planos de aula e
    do desempenho nas salas de aula.
   Hierárquica, estandardizada, com uma
    relação autoritária entre o avaliador e o
    avaliado. Tende a fiscalizar e a controlar se os
    professores seguem de perto os
    procedimentos prescritos pelas autoridades.
   Procura-se recolher e analisar informação relativa à
    competência, ao desempenho e à eficácia dos professores,
    considerada essencial para que estes possam melhorar
    através de processos adequados de formação e de
    desenvolvimento profissional. Utiliza procedimentos que
    permitam medir tão exactamente quanto possível o
    desempenho dos professores para que sejam
    operacionalizadas as acções necessárias para ultrapassar
    os problemas que eventualmente forem detectados.
    Tendem a ter uma natureza prescritiva, associada às
    finalidades previstas no currículo proposto e estarão mais
    próximos das visões e preocupações das autoridades
    educativas, em garantir que sejam mínimas as diferenças
    entre o currículo oficial, o currículo ensinado pelos
    professores e o currículo aprendido pelos alunos.
   Ensinar é utilizar e aplicar adequadamente as
    regras e as técnicas prescritas pelas
    autoridades, porque se considera que há um
    conjunto de regras, procedimentos e
    técnicas, mais ou menos sofisticados, que
    podem ser aprendidos e desenvolvidos pelos
    professores.
   Centra-se na inspecção direta do trabalho do
    professor, na análise de resultados dos
    alunos, na monitorização de planos de aula e
    do desempenho nas salas de aula.
   Reconhece-se que os professores são capazes de
    formular juízos profissionais e de agir em função
    desses mesmos juízos. São, por isso, profissionais
    que se desenvolvem autonomamente em cooperação
    e em colaboração com os seus pares e que ensinam
    de acordo com elevados padrões de conhecimento
    científico, pedagógico e de prática profissional.
    Pressupõe-se que os professores possuem um sólido
    conjunto de conhecimentos teóricos que, aliado ao
    domínio de um alargado espectro de saberes-fazer,
    lhes permite uma atitude crítica e fundamentada
    sobre o currículo, sobre o ensino e a aprendizagem
    ou sobre as suas próprias acções pedagógicas.
   Predominam a auto-avaliação e a avaliação
    pelos pares que procuram determinar em que
    medida os professores possuem a necessária
    competência para lidar com os seus
    problemas profissionais.
   Os professores participam activamente na sua
    avaliação que, em geral, é situada e
    contextualizada. Neste paradigma, a
    avaliação é encarada explicitamente como um
    processo de desenvolvimento individual e
    colectivo
   Os professores mobilizam um conjunto de recursos
    pessoais e de conhecimentos profissionais para os
    utilizar, de forma única, em interacção com os seus
    alunos. De natureza imprevisível, não convencional e
    inovadora das acções de ensino e de aprendizagem.
    As práticas estão claramente orientadas para cada
    pessoa e não são estandardizadas e, por isso, o
    ensino é dificilmente orientado por regras ou por
    orientações precisas. Há uma predominância de
    dinâmicas de sala de aula baseadas na intuição, na
    dramatização, na improvisação e na criatividade.
   Nesta concepção parte-se do princípio de que o
    ensino utiliza a ciência mas não é verdadeiramente
    uma ciência devido à sua elevada imprevisibilidade.
   Tenderá a centrar-se mais em características
    ou qualidades globais e holísticas e menos
    em quantidades decorrentes de apreciações
    mais analíticas. Valoriza-se a pessoa que o
    professor é, o que pensa e o que sente sobre
    a sua profissão, em contraste com
    comportamentos observáveis, quantificáveis e
    mensuráveis.
   Privilegia a liberdade e responsabilidade
    individual dos professores. As perspectivas
    pessoais dos professores, os seus projectos e
    as suas ideias são sistematicamente
    valorizados e a avaliação serve precisamente
    para apoiar o seu desenvolvimento.
   Pressupõem que o desenvolvimento profissional
    dos professores tem de estar relacionado com a
    produção de ideias e de reflexões que surgem ao
    longo de um processo cujo principal objectivo é
    o de melhorar a qualidade do ensino. Neste
    sentido, as informações avaliativas que se vão
    obtendo ao longo do processo são situadas e
    específicas de um determinado contexto e
    deverão servir como estímulo e incentivo ao
    desenvolvimento profissional dos professores.
   Assim, os modelos de processo estão mais
    próximos das práticas do dia-a-dia dos
    professores, das suas necessidades reais e da
    sua cultura profissional.
   Sumário:
    1. Revisões da aula anterior:
     1. Quais foram as ideias-chave da aula passada?
     2. Quais as dúvidas com que ficou/O que gostava de
        ver esclarecido e/ou aprofundado?
    2. Implementação de um processo de avaliação de
       professores - Atividade 3;
   Análise, em pequeno grupo, do documento
    “Referencial de competências…” (60min.)
    1. Analise comparativamente os dois quadros.
    2. Que observações tem a fazer?
    3. Como pode ser feita prova de cada uma das
       competências?
    4. Quais os referenciais de valoração/reconhecimento da
       qualidade a adoptar para cada uma das competências?
    5. Sistematizem as vossas conclusões para serem
       apresentadas em plenário.
    Apresentação e discussão em plenário das
     conclusões do pequeno grupo (60min.)
   Sumário:
    1. Revisões da aula anterior:
     1. Quais foram as ideias-chave da aula passada?
     2. Quais as dúvidas com que ficou/O que gostava de
        ver esclarecido e/ou aprofundado?
    2. Avaliação da disciplina ADDTM – Atividade 4;
    3. Trabalho final da parte I da ADDTM.
AUTO:
  Reflicta e responda:
 1.   O que aprendeu?
 2.   O que ainda deve ser esclarecido/aprofundado?
HETERO:
  Considerando as suas expetativas em
   relação a esta disciplina, responda:
 1.   Quais as que já se encontram satisfeitas?
 2.   Quais as que faltam satisfazer?
 3.   Que contribuição pessoal pode dar para as
      satisfazer?
 4.   Qual o contributo que a professora pode dar?
   Portfolio digital com 3 elementos
    1. Revisão da literatura de apoio fornecida, enfocada
       sobre os tópicos tratados nas aulas (3 a 5 pp.)
    2. Trabalho de grupo (vide slide seguinte)
    3. Reflexão final, com proposta de classificação
       fundamentada.
   Em pequeno grupo:
    ◦    Concepção de um dispositivo de avaliação
         (desenvolvimento da atividade 3):
        1.   Finalidade da avaliação;
        2.   Organização e desenvolvimento do processo;
        3.   Instrumentos de recolha e registo de evidências;
        4.   Referenciais do juízo avaliativo.
1.   Um ficheiro PPT com apresentação
     personalizada e índice – hiperligação aos
     outros três ficheiros/evidências
     constituintes do portfolio;
2.   Os ficheiros das três evidências
     constituintes do portfolio em formato PDF;
3.   Formatação dos textos: margem esquerda
     3 cm, todas as restantes 2 cm; letra Arial
     11, espaçamento 1,5;
4.   Normas dos trabalhos académicos.
1.    Empenho – atitude evidenciada (20%):
     1.   Assiduidade
     2.   Pontualidade
     3.   Participação activa
Portfolio digital
2.  Desempenho (trabalhos) (80%):
     1.   Conteúdo:
          1.   Correcção do discurso;
          2.   Clareza, rigor e articulação das exposição das ideias
               expressas
     2.   Forma:
          1.   Cumprimentos das normas indicadas;
          2.   Aspecto visual.
Avaliação de professores

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tecnicas de-avaliacao-adequadas-ao-ensino-superior-guilherme-samy
Tecnicas de-avaliacao-adequadas-ao-ensino-superior-guilherme-samyTecnicas de-avaliacao-adequadas-ao-ensino-superior-guilherme-samy
Tecnicas de-avaliacao-adequadas-ao-ensino-superior-guilherme-samyPROIDDBahiana
 
Síntese sobre o Processo Avaliativo no Ensino Superior - PUCRS 2015
Síntese sobre o Processo Avaliativo no Ensino Superior - PUCRS 2015Síntese sobre o Processo Avaliativo no Ensino Superior - PUCRS 2015
Síntese sobre o Processo Avaliativo no Ensino Superior - PUCRS 2015Ana Marilin
 
Avaliação - concepções segundo olhares de professores e alunos
Avaliação - concepções segundo olhares de professores e alunosAvaliação - concepções segundo olhares de professores e alunos
Avaliação - concepções segundo olhares de professores e alunosEveraldo Gomes
 
AvaliaçãO Formativa Alternativa
AvaliaçãO Formativa AlternativaAvaliaçãO Formativa Alternativa
AvaliaçãO Formativa Alternativasofiamalheiro
 
Repensando a avaliação
Repensando a avaliaçãoRepensando a avaliação
Repensando a avaliaçãoEdson Mamprin
 
O processo de Avaliação no Ensino Superior
O processo de Avaliação no Ensino SuperiorO processo de Avaliação no Ensino Superior
O processo de Avaliação no Ensino SuperiorInstituto Consciência GO
 
Avaliação no Ensino Superior
Avaliação no Ensino SuperiorAvaliação no Ensino Superior
Avaliação no Ensino Superioralicemm26
 
A importância da avaliação da aprendizagem como prática reflexiva no ensino f...
A importância da avaliação da aprendizagem como prática reflexiva no ensino f...A importância da avaliação da aprendizagem como prática reflexiva no ensino f...
A importância da avaliação da aprendizagem como prática reflexiva no ensino f...christianceapcursos
 
Avaliação formativa ou avaliar para a aprendizagem fénix
Avaliação formativa ou avaliar para a aprendizagem fénixAvaliação formativa ou avaliar para a aprendizagem fénix
Avaliação formativa ou avaliar para a aprendizagem fénixJosé Matias Alves
 
Slide tipos de avaliação
Slide tipos de avaliaçãoSlide tipos de avaliação
Slide tipos de avaliaçãoGisele Lopes
 
AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DOS ESTUDANTES: RESULTADOS DE PESQUISA-AÇÃO
AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DOS ESTUDANTES: RESULTADOS DE PESQUISA-AÇÃOAVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DOS ESTUDANTES: RESULTADOS DE PESQUISA-AÇÃO
AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DOS ESTUDANTES: RESULTADOS DE PESQUISA-AÇÃOjpsales
 
Avaliação no ensino superior
Avaliação no ensino superiorAvaliação no ensino superior
Avaliação no ensino superiorElaine Carvalho
 
A avaliação da aprendizagem como processo construtivo de um novo fazer
A avaliação da aprendizagem como processo construtivo de um novo fazerA avaliação da aprendizagem como processo construtivo de um novo fazer
A avaliação da aprendizagem como processo construtivo de um novo fazerDaniel Santos
 
Avaliação Escolar - Texto de Libâneo (1994)
Avaliação Escolar - Texto de Libâneo (1994)Avaliação Escolar - Texto de Libâneo (1994)
Avaliação Escolar - Texto de Libâneo (1994)Mario Amorim
 
Monografia- Avaliação da aprendizagem para além de provas e testes
Monografia- Avaliação da aprendizagem para além de provas e testesMonografia- Avaliação da aprendizagem para além de provas e testes
Monografia- Avaliação da aprendizagem para além de provas e testesLuciene Silva
 
Avaliação no ensino superior
Avaliação no ensino superiorAvaliação no ensino superior
Avaliação no ensino superiorfernandolcezar
 

Mais procurados (19)

Tecnicas de-avaliacao-adequadas-ao-ensino-superior-guilherme-samy
Tecnicas de-avaliacao-adequadas-ao-ensino-superior-guilherme-samyTecnicas de-avaliacao-adequadas-ao-ensino-superior-guilherme-samy
Tecnicas de-avaliacao-adequadas-ao-ensino-superior-guilherme-samy
 
Avaliação formativa
Avaliação formativaAvaliação formativa
Avaliação formativa
 
Síntese sobre o Processo Avaliativo no Ensino Superior - PUCRS 2015
Síntese sobre o Processo Avaliativo no Ensino Superior - PUCRS 2015Síntese sobre o Processo Avaliativo no Ensino Superior - PUCRS 2015
Síntese sobre o Processo Avaliativo no Ensino Superior - PUCRS 2015
 
Avaliação - concepções segundo olhares de professores e alunos
Avaliação - concepções segundo olhares de professores e alunosAvaliação - concepções segundo olhares de professores e alunos
Avaliação - concepções segundo olhares de professores e alunos
 
AvaliaçãO Formativa Alternativa
AvaliaçãO Formativa AlternativaAvaliaçãO Formativa Alternativa
AvaliaçãO Formativa Alternativa
 
Repensando a avaliação
Repensando a avaliaçãoRepensando a avaliação
Repensando a avaliação
 
O processo de Avaliação no Ensino Superior
O processo de Avaliação no Ensino SuperiorO processo de Avaliação no Ensino Superior
O processo de Avaliação no Ensino Superior
 
Avaliação no Ensino Superior
Avaliação no Ensino SuperiorAvaliação no Ensino Superior
Avaliação no Ensino Superior
 
Avaliação tipos e funções 2
Avaliação tipos e funções 2Avaliação tipos e funções 2
Avaliação tipos e funções 2
 
A importância da avaliação da aprendizagem como prática reflexiva no ensino f...
A importância da avaliação da aprendizagem como prática reflexiva no ensino f...A importância da avaliação da aprendizagem como prática reflexiva no ensino f...
A importância da avaliação da aprendizagem como prática reflexiva no ensino f...
 
Avaliação formativa ou avaliar para a aprendizagem fénix
Avaliação formativa ou avaliar para a aprendizagem fénixAvaliação formativa ou avaliar para a aprendizagem fénix
Avaliação formativa ou avaliar para a aprendizagem fénix
 
Slide tipos de avaliação
Slide tipos de avaliaçãoSlide tipos de avaliação
Slide tipos de avaliação
 
AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DOS ESTUDANTES: RESULTADOS DE PESQUISA-AÇÃO
AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DOS ESTUDANTES: RESULTADOS DE PESQUISA-AÇÃOAVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DOS ESTUDANTES: RESULTADOS DE PESQUISA-AÇÃO
AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM DOS ESTUDANTES: RESULTADOS DE PESQUISA-AÇÃO
 
Avaliação no ensino superior
Avaliação no ensino superiorAvaliação no ensino superior
Avaliação no ensino superior
 
A avaliação da aprendizagem como processo construtivo de um novo fazer
A avaliação da aprendizagem como processo construtivo de um novo fazerA avaliação da aprendizagem como processo construtivo de um novo fazer
A avaliação da aprendizagem como processo construtivo de um novo fazer
 
Avaliação Escolar - Texto de Libâneo (1994)
Avaliação Escolar - Texto de Libâneo (1994)Avaliação Escolar - Texto de Libâneo (1994)
Avaliação Escolar - Texto de Libâneo (1994)
 
Monografia- Avaliação da aprendizagem para além de provas e testes
Monografia- Avaliação da aprendizagem para além de provas e testesMonografia- Avaliação da aprendizagem para além de provas e testes
Monografia- Avaliação da aprendizagem para além de provas e testes
 
Avaliação educacional
Avaliação educacionalAvaliação educacional
Avaliação educacional
 
Avaliação no ensino superior
Avaliação no ensino superiorAvaliação no ensino superior
Avaliação no ensino superior
 

Destaque

AvaliaçAo Dos Docente
AvaliaçAo Dos DocenteAvaliaçAo Dos Docente
AvaliaçAo Dos Docentek j
 
Aula1 avaldesempenhoslidesh
Aula1 avaldesempenhoslideshAula1 avaldesempenhoslidesh
Aula1 avaldesempenhoslideshtorberosilva
 
03. Debora Miceli: Avaliação de Desempenho - Métodos e tipos de avaliação de ...
03. Debora Miceli: Avaliação de Desempenho - Métodos e tipos de avaliação de ...03. Debora Miceli: Avaliação de Desempenho - Métodos e tipos de avaliação de ...
03. Debora Miceli: Avaliação de Desempenho - Métodos e tipos de avaliação de ...Debora Miceli
 
Questionario - Qualidade do curso da CIPA
Questionario - Qualidade do curso da CIPAQuestionario - Qualidade do curso da CIPA
Questionario - Qualidade do curso da CIPAproftstsergioetm
 
Métodos de avaliação de desempenho
Métodos de avaliação de desempenhoMétodos de avaliação de desempenho
Métodos de avaliação de desempenhoEvandro Moraes
 
Avaliação de desempenho para sga (1)
Avaliação de desempenho para sga (1)Avaliação de desempenho para sga (1)
Avaliação de desempenho para sga (1)Helena Reis
 
Avaliação do desempenho
Avaliação do desempenhoAvaliação do desempenho
Avaliação do desempenhorubenm93
 
20 dinamicas pedagogicas
20 dinamicas pedagogicas20 dinamicas pedagogicas
20 dinamicas pedagogicasSilvana
 

Destaque (11)

Questionário final
Questionário finalQuestionário final
Questionário final
 
AvaliaçAo Dos Docente
AvaliaçAo Dos DocenteAvaliaçAo Dos Docente
AvaliaçAo Dos Docente
 
Aula1 avaldesempenhoslidesh
Aula1 avaldesempenhoslideshAula1 avaldesempenhoslidesh
Aula1 avaldesempenhoslidesh
 
03. Debora Miceli: Avaliação de Desempenho - Métodos e tipos de avaliação de ...
03. Debora Miceli: Avaliação de Desempenho - Métodos e tipos de avaliação de ...03. Debora Miceli: Avaliação de Desempenho - Métodos e tipos de avaliação de ...
03. Debora Miceli: Avaliação de Desempenho - Métodos e tipos de avaliação de ...
 
Questionario - Qualidade do curso da CIPA
Questionario - Qualidade do curso da CIPAQuestionario - Qualidade do curso da CIPA
Questionario - Qualidade do curso da CIPA
 
Avaliação de Desempenho 3° Adm.
Avaliação de Desempenho 3° Adm.Avaliação de Desempenho 3° Adm.
Avaliação de Desempenho 3° Adm.
 
Métodos de avaliação de desempenho
Métodos de avaliação de desempenhoMétodos de avaliação de desempenho
Métodos de avaliação de desempenho
 
Avaliação de desempenho para sga (1)
Avaliação de desempenho para sga (1)Avaliação de desempenho para sga (1)
Avaliação de desempenho para sga (1)
 
Apostila o psicopedagogo e a educação especial pdf
Apostila o psicopedagogo e a educação especial   pdfApostila o psicopedagogo e a educação especial   pdf
Apostila o psicopedagogo e a educação especial pdf
 
Avaliação do desempenho
Avaliação do desempenhoAvaliação do desempenho
Avaliação do desempenho
 
20 dinamicas pedagogicas
20 dinamicas pedagogicas20 dinamicas pedagogicas
20 dinamicas pedagogicas
 

Semelhante a Avaliação de professores

Avaliação do Desempenho Docente
Avaliação do Desempenho DocenteAvaliação do Desempenho Docente
Avaliação do Desempenho Docenteviviprof
 
Avaliação do Desempenho Docente
Avaliação do Desempenho DocenteAvaliação do Desempenho Docente
Avaliação do Desempenho DocenteAlan Ciriaco
 
4.2 EM_Volume 4_ Gestão do Ensino e da Aprendizagem.pdf
4.2 EM_Volume 4_ Gestão do Ensino e da Aprendizagem.pdf4.2 EM_Volume 4_ Gestão do Ensino e da Aprendizagem.pdf
4.2 EM_Volume 4_ Gestão do Ensino e da Aprendizagem.pdfFlavio de Souza
 
Portfólio
PortfólioPortfólio
Portfólioviviprof
 
Slide avaliação
Slide avaliação Slide avaliação
Slide avaliação raul6coite
 
Cartilha de avaliação
Cartilha de avaliaçãoCartilha de avaliação
Cartilha de avaliaçãojanetnery
 
Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)
Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)
Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)aline totti
 
Artigo avaliação da aprendizagem
Artigo avaliação da aprendizagemArtigo avaliação da aprendizagem
Artigo avaliação da aprendizagemcefaprodematupa
 
Avaliação artigo da ufpi
Avaliação artigo da ufpiAvaliação artigo da ufpi
Avaliação artigo da ufpiRobson Eugênio
 
ATPC Como Espaço de Formação - Avaliação
ATPC Como Espaço de Formação - AvaliaçãoATPC Como Espaço de Formação - Avaliação
ATPC Como Espaço de Formação - AvaliaçãoClaudia Elisabete Silva
 
Avaliação no ensino superior
Avaliação no ensino superiorAvaliação no ensino superior
Avaliação no ensino superiormariamoura1788lulu
 
AVALIACAO DOPEA
AVALIACAO DOPEAAVALIACAO DOPEA
AVALIACAO DOPEAmaloa
 
Avaliação como promoção da aprendizagem
Avaliação como promoção da aprendizagemAvaliação como promoção da aprendizagem
Avaliação como promoção da aprendizagemMaria Casanova
 

Semelhante a Avaliação de professores (20)

Avaliação do Desempenho Docente
Avaliação do Desempenho DocenteAvaliação do Desempenho Docente
Avaliação do Desempenho Docente
 
Avaliacao formativa
Avaliacao formativaAvaliacao formativa
Avaliacao formativa
 
Avaliação do Desempenho Docente
Avaliação do Desempenho DocenteAvaliação do Desempenho Docente
Avaliação do Desempenho Docente
 
4.2 EM_Volume 4_ Gestão do Ensino e da Aprendizagem.pdf
4.2 EM_Volume 4_ Gestão do Ensino e da Aprendizagem.pdf4.2 EM_Volume 4_ Gestão do Ensino e da Aprendizagem.pdf
4.2 EM_Volume 4_ Gestão do Ensino e da Aprendizagem.pdf
 
Avaliação
AvaliaçãoAvaliação
Avaliação
 
Portfólio
PortfólioPortfólio
Portfólio
 
Slide avaliação
Slide avaliação Slide avaliação
Slide avaliação
 
Cartilha de avaliação
Cartilha de avaliaçãoCartilha de avaliação
Cartilha de avaliação
 
Gestão-da-Aprendizagem.pdf
Gestão-da-Aprendizagem.pdfGestão-da-Aprendizagem.pdf
Gestão-da-Aprendizagem.pdf
 
Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)
Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)
Pedagogia avaliação em ea d(atv 07)
 
Artigo avaliação da aprendizagem
Artigo avaliação da aprendizagemArtigo avaliação da aprendizagem
Artigo avaliação da aprendizagem
 
Auto aval
Auto avalAuto aval
Auto aval
 
2179 8274-1-pb.gatti
2179 8274-1-pb.gatti2179 8274-1-pb.gatti
2179 8274-1-pb.gatti
 
Avaliação
AvaliaçãoAvaliação
Avaliação
 
Avaliação artigo da ufpi
Avaliação artigo da ufpiAvaliação artigo da ufpi
Avaliação artigo da ufpi
 
Avaliar para aprender
Avaliar para aprenderAvaliar para aprender
Avaliar para aprender
 
ATPC Como Espaço de Formação - Avaliação
ATPC Como Espaço de Formação - AvaliaçãoATPC Como Espaço de Formação - Avaliação
ATPC Como Espaço de Formação - Avaliação
 
Avaliação no ensino superior
Avaliação no ensino superiorAvaliação no ensino superior
Avaliação no ensino superior
 
AVALIACAO DOPEA
AVALIACAO DOPEAAVALIACAO DOPEA
AVALIACAO DOPEA
 
Avaliação como promoção da aprendizagem
Avaliação como promoção da aprendizagemAvaliação como promoção da aprendizagem
Avaliação como promoção da aprendizagem
 

Mais de viviprof

A metamorfose do aprender na sociedade da informação
A metamorfose do aprender na sociedade da informaçãoA metamorfose do aprender na sociedade da informação
A metamorfose do aprender na sociedade da informaçãoviviprof
 
Hipertexto
HipertextoHipertexto
Hipertextoviviprof
 
Dispositivo de Avaliação
Dispositivo de AvaliaçãoDispositivo de Avaliação
Dispositivo de Avaliaçãoviviprof
 
Reflexão final
Reflexão finalReflexão final
Reflexão finalviviprof
 
Projeto de pesquisa
Projeto de pesquisaProjeto de pesquisa
Projeto de pesquisaviviprof
 
Portfólio de aprendizagem
Portfólio de aprendizagemPortfólio de aprendizagem
Portfólio de aprendizagemviviprof
 
Formação moral
Formação moralFormação moral
Formação moralviviprof
 
Comunicação e tecnologias
Comunicação e tecnologiasComunicação e tecnologias
Comunicação e tecnologiasviviprof
 
Escola participativa
Escola participativaEscola participativa
Escola participativaviviprof
 
Comunicação e Tecnologias na Formação de Formadores
Comunicação e Tecnologias na Formação de FormadoresComunicação e Tecnologias na Formação de Formadores
Comunicação e Tecnologias na Formação de Formadoresviviprof
 
15 outubro
15 outubro15 outubro
15 outubroviviprof
 
Mod. e prát. de formação de profs. aula 2
Mod. e prát. de formação de  profs.   aula 2Mod. e prát. de formação de  profs.   aula 2
Mod. e prát. de formação de profs. aula 2viviprof
 
Portfólio
PortfólioPortfólio
Portfólioviviprof
 
K. Zeichner Entrevista
K. Zeichner EntrevistaK. Zeichner Entrevista
K. Zeichner Entrevistaviviprof
 
A organização Escola
A organização EscolaA organização Escola
A organização Escolaviviprof
 
O educador e a formação ética introdução
O educador e a formação ética introduçãoO educador e a formação ética introdução
O educador e a formação ética introduçãoviviprof
 
A supervisão escolar no município de esteio
A supervisão escolar no município de esteioA supervisão escolar no município de esteio
A supervisão escolar no município de esteioviviprof
 
Métodos de Investigação e Escrita Científica
Métodos de Investigação e Escrita CientíficaMétodos de Investigação e Escrita Científica
Métodos de Investigação e Escrita Científicaviviprof
 
Método de Investigação e Escrita Científica
Método de Investigação e Escrita CientíficaMétodo de Investigação e Escrita Científica
Método de Investigação e Escrita Científicaviviprof
 
Projeto de Pesquisa
Projeto de PesquisaProjeto de Pesquisa
Projeto de Pesquisaviviprof
 

Mais de viviprof (20)

A metamorfose do aprender na sociedade da informação
A metamorfose do aprender na sociedade da informaçãoA metamorfose do aprender na sociedade da informação
A metamorfose do aprender na sociedade da informação
 
Hipertexto
HipertextoHipertexto
Hipertexto
 
Dispositivo de Avaliação
Dispositivo de AvaliaçãoDispositivo de Avaliação
Dispositivo de Avaliação
 
Reflexão final
Reflexão finalReflexão final
Reflexão final
 
Projeto de pesquisa
Projeto de pesquisaProjeto de pesquisa
Projeto de pesquisa
 
Portfólio de aprendizagem
Portfólio de aprendizagemPortfólio de aprendizagem
Portfólio de aprendizagem
 
Formação moral
Formação moralFormação moral
Formação moral
 
Comunicação e tecnologias
Comunicação e tecnologiasComunicação e tecnologias
Comunicação e tecnologias
 
Escola participativa
Escola participativaEscola participativa
Escola participativa
 
Comunicação e Tecnologias na Formação de Formadores
Comunicação e Tecnologias na Formação de FormadoresComunicação e Tecnologias na Formação de Formadores
Comunicação e Tecnologias na Formação de Formadores
 
15 outubro
15 outubro15 outubro
15 outubro
 
Mod. e prát. de formação de profs. aula 2
Mod. e prát. de formação de  profs.   aula 2Mod. e prát. de formação de  profs.   aula 2
Mod. e prát. de formação de profs. aula 2
 
Portfólio
PortfólioPortfólio
Portfólio
 
K. Zeichner Entrevista
K. Zeichner EntrevistaK. Zeichner Entrevista
K. Zeichner Entrevista
 
A organização Escola
A organização EscolaA organização Escola
A organização Escola
 
O educador e a formação ética introdução
O educador e a formação ética introduçãoO educador e a formação ética introdução
O educador e a formação ética introdução
 
A supervisão escolar no município de esteio
A supervisão escolar no município de esteioA supervisão escolar no município de esteio
A supervisão escolar no município de esteio
 
Métodos de Investigação e Escrita Científica
Métodos de Investigação e Escrita CientíficaMétodos de Investigação e Escrita Científica
Métodos de Investigação e Escrita Científica
 
Método de Investigação e Escrita Científica
Método de Investigação e Escrita CientíficaMétodo de Investigação e Escrita Científica
Método de Investigação e Escrita Científica
 
Projeto de Pesquisa
Projeto de PesquisaProjeto de Pesquisa
Projeto de Pesquisa
 

Último

Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceRonisHolanda
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMHenrique Pontes
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...DominiqueFaria2
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSdjgsantos1981
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 

Último (20)

“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE”       _
“O AMANHÃ EXIGE O MELHOR DE HOJE” _
 
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaeceSimulado com textos curtos e tirinhas spaece
Simulado com textos curtos e tirinhas spaece
 
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOMNOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
NOVA ORDEM MUNDIAL - Conceitos básicos na NOM
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
A FORMAÇÃO DO SÍMBOLO NA CRIANÇA -- JEAN PIAGET -- 2013 -- 6ced7f10b1a00cd395...
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOSUM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
UM CURSO DE INFORMATICA BASICA PARA IDOSOS
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 

Avaliação de professores

  • 1.
  • 2. Professora doutora Ana Paula Silva profa.ap.silva@gmail.com 20-08-2011 e 21-08-11
  • 3. Sumário: 1. Apresentação da nova disciplina; 2. Atividade 1 – ponto da situação, levantamento de expetativas e questões a ser esclarecidas; 3. Emergência da avaliação de professores 4. Problemática da avaliação de professores;
  • 4. Ponto de situação, levantamento de expetativas e questões a ser esclarecidas (20min.): 1. Numa folha de papel, escreva a sua identificação: 1. Nome, nível de ensino em que lecciona, matéria(s) leccionada(s), experiência profissional, outros aspectos que queira salientar; 2. Responda às seguintes questões: 1. Até ao momento, como avalia o processo de desenvolvimento deste mestrado, principalmente, no que se refere às aprendizagens por si realizadas? 2. O que espera aprender nesta nova disciplina? 3. Que questões gostava de ver esclarecidas?
  • 5. A preocupação com a eficácia dos sistemas educativos ou com a qualidade dos processos que utilizam e dos resultados que permitem obter, tem sido recorrente ao longo da história da educação e tem-se acentuado particularmente nas três últimas décadas
  • 6. Um pouco por todo o mundo e durante décadas, os esforços para melhorar a qualidade dos sistemas educativos centraram-se sobretudo: ◦ na melhoria dos currículos, ◦ nos processos de organização e gestão das escolas ou ◦ no desenvolvimento de novos programas de ensino.  A avaliação dos professores não era considerada uma prioridade.
  • 7. Mais recentemente, as iniciativas destinadas a melhorar a educação começaram a incorporar sistemas de avaliação de professores com finalidades tão diversas como: ◦ a selecção para efeitos de ingresso na profissão, ◦ a formação e desenvolvimento profissional, ◦ a melhoria do ensino, ◦ a progressão na carreira e ◦ o aumento de salário.  Porém, muitas outras motivações haverá.
  • 8. A transparência da avaliação e as suas dimensões ética e política poderão contribuir decisivamente para formar melhores profissionais, mais conscientes e mais responsáveis perante os seus alunos e perante a sociedade que pretendem servir.
  • 9. Em muitas sociedades, pensa-se que a melhoria dos sistemas educativos passa por melhorar a qualidade do trabalho pedagógico e os sistemas de apoio às aprendizagens dos alunos – tarefas próprias dos professores.  É nesta linha de ideias que os governos têm vindo a conceber e implementar políticas de avaliação de professores.
  • 10.
  • 11. 1. Uma de natureza mais formativa, claramente associada ao desenvolvimento pessoal e profissional, com uma participação dos professores em todos os momentos. 2. Uma natureza sumativa, mais centrada na responsabilização e na prestação de contas e, por isso mesmo, a abordagem de avaliação terá de ter, orientada para medir a competência, o desempenho e a eficácia dos professores.
  • 12.
  • 13. Análise, em pequeno grupo, do documento “Avaliação do Desempenho versus Progresso e Mérito” (45min.) 1. identifiquem como visa, cada um dos modelos de avaliação em causa, discernir a qualidade do professor, demonstrá-la e vê-la reconhecida. 2. Sistematizem as vossas conclusões para serem apresentadas em plenário.  Apresentação e discussão em plenário das conclusões do pequeno grupo (45min.)
  • 14.
  • 15. Sumário: 1. Revisões da aula anterior: 1. Quais foram as ideias-chave da aula passada? 2. Quais as dúvidas com que ficou/O que gostava de ver esclarecido e/ou aprofundado? 2. Esclarecimento das questões colocadas pelos alunos na atividade 1; 3. Problemática da avaliação de professores (conclusão). 4. O processo de avaliação – diferentes abordagens.
  • 16. A avaliação dos professores não é uma mera questão técnica.  É uma complexa construção social dada a diversidade de intervenientes no processo e, consequentemente, a diversidade de visões de ensino, de escola, de educação ou de sociedade que estão em presença.
  • 17. As práticas de avaliação têm que permitir discernir a QUALIDADE do que se avalia, a qual tem que ser demonstrada e reconhecida.
  • 18. Existe uma grande variedade de abordagens de avaliação de professores, cada uma das quais é construída a partir de propósitos que se pretende alcançar ou das concepções que os seus autores perfilham relativamente ao que significa ensinar.
  • 19. Um modelo de avaliação pode estar mais focado em avaliar: 1. a qualidade dos professores, isto é, focado na análise da COMPETÊNCIA dos professores, 2. outro pode estar mais interessado em avaliar a qualidade do ensino, analisando o DESEMPENHO dos professores, 3. enquanto outro pode estar mais orientado para avaliar a EFICÁCIA dos professores através da apreciação dos resultados dos seus alunos.
  • 20. O desempenho está associado àquilo que o professor efectivamente faz quando está a trabalhar (e.g., ensinar, preparar aulas, participar em reuniões do conselho de turma);  Note-se que o desempenho não é o que ele está apto a fazer ou pode fazer, pois aqui estaríamos no domínio da sua competência.  O desempenho de um professor é de algum modo situado, isto é, depende da situação específica vivida, mas também depende da sua competência, do contexto em que trabalha e da sua capacidade para mobilizar e utilizar as suas competências numa diversidade de situações.
  • 21. a competência do professor refere-se a um sistema de saberes diversificados e específicos que o professor domina, utiliza ou em que acredita. Um professor será competente se domina bem um conjunto de competências específicas que são importantes para as boas práticas de ensino, embora algumas delas possam ser mais relevantes do que outras para determinar a sua competência geral.
  • 22. A eficácia do professor é o efeito do desempenho (tudo aquilo que o professor faz) sobre os alunos.  Nestas condições, a eficácia do professor depende da sua competência e do seu desempenho mas também do que os alunos forem capazes de responder em determinadas situações.  Do mesmo modo que a competência de um professor não garante em absoluto que, em determinadas situações, o seu desempenho vá ser de certa maneira, também não se poderá assegurar que o desempenho do professor, por si só, produza determinado tipo de resultados junto dos seus alunos.
  • 23.
  • 24. Conceção de Sistema de avaliação ensino Ensino como Avaliação Paradigma Modelo de Trabalho correspondente Racionalismo produto burocrático Ensino como Avaliação Ofício correspondente Ensino como Avaliação Paradigma Sócio- Modelos de Profissão correspondente Crítico Processo Ensino como Arte Avaliação Paradigma correspondente Personalista Individualista
  • 25. O papel dos professores reduz-se à aplicação de orientações metodológicas e de natureza prática previamente elaboradas. Visão racionalista e burocrática da tarefa de ensinar, parte do princípio de que boa práticas podem ser definidas e especificadas de formas concretas e que se os professores as assumirem alcançam os resultados que desejam
  • 26. Centra-se na inspecção direta do trabalho do professor, na análise de resultados dos alunos, na monitorização de planos de aula e do desempenho nas salas de aula.
  • 27. Hierárquica, estandardizada, com uma relação autoritária entre o avaliador e o avaliado. Tende a fiscalizar e a controlar se os professores seguem de perto os procedimentos prescritos pelas autoridades.
  • 28. Procura-se recolher e analisar informação relativa à competência, ao desempenho e à eficácia dos professores, considerada essencial para que estes possam melhorar através de processos adequados de formação e de desenvolvimento profissional. Utiliza procedimentos que permitam medir tão exactamente quanto possível o desempenho dos professores para que sejam operacionalizadas as acções necessárias para ultrapassar os problemas que eventualmente forem detectados. Tendem a ter uma natureza prescritiva, associada às finalidades previstas no currículo proposto e estarão mais próximos das visões e preocupações das autoridades educativas, em garantir que sejam mínimas as diferenças entre o currículo oficial, o currículo ensinado pelos professores e o currículo aprendido pelos alunos.
  • 29. Ensinar é utilizar e aplicar adequadamente as regras e as técnicas prescritas pelas autoridades, porque se considera que há um conjunto de regras, procedimentos e técnicas, mais ou menos sofisticados, que podem ser aprendidos e desenvolvidos pelos professores.
  • 30. Centra-se na inspecção direta do trabalho do professor, na análise de resultados dos alunos, na monitorização de planos de aula e do desempenho nas salas de aula.
  • 31. Reconhece-se que os professores são capazes de formular juízos profissionais e de agir em função desses mesmos juízos. São, por isso, profissionais que se desenvolvem autonomamente em cooperação e em colaboração com os seus pares e que ensinam de acordo com elevados padrões de conhecimento científico, pedagógico e de prática profissional. Pressupõe-se que os professores possuem um sólido conjunto de conhecimentos teóricos que, aliado ao domínio de um alargado espectro de saberes-fazer, lhes permite uma atitude crítica e fundamentada sobre o currículo, sobre o ensino e a aprendizagem ou sobre as suas próprias acções pedagógicas.
  • 32. Predominam a auto-avaliação e a avaliação pelos pares que procuram determinar em que medida os professores possuem a necessária competência para lidar com os seus problemas profissionais.
  • 33. Os professores participam activamente na sua avaliação que, em geral, é situada e contextualizada. Neste paradigma, a avaliação é encarada explicitamente como um processo de desenvolvimento individual e colectivo
  • 34. Os professores mobilizam um conjunto de recursos pessoais e de conhecimentos profissionais para os utilizar, de forma única, em interacção com os seus alunos. De natureza imprevisível, não convencional e inovadora das acções de ensino e de aprendizagem. As práticas estão claramente orientadas para cada pessoa e não são estandardizadas e, por isso, o ensino é dificilmente orientado por regras ou por orientações precisas. Há uma predominância de dinâmicas de sala de aula baseadas na intuição, na dramatização, na improvisação e na criatividade.  Nesta concepção parte-se do princípio de que o ensino utiliza a ciência mas não é verdadeiramente uma ciência devido à sua elevada imprevisibilidade.
  • 35. Tenderá a centrar-se mais em características ou qualidades globais e holísticas e menos em quantidades decorrentes de apreciações mais analíticas. Valoriza-se a pessoa que o professor é, o que pensa e o que sente sobre a sua profissão, em contraste com comportamentos observáveis, quantificáveis e mensuráveis.
  • 36. Privilegia a liberdade e responsabilidade individual dos professores. As perspectivas pessoais dos professores, os seus projectos e as suas ideias são sistematicamente valorizados e a avaliação serve precisamente para apoiar o seu desenvolvimento.
  • 37. Pressupõem que o desenvolvimento profissional dos professores tem de estar relacionado com a produção de ideias e de reflexões que surgem ao longo de um processo cujo principal objectivo é o de melhorar a qualidade do ensino. Neste sentido, as informações avaliativas que se vão obtendo ao longo do processo são situadas e específicas de um determinado contexto e deverão servir como estímulo e incentivo ao desenvolvimento profissional dos professores.  Assim, os modelos de processo estão mais próximos das práticas do dia-a-dia dos professores, das suas necessidades reais e da sua cultura profissional.
  • 38.
  • 39.
  • 40. Sumário: 1. Revisões da aula anterior: 1. Quais foram as ideias-chave da aula passada? 2. Quais as dúvidas com que ficou/O que gostava de ver esclarecido e/ou aprofundado? 2. Implementação de um processo de avaliação de professores - Atividade 3;
  • 41.
  • 42. Análise, em pequeno grupo, do documento “Referencial de competências…” (60min.) 1. Analise comparativamente os dois quadros. 2. Que observações tem a fazer? 3. Como pode ser feita prova de cada uma das competências? 4. Quais os referenciais de valoração/reconhecimento da qualidade a adoptar para cada uma das competências? 5. Sistematizem as vossas conclusões para serem apresentadas em plenário.  Apresentação e discussão em plenário das conclusões do pequeno grupo (60min.)
  • 43.
  • 44. Sumário: 1. Revisões da aula anterior: 1. Quais foram as ideias-chave da aula passada? 2. Quais as dúvidas com que ficou/O que gostava de ver esclarecido e/ou aprofundado? 2. Avaliação da disciplina ADDTM – Atividade 4; 3. Trabalho final da parte I da ADDTM.
  • 45. AUTO:  Reflicta e responda: 1. O que aprendeu? 2. O que ainda deve ser esclarecido/aprofundado? HETERO:  Considerando as suas expetativas em relação a esta disciplina, responda: 1. Quais as que já se encontram satisfeitas? 2. Quais as que faltam satisfazer? 3. Que contribuição pessoal pode dar para as satisfazer? 4. Qual o contributo que a professora pode dar?
  • 46.
  • 47. Portfolio digital com 3 elementos 1. Revisão da literatura de apoio fornecida, enfocada sobre os tópicos tratados nas aulas (3 a 5 pp.) 2. Trabalho de grupo (vide slide seguinte) 3. Reflexão final, com proposta de classificação fundamentada.
  • 48. Em pequeno grupo: ◦ Concepção de um dispositivo de avaliação (desenvolvimento da atividade 3): 1. Finalidade da avaliação; 2. Organização e desenvolvimento do processo; 3. Instrumentos de recolha e registo de evidências; 4. Referenciais do juízo avaliativo.
  • 49. 1. Um ficheiro PPT com apresentação personalizada e índice – hiperligação aos outros três ficheiros/evidências constituintes do portfolio; 2. Os ficheiros das três evidências constituintes do portfolio em formato PDF; 3. Formatação dos textos: margem esquerda 3 cm, todas as restantes 2 cm; letra Arial 11, espaçamento 1,5; 4. Normas dos trabalhos académicos.
  • 50. 1. Empenho – atitude evidenciada (20%): 1. Assiduidade 2. Pontualidade 3. Participação activa Portfolio digital 2. Desempenho (trabalhos) (80%): 1. Conteúdo: 1. Correcção do discurso; 2. Clareza, rigor e articulação das exposição das ideias expressas 2. Forma: 1. Cumprimentos das normas indicadas; 2. Aspecto visual.