LÍNGUA E GÉNERO: QUAL LÍNGUA E QUAL GÉNERO? Uma tentativa de clarificar o paradigma.
Como qualquer fenómeno, as línguas definem-se a partir da olhada que observa. Virginia Unamuno,  Lengua, escuela y diversi...
<ul><li>O primeiro governo em que mais da metade dos ministros som mulheres… </li></ul><ul><li>Dez representantes, das qua...
<ul><li>Un islamista, su mujer y su hermana mueren en un atentado suicida (El Mundo,  30-4-05) </li></ul><ul><li>(Citado p...
<ul><li>Pergunta a Manuel Rivas: Achas que fas literatura de homens, literatura masculina?  </li></ul><ul><li>Literatura f...
Para que serve a língua? Comunicaçom Relaçons sociais Estatus/Poder Éxito social
A linguagem feminina (a expectativa) <ul><li>Mulher num rol feminino que usa linguagem feminina. </li></ul><ul><li>Mulher ...
Os estereótipos <ul><li>Assertividade:  </li></ul><ul><li>“ Vamos dizê-lo assim, vale?” “Creio que vamos escolher essa opç...
Assertividade Estratégia masculina =  hierarquia Estratégia feminina= comunidade
Conservaçom vs. mudança lingüística <ul><li>Conservaçom dos usos lingüísticos prestigiados. </li></ul><ul><li>Innovaçom no...
Conclusom. <ul><li>A mulher nom só deve ser visível, também audível. O discurso feminino deve fazer parte do estándar.  </...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Raquel Miragaia: «Língua e Genero. Qual Língua e Qual Género?

1.562 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios, Tecnologia
  • Seja o primeiro a comentar

Raquel Miragaia: «Língua e Genero. Qual Língua e Qual Género?

  1. 1. LÍNGUA E GÉNERO: QUAL LÍNGUA E QUAL GÉNERO? Uma tentativa de clarificar o paradigma.
  2. 2. Como qualquer fenómeno, as línguas definem-se a partir da olhada que observa. Virginia Unamuno, Lengua, escuela y diversidad sociocultura. Hacia una educación lingüística crítica, (Barcelona: Editorial Graó, 2003)
  3. 3. <ul><li>O primeiro governo em que mais da metade dos ministros som mulheres… </li></ul><ul><li>Dez representantes, das quais três mulheres… </li></ul><ul><li>Um governo em que mais da metade dos ministros som homens… </li></ul><ul><li>Dez representantes, dos quais sete homens… </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Un islamista, su mujer y su hermana mueren en un atentado suicida (El Mundo, 30-4-05) </li></ul><ul><li>(Citado por Laura Freixas: La marginación femenina en la cultura , El País 03/05/08) </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Pergunta a Manuel Rivas: Achas que fas literatura de homens, literatura masculina? </li></ul><ul><li>Literatura feminina vs. literatura em geral (nom de homens) </li></ul>
  6. 6. Para que serve a língua? Comunicaçom Relaçons sociais Estatus/Poder Éxito social
  7. 7. A linguagem feminina (a expectativa) <ul><li>Mulher num rol feminino que usa linguagem feminina. </li></ul><ul><li>Mulher num rol masculino que usa linguagem feminina: </li></ul><ul><ul><ul><li>Nom está capacitada para exercer o rol masculino. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Nom é eficaz, nom serve. </li></ul></ul></ul><ul><li>Mulher num rol masculino que usa linguagem masculina: </li></ul><ul><ul><ul><li>Nom lhe corresponde. </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Toma um papel que nom é o seu. </li></ul></ul></ul>
  8. 8. Os estereótipos <ul><li>Assertividade: </li></ul><ul><li>“ Vamos dizê-lo assim, vale?” “Creio que vamos escolher essa opçom” </li></ul>
  9. 9. Assertividade Estratégia masculina = hierarquia Estratégia feminina= comunidade
  10. 10. Conservaçom vs. mudança lingüística <ul><li>Conservaçom dos usos lingüísticos prestigiados. </li></ul><ul><li>Innovaçom nos usos prestigiados. </li></ul><ul><ul><ul><li>Uso prestigiado na Galiza = castelhano </li></ul></ul></ul><ul><li>Trabalho por fazer: como mudar o conceito de prestígio. </li></ul>
  11. 11. Conclusom. <ul><li>A mulher nom só deve ser visível, também audível. O discurso feminino deve fazer parte do estándar. </li></ul>

×