SlideShare uma empresa Scribd logo
1
Guia rápido para conversas significativas
Uma breve referência.
2
Todas as conversas são oportunidades para nos
conectarmos com mais profundidade uns com os outros. Na
prática de anfitriar conversas, falamos freqüentemente do
“Caminho Quádruplo” e dos “Sete Ajudantes”: as
ferramentas mais simples para “anfitriar” qualquer conversa.
Normalmente, a maior parte das conversas que
“anfitriamos” nas nossas vidas, no trabalho ou na
comunidade, são conversas em pequenos grupos. Estes
processos simples são oferecidos como uma referência
rápida para trazer profundidade e vida para estas
conversas.
O Caminho Quádruplo para anfitriar conversas
Temos aprendido que conversas de qualidade, que levam a times de trabalho mais coesos e
decisões sábias, acontecem quando se tem quatro condições presentes:
1. Esteja Presente
2. Pratique Conversas
3. Anfitrie Conversas
4. Co-crie
Chamamos estas quatro condições de “Caminho Quádruplo” para anfitriar conversas, porque você
pode praticá-las sempre, em qualquer momento. Elas são a base de todas as conversas bem
anfitriadas.
Esteja Presente
...anfitrie a si mesmo primeiro – queira sentar-se no caos – mantenha o espaço aberto
– sente-se no fogo do presente...
Estar presente significa mostrar-se atento, preparado, ter clareza da
necessidade e de qual pode ser a sua contribuição pessoal. Isto lhe
permite olhar a si mesmo e desenvolver sua curiosidade pessoal sobre
o que pode surgir em qualquer encontro. Presença significa criar
espaço e dedicar tempo para trabalhar com os outros. Se você se
distrai quando chamado, ou tenta estar em vários lugares ao mesmo
tempo, você não poderá estar presente em nenhum deles. Para que as
reuniões tenham resultados profundos, todas as pessoas presentes na
sala precisam estar totalmente presentes.
Uma boa prática no coletivo é todos estarem presentes ao mesmo
tempo e juntos quando uma reunião começa. Isto pode ser tão simples
como fazer um minuto de silêncio para trazer todos ao presente. Se
houver um “ancião” no grupo, uma celebração ou cerimônia pode
funcionar muito bem. Trata-se simplesmente de convidar o coletivo a
acalmar-se e desacelerar de modo que todos os participantes da
reunião possam estar presentes juntos.
Questões para ajudar a
estar presente:
O que desperta a minha
curiosidade?
Chegando neste encontro,
que ansiedades estou
sentindo e como vou deixá-
las ir?
Que clareza preciso?
Que clareza tenho?
3
Pratique Conversas
...queira ouvir plenamente, respeitosamente, sem julgamento e pensando que você já
sabe todas as respostas – pratique conversas com cuidado e atenção...
Conversar é uma arte, não é só falar. É necessário ouvir uns aos
outros com cuidado e atenção e oferecer o que podemos a serviço
do todo. Curiosidade e julgamento não podem conviver no mesmo
espaço. Quando julgamos o que ouvimos, não conseguimos ter
curiosidade sobre o que está surgindo e se convocamos uma
reunião porque estamos em dúvida sobre como prosseguir, manter-
se aberto é uma habilidade chave. Somente com a prática hábil de
conversas, podemos encontrar a nossa melhor forma de conversar
como grupo.
Se praticamos conversas com cuidado e atenção, desaceleramos as
reuniões, permitindo que a sabedoria e a clareza trabalhem rápido.
Quando falamos negligentemente, não deixamos espaço para que a clareza surja. A “Arte de
Conversar” é a arte de desacelerar para acelerar.
Anfitrie Conversas
...seja corajoso, convidando e querendo dar início a conversas significativas – encontre
e anfitrie questões poderosas com as partes interessadas – e certifique-se de que está
colhendo as respostas, os padrões, insights, aprendizados e ações sábias...
Anfitriar conversas é ao mesmo tempo mais e menos do que facilitar. Significa assumir a
responsabilidade de criar e segurar um “campo” no qual um grupo de
pessoas possa realizar seu melhor trabalho conjunto. Você pode
criar este campo usando os “Sete Ajudantes” como pontos de partida
e, apesar de poder usá-las no momento da conversa, quanto mais
preparação prévia tiver, melhor.
O mínimo a se fazer é detectar a necessidade, preparar uma boa
pergunta e saber o que você fará com a colheita. Se não houver
necessidade de se encontrar, não marque o encontro. Se houver
uma necessidade, esclareça-a e prepare um processo que a atenda,
elaborando uma pergunta poderosa. E tenha clareza sobre como vai
colher e o que fará com a colheita, para assegurar que os resultados
sejam sustentáveis e que o esforço do encontro terá valido a pena.
Anfitriar conversas requer coragem e traz certeza e credibilidade ao grupo. Muitas vezes abrimos
pouco espaço para conversas devido ao medo que sentimos de anfitriar. Entretanto, anfitriar é um
presente e participar de uma conversa bem anfitriada também. O trabalho em reuniões se torna
sensivelmente melhor.
Praticando Conversas
Ouça e ajude os outros a ouvir
Use o silêncio
Contribua com a colheita
Coloque boas perguntas no
centro
Conecte idéias
A base do “anfitriar”
Defina a necessidade e o
propósito
Crie uma pergunta poderosa
Anfitrie um processo
apropriado
Encoraje contribuições
Harvest
4
Co-crie
...queira co-criar e co-anfitriar com outros, misturando seus conhecimentos,
experiências e práticas com os deles, trabalhando em parceria...
A quarta prática diz respeito a estar em uma conversa sem ser um
espectador, contribuindo com o esforço coletivo de sustentar os
resultados. As melhores conversas acontecem quando “ouvimos”
o que está no “centro”, o que está surgindo a partir do centro da
nossa colaboração. Não se trata de equilibrar interesses pessoais,
trata-se de encontrar o que é novo. Quando isto é descoberto, o
trabalho desenrola-se lindamente e cada um tem clareza sobre a
sua contribuição individual com o trabalho. Esta é a forma pela
qual os resultados se tornam sustentáveis ao longo do tempo –
eles entram na rede de relacionamentos que surge de uma boa
conversa, de amigos trabalhando juntos.
Portanto, contribua nesta mistura com o que você sabe, para que os padrões possam ficar claros e
também para que o campo colaborativo possa produzir resultados inesperados e surpreendentes.
Co-criação
Fale a verdade
Fale em favor daquilo que está no
centro
Ofereça o que puder
Peça o que precisar
Comprometa-se com o que puder
Deixe-se ir
5
Os sete ajudantes
Ao longo dos anos, identificamos sete pequenas ferramentas
que são chaves para um bom design de conversas. Se você
usar ao menos estas ferramentas, as conversas serão mais
profundas e o trabalho será mais significativo. Estas sete
ajudas trazem forma ao medo e à incerteza e nos ajudam a
permanecer no “caos” de não saber as respostas. Também
nos ajudam a caminharmos juntos em situações
desconfortáveis, como conflitos, incertezas, medos e
momentos de reclamação e chegar a uma ação sábia.
1. Esteja presente
2. Tenha uma boa pergunta
3. Use um objeto da fala
4. Faça a colheita do que é importante
5. Tome uma decisão sábia
6. Aja
7. Fiquem juntos
1. Esteja presente
Convidar a presença é uma prática primordial quando se anfitria conversas e também para preparar o
ambiente para uma boa reunião. Há muitas formas de fazer um grupo presente, incluindo:
Começar com uma cerimônia ou celebração
Começar com um momento de silêncio
Promover um “check-in” com uma pergunta pessoal relacionada ao tema da conversa
Passar um objeto da fala e promover espaço para ouvir cada uma das vozes presentes
Comece bem. Comece devagar. Convide a todos para a conversa.
2. Tenha uma boa pergunta
Uma boa pergunta está alinhada à necessidade e ao propósito da reunião e nos convida a ir para um
outro nível de profundidade. Boas perguntas são colocadas no centro do círculo e o grupo fala a partir
delas. Uma boa pergunta no centro mantém o foco no trabalho e ajuda um grupo a evitar
comportamentos que atrapalham, como ataques pessoais, politicagens e mentes fechadas.
Uma boa pergunta tem as seguintes características:
É simples e clara
É provocativa e inquietante
Energiza
Foca a investigação
Desafia pressupostos
Abre novas possibilidades
Estimula novas perguntas
Uma atitude sábia é formular estas perguntas antecipadamente e fazer delas peças essenciais do
6
convite para que outras pessoas se juntem a você. Conforme você mergulha nestas perguntas, colha
as novas perguntas que vão surgindo. Elas representam o caminho que você precisa tomar.
3. Use um objeto da fala
Olhando de forma simplista, um objeto da fala é simplesmente um artefato que passa de mão em
mão. Quando alguém está segurando o objeto, este alguém é convidado a falar e todos são
convidados a ouvir. O uso de um objeto da fala tem o poderoso efeito de garantir que todas as vozes
sejam ouvidas, e afia tanto a fala quanto a escuta.
Reduz a velocidade da conversa. Quando a dinâmica está muito rápida ou as pessoas começam a
se atropelar nas falas e a escuta cessa, o objeto da fala restaura a calma e a suavidade. A condução
de uma rodada de abertura com um objeto da fala dá o tom para uma reunião e ajuda as pessoas a
lembrarem o poder desta simples ferramenta.
É claro que um objeto da fala é uma forma mínima de estrutura. Toda reunião deve ter alguma forma
de estrutura que ajude a trabalhar com o “caos” e a “ordem” necessários para co-descobrir novas
idéias. Existem muitas opções de formas e processos. O importante é alinhá-los à natureza dos
sistemas vivos, se desejarmos que emerja inovação e sabedoria a partir do caos e da incerteza.
Em níveis mais sofisticados, quando precisar realizar mais trabalho, você pode usar processos mais
formais, que trabalham esses tipos de contexto. Cada um destes processos tem um ponto ótimo e
uma aplicação ideal, nos quais você pode pensar ao planejar encontros. Misture-os, se necessário.
7
Processo Necessidades Melhor uso
Investigação
Apreciativa
Pelo menos 20 minutos por pessoa para as
entrevistas, com algum tempo na seqüência
para processamento conjunto. Pode ser feito
em qualquer lugar.
Perceber o que temos de melhor
e descobrir como usar estes
recursos em outras situações.
Círculo Um objeto da fala e um espaço livre de
mesas que possa acolher o grupo em
círculo.
Para reflexão conjunta sobre
perguntas, quando ninguém
sabe a resposta. É a base para
toda boa conversa.
Tecnologia
Open Space
Uma sala que possa acomodar todo o grupo
em círculo, uma parede em branco, pelo
menos 1 hora por sessão. Devemos abrir
mão do resultado para alcançar o potencial
pleno.
Para organizar o trabalho e
fazer as pessoas assumirem a
responsabilidade pelo que
amam. A maneira mais rápida
de conseguir engajar as
pessoas em trabalhos que
importam.
World Cafe Mesas ou espaços de trabalho, suficientes
para agrupar 3 a 5 pessoas cada, com papel
e canetas no meio. São necessários de 15 a
20 minutos por rodada de conversa e no
mínimo 2 rodadas para chegar ao potencial
máximo. As pessoas precisam trocar de
mesa a cada rodada para as idéias
circularem.
Para descobrir o que o coletivo
sabe. World Café faz emergir o
conhecimento que está no todo,
mesmo aquele conhecimento
que nenhum indivíduo
específico sabe que está
compartilhado.
Consulte os livros "The Power of Appreciative Inquiry", "Calling the Circle", "Open Space Technology" e "The
World Café Guide" para mais detalhes sobre os processos.
4. Faça a colheita do que é importante
Nunca se encontre a não ser que planeje colher os seus
aprendizados. A regra básica aqui é lembrar que você não
está planejando uma reunião. Ao invés disso, você está
planejando uma colheita. Saiba o que é necessário e planeje
o processo de acordo. Colheitas nem sempre têm que ser
visíveis; às vezes você planeja um encontro apenas para criar
aprendizado. Mas dê suporte ao aprendizado pessoal com
boas perguntas e pratique a colheita pessoal (diários,
anotações, poemas, desenhos).
8
Para colher bem, esteja consciente de 4 coisas:
• Crie um artefato. Colheita se trata de tornar conhecimento visível. Faça um mapa mental,
desenhe figuras, tome notas, mas seja lá o que você faça, crie uma registro da sua conversa.
• Tenha um loop de feedback (canal de realimentação). Artefatos são inúteis se eles ficam em
uma prateleira. Saiba como você vai usar a sua colheita antes de começar sua reunião. Será
colocado novamente dentro do sistema (grupo, organização)? Irá gerar perguntas para um
encontro futuro? Será compartilhado com pessoas como notícias e aprendizado? Descubra
isso e faça planos de compartilhar a colheita.
• Esteja consciente tanto de uma colheita intencional como emergente. A colheita
responde perguntas específicas que você está fazendo, mas garanta também que você está
prestando atenção nas coisas bacanas que estão emergindo em boas conversas. Existe valor
real no que está aparecendo e que ninguém podia antecipar. Colha isto.
• Quanto mais a colheita é co-criada, mais ela é apropriada coletivamente por todos. Não
defina simplesmente uma secretária, um "anotador" ou escriba. Convide as pessoas a co-
criarem a colheita. Coloque papel no meio da mesa para que todos possam alcançar.
Distribua post-its para que as pessoas possam capturar idéias e adicionar ao todo. Use seu
espírito criativo para achar maneiras do próprio grupo ser anfitrião de sua colheita.
Para mais informações, consulte a apostila "A Arte da Colheita", de Monica Nissen e Chris Corrigan.
5. Tome um decisão sábia
Se a sua reunião tem que chegar a uma decisão, faça dela uma decisão sábia. Decisões sábias
emergem de conversas, não de votação. A maneira mais simples de chegar a decisões sábias é usar
o processo de consenso com as três posições de dedões. Funciona assim:
Primeiro, faça uma proposta clara. Uma proposta é uma sugestão de como algo pode ser feito.
Tenha-a expressa em palavras, escrita e colocada no centro do círculo. Faça uma enquete no grupo,
pedindo para que todas as pessoas mostrem os seus dedões em uma das três posições. PARA CIMA
significa "Tudo bem para mim."; PARA O LADO significa "Preciso de mais clareza antes de colocar o
dedão para cima."; PARA BAIXO significa "Esta proposta viola a minha integridade... estou falando
sério.".
À medida em que cada pessoa indica o seu nível de apoio à proposta, note os dedões para baixo e
para o lado. Vá aos dedões para baixo primeiro e pergunte: "O que seria necessário para você dar
suporte a essa proposta?" Coletivamente ajude o participante a formular outra proposta, ou mudar a
atual. Se o processo é realmente de construção de consenso, as pessoas têm permissão de opinar
com o dedão para baixo apenas se estão dispostas a participar na construção de uma proposta que
9
funcione. Cuidado! Se um indivíduo seqüestrar o espaço do grupo, a “recompensa” será uma
votação. A maioria vence.
Assim que tratar dos dedões para baixo, faça o mesmo com os dedões para o lado. Para o lado não
significa "não", mas sim "Preciso de clareza.". Responda as perguntas ou esclareça as
preocupações.
Se a proposta decorre de uma boa conversa, você não deve ser surpreendido por nenhum dedão
para baixo. Se você for, reflita sobre a experiência e pense sobre o que poderia ter feito diferente.
Para mais, consulte o "The Facilitator's Guide to Participatory Decision Making."
6. Aja.
Assim que você tiver decidido o que fazer, aja. Não há muito mais a dizer sobre isto exceto que ação
sábia é ação que não sobrecarrega ou sub-utiliza os recursos de um grupo. A ação surge da escolha
pessoal de assumir a responsabilidade pelo que você ama. Comprometa-se ao trabalho é faça-o.
7. Fiquem juntos
Relacionamentos criam sustentabilidade. Se vocês ficarem juntos como amigos, companheiros ou
família, vocês se tornam responsáveis um pelo outro e podem enfrentar os desafios de forma melhor.
Quando você sentir seu relacionamento com seus companheiros mais próximos se esvaindo,
expresse isso e seja anfitrião de uma conversa sobre isso. Confiança é o recurso mais precioso de
um grupo. Use-a bem.
10
Referências:
Baldwin, Christina. Calling the Circle: The first and future culture
Brown, Juanita and Isaacs, David, et. al. The World Cafe: Shaping our Future through conversations
that matter
Corrigan, Chris. The Tao of Holding Space: 81 short chapters on the art of hosting Open Space
Technology.
Herman, Michael and Corrigan, Chris. Open Space Technology: A User's NON-Guide
Holman, Peggy and Devane, Tom (eds). The Change Handbook: Large group methods for shaping
the future.
Isaacs, William. Dialogue and the art of thinking together.
Kaner, Sam et. al. The Facilitator's Guide to Participatory Decision Making
Owen, Harrison. Open Space Technology: A User's Guide
Owen, Harrison. Expanding our Now: The story of Open Space Technology
Whitney, Dianna and Trosten-Bloom, A. The power of appreciative inquiry: a practical guide to positive
change
Reconhecimento e informações de contato.
This guide was written by Chris Corrigan for the Vancouver Island Aboriginal Transition Team based on material developed
by the Art of Hosting practitioner's community. It would not have been possible without the wisdom, friendship and inspiration
of Monica Nissen, Toke Moeller, Kris Archie, Tenneson Woolf, Teresa Posakony, Tim Merry, Phil Cass, Tuesday Ryan-Hart,
Caitlin Frost, David Stevenson, Christina Baldwin and Ann Linnea – all of them wise and wonderful stewards and
practitioners of the Art of Hosting. If you want to contribute to this document please do, but make your contributions move
this piece towards simplicity. I've already said more than enough.
Please share this document and contact me at chris@chriscorrigan if you need to. My website at www.chriscorrigan.com
has links to or copies of most of the resources discussed here.
Este documento foi traduzido por Thomas Ufer <thomas.ufer@cocriar.com.br> e Tamara Azevedo
<tamara.azevedo@cocriar.com.br>, amigos e companheiros do Chris Corrigan. Para maiores informações, por favor
contate-nos ou acesse: www.cocriar.com.br.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

The daily meeting
The daily meetingThe daily meeting
The daily meeting
Rafael Oliveira
 
Reuniões Eficazes
Reuniões Eficazes Reuniões Eficazes
Reuniões Eficazes
Marcos Bidart de Novaes
 
Reuniões Lean e o problema com osM&Ms
Reuniões Lean e o problema com osM&MsReuniões Lean e o problema com osM&Ms
Reuniões Lean e o problema com osM&Ms
CLT Valuebased Services
 
Tecnicas para conversações em rede
Tecnicas para conversações em redeTecnicas para conversações em rede
Tecnicas para conversações em rede
Sinapse
 
Como Conduzir Reuniões Eficazes
Como Conduzir Reuniões EficazesComo Conduzir Reuniões Eficazes
Como Conduzir Reuniões Eficazes
Halan Ridolphi
 
Metodologia de conversação - Oficina na UFMG
Metodologia de conversação - Oficina na UFMGMetodologia de conversação - Oficina na UFMG
Metodologia de conversação - Oficina na UFMG
Raquel Camargo
 
6 como ouvir pessoas
6 como ouvir pessoas6 como ouvir pessoas
6 como ouvir pessoas
Ricardo Robles
 
Grupo Focal Avaliação de Projetos Cristiane Locatelli
Grupo Focal  Avaliação de Projetos   Cristiane LocatelliGrupo Focal  Avaliação de Projetos   Cristiane Locatelli
Grupo Focal Avaliação de Projetos Cristiane Locatelli
crislocatelli
 
Colheita - Oficina de Entendimento
Colheita - Oficina de EntendimentoColheita - Oficina de Entendimento
Colheita - Oficina de Entendimento
Tellus
 
Coletânea de dinâmicas de grupos
Coletânea de dinâmicas de gruposColetânea de dinâmicas de grupos
Coletânea de dinâmicas de grupos
Graziele Borges
 
Design thinking - livro 2
Design thinking - livro 2Design thinking - livro 2
Design thinking - livro 2
Letícia Spina Tapia
 

Mais procurados (11)

The daily meeting
The daily meetingThe daily meeting
The daily meeting
 
Reuniões Eficazes
Reuniões Eficazes Reuniões Eficazes
Reuniões Eficazes
 
Reuniões Lean e o problema com osM&Ms
Reuniões Lean e o problema com osM&MsReuniões Lean e o problema com osM&Ms
Reuniões Lean e o problema com osM&Ms
 
Tecnicas para conversações em rede
Tecnicas para conversações em redeTecnicas para conversações em rede
Tecnicas para conversações em rede
 
Como Conduzir Reuniões Eficazes
Como Conduzir Reuniões EficazesComo Conduzir Reuniões Eficazes
Como Conduzir Reuniões Eficazes
 
Metodologia de conversação - Oficina na UFMG
Metodologia de conversação - Oficina na UFMGMetodologia de conversação - Oficina na UFMG
Metodologia de conversação - Oficina na UFMG
 
6 como ouvir pessoas
6 como ouvir pessoas6 como ouvir pessoas
6 como ouvir pessoas
 
Grupo Focal Avaliação de Projetos Cristiane Locatelli
Grupo Focal  Avaliação de Projetos   Cristiane LocatelliGrupo Focal  Avaliação de Projetos   Cristiane Locatelli
Grupo Focal Avaliação de Projetos Cristiane Locatelli
 
Colheita - Oficina de Entendimento
Colheita - Oficina de EntendimentoColheita - Oficina de Entendimento
Colheita - Oficina de Entendimento
 
Coletânea de dinâmicas de grupos
Coletânea de dinâmicas de gruposColetânea de dinâmicas de grupos
Coletânea de dinâmicas de grupos
 
Design thinking - livro 2
Design thinking - livro 2Design thinking - livro 2
Design thinking - livro 2
 

Semelhante a Guiarápidoparaconversassignificativas1.5

Reflexões sobre Reuniões Produtivas.ppsx
Reflexões sobre Reuniões Produtivas.ppsxReflexões sobre Reuniões Produtivas.ppsx
Reflexões sobre Reuniões Produtivas.ppsx
AntonioCandidoRodrig2
 
Reflexões sobre Reuniões Produtivas -.pdf
Reflexões sobre Reuniões Produtivas -.pdfReflexões sobre Reuniões Produtivas -.pdf
Reflexões sobre Reuniões Produtivas -.pdf
nivaldotavares9
 
Reflexões sobre Reuniões Produtivas - Mario Antônio Porto1 Lry211129.pptx.pdf
Reflexões sobre Reuniões Produtivas - Mario Antônio Porto1 Lry211129.pptx.pdfReflexões sobre Reuniões Produtivas - Mario Antônio Porto1 Lry211129.pptx.pdf
Reflexões sobre Reuniões Produtivas - Mario Antônio Porto1 Lry211129.pptx.pdf
nivaldotavares9
 
Reflexões sobre Reuniões Produtivas -.pdf
Reflexões sobre Reuniões Produtivas -.pdfReflexões sobre Reuniões Produtivas -.pdf
Reflexões sobre Reuniões Produtivas -.pdf
nivaldotavares9
 
Reflexões sobre Reuniões Produtivas - Mario Antônio Porto 090223.pdf
Reflexões sobre Reuniões Produtivas - Mario Antônio Porto 090223.pdfReflexões sobre Reuniões Produtivas - Mario Antônio Porto 090223.pdf
Reflexões sobre Reuniões Produtivas - Mario Antônio Porto 090223.pdf
nivaldotavares9
 
Oficina Kas 09 E 10 De Fevereiro Rio De Janeiro
Oficina Kas   09 E 10 De Fevereiro   Rio De JaneiroOficina Kas   09 E 10 De Fevereiro   Rio De Janeiro
Oficina Kas 09 E 10 De Fevereiro Rio De Janeiro
Aureo Ricardo Salles
 
Escuta Ativa
Escuta AtivaEscuta Ativa
Escuta Ativa
Anny Caroline Sousa
 
Você S.A. - Como Ouvir Pessoas
Você S.A. - Como Ouvir PessoasVocê S.A. - Como Ouvir Pessoas
Você S.A. - Como Ouvir Pessoas
Territorio Humano
 
Você s.a. como ouvir pessoas
Você s.a.   como ouvir pessoasVocê s.a.   como ouvir pessoas
Você s.a. como ouvir pessoas
tioheraclito
 
Como ouvir pessoas - Você SA
Como ouvir pessoas - Você SAComo ouvir pessoas - Você SA
Como ouvir pessoas - Você SA
Starosky Consultoria de RH
 
Como ouvir as pessoas
Como ouvir as pessoasComo ouvir as pessoas
Como ouvir as pessoas
Osvaldo Dal Fiume
 
Como Ouvir Pessoas
Como  Ouvir  PessoasComo  Ouvir  Pessoas
Como Ouvir Pessoas
Andre Cardoso
 
O que é Brainstorming?
O que é Brainstorming?O que é Brainstorming?
O que é Brainstorming?
Priscila Stuani
 
Metodologia World café
Metodologia World caféMetodologia World café
Você s.a. como ouvir pessoas
Você s.a.   como ouvir pessoasVocê s.a.   como ouvir pessoas
Você s.a. como ouvir pessoas
Domde Lima
 
Como Ouvir as Pessoas
Como Ouvir as PessoasComo Ouvir as Pessoas
Como Ouvir as Pessoas
Adeildo Caboclo
 
Como ouvir pessoas
Como ouvir pessoasComo ouvir pessoas
Como ouvir pessoas
UNIC
 
TDC2016POA | Trilha Dinamica - Facilitação - Que momento o grupo se encontra?
TDC2016POA | Trilha Dinamica - Facilitação - Que momento o grupo se encontra?	TDC2016POA | Trilha Dinamica - Facilitação - Que momento o grupo se encontra?
TDC2016POA | Trilha Dinamica - Facilitação - Que momento o grupo se encontra?
tdc-globalcode
 
TDC POA 2016 - Facilitação - Que momento o grupo se encontra?
TDC POA 2016 - Facilitação - Que momento o grupo se encontra?TDC POA 2016 - Facilitação - Que momento o grupo se encontra?
TDC POA 2016 - Facilitação - Que momento o grupo se encontra?
Mayra de Souza
 
Playbook reuniões produtivas
Playbook reuniões produtivasPlaybook reuniões produtivas
Playbook reuniões produtivas
Fernanda Lorenzetti Alves
 

Semelhante a Guiarápidoparaconversassignificativas1.5 (20)

Reflexões sobre Reuniões Produtivas.ppsx
Reflexões sobre Reuniões Produtivas.ppsxReflexões sobre Reuniões Produtivas.ppsx
Reflexões sobre Reuniões Produtivas.ppsx
 
Reflexões sobre Reuniões Produtivas -.pdf
Reflexões sobre Reuniões Produtivas -.pdfReflexões sobre Reuniões Produtivas -.pdf
Reflexões sobre Reuniões Produtivas -.pdf
 
Reflexões sobre Reuniões Produtivas - Mario Antônio Porto1 Lry211129.pptx.pdf
Reflexões sobre Reuniões Produtivas - Mario Antônio Porto1 Lry211129.pptx.pdfReflexões sobre Reuniões Produtivas - Mario Antônio Porto1 Lry211129.pptx.pdf
Reflexões sobre Reuniões Produtivas - Mario Antônio Porto1 Lry211129.pptx.pdf
 
Reflexões sobre Reuniões Produtivas -.pdf
Reflexões sobre Reuniões Produtivas -.pdfReflexões sobre Reuniões Produtivas -.pdf
Reflexões sobre Reuniões Produtivas -.pdf
 
Reflexões sobre Reuniões Produtivas - Mario Antônio Porto 090223.pdf
Reflexões sobre Reuniões Produtivas - Mario Antônio Porto 090223.pdfReflexões sobre Reuniões Produtivas - Mario Antônio Porto 090223.pdf
Reflexões sobre Reuniões Produtivas - Mario Antônio Porto 090223.pdf
 
Oficina Kas 09 E 10 De Fevereiro Rio De Janeiro
Oficina Kas   09 E 10 De Fevereiro   Rio De JaneiroOficina Kas   09 E 10 De Fevereiro   Rio De Janeiro
Oficina Kas 09 E 10 De Fevereiro Rio De Janeiro
 
Escuta Ativa
Escuta AtivaEscuta Ativa
Escuta Ativa
 
Você S.A. - Como Ouvir Pessoas
Você S.A. - Como Ouvir PessoasVocê S.A. - Como Ouvir Pessoas
Você S.A. - Como Ouvir Pessoas
 
Você s.a. como ouvir pessoas
Você s.a.   como ouvir pessoasVocê s.a.   como ouvir pessoas
Você s.a. como ouvir pessoas
 
Como ouvir pessoas - Você SA
Como ouvir pessoas - Você SAComo ouvir pessoas - Você SA
Como ouvir pessoas - Você SA
 
Como ouvir as pessoas
Como ouvir as pessoasComo ouvir as pessoas
Como ouvir as pessoas
 
Como Ouvir Pessoas
Como  Ouvir  PessoasComo  Ouvir  Pessoas
Como Ouvir Pessoas
 
O que é Brainstorming?
O que é Brainstorming?O que é Brainstorming?
O que é Brainstorming?
 
Metodologia World café
Metodologia World caféMetodologia World café
Metodologia World café
 
Você s.a. como ouvir pessoas
Você s.a.   como ouvir pessoasVocê s.a.   como ouvir pessoas
Você s.a. como ouvir pessoas
 
Como Ouvir as Pessoas
Como Ouvir as PessoasComo Ouvir as Pessoas
Como Ouvir as Pessoas
 
Como ouvir pessoas
Como ouvir pessoasComo ouvir pessoas
Como ouvir pessoas
 
TDC2016POA | Trilha Dinamica - Facilitação - Que momento o grupo se encontra?
TDC2016POA | Trilha Dinamica - Facilitação - Que momento o grupo se encontra?	TDC2016POA | Trilha Dinamica - Facilitação - Que momento o grupo se encontra?
TDC2016POA | Trilha Dinamica - Facilitação - Que momento o grupo se encontra?
 
TDC POA 2016 - Facilitação - Que momento o grupo se encontra?
TDC POA 2016 - Facilitação - Que momento o grupo se encontra?TDC POA 2016 - Facilitação - Que momento o grupo se encontra?
TDC POA 2016 - Facilitação - Que momento o grupo se encontra?
 
Playbook reuniões produtivas
Playbook reuniões produtivasPlaybook reuniões produtivas
Playbook reuniões produtivas
 

Mais de Sinapse

MInha Página - NING
MInha Página - NINGMInha Página - NING
MInha Página - NING
Sinapse
 
Tópicos - Tutorial NIng
Tópicos - Tutorial NIngTópicos - Tutorial NIng
Tópicos - Tutorial NIng
Sinapse
 
Primeiros passos na Rede Catalise
Primeiros passos na Rede CatalisePrimeiros passos na Rede Catalise
Primeiros passos na Rede Catalise
Sinapse
 
Jogo 3
Jogo 3Jogo 3
Jogo 3
Sinapse
 
Jogo do Saber Dengue
Jogo do Saber Dengue Jogo do Saber Dengue
Jogo do Saber Dengue
Sinapse
 
Cartela do Bingo Dengue
Cartela do Bingo DengueCartela do Bingo Dengue
Cartela do Bingo Dengue
Sinapse
 
Redes operativas e grupos operativos aproximações.
Redes operativas e grupos operativos  aproximações.Redes operativas e grupos operativos  aproximações.
Redes operativas e grupos operativos aproximações.
Sinapse
 
Conectivismo; contribuições para o e-learning na soceidade em rede
Conectivismo; contribuições para o e-learning na soceidade em redeConectivismo; contribuições para o e-learning na soceidade em rede
Conectivismo; contribuições para o e-learning na soceidade em rede
Sinapse
 
Eureka
EurekaEureka
Eureka
Sinapse
 
Portfoliovivi2014
Portfoliovivi2014Portfoliovivi2014
Portfoliovivi2014
Sinapse
 
Emerveillez vous(traduzido)
Emerveillez vous(traduzido)Emerveillez vous(traduzido)
Emerveillez vous(traduzido)Sinapse
 
Viviamaral 082013
Viviamaral 082013Viviamaral 082013
Viviamaral 082013
Sinapse
 
Curriculo com foco curadoria web, interação e produção de conteúdo
Curriculo com foco  curadoria web, interação e produção de conteúdoCurriculo com foco  curadoria web, interação e produção de conteúdo
Curriculo com foco curadoria web, interação e produção de conteúdo
Sinapse
 
A interface grupos no ning 20112011
A interface grupos no ning 20112011A interface grupos no ning 20112011
A interface grupos no ning 20112011
Sinapse
 
Subjetividade
SubjetividadeSubjetividade
Subjetividade
Sinapse
 
Portfoliovivi
PortfolioviviPortfoliovivi
Portfoliovivi
Sinapse
 
Indicadores
IndicadoresIndicadores
Indicadores
Sinapse
 
Netweaving
NetweavingNetweaving
Netweaving
Sinapse
 
Dinâmicas de redes sociais
Dinâmicas de redes sociaisDinâmicas de redes sociais
Dinâmicas de redes sociais
Sinapse
 
Padrões e topologia
Padrões e topologiaPadrões e topologia
Padrões e topologia
Sinapse
 

Mais de Sinapse (20)

MInha Página - NING
MInha Página - NINGMInha Página - NING
MInha Página - NING
 
Tópicos - Tutorial NIng
Tópicos - Tutorial NIngTópicos - Tutorial NIng
Tópicos - Tutorial NIng
 
Primeiros passos na Rede Catalise
Primeiros passos na Rede CatalisePrimeiros passos na Rede Catalise
Primeiros passos na Rede Catalise
 
Jogo 3
Jogo 3Jogo 3
Jogo 3
 
Jogo do Saber Dengue
Jogo do Saber Dengue Jogo do Saber Dengue
Jogo do Saber Dengue
 
Cartela do Bingo Dengue
Cartela do Bingo DengueCartela do Bingo Dengue
Cartela do Bingo Dengue
 
Redes operativas e grupos operativos aproximações.
Redes operativas e grupos operativos  aproximações.Redes operativas e grupos operativos  aproximações.
Redes operativas e grupos operativos aproximações.
 
Conectivismo; contribuições para o e-learning na soceidade em rede
Conectivismo; contribuições para o e-learning na soceidade em redeConectivismo; contribuições para o e-learning na soceidade em rede
Conectivismo; contribuições para o e-learning na soceidade em rede
 
Eureka
EurekaEureka
Eureka
 
Portfoliovivi2014
Portfoliovivi2014Portfoliovivi2014
Portfoliovivi2014
 
Emerveillez vous(traduzido)
Emerveillez vous(traduzido)Emerveillez vous(traduzido)
Emerveillez vous(traduzido)
 
Viviamaral 082013
Viviamaral 082013Viviamaral 082013
Viviamaral 082013
 
Curriculo com foco curadoria web, interação e produção de conteúdo
Curriculo com foco  curadoria web, interação e produção de conteúdoCurriculo com foco  curadoria web, interação e produção de conteúdo
Curriculo com foco curadoria web, interação e produção de conteúdo
 
A interface grupos no ning 20112011
A interface grupos no ning 20112011A interface grupos no ning 20112011
A interface grupos no ning 20112011
 
Subjetividade
SubjetividadeSubjetividade
Subjetividade
 
Portfoliovivi
PortfolioviviPortfoliovivi
Portfoliovivi
 
Indicadores
IndicadoresIndicadores
Indicadores
 
Netweaving
NetweavingNetweaving
Netweaving
 
Dinâmicas de redes sociais
Dinâmicas de redes sociaisDinâmicas de redes sociais
Dinâmicas de redes sociais
 
Padrões e topologia
Padrões e topologiaPadrões e topologia
Padrões e topologia
 

Guiarápidoparaconversassignificativas1.5

  • 1. 1 Guia rápido para conversas significativas Uma breve referência.
  • 2. 2 Todas as conversas são oportunidades para nos conectarmos com mais profundidade uns com os outros. Na prática de anfitriar conversas, falamos freqüentemente do “Caminho Quádruplo” e dos “Sete Ajudantes”: as ferramentas mais simples para “anfitriar” qualquer conversa. Normalmente, a maior parte das conversas que “anfitriamos” nas nossas vidas, no trabalho ou na comunidade, são conversas em pequenos grupos. Estes processos simples são oferecidos como uma referência rápida para trazer profundidade e vida para estas conversas. O Caminho Quádruplo para anfitriar conversas Temos aprendido que conversas de qualidade, que levam a times de trabalho mais coesos e decisões sábias, acontecem quando se tem quatro condições presentes: 1. Esteja Presente 2. Pratique Conversas 3. Anfitrie Conversas 4. Co-crie Chamamos estas quatro condições de “Caminho Quádruplo” para anfitriar conversas, porque você pode praticá-las sempre, em qualquer momento. Elas são a base de todas as conversas bem anfitriadas. Esteja Presente ...anfitrie a si mesmo primeiro – queira sentar-se no caos – mantenha o espaço aberto – sente-se no fogo do presente... Estar presente significa mostrar-se atento, preparado, ter clareza da necessidade e de qual pode ser a sua contribuição pessoal. Isto lhe permite olhar a si mesmo e desenvolver sua curiosidade pessoal sobre o que pode surgir em qualquer encontro. Presença significa criar espaço e dedicar tempo para trabalhar com os outros. Se você se distrai quando chamado, ou tenta estar em vários lugares ao mesmo tempo, você não poderá estar presente em nenhum deles. Para que as reuniões tenham resultados profundos, todas as pessoas presentes na sala precisam estar totalmente presentes. Uma boa prática no coletivo é todos estarem presentes ao mesmo tempo e juntos quando uma reunião começa. Isto pode ser tão simples como fazer um minuto de silêncio para trazer todos ao presente. Se houver um “ancião” no grupo, uma celebração ou cerimônia pode funcionar muito bem. Trata-se simplesmente de convidar o coletivo a acalmar-se e desacelerar de modo que todos os participantes da reunião possam estar presentes juntos. Questões para ajudar a estar presente: O que desperta a minha curiosidade? Chegando neste encontro, que ansiedades estou sentindo e como vou deixá- las ir? Que clareza preciso? Que clareza tenho?
  • 3. 3 Pratique Conversas ...queira ouvir plenamente, respeitosamente, sem julgamento e pensando que você já sabe todas as respostas – pratique conversas com cuidado e atenção... Conversar é uma arte, não é só falar. É necessário ouvir uns aos outros com cuidado e atenção e oferecer o que podemos a serviço do todo. Curiosidade e julgamento não podem conviver no mesmo espaço. Quando julgamos o que ouvimos, não conseguimos ter curiosidade sobre o que está surgindo e se convocamos uma reunião porque estamos em dúvida sobre como prosseguir, manter- se aberto é uma habilidade chave. Somente com a prática hábil de conversas, podemos encontrar a nossa melhor forma de conversar como grupo. Se praticamos conversas com cuidado e atenção, desaceleramos as reuniões, permitindo que a sabedoria e a clareza trabalhem rápido. Quando falamos negligentemente, não deixamos espaço para que a clareza surja. A “Arte de Conversar” é a arte de desacelerar para acelerar. Anfitrie Conversas ...seja corajoso, convidando e querendo dar início a conversas significativas – encontre e anfitrie questões poderosas com as partes interessadas – e certifique-se de que está colhendo as respostas, os padrões, insights, aprendizados e ações sábias... Anfitriar conversas é ao mesmo tempo mais e menos do que facilitar. Significa assumir a responsabilidade de criar e segurar um “campo” no qual um grupo de pessoas possa realizar seu melhor trabalho conjunto. Você pode criar este campo usando os “Sete Ajudantes” como pontos de partida e, apesar de poder usá-las no momento da conversa, quanto mais preparação prévia tiver, melhor. O mínimo a se fazer é detectar a necessidade, preparar uma boa pergunta e saber o que você fará com a colheita. Se não houver necessidade de se encontrar, não marque o encontro. Se houver uma necessidade, esclareça-a e prepare um processo que a atenda, elaborando uma pergunta poderosa. E tenha clareza sobre como vai colher e o que fará com a colheita, para assegurar que os resultados sejam sustentáveis e que o esforço do encontro terá valido a pena. Anfitriar conversas requer coragem e traz certeza e credibilidade ao grupo. Muitas vezes abrimos pouco espaço para conversas devido ao medo que sentimos de anfitriar. Entretanto, anfitriar é um presente e participar de uma conversa bem anfitriada também. O trabalho em reuniões se torna sensivelmente melhor. Praticando Conversas Ouça e ajude os outros a ouvir Use o silêncio Contribua com a colheita Coloque boas perguntas no centro Conecte idéias A base do “anfitriar” Defina a necessidade e o propósito Crie uma pergunta poderosa Anfitrie um processo apropriado Encoraje contribuições Harvest
  • 4. 4 Co-crie ...queira co-criar e co-anfitriar com outros, misturando seus conhecimentos, experiências e práticas com os deles, trabalhando em parceria... A quarta prática diz respeito a estar em uma conversa sem ser um espectador, contribuindo com o esforço coletivo de sustentar os resultados. As melhores conversas acontecem quando “ouvimos” o que está no “centro”, o que está surgindo a partir do centro da nossa colaboração. Não se trata de equilibrar interesses pessoais, trata-se de encontrar o que é novo. Quando isto é descoberto, o trabalho desenrola-se lindamente e cada um tem clareza sobre a sua contribuição individual com o trabalho. Esta é a forma pela qual os resultados se tornam sustentáveis ao longo do tempo – eles entram na rede de relacionamentos que surge de uma boa conversa, de amigos trabalhando juntos. Portanto, contribua nesta mistura com o que você sabe, para que os padrões possam ficar claros e também para que o campo colaborativo possa produzir resultados inesperados e surpreendentes. Co-criação Fale a verdade Fale em favor daquilo que está no centro Ofereça o que puder Peça o que precisar Comprometa-se com o que puder Deixe-se ir
  • 5. 5 Os sete ajudantes Ao longo dos anos, identificamos sete pequenas ferramentas que são chaves para um bom design de conversas. Se você usar ao menos estas ferramentas, as conversas serão mais profundas e o trabalho será mais significativo. Estas sete ajudas trazem forma ao medo e à incerteza e nos ajudam a permanecer no “caos” de não saber as respostas. Também nos ajudam a caminharmos juntos em situações desconfortáveis, como conflitos, incertezas, medos e momentos de reclamação e chegar a uma ação sábia. 1. Esteja presente 2. Tenha uma boa pergunta 3. Use um objeto da fala 4. Faça a colheita do que é importante 5. Tome uma decisão sábia 6. Aja 7. Fiquem juntos 1. Esteja presente Convidar a presença é uma prática primordial quando se anfitria conversas e também para preparar o ambiente para uma boa reunião. Há muitas formas de fazer um grupo presente, incluindo: Começar com uma cerimônia ou celebração Começar com um momento de silêncio Promover um “check-in” com uma pergunta pessoal relacionada ao tema da conversa Passar um objeto da fala e promover espaço para ouvir cada uma das vozes presentes Comece bem. Comece devagar. Convide a todos para a conversa. 2. Tenha uma boa pergunta Uma boa pergunta está alinhada à necessidade e ao propósito da reunião e nos convida a ir para um outro nível de profundidade. Boas perguntas são colocadas no centro do círculo e o grupo fala a partir delas. Uma boa pergunta no centro mantém o foco no trabalho e ajuda um grupo a evitar comportamentos que atrapalham, como ataques pessoais, politicagens e mentes fechadas. Uma boa pergunta tem as seguintes características: É simples e clara É provocativa e inquietante Energiza Foca a investigação Desafia pressupostos Abre novas possibilidades Estimula novas perguntas Uma atitude sábia é formular estas perguntas antecipadamente e fazer delas peças essenciais do
  • 6. 6 convite para que outras pessoas se juntem a você. Conforme você mergulha nestas perguntas, colha as novas perguntas que vão surgindo. Elas representam o caminho que você precisa tomar. 3. Use um objeto da fala Olhando de forma simplista, um objeto da fala é simplesmente um artefato que passa de mão em mão. Quando alguém está segurando o objeto, este alguém é convidado a falar e todos são convidados a ouvir. O uso de um objeto da fala tem o poderoso efeito de garantir que todas as vozes sejam ouvidas, e afia tanto a fala quanto a escuta. Reduz a velocidade da conversa. Quando a dinâmica está muito rápida ou as pessoas começam a se atropelar nas falas e a escuta cessa, o objeto da fala restaura a calma e a suavidade. A condução de uma rodada de abertura com um objeto da fala dá o tom para uma reunião e ajuda as pessoas a lembrarem o poder desta simples ferramenta. É claro que um objeto da fala é uma forma mínima de estrutura. Toda reunião deve ter alguma forma de estrutura que ajude a trabalhar com o “caos” e a “ordem” necessários para co-descobrir novas idéias. Existem muitas opções de formas e processos. O importante é alinhá-los à natureza dos sistemas vivos, se desejarmos que emerja inovação e sabedoria a partir do caos e da incerteza. Em níveis mais sofisticados, quando precisar realizar mais trabalho, você pode usar processos mais formais, que trabalham esses tipos de contexto. Cada um destes processos tem um ponto ótimo e uma aplicação ideal, nos quais você pode pensar ao planejar encontros. Misture-os, se necessário.
  • 7. 7 Processo Necessidades Melhor uso Investigação Apreciativa Pelo menos 20 minutos por pessoa para as entrevistas, com algum tempo na seqüência para processamento conjunto. Pode ser feito em qualquer lugar. Perceber o que temos de melhor e descobrir como usar estes recursos em outras situações. Círculo Um objeto da fala e um espaço livre de mesas que possa acolher o grupo em círculo. Para reflexão conjunta sobre perguntas, quando ninguém sabe a resposta. É a base para toda boa conversa. Tecnologia Open Space Uma sala que possa acomodar todo o grupo em círculo, uma parede em branco, pelo menos 1 hora por sessão. Devemos abrir mão do resultado para alcançar o potencial pleno. Para organizar o trabalho e fazer as pessoas assumirem a responsabilidade pelo que amam. A maneira mais rápida de conseguir engajar as pessoas em trabalhos que importam. World Cafe Mesas ou espaços de trabalho, suficientes para agrupar 3 a 5 pessoas cada, com papel e canetas no meio. São necessários de 15 a 20 minutos por rodada de conversa e no mínimo 2 rodadas para chegar ao potencial máximo. As pessoas precisam trocar de mesa a cada rodada para as idéias circularem. Para descobrir o que o coletivo sabe. World Café faz emergir o conhecimento que está no todo, mesmo aquele conhecimento que nenhum indivíduo específico sabe que está compartilhado. Consulte os livros "The Power of Appreciative Inquiry", "Calling the Circle", "Open Space Technology" e "The World Café Guide" para mais detalhes sobre os processos. 4. Faça a colheita do que é importante Nunca se encontre a não ser que planeje colher os seus aprendizados. A regra básica aqui é lembrar que você não está planejando uma reunião. Ao invés disso, você está planejando uma colheita. Saiba o que é necessário e planeje o processo de acordo. Colheitas nem sempre têm que ser visíveis; às vezes você planeja um encontro apenas para criar aprendizado. Mas dê suporte ao aprendizado pessoal com boas perguntas e pratique a colheita pessoal (diários, anotações, poemas, desenhos).
  • 8. 8 Para colher bem, esteja consciente de 4 coisas: • Crie um artefato. Colheita se trata de tornar conhecimento visível. Faça um mapa mental, desenhe figuras, tome notas, mas seja lá o que você faça, crie uma registro da sua conversa. • Tenha um loop de feedback (canal de realimentação). Artefatos são inúteis se eles ficam em uma prateleira. Saiba como você vai usar a sua colheita antes de começar sua reunião. Será colocado novamente dentro do sistema (grupo, organização)? Irá gerar perguntas para um encontro futuro? Será compartilhado com pessoas como notícias e aprendizado? Descubra isso e faça planos de compartilhar a colheita. • Esteja consciente tanto de uma colheita intencional como emergente. A colheita responde perguntas específicas que você está fazendo, mas garanta também que você está prestando atenção nas coisas bacanas que estão emergindo em boas conversas. Existe valor real no que está aparecendo e que ninguém podia antecipar. Colha isto. • Quanto mais a colheita é co-criada, mais ela é apropriada coletivamente por todos. Não defina simplesmente uma secretária, um "anotador" ou escriba. Convide as pessoas a co- criarem a colheita. Coloque papel no meio da mesa para que todos possam alcançar. Distribua post-its para que as pessoas possam capturar idéias e adicionar ao todo. Use seu espírito criativo para achar maneiras do próprio grupo ser anfitrião de sua colheita. Para mais informações, consulte a apostila "A Arte da Colheita", de Monica Nissen e Chris Corrigan. 5. Tome um decisão sábia Se a sua reunião tem que chegar a uma decisão, faça dela uma decisão sábia. Decisões sábias emergem de conversas, não de votação. A maneira mais simples de chegar a decisões sábias é usar o processo de consenso com as três posições de dedões. Funciona assim: Primeiro, faça uma proposta clara. Uma proposta é uma sugestão de como algo pode ser feito. Tenha-a expressa em palavras, escrita e colocada no centro do círculo. Faça uma enquete no grupo, pedindo para que todas as pessoas mostrem os seus dedões em uma das três posições. PARA CIMA significa "Tudo bem para mim."; PARA O LADO significa "Preciso de mais clareza antes de colocar o dedão para cima."; PARA BAIXO significa "Esta proposta viola a minha integridade... estou falando sério.". À medida em que cada pessoa indica o seu nível de apoio à proposta, note os dedões para baixo e para o lado. Vá aos dedões para baixo primeiro e pergunte: "O que seria necessário para você dar suporte a essa proposta?" Coletivamente ajude o participante a formular outra proposta, ou mudar a atual. Se o processo é realmente de construção de consenso, as pessoas têm permissão de opinar com o dedão para baixo apenas se estão dispostas a participar na construção de uma proposta que
  • 9. 9 funcione. Cuidado! Se um indivíduo seqüestrar o espaço do grupo, a “recompensa” será uma votação. A maioria vence. Assim que tratar dos dedões para baixo, faça o mesmo com os dedões para o lado. Para o lado não significa "não", mas sim "Preciso de clareza.". Responda as perguntas ou esclareça as preocupações. Se a proposta decorre de uma boa conversa, você não deve ser surpreendido por nenhum dedão para baixo. Se você for, reflita sobre a experiência e pense sobre o que poderia ter feito diferente. Para mais, consulte o "The Facilitator's Guide to Participatory Decision Making." 6. Aja. Assim que você tiver decidido o que fazer, aja. Não há muito mais a dizer sobre isto exceto que ação sábia é ação que não sobrecarrega ou sub-utiliza os recursos de um grupo. A ação surge da escolha pessoal de assumir a responsabilidade pelo que você ama. Comprometa-se ao trabalho é faça-o. 7. Fiquem juntos Relacionamentos criam sustentabilidade. Se vocês ficarem juntos como amigos, companheiros ou família, vocês se tornam responsáveis um pelo outro e podem enfrentar os desafios de forma melhor. Quando você sentir seu relacionamento com seus companheiros mais próximos se esvaindo, expresse isso e seja anfitrião de uma conversa sobre isso. Confiança é o recurso mais precioso de um grupo. Use-a bem.
  • 10. 10 Referências: Baldwin, Christina. Calling the Circle: The first and future culture Brown, Juanita and Isaacs, David, et. al. The World Cafe: Shaping our Future through conversations that matter Corrigan, Chris. The Tao of Holding Space: 81 short chapters on the art of hosting Open Space Technology. Herman, Michael and Corrigan, Chris. Open Space Technology: A User's NON-Guide Holman, Peggy and Devane, Tom (eds). The Change Handbook: Large group methods for shaping the future. Isaacs, William. Dialogue and the art of thinking together. Kaner, Sam et. al. The Facilitator's Guide to Participatory Decision Making Owen, Harrison. Open Space Technology: A User's Guide Owen, Harrison. Expanding our Now: The story of Open Space Technology Whitney, Dianna and Trosten-Bloom, A. The power of appreciative inquiry: a practical guide to positive change Reconhecimento e informações de contato. This guide was written by Chris Corrigan for the Vancouver Island Aboriginal Transition Team based on material developed by the Art of Hosting practitioner's community. It would not have been possible without the wisdom, friendship and inspiration of Monica Nissen, Toke Moeller, Kris Archie, Tenneson Woolf, Teresa Posakony, Tim Merry, Phil Cass, Tuesday Ryan-Hart, Caitlin Frost, David Stevenson, Christina Baldwin and Ann Linnea – all of them wise and wonderful stewards and practitioners of the Art of Hosting. If you want to contribute to this document please do, but make your contributions move this piece towards simplicity. I've already said more than enough. Please share this document and contact me at chris@chriscorrigan if you need to. My website at www.chriscorrigan.com has links to or copies of most of the resources discussed here. Este documento foi traduzido por Thomas Ufer <thomas.ufer@cocriar.com.br> e Tamara Azevedo <tamara.azevedo@cocriar.com.br>, amigos e companheiros do Chris Corrigan. Para maiores informações, por favor contate-nos ou acesse: www.cocriar.com.br.