Relatório da Visita de APO

691 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
691
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
279
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relatório da Visita de APO

  1. 1. UNIVERSIDADE FERDERAL DE UBERLÂNDIA FACULDADE DE ARQUITETURA URBANISMO E DESIGN – FAUeD 2013/1 ATELIÊ DE PROJETO INTEGRADO V Professores: Simone Villa; Rita Saramago; Sandro Canavezzi Relatório da Visita/Análise APO Residencial São Jorge I ALUNAS: FERNANDA VILELA LUANNY DA SILVA MELINA NUNES PAULA BARCELOS
  2. 2. 2 A avaliação de pós-ocupação foi realizada no dia 14 de junho, no Residencial São Jorge I, localizado no Bairro Laranjeiras entre as ruas Antônio Bernardes Costa e Wilson Cunha. O grupo, responsável pelo bloco D, entrevistou moradores de três apartamentos diferentes dentro do período de 14:30 às 16:00 em uma tarde de céu azul. O bloco, com formato em “H”, possui 4 pavimentos com 4 apartamentos por andar, formando um total de 16 apartamentos. Dentre eles os apartamentos inseridos no questionário são um do terceiro andar e dois do quarto andar, identificados como aptos 01, 02 e 03. Os aptos 01 e 03 possuem orientação nordeste, enquanto o 01 possui orientação sudeste. O primeiro apartamento – Apto 01 – era composto por uma família nuclear de 3 moradores (pai, mãe e filho). O entrevistado era homem, de 20 a 30 anos, possuía Ensino Médio completo e trabalhava como vigilante. Ele e a esposa trabalham fora, obtendo uma renda de mais de R$1.200,00 por mês. Antes de possuírem o imóvel próprio no Residencial, moravam em uma casa alugada no bairro Jardim Patrícia. O Apto 02 também era composto por três moradores, sendo nesse caso uma família nuclear expandida (mãe, filho e avó). A entrevistada era uma mulher idosa, de 75 anos, aposentada e com 4ª série completa. A renda mensal dos moradores é acima de R$1.200,00 e o apartamento é próprio, estando no nome da filha. Segundo a moradora, a mesma morou anteriormente no bairro São Gabriel em casa própria (no nome dela). O apto 03 é o que apresenta a maior família, caracterizado por uma família nuclear composta por 5 membros (pai, mãe e três filhos). A entrevistada é mulher, de 36 anos, e está cursando a sexta-série. Possuem uma renda acima de R$1.200,00, com o marido trabalhando fora e ela cuidando da casa. Moravam em coabitação nos fundos da casa da sogra, no Jardim Ipanema. Apesar do imóvel atual ser próprio, a moradora já tem planos para vendê-lo e conseguir um apartamento maior. O conjunto conta com elementos externos que se resumem a um parquinho, uma quadra, área de circulação e de estacionamento. Os elementos não são tão bem implantados, e os espaços residuais acabam atrapalhando em vez de auxiliar. Todos os entrevistados tem consciência da existência dessa área de lazer no edifício, entretanto, apenas nos aptos 02 e 03 é que os moradores afirmaram que utilizam esses elementos. Como principais sugestões para aprimoramento desse espaço os moradores sugeriram outras áreas de lazer e outros elementos dos quais eles sentem falta e/ou poderiam ser uteis, como, por exemplo, praça verde, equipamentos de ginastica, e churrasqueira/salão de festas. Nesse local, quando se trata dos meios de transporte as respostas também variam de morador para morador. No apto 01 o casal possui um carro e uma moto próprios, não fazendo uso do transporte público. Se localizam próximos aos locais de seus respectivos trabalhos, portanto
  3. 3. 3 a locomoção não chega ser um problema pra eles. Já no apto 02 a proprietária utiliza apenas o transporte público, tendo então que depender dele independente da sua eficiência ou não. No apto 03 os moradores também fazem uso do transporte público e da bicicleta como forma de locomoção. O marido trabalha longe, mas a empresa vem buscá-lo para o trabalho e a entrevistada afirma que há escolas de boa educação nos arredores, o que, para ela, facilita a locomoção. A partir da entrevista feita com os moradores foi possível identificar fatores relacionados aos equipamentos públicos oferecidos pela cidade, que os próprios julgam adequadas ou não. Primeiramente foi perguntado sobre cinco equipamentos públicos relacionados ao bairro que estavam inseridos, que são o transporte público, saúde, educação, cultura e lazer. Levando em conta a observação sobre o bairro dos entrevistadores e também da condição social e de bem estar de morador pode se perceber que em relação aos transportes públicos os moradores que mal utilizam dele para o apoio nas tarefas diárias como o apartamento 3, onde o transporte para o trabalho é feito pela empregador, já no apartamento 1, onde não é usado o transporte publico, pela razão de os moradores possuírem carro próprio julgaram insatisfatório, pela razão de outras experiências que ouviram do que das pessoais. Foi percebido que os moradores do apartamento 1 tem um nível de critica quando aos equipamentos maior do que os dos outros moradores, isso pode ocorrer devido ao nível de escolaridade, a melhor condição de vida dos mesmos e as condições passadas de vida. Isso pode ser percebido quanto às respostas sobre saúde e educação também, já que apenas eles julgam insatisfatórios esses tópicos, os outros moradores julgam na maioria boa já que há posto de saúde e hospital na localidade do conjunto habitacional. Já quanto a tópicos como cultura e lazer foi unanime a resposta que se obteve, a insatisfação foi clara já que não há nada relacionado nas proximidades do condomínio, o que mais se aproxima é o centro esportivo, mas que foi relatado como local de uso apenas pelos moradores do apartamento 1, os moradores julgaram que essas atividades apenas acontecem longe da localidade onde vivem, mais na centralidade da cidade ou em locais de maior renda, assim utilizam- na apenas poucas vezes ao ano, como um caso citado por um morador, o parque do sábia. Com relação a aspectos que envolvem o bairro onde está situado o conjunto habitacional pode se perceber que as respostas se dão de uma forma mais homogênea entre os entrevistados. Quanto as impressões do bairro as respostas foram de “muito feliz” a “médio”, isso pode se perceber já que as necessidades do dia-a-dia são supridas em teoria pelo bairro, já que o mesmo é munido de vários comércios, escolas, hospitais, todos estes situados a uma distancia pequena do conjunto habitacional. Também, por o bairro suprir essas necessidades todos os moradores se sentem incluídos na cidade, tendo
  4. 4. 4 assim uma localização boa, já que não precisam se deslocar grandes distâncias. Em relação a aparência do bairro e o bem estar julgam positivamente, isso possivelmente se deve pelo fato de que o bairro oferece o que se é necessário para o dia-a-dia, já em relação o manutenção julgam de negativamente a médio, o que contradiz a resposta dada para a aparência levando em conta que esses dois tópicos estão intimamente ligados, a contradição ocorre possivelmente pela relação sentimental que levaram em conta na resposta da aparência e pelo que realmente vem no bairro quanto a manutenção sendo que um dos moradores ainda citou que envolta do conjunto os terrenos e calçadas não são cuidados, além de fazerem comparações com outras construções mais bem acabadas do que a que moram. Em relação ao apartamento foi perguntado sobre a localidade perante a cidade, a proximidade do trabalho, equipamentos e serviços, e as respostas foram em maioria positiva, isso se deve novamente ao fato de o bairro oferecem bastante recursos aos moradores em termos de necessidades diárias, apenas no apartamento 3 foi respondido que a distancia do trabalho era grande, pois o uso do transporte público e grande e leva tempo para alcançar as distancia entre trabalho e moradia. Já quanto a segurança do apartamento foi verificado respostas diferentes, o apartamento 1 e 2 responderam que há segurança, mesmo relatando casos de vizinhos que achavam inapropriados, já o morador do apartamento 3 relatou casos de furto dentro do condomínio, julgando assim “pouco segura”. Como dito anteriormente o conjunto é composto por 11 blocos que estão dispostos de forma alinhada, essa disposição gera espaços e circulações que foram perguntadas aos moradores a respeito das mesmas. Quanto a localização do bloco no conjunto a resposta foi unanime de “bem localizado”, já quanto a aparência desse trajeto feito por eles de seus apartamentos a rua ou vice versa, foi obtido respostas diferentes nos três casos, apenas o apartamento 2 respondeu como bonito o caminho que percorre, a resposta se deve muito pelo fato da condição de moradia anterior do morador, como citado pelo próprio, que morava em condições precárias durante a maior parte de sua vida, isso também influenciou boa parte das respostas dadas por este morador. O caso do tópico dimensão foi observado o mesmo padrão de respostas que a aparência, e o apartamento 3 mantêm, a resposta negativa quanto ao tópico. Pode-se perceber que os moradores do condomínio que possuem carro, não se importam diretamente com as questões de acessos já que o carro possibilita uma facilidade maior de acesso, pode-se ver também que os acessos estão concentrados tanto de pedestre como de veículos. Em relação a aparência externa dos edifícios, dois dos três entrevistados consideram feia. Após a senhora de idade do apartamento 2 ter contado sua história de vida, entendemos seu ponto de vista em achar tudo bonito no edifício e em seu apartamento. Ela
  5. 5. 5 relatou que nasceu e cresceu em cidade pequena, e que só havia escola pública até a 4ª série do ensino fundamental. Por isso, passou a maior parte da vida trabalhando e por muito tempo de doméstica. Aposentou recentemente, e agora vive no apartamento comprado pela filha, juntamente com ela e com o neto. Durante o dia, cuida da bisneta com menos de um ano. Acreditamos que se a entrevista tivesse sido feita com a filha, proprietária da casa, com certeza teríamos diferentes respostas às estas questões. Os proprietários dos apartamentos 1 e 3, consideram de péssima qualidade os materiais de construção e de acabamento utilizados tanto no edificio em geral, quanto no interior de suas moradias. Diferentemente da resposta da questão anterior, a aposentada já afirma que é de média qualidade os materiais utilizados, ou seja, mesmo com pouco estudo e vivências humildes, ela percebe que poderiam ter uma melhor qualidade de construção e acabamento. Afinal, é visível a quantidade de rachaduras na construção de alvenaria estrutural, principalmente próximo às janelas e portas. As esquadrias expostas às intempéries, estão enferrujadas e com problemas de abrir e fechar. O corrimão da circulação vertical está todo descascado, e muitos degraus estão irregulares, com pequenas inclinações nos azulejos mal colocados. No apartamento 2, os equipamentos de hidráulica originais da construção prevalecem: a pia sintética da cozinha, a pia do banheiro e o vaso sanitário. Já nos 1 e 3, a pia da cozinha foi trocada, inclusive a mulher do apartamento 3 relatou que a substituição foi inevitável, já que a pia original rachou no meio. No 3, além da pia da cozinha, a do banheiro também foi trocada, por uma cuba de vidro sobre uma bancada de granito. A impressão dos moradores em relação aos seus próprios apartamentos é bem diversificada, como é o caso do tamanho geral deste, em que consideram de médio, pequeno a muito pequeno, respectivamente aos moradores do 1, 2 e 3. Nota-se que o perfil familiar e o numero de pessoas aumenta em cada caso de forma proporcional à insatisfação do tamanho. Os cômodos também receberam qualificações de beleza e tamanho. O entrevistador M, do apartamento 1, afirmou que em geral os cômodos são bem-divididos, mas são pequenos, com exceção da sala e dos quartos que possuem um tamanho médio, e para ele, somente os quartos possuem uma aparência média, todos os outros são muito feios. Já para L, a idosa do apartamento 2, todos os cômodos são bonitos e bem-divididos, mas com um médio tamanho. Para S, do terceiro questionário, o apartamento possui uma divisão péssima e todos os cômodos são pequenos, com destaque especial à área de serviço que é muito pequena, já que ela lava as roupas de três filhos e do marido em casa. Para ela, todos os ambientes possuem uma aparência média.
  6. 6. 6 Em conclusão, como impressão do grupo, notamos que as divisões de ambientes proposta no projeto não é totalmente seguida. Como por exemplo, a geladeira fica dentro da área de serviço, a mesa quando presente, na sala e entre outros. Isto porque os móveis na maioria dos casos, são de grandes tamanhos e não flexíveis e isto, somado à área mínima destes cômodos de modelo tripartido, cria um espaço sem qualidade espacial, comprometendo a circulação e as atividades diárias dos moradores. A falta de privacidade é um problema visível nesse conjunto, tanto para alguns moradores quanto para os visitantes. Os apartamentos térreos possuem janelas no mesmo nível que as pessoas que circulam pela área externa. Foi possível ver cozinhas e até banheiros desses apartamentos. Um caso interessante foi que em um deles existia uma cortina que separava a cozinha as sala, assim quem passa, vê somente os equipamentos da cozinha, bloqueando a vista para as áreas mais íntimas do apartamento. Os moradores do apartamento 01 possuem certo desconforto quando se refere a privacidade em relação aos seus vizinhos. Eles colocaram filme preto na janela da sala, pois o vizinho pode ver o apartamento deles se a janela estiver aberta. No questionário eles colocaram privacidade média, a senhora do apartamento 02 colocou que há muita privacidade e a mulher do 03 colocou que existe uma privacidade razoável. Em relação à privacidade entre os moradores o casal do 01 e a mulher do 03 respondeu que existe uma privacidade razoável e a senhora do 02 disse que há muita privacidade. Por mais que o apartamento é totalmente dividido, não existe uma liberdade de circulação dentro dele, pois todos os cômodos são interligados com a sala. Na tabela de classificação da privacidade em relação aos cômodos, a mulher do 3 considera privacidade razoável para todos. A aposentada do 2 disse que há muita privacidade em todos. Já o casal do 1 disse que a sala, os quartos e o banheiro tem a privacidade mediana e a cozinha com a área de serviço já possuem uma privacidade razoável. Uma preocupação do questionário era avaliar o conforto dos apartamentos, considerando a iluminação natural, a ventilação e a temperatura. A impressão obtida da visita é que nesse quesito os apartamentos são adequados para o clima da cidade, pois a ventilação cruzada permite uma boa circulação do ar e as janelas deixam entrar uma luz considerável. A avaliação apresentada pelos moradores também são satisfatória. Em relação a iluminação natural foi apresentado pelos moradores do apartamento 1 e 3 que é bem iluminado, a moradora do 2 disse que é muito bem iluminada. A ventilação foi apresentada como Muito bem ventilada pelos moradores 1 e 2 e bem ventilada pela moradora 3. A temperatura no verão é agradável para o 1 e o 3, e muito agradável para a 2. Já no inverno a moradora do 1 disse que sente muito frio e precisa fechas as janelas, então foi respondido médio para o 1 e agradável para o 2 e o 3.
  7. 7. 7 Em relação aos ruídos sonoros no geral foi apresentado silencioso. Mas foi notório por meio de conversas que no condomínio existe regras que impeçam os moradores de fazerem muito barulho. Alguns moradores disseram que a sindica fez regras que se algum apartamento for reclamado por causa de barulho os moradores terão que pagar uma multa equivalente ao valor do condomínio. A família do apartamento 1 falaram que durante a noite principalmente existe muito barulho externo devido as motos na avenida que esta localizado o UAI São Jorge. Assim, tirando a reclamação externa do apartamento 1 as outras respostas são referente ao fato de ser silencioso. A preocupação pela decoração, a aparência do apartamento esta presente principalmente no primeiro apartamento. Devido ao fato de terem uma situação financeira melhor, o apartamento é todo mobiliado e decorado. Uma aparência composta por mobiliários novos e bons. Isso contribui para a adaptação da pessoa com o lugar. Assim, as respostas dele é de quem é bem decorado, identificando muito com ele e se adaptando muito a ele. Já a aposentada do 2, devido a sua história difícil, ela contou que quando a filha comprou o apartamento eles tiveram que comprar novos móveis, já que os dela já eram muitos velhos e desgastados. Mas, apesar de tudo ela considera que esta bem decorado, identificando e adaptando muito a ele. Já a moradora do 3 não se identifica com o apartamento e acha ele pouco decorado. Certas atividades são necessárias serem feitas em casa, mas existe outras como trabalhar que nenhum dos entrevistados realizam em casa. No apartamento 01, o ato de lazer, estocar coisas, quartos, cozinha, lavar roupa e dormir são apropriados. Já o de descansar, tomar banho e comer são totalmente apropriados. Somente receber as pessoas e estudar estão mediano. O apartamento é muito pequeno pra poder ficar aparecendo parente ao mesmo tempo. A aposentada do 2 acredita que tudo é apropriado para os usos dos mesmo. Já no apartamento 3 ele só não é apropriado para lava roupa. Mas nesse apartamento é questionável o tamanho dos quartos já que são três filhos que dormem em um mesmo quarto. Assim atividades como estudar que são os três mais a mãe se torna uma situação bem complicada pois não tem espaço para todas. No geral todos os apartamentos são apropriados para as realizações das atividades básicas. Por meio desses dados recolhidos tanto no momento de realização do questionário quanto depois analisando as repostas, podemos reconhecer vários problemas e entender que melhorias devem ser aplicadas nessas habitações de baixo custo.

×