Religião e sociedade na América Portuguesa

7.336 visualizações

Publicada em

História

Publicada em: Educação
1 comentário
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • oxalá é um deus da umbanda e candomblé e não uma religião... ja q os africanos q eram co candomblé foram obrigados a seguir o catolicismo.. ouve uma mistura do candomble com o catolicismo que gerou a umbanda......
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.336
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
211
Comentários
1
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Religião e sociedade na América Portuguesa

  1. 1. Escola de Educação Básica Madre Benvenuta RELIGIÃO E SOCIEDADE NA AMÉRICA PORTUGUESA Alunos: Darlei Kappes, Douglas Meier, Isabel Schneiders e Viviane Dilkin Endler Professora: Síria Zilles Specht
  2. 2. RELIGIÃO E SOCIEDADE NA AMÉRICA PORTUGUESA Mistura das religiões Católicas (por obrigação) e Oxalá* (pra não perder sua cultura);
  3. 3. OS VESTIDOS DAS BAIANAS É UM DOS EXEMPLOS DE OXALÁ
  4. 4. O TRIBUNAL DA INQUISIÇÃO • Chamadas públicas (praças e igrejas).
  5. 5. RELIGIOSIDADE NA COLÔNIA • A religião e a religiosidade no Brasil colonial foram bem diferentes das que existiram na Europa; • Irmandades Leigas; #Sedes de devoção; #Assistencialismo; • Barroco Mineiro;
  6. 6. BARROCO MINEIRO • Apresenta características diferentes que o distingue das demais manifestações artísticas; • Tal estilo atingiu o auge com as igrejas e esculturas; #Antônio Francisco Lisboa, o Aleijadinho (17381814); #Manuel da Costa Ataíde; • Mão-de-obra;
  7. 7.  AS VÁRIAS FACES DA FAMÍLIA COLONIAL • Sociedade colonial é caracterizada em “domínios rurais/urbanos” como patriarcal; Modelo: Chefe de família, mulher, filhos, netos e secundários (filho ilegítimo, afilhados, serviçais...). Compadrio= relação entre o pai e o padrinho.
  8. 8. • No Nordeste açucareiro predominou a família extensa; Modelo: parentes de sangue, simbólicos (padrinhos, compadres e afilhados), agregados/protegidos e escravos. • Família nuclear; Modelo: pai, esposa e descendentes legítimos. É predominante hoje e o patriarca não tem mais o mesmo poder.
  9. 9.  ATÉ QUE A VIDA OS SEPARE • O casamento conforme as regras Católicas era uma espécie de monopólio para prestígio social. Entre os pobres prevalecia a união ilegítima; • As uniões ilegítimas eram vistas com maus olhos pela igreja, “era um desrespeito ao matrimônio”. • Já o Estado concordava com essas uniões pois as mulheres europeias eram raras no Brasil. O que interessava era a reprodução e consequentemente mais força de trabalho.
  10. 10.  SEXO FRÁGIL? • Ideia de marido dominador e mulher submissa; • Mulheres foram espancadas, perseguidas e aprisionadas pelos maridos; • Enfrentavam as contrariedades do cotidiano com “mágicas”.
  11. 11. ARRAIAIS, VILAS E CIDADES • Funções variáveis; • Função social; • Poucas residências fixas; • Aldeias ou povoados surgiram nos caminhos dos TROPEIROS; • Realização de feiras, atual Sorocaba-SP; • Arraiais não tinham autoridades oficiais;
  12. 12. DA NOBREZA AOS DESCLASSIFICADOS • No período colonial existiu um conjunto heterogêneo de elementos; • Raras vezes essa gente conseguiu assegurar uma posição entre os “homens-bons” das vilas; • Postos mais altos da sociedade ocupados pela aristocracia açucareira, donos das lavras de mineração e grandes comerciantes;
  13. 13. O TRABALHO ESCRAVO • Escravo domésticas; • Escravos de ganho; • Escravos de aluguel;
  14. 14. GRITOS PARA A LIBERDADE • Negros se mostraram indiferentes aos seus donos. • Relacionamentos amorosos etc .
  15. 15. A “BRECHA CAMPONESA” • Mecanismo de controle e manutenção da ordem escravista. • No brasil a “brecha camponesa” a partir do final do século XVII.

×