Os rituais jurídicosOs rituais jurídicos
na Costa da Minana Costa da Mina::
olhares alóctones e dinâmicas culturais
africa...
“Come hither, gentlemen,
And lay your hands again upon my sword:
Never to speak of this that you have heard,
Swear by my s...
Ordem da apresentação
1. Elementos básicos
1. Costa da Mina à época da pesquisa: os Akhan e os
Gbe;
2. Contexto histórico;...
Ordem da apresentação
3. Fundamentação teórica
1. Rituais e rituais Jurídicos;
2. Feitiçaria;
3. A antropologia histórica;...
ELEMENTOS BÁSICOSELEMENTOS BÁSICOS
A Costa da Mina à época da
pesquisa: os Akhan e os Gbe
Mapa1. In: BARBOT. Jean; HAIR. Paul; JONES. Adam; LAW. Robin. Barbo...
Contexto histórico
• Século XVII: proliferação de várias
feitorias de diversos países europeus
na região.
• 1600-1800: aum...
“Objeto” da pesquisa
Figura1. “As sentenças e execuções.” (detalhe) DE MAREES, Pieter. Description et
récit historial du r...
“Objeto” da pesquisa
• 1) “Eles aprendem, sobretudo, a jurar pelas suas Fetiches, na
crença de que se eles jurassem em fal...
William Pietz analisa o cronista
Willem Bosman
• Pietz: A ótica anti-católica de
Bosman criou um modelo de
juramento corro...
ELEMENTOS ESTRUTURANTESELEMENTOS ESTRUTURANTES
Dissertações e tese precursoras
• LARANJEIRA, Lia. Representações sobre o culto da serpente
no reino de Uidá: um estudo da...
Principais pontos teórico-
metodológicos
• Formação: pesquisador graduado em história/Ufba.
• Campo: arquivos difusos e di...
Principais pontos teórico-
metodológicos
• Problema da pesquisa: A que fatores (o
posicionamento teológico dos cronistas,
...
Métodos
• Análise do discurso: [FOUCAULT, M. “Resposta a uma questão.”
Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, n. 28, p. 57-81, ...
Historiografia e antropologia
concernentes à área
• Robin Law: melhor trabalho historiográfico sobre a
Costa dos Escravos,...
Historiografia e antropologia
concernentes à área
• Herskovits: Etnografia dos anos de 1930 sobre o
Daomé, área gbe-falant...
FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICAFUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA
Rituais e rituais Jurídicos
• Grimes: rituais como encenações rotinizadas que
produzem mensagens aos participantes, não só...
Rituais e rituais Jurídicos
• Geertz: atos de comunicação entre o mundo
imaginado e o mundo vivido. [GEERTZ. Clifford. The...
Rituais e rituais Jurídicos
• Max Gluckman: caráter místico das multidões
justiceiras e contribuição dos rituais de rebeli...
Feitiçaria
• Rosalind Shaw: feitiçaria, escravidão e capitalismo.
[SHAW, Rosalind. “The Production of Witchcraft/Witchcraf...
A antropologia histórica
• Thompson (historiador, meu ídolo): ecletismo
necessário à antropologia histórica. [THOMPSON, Ed...
A antropologia histórica
• Marshall Sahlins: a mudança inserida em encontros
culturais e a estrutura dinimizada. [SAHLINS,...
A antropologia jurídica e historiografia da
justiça no Antigo Regime
• Max Gluckman: justiça como meio de coesão e de
reaf...
A antropologia jurídica e historiografia da
justiça no Antigo Regime
• Langbein (historiador): transformações das provas
s...
EXPERIÊNCIAS DA ANÁLISEEXPERIÊNCIAS DA ANÁLISE
Experiências da Análise
• Questão a Pietz: confluência entre a interpretação
de Bosman e Cavazzi, cronista referente à Ang...
Experiências da Análise
• Para além das diferenças: semelhança dos valores jurídicos
na Costa da Mina e aqueles expressos ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Lins rituais juridicosnacostadaminapo

238 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
238
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Lins rituais juridicosnacostadaminapo

  1. 1. Os rituais jurídicosOs rituais jurídicos na Costa da Minana Costa da Mina:: olhares alóctones e dinâmicas culturais africanas, séculos XVII e XVIII VINICIUS LINSVINICIUS LINS Sob orientação de Luís Nicolau Parés Linha de Pesquisa V PPGA /UFBA – PESQUISA ORIENTADA 25/04/2014 Email: vlins@dcc.ufba.br Lattes: http://lattes.cnpq.br/9929313962082090 Link para Apresentação: <>
  2. 2. “Come hither, gentlemen, And lay your hands again upon my sword: Never to speak of this that you have heard, Swear by my sword.” SHAKESPEARE, William. Hamlet. ACT I, SCENE V.
  3. 3. Ordem da apresentação 1. Elementos básicos 1. Costa da Mina à época da pesquisa: os Akhan e os Gbe; 2. Contexto histórico; 3. “Objeto” da pesquisa; 4. William Pietz analisa o cronista Willem Bosman; 2. Elementos estruturantes 1. Dissertações e tese precursoras; 2. Principais pontos teórico-metodológicos; 3. Métodos 4. Historiografia e antropologia concernentes à área
  4. 4. Ordem da apresentação 3. Fundamentação teórica 1. Rituais e rituais Jurídicos; 2. Feitiçaria; 3. A antropologia histórica; 4. A antropologia jurídica e historiografia da justiça no Antigo Regime; 3. Experiências da Análise;
  5. 5. ELEMENTOS BÁSICOSELEMENTOS BÁSICOS
  6. 6. A Costa da Mina à época da pesquisa: os Akhan e os Gbe Mapa1. In: BARBOT. Jean; HAIR. Paul; JONES. Adam; LAW. Robin. Barbot on Guinea: the writings of Jean Barbot on West Africa 1678-1712. Londres: Ashgate Pub Co, 1999. [adaptado e com legendas traduzidas por Nicolau Parés e designações étnicas acrescentadas por Vinicius Lins, meramente ilustrativas. Disponível no site: <http://www.costadamina.ufba.br/index.php?/conteudo/exibir/11>. Acesso: 15 set 2013.
  7. 7. Contexto histórico • Século XVII: proliferação de várias feitorias de diversos países europeus na região. • 1600-1800: aumento exponencial pregressivo do volume do tráfico de escravos oriundos da Costa da Mina. • 1700’: expansão ashanti na Costa do Ouro. • 1720’: expansão daomeana na Costa dos Escravos. • Século XVIII inteiro: discussão da legitimidade do tráfico. Quantidade de escravos embarcados por região Período Costa do Ouro Costa dos Escravos Total 1616- 1625 3.475 3.475 1626- 1650 1.078 5.146 6.224 1651- 1675 12.428 27.588 40.016 1676- 1700 34.007 89.051 123.058 1701- 1725 106.529 149.045 255.574 1726- 1750 96.388 175.976 272.364 1751- 1775 132.06 179.672 311.732 1776- 1789 87.894 97.62 185.514 Total 470.384 727.573 1.197.957 Consulta ao: http://www.slavevoyages.org/tast/database/search.faces. Acesso: 24 abr 2014, 15:57.
  8. 8. “Objeto” da pesquisa Figura1. “As sentenças e execuções.” (detalhe) DE MAREES, Pieter. Description et récit historial du riche royaume d'or de Guinea, aultrement nommé la Coste d'or de Mina[...]. Amsterdã: C. Claesson, 1605 [1602]. p.39. Rituais jurídicos na Costa da Mina entre 1602 e 1789: • a) contratos (sobretudo, juramento de beber fetiche, “D” na imagem ao lado); • b) procedimentos de prova, sobretudo ordálios (“D”); • c) execuções (“B” na imagem).
  9. 9. “Objeto” da pesquisa • 1) “Eles aprendem, sobretudo, a jurar pelas suas Fetiches, na crença de que se eles jurassem em falso, morreriam uma hora depois.” (VILLAULT, Nicolas. Relation des costes d'Afrique appelées Guinée […]. Paris: D. Thierry, 1669. p.278. Livre tradução. Estadia ocorrida entre 1668 e 1669). • 2) “Mas, atualmente os Juramentos são, com muita frequência, feitos e rompidos [...]. [E]les encontraram uma maneira de absterem-se de seus Juramentos dando dinheiro a quem havia jurado assistência e agindo diretamente em contrário à sua Obrigação[.]” (BOSMAN, Williem. A new and accurate description of the coast of Guinea[…]. Londres: Knpaton, 1705 [1704]. p.140. Livre tradução. Estadia ocorrida entre 1691 e 1701)
  10. 10. William Pietz analisa o cronista Willem Bosman • Pietz: A ótica anti-católica de Bosman criou um modelo de juramento corrompido nos anais da alta literatura Ocidental (ponto questionável, vide penúltimo slide). [PIETZ, William. “The Problem of the Fetish, IIIa: Bosman’s Guinea and the Enlightenment Theory of Fetishism.” RES: Anthropology and Aesthetics. Havard, v. 16, p. 105–123, 1988.] Figura2. “Willem Bosman.” Disponível em: www.engelfriet.net/Alie/Aad/elmina.htm. Acesso: 24 abr 2014, 21:38
  11. 11. ELEMENTOS ESTRUTURANTESELEMENTOS ESTRUTURANTES
  12. 12. Dissertações e tese precursoras • LARANJEIRA, Lia. Representações sobre o culto da serpente no reino de Uidá: um estudo da literatura de viagem europeia – séculos XVII e XVIII. Dissertação em Estudos Africanos Pós-Afro/CEAO/UFBA, 2010. • PIRES, Rogério. O Conceito Antropológico de Fetiche: Objetos Africanos, Olhares Europeus. Dissertação PPGAS/Museu Nacional/UFRJ, 2009. • SAIVE, Daniele. A “verdadeira notícia”: Descrição e ficção, prefiguações do discurso colonialna representação do negro. Departamento de Português da Universidade de Utreque, Países Baixos, 2005.
  13. 13. Principais pontos teórico- metodológicos • Formação: pesquisador graduado em história/Ufba. • Campo: arquivos difusos e digitais de crônicas europeias seiscentistas e setecentistas da Costa da Mina. • Contexto etnográfico: Europa e África Ocidental. • Enfoques temáticos: antropologia da religião (ênfase nos rituais e na feitiçaria), antropologia histórica, antropologia jurídica. • Métodos empregados: Análise do discurso, análise histórica qualitativa e “decompilação”.
  14. 14. Principais pontos teórico- metodológicos • Problema da pesquisa: A que fatores (o posicionamento teológico dos cronistas, transformações políticas dos reinos africanos, comércio crescente com os europeus etc) podem ser atribuídas as variações em descrições das práticas em questão ao longo do período dado? • Hipótese: Predominantemente. as variações nas descrições dependem do posicionamento intelectual- teológica dos cronistas.
  15. 15. Métodos • Análise do discurso: [FOUCAULT, M. “Resposta a uma questão.” Tempo Brasileiro, Rio de Janeiro, n. 28, p. 57-81, 1972. e Les mots et les choses: une archeologie des sciences humaines. Paris: Gallimard, 1966. BARTHES, Roland. S / Z. Seuil, 1970.] • Análise histórica qualitativa: uso de bancos de dados em ferramentas digitais para processamento de consultas automatizadas sobre trechos catalogados da massa documental. • “Decompilação”: a questão da confiabilidade [JONES, Adam. “Decompiling Dapper: A Preliminary Search for Evidence”. History in Africa, vol. 17, p. 171-209, 1990. ]
  16. 16. Historiografia e antropologia concernentes à área • Robin Law: melhor trabalho historiográfico sobre a Costa dos Escravos, mas trata a justiça sob um viés evolucionista. [LAW, Robin. The Slave Coast in West Africa. The impact of the Atlantic Slave Trade on an African Society. 1. ed. Oxford: Clarendon Press, 2001.] • Ivor Wilks: trabalho semelhante para a Costa do Ouro. [WILKS, Ivor. Forests of Gold: Essays on the Akan and the Kingdom of Asante. Athens: Ohio University Press, 1993.]. • John Thornton: boa síntese histórica [THORNTON, John. Africa And Africans In The Making Of The Atlantic World, 1400-1800. Cambridge : Cambridge University Press, 1998.]
  17. 17. Historiografia e antropologia concernentes à área • Herskovits: Etnografia dos anos de 1930 sobre o Daomé, área gbe-falante. [HERSKOVITS, Melville. Dahomey: An Ancient West African Kingdom. New York: J.J. Augustin, 1938.] • Meyer Fortes: equivalente para a zona Akhan. [FORTES, Meyer. Religion, Morality and the Person. Essays on Tallensi Religion. Cambridge: Cambridge University Press, 1987.
  18. 18. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICAFUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA
  19. 19. Rituais e rituais Jurídicos • Grimes: rituais como encenações rotinizadas que produzem mensagens aos participantes, não só no contexto religioso. [GRIMES. Ronald L. Rite out of place: ritual, media, and the arts. Nova Iorque: Oxford University Press, 2006. p.116] • Mauss: rituais como técnicas corporais. [MAUSS. Marcel. “Les techniques du corps." In: Sociologie et anthropologie. Paris: PUF. 1950. p. 365-386. p.368]. • Elias: gestos contidos pela moral no Antigo Regime. [ELIAS. Norbert. The Civilizing Process: The History of Manners. Tradução Edmund Jephcott. v.1. Nova Iorque: Urizen Books. 1978. p.] • A história dos gestos. [BREMMER. Jan; ROODENBURG. Herman (ed.). A Cultural History of Gesture: From Antiquity to the Present Day. Cambridge: Polity Press. 1993 [1991].]
  20. 20. Rituais e rituais Jurídicos • Geertz: atos de comunicação entre o mundo imaginado e o mundo vivido. [GEERTZ. Clifford. The Interpretation of Cultures: Selected Essays. Nova Iorque: Basic Books, 1973. p.112-113. e ___________. "Ritual and Social Change: A Javanese Example". American Anthropologist. New Series, Vol, 59. No. 1 (Feb.. 1957), 32-54. p.52]. • Jack Goody: plasticidade do ritual em sociedades ágrafas frente à sua perenidade em sociedades da escrita. [GOODY, Jack. The Power of the Written Tradition. Smithsonian Institution Press: Washington DC, 2000. p.122-123.] • Catherine Bell: ritualização. [BELL, Catherine. Ritual Theory, Ritual Practice. Oxford: Oxford University Press, 1992.]
  21. 21. Rituais e rituais Jurídicos • Max Gluckman: caráter místico das multidões justiceiras e contribuição dos rituais de rebelião. [GLUCKMAN. Max. Politics. law and ritual in tribal society. Oxford: Blackwell. 1965. p.231.] • Foucault: espetáculo da violência. [FOUCAULT. Michel. Surveiller et punir: naissance de la prison. Paris: Gallimard, 1975. p.39] • Lisa Silverman (historiadora): conceito de rituais jurídicos aplicado à tortura na França dos séculos XVII e XVIII. [SILVERMAN. Lisa. Tortured subjects: pain, truth, and the body in early modern France. Chicago: University of Chicago Press, 2001. p.66
  22. 22. Feitiçaria • Rosalind Shaw: feitiçaria, escravidão e capitalismo. [SHAW, Rosalind. “The Production of Witchcraft/Witchcraft as Production: Memory, Modernity, and the Slave Trade in Sierra Leone.” In: American Ethnologist, Blackwell Publishing on behalf of the American Anthropological Association Stable, vol. 24, n. 4 (Nov., 1997), p. 856-876.] • Peter Geschiere: perenidade das investigações da feitiçaria. [GESCHIERE, Peter. “Witchcraft and Modernity: Perspectives from Africa and Beyond”. In: PARES, Luís Nicolau; SANSI, Roger (ed.). Sorcery in the Black Atlantic. Chicago: University Chicago Press, 2011. p.233-258.] • Hery West: [WEST, Henry. Kupilikula: Governance and the Invisible Realm in Mozambique. 2ed. Chicago: University Of Chicago Press, 2005.]
  23. 23. A antropologia histórica • Thompson (historiador, meu ídolo): ecletismo necessário à antropologia histórica. [THOMPSON, Edward Palmer; NEGRO, Antonio Luigi; SILVA, Sérgio. As peculiaridades dos ingleses e outros artigos. 2.ed. Campina: Ed. da UNICAMP, 2012. p.299]. • Richard Price: modelo máximo para esta pesquisa. [PRICE, Richard. First Time: The Historical Vision of an Afro-American People. 2.ed. Baltimore e Londres: The Johns Hopkins University Press, 1994 [1983].] • Roger Chartier (historiador): representações sociais. [CHARTIER, Roger. "Le monde comme représentation." Annales. Économies, Sociétés, Civilisations. 44, n. 6, 1989, 1505-1520. p.1512.] • Carlo Ginzburg (historiador): o outro via o mesmo. [GINZBURG, Carlo. "L'inquisitore come antropologo." Il filo e le tracce: vero, falso, finto. Milão: Feltrinelli Editore, 2006. 270-281. p.279.]
  24. 24. A antropologia histórica • Marshall Sahlins: a mudança inserida em encontros culturais e a estrutura dinimizada. [SAHLINS, Marshall. Islands of History. Chicago: University of Chicago Press, 1985. ] • Max Gluckman: as condições da mudança social no modelo de equilíbrio. [GLUCKMAN, Max. The Utility of the Equilibrium Model in the Study of Social Change. In: American Anthropologist. New Series, vol. 70, n. 2 , Apr., 1968, p. 219-237. • Parés: uso de fontes escritas para investigação de uma hipótese sociológica. [PARÉS, Luis Nicolau. A formação do candomblé: história e ritual da nação jeje na Bahia. 2. ed. Campinas: Ed. UNICAMP, 2007. ]
  25. 25. A antropologia jurídica e historiografia da justiça no Antigo Regime • Max Gluckman: justiça como meio de coesão e de reafirmação das posições sociais. [GLUCKMAN, Max. The judicial process among the Barotose of the Northern Rhodesia (Zambia). Manchester: Manchester University Press. 1955.] • Laura Nader: justiça entre necessidade e hegemonia. [Nader, Laura "The anthropological study of law'. In: V. 67 N. 6 American Anthropologist, 1965. p.3-32. e The Life of the Law: Anthropological Projects. Berkeley: University of California Press, 2002. ] • Paolo Prodi (historiador, jurista): trajetória da justiça no Ocidente. [PRODI, Paolo. “Giustizia.” In: Dizionario di Storia. Disponível:http://www.treccani.it/enciclopedia/giustizia_ %28Dizionario-di-Storia%29. Acesso: 25 abr 2014, 02:23.]
  26. 26. A antropologia jurídica e historiografia da justiça no Antigo Regime • Langbein (historiador): transformações das provas segundo o direito romano; e o direito do Antigo Regime [LANGBEIN, John H. Torture and the law of proof: Europe in the Ancien Régime. 3ed. Chicago: University of Chicago Press, 2006.] • Garnot (historiador): o valor religioso da punição no Antigo Regime. [ GARNOT, Benoît. Justice et société en France aux XVIe, XVIIe et XVIIIe siècles. Paris: Ophrys [collection « Synthèse – Histoire »], 2000.] • Moore: anti-evolucionismo jurídico. [MOORE, Sally F. “Legal liability e evolutionary interpretation: somo aspects of strict liability, self- help and collective responsibility In: GLUCKMAN, Max (ed.). The allocation of responsibility. Manchester: The Manchester University Press, 1972. p.- 51-108 ]
  27. 27. EXPERIÊNCIAS DA ANÁLISEEXPERIÊNCIAS DA ANÁLISE
  28. 28. Experiências da Análise • Questão a Pietz: confluência entre a interpretação de Bosman e Cavazzi, cronista referente à Angola [CAVAZZI, José Antônio. “Missione evangelica nel Regno de Congo”. c.1664. Disponível em: <http://www.bu.edu/afam/faculty/john- thornton/cavazzi-missione-evangelica-2/#_edn49>. Acesso: 18 mar 2014.]. • Beber fetiche também usado a favor dos interesses dos europeus. • Adam Smith: reis africanos como donos das vidas de milhares de selvagens nus >> representações sociais construídas a partir das crônicas. [SMITH, Adam. An Inquiry into the Nature and Causes of the Wealth of Nations. Disponível em: http://www.econlib.org/library/Smith/smWN1.html Acesso: 25 abr 2014, 02:07.]
  29. 29. Experiências da Análise • Para além das diferenças: semelhança dos valores jurídicos na Costa da Mina e aqueles expressos na obra de Shakespeare. O cronista Johann Müller percebia isso: “Então o acusado é questionado se ele quer ingerir summàn ou fitiso [para mostrar] que ele não cometeu o ato. [...] Isso se assemelha ao costume maléfico de muitos cristãos, que quando querem atestar veracidade de uma fala, costumam dizer: ‘Se eu estiver errado nisso, queira Deus que eu morra ao tomar esta bebida ou que me sufoque até a morte com esse pedacinho de pão.’ ” [MÜLLER, Wilhelm Johann. “Wilhelm Johann Müller's description of the Fetu country.” In: JONES, Adam. German Sources for West African History, 1599-1669. Wiesbaden: Franz Steiner Verlag, 1983. 134- 259. p.174-175. Livre tradução]

×