A astrologia de rhetorius

611 visualizações

Publicada em

Astrologia

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
611
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A astrologia de rhetorius

  1. 1. A ASTROLOGIA DE RHETORIUS, O EGÍPCIO. AFORISMOS NOS QUAIS TRANSPARECE UM SISTEMA COERENTE DE INTERPRETAÇÃO. INTRODUÇÃO Em se tratando de Astrologia, generalizações são comuns. Apesar da possibilidade de se categorizar diferentes épocas para o saber astrológico, dentro dessas temos autores com técnicas e interpretações peculiares. Vislumbrando esses autores, a conclusão mais comum é a de se perceber neles uma lógica que está presente em qualquer autor de Astrologia, perigosamente atemporal. A observância dessa lógica pode programar a mente do estudante para não perceber as diferentes nuances de cada autor como casos particulares. Também força conclusões distorcidas: Pode-se concluir que um autor estava falando a mesma coisa que outro, quando na verdade eles estavam se referindo a coisas diferentes. Pode-se até considerar que há um princípio imutável implícito no saber Astrológico, mas tal raciocínio pode encobrir um grave anacronismo histórico, no qual projetamos nosso pensamento e anseios para épocas cujos pensadores não resolviam os memos problemas da forma que nós, estudantes de Astrologia do Ocidente Pós-Moderno. Evitando entrar por essa senda, opto considerar as particularidades de cada autor não como princípios universais da Astrologia, mas como sistemas auto-suficientes. Foi assim que li Rhetorius. O autor desse texto é uma figura obscura. Seu nome nada mais é do que “orador” em latim. Quando um autor possui o nome de uma profissão ou função, normalmente isso é uma alternativa ao anonimato. Além de ter essa denominação, não sabemos nada da vida do Astrólogo. Devido a isso, Rhetorius tem a aura dos grandes escritores anônimos de clássicos, como Hermes Trismegistus e Anônimo de 379 d.C. Sua fama no meio Astrológico popular Contemporâneo, porém, é pequena se comparada à Ptolomeu e Vettius Valens. Foi preciso que seu tradutor mais recente – James Herschel Holden – publicasse uma edição com uma distribuição maior para que leitores como eu a conhecesse.
  2. 2. Rhetorius é obscuro imerecidamente. Sua obra contém um reservatório imenso de teoria Astrológica posta em prática nas suas inúmeras interpretações. Se uma palavra pudesse sintetizar o livro, poderia ser “articulação”. Na sua obra, vemos a articulação de conceitos apenas citados por outros autores. Essa articulação consegue tirar esses conceitos das vitrines de um museu astrológico para a prática do dia-a-dia. O leitor observará isso quando se deparar com a Dodecatemoria e o uso dos ângulos como demarcadores de épocas da vida de um ser humano. Rhetorius preenche inúmeras lacunas deixadas por Valens no que tange à Astrologia Natal. Na sua Antologia, Valens reserva a maior parte do seu compêndio para técnicas preditivas, reservando apenas os três primeiros livros para desorganizadas considerações natais. Rhetorius, por outro lado, dá um tratamento extenso a cada uma das 12 Casas da Figura enquanto representantes de 12 áreas da vida, com destaque para as diferentes categorias profissionais no tópico sobre a Qualidade da Ação. O autor obscuro peca apenas por não oferecer a mesma riqueza em técnicas preditivas de Vettius Valens, mas se o leitor tiver acesso à Valens ou a Abu Ma’Shar, não vai sentir falta delas. Afinal de contas, não sabendo interpretar um mapa natal, de que adianta prever o futuro? Rhetorius oferece uma das parcas oportunidades de se aprender os princípios básicos da interpretação natal, oferecendo-nos um convite à coerência da simplicidade. Seu método não se equivale ao de Morin, que primeiro dá uma explicação teórica generalizada para em seguida citar exemplos. Diferentemente do escritor francês, o autor egípcio não fornece uma teoria, mas parte diretamente aos exemplos de interpretação. São nesses exemplos em que o leitor começa a perceber a coerência de um raciocínio Astrológico. Em verdade, Rhetorius não traz nenhum método didático inovador. Ele é mais um dos inúmeros escritores que citam combinações Astrológicas acompanhadas dos seus significados. Esse sistema “Configuração A = Evento B” está presente em todos os textos Astrológicos Clássicos, Medievais e Renascentistas, sendo Morin a única exceção em prover primeiramente princípios gerais – A famosa “Teoria das Determinações”. O que faz com que Rhetorius se destaque perante os outros é que, a despeito de não afirmar que cria uma Teoria, suas interpretações são translúcidas a ponto de podermos percebê-la, como um fio condutor que norteia todas elas. Esse texto é uma tentativa de mostrar ao leitor os princípios da Astrologia de Rhetorius, esse fio condutor que poderá nos auxiliar nas nossas interpretações natais, 1500 anos depois.
  3. 3. A DIFERENÇA BÁSICA ENTRE POSIÇÃO E REGÊNCIA No trecho a seguir, Rhetorius delineia a posição de Vênus na Casa VI (...)Vênus ali (na Casa VI) sofrerá perdas por causa de uma mulher ou por uma mulher, e terá disputas sobre o nascimento 1 Em seguida, observe o que o autor fala do mesmo planeta, agora porém na posição de Regente da Casa VI: ; ele terá intercurso com escravas, servas ou mulheres com deficiência, mas elas faltarão em desejo e em charme.(...) (...)Vênus regendo a Casa VI, má situada e em aspecto com Marte e Saturno, farão aqueles que são loucos por mulheres, mas se Vênus estiver em Signo masculino, amantes de meninos, que sofrem muito devido a isso. E eles terão doenças nos pulmões.(...) Nas duas interpretações, o que há de diferente? No primeiro exemplo, vemos significados essenciais de Vênus. O planeta está associado a mulheres, sexo, e a Casamento. Enquanto significadora essencial desses objetos, Vênus tem de se conformar aos significados da Casa VI, que representa servidão, má-sorte e doenças. Perceba que temos a simples adição de dois núcleos simbólicos, a saber, a Casa VI e Vênus, sendo que esses núcleos não se alteram: Vênus (Mulheres) + Casa VI (doença, servidão) = mulheres doentes, servas. Vênus, na sua presença corporal dentro de uma Casa, sempre será mulheres, sexo ou Casamento – ou qualquer coisa que ela represente dentro do mapa por determinação de Regência – também chamada de “Determinação Tópica”. A superfície dessas pessoas e eventos ganham tonalidades diferentes, a depender das Casas onde se encontram. Vênus na Casa I pode representar uma pessoa cercada de mulheres ou com charme sensual; na II, mulheres que ajudam financeiramente ou sexo que traz benefícios; na III, relacionamentos sexuais com vizinhos ou uma irmã mais nova. Em todos esses exemplos, note que o significado essencial de Vênus 1 Pode indicar que o nativo terá problemas para confirmar a paternidade de um filho gerado por essa mulher vulgar representada por Vênus.
  4. 4. é inalterado; apenas ganha qualificação a depender da Casa onde se encontra. Em se tratando da Regência de Vênus sobre uma Casa, Vênus adquire formas bem diferentes daquelas representadas pelos seus significados essenciais. Perceba que Vênus regendo a VI representa um tipo de doença. A natureza e forma da doença é dada pelas atividades venusianas ou pela parte do corpo que Vênus rege. Perceba que em tempo algum não há referência a mulheres, sexo ou casamento diretamente, como se fosse com Vênus presente no Sexto Local. AQUI NÃO TEMOS UM SIGNIFICADO ESSENCIAL DE VÊNUS, MAS SIM A ÁREA DA VIDA COM QUALIFICAÇÕES VENUSIANAS. Podemos concluir, só pela observação dos textos acima, que um planeta, na sua presença corpórea ou por aspecto, traz à tona seus significados mais essenciais, enquanto seu papel de regência apenas tende a qualificar objetos e eventos dos temas indicado pela Casa ou Lote. Utilizando uma teoria reavivada por Robert Hand e oriunda de Platão, o planeta, cúspide ou Lote que ocupa o Signo seria uma espécie de “MATÉRIA” que ganharia “FORMA” pelo regente da Casa. Essa forma, porém, nunca desrespeita os limites da matéria, e ainda mantém os significados originais da última, mas moldados sob a forma do Regente do Signo. Por exemplo, se Saturno estiver na Casa VII, ele indicaria algum mal representado pelo maléfico na área da vida representada pelas mulheres do nativo. Não sabemos a forma que esse mal terá se não conhecermos o Regente de Saturno. Se a Casa VII for regida por Vênus, o mal Saturnino das parceiras pode ser ligado à libido, sexo, ou às partes do corpo Regidas por Vênus, tanto essencialmente (útero, órgãos genitais) quanto aquelas regidas pelos signos Venusianos, a saber, Libra e Touro (Rins, quadris, coluna lombar, Pescoço, Tireóide). Dentro do nosso mundo, os planetas representam inúmeras coisas. Cada experiência, área da vida, classe social ou objeto pode ser representado por um planeta. Essencialmente, porém, um planeta está ligado de um modo indissociável a alguns temas. É impossível não referendar o sexo sem citar Vênus. O mesmo tipo de ligação atávica se dá entre Marte e as guerras, Júpiter para a riqueza. Existem, porém, objetos que não são representados naturalmente por esses planetas, mas que podem superficialmente adquirir uma forma que lembre a natureza planetária. Para que isso ocorra, é preciso haver um terceiro fator, a saber, as Casas. COMO PERCEBEMOS NA OBRA DE RHETORIUS, PARA QUE UM PLANETA DESCREVA A QUALIDADE DO OBJETO ESTUDADO, ELE TEM DE ESTAR REGENDO A CASA, E NÃO A OCUPANDO. A OCUPAÇÃO DE UMA CASA POR UM PLANETA NÃO DESCREVE A CASA, MAS SIM ENVOLVE O QUE ELE REPRESENTA ESSENCIALMENTE COM OS CONTEÚDOS DELA. Por exemplo, a Casa IX representa Religião. Ter Vênus nessa Casa para muitos Astrólogos significaria ter uma religião Venusiana. De acordo com Rhetorius, porém, Vênus nessa Casa indica que o nativo experimentará sexo, romance, ou envolvimento com
  5. 5. mulheres em um ambiente religioso, ou no exterior, ou em qualquer outro tema indicado pela Casa IX. Essencialmente, Vênus também representa rituais de purificação – mas é preciso lembrar que esses rituais são significados essenciais Venusianos que seriam enfatizados a despeito do planeta ocupar a Casa IX. Seguindo os princípios subentendidos na Astrologia do escritor egípcio, para que a religião seja Venusiana, Vênus deve ter uma relação de Regência que prepondere sobre a Casa IX. Se o leitor tiver dúvidas sobre como Vênus descreveria uma religião, bem como qualquer objeto, basta olhar as listas com dezenas de atribuições planetárias, muito comuns em qualquer livro de Astrologia Medieval. Abaixo temos uma das listas que é presente no livro de Al-Biruni: Saturno: Judeus e aqueles que se vestem de preto. Indicações de Religiões: Júpiter: Cristãos e aqueles que se vestem de branco. Marte: idólatras, aqueles que se vestem de vermelho. Sol: Magos, Mitraístas. Vênus: Islam. Mercúrio: Disputantes de todas as seitas. Lua: Aderentes à religião prevalente 2 Durante muito tempo eu tive dificuldade de encontrar utilidade para essas listas; isso se devia à falta de discernimento meu em saber se Vênus significaria uma doença dos genitais quando presente na Casa VI ou na posição de regência desta. Seguindo o raciocínio de Rhetorius, as partes do corpo regidas por Vênus seriam aflitas se ela tivesse regência sobre a Casa VI e estivesse aflita. A presença de Vênus dentro da Casa não falaria de problemas genitais ou uterinos, apenas indicaria que as mulheres que se envolvem com o nativo são doentes, sendo a qualidade dessa doença prognosticada pelo planeta que rege o signo da Casa VI. . 2 Ratificando o que Al-Biruni diz acerca da Lua, Abu Ma’Shar diz que, como a Lua é o planeta mais rápido do Setenário, modifica sua forma constantemente e transfere as influências dos outras Estrelas para o Mundo Sublunar, ela representa os modismos religiosos e as religiões das massas.
  6. 6. UM EXEMPLO DE GENITURA. Figura 1 - Mapa natal de um homem jovem. Para ilustrar aquilo que Rhetorius se refere nos seus aforismos, vamos analisar a Casa VII do mapa acima, que representa mulheres. A presença de Saturno na Casa VII implicaria uma mulher Saturnina para a maioria dos autores. Ter uma mulher com as características de Saturno equivaleria a dizer que a mulher é melancólica, fria, envelhecida ou até mesmo feia e obscura. Essa na verdade, é uma FORMA Saturnina. Enquanto presente na Casa VII, porém, Saturno é MATÉRIA. Seguindo os preceitos implícitos nos aforismos de Rhetorius, Saturno na Casa VII não descreveria a mulher, mas sim indicaria que uma experiência essencialmente Saturnina a atinge. Tal experiência pode representar algum impedimento, como por exemplo ser coxa, paralítica, ou ter uma doença de saúde crônica, ou um problema congênito, ou um problema moral. Essa fase da interpretação ainda contém inúmeras especulações, que só confirmaremos mediante análise do Regente da Casa. Antes, porém, de analisarmos o Regente de Saturno, é preciso enfatizar que Saturno é REGENTE DA EXALTAÇÃO do Signo onde ele se encontra; por ser Regente, também tem um papel importante na descrição da FORMA que os problemas Saturninos tomarão. QUANDO UM PLANETA ESTIVER NO SEU PRÓPRIO 1 2 3 4 5 6 7 8 910 11 12 19z i 31' 19z j 19' 18z k 31' 19z l 39' 18z m 52' 18z o 57' 19z p 31' 19z q 19' 18z r 31' 19z u 39' 18z v 52' 18z w 57' ! # Y > ( * ) & $ 06zi 24' 02zj 35' 15z j 42' 18z l 39' | 11zp54'| 19zp52'| 08zq51'| 20z v 05' 21z w 56' a _a ` ^ ` ` ^ a `
  7. 7. SIGNO OU TERMO, ELE É AO MESMO TEMPO MATÉRIA E FORMA. Podemos dizer com uma certeza maior que Saturno é um planeta que pode tornar algumas mulheres do nativo com formas Saturninas: podem ser feias, ou mancas, obscuras, melancólicas, rancorosas. Combinando a forma que Saturno representa com a do Regente de Libra – Vênus – o quadro se torna mais completo. Vênus dá sua forma a tudo que ocorre na Casa VII – cuja cúspide cai em Libra, preponderando até mesmo sobre a forma que Saturno proporciona a essa Casa, uma vez que Vênus tem uma dignidade maior em Libra do que o Grande Maléfico. Podemos concluir também que algumas 3 mulheres do nativo serão belas, vaidosas, interessadas em arte, extremamente sensuais 4 Pelo fato de Saturno estar presente na Casa VII, ele tende também a ser moldado pela forma Venusiana. O que seria um problema Saturnino na forma de Vênus? Saturno, enquanto representante essencial de doenças por excesso de umidade e frieza, pode se acomodar no corpo das mulheres e prejudicar as partes do corpo e funções representadas por Vênus: a tireóide, a libido, o útero. . De fato, esse problema é real, e não se restringiu a apenas uma namorada. O homem em questão já teve relacionamentos com mulheres no momento em que elas estavam se reabilitando de problemas tireoidianos; outra nasceu com displasia congênita do quadril, o que a obrigou a sofrer inúmeras correções ortopédicas no início da sua vida, outra teve problemas uterinos. Todas essas experiências confirmam o que Saturno em Signo de Vênus pode representar na Casa VII e em nenhum caso a mulher é Saturnina em sua essência. As dificuldades Saturninas que essas mulheres possuem tomam a forma de filhos e família, uma vez que Saturno rege as Casas IV e V, contadas a partir da Casa VII. Por outro lado, vemos que a essência das mulheres com as quais me envolvi é Venusiana: esse homem duas mulheres que eram artistas e se envolviam com estética e teatro; quando uma mulher não é assim, ela tende a ser extremamente vaidosa, de uma forma 3 “algumas” porque já foi dito que Saturno também dá algumas formas aos conteúdos da Casa VII. Nem todas as mulheres com as quais o nativo se envolveu serão belas porque Saturno tem uma natureza muito contrária a de Vênus: Ao contrário, algumas não serão nem mesmo medianas, mas sim feias. 4 Qualquer mulher é sensual? É claro que não. Algumas se vestem para não serem notadas, encobrindo partes do seu corpo sob os mais diversas causas, sejam religiosas, morais ou psicológicas. Outras não se preocupam com sua pele ou com seu peso. A mulher venusiana, porém, se aproxima mais e mais do que se espera do papel sexual de uma mulher na sociedade ocidental.
  8. 8. tal que se sobressai perante as outras. Todas essas características reforçam que a “essência” delas é venusiana, partindo-se do princípio em que emprego o termo “essência” como a forma que a pessoa se manifesta em suas atitudes, escolhas e comportamento. Existem outros exemplos importantes que Rhetorius dá, que veremos a seguir. OS MESMOS PRINCÍPIOS, AGORA EMPREGADOS NA INTERPRETAÇÃO DO LOTE DAS CRIANÇAS. O leitor já deve ter se deparado algumas vezes com trechos como este: Vênus representa as irmãs mais novas; a Lua representa as irmãs mais velhas; Saturno representa o irmão mais velho, Marte o irmão do meio e Mercúrio o irmão mais novo. A primeira reação à leitura acima seria concluir que essa categorização é absurda, uma vez que todas as pessoas têm os sete planetas em seus mapas e não por isso elas dispõem de vários irmãos. Esta classificação acima também é empregada para a descrição dos filhos do nativo, e do mesmo modo pode suscitar a mesma reação. Rhetorius, porém, articula esse conhecimento na prática com esse aforismo: O Lote das Crianças num domicílio de Saturno e com aspectos de maléficos destrói o primogênito; nos domicílios de Marte e em aspectos de maléficos, o filho do meio; mas se o Lote das Crianças cair nos domicílios de Mercúrio e se um maléfico estiver em aspecto, ele destrói o caçula. Com esse aforismo, a teoria acima ganha consistência. Os planetas somente se referirão à ordem de nascimento dos irmãos se os seus Signos estiverem determinados aos filhos; essa determinação se dá por intermédio da presença da Casa V ou do Lote dos Filhos nos domicílios destes planetas. EM VERDADE, O LOTE SÓ INDICARÁ O QUE PROMETE SE O MAPA PROMETER FILHOS. O mesmo não poderia ser dito se maléficos estivessem presentes no mesmo signo do Lote ou da Casa V. Marte e Saturno são planetas estéreis e abortivos; a presença desses planetas em aspecto ou conjunção corpórea com a Casa V ou o Lote dos Filhos não representa questões ligadas aos filhos mais velhos, mas sim que um dos filhos do nativo pode morrer. Para sabermos qual filho será (no caso do nativo ter mais de um), deve-se observar o signo do Lote ou da Casa V: Saturno e Marte somente indicarão os filhos
  9. 9. mais velhos se eles tiverem relação de regência sobre os Locais citados. Qualquer outra forma de ligação desses dois planetas com os locais representantes de filhos apenas representará aflições às crianças. Isto porque ambos são planetas cuja determinação essencial está mais ligada à morte do que à vida.
  10. 10. CAPÍTULO 2 – A RELAÇÃO ENTRE UM PLANETA E SEU REGENTE Na Astrologia Clássica, um planeta costuma ser vislumbrado como uma entidade autônoma; mesmo assim, há muitas passagens que tentam interpretar a presença de um planeta nos domicílios de outro, como se a expressão do planeta fosse modificada a depender do Signo. Não vou me ater aos exemplos de outros autores, pois isso implica incluir na obra de Rhetorius itens que não foram desenvolvidos por ele. De fato, o autor Egípcio apenas cita a presença dos planetas nas Casas e tende a ignorar o significado deles nos Signos, salvo em delineações muito específicas. Apesar dessa lacuna, é possível deduzir como o planeta pode se manifestar a depender do signo onde se encontra. Basta usar os princípios dos quais temos conhecimento para as áreas que o autor não explorou há quase 1500 anos atrás. Ora, se o planeta que rege o signo costuma dar a forma dos conteúdos de Casas e Lotes que o ocupam, por que ele não descreveria o planeta que ali se encontra? Essa forma, porém, nunca será a transformação do que o planeta representa, mas sim uma qualificação superficial, uma descrição. Afinal de contas, independentemente do signo que ocupar, um planeta sempre representará essencialmente os mesmos temas. Com essas diretrizes em mente, observe a interpretação dos dois exemplos abaixo. MERCÚRIO EM SIGNO DE SATURNO, SATURNO EM SIGNO DE MERCÚRIO. Será que Saturno em Virgem representa a mesma coisa que Mercúrio em Capricórnio? Seguindo as teorias acima, a resposta seria negativa. Tomemos o exemplo de Saturno em Virgem. Saturno em signo de Mercúrio fala dos conteúdos Saturninos encarnados numa forma mercurial. Como Saturno é um maléfico, ele leva sua maldade e potencial danoso para aquilo que Mercúrio representa, coisas como a escrita, a fala, os estudos e a mente – bem como as demais coisas indicadas pelas Casas que Mercúrio reger numa figura natal.
  11. 11. Figura 2 - Mapa Natal de Mulher Jovem. Nesse momento, é necessário um alerta para não nos esquecermos dos princípios básicos: Saturno será sempre Saturno: sua presença em Signo Mercurial apenas qualificará superficialmente aquilo que ele representa no mapa. Para sabermos o que Saturno representa, seria interessante vermos as Casas que ele rege, e não a Casa na qual ele se posiciona, uma vez que o planeta descreve as Casas que se encontram nos signos que ele rege. A Casa na qual ele se posiciona apenas indica uma área na qual o que Saturno representa tem de se adaptar. No caso em questão, a área seria a escrita, os estudos, a religião e todas as coisas representadas pela Casa III. Só pelo fato do planeta em questão ser Saturno, independentemente dos aspectos que recebe e da sua condição zodiacal, representa experiências mais difíceis, uma vez que é Maléfico. Marte compartilha do mesmo raciocínio. Quando chegarmos ao momento de estudarmos a situação inversa, veremos que Mercúrio nos Signos de Saturno pode se expressar melhor mais facilmente. No mapa acima, Saturno em Virgem é regente das Casas VII e VIII, estando em signo mercurial. No mapa da nativa, Saturno descreve seu parceiro e aquilo que a fazia angustiar (um dos significados da Casa VIII). Em signo de Mercúrio, essas coisas ganham contornos mentais, cuja qualidade depende da disposição de Mercúrio. O parceiro é Saturnino (Saturno Regendo a Casa VII) no sentido mental-intelectual (Saturno em signo de Mercúrio): ele pode esconder coisas, ser manipulador, rancoroso, sarcástico ou melancólico. Ao mesmo tempo, as dificuldades e a angústia que a nativa enfrenta (Casa VIII) 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 1216z l 59' 17z m 24' 22z o 48' 29z p 25' 25z q 05' 20z r 22' 16z u 59' 17z v 24' 22z w 48' 29z i 25' 25z j 05' 20z k 22' # Y ! & $ > ) ( * 18z j 10' 15z k 26'19z k 43'27zk 17' | 13zl 41' 23z m 20' | 03z o 08' 14z o 21' 20z o 30' ` _ a a a a `
  12. 12. são bloqueios, melancolia e lentidão (Saturno) mentais, acadêmicas e intrigas (Saturno em Signo de Mercúrio e Mercúrio regendo as Casas III e XII). Por Mercúrio estar no seu próprio termo, essas dificuldades são mais ainda voltadas para os processos Mercuriais – a fala, o ensino, a mente. MERCÚRIO EM SIGNO DE SATURNO inverteria o processo acima, pois o primeiro passa a ser a matéria, enquanto o último (Saturno) seria a forma que Mercúrio tomará, sempre enfatizando que Mercúrio não se transforma em Saturno, mas Saturno descreve o processo Mercurial. A depender da disposição Saturnina, Mercúrio pode operar com dificuldade, lentidão e bloqueios – significados essenciais Saturninos que sejam negativos – ou com método, análise, discriminação, significados Saturninos positivos. Figura 3 - figura Natal de um Homem de meia idade.Mapa sem Ascendente nem Lua devido à ignorância do Horário de Nascimento. Independentemente das Casas que Mercúrio rege, ele é significador essencial de Escrita, fala e dos processos intelectuais em qualquer mapa. O mapa acima não tem um horário definido e por isso não incluímos na figura o Ascendente nem a Lua; portanto só podemos inferir a condição de Mercúrio pela sua posição em relação ao seu dispositor e em relação ao Sol. Note que Mercúrio está num Signo de Saturno; este, por sua vez, não aspecta Capricórnio e está sob os raios do Sol, sendo ambas as condições consideradas ruins pela maioria dos Astrólogos Clássicos. Saturno está ineficaz, e do mesmo modo a descrição que Saturno tem a oferecer de Mercúrio. No caso em questão, o nativo tem um problema fonoaudiológico que compromente a compreensão pelas outras pessoas daquilo que fala. Usando os termos empregados pelos Egípcios, Mercúrio está no seu próprio termo, o que faz com que a natureza Mercurial se expresse na sua i j k l m o p q ru v w ? ) > ( !*$ & 08z j 46' | 24z p 34' 08z q 46' | 18z q 10' 13z r 25' 16z r 22' 04z u 07' 29z u 18'
  13. 13. forma mais pura, mostrando que o problema é mesmo adstrito a significados mercuriais puros, como veremos a seguir. CAPÍTULO 3 – UM PLANETA NOS TERMOS DE OUTRO. Os TERMOS (chamados também de LIMITES, CONFINS ou FRONTEIRAS) são usados por muitos autores Clássicos para três funções: 1. Saber se a aplicação de um planeta a outro é efetiva; 2. Saber se como funciona um determinado planeta pela sua posição nos termos de outro planeta; 3. Usar os termos onde um planeta ou ponto se encontra como ponto de partida para a direção primária do significador. De todas as funções mais comuns, aquela que nos interessa agora é a de número 2, porém ela pode ser deduzida pelo que vemos nos itens 1 e 3. A função dos termos é muito confundida com a dos Signos, pois em ambas as divisões os planetas governam sobre eles; os termos, portanto, seriam uma subdivisão dos Signos que teria a mesma função deles numa escala mais específica. Os autores Clássicos como Rhetorius davam o mesmo grau de importância aos Signos e aos Termos. Um planeta em seu próprio termo funciona tão bem quanto um planeta em seu próprio Signo. Assim sendo, qual seria a função específica dos Termos? É uma assunção corrente de se atribuir aos termos o mesmo papel dos Signos, porém com restrição de suas atividades a uma determinada época da vida do nativo. Abu Ma’Shar sugere essa restrição quando aplica o conceito de Termos nas Direções Primárias. Sendo assim, os Termos indicariam uma sub-disposição temporária dos planetas que transitem sobre eles. Por exemplo, o Ascendente pode aparecer numa Figura Natal nos Termos de Mercúrio mas, à medida em que o indivíduo envelhece, o Ascendente “transita” por Direção Primária pelos Termos de outros Planetas e com isso muda a sua disposição conforme a condição do Regente do Limite onde ele se encontra no momento da análise da técnica. Esse modo de aplicação dos Confins, porém, não aparece na obra de Rhetorius. Se considerarmos a utilidade dos Termos pelo autor, apenas os itens 1 e 2 da lista de funções são mencionados. Um planeta nos termos de outro costuma ser interpretado da mesma forma que um planeta no signo de outro, porém é de se estranhar que muitas vezes os autores prefiram a informação do Termo à do Signo. Sendo assim, é mais comum perceber autores se referindo a “Vênus nos termos de Marte” ao invés de “Vênus nos Signos de Marte” para saber indicações de promiscuidade. Essa preferência de informação, contudo, se inverte em alguns autores. Assim sendo, é com muita dificuldade que prosseguimos na diferenciação da função dos Termos, chamados também de Limites. Quando há muita controvérsia entre autores acerca da aplicação de um conceito, é porque poucos autores – ou nenhum deles – conseguiu
  14. 14. encontrar uma função clara para o que discutem. O único autor que os usa de um modo consistente é Abu Ma’Shar, mas esse uso se restringe à técnica preditiva das Direções Primárias: há pouca menção dos Termos em natividades. Talvez os exemplos abaixo possam elucidar nossas dúvidas. O trecho abaixo foi extraído de um Forum público de Astrologia Helênica; é de autoria de Robert Schmidt: Aphroditē 5 nos domicílios ou Termos de Kronos 6 1- Tornam o nativo estéril ou sem filhos; : 2- Aqueles que têm intercurso com suas madrastas ou as mulheres dos seus irmãos mais velhos. Arēs 7 A - Faz adúlteros; aqueles que arruínam as mulheres dos irmãos, e muitos destroem suas próprias mulheres. nos domicílios ou Termos de Aphroditē: B - E sempre o nativo vê a morte das suas mulheres. Em 1, nós vemos que a significação natural de Vênus para crianças se conforma à natureza de Saturno, tornando o nativo sem filhos. Em “A”, nós vemos que a natureza sem lei de Marte se conforma à significação geral de Vênus para sexo, resultando em adúlteros. Eu mantenho que 1 e “A” são as delineações de um planeta nos Termos de outro planeta. O Segundo grupo de delineações em cada caso (2 e “B”) diz respeito ao planeta no domicílio de outro planeta: Em 2, Saturno provê madrastas (pais não-biológicos são um dos significados essenciais de Saturno) ou as mulheres dos irmãos mais velhos (outra significação de Saturno) para Vênus, a fim do nativo ter intercurso com aquelas. Em “B”, Vênus provê um dos seus significados essenciais (mulheres ou esposas) para Marte arruinar ou destruir. 5 Vênus. 6 Saturno. 7 Marte.
  15. 15. Perceba o modo como Robert Schmidt entende a diferença entre os Termos e os Signos. Quando um planeta A estiver nos Termos de B, normalmente os SIGNIFICADOS ESSENCIAIS E TÓPICOS de A se restringem à NATUREZA de B, regente do Termo. Quem fornece significado é o Planeta presente no Termo, mas a natureza do Regente tende a impedir ou ajudar aquilo que o planeta ocupante representa na Figura analisada. Assim sendo, se Vênus estiver nos Limites de Saturno, sendo esta uma das significadoras de Crianças (notadamente mulheres), isso é ruim porque pode indicar a falta de Crianças, uma vez que a natureza de Saturno é fria e seca e contrária à fecundidade. Esse processo, porém, não se restringe somente a filhos, mas a todas as áreas da vida com as quais Vênus mantiver uma relação na Figura em questão. Por outro lado, quando Vênus estiver nos Signos de Saturno, o exemplo mostra que o nativo terá sexo com mulheres mais velhas ou madrastas. Nesse caso, os significados Saturninos dão forma àquilo que Vênus representa, mas eles não inibem Vênus com sua natureza. A forma Saturnina tende a se adaptar ao que Vênus representa, sem contudo tolhir a natureza venusiana, que é sensual. Assim sendo, Vênus nos Signos de Saturno tende a representar intercurso sexual com mulheres mais velhas. Vejamos o mesmo exemplo acima – Vênus enquanto representante de sexo – nos Termos de Saturno. Ora, a natureza de Saturno é fria e seca, melancólica, e tende a inibir aquilo que Vênus representa. Vênus nos termos de Saturno representaria mais um problema sexual do que sexo com pessoas mais velhas. No primeiro mapa de exemplo, Vênus rege a Casa VII – mulheres – e está nos termos de Marte. A natureza marcial quente e seca se mistura àquilo que Vênus representa e indica que as mulheres do homem dono do mapa em questão são extremamente sensuais. O mesmo não poderia ser dito se Vênus estivesse nos Confins de Saturno.
  16. 16. CONCLUSÕES • A presença de um planeta dentro de uma Casa qualifica os significados essenciais do planeta, e não a da Casa. Vênus na Casa VI fala de mulheres doentes; na Casa XII, mulheres inimigas. • A regência de um planeta sobre uma Casa ou Lote qualifica a experiência destes; dá a “forma” que o assunto indicado pelo(a) Casa/Lote terá. Vênus regendo o Lote das doenças representa problemas Uterinos, Tireoidianos ou Vaginais; Vênus regendo a Casa IV representa uma casa bonita, bem decorada, com estilo, desde que Vênus esteja em boa condição na figura. Caso contrário, a Residência é bonita, mas sua beleza é impedida por alguma coisa: Vênus em aspecto com Marte pode indicar incêndio, vândalos; em aspecto com Saturno, negligência, podridão, vazamentos. • Um planeta tem os seus processos essenciais e acidentais (aquilo que ele rege essencialmente) descritos pelo planeta que rege o signo onde ele está. • Quando um planeta estiver nos Termos de outro, ele tem seus significados tolhidos ou beneficiados pela natureza do planeta que rege o Termo. • A diferença entre os Signos e os Termos é que os primeiros fornecem as formas do planeta, Casa ou Lote que nele se encontrar, enquanto o último impede ou ajuda aquilo que o planeta/Casa/Lote representa conforme a natureza do Regente dos Termos.

×