Salim Miguel: temas e personagens me perseguem

490 visualizações

Publicada em

Entrevista realizada por Viegas Fernandes da Costa e Darlan Jevaer Schmitt com o escritor Salim Miguel.
Florianópolis, 2008.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
490
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Salim Miguel: temas e personagens me perseguem

  1. 1. Salim Miguel: “temas ou personagens é que me procuram” Entrevista concedida a Viegas Fernandes da Costa e Darlan Jevaer Schmitt Florianópolis, 2008
  2. 2. Salim Miguel: “temas ou personagens é que me procuram” Nascido no Líbano em 1924, Salim Miguel chegou ao Brasil ainda criança. Depois de viver sua adolescência no município catarinense de Biguaçu, mudou-se para Florianópolis onde, nas décadas de 1940 e 50, integrou o movimento modernista nas artes catarinenses: o Grupo Sul. Juntamente com sua esposa, a também escritora Eglê Malheiros, escreveu o roteiro do primeiro longa-metragem catarinense, o filme “O Preço da Ilusão”. Em 1965, depois de ser preso pelo Regime Militar, mudou-se para o Rio de Janeiro, onde editou a revista Ficção e trabalhou para a Editora Bloch e de onde retornou em 1979. Jornalista renomado com passagem por diversos jornais e revistas nacionais, Salim Miguel dirigiu também a editora da Universidade Federal de Santa Catarina e a Fundação Cultural Franklin Cascaes. Autor de 30 livros, entre contos, crônicas, romances, depoimentos e impressões de leitura, dos quais se destacam: “A Morte do Tenente e Outras Mortes”, “A Voz Submersa”, “Nur na Escuridão” (que recebeu o prêmio de melhor romance de 1999 pela Associação Paulista de Críticos de Arte, e o Prêmio Zaffari & Bourbon da 9º Jornada Nacional de Literatura de Passo Fundo), “A Vida Breve de Sezefredo das Neves, poeta” (indicado para o Prêmio Jabuti) e “Mare Nostrum”. Doutor Honoris Causa pela UFSC e reconhecido como intelectual do ano pela União Brasileira dos Escritores e Folha de S. Paulo, recebendo o Troféu Juca Pato, Salim Miguel recebeu o Sarau Eletrônico em seu apartamento, ao lado do campus da UFSC de Florianópolis, onde concedeu o presente depoimento no mês de setembro de 2008 e às vésperas de ver publicado seu mais novo romance, “Jornada com Rupert”. Nesta entrevista o escritor e jornalista conta sobre a parceria que estabeleceu com um livreiro cego e que lhe oportunizou as primeiras leituras, ainda em Biguaçu, relembra sua infância, a experiência com o Grupo Sul e os momentos difíceis por que passou durante a Ditadura Militar brasileira e fala da sua história no jornalismo, das suas aventuras literárias e da sua experiência como escritor. (Entrevista: Viegas Fernandes da Costa / Fotos: Darlan Jevaer Schmitt) Gostaríamos de começar com a tua história de vida. Como se deu a tua vinda para o Brasil e o teu primeiro contato com os livros? Eu começaria com a palavra árabe “Maktub”, que quer dizer “estava escrito”. Estava escrito que o destino da minha família seria o Brasil. E quando nós saímos do Líbano, estávamos sendo encaminhados para os Estados Unidos. Como a cota para libaneses já estava esgotada, nós viemos fazer aquilo que ainda hoje se faz: ir ao México e de lá, por meio de contrabando, entrar nos Estados Unidos. Quando chegamos em Marselha, houve um imprevisto. A vista do meu pai estava com uma inflamação e não pudemos continuar a viagem. Ficamos alguns dias em Marselha, o dinheiro escasseava, os irmãos da minha mãe, meus tios que moravam nos Estados Unidos, mandaram algum recurso, mas o primeiro navio que saía vinha para o Brasil. Então meu pai disse assim: “eu tenho uma irmã morando no Rio de Janeiro e um irmão no Norte” – que nunca foi localizado. Então o projeto era o seguinte. “Vamos para o Rio de Janeiro, ficamos alguns dias com
  3. 3. a minha irmã” – meu pai dizendo – “e de lá retomamos o projeto para os Estados Unidos”. Foi aí que entrou “maktub”. Quando chegamos aqui, em pouco tempo, meu pai disse para minha mãe: “vamos ficar pelo menos alguns anos por aqui porque estou gostando deste tal de Brasil”. E estes “poucos anos” duraram a vida toda. Ele nunca saiu do Brasil, nem para voltar ao Líbano! Só que nós fomos parar em Magé, na casa de minha tia, e lá ele fez o que fazem todos os imigrantes libaneses – não só eles, mas também os sírios, os judeus, que começam mascateando – : ele começou mascateando. Mas não estava dando certo. Então ele se lembrou que tinha uns primos em Florianópolis. Veio para Florianópolis e aí “maktub” de novo! Uma correspondência mal explicada, enquanto ele pensava em voltar para o Rio, porque era tudo igual, fez com que a família chegasse em Florianópolis. Ficamos uns dois, três meses aqui, e o primeiro lugar em que fomos morar foi em São Pedro de Alcântara, primeiro núcleo de colonização alemã em Santa Catarina. Ficamos lá um ano e pouco e fomos parar em Rachadel, outro núcleo de colonização alemã. Depois fomos para Alto Biguaçu. Mas o resto da minha infância e a minha adolescência passei em Biguaçu. Por isso digo que sou um líbano-biguaçuense. Comecei a ser alfabetizado em árabe e em alemão, porque tanto em São Pedro de Alcântara como em Rachadel não havia escola que ensinasse em português. Mas quando cheguei em Biguaçu, entrei imediatamente no grupo escolar, e nessa besteira de criança não quis mais estudar nem o alemão nem o árabe. Meu pai dizia “aprende, continua estudando, um homem que sabe dois idiomas vale por dois”. Ele tinha sido professor primário no Líbano. Eu me recusei a estudar e hoje, a não ser alguns palavrões em alemão e árabe, não sei mais nada. Houve, nas comunidades onde vocês se instalaram, alguma resistência ao fato de vocês serem libaneses, algum tipo de preconceito? Em São Pedro de Alcântara sim. Embora meu pai não tivesse nenhuma vocação para o comércio, acho que – vendo hoje, à distância – os alemães tinham menos vocação do que ele. Então ele estava tirando a freguesia dos comerciantes alemães. E um dia houve, na missa de domingo, um padre que falou contra os alemães que estavam preferindo comprar naquele turco do que com os alemães. De repente ninguém mais comprava na venda do meu pai. A família foi obrigada a sair e fomos para Rachadel, que é outro núcleo de colonização alemã. Mas lá já foi diferente. Tanto que meu pai logo se tornou amigo de alguns alemães, e um deles passou a me ensinar o alemão. Mas como lá também comercialmente não estava indo bem, fomos para Alto Biguaçu, que hoje é o município de Antônio Carlos. Ali o núcleo alemão já era muito rarefeito, mas lá também comercialmente não estava dando certo e meu pai resolveu ir para Biguaçu, onde pelo menos havia algumas famílias descendentes de libaneses, e foi onde ficamos por doze anos. Minha infância e adolescência passei em Biguaçu. E na tua família havia uma cultura do livro, ou ele se dá mais tarde na tua vida? Havia este contato. Minha mãe era de uma família tradicional, e além do árabe ela havia estudado russo e inglês. Meu pai era de uma família humilde, mas foi professor primário. E além disso, naquela época, estudava-se árabe e francês no Líbano. E ambos gostavam muito de ler. Então eu comecei a me interessar pelo livro com meu pai me contando – a minha mãe também, mas mais ele – aquelas histórias orais que passam de geração para geração, um pouco modificadas, mas que mantêm aquela tradição da literatura oral, que é uma coisa muito bonita. Contar histórias é uma coisa muito bonita. Então eu comecei a me interessar pelo livro ali. Quando fui alfabetizado, e aí é outro
  4. 4. fato curioso, entrei no grupo escolar José Brasilício de Sousa sabendo pouca coisa de português. No fim do ano a professora bateu palmas, chamou a atenção dos alunos, me apontou e disse: “vejam só, chegou ontem aqui, mal sabia algumas palavras de português misturadas com árabe e alemão; hoje fala, lê e escreve melhor que vocês! Não se envergonham diante deste turco?” Eu desabei no choro, não sei se pelo elogio ou pelo turco. Porque meu pai sempre dizia: “não aceite que te chamem de turco.” Porque a Síria e o Líbano durantes anos foram dominados pelo império otomano, pelos turcos. E a professora me deu de presente um tinteiro que tenho até hoje. Aos oito anos comecei a ler absolutamente tudo que encontrava. Quando não tinha nada para ler, eu lia bula de remédio. E devo muito a almanaques. Foi em almanaques que li, aos oito anos, pela primeira vez, Machado de Assis, o “Soneto à Carolina”, que é um dos mais belos sonetos da língua portuguesa e, certamente, o melhor de toda a poesia machadiana. Até porque a praia dele não era bem a poesia, embora deixou um volume enorme de poesias. Além dos almanaques, quais as outras fontes de acesso à literatura? Havia bibliotecas? Em Biguaçu praticamente não havia bibliotecas nem nas escolas. Havia uma meia dúzia de livros, e poucas pessoas tinham bibliotecas. Tinha alguns livros, mas que não podiam ser chamados de biblioteca. Até que certo dia, lá pelos meus dez ou doze anos, eu me lembrei que havia uma livraria de um poeta cego chamado João Mendes. Fui lá e fiz uma proposta que ele não aceitou. Mas ele me fez uma outra proposta, que eu aceitei. A minha era a de ele me emprestar livros e eu me comprometia a não amassá-los e não sujá-los quando fosse devolvê-los, depois que os tivesse lido. E quando eu tivesse os tostõezinhos para comprar um livro, eu compraria. Ele disse “não, vamos fazer diferente. Tu vens aqui, lês para mim em voz alta o tempo que tu quiseres todos os dias, porque eu também tenho fome de leitura.” E acertamos isso. Durante alguns anos li em voz alta para ele. Todas as vezes em que conto esta história as pessoas me perguntam, e acho que tu vais me perguntar: “que livraria fantástica era essa que pôde, durante anos, alimentar vocês?” Ora, o que ele tinha não daria para nos alimentar a fome de livros por quinze dias. Mas ele tinha experiência. Ele tinha um primo em Florianópolis, que era poeta também, que gostava muito de ler e tinha uma excelente biblioteca, e passou a nos mandar livros. Além disso, ele começou a comprar livros em consignação. Comprava quarenta livros de uma editora e noventa dias depois devolvia. Mas não podia devolver os quarenta livros. O que ele fazia? Obrigava parentes e amigos a comprar alguns dos livros, devolvia os demais, mas nós já tínhamos lido os quarenta. Então através disso tomei conhecimento da literatura brasileira e universal. Foi ali que li Shakespeare, “As alegres comadres de Windsor”, em uma edição portuguesa muito feiazinha por sinal. Foi ali que li pela primeira vez um livro em espanhol, “Don Segundo Sombra” de Ricardo Güiraldes. Não sei se ele ou e eu entendemos todo o espanhol, mas o negócio é que devoramos o livro. Então foi ali a minha formação. O primeiro romance que li na vida, não sei de onde me apareceu este romance, foi “O Tronco do Ipê” do José de Alencar. Relendo este livro há pouco tempo, pela terceira vez, notei uma coisa que não havia observado na segunda leitura. Na primeira nem pensar! Tem um conselheiro, neste livro, que é o conselheiro Acácio, que é o primo Basílio do Eça de Queiroz. É o
  5. 5. mesmo tipo enfatuado que diz coisas banais com uma pose como que se estivesse dizendo as últimas maravilhas do mundo. E aí fui para a internet para ver se o livro do Eça era posterior. Eu achava que era, mas não tinha certeza. Porque se o livro do Eça fosse anterior, o José de Alencar poderia ter copiado aquele conselheiro. Mas não. O livro do José de Alencar é de 1873 e o livro do Eça é de 1878. Será que o Eça tomou conhecimento? É possível supor que, pelo fato de seres um devorador de livros, o interesse pela escrita se dá de uma forma quase natural. Quando começas a escrever e perceber que o que escrevias tinha qualidade? E como se dá o processo que leva à publicação dos teus textos? Bem, são duas perguntas e por isso vou responder de duas maneiras diferentes. Lá pelos dez anos de idade, meu pai me vendo devorar tudo o que era impresso, aqueles símbolos mágicos, perguntou assim: “o que pretendes fazer na vida?” E respondi: ler e escrever. Aí a minha mãe, que era uma mulher sensível, mas com os pés no chão, disse: “não vai ser fácil.” Meu pai então disse: ”fácil não vai ser, mas se ele persistir, conseguirá.” Então se há uma palavra que me acompanha até hoje, esta é persistir. Persistência é fundamental em tudo que a gente quer fazer. Então aos dez anos eu já pensava não só em ler, mas também em escrever. Naquela época, depois das estripulias do dia, porque eu não só lia, eu era uma criança normal que gostava de nadar, de correria, de jogar futebol, até de brigar com os amiguinhos, de noite a gente se reunia na frente das casas e cada um contava, a sua maneira, aquilo que estava na sua lembrança do dia. Eu fazia diferente. Quando eu chegava em casa, pegava uma folha de papel, fazia uns traços na vertical e na horizontal, botava algumas palavras e transformava aquelas coisas do dia numa matéria de jornal ou numa crônica. Então, lá pelos dez anos, eu já brincava de jornalista e escritor. Tive a preocupação de não publicar cedo e de ler, reler e rasgar. Porque rasguei e coloquei no lixo muito mais do que publiquei. Fiquei em Biguaçu até os meus 19 anos, já tinha alguma coisa manuscrita, mas nada daquilo foi publicado. Foi só chegar em Florianópolis e, aquilo que me faltava de leitura, li na Biblioteca Pública do Estado, que tem um acervo enorme. Foi em 1943 que nós mudamos para Florianópolis. Veio a família toda. Quais os motivos para a mudança? Em Biguaçu, durante a guerra, nem a vendola do meu pai estava dando para as despesas da casa. Vendia-se muito fiado e recebia-se pouco retorno. Também as pessoas de Biguaçu, São Miguel, Tijuquinhas, Ganchos, de Alto Biguaçu, daquela região toda que frequentava a venda do meu pai e as outras, também estavam tendo dificuldades financeiras. Então ele resolveu se aventurar em Florianópolis, onde nunca passou de um dono de venda. Quando faleceu, aos 60 anos de Brasil ou mais, a única coisa que deixou foi uma casa hipotecada na Caixa Econômica Federal. A primeira lembrança que tenho, e a mais exata, é a de que nós chegamos em maio de 1943 e no começo de 44 começamos a nos reunir e conversar, eu estava com exatos 20 anos. Desse primeiro grupo, três acabariam no Grupo Sul: Ody Fraga, Antônio Paladino, Cláudio Bousfield Vieira. Ody Fraga fez uma trajetória no teatro e depois no cinema. Antônio Paladino faleceu de tuberculose aos 23, 24 anos. E Cláudio Bousfield Vieira nunca mais quis saber de literatura depois da Revista Sul. Aí sim nós começamos, primeiro trocando originais com aquela velha história: leia o meu que eu leio o teu. Depois começamos a furar os espaços dos jornais. Tem colaboração nossa, não só minha, mas do Ody, do
  6. 6. Paladino, depois da Eglê Malheiros, do Aníbal Nunes Pires, a quem nós devemos muito, em todos os jornais de Santa Catarina, que na época, nos anos cinquenta, eram quatro: O Estado, Diário da Tarde, A Gazeta, Diário da Manhã. Tem colaboração nossa em todos os jornais. Então começamos a publicar ou crônicas ou poemas. E como a minha praia não era a poesia, então comecei a publicar crônicas e anotações sobre livros. E é o que vai te perseguir pela vida inteira, porque muitos dos teus livros são sobre livros. Com este que está saindo agora, “Minhas Memórias de Escritores”, são sete livros onde faço anotações sobre aquilo que estou lendo. Interessante observar que muitos dos teus romances também tratam de livros. “As Confissões Prematuras”, por exemplo, é a angústia de um escritor. “A Vida Breve de Sezefredo das Neves, poeta” também. Então muitos dos teus livros têm como tema o livro. Sim, têm como tema o livro. Mas de repente, em 1946, nós colaboramos com o jornal Folha da Juventude. Em 1947 o Antônio Paladino, o Cláudio Bousfield Vieira, o Aldo Sagaz e eu criamos um jornalzinho datilografado chamado Cicuta. A tiragem era de quatro exemplares e tinha uma frase que caracterizava o jornal: “leitor, por favor, não faça com este jornal o que faz com os demais”. Tudo isso não bastava. Então nós resolvemos partir para uma coisa maior, que era a Revista Sul. Naquela época, dos fins dos anos 40 aos fins dos anos 50, eram cerca de quarenta publicações de jovens em todos os estados brasileiros. Não tinha estado que não tivesse a sua revista de literatura. Só que não queríamos nenhum contato com órgãos oficiais, com poderes estabelecidos. Queríamos inteira independência. Também não tínhamos como fazer a revista porque não tínhamos recursos. Todos nós éramos classe média ou classe média baixa. Então o Ody disse assim: “por que nós não fazemos um espetáculo de teatro para angariar recursos?” As duas ou três primeiras revistas foram bancadas por dois espetáculos de teatro; a primeira com três peças de um ato. No segundo espetáculo nós lotamos a casa. Florianópolis sempre gostou de teatro. A população pediu um segundo espetáculo, nós pedimos um tempo, e em lugar da peça do Ody, “Um homem sem paisagem”, nós adaptamos um conto do Sartre, ao qual demos o nome de “Estátuas Volantes”, embora o conto não se chamasse assim. O conto era do livro “O Muro”, mas não me lembro do título original. E muita gente em Florianópolis, depois, achava que nós tínhamos inventado o tal de Sartre. Qual era o ambiente intelectual da Ilha neste contexto em que vocês estavam montando o Grupo Sul? Havia um grupo intelectualizado, só que eles haviam estacionado no tempo. Eu me lembro de, talvez, uma das figuras mais proeminentes do estado de Santa Catarina dizer assim: “vejam só, ‘tem uma pedra no meio do caminho’. Isso é poesia? E esse Drummond hoje está sendo considerado um poeta! Na minha época ele não serviria nem para varrer o chão de um poeta!” Então era esse o ambiente na época. Tanto que quando surgiu a Revista Sul, nós tínhamos publicado um caderno chamado “Os Velhos e os Novos” e, ou intencionalmente, ou por esquecimento, não convidamos essa figura para participar desse caderno. Então ele ficou indignado porque se considerava a maior autoridade em Goethe, não só em Santa Catarina. A esta altura nós já estávamos com
  7. 7. uma página, chamada “Página do Círculo de Arte Moderna”, no jornal O Estado. Então nós tivemos a mais duradoura polêmica sobre literatura e cultura em Santa Catarina, que durou um ano no jornal O Estado. Nós tínhamos espaço uma vez por semana e ele diariamente, quando quisesse tinha espaço para nos atacar. No fim – ele tinha sido dono do jornal O Estado, que depois foi vendido para o Aderbal Ramos da Silva – ele disse que não era concebível, como ex-dono do jornal, que ele, uma autoridade intelectual respeitada, fosse atacado por um grupo de jovens que nem sabiam começar uma frase por um pronome oblíquo. Assim nós perdemos a página. Mas este debate durou um ano! E qual era o nome dele Salim? Professor Altino Flores. Quando começas a atuar como jornalista? Comecei trabalhando aqui, primeiro como free-lance, depois como correspondente de jornais do Rio Grande do Sul e de revistas do Rio de Janeiro e colaborando, eventualmente, nos principais órgãos de imprensa do país. Tem colaboração minha no Estadão, no Diário de Notícias, no Correio da Manhã, no Correio do Povo. Costumo dizer que tenho contos e textos, não de crítica, mas de anotações sobre livros, do Oiapoque ao Chuí. A minha primeira carteira de jornalista profissional foi assinada pelo Diário da Manhã de Florianópolis em 1951. Trabalhei dois anos nesse jornal, depois comecei a trabalhar como correspondente de jornais e revistas. Mais adiante uma revista, que durou dois números, mas que levou dois anos para tirar dois números, chamada BN, que naquela época era Bossa Nova, e que me assinou a carteira. Depois um jornal chamado Opinião Pública. E depois do Golpe, quando fui preso e fui obrigado a sair de Santa Catarina, no Rio trabalhei por 13 anos na Bloch Editores. Comecei como copidesque, depois redator, repórter especial e por fim chefe de redação de uma revista chamada Tendência. Salim, sabemos que a Eglê é a grande companheira da tua vida. Em vários dos teus livros vemos dedicatórias a ela. Como vocês se conheceram? Em 1947, quando estávamos montando as peças de teatro. A Eglê eventualmente tinha colaborado no jornal Folha da Juventude. Quando estávamos montando o espetáculo, precisávamos de atrizes, e a Eglê foi uma dessas atrizes. Depois ela trabalhou em uma outra peça chamada “Cândida”, uma peça em três atos do Bernard Shaw. Na verdade, desde o primeiro momento, a gente sentiu que tinha uma coisa muito próxima, tínhamos interesses comuns, uma visão de mundo mais ou menos parecida. Começamos a namorar em 1947. Um amigo nosso diz que foi em um jantar que nós fizemos depois dos dois espetáculos com as três peças, porque ainda sobrou um trocadinho para a gente fazer um jantar porque ninguém é de ferro. Ele disse que naquele momento percebeu que nós estávamos de namoro, a Eglê e eu. Como naquela época a gente não namorava hoje e amanhã estava junto, nós levamos até 1952 entre namoro, noivado e casamento.
  8. 8. Mas eu costumo dizer que nós estamos juntos há exatos 61 anos! Desde 1947! Na verdade eu não seria quem sou sem a Eglê. Teus primeiros livros são de contos, e depois vem o romance “Rede”... Sim, meus dois primeiros livros são de contos: “Velhice e outros contos”, de 1951, e “Alguma Gente”, de 1953. “Rede”é de 1955. Todos eles pela Sul. Meu projeto era um livro a cada dois anos. Quando publiquei “Rede”, sentei para refletir e cheguei à conclusão que o mais importante não é publicar; o importante é o que e como se publica. Porque na verdade o escritor, desde o início dos tempos, trabalha com alguns poucos temas. A maneira dele trabalhar esses temas, a maneira dele resolvê-los, é que diferencia e identifica um escritor do outro. Então passei exatos 18 anos sem publicar livros. Eventualmente publicava um conto, mas passei a me dedicar mais ao jornalismo e às anotações de leituras, escrevendo sobre livros. Só em 1973, já residindo no Rio de Janeiro, e graças ao Carlos Jorge Appel, um amigo meu de Brusque que hoje é uma figura da intelligentsia gaúcha, acabei reunindo alguns dos contos publicados em jornais e revistas num livro chamado “O Primeiro Gosto”. O título do livro era “Os nossos iguais”, mas o Appel achou que este título não traria muito interesse para os leitores. Então uma das epígrafes era de um poema de Camões, que fala do primeiro gosto, foi quando sugeri “O Primeiro Gosto” e ele achou que estava bom. Este livro ainda não me satisfez, embora eu hoje ache que pelo menos três contos do livro tenham alguma validade. Parei outros seis anos e disse para a Eglê: “Eglê, vou fazer mais uma tentativa, se não der certo vou ficar como jornalista, talvez passe para o cinema, mas vou parar com literatura porque não estou fazendo nada que me satisfaça”. Em 1979 publiquei um livro chamado “A Morte do Tenente e Outras Mortes” que foi considerado o melhor livro de contos daquele ano. E este, na verdade, me satisfez. E tem uma introdução do Fausto Cunha onde, em alguns pontos, ele diz assim: “tem um conto chamado ‘Aranha’ que, além de ser um dos melhores contos da literatura brasileira, marca um novo momento na literatura de Salim Miguel”; e ele cita mais três ou quatro contos desse livro. Aí eu disse para a Eglê: “acho que agora tenho o meu caminho na literatura. Se vou fazer coisa melhor do que esse não sei, mas agora sei que vou continuar”. Em 1984 publiquei “A Voz Submersa”, que teve uma boa aceitação e uma boa vendagem, e não parei mais. Uma das grandes dificuldades para o escritor radicado em Santa Catarina é chegar a uma grande editora. Normalmente ele consegue publicações mais localizadas, mas poucos são os autores que conseguem dar este salto para uma editora maior. No teu caso, desde a década de 1980 já publicas por editoras de âmbito nacional. Como conseguiste chegar a estas editoras? Vou dizer uma coisa, não sou melhor nem pior que outros escritores de Santa Catarina. Hoje podemos dizer que temos em Santa Catarina escritores, em todas as áreas e não só na ficção, que não deixam nada a desejar a escritores de outros estados. Só que eu tive a “sorte” de ser preso e por isso tive que sair de Santa Catarina. No Rio, embora eu tivesse feito na imprensa tudo o que se possa imaginar, trabalhei mais na área de cultura, e com a Laura Sandroni, o Cícero Sandroni, o Fausto Cunha e a Eglê Malheiros fizemos uma revista chamada “Ficção”, que durante quatro anos fez um mapeamento do conto no Brasil, do passado e do presente. Com isso nós cinco nos tornamos uma referência, e isso me ajudou. Ou seja, morando no Rio, já tendo feito essa revista, tornou-se mais fácil, para mim, conseguir espaço nas editoras do Rio, de São Paulo, de
  9. 9. Brasília e de Porto Alegre. Se examinares meus livros, verás que a maioria deles foram publicados por editoras destas regiões. Mas repito aqui que não sou melhor, também não sou pior do que outros escritores de Santa Catarina, não vou bancar o falso modesto. Como surgiu a idéia de filmar o longa-metragem “O Preço da Ilusão”? Nós criamos o primeiro clube de cinema de Santa Catarina, que tinha como presidente o Armando Carreirão. Aí nós passamos a trazer não só filmes importantes, como também a comprar livros, não só a Eglê e eu, mas vários do grupo. Tenho uma razoável biblioteca sobre cinema, não só de história do cinema, mas sobre argumento, roteiro e tudo o que diz respeito ao cinema. Em 1956 nós pensamos: “já estamos encharcados de ver filmes e ler sobre cinema, por que não partimos para o nosso próprio filme?” Todo mundo achou isso uma loucura. E era uma loucura! Mas é boa essa loucura dos jovens, e dos velhos também! Então fizemos contato com todo o pessoal do grupo para que apresentassem sinopses para um argumento de filme. E o mais viável, por vários aspectos, era o da Eglê e meu. Foi aprovado. Começamos a preparar o roteiro. No roteiro tivemos a ajuda de um amigo chamado E. M. Santos. Estava tudo pronto, sim, mas precisávamos de recursos. Fizemos então outra coisa inimaginável em termos de Florianópolis dos anos de 1950: saímos vendendo cotas deste filme. E através das cotas conseguimos tornar viável este filme. Nenhum de nós tinha coragem de dirigir o filme, por isso pegamos um diretor do Rio Grande do Sul que tinha trabalhado como diretor assistente em um longa-metragem de lá e tinha feito alguns curtas. Trouxemos de São Paulo, para fazer a fotografia do filme, um jovem que tinha trabalhado com Alberto Cavalcanti, importamos os equipamentos e começamos o filme. O filme tem duas linhas. A primeira é uma crônica de uma cidade pequena, que era Florianópolis. a segunda veio porque nós éramos muito marcados pelo expressionismo alemão e pelo neo-realismo italiano, e o filme procura fundir estas duas tendências. Quando o filme ficou pronto – a gente sempre acha que está fazendo uma obra-prima – nós vimos que não era uma obra-prima e que ele tinha vários problemas que nós não tínhamos conseguido solucionar. Então o filme foi apresentado em Santa Catarina, em duas ou três cidades fora e desapareceu durante uns dois anos. Depois uma atriz de São Paulo disse que tentaria recuperar o filme, desde que fossem feitas algumas modificações e ela entrasse no filme. Mas antes pediu que fosse feita uma cópia de 16 milímetros. Nós estávamos morando no Rio de Janeiro quando, certa noite, telefonou Ricardo Ramos, grande amigo nosso, filho do Graciliano Ramos, dizendo: “Ô Salim, você disse que o filme de vocês não vale nada, não vou dizer que é uma obra-prima, mas não é tão ruim. Está na média do que se fazia no Brasil naquela época.” “Mas como é que você está me dizendo uma coisa dessa?” “É que ontem à noite, na TV Gazeta, tinha um programa de cinema brasileiro e passou “O Preço da Ilusão”, a cópia de 16 milímetros.” “Não brinca Ricardo!” “Passou, eu vi, minha mulher viu e estou te telefonando para dizer isso!” Isso foi lá pela metade da década de 1970. Nós saímos atrás dessa cópia de 16 milímetros, jamais conseguimos a cópia, e o que existe para provar que o filme foi feito são os oito minutos finais. Quem projetava os filmes na TV Gazeta era um grego. Consegui o telefone dele e liguei para ele. Nós ficamos sabendo que ele tinha brigado com a TV Gazeta e tinha levado filmes que eram do acervo da emissora, e um deles era “O Preço da Ilusão”. Ele me disse: “isso é uma mentira deslavada, querem me prejudicar, nunca tive esse filme na mão!” Depois o diretor do filme também telefonou para ele, o nome do diretor era Nilton Nascimento: “me ligou um tal de Salim Miguel, e o que eu disse
  10. 10. para ele vou te dizer: não tenho nada a ver com esse filme, nunca projetei nada na TV Gazeta!” E o filme continua perdido... Existia uma cópia em 35 milímetros, das três que foram feitas, com o sujeito que projetava os filmes em Florianópolis. Ele era o responsável por todos os cinemas, embora não fosse o dono. O Carreirão deixou sob a guarda dele uma cópia de 35 milímetros. Um dia um dos participantes do filme, que tinha feito uma ponta, disse para o Carreirão: “me empresta este teu filme, eu vou levar e percorrer Santa Catarina dizendo venham conhecer Florianópolis e o primeiro filme feito em Florianópolis”. Carreirão, que já estava em outra e já não queria mais saber de cinema e nem de literatura, emprestou e nunca mais cobrou a devolução do filme. E até hoje não se sabe onde foi parar esta cópia. Que o cara andou projetando pelo interior, andou. Fez em São José, Lages, Criciúma, Itajaí, isso em fins dos anos sessenta quando eu já estava no Rio. Sobre o Regime Militar. Sabemos que foste preso e que tiveste que ir para o Rio de Janeiro. Depois a Eglê também foi presa. O que desencadeou a tua prisão? Qual foi o argumento utilizado pelas forças de segurança para te prender? Bem, a minha prisão foi uma coisa fantástica! Eu era chefe do escritório da Agência Nacional em Santa Catarina. A Agência Nacional era o órgão de comunicação do Governo Federal. Ao mesmo tempo eu era assessor de imprensa do governador Celso Ramos. Eu estava saindo do gabinete de relações públicas do governo, onde eu trabalhava, e estava indo para os Correios para passar uma mensagem para o Rio de Janeiro. Isto no dia 2 de abril. Mas disse: “vou tomar um cafezinho no ‘Ponto Chic’ antes de passar a mensagem.” Chego lá, peço um cafezinho, está lá um amigo, lembro- me até hoje, eu estava pronto para tomar o cafezinho quando vejo a rua cheia de policiais, civis e uma ambulância. Naquela época a rua era aberta, não como hoje, fechada para veículos. Chega um comissário perto de mim e disse: “estás preso!” “Pô, deixa de brincadeira e me deixa tomar um café em paz!” Resumo. “Estás vendo a ambulância ali? Vamos levá-lo ao 5º Distrito Naval.” “Que brincadeira é essa?” “Não é brincadeira! Nós temos uma autorização do 14º Batalhão de Caçadores para prendê-lo.” E aí fiz uma coisa que hoje eu não faria de maneira alguma; recusei-me a ir para o 5º Distrito Naval e a entrar na ambulância. Isso durou quase uma hora, e haja gente circulando em torno daquilo! Até que de repente, acho que esse comissário mandou alguém se informar e voltou dizendo assim: “tudo bem, quartel da polícia militar!” “Está certo.” “Entra na ambulância!” “Não. Já disse que não estou doente e não vou entrar na ambulância! Vamos fazer o seguinte. Sei muito bem onde é o quartel. Vou pegar um táxi e vocês podem ir de ambulância!” “Vai de táxi, mas dois soldados vão junto.” Os dois soldados chegaram para mim: “podemos ir no seu táxi? Porque se nós formos em outro, vai sair do nosso bolso e nós não ganhamos pra isso!” (RISOS) “Tudo bem, não tenho nada contra vocês.” Fui de táxi, desci lá na Praça Getúlio Vargas, na entrada do quartel militar. O comissário já estava lá e me entregou ao sub-comandante da polícia, que tinha sido oficial de gabinete do Celso Ramos, e nós dois trabalhamos juntos e várias vezes viajamos juntos. Ele me olhou e disse assim: “poxa Salim, é isso! Tu falavas demais, dizias o que querias dizer e não devias e agora estás aqui preso!” “Vou te dizer uma coisa. Isto comigo não é nada. Eu quero ver, amanhã ou depois, teu chefe Juscelino Kubitschek estar pior do que eu.” E não deu outra! Pouco depois cassaram o Juscelino. Fiquei 48 dias preso, e as alegações eram duas: primeiro a de que
  11. 11. eu era chefe do núcleo do Partido Comunista de Santa Catarina. Eu nunca participei de partido político nenhum! Não acredito em partidos políticos, e estamos vendo hoje o que eles são. Sempre fui um homem de esquerda, embora hoje isto nem se deva mais dizer, mas continuo sendo um homem de esquerda. Mas diziam que eu era chefe do Partido Comunista e que tinha feito a Eglê entrar no partido porque eu não queria aparecer. Ela era filiada, mas isso nada tinha a ver com nosso relacionamento de marido e mulher e de pessoas que se gostam e até hoje continuam. Além disso, eu era sócio da Livraria Anita Garibaldi. Foi a primeira livraria a trabalhar com livros estrangeiros, de todas as tendências, inclusive livros de esquerda e comunistas. Mas era um ponto de referência em Santa Catarina. Foi a única livraria em todo o Brasil, na pacata Florianópolis, que foi queimada. Isso cinco dias depois de eu ter sido preso. Como o Brasil é um país surrealista, devo a minha soltura não só, mas principalmente, a um dos escritores mais importantes de Santa Catarina chamado Adonias Filho. Adonias Filho era um homem ligado aos militares. Quando o diretor geral da Agência Nacional foi obrigado a fugir, Josué Guimarães, um excelente jornalista e romancista, o Adonias assumiu a direção da Agência Nacional. Eu o conheci no Rio de Janeiro através do Jorge Lacerda, governador de Santa Catarina que morreu em um acidente de aviação. E o Adonias ficou muito espantado em ver um jovem provinciano conhecer toda a obra dele e discuti-la de igual para igual. Eu dizia: “ó Adonias, isso aqui você fez muito bem, mas eu não faria desse jeito” Quando ele assumiu a direção da Agência Nacional, a primeira coisa que fez foi procurar me soltar. Conseguiu depois de 48 dias. Fiquei preso no quartel da polícia militar. Os primeiros 30 dias de prisão fechada, sem poder me comunicar com ninguém. Os outros 18 dias meus filhos pequenos, minha família, já podiam me visitar. A Eglê não porque já estava presa. A minha soltura foi uma coisa fantástica! Eu estava no restaurante, porque os presos políticos, ao contrário dos coitados dos soldados, comiam no restaurante dos oficiais. Eu estava no restaurante dos oficiais com o prato e os talheres na mão quando ouço uma voz dizer “Salim Miguel!” Em um momento destes a primeira coisa que se pensa é: “o que virá de pior para mim?” E ele repetiu: “Salim Miguel!” “O que é que há?” “Vem comigo, estás solto!” “Pô, me deixa jantar em paz!” “Chegou um comunicado do 14º Batalhão de Caçadores, do General Sarmento, mandando te soltar.” Aí todos começaram a gritar: “janta! janta!” “Vou jantar? E vem outra mensagem me mandando ficar? Vou-me embora! Só que vou levar a faca e o garfo!” Como o oficial não disse nem sim e nem não, se vocês olharem na minha estante verão a faca e o garfo. Imediatamente telefonei para o Adonias, para saber o que tinha acontecido, e ele disse: “o seu processo foi arquivado e você continue dirigindo o escritório da Agência Nacional em Santa Catarina.” Mas já não havia mais condições. Amigos meus, dos tempos de infância, viravam rua para não me encontrar, enquanto pessoas que eu mal conhecia vinham me abraçar e me convidavam para tomar um cafezinho. É quando a gente fica conhecendo melhor o bicho homem, o ser humano. Muito desta tua experiência já contaste no livro “Primeiro de Abril”, mas sofreste algum tipo de violência além da psicológica?
  12. 12. Nenhum dos sessenta que estavam presos comigo sofreu qualquer violência física. Sofreram violência psicológica. Narro uma no “Primeiro de Abril” que aconteceu comigo. Agora, uma coisa impressionante é a maneira como as pessoas se diferenciam numa prisão. A maneira como cada um encara aquilo. Tinha um que durante toda a prisão ficava numa posição fetal, todo encolhido, e nunca mais se recuperou. Não falava com ninguém. Tinha outros que contavam anedotas, jogavam, brincavam, numa maneira de tentar fugir daquela situação opressiva. No meu caso a Eglê, antes de ser presa, mandou-me um caderno e um lápis, porque não podia entrar caneta, e eu fui fazendo as anotações que resultaram no “Primeiro de Abril”. E no final do livro coloquei uma relação com o nome e a profissão de todos que estiveram presos comigo. Inclusive, escreves o livro em 2ª pessoa. O que é uma coisa rara no Brasil. Este livro acabou de sair na França, só que eles mudaram o título. Eles acharam que “Primeiro de Abril: Narrativas da Cadeia” funcionaria para o Brasil, mas não lá. Então eles me consultaram e eu concordei, e ficou assim: “Brasil, 1964: a ditadura se instala”. E como se deu a prisão da Eglê? A Eglê ficou mais tempo do que eu, só que ela foi presa em casa, numa manhã. Não chegaram a entrar na casa, não destruíram a nossa biblioteca, mas ela foi chamada, foi presa, e deixaram, sem ninguém em casa, quatro crianças, o mais velho com 10 anos e o mais moço com 4 anos. E foi preciso uma vizinha ligar para a minha irmã, para ela ir lá e pegar as crianças. A Eglê foi levada para o hospital da polícia militar, onde ficou uma semana. O Golpe, na verdade, não foi um golpe de militares, mas de civis e militares. A cidade se movimentou, começaram a falar tanto, que acabaram tirando a Eglê do hospital e a levaram para casa. Então ela ficou em prisão domiciliar. Quando fui libertado, ela ainda estava em prisão domiciliar. Então ela ficou mais tempo presa do que eu. E por que a decisão de ir para o Rio de Janeiro? Aqui eu volto a dizer que o Brasil é um país surrealista! Eu estava pensando o que iria fazer, porque não tinha mais condições de continuar na Agência Nacional. Seis dias depois de ser preso – fui demitido do meu cargo no serviço de imprensa do estado – recebo um telefonema do Adonias Filho dizendo o seguinte: “Salim, estou te mandando uma passagem, venha ao Rio porque nós precisamos conversar.” Cheguei lá, sentei no escritório dele e perguntei: “Qual é a necessidade da minha vinda ao Rio? Vamos falar de literatura?” “Quero trazer você para vir trabalhar na direção geral da Agência Nacional comigo.” “Adonias, isso é uma loucura! Eu vou sair de Florianópolis para vir cair na boca do lobo?” Aí ele falou uma frase que nunca esqueci: “Você tem as suas idéias e eu tenho as minhas; o que seria de um país sem idéias? Agora, você também não vai sair por aí berrando nas ruas que és de esquerda! Mas em Florianópolis não há condições de você continuar por dois motivos: primeiro porque há a possibilidade de que você volte para a prisão; segundo, tem uma amigo seu, jornalista, que veio ao Rio e pediu o seu lugar.” Não é um negócio fantástico? Um amigo jornalista foi ao Rio pedir o meu lugar! Fui para o Rio em fevereiro de 1965, ainda consegui me segurar aqui durante uns meses. Eu costumo dizer que foi uma pena o Golpe não ter acontecido antes, porque eu teria ido antes para o Rio. (RISOS)
  13. 13. Por que então a decisão de voltar para Santa Catarina? O meu chão é Santa Catarina! Eu trabalhava em dois empregos com a carteira assinada, e trabalhava como free-lance em mais um jornal e fazia mais colaborações. Além disso, a Eglê cuidando de cinco filhos, fazia traduções, já que ela conhece muito bem vários idiomas, fazia revisão de livros, e não dava para a gente continuar no Rio de Janeiro. Em 1979 fui falar com o diretor da Agência Nacional, que já não era mais o Adonias há muito tempo, que disse assim: “tudo bem, você volta para Santa Catarina para dirigir a Agência Nacional.” “Não faça isso, por favor!” “Ou você aceita, ou não libero você daqui!” Vim, fiquei uns meses, mas não havia mais condições para eu ficar na Agência. Então fui colocado à disposição da Universidade Federal de Santa Catarina, o que foi bom. Aí sim, trabalhando bastante, mas não mais trabalhando em tempo integral, pude me dedicar mais à literatura e ao jornalismo. Acredito em três coisas, não acredito em inspiração, ou muito pouco, mas acredito em vocação, em talento e em persistência. Vocação todos nós temos, e alguns têm a sorte de ter vocação para mais de uma coisa. Por exemplo, tinha aqui um excelente médico, o Holdemar Menezes, que era um excelente ficcionista. No meu caso foi o jornalismo e a criação literária. Porque jornalismo também é literatura, embora muitos não aceitem. Talento; é preciso a gente regar o talento como quem rega uma flor muito preciosa e muito frágil. E a maneira de regar o talento é a persistência. “Eu quero ser isso, posso não ser um gênio nisso, mas devo chegar aonde quero chegar!” Então isso é a persistência que faz, e isso eu consegui em Florianópolis. Uma pergunta clássica, que fazemos a todos os escritores. Quais são as tuas referências literárias? Claro, durante a tua carreira escreveste a respeito de uma infinidade de autores, e as epígrafes dos teus livros também nos permitem perceber um pouco das tuas referências. Mas o teu estilo estaria dentro daquilo que hoje chamamos de pós-moderno. Muitos dos teus livros têm uma trama bastante diferenciada daquilo que se praticava e daquilo que ainda se pratica ainda hoje. Já nas tuas críticas literárias vemos que tu tens uma formação literária bastante clássica, como Fernando Pessoa, por exemplo. Isso é uma das coisas mais difíceis para mim, porque sempre fui um devorador de livros, e não satisfeito em ler, reli muito. Por exemplo, não sei quantas vezes reli Machado de Assis e Graciliano Ramos. São só dois exemplos. Mas se eu tivesse que ser obrigado a dizer quais os livros que mais me marcaram, eu teria dois: “Dom Quixote” e “As Mil e Uma Noites”. Acho que “Dom Quixote” deveria ser um livro obrigatório. Este foi o livro que talvez mais me marcou, embora eu já conhecesse anteriormente “As Mil e Uma Noites”. Primeiro pelo que minha mãe e meu pai contavam, que eram e não eram as “Mil e Uma Noites” que vim conhecer depois. Quando cheguei a Florianópolis, procurei logo “As Mil e Uma Noites” e encontrei uma edição resumida para o público juvenil, mas aquilo não me satisfez. Em 1956, eu já escrevia sobre livros e recebia praticamente tudo o que as editoras publicavam. Recebi da Saraiva uma edição em oito volumes de “As Mil e Uma Noites”, a única edição completa, com ilustrações de Aldemir Martins. Estão todas elas ali, traduzidas do francês. Depois disso comprei o que foi saindo, e só não comprei esta de agora, que é a primeira que está sendo traduzida diretamente do árabe, porque não vou conseguir ler já que estou praticamente cego. E outro fato. Cervantes esteve preso durante muito tempo. E na prisão e no contato com aquelas pessoas, ele deve ter sabido e ouvido muito d’“As Mil e Uma
  14. 14. Noites”. Há no “Dom Quixote” uma influência que nunca foi devidamente examinada, ou se foi não tomei conhecimento, d’“As Mil e Uma Noites”. Mas tem outros livros que me marcaram. Um livro que é muito contestado e que algumas pessoas põem debaixo do braço para dizer que leram, mas que nunca leram, o “Ulisses” de James Joyce. Li “Ulisses” em 1948, aos 24 anos, em edição espanhola. Tinha saído na Argentina uma tradução na qual o tradutor trabalhou por sete anos. Depois li a tradução de Antônio Houaiss, que foi a primeira tradução brasileira e na qual ele levou um ano inteiro para aprontar. Ele tinha sido demitido do Itamarati e foi contratado pelo diretor da Civilização Brasileira para traduzir o “Ulisses”. Quando eu estava no Rio, colaborei com a Enciclopédia Delta Larousse, que era coordenada pelo Antônio Houaiss e pelo Otto Maria Carpeaux. Então conversei com o Houaiss sobre a tradução que ele fez. “Vou te dizer uma coisa, em alguns aspectos, embora não conheça o original, gostei mais da tradução argentina.” E ele disse que a conhecia. Ele fez a tradução dele consultando não só a edição inglesa, mas a italiana, a francesa, a alemã e esta espanhola. Na Rússia tem três ou quatro que não canso de ler e reler: Dostoievski, Tolstoi, Gogol e Tchekhov, que para mim, é um dos mais importantes contistas de toda a história do conto, desde os tempos mais antigos. Gostaria que falasses sobre o teu processo criativo. Como surgem as idéias? Onde buscas as histórias? Vemos que muito é autobiográfico... Eu disse, no começo desta nossa conversa, que os temas com que o escritor trabalha são relativamente os mesmos desde o início dos tempos. Agora, no meu caso, não tenho personagens nem temas. Temas ou personagens é que me procuram. Para alguns digo: “tudo bem, vamos trabalhar”; para outros: “procure outro escritor porque não consigo chegar aonde tu queres”. Posso dar dois exemplos. Quando vou para um livro, um conto, uma novela, não sei como ele vai caminhar ou até onde ele vai chegar. Não sou como Érico Veríssimo ou como é aqui o Adolfo Boos Júnior. Eles fazem uma planta baixa, estruturam tudo o que vão narrar, o local, a situação, o perfil dos personagens. Eu não, não sei nada disso. Então vou contar esses dois casos. Primeiro, eu estava na minha casa de praia e, de noitinha a minha filha, que estava passando as férias conosco, atendeu ao telefone e me chamou. “Quem é?” “Não sei, é uma mulher.” Peguei o telefone: “É Salim Miguel? Estou chegando do Rio e preciso encontrá-lo.” “Por quê?” “Só posso explicar quando nos encontrarmos. Vamos nos encontrar em um bar?” “Desculpe, mas não vou sair. Por que não vens na minha casa de praia?” “A sua casa é muito longe, mas tenho que vê-lo! Vim do Rio especialmente para isso!” “Então amanhã pela manhã procure-me na editora da universidade, onde trabalho.” No outro dia eu estava passando uns originais para a secretária quando ouço uma voz dizer “que pena! Parece mas não é! Me desculpe!” Olho para a dona da voz. “O que é?” “Desculpe, parece mas não é.” “Mas parece e não é o quê?” “Vi uma fotografia sua num jornal do Rio falando do lançamento do seu livro e disse ‘é ele! É o homem que ando procurando desde 1964!’.” “Mas que história maluca é essa?” “Desculpe!” “Não, você me criou um problema em casa. Minha mulher agora está pensando que eu tive um caso com alguém. E agora diz ‘que pena’, ‘desculpe’, ‘não é ele’ e vai embora? Você vai sentar aqui e me explicar esta história!” Ela me contou um verdadeiro tema que não daria só um conto,
  15. 15. como acabei fazendo, mas uma novela ou um romance. Só que nunca consegui dar o clima que ele merecia. Mas ainda assim fui obrigado a publicá-lo porque nunca consegui me livrar daquilo. O conto se chama “Um Verão Louco”. O outro é muito mais fantástico ainda! Eu estava em Chapecó com Gervásio Batista, fazendo uma reportagem sobre o extremo oeste de Santa Catarina para a revista Manchete. Nós estávamos sentados em um restaurante, tínhamos pedido um jantar e uma cerveja. Eu estava resumindo para o Gilmar Batista o romance “São Miguel” do Guido Wilmar Sassi, que se passa naquela região. De repente vejo alguém se levantar e dizer: “posso sentar?” Antes que a gente pudesse dizer “pode”, ele sentou. “Estava naquela mesa ao lado, ouvia o que estavas contando e me interessei muito. Sou balseiro, minha vocação é ser balseiro, poderia ser outra coisa, mas eu gosto muito de ler e fiquei interessado neste romance porque se passa por aqui.” “Eu não tenho o romance aqui e ele está esgotado, talvez encontres nos sebos.” “Só para provar que gosto de ler, vou dizer que li a pouco ‘E Rilo Oscuro’ do Alfredo Varela.” “Conheço, é um bom romance.” “Mas este outro tu não conheces: “Anaconda”, do Horácio Quiroga.” “Também conheço!” “Ma tu conheces tudo?” “Não, não conheço tudo. Por exemplo, não sei o que é esse teu trabalho de balseiro. Sei o que é uma balsa porque já andei em uma, mas balseiro, como tu, não sei o que é.” “Mas para eu contar o que é ser balseiro, preciso tomar outra coisa que não seja essa cerveja. Preciso de um conhaque ou de uma cachaça da brava. Posso pedir?” “Mas por que estás me pedindo?” “Por que sei que vais anotar na cachola tudo que estou te dizendo, depois vais escrever tudo isso e vais me transformar em personagem. E os meus direitos autorais?” (RISOS) Este sim acho que é um dos meus contos que mais me agrada. Chama-se “Ponto de Balsa”. As florestas naquela região estão praticamente devastadas porque os madeireiros cortavam a madeira, transformavam-na em tábuas e toras, faziam balsas e esperavam a enchente para levar para a Argentina. Isso era corriqueiro naquela região de Santa Catarina. A história dele era a de uma balsa que ele estava levando para a Argentina durante um temporal enorme, e eles acharam que o temporal tinha terminado, mas não. A balsa bate e afunda e os amigos dele, mais a mulher com quem ele vivia, desaparecem e ele nunca mais os encontra. Ele me contou e eu anotei tudo, e o conto é mais dele do que meu, mas dei tempero e esta é a minha maneira de escrever. No meu último livro de contos, publicado pela Editora Record, “O Sabor da Fome”, tem três contos cujo início é igual. Eu estou em uma sala escura, de uma clínica oftalmológica, e pessoas que estão ali me contam pedaços das suas vidas, que transformo em contos. Apesar da crítica ainda não ter discutindo com o cuidado que merece, teu livro “As Confissões Prematuras” é uma novela diferente, tem uma trama diferenciada, não linear, apresentando só três personagens (o gordo, o magro e a mulher). Como se deu a idéia e a construção deste livro? Foi quando eu estava na quarta para a quinta versão do “Nur na Escuridão” e não consegui mais ir adiante. Eu precisava terminar o romance, mas não conseguia mais ir adiante. Foi quando disse para a Eglê: “vou ver se pego alguma coisa que seja inteiramente fora do meu mundo ficcional, que é Biguaçu e Florianópolis.” “Tenta!” “Se eu conseguir isto, talvez possa retomar o ‘Nur’.” Então pensei em três personagens sem nome, numa cidade em que nada pudesse ser identificado e onde as únicas referências seriam o gordo, o magro, a mulher e uma janela iluminada em um prédio, à noite, e onde na se via mais nada. E incidentalmente tem uma passagem num hospital. Fiz uma primeira versão, e nesta já senti a necessidade de incluir mais um personagem secundário, que pode ser o autor mas não o é, é um outro autor que se intromete ali
  16. 16. dentro, e de repente até o leitor. Fiz uma coisa, que também não é nova, onde o livro é narrado, ao mesmo tempo, na primeira, na segunda e na terceira pessoa. Isto eu devo em parte ao Miguel de Unamuno, que tem um romance chamado “Niebla”, um livro muito bom onde um personagem se rebela contra o que está sendo escrito. E na verdade são dois personagens. Primeiro a mulher, que na máquina de escrever do leitor ou do autor, escreve uma carta que é publicada na íntegra; e no fim do livro tem a carta do gordo. Só que enquanto que a carta da mulher é publicada na íntegra, a do gordo é recheada de observações de um pseudo-autor, onde este concorda ou não concorda com o que o gordo está dizendo. Agora tem uma coisa curiosa. Passei este livro para o Fábio Brüggemann e o Péricles Prade, da editora Letras Contemporâneas. Não tentei uma editora de fora porque eles iam dizer: “puxa, isso não tem nada a ver com a tua literatura.” Tem e não tem! O livro saiu e em menos de dez meses e esgotou a primeira edição. Muitas pessoas me contataram dizendo que neste livro era um outro Salim Miguel. Não, é o mesmo, porque não consigo ser, como outros escritores, 350, como diria Mário de Andrade. Mas foi uma experiência curiosa. Tem inclusive uma publicação da Universidade de Brasília com dois textos discutindo este livro. Ele está com a segunda edição esgotada, e quero ver se no próximo ano a Record tem interesse em lançá-lo junto com outro livro meu, “As Várias Faces”, que é uma novela em três atos. Tentei fazer uma peça de teatro, não consegui, mas também não consegui me desgrudar da estrutura do teatro, então resolvi fazer uma novela em três atos. “Jornada com Rupert”. Poderias falar um pouco sobre este teu novo livro? Penso que imigração e colonização são iguais e são diferentes. Imigração é aquela família que vem de fora, sozinha. A minha tia, por exemplo, em 1920 ou 21 se tocou sozinha para o Brasil, maluca que era! Isso é imigração. Colonização é um grupo que já vem com um espaço definido, já sabe para onde vai, embora não tenha a menor idéia de como é este lugar. O que é “Jornada com Rupert”? “Jornada com Rupert” é a colonização do Vale do Itajaí. Só que não faço um romance histórico, muito pelo contrário. Eu pego Rupert, que é o protagonista do livro, e três famílias, e em torno deles faço, durante um dia, um percurso que traz fragmentos da colonização alemã no Vale do Itajaí. Não tem ordem cronológica. O romance começa com o dia em que Rupert está saindo de Blumenau. De repente, no terceiro capítulo, nós estamos em 1870, quando os avós e tios-avós estão chegando a Blumenau. Em outro capítulo estamos no início do século passado, depois estamos nos anos de 1940, depois em 1946, onde Rupert está em um bar com os amigos. Então vou intercalando fragmentos com a colonização alemã. No final do livro temos Blumenau e temos Rio de Janeiro, porque uma das personagens, filha de um imigrante que chegou depois da guerra de 1914-18 e que vai abrir, em Blumenau, uma relojoaria além de ser um excelente fotógrafo. Ele vai se casar com uma blumenauense e da união nasce esta sua filha que, antes do Rupert, não consegue mais viver em Blumenau e se toca para o Rio de Janeiro. Então, na parte final do livro, nós temos intercaladas as cartas que ela manda para o pai e a situação de Blumenau. E o livro se fecha na véspera de Blumenau completar cem anos. Mas ali estão, como em outros livros meus, passagens da história do Brasil. 1930 e Getúlio; 36, Plínio Salgado em Blumenau; 37, a Espanha sendo invadida pelas forças do Franco, ajudado por Mussolini e por Hitler; 42, o Brasil entrando na Guerra. Então tudo isso vai pontilhar para dar um contexto da história do país neste período, o que já fiz no “Nur na Escuridão”. Então a editora está acreditando no livro e eu também. Costumo dizer que o melhor livro é aquele que se está escrevendo, senão não teria sentido continuar escrevendo.
  17. 17. Para terminarmos gostaria de abordar uma questão cujo debate vem se tornando cada vez mais acalorado, que é o da existência ou não da literatura catarinense. Existe uma literatura catarinense, ou podemos falar de uma literatura produzida em Santa Catarina? Gosto muito mais da idéia de uma literatura feita em Santa Catarina. Em 50, quando trabalhava no Diário da Manhã, fiz um debate em cima desse tema: Literatura de Santa Catarina. Porque literatura catarinense é muito mais vago. Literatura de Santa Catarina pode ser feita aqui, mas não necessariamente em cima de temas de Santa Catarina. Acho que nós temos em Santa Catarina, e já tínhamos no passado também, nomes representativos que trabalham, ou não, em cima de temas nossos. Por exemplo, tem o livro do Othon D’Eça, que este ano está no vestibular, o “Homens e Algas”, que é um livro importantíssimo. Tem o Virgílio Várzea e, do Grupo Sul para cá, há muitos nomes representativos. Em Santa Catarina nós tivemos um movimento importantíssimo que foi o “Idéia Nova”, de Cruz e Sousa e Virgílio Várzea. Depois vem a geração da revista Terra, da Academia Catarinense de Letras, mas se tu pegares os membros que criaram a Academia, não tem nenhum que tenha deixado uma obra literária, não só na ficção, mas também no ensaio, na crítica e na historiografia. Tem, depois, alguns acadêmicos que vão surgir, como o Othon D’Eça, o Oswaldo Cabral, o Almiro Caldeira. A partir do Grupo Sul criou-se a consciência de que em Santa Catarina há um campo para todas as áreas de cultura, não só literatura, mas cinema, artes plásticas, música. Um dos nomes mais representativos da música clássica é o Edino Krieger, e o pai dele, o Aldo Krieger é outro nome importante. Na pintura nós não temos só Vitor Meireles, tem Martinho de Haro, tem Hassis entre outros.

×