FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE:  o SABER sobre  HUMANIZAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO Enfª Mestr...
HUMANIZAÇÃO EM SAÚDE A busca da qualidade na atenção aos usuários e aos trabalhadores da saúde Melhoria no Acolhimento Res...
“ FORMAR  não é a ação pela qual o professor dá forma, estilo ou alma a um corpo indeciso e acomodado. É construir o conhe...
“ O PROCESSO EDUCACIONAL  deve ser pensado de acordo com o projeto de mundo que se deseja e na compreensão do indivíduo co...
<ul><li>OS SABERES </li></ul><ul><li>Temporais </li></ul><ul><li>Plurais ou heterogêneos </li></ul><ul><li>Personalizados ...
COMPETÊNCIA PROFISSIONAL:  habilidades cognitivas (saber) e operacionais (saber-fazer) sustentadas pela ética e o comprome...
Segundo as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Enfermagem: Parágrafo Único: “ A FORMAÇÃO DO ENFERME...
Para HUMANIZAR O CUIDADO devemos considerar os seguintes princípios : Autonomia Justiça Beneficência Não-maleficência (BAR...
PERCEPÇÃO  DA EQUIPE DE SAÚDE SOBRE HUMANIZAÇÃO (Costa  et al.,  2009) Falta de tempo para dedicar ao paciente e família R...
<ul><li>A fragmentação do currículo e a falta de integração com as demais disciplinas e com o mundo contribuem para reforç...
<ul><li>A posição onde o trabalhador está inserido; </li></ul><ul><li>Tipo de atividade educacional; </li></ul><ul><li>Pre...
MICROPOLÍTICA “ ....mesmo os de igual categoria atuam de forma distinta.” (CECCIM, 2009) ORDEM PROFISSIONAL CONDIÇÕES DE T...
<ul><li>EDUCAÇÃO PERMANENTE </li></ul><ul><li>Estratégia para transformação das práticas de saúde; </li></ul><ul><li>Proce...
A PEDAGOGIA DA IMPLICAÇÃO X PEDAGOGIA BANCÁRIA (MERHY, 2005; FREIRE, 2004)) ALGUMAS POSSIBILIDADES PARA FORMAÇÃO: HUMANIZA...
ALGUMAS POSSIBILIDADES PARA FORMAÇÃO: HUMANIZAÇÃO <ul><li>ESPAÇOS MULTIRREFERENCIAIS </li></ul><ul><li>“ Locais que se art...
<ul><li>REPENSAR O CURRÍCULO </li></ul><ul><li>Ausência da dicotomia teoria-prática; </li></ul><ul><li>Formação que propor...
<ul><li>CAPACITAR E HUMANIZAR </li></ul><ul><li>Trabalho em rede; </li></ul><ul><li>Intervenções substutivas: maneiras col...
SUBSTITUIÇÃO DE PRÁTICAS DE VIGILÂNCIA POR ATIVIDADES TERAPÊUTICAS (SANTOS, 2007) ALGUMAS POSSIBILIDADES PARA FORMAÇÃO: HU...
Ninguém educa ninguém, ninguém educa a si mesmo. Os homens se educam entre si, mediatizados pelo mundo .  Paulo Freire  Co...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Pesquisa: Voluntários na Saúde e Perfil e Perfil dos Contadores de Histórias em Salvador - Luciana Jaqueline

1.194 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.194
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pesquisa: Voluntários na Saúde e Perfil e Perfil dos Contadores de Histórias em Salvador - Luciana Jaqueline

  1. 1. FORMAÇÃO PROFISSIONAL EM SAÚDE: o SABER sobre HUMANIZAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE EDUCAÇÃO Enfª Mestranda Luciana Jaqueline Orientadora: Drª. Alessandra Barros 2010
  2. 2. HUMANIZAÇÃO EM SAÚDE A busca da qualidade na atenção aos usuários e aos trabalhadores da saúde Melhoria no Acolhimento Resolutividade Diversidade dos serviços Melhores condições de Trabalho Formação Profissional (SOUZA & MENDES, 2009)
  3. 3. “ FORMAR não é a ação pela qual o professor dá forma, estilo ou alma a um corpo indeciso e acomodado. É construir o conhecimento.” (FREIRE, 1996)
  4. 4. “ O PROCESSO EDUCACIONAL deve ser pensado de acordo com o projeto de mundo que se deseja e na compreensão do indivíduo como ser social”. (MATURANA, 1998) “ A ARQUITETURA ACADÊMICA deve pautar-se em uma re-estruturação de base humanística e fundamentada na integralidade da assistência em saúde”. (FERNANDES et al., 2008)
  5. 5. <ul><li>OS SABERES </li></ul><ul><li>Temporais </li></ul><ul><li>Plurais ou heterogêneos </li></ul><ul><li>Personalizados e situados </li></ul><ul><li>Humanísticos </li></ul><ul><li>(TARDIFF, 2002; SILVA, 2009; FARTES, 2008; BAWMAN, 2005) </li></ul>
  6. 6. COMPETÊNCIA PROFISSIONAL: habilidades cognitivas (saber) e operacionais (saber-fazer) sustentadas pela ética e o comprometimento (saber-ser). (ITO et al., 2008)
  7. 7. Segundo as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Enfermagem: Parágrafo Único: “ A FORMAÇÃO DO ENFERMEIRO deve atender as necessidades sociais da saúde, com ênfase no Sistema Único de Saúde (SUS) e assegurar a integralidade da atenção e a qualidade e HUMANIZAÇÃO do atendimento.”
  8. 8. Para HUMANIZAR O CUIDADO devemos considerar os seguintes princípios : Autonomia Justiça Beneficência Não-maleficência (BARBOSA & SILVA, 2007)
  9. 9. PERCEPÇÃO DA EQUIPE DE SAÚDE SOBRE HUMANIZAÇÃO (Costa et al., 2009) Falta de tempo para dedicar ao paciente e família Respeito mútuo Dinâmica de trabalho acelerada Quantitativo profissional suficiente e capacitação periódica Falta de capacitação sobre PNH Visita diária com flexibilidade de turno Relações interpessoais Área física adequada NEGATIVOS POSITIVOS
  10. 10. <ul><li>A fragmentação do currículo e a falta de integração com as demais disciplinas e com o mundo contribuem para reforçar a visão tecnicista e instrumental. </li></ul><ul><li>(FAGUNDES & BURNHAM, 2005) </li></ul><ul><li>A falta de formação para o lado subjetivo do enfrentamento do cuidar . </li></ul><ul><li>(CASATE & CORREA, 2006) </li></ul><ul><li>A preferência dos estudantes em desenvolver atividades relacionadas aos procedimentos, em conhecer a fisiopatologia e tratamento da doença. </li></ul><ul><li>(LUCENA et al., 2006) </li></ul>ALGUMAS DIFICULDADES A SEREM CONQUISTADAS
  11. 11. <ul><li>A posição onde o trabalhador está inserido; </li></ul><ul><li>Tipo de atividade educacional; </li></ul><ul><li>Precedência de referenciais teóricos para depois aplicá-los a prática; </li></ul><ul><li>A ausência da visão da prática como espaço inovador do conhecimento. </li></ul><ul><li>(MERHY, 2005; FAGUNDES & BURHAM, 2005) </li></ul>ALGUMAS DIFICULDADES A SEREM CONQUISTADAS
  12. 12. MICROPOLÍTICA “ ....mesmo os de igual categoria atuam de forma distinta.” (CECCIM, 2009) ORDEM PROFISSIONAL CONDIÇÕES DE TRABALHO CAPTURA PROFISSIONAL +
  13. 13. <ul><li>EDUCAÇÃO PERMANENTE </li></ul><ul><li>Estratégia para transformação das práticas de saúde; </li></ul><ul><li>Processo de capacitação de acordo com as necessidades de saúde das pessoas e da população, da gestão e controle social; </li></ul><ul><li>Tem como eixo norteador os processos de trabalho e valorização do trabalhador; </li></ul><ul><li>Pautada na concepção pedagógica de Paulo Freire; </li></ul><ul><li>Busca reduzir o vácuo entre a formação e real necessidade do ambiente de tranalho. </li></ul><ul><li>(PEDUZZI et al ., 2009) </li></ul>ALGUMAS POSSIBILIDADES PARA FORMAÇÃO: HUMANIZAÇÃO
  14. 14. A PEDAGOGIA DA IMPLICAÇÃO X PEDAGOGIA BANCÁRIA (MERHY, 2005; FREIRE, 2004)) ALGUMAS POSSIBILIDADES PARA FORMAÇÃO: HUMANIZAÇÃO
  15. 15. ALGUMAS POSSIBILIDADES PARA FORMAÇÃO: HUMANIZAÇÃO <ul><li>ESPAÇOS MULTIRREFERENCIAIS </li></ul><ul><li>“ Locais que se articulam processos de aprendizagem” </li></ul><ul><li>Redução da dicotomia teoria-prática; </li></ul><ul><li>Autonomia para novas aprendizagens no campo prático; </li></ul><ul><li>Interpenetração das formas organizacionais de aprendizagem. </li></ul><ul><li>(FAGUNDES & BURHAM, 2005) </li></ul>
  16. 16. <ul><li>REPENSAR O CURRÍCULO </li></ul><ul><li>Ausência da dicotomia teoria-prática; </li></ul><ul><li>Formação que proporcione o cuidar integralizado; </li></ul><ul><li>“ Ênfase nos aspectos relacionais (intersetorialidade/interdisciplinaridade) </li></ul><ul><li>Efetividade na formação para o SUS, </li></ul><ul><li>Currículo mais sensível à necessidade do trabalho, etc. </li></ul><ul><li>(FAGUNDES & BURHAM, 2005; MERHY, 2005; FREIRE, 2004) </li></ul>ALGUMAS POSSIBILIDADES PARA FORMAÇÃO: HUMANIZAÇÃO
  17. 17. <ul><li>CAPACITAR E HUMANIZAR </li></ul><ul><li>Trabalho em rede; </li></ul><ul><li>Intervenções substutivas: maneiras coletivas de configurar a tecnologia; projetos pedagógicos; sistemas avaliativos por satisfação e efetividade; gestão democrática e participativa; </li></ul><ul><li>Singularização nas relações; </li></ul><ul><li>Enfrentamento das situações inesperadas, sem visar a justificação; </li></ul><ul><li>Produção da atenção na capilaridade das relações; </li></ul><ul><li>Os encontros como processo pedagógico (usuário-centrado); </li></ul><ul><li>Refletir um “corpo mais humano” (sem olhar armado). </li></ul><ul><li>(CECCIM & MERHY, 2009) </li></ul>ALGUMAS POSSIBILIDADES PARA FORMAÇÃO: HUMANIZAÇÃO
  18. 18. SUBSTITUIÇÃO DE PRÁTICAS DE VIGILÂNCIA POR ATIVIDADES TERAPÊUTICAS (SANTOS, 2007) ALGUMAS POSSIBILIDADES PARA FORMAÇÃO: HUMANIZAÇÃO
  19. 19. Ninguém educa ninguém, ninguém educa a si mesmo. Os homens se educam entre si, mediatizados pelo mundo . Paulo Freire Coordenadora do Centro do Câncer de Camaçari Preceptora da residência de Enfermagem em UTI / UFBA-ISG [email_address] Tel.: 9172-9244 OBRIGADA!

×