Semiótica peirceana

925 visualizações

Publicada em

Do livro "O que é Semiótica", de Lucia Santaella.

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
925
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
58
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Semiótica peirceana

  1. 1. BBaasseeaaddoo nnaa oobbrraa ““OO qquuee éé SSeemmiióóttiiccaa””,, ddee LLuucciiaa SSaannttaaeellllaa
  2. 2. Primeiros passos para a Semiótica   Definição de semiótica como ciência dos signos. (9)  Necessidade de diferenciar língua de linguagem. (10)  Semiótica ainda é uma ciência em formação, o que faz com que sua definição seja imprecisa. (11)
  3. 3. Primeiros passos para a Semiótica  • A língua é uma forma de comunicação fortemente incorporada em nosso cotidiano, mas utilizamos muitas outras linguagens em nossa vida diária (visuais, sonoras, táteis). (14) • A língua permite saber analítico. Historicamente, as particularidades da língua fizeram com que ela parecesse lidar com saber de primeira ordem, em detrimento de saberes possibilitados pelas outras linguagens. (15)
  4. 4. Primeiros passos para a Semiótica   Além da linguagem verbal, que na escrita ocidental assume a tradição visual alfabética, há muitas outras linguagens que se constituem em sistemas sociais e históricos de representação do mundo. (16)  Linguagem é pensada como sistema de produção de sentidos. (16)
  5. 5. Primeiros passos para a Semiótica  • Século XX marca notável aumento da capacidade de produzir, armazenar e difundir linguagens. Ser humano hoje vive num ambiente povoado de signos e de informação. (17) • Todo fato cultural ou prática social só existe porque se constitui, em primeiro lugar, como produção de linguagem e sentido (ou seja, é significante). (18)
  6. 6. Primeiros passos para a Semiótica   De todos os estímulos que recebe ao seu redor, o ser humano sempre desvela significações. (18)  Assim, podem ser pensadas linguagens artificiais, linguagens da natureza, linguagens oníricas (dos sonhos), linguagens físicas. (18-19)
  7. 7. Primeiros passos para a Semiótica  • Semiótica estuda todas as linguagens possíveis, todos os sistemas que podem ser percebidos como linguagem. (19) • O DNA, sendo informação genética, é linguagem. (20) • Sistemas de linguagem tendem a se comportar como sistemas vivos. (20) • Dentro dos fenômenos estudados por outras ciências, a Semiótica busca aquilo que se caracteriza como signo. (21)
  8. 8. Comentários gerais  • Definição de semiótica proposta por Santaella diz respeito à semiótica propriamente peirceana e seu recorte da realidade. • Língua não é vista como fenômeno particular e excepcional dentro da linguagem. • Não há distinção, a princípio, entre linguagens produzidas para comunicação e fenômenos naturais ou humanos produzidos para outros fins mas interpretados como linguagem.
  9. 9. O legado de Charles Sanders Peirce   Três diferentes origens para a semiótica: União Soviética, Estados Unidos e Europa Ocidental. (22)  Desenvolvimento das comunicações ocasionou surgimento de consciência semiótica. (23)  Obra de Santaella foca a semiótica de matriz estado-unidense.
  10. 10. O legado de Charles Sanders Peirce   Peirce (1839 – 1914) era filho de proeminente matemático de Harvard e cresceu em ambiente de notável circulação intelectual. Mostrou-se prodigioso desde cedo. Formou-se em Química em Harvard. (24)  Estudou vários e diferentes campos do conhecimento e da ciência, tendo diversas contribuições em áreas distintas. (25)
  11. 11. O legado de Charles Sanders Peirce   Peirce atuou durante toda sua vida como cientista, tendo a lógica como seu principal interesse. (26)  Procurou estudar o raciocínio humano e a forma como ele se articula nas diferentes estruturas científicas. (27)  Peirce foi, acima de tudo, um filósofo da ciência e da comunicação. (29)
  12. 12. O legado de Charles Sanders Peirce   Peirce procurou conciliar os desenvolvimentos epistemológicos das ciências com as conquistas teóricas da Filosofia. (30)  A Lógica Filosófica de Peirce dependia de uma teoria geral dos signos (semiótica), que ele previu dentro do sistema de seu pensamento. Peirce dedicou-se diligentemente a construir e sistematizar essa semiótica, dialogando com a tradição filosófica de então. (31).
  13. 13. O legado de Charles Sanders Peirce   Produção teórica de Peirce é descomunal, mas dispersa e em grande parte difícil de esquematizar. (33)  Santaella, em seu acesso a parte dessa produção, compreende a semiótica de Peirce como uma filosofia científica da linguagem.
  14. 14. Comentários gerais   Semiótica de Peirce, segundo a autora, é fortemente filosófica, o que lhe confere caráter teórico especulativo ímpar em relação a outras semióticas.  A extensão e grandiosidade da obra de Peirce e a solidão de sua produção obrigam a uma recepção de suas visões a partir de diferentes interpretações, que podem diferir ao longo da história do estudo de seus escritos.
  15. 15. Para se ler o mundo como linguagem   A semiótica é uma parte do sistema filosófico proposto por Peirce, e só se torna plenamente compreensível dentro desse sistema, que, além disso, pertence a outro sistema maior, o das ciências. (35)  Compreensão do sistema científico de Peirce é sempre triádica, e a compreensão de cada uma das partes é sempre possível por meio da analogia com outras.
  16. 16. Para se ler o mundo como linguagem 
  17. 17. Para se ler o mundo como linguagem   Matemática: monta construções na imaginação de acordo com preceitos abstratos. (37)  Filosofia: inferência de verdade a partir da observação da experiência comum. (38)  Ideoscopia (ou ciências especiais): dividida em ciências físicas e psíquicas, requerem instrumentos e métodos especiais de investigação. (38)
  18. 18. Para se ler o mundo como linguagem   Evolucionismo de Peirce: universo está em expansão e mente humana (coletiva) também está em expansão. (39)  Falibilismo: como tudo está em expansão, as leis científicas têm de evoluir constantemente para dar conta da realidade. Estímulos externos fazem evoluir a estrutura interna da investigação. (39)
  19. 19.
  20. 20. Para se ler o mundo como linguagem   Fenomenologia de Peirce: ciência destinada à criação de categorias, fundamentais para análise do pensamento. Ela postula as propriedades universais dos fenômenos. (44)  Ciências normativas (normáticas): distinguem o que deve e o que não deve ser. (44)  Estética: o que deve ou não deve ser objeto de admiração. (44)
  21. 21. Para se ler o mundo como linguagem   Ética: o que deve ou não deve ser parte da conduta humana.  Semiótica (lógica): o que deve ou não deve ser no pensamento.  Metafísica: ciências da realidade tal como é, independente das fantasias e imaginações. (45)  Semiótica classifica e descreve todos os signos logicamente possíveis. (45)
  22. 22. Para se ler o mundo como linguagem   Semiótica trataria dos métodos e tipos de pensamento utilizados por todas as outras ciências.  Semiótica de Peirce só pode ser compreendida à luz de sua fenomenologia.
  23. 23. Comentários gerais   Como citado por Santaella, fenomenologia de Peirce guarda traços de semelhança com a fenomenologia hegeliana, que também é triádica.  Esforço conceitual de Peirce no âmbito filosófico é extraordinário, mas também polêmico, dadas as outras perspectivas da teoria do conhecimento e da filosofia da linguagem.
  24. 24. Abrir as janelas: olhar para o mundo   Definição de fenômeno: toda e qualquer coisa que esteja de algum modo presente à mente, seja interna ou externa, corresponda ou não a algo real. Nessa definição, não há julgamento do fenômeno por nenhum pressuposto. (49)  Fenomenologia tem de determinar as características que apareçam a todo e qualquer fenômeno. (49)
  25. 25. Abrir as janelas: olhar para o mundo   Três faculdades sustentam a observação dos fenômenos:  1) capacidade contemplativa;  2) capacidade de distinção e discriminação;  3) capacidade de generalização em classes ou categorias.  Faculdades se relacionam ao modo como os fenômenos aparecem à mente, e não às suas características particulares. (51)
  26. 26. Abrir as janelas: olhar para o mundo   Categorias de Peirce são consideradas universais para toda a experiência e todo pensamento. (52)  Pressuposto: a experiências é tudo aquilo que se impõe sobre o sujeito, não podendo ser negado.  Pressuposto 2: pensamento é a capacidade de estabelecimento de relações pela mente, e não precisa ser racional necessariamente.
  27. 27.
  28. 28. Abrir as janelas: olhar para o mundo   A estrutura triádica pareceu a princípio insatisfatória para Peirce, mas vingou e acabou sendo estendida como produtiva para outros campos do saber. (54)  Santaella vê fenomenologia de Peirce como “salto especulativo de caráter cosmológico”. (55)  Aplicações são possíveis na teoria do protoplasma, na teoria da evolução, na fisiologia e na física. (59)
  29. 29. Abrir as janelas: olhar para o mundo   Santaella escolhe o campo das manifestações psicológicas para exemplificar a fenomenologia de Peirce. (60)  Ressalta que se trata da aplicação de categorias lógicas à experiência psicológica, e não de análise de material propriamente psicológico.
  30. 30. Abrir as janelas: olhar para o mundo   Primeiridade:  Presentidade presente. Impressão in totum, não analisável, indivisível, inocente e frágil.  Sentimento como qualidade, imediaticidade.  Percepção das qualidades das coisas sem a aplicação do pensamento sobre essa percepção.  Consciência de um momento, não fraturada, não segmentada.  Precede toda a síntese e toda diferenciação.
  31. 31. Abrir as janelas: olhar para o mundo   Secundidade:  Mundo real, reativo, sensual. Arena da existência cotidiana. Fatos externos que se impõem à vontade do sujeito. Luta. Relação diádica, de dependência entre dois termos.  Corporificação material da qualidade de sentimento. Qualquer sensação já é secundidade, pois é resposta do eu a um estímulo. Percepção direta, anterior ao pensamento. Experiência, não ego.
  32. 32. Abrir as janelas: olhar para o mundo   Terceiridade: aproxima primeiro e segundo numa síntese intelectual. Inteligibilidade, pensamento em signos, representação e interpretação do mundo.  Generalidade, infinitude, continuidade, difusão, crescimento, inteligência.  Para conhecer o mundo, o ser humano traduz tudo o que percebe em termos de signos. Os signos constituem o pensamento, que sempre remete a outro pensamento, infinitamente.
  33. 33. Abrir as janelas: olhar para o mundo   Para compreender qualquer fenômeno, a consciência produz um signo.  Toda percepção já implica criação de signos.  Signos só podem ser interpretados se traduzidos em outros signos.  O signo é um primeiro, o objeto é um segundo e o interpretante (que é a tradução do signo em outros signos) é um terceiro.  O significado se desloca e se esquiva constantemente.
  34. 34. Abrir as janelas: olhar para o mundo   Crosta sígnica nos permite conhecer o mundo, mas também dele nos separa.  Camada do pensamento interpretativo é a mais superficial da consciência, podendo sempre ser ferida por sentimentos e sensações.  Tudo o que se produz na consciência é signo, mas há divisões.  Sentimento ou impressão é um quase-signo. Ação ou experiência pode funcionar como signo. O signo genuíno está no pensamento.
  35. 35. Para se tecer a malha dos signos   Semiótica Peirceana não é concebida como ciência aplicada.  Noção de signo de Peirce não tem fundo psicológico, e sim lógico, podendo ser base da Cibernética.  Definições e classificações de Peirce em relação aos signos são gerais, matemáticas, formais.  Santaella: melhor definição de signo: uma coisa que representa uma outra coisa para uma mente que interpreta.
  36. 36. Para se tecer a malha dos signos   Noção de interpretante: processo relacional que se cria na mente do intérprete.  Signo que traduz a relação entre o signo e o objeto.  O significado de um signo é, portanto, sempre outro signo.  Um signo tem pelo menos dois objetos e pelo menos três interpretantes.
  37. 37. Para se tecer a malha dos signos 
  38. 38. Para se tecer a malha dos signos   Objeto dinâmico: está fora do signo, na natureza, e é representado pelo signo.  Objeto imediato: está dentro do signo, é o modo como o signo representa o objeto dinâmico.  Interpretante imediato: aquilo que o signo está apto a produzir em uma mente que o interpreta.  Interpretante dinâmico: aquilo que o signo efetivamente produz em uma mente em particular.  Interpretante em si: modo como qualquer mente reagiria ao signo, em determinadas condições.
  39. 39. Classificação dos signos   Peirce estabeleceu classificação triádica dos signos.  Considerando as possibilidades em cada uma das partes do signo, sistema de Peirce alcançaria 59049 tipos de signo.  Peirce estabeleceu dez trocotomias, mas dedicou a três, em especial, mais atenção.  Essas três tricotomias, em particular, tornaram-se as mais famosas e emblemáticas da obra de Peirce.
  40. 40. Classificação dos signos   Relação do signo consigo mesmo:  1 – Quali-signo: signo aparece como mera qualidade. O vermelho da tela de cinema em uma determinada cena.  2 – Sin-signo: signo aparece como existente singular, material. Um quadro, uma peça de museu.  3 – Legi-signo: signo aparece como lei geral, como relação enunciada. Uma ideia, uma frase, um conceito.
  41. 41. Classificação dos signos   Relação do signo com seu objeto dinâmico:  1 – Ícone: Signo aparece como pura qualidade na relação com seu objeto. Quase-signo, algo que se dá à contemplação. Efeito de impressão. Arte abstrata.  2 – Índice: Signo aparece como indicador de coisa à qual está factualmente ligada. Todo existente é um índice. Há conexão de fato. Girassol é índice da direção do Sol. Rastros, pegadas, resíduos, remanências. Fotografia.  3 – Símbolo: signo representa o objeto por convenção ou pacto coletivo. Palavras. Tem como objeto um geral, e não um singular.
  42. 42. Classificação dos signos   Relação do signo com seu interpretante:  1 – Rema: interpretante produz apenas uma mera qualidade, uma impressão. Conjectura, hipótese. Formas das nuvens. Formas de estalactites.  2 – Discente: interpretante constata relação física entre existentes. Constatação, associação.  3 – Argumento: interpretante constrói uma relação, um pensamento sobre o mundo, em forma de símbolo.
  43. 43. Considerações finais   Signos raramente se apresentam, em condições concretas, de forma pura em relação às classificações empreendidas.  Tríades peirceanas funcionam como grande mapa lógico, para descrever, analisar e interpretar linguagens.  Fundamentos fenomenológicos para desenvolvimento de semióticas especiais.
  44. 44.   Santaella, Lucia. O que é semiótica. São Paulo: Brasiliense, 2012. (Coleção Primeiros Passos – 103)

×