O trabalho na sociedade moderna capitalista

15.921 visualizações

Publicada em

Sociologia.

Publicada em: Educação
3 comentários
10 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
15.921
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
557
Comentários
3
Gostaram
10
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O trabalho na sociedade moderna capitalista

  1. 1. O Trabalho na sociedade moderna capitalista 1
  2. 2. A divisão social do trabalho acontece no processo de desenvolvimentos da sociedade. Para satisfazer nossas necessidades estabelecemos relações de trabalho e a divisão das atividades. 2
  3. 3.  Divisão: trabalho rural (agricultura) e trabalho urbano (comércio e indústria). Quem administra (diretor ou gerente) e quem executa (operário). O trabalho gera divisão de classes. 3
  4. 4. O proprietário das máquinas precisa de um operador e o trabalhador passa a ser um operário das máquinas que recebe o seu salário.  Relação dois iguais: relação entre o proprietário da mercadoria mediante a compra e venda da força de trabalho. O trabalhador fica subordinado a máquina e ao seu proprietário. 4
  5. 5.  Ele analisa as relações de trabalho na sociedade moderna de forma diferente de Marx, procura demonstrar que a crescente especialização do trabalho promovida pela produção industrial moderna trouxe uma forma superior da solidariedade e não de conflito. 5
  6. 6. Para ele tem dois tipos de solidariedade, a mecânica e a orgânica. Mecânica: é a mais comum, onde todos sabem fazer o que precisam para sobreviver. Orgânica: é a que une as pessoas, ou seja, uma pessoa precisa da outra. 6
  7. 7.  Se a divisão social do trabalho para Durkheim não produz solidariedade é por que as relações entre os diversos setores da sociedade não são regulamentadas pelas instituições existentes. 7
  8. 8. O aperfeiçoamento contínuo de sistemas produtivos deu origem ao fordismo. Essas mudanças visavam produção em série para consumo em massa. 8
  9. 9. O sistema de fordismo deu boas condições de trabalho para seus funcionários que podiam então passar a comprar produtos produzidos por sua fábrica. Fordismo e Taylorismo passaram a representar o processo de aumento de produtividade com o uso mais adequado possível de horas trabalhadas. 9
  10. 10. A hierarquia foi introduzida então no processo produtivo, sempre treinado por administradores treinados. 10
  11. 11.  Para evitar conflitos entre empregados e empregador Elton Mayo buscou medidas que evitassem o conflito e promovessem equilíbrio e a colaboração das empresas.  O operário passava assim a ser comandado de acordo com o que ele desejava fazer e como. 11
  12. 12. A empresa lhes daria segurança e apoio, deveriam então trabalhar como se fizessem parte de uma comunidade de interesses.  Foi assim que o fordismo-taylorismo se desenvolveu e tornou-se tão forte que acabou chegando também até as escolas, famílias, clubes, igrejas e instituições estatais. 12
  13. 13.  As transformações no capitalismo aconteceram, depois visaram mais lucros. Com a recessão aumentou a crise do petróleo obrigado as capitalistas a inventor novas formas de trabalho para aumentar seus lucros. 13
  14. 14. A primeira forma aconteceu com a automação e posterior eliminação do controle manual por parte do trabalhador, o processo de automação o trabalhador deveria estar disponível para adotar-se às diversas funções existentes na empresa. 14
  15. 15. A flexibilização e mobilidade dos mercados de trabalho, acontecem quando os empregadores utilizam as mais diferentes formas de trabalho: doméstica e familiar, autônoma, temporária, terceiriza da ente outras. 15
  16. 16.  Até a pouco tempo, o trabalhador podia entrar numa empresa, trabalhar anos seguidos e aposentar-se nela. Era o chamado posto fixo do trabalho. E hoje isso não existe mais. 16
  17. 17.  Essa situação está dando lugar a uma nova sociedade, na qual o trabalho e a providência já não significam mais segurança, o que causa transtornos terríveis. Como a desestabilização dos estáveis, a precariedade do trabalho. 17
  18. 18.  Fazendo com que esses trabalhadores não consigam se integrar nela, desqualificando-se também o ponto de vista cívico e político, e isso tudo acontece mais nos centro urbanos. 18
  19. 19. O Capitalismo está dando mostras de que não está preparado para uma continuidade sem cobrar um alto preço da imensa massa de desfavorecidos de nossa sociedade. Preço que vai desde uma desigualdade gritante na divisão das riquezas (Desigualdade Social). FIM 19
  20. 20. Alunos: Alexandre, Darlei, Douglas, Viviane. Turma 10 20

×