Formação pela escola

424 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Formação pela escola

  1. 1. Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação – FNDE Programa Formação pela Escola VILMA SANTOS SOUZA MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO: FAMÍLIA NA ESCOLA GANDU-BA 2013
  2. 2. MOBILIZAÇÃO SOCIAL PELA EDUCAÇÃO: FAMÍLIA NA ESCOLA. 1.INTRODUÇÃO Os desafios da educação pública no meu município não são diferentes de outros municípios, pois, deparamos com problemas que atingem a escola, os alunos e suas famílias. Trabalhamos em parceria com o Conselho Tutelar para amenizar alguns desses problemas. Questões como o atendimento dos alunos de zona rural e o transporte escolar, organização da equipe técnico-pedagógica, capacitação dos profissionais da educação envolvidos no sistema de ensino, demanda com diferentes níveis de formação e processo de alfabetização, atendimento especializado aos alunos portadores de necessidades educacionais especiais com a psicopedagoga, são desafios enfrentados, porem a secretaria da educação tem conseguido amenizar esses problemas. O projeto político pedagógico das unidades de ensino de Gandu sob a orientação da Secretaria Municipal de Educação tem como diretriz transformar o educando num sujeito pensante, de modo que aprenda a utilizar seu potencial de pensamento por meio cognitivo de construção e reconstrução de conceitos, habilidades, atitudes e valores, ou seja, ”ensinar e pensar”. O Município de Gandu investe o dinheiro repassado pelo Governo Federal de maneira adequada, sendo os recursos investidos de maneira correta nos programas do FNDE para a comunidade. São programas que nosso município possui: Programa de Transporte Escolar (PNAT), Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), PDE, PNLD, o Programa Mais Educação, O Programa Dez na Bola Dez na Escola. O Programa de Transporte Escolar atende alunos das Escolas Municipais e Estaduais. Os recursos consistem na transferência automática de recursos financeiros, sem necessidade de convênio ou outro instrumento congênere, para custear despesas com a manutenção de veículos escolares e para a contratação de serviços terceirizados de transporte escolar, tendo como base o quantitativo de alunos da educação básica que utiliza o transporte escolar e informado no censo escolar. São administrados pela Secretaria Municipal de Educação. O Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), do Governo Federal, garante, por meio da transferência de recursos financeiros aos municípios, a alimentação escolar dos alunos da educação infantil (creches e pré-escola) e do ensino fundamental. Com objetivo de atender às necessidades nutricionais dos
  3. 3. alunos durante sua permanência em sala de aula, contribuindo para o crescimento, o desenvolvimento, a aprendizagem e o rendimento escolar dos estudantes, bem como a formação de hábitos alimentares saudáveis. Os recursos são repassados para a Prefeitura Municipal ficando a Secretaria de Educação responsável para fazer licitações de tomadas de preços e a compra dos alimentos para enviarem a Unidade Escolar. A maioria dos alimentos é comprada no próprio município. Os cardápios são programados e balanceados por uma nutricionista contratada pela Secretaria de Educação. Daí os lanches são preparados e servidos por uma merendeira em cada turno. O PDE, de forma geral, é a trajetória que a escola, com seus mecanismos de participação e envolvimento, traçam para si mesmo, tendo por base a avaliação do aprendizado de sua identidade. O plano tem por base as finalidades da escola, a avaliação do aprendizado dos alunos, suas finalidades e as expectativas e consenso da comunidade escolar. Na expectativa de melhorar a aprendizagem intelectual dos alunos são oferecidos aulas de reforço, orientação aos professores pelos coordenadores pedagógicos. Também para o melhoramento do trabalho, e que contemple as necessidades dos alunos, principalmente aquelas portadoras de necessidades especiais, a escola sempre busca apoio e parceria com a comunidade local e os profissionais da saúde do município ( nutricionistas, enfermeiras, psicólogos, psicopedagogos) para palestras educativas para os pais e alunos. Só que um dos grandes problemas enfrentados aqui, não é tanto em relação ao dinheiro e sim na participação da família nas reuniões escolares e também na vida escolar do filho, uma vez que nem todos participam durante o ano letivo para saberem como anda o rendimento dos filhos. É importante destacar a gestão Democrática, onde a participação de todos (Educadores, famílias de alunos, gestores, representantes de segmentos organizados e de órgãos públicos ligados à educação) principalmente das famílias nos conselhos escolares e nas tomadas de decisões é fundamental. Mobilização Social em prol da Educação é um conclame do Ministério Público para que todos (famílias, conselhos, escolas, comunidades...), participem do processo educacional. Para tanto, é necessário o compromisso de cada um dos envolvidos para que possamos responder com satisfação aos desafios sociais que enfrentamos: TORNAR A EDUCAÇÃO UM BEM PÚBLICO. 2. ANÁLISE DOS DADOS Tomando como base os depoimentos dos pais, quanto ao seu envolvimento na educação dos filhos e acompanhamentos dos mesmos na escola , verificamos como resultado da pesquisa que a maior desculpa desses pais são a falta de tempo pelo trabalho, e também a falta de informação,onde pais carentes acham
  4. 4. que a obrigação deles é apenas deixar os filhos na escola e ir buscá- los quando a aula acabar, e esses alunos são os mais problemáticos e difíceis de lidar. São alunos desinteressados e que sempre dão muito trabalho. Existe também conselho de classe na Escola Municipal Professora Ceres Libânio da Silva, tendo como objetivo acompanhar o processo ensino-aprendizagem quanto os mais diversos aspectos. As reuniões acontecem no final de cada bimestre conforme calendário escolar contando com a presença da Coordenação Pedagógica, Direção,Professores e alunos líderes de sala. Tendo por finalidade o desenvolvimento de cada aluno, estudar, os resultados das avaliações, tornando as medidas que se fizeram necessários ao seu aprimoramento e para recuperação imediata e tentar buscar mais a participação dos pais nessas reuniões que trabalha juntamente com a mobilização social. 3. PROPOSTA DE SOLUÇÃO Participar de ações ou tomar iniciativas de incentivo à interação família- escola-comunidade. Palestras envolvendo informações sobre a evolução do Plano que tem sido resultado das ações de estímulo à participação das famílias na vida escolar dos filhos e à colaboração da sociedade em atividades que visem à melhoria da qualidade da educação pública. O programa deve mostrar para os pais sobre os números que representam os Desafios da Educação Brasileira, além dos programas do MEC de apoio ao desenvolvimento da Educação e que vêm sendo empreendidos com o objetivo de elevar o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb). Com o objetivo de ampliar a Mobilização Social pela Educação, deve ser expostas, ainda, práticas de mobilização social pela educação que têm sido desenvolvidas desde 2008, em diferentes localidades brasileiras, e que vêm resultando no aumento da participação e da colaboração das famílias na vida escolar de crianças e jovens sob sua responsabilidade, onde aqui deveria ser um dos locais já que a família não participa dos eventos escolares nem de reuniões feitas pela escola para tratar dos interesses de seus filhos. Por meio de Mobilizações Sociais deve ser despertada a consciência das pessoas sobre o compromisso social na afirmação do direito de todos os brasileiros à educação de qualidade e, do mesmo modo, a respeito do papel de cada um como protagonista dessa agenda que deve envolver amigos, vizinhos, parentes e membros de associação de morador. Quando a sociedade conscientizar-se de todos os valores e se mobilizar: pais, educadores, colegiados, lideranças religiosas e a interação família-escola começar a acontecer, só assim será possível o país ter uma educação pública de qualidade com direito para todos.
  5. 5. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CURY, Augusto. Pais brilhantes professores fascinantes. DIAS, L. Carmem. Curso de Extensão Família e Escola. Presidente Prudente: Unoeste, 2010. DIAS, L. Carmem. Curso de Extensão Família e Escola. Presidente Prudente: Unoeste, 2010. FREITAS, Ivete Abbade. Família e Escola: A Parceria Necessária na Educação Infantil.Presidente Prudente: Unoeste, 2006 GOKHALE, S. D. A Família Desaparecerá? In Revista Debates Sociais nº 30, ano XVI. Rio de Janeiro, CBSSIS, 1980. JARDIM, A. P. Relação entre Família e Escola: Proposta de Ação no Processo Ensino Aprendizagem. Presidente Prudente: Unoeste, 2006. TORETE, Rossana Maria Cozeto. O diretor da escola como mediador entre a familiaa a escola.Presidente Prudente: Unoeste, 2005.

×