Revoluçao inglesa

288 visualizações

Publicada em

Trabalho com o filme Morte ao Rei sobre a Revolução Inglesa

Publicada em: Arte e fotografia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
288
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Revoluçao inglesa

  1. 1. PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS CURSO DE HISTÓRIA HISTÓRIA MODERNA Revolução Inglesa Dr. Charles Monteiro Antônio Vinicius Pereira Cristiane Silveira Guedes
  2. 2. FICHA TÉCNICA DO FILME DIRETOR: MIKE BARKER ROTEIRISTA: JENNY MAYHEW TRILHA SONORA: RICHARD G. MITCHELL PRODUZIDO NO REINO UNIDO E NA ALEMANHA ESTÚDIO: "NBO ENTERTAINMENT“ FOI PRODUZIDO NO ANO DE 2003 NOME ORIGINAL: TO KILL A KING SINOPSE: A Inglaterra está em ruínas. A guerra civil que dividia o país terminou. Os Puritanos derrubaram o Rei Carlos I. Surgem dois heróis após a guerra: Lorde General Thomas Fairfaix e o General Oliver Cromwell. A missão de ambos é unir e reformar o país. Fairfaix, membro da aristocracia, quer uma reforma moderada, enquanto Cromwell exige a execução do rei. O rei deposto acredita que seu reinado foi roubado por Fairfaix que se encontra cada vez mais dividido entre a felicidade e a esposa, Lady Anne, preservando sua classe social. A causa revolucionária defendida por seu companheiro, Cromwell, que age de forma cada vez mais agressiva e brutal, faz com que Fairfaix perceba que precisa detê-lo, iniciando assim a batalha onde a traição e a conspiração são as principais armas dos dois homens mais poderosos do país.
  3. 3. No século XVII, o absolutismo dos reis da dinastia Stuart (Jaime I, Carlos I, Carlos II e Jaime II) tornou-se tão opressor que acabou provocando a rebelião das classes sociais contrárias aos privilégios da aristocracia feudal. A burguesia e os médios fazendeiros capitalistas eram representados pelos deputados do Parlamento. Estourou uma guerra civil entre o exército do rei e o exército do Parlamento. Por fim, o absolutismo foi destruído. A Inglaterra tornou-se uma monarquia parlamentar que é um sistema no qual o rei se submete às decisões do Parlamento.
  4. 4. O CONCEITO DE REVOLUÇÃO INGLESA Foi no século XVII, na Inglaterra, que se deu a primeira Revolução Burguesa da Civilização Ocidental. • Em 1640 teve início a Revolução Puritana, • Em 1688 teve lugar a Revolução Gloriosa, Ambas, contudo fazem parte do mesmo processo revolucionário, o que nos leva a optar pela denominação Revolução Inglesa e não Revoluções Inglesas, considerando-se que a verdadeira revolução se deu no curso da Revolução Puritana, entre 1640 e 1649, e que a Revolução Gloriosa de 1688 foi apenas um complemento natural. Nesse contexto histórico podemos inserir a Revolução Inglesa na Era das Revoluções Burguesas, na medida que antecipa a Revolução Americana e a própria Revolução Francesa em 150 anos.
  5. 5. A ESTRUTURA ECONÔMICA E POLÍTICA • Desenvolvimento da indústria têxtil, • Aumento da esquadra naval,( construção naval ), • Aumento da indústria de extração mineral, • Ampliação do comércio, • Cerca mento dos campos e criação de ovelhas ( êxodo rural ), • Aumento de desempregados nas cidades, • Fortalecimento da burguesia ( detém o poder econômico porém não o político ). A base mercantil No século XVII, a Inglaterra havia se tornado uma grande potência. O comércio marítimo com outras nações, as manufaturas de tecidos de lã e as colônias na América eram exemplos de sua prosperidade. Mas no século XVII, a situação mudou. A Europa atravessou um longo período de crise econômica, que afetou diversos países. Para que o Estado continuasse forte os reis ingleses aumentaram os impostos de forma absurda, com exceção dos nobres proprietários de grandes feudos e dos comerciantes que recebiam privilégios do Estado, a maioria dos ingleses estava insatisfeita.
  6. 6. SOCIEDADE INGLESA Apoiavam o Regime Absolutista: • Pares: aristocracia tradicional, grandes proprietários; Eram contra o Regime Absolutista: • Burguesia: comerciantes, banqueiros e professores liberais; • Gentry: pequena e media nobreza rural, mentalidade capitalista, agricultores. Tinham ligação com a burguesia devido ao comércio. • Yomen: granjeiros, pequenos proprietários, lavradores e arrendatários. Buscavam mudanças. • Camponeses: desterrados graças ao Cercamentos. • Proletariado: trabalhadores assalariados • Marginalizados e desempregados
  7. 7. CONFLITOS DO REI COM O PARLAMENTO Desde o século XIII existia um Parlamento na Inglaterra. No início tratava-se de uma assembleia de senhores feudais que controlava o rei. No século XVII, cresceu muito o número de parlamentares representante da burguesia e da nobreza descontente, que eram as classes sociais que mais enriqueciam o país. A Revolução tem início em 164, quando o Parlamento mandou prender os principais ministros. Além disso, os deputados que representavam a burguesia e os médios fazendeiros que o rei pedisse autorização ao Parlamento para aumentar os impostos e convocar o exército. Encurralado, o rei Carlos I respondeu com brutalidade, em 1642 formou um poderoso exército comandado pelos grandes senhores feudais. O Parlamento reagiu e convocou seu próprio exército, assim estourou uma Guerra Civil. Rei Carlos I Parlamento
  8. 8. A GUERRA CIVIL  O rei Carlos I era apoiado pelos tradicionais senhores feudais e pelos grandes comerciantes, que mantinham monopólios mercantilistas.  O parlamento, por sua vez, tinha apoio das classes revolucionárias: a burguesia, os artesãos, os camponeses, a pequena nobreza rural - chamada pelos ingleses de gentry - e os pequenos e médios proprietários, chamados de yeomen.  Além de política, a guerra civil inglesa foi também um conflito religioso. A Igreja Anglicana estava ligada ao Estado absolutista, ou seja, estava ligada a maioria dos senhores feudais.  A população em geral, porém, era em grande parte calvinista. Na Inglaterra e na Escócia, os calvinistas eram chamados de puritanos ou presbiterianos.  O rei tentou impor o anglicanismo em todo o país e esperava que o povo aceitasse o absolutismo como um direito divino.  Depois de batalhas sangrentas, o exército do Parlamento derrotou o exército real e o rei Carlos I foi preso e condenado à morte.
  9. 9. A DITADURA DE CROMWELL • Com a morte do rei Carlos I, a Inglaterra deixava de ser uma monarquia e tornava-se uma república. • A maior autoridade agora era o general Oliver Cromwell, comandante do exército vitorioso. • Cromwell usou de seu poder para implantar um regime ditatorial, isto é, um governo que tinha de ser obedecido por todos sem contestação. Quem discordasse seria preso. • As camadas sociais que ajudaram na luta contra o rei não gostaram nenhum pouco dessa atitude. • Alguns soldados e artesãos organizaram um grupo politico chamado “ niveladores”. Que exigiam que os pobres também tivessem direito a eleger representantes para o Parlamento. • Outro grupo o dos escavadores desejavam que as terras da Igreja Anglicana e da aristocracia feudal fossem divididas entre os camponeses. • Muitos rebeldes foram presos e executados. • Em 1651 decretou os atos de navegação, que determinava que o comércio com a Inglaterra só poderia ser feito por navios ingleses. • Em 1658 Cromwell, morre e assume seu filho Ricardo, porém esse era fraco e vacilante era conhecido como Ricardinho treme treme.
  10. 10. A RESTAURAÇÃO DA MONARQUIA A pós a morte de Cromwell (1658), as classes abastadas – a nobreza feudal e a burguesia – concordaram em restaurar a monarquia. Carlos II, da dinastia Stuart, filho do rei decapitado, foi novo monarca não tinha os mesmos poderes absolutistas do passado e precisava conviver com o Parlamento. Depois de sua morte, subiu ao trono seu irmão, Jaime II (1685). Secretamente o rei tentou organizar a volta do velho absolutismo. Contava com o apoio do rei francês Luís XIV, o Rei Sol. Diante desse perigo político, o Parlamento convocou tropas para derrubar o rei. Jaime II, temendo perder a cabeça como o pai fugiu da Inglaterra. Vitorioso o Parlamento coroou o príncipe holandês Guilherme de Orange como o novo rei da Inglaterra. Carlos II
  11. 11. A REVOLUÇÃO GLORIOSA O movimento que derrubou o rei Jaime II foi chamado de Revolução Gloriosa. Esse nome veio do fato de não ter havido derramamento de sangue. A Revolução Gloriosa (1688) completou a revolução burguesa iniciada em 1640. O novo rei jurou obedecer à Bill of Rights (declaração dos direitos), que até hoje funciona como uma espécie de constituição da Inglaterra. Pela declaração dos Direitos (1689) o rei precisava da aprovação da maioria dos parlamentares para tomar as decisões mais importantes, como convocar o exército, criar impostos ou suspender leis. A Inglaterra deixava de ser uma monarquia absolutista e tornava-se uma monarquia parlamentar. Os ingleses deixaram de ser apenas súditos adquirindo os direitos e deveres de cidadãos. Jaime II
  12. 12. A REPERCUSSÃO MUNDIAL A revolução inglesa, além disso, favoreceu o desenvolvimento do capitalismo. A partir de então, foram tomadas várias medidas favoráveis ao crescimento das manufaturas, das empresas rurais e da indústria naval. Tudo isso contribuiu para a liderança econômica e política da burguesia inglesa nos séculos seguintes. Essa revolução influenciou também o movimento de independência das Treze Colônias da América (1776) e da Revolução Francesa, em 1789. No Brasil, aconteceram tentativas de obter a independência com a Inconfidência Mineira (1789) e a Conjuração baiana (1798).

×